Version classiqueVersion mobile

Traduction et lusophonie

 | 
Marie-Noëlle Ciccia
, 
Ludovic Heyraud
, 
Claude Maffre

[ler-me na língua materna da poesia]

Pedro Sena-Lino

Texte intégral

Lisboa, Março-Abril de 2006
para Ludovic Heyraud

1a poesia não tem idioma; língua da língua, comunica o coração do tempo e a raiz do espaço.

2mas, tendo uma aproximação de dialecto, aquela onde as palavras soassem o seu peso de infinito, penso que seria onde a própria língua que a poesia escolhe comigo bebeu a distância; seria a língua onde, com o tanger longo dos poetas provençais, a poesia portuguesa, misturada com a dor do deserto árabe e as falésias da sede de Sagres a Moledo, a minha língua começou em poesia: o francês.

3ler-me na língua materna da poesia, aquela em cujo sangue de metáfora a poesia portuguesa bebeu, é a verdade daquilo que sinto que deve ser um poeta: alguém que vive a poesia com a sua própria biografia ferida, os abismos da própria sensibilidade e intuição, para receber o dom da língua da língua e a transmitir aos outros. um poeta é sobretudo ninguém, um eco escrito de absoluto humano.

4os poemas que estão reunidos pelo meu nome (porque não são meus; porque um poema só pertence ao leitor) pareceram-me realmente do outro: não já meus, mas do mundo, pelo mistério da transmissão da metáfora. porque a metáfora é uma tradução do infinito. mas pareceram-me — devo dizê-lo —, como eco corporal que sou desses poemas, mais belos em Francês do que em Português. porque cumpriram a sua despersonificação, e porque se concretizaram, nas suas subtilezas de raiz.

5[interlúdio em forma de pessoa], essa tentativa de diálogo com todo o excesso de perda do Modernismo português, surge-me mais directo, mais forte e mais cheio de escadas sonoras do que em Português; e oiço os meus poetas de adolescência e de hoje, Supervielle, Jouve e Jacob, misturarem-se nessas «escadarias dos sonhos mortos».

6não posso, porém, deixar de referir alguns aspectos que me parecem importantes e pertinentes nesta tradução dos poemas em causa. antes de mais, porém, devo referir dois aspectos, que situem com clareza o que pretendo ressaltar:

7i. em Português, estes poemas organizam-se sem pontuação (com a excepção dos poemas em prosa), precisamente porque procuram uma multiplicidade de sentidos; quer-se que seja o leitor a organizar sintaticamente as frases, a lógica dos versos; pela mesma razão, os títulos ou estão entre parêntesis (são apenas uma sugestão) ou não existem: para que nada impeça o leitor de encontrar aí o seu sentido. depois do modernismo e do pós-modernismo, não entendo um poema sem que o leitor seja soberano, na composição livre do seu poema; na feitura, como leitor, do seu próprio poema. por isso pretendo-os o mais limpos possível da intervenção autoral limitativa em termos de sentido; por isso pretendo-os profundamente imiscuídos numa vida interior e absoluta, quase fechadamente pessoais, para que comuniquem com a história do leitor e criem um movimento de queda em si próprio, uma reflexão autobiográfica tendente à construção de si: é isso a poesia.

8ii. a experiência sintática, que vem notoriamente depois do surrealismo e sobretudo do experimentalismo. não acredito em nenhuma poesia portuguesa actual que não se funde ou fundamente senão no experimentalismo como tradição ruptural. as inversões de sujeito e complemento, a colocação de substantivos como adjectivos, e de adjectivos como substantivos; a criação de novos verbos a partir de substantivos: estes apenas algumas das formas de procurar o sentido na criatividade da gramática, numa forma poética que implique que o leitor construa o sentido, e não fique apenas com uma frase ou uma imagem directa, mas que trabalhe o sentido e se trabalhe nele.

9parecem-me importantes estes dois aspectos para referir o intenso e imenso trabalho que estas traduções tiveram em respeitar o sentido original em Português. mesmo quando este era um sentido múltiplo, indo em várias direcções, permitindo diversas leituras, como no verso mais ou menos raso de raiz angústia, que a brilhante equipa de tradução leu como ??

10por outro lado, quando isso não se revelava possível em francês, a procura da criação de novas palavras, como racineangoisse; ou a escolha marcada de um sentido veio, a meu ver, a concentrar a direcção de sentido, a intenção de cada poema, tornando-os mais directos e precisos. é o exemplo de [aqueronte, na segunda morte da pele].

11concluo, com um último aspecto para mim fundamental: o mistério que a metáfora é, que a metáfora existe, usando-se de um pobre ser e das suas limitações de humano e de desesperado da eternidade, passa e corre nestas traduções. traduzir o que já é tradução é regressar à raiz da língua e misturar-se na própria essência da poesia.

12parecerá que escolho expressões compostas mas vagas para me referir a este trabalho; mas não o faço: procuro a verdade, e a verdade encontra-se com a minha história. devo confessar que leio nestes poemas os mesmos poemas, mas outros e infinitamente mais poemas; e sobretudo sentidos concretizados e novos que não imaginei. procuro que um poema toque a multiplicidade dos signos e a concretize, sendo concretamente vário. perdeu-se, nesse jogo com a vida secreta e eterna das palavras que tocam o silêncio do princípio e o silêncio do fim (as palavras não são senão barcos de silêncio), já desde o momento de escrita, a biografia pessoal de onde os poemas se levantaram; mas o que posso dizer depois da emoção de nascente que esta tradução me trouxe, é que encontrei a poesia por onde pensei que ela já tinha passado. e abrir o texto para o seu múltiplo. porque haverá texto se nele não se vir o infinito?

13a poesia não é para o real, nem para combater o mundo; um poema é uma casa no invisível, uma paisagem, um rio ou um planeta; para o mundo se tornar respirável, há que criar no invisível para podermos viver no mundo.

14pelo mistério da tradução, estes poemas respiram a língua da língua da poesia.

Auteur

Écrivain, Lisbonne

© Presses universitaires de la Méditerranée, 2007

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search