Version classiqueVersion mobile

Traduction et lusophonie

 | 
Marie-Noëlle Ciccia
, 
Ludovic Heyraud
, 
Claude Maffre

Oralidade e escrita: dançar com as palavras quietas

Ondjaki

Texte intégral

«Falta-nos descobrir o caminho humano para o futuro [...]»
Mia Couto.

1José Saramago diz, no seu mais recente romance, «saberemos cada vez menos o que é um ser humano»; eu gostaria de apostar que saberemos cada vez menos sobre aquilo que uma vez julgámos ser uma Língua pura. Assistimos, presentemente, à mestiçagem da Humanidade, em todos os seus sectores, mais ou menos políticos, mais ou menos culturais, e as Línguas de falar e de escrever não fogem a isso.

2Assim é que as manobras e investidas sobre as Línguas, dando-lhes um sentido e até uma textura de plasticidade, vão ganhando mais respeito e coesão. A fuga à norma, ao sentido clássico de produção literária, é vista como caminho possível, nem mais nem menos válido que as outras opções estéticas. Uma destas vias é a escrita que se revê num registo muito próximo daquilo que se poderia chamar de oralidade, ou o uso quotidiano da Língua, das Línguas, quando as pessoas se expressam num sentido mais criativo. As palavras do poeta brasileiro Manoel de Barros apontam para isso mesmo:

  • 1 Manoel de Barros, in «Livro das Ignorãnças», Record, 1993.

Respeito as oralidades.
Eu escrevo o rumor das palavras.1

3O escritor, este ou outro, aproximando-se e reivindicando o «rumor das palavras», mais não faz do que aproximar-se da sua maneira de interpretar, incorporar e usar uma linguagem própria, portanto singular, para expor em formato compreensível a sua arte. Os escritores aproximam a sua escrita de um tom mais coloquial, ou que vão beber à oralidade quotidiana inspiração para a sua oficina, procuram traduzir, a meu ver, conteúdos tão internos quanto os escritores que o fazem em formatos ditos «mais eruditos», mais consoantes com a clássica maneira de escrever em Língua Portuguesa. Quem ouve, e gosta de ouvir para depois escrever, tem, usualmente, uma relação umbilical com a Língua falada, com a Língua «de se dizer», de ser vivenciada sem se isolar dos acontecimentos — pessoais ou colectivos — do teatro da vida. Estes escritores buscam, arriscaria dizer, mexer no «corpo da Língua», procurando dar-lhe novos sentidos, imprevisíveis sonoridades, pressentindo nos parágrafos uma voz que também seja a sua, a do escritor.

4Vinda assim, directamente da vida mundana, esta escrita quase falada traz em si uma força oral, quase sempre sugerindo um ritmo e um tom musical:

  • 2 Manuel Rui, in «O manequim e o piano», Cotovia, 2005.

como os dedos dela no piano faziam deslumbrações quase de conversa com as violetas que abriam para as estrelas daquele céu sempre tecto protector mesmo quando chovia chuva teimosa numa cantata de muitos dias e o som dos grilos sempre embriagado no luar tão fresco do planalto [...].2

5Não se trata porém, de fixar materiais da oralidade. Talvez, isso sim, se trate de reinventar essa oralidade, fixando em texto algumas das suas energias de «coisa para ser falada», imprimindo nessa escrita plástica a textura de quem a produz, ou seja, demarcando esses «materiais legitimamente literários» com formatos personalizados. Nestes formatos, aparece uma estética que se afasta das regras e cede aos instintos e vontades do escritor. Este, mais do que planificar um resultado, quer ser seduzido por hesitações estéticas e libertinagens acontecidas. Partindo do que é quotidiano e colectivo, o escritor quer, talvez, descobrir um pouco de uma verdade que de tão interna seja só sua. Como diria, em versos, o mestre Guimarães Rosa

  • 3 João Guimarães Rosa, in «Magma», Nova Fronteira, 1997.

Não agüento depor
nem um tijolo a mais
na minha torre,
e já esqueci as línguas
dos outros homens.
Quem me dera
não perder a minha própria língua!...3

6Para alguns autores habituados e interessados em trabalhar, na escrita, com um tom e uma palavra que é «falada», o resultado é, pois, uma dança de palavras quietas. Porque é próprio da oralidade que a erudição se perca. O sentido prático da linguagem diária, englobando tendências várias e criando novos formatos que derivam da mistura cultural de todos os quotidianos globalizados (as novelas brasileiras, os filmes americanos, os programas da televisão portuguesa, e também as telenovelas angolanas), não deixa muito espaço para uma linguagem mais cuidada. Nesse belo «descuido», o improviso ganha força e valor. O texto não busca perfeição mas sinuosidade:

  • 4 Manuel Rui, in «O manequim e o piano», Cotovia, 2005.

imagino em Benguela mulheres afamadas perfume de coco sempre a sereiar das ondas onduladas na areia da praia que o beijo delas por isso salga tanto de mar na boca [...].4

7Será, então, o escritor, um tradutor da oralidade? Poderá o escritor fixar a oralidade no que ela contém de livre arbítrio e de captação constante? Penso que não. Reinventando a oralidade, a escrita acaba por criar um código novo — não hermético — cuja raiz existiu num tempo e espaço específicos. A oralidade não é fonte directa, exclusiva matéria-prima de trabalho, mas tão somente ponto de partida, referente privilegiado originário de uma estética que se há-de reconhecer em algumas escritas.

8Havendo estética intencional, parece-me que é a do instinto. Creio que o instinto trabalhado, retocado e intelectualmente alimentado, é o denominador comum de todo o labor sério em torno da palavra. trata-se, diria Manuel Rui, de usar a palavra

  • 5 Manuel Rui Monteiro, in «Da escrita à Fala», texto escrito especialmente para o Ciberdúvidas, 2004

como elemento da criatividade mais inicial, a palavra como princípio de se conhecer a existência.5

9O escritor, enquanto artista e esteta, procura aperfeiçoar as ferramentas da sua disciplina. É um ser atento, receptivo, racional. Mas é também um animal de buscas, e pode ser visto como uma ponte entre aquilo que nos acontece e aquilo que foi criado como se tivesse de facto acontecido. O escritor é, nisso concordo com o poeta angolano Ruy Duarte de Carvalho, um

  • 6 Ruy Duarte de Carvalho, in «A câmara, a escrita e a coisa dita...», INALD, 1997.

arquitecto do simbólico e mestre de símbolos antes de mestre de técnicas.6

10Poderá também ser visto como um arquitecto dos sentires e, assim, uma escrita que viva de coisas sentidas, ouvidas, assimiladas para aparecerem sob novos formatos, pode resultar extremamente verdadeira. Porque o uso da oralidade na escrita literária resulta não como uma «bengala» ou «mera ferramenta», mas sim quando constitui uma sugestão tão interna que se transforma numa urgência da estética literária. Isto é, a oralidade e a reformulação de aspectos orais resultou em Guimarães Rosa, em Luandino, em Manuel Rui ou Mia Couto, porque, parece-me, mais do que uma opção era uma necessidade inequívoca. Ou chamamento.

11No livro «O Manequim e o Piano», de Manuel Rui, um personagem diz a outro aquilo que talvez seja uma inconsciente confissão do escritor angolano:

  • 7 Manuel Rui, in «O manequim e o piano», Cotovia, 2005.

um livro eu gostava de escrever como a gente se fala sem essa porra das pontuações aliás imagina eu a conversar contigo e dizer vírgula ou fim de comunicação ou parágrafo sabes que para mim um livro devia ser falado!7

12Será este um dos sonhos ou pesadelos de quem escreve num registo que sugere e rectifica a oralidade? Um livro falado? Fica a questão.

13Na verdade, as «Línguas Portuguesas» faladas e escritas nos mais variados pontos do planeta o que fazem é, a partir de uma matriz que ainda está muito clara e presente, transformar uma Língua em várias. As tendências, os regionalismos que se vão adicionando à Língua-padrão, os refluxos de mestiçagem linguística e sonora, todos estes fenómenos estão a transformar a Língua Portuguesa em variadas Línguas Contemporâneas, mais permissivas, mais plásticas, mais irreverentes. Talvez mais adaptadas ao decurso da parte da humanidade que vive e sonha em Português livre. Vai havendo — e é assim o fluir da História — um desaperfeiçoamento da norma, mas poderá ser verdade que

  • 8 Manuel Rui Monteiro, in «Da escrita à Fala», texto escrito especialmente para o Ciberdúvidas, 2004

nesse desaperfeiçoamento aparente, vamos aperfeiçoando a vida da língua, das falas e das escritas.8

14Não há o que recear. A escrita, no sentido da literatura ficcional, em prosa ou verso, em discurso pensado ou improvisado, ela é sempre um exercício da intimidade intelectual e cultural de cada um, e deve ser, como diria Ruy Duarte de Carvalho,

  • 9 Ruy Duarte de Carvalho, in «A câmara, a escrita e a coisa dita...», INALD, 1997.

um exercício de modernidade, precisamente, que encontra nas estruturas profundas, reveladas por essa expressão, a via para actualizar, tornar acto, uma atitude tão antiga quanto o próprio tempo do homem — a atitude poética — no exacto momento da escrita, no aqui, no agora, hoje mesmo.9

15A escrita, tenha ela a textura que apresentar, advém de opções individuais e de coerências próprias, o mais das vezes.

16Quando a ponte entre oralidade e escrita é feita com seriedade e sentido estético, mas também criativo, o resultado é um desaperfeiçoar aperfeiçoante da Língua escrita. Porque as Línguas fazem-se a caminho do futuro. Porque o «caminho para o futuro» descobre-se no decurso de múltiplos quotidianos.

Notes

1 Manoel de Barros, in «Livro das Ignorãnças», Record, 1993.

2 Manuel Rui, in «O manequim e o piano», Cotovia, 2005.

3 João Guimarães Rosa, in «Magma», Nova Fronteira, 1997.

4 Manuel Rui, in «O manequim e o piano», Cotovia, 2005.

5 Manuel Rui Monteiro, in «Da escrita à Fala», texto escrito especialmente para o Ciberdúvidas, 2004.

6 Ruy Duarte de Carvalho, in «A câmara, a escrita e a coisa dita...», INALD, 1997.

7 Manuel Rui, in «O manequim e o piano», Cotovia, 2005.

8 Manuel Rui Monteiro, in «Da escrita à Fala», texto escrito especialmente para o Ciberdúvidas, 2004.

9 Ruy Duarte de Carvalho, in «A câmara, a escrita e a coisa dita...», INALD, 1997.

Auteur

Écrivain angolais, Luanda

© Presses universitaires de la Méditerranée, 2007

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search