Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Inovação, território, e arranjos cooperativos

 | 
Sonia Maria Karam Guimarães
, 
Bernard Pecqueur

Primeira parte. Território e inovação

Polo de competitividade e parcerias de inovação

O ponto de vista das pequenas e médias empresas (PME) do Vale do Arve

Laura Sabbado da Rosa
Traduction de Patrícia Rodrigues Costa

Résumé

A implementação de polos de competitividade, desde 2006, faz parte de uma política governamental para apoiar as empresas e territórios no intuito de melhor posicionar a França na competição econômica internacional. O objetivo é fortalecer a base industrial em algumas regiões por uma importante injeção de investimentos públicos em projetos relacionados à inovação e à internacionalização das empresas. Este texto trata dos efeitos da instalação do polo de competitividade “Arve-Industries” e, em particular, do grau de envolvimento das PME (pequenas e médias empresas)locais na abordagem coletiva para a inovação. Do ponto de vista teórico, utilizamos, por um lado, a abordagem da economia territorial, uma vez que a noção de território é parte integrante da lógica dos polos de competitividade, e, por outro, adotamos os estudos relativos à dinâmica de produção e transferência de conhecimentos nas redes territorializadas. Em ambas as abordagens, a proximidade é apresentada como um fator importante subjacente às relações de cooperação entre as partes interessadas (empresas, laboratórios e universidades) no campo da tecnologia. E isso acontece porque a inovação mobiliza os conhecimentos tácitos, pouco formalizados, cuja circulação depende fortemente de uma componente relacional presente em um ambiente territorial. Do ponto de vista empírico, este trabalho é baseado em uma pesquisa de campo realizada por meio de entrevistas semidirigidas com 22 gestores de PME e 6 gestores de organizações de apoio à indústria local. O principal objetivo foi o de avaliar os pontos de vista das PME sobre o funcionamento do polo e sua participação nos projetos propostos. Observamos, assim, que o meio dos pequenos empregadores locais está dividido. Quando perguntados sobre sua relação com a organização, há quem veja apenas benefícios em mantê-la e outros que se mostram um pouco relutantes em se integrar a ela, destacando as desvantagens de darem esse passo. De modo geral, os efeitos do polo sobre a dinâmica local de parceria são ainda bastante modestos por uma série de razões, entre estas, o fato de ser uma iniciativa recente cuja estratégia ainda não está adaptada às especificidades das PME. Deve-se considerar também a natureza individualista do pequeno empresário, pouco inclinado a fazer esse caminho em direção a uma abordagem colaborativa com parceiros potenciais. Em suma, a transferência de conhecimentos técnicos explícitos, característica importante de um ambiente inovador, não é uma prática generalizada nas PME pesquisadas. No entanto, o polo representa um apoio importante para sua adaptação às novas exigências da globalização, fornecendo os meios de evoluir para tecnologias futuras, o que, no caso particular do Vale do Arve, diz respeito à transição da microusinagem para a mecatrônica. Finalmente, o objetivo deste trabalho é contribuir para o acompanhamento da ação dos polos de competitividade na França e, especialmente, para as discussões sobre o papel das PME nas dinâmicas locais de inovação.

Note de l’éditeur

Este capítulo foi traduzido do francês.

Texte intégral

No vale, tem-se de tudo próximo: as máquinas, os ferramenteiros, os tratamentos de superfície, os tratamentos térmicos, as empresas terceirizadas, e também todos os estoques de material encontram-se no local. Por exemplo, na Romênia, não existe essa concentração industrial, então você é obrigado a fornecer o material, as ferramentas, uma vez que a mão-de-obra naquele país é bem menos qualificada.

Introdução

1Esse testemunho de um patrão do Vale do Arve revela de imediato o contexto bastante específico desse ambiente produtivo. Definido como um distrito industrial, ele abrange cerca de trinta municípios no departamento de Haute-Savoie, especializados na microusinagem. Composta em sua maioria por PME, caracteriza-se como uma rede de empresas de terceirização, fabricando peças, em particular, para o setor automotivo. Um indicador da importância econômica da região é a forte representação de seus negócios no Sindicato Nacional de Microusinagem (SNDEC): em 2012, mais de oitocentas empresas mecânicas de terceirização e quase quatrocentas empresas especializadas na microusinagem estão localizadas no mesmo território. Isso explica a recente instalação na região de um polo de competitividade, resultado de uma ação política por parte do Estado em vista de promover a inovação e a internacionalização das empresas localizadas em regiões com alta especialização produtiva.

2É nesse contexto atual que se situa nosso objeto de pesquisa, qual seja, a análise de relações de parceria no Vale do Arve. O objetivo é avaliar a influência desse novo tipo de organização territorial no processo de inovação das PME locais.

3Para isso, esboçamos brevemente, na primeira parte, alguns elementos teóricos para a compreensão da dinâmica da transferência de conhecimento em áreas industriais específicas, como é o caso do Vale do Arve. Na segunda parte, apresentamos os objetivos da política de instalação dos polos de competitividade na França e as características daquele do Vale do Arve. E, finalmente, na terceira parte, expomos alguns resultados preliminares de nossa pesquisa de campo. A questão é, pois, avaliar o grau de envolvimento das PME locais nos projetos propostos pelo polo, considerando a percepção que têm do funcionamento deste último.

A ancoragem local de inovação: a proximidade e a transferência de conhecimentos

4Em uma abordagem pioneira, Marshall (1919) refere-se a uma atmosfera propícia à troca de inovação: a difusão de novas ideias faz-se mais facilmente em um contexto de proximidade física, de partilha e de confiança, como o que caracteriza o distrito industrial.

5A atualização dessa problemática levou a diferentes interpretações das dinâmicas territoriais. Uma das primeiras abordagens é de origem italiana e refere-se a uma concentração particular de pequenas empresas especializadas em uma profissão, cujos relatórios são baseados em profundas raízes socioculturais (Garofoli, 1983). Como mostra a literatura na área, trata-se de um “tipo de organização com uma lógica própria de reprodução e desenvolvimento” (Courlet, 2002, 28 p.). Isto significa que a empresa não preexiste ao meio ambiente local, mas na verdade é um produto do mesmo e, portanto, a inovação está sempre enraizada na experiência e nas tradições locais (Aydalot, 1986). A troca de saberes com outras empresas ou organizações envolvidas em uma rede permite às PME inovar e aumentar assim a sua competitividade. Essa transferência de conhecimento, com base nos relatórios de cooperação, é favorecida pelos laços sociais e de proximidade entre os atores.

O processo de transferência de conhecimento

6Esse processo é definido como “um modelo regular de interações entre as empresas que permite a transferência, a recombinação ou a criação de conhecimento especializado” (Dyer e Singh, 1998, p. 665). Mais precisamente, trata-se de um processo em que cada membro da rede é influenciado pela experiência do outro (Argote e Ingram, 2000). Isso pode acontecer em diferentes níveis, entre indivíduos, grupos ou organizações (Inkpen e Tsang, 2005), mas começa, de fato, pela troca individual: é a partir da relação entre os indivíduos que a aprendizagem evolui para a dimensão coletiva, alcançando os grupos, as organizações e a rede como um todo. Além disso, pode levar a um processo cumulativo de aquisição de competências, uma vez que as relações enriquecendo-se ao longo do tempo, as empresas podem usar esse conhecimento a longo prazo, em várias ocasiões e sem nenhum custo adicional (Dyer e Hatch, 2006). Isso quer dizer que a repetição das relações entre os membros aumenta o potencial para a aquisição de conhecimentos (Inkpen e Tsang, 2005). Trata-se no caso de um fator importante na evolução de uma empresa, em particular, das empresas de terceirização, que podem desenvolver suas competências no processo de fabricação e tornar-se cada vez mais especializadas.

Tipos de transferências

7Como se dá a transferência depende do tipo de conhecimento que é objeto de troca. Existem dois tipos de conhecimento: o conhecimento explícito e conhecimento tácito (Nonaka, 1991). O conhecimento explícito é formal e sistemático. Por esse motivo, ele pode ser facilmente disseminado através de especificações de produtos, fórmulas científicas ou softwares. Por outro lado, o conhecimento tácito é altamente personalizado, pois se trata de uma habilidade que o indivíduo tem acumulada após anos de experiência no ramo de negócios. Ainda que sua expertise esteja “na ponta dos dedos”, seria difícil para ele formalizar tudo o que sabe (Nonaka, 1991). Donde a dificuldade de verbalizar o conhecimento e, portanto, de divulgá-lo aos outros parceiros.

8Assim, se no primeiro caso o processo de transferência pode ser regulado por meio de um contrato entre as partes envolvidas, no caso de um conhecimento tácito sua circulação interorganizacional se dá por alianças, geralmente informais, entre as empresas. Parece que essas alianças têm uma vantagem sobre contratos convencionais pelo fato de as capacidades tecnológicas serem muitas vezes baseadas em um conhecimento tácito, que dificilmente pode ser objeto de uma formalização explícita conforme exigido por um contrato (Inkpen, 1998). Neste último caso, a relação de confiança entre os parceiros desempenha um papel essencial na medida em que ajuda a limitar os comportamentos oportunistas de uns e de outros (Jarillo, 1988). Essa confiança é baseada em laços socioculturais entre os membros de uma rede. Esses laços são caracterizados por uma forte ancoragem local, uma vez que pertencem à história local, às tradições, etc. A importância dessa dimensão social é ilustrada na tabela abaixo.

Tabela 2. A transferência de conhecimento nas redes

Dimensões sociais

Distritos industriais

Laços estruturais da rede

A proximidade com os outros membros

Configuração de Rede

Laços fracos para manter a conexão com múltiplos parceiros

A estabilidade da rede

Relações pessoais estáveis

Objetivos Comuns

A lógica da interação deriva da cooperação

Cultura compartilhada

As normas e regras que regem a troca informal de conhecimento

Confiança

As relações comerciais são incorporadas nos laços sociais

Fonte: Adaptado de Inkpen e Tsang, 2005, p. 155.

Transmissão de conhecimento no Vale do Arve

9No caso do Vale do Arve, a transmissão informal de conhecimento tácito deve-se ao efeito de proximidade entre os produtores e às relações sociais que dela resultam. Este é um tipo de conhecimento que é passado de geração em geração e, na região, tem evoluído a partir de uma especialização ligada ao setor de relógios para o de microusinagem. Difíceis de codificar, esses conhecimentos específicos se aprendem de modo improvisado nas empresas da região. A formação de um trabalhador de fábrica sem experiência pode, assim, levar vários meses, o que requer um investimento de tempo e recursos do proprietário de uma PME.

10A transferência de conhecimento explícito, por sua vez, é assegurada pela ação das instituições locais responsáveis pela formação profissional da mão-de-obra local: esse é o papel das instituições de formação profissional (escolas técnicas), do centro técnico de microusinagem (CTDEC) e ainda da Universidade de Savoie. Por outro lado, a atividade de microusinagem também se beneficia das atividades de P&D, propostas por organizações locais, como é o caso do laboratório de pesquisa criado pelo CTDEC. O centro dispõe de equipamentos modernos permitindo a alguns torneiros, e isso é motivo de orgulho local, trabalhar peças do tamanho do mícron.

11Em última análise, a transmissão de conhecimento é um fator importante no processo de inovação empresarial. Porém, mesmo que a inovação seja uma parte importante na estratégia das empresas, ela não depende simplesmente da capacidade do empreendedor e da empresa isolada, nem mesmo das instituições científicas e da coordenação das instituições locais. Segundo Camagni (2006, p. 72), a rede de inovação requer uma abordagem mais complexa de caráter multifuncional resultante da “ação combinada de vários atores, uma articulação complexa e não linear de competências específicas e de processos de aquisição de conhecimento em toda a cadeia de produção.”

12Daí a importância que pode adquirir a recente política de criação de polos de competitividade na França, cujo principal objetivo é incentivar a implementação coletiva de projetos inovadores em determinados territórios.

Redes de inovação: o caso dos polos de competitividade

  • 1 “combinaison d’entreprises, de centres de formation professionnelle, d’établissements d’enseignemen (...)

13As políticas de planejamento do território na França baseiam-se, desde 2005, na criação de polos de competitividade. Estes são instalados em certas zonas delimitadas geograficamente, que têm uma especialização de produção significativa e que já comportam “uma combinação de empresas, centros de formação profissional, instituições de ensino superior e de pesquisa envolvidas em parcerias para realização de projetos de inovação conjuntos, que possuam, simultaneamente, uma visibilidade internacional” (Datar, 2005)1.

14O objetivo dos polos de competitividade é fortalecer o tecido industrial de certas regiões aumentando-se o investimento público em projetos relacionados com a inovação e a internacionalização das PME. Concretamente, a questão da localização dos polos ocorre em três níveis: regional, para obter o apoio da região, dada a concorrência com outras atividades locais; nacional, para beneficiar-se do reconhecimento e financiamento do Estado; e, sobretudo, internacional, para ser legitimado como um fator decisivo no setor de atividade em causa (Tixier, 2010).

15De acordo com um gráfico comparativo de diferentes tipos de redes territoriais (ver Tabela 3), observa-se que os polos de competitividade, ao contrário de outros, são caracterizados tanto por uma variedade de parceiros como pelo apoio de políticas públicas.

Tabela 3. Classificação das redes territoriais

Composição das redes

A colaboração é principalmente desejada pelas próprias empresas

A colaboração é reconhecida e reforçada pelos poderes públicos

Os parceiros são empresas na sua totalidade

Distritos industriais

SPL

Os parceiros são organizações diversas: empresas, universidades, etc.

Cluster

Polos de competitividade

Fonte: Adaptado de Defélix et al, 2006.

16Fica evidente que os benefícios desse tipo de organização territorial são inúmeros, uma vez que “o diálogo entre as empresas e os poderes públicos torna-se uma vantagem para todos: para a empresa que encontra externalidades em seu compromisso local, como também para os atores locais que encontram aí uma atividade econômica que favorece a vida social” (Pecqueur, 2008, p. 312). Outros autores consideram essa abordagem de credenciamento dos territórios em polos de competitividade como o melhor compromisso entre uma proximidade geográfica necessária para estabelecer as redes e um espaço grande o suficiente para acomodar as organizações, empresas, centros de pesquisa e formação com a dimensão crítica para conduzir um projeto coletivo de alcance internacional (Bocquet e Motte, 2011, p. 5).

17Trata-se de um espaço em que a sinergia dos atores locais promove o desenvolvimento das empresas.

18Especificamente, o polo do Vale do Arve, chamado Arve-Industries, incorpora cerca de três centenas de empresas industriais, oriundas do próprio Vale, bem como outras originárias de outras cidades do departamento de Haute-Savoie. A maioria dessas empresas pertence ao setor de microusinagem e as demais são especializadas em outros setores de atividade, muitas vezes complementares à atividade principal da região. Também deve-se notar a forte presença de PME no polo (ver Figura 1), o que reflete a participação majoritária que elas têm no sistema industrial local.

Figura 1. Tipos de empresas na Arve-Industries

Figura 1. Tipos de empresas na Arve-Industries

Fonte: Informações fornecidas pelo polo de competitividade.

  • 2 “concentrer sur le territoire des centres d’expertise de niveau européen, choisir et réaliser des p (...)

19Os projetos do Arve-Industries abrangem quatro temáticas: a inovação através dos processos, a inovação pela organização, a inovação através dos produtos e programas de suporte. Os objetivos são “concentrar-se nos centros de expertise de nível europeu, escolher e realizar projetos de inovação direcionados e adaptados para resolver os problemas da indústria, promover o polo para atrair a clientela, os talentos e antecipar as mudanças” (Arve-Industries, 2011)2. Para fazer isso, Arve-Industries consiste de uma Diretoria Executiva responsável pela estratégia, que é, em seguida, validada pelo Conselho. Para superar a falta de formalização, Arve-Industries criou um comitê gestor responsável pela governança operacional. O seu papel é o de permitir a coordenação e a execução das ações, mas também de submeter os resultados à apreciação do conselho de administração e da diretoria executiva. Note-se que ultimamente a governança do polo passou de um modo associativo (originalmente realizado pelo presidente) para um modo direcional, a fim de garantir uma maior participação dos membros da governança e um melhor monitoramento de ações e projetos.

20Se essa forma de institucionalizar o processo de inovação, de acordo com a política de polos de competitividade, por meio da partilha dos recursos e dos meios entre os membros de uma rede, parece ser uma solução para o problema crucial das PME (muitas vezes carente de recursos internos para inovar), o envolvimento de empreiteiros locais no polo Arve-Industries, como veremos adiante, levou-nos a nuançar essa afirmação.

A participação das PME no polo Arve-Industries: uma enquete empírica

21O objetivo aqui é avaliar a influência do polo Arve-Industries nas relações de parceria entre as PME locais a partir da análise do envolvimento destas nessa forma específica de organização territorial.

A amostra e a metodologia da enquete

22O trabalho de campo foi centrado nas PME e instituições situadas em torno da cidade de Cluses, Haute-Savoie. Mais exatamente, pesquisamos vinte e duas PME industriais especializadas na atividade de microusinagem, ou em atividades complementares, tais como forjamento a frio, mecatrônica, tratamento de superfície, mecânica, etc. Cada uma dessas empresas participa, em geral, de uma etapa na fabricação do produto final. Também entrevistamos representantes das mais importantes instituições locais, algumas ligadas ao setor de pesquisa e desenvolvimento (polo de competitividade, centro técnico de microusinagem, Thésame e centros de inteligência competitiva) e outras pertencentes ao sindicato da profissão e ao sindicato das PME.

23A pesquisa, quanto à sua natureza, baseia-se em dados qualitativos. De um lado, foram utilizadas informações indiretas obtidas graças às publicações internas do polo, aos documentos colocados à disposição do público em sites, em artigos de jornal, etc. De outro, foi utilizada uma abordagem qualitativa, uma vez que, em primeiro lugar, a própria finalidade da pesquisa era identificar mais de perto a percepção dos patrões de PME. Em seguida, devido às especificidades deste tipo de aglomeração industrial cujas trocas são difíceis de detectar com apenas uma abordagem estatística, já que nem todas são necessariamente comerciais ou financeiras ou contábeis. Por isso, realizamos entrevistas semidirigidas, baseadas em um guia de elaboração de entrevistas.

Alguns resultados da enquete

24Quando perguntado sobre o polo, o grupo de pequenos empresários fica dividido: há aqueles que só veem benefícios em participar, e há outros um pouco mais relutantes em aderir a ele, o que acentua as desvantagens de tal abordagem.

Por que participar do polo?

25Uma série de razões são apontadas por parte das PME para justificar a sua filiação ou a sua participação ativa no polo, como veremos a seguir. Em primeiro lugar, ele oferece a possibilidade de se estabelecer contatos com outros empresários, uma vez que, segundo alguns, falta interação local, provavelmente por causa da forte heterogeneidade das firmas (diferenças de tamanho, de estrutura de capital, de tecnologias utilizadas, etc.). Assim, para a maior parte das PME, o polo desempenha um papel importante como um local de encontro: “A organização de assembleias e reuniões nos permite refletir juntos sobre soluções para os problemas locais”. Além disso, e este é um dos benefícios mais citados pelos participantes, estes encontros também levam a uma divulgação informal de informações, inclusive de caráter técnico.

  • 3 “relation dyadique et paradoxale qui émerge quand deux entreprises coopèrent dans quelques activité (...)

26Essa perspectiva de interação oferecida pelo polo torna-se ainda mais importante porque, apesar dos fortes laços interpessoais existentes entre os empresários locais (antigos colegas de escola, e às vezes pertencentes à mesma família), as suas trocas relativas à própria atividade industrial são bastante limitadas. Na verdade, suas relações de trabalho podem ser definidas pelo conceito de “coopetição [coopétition]” (Nalebuff e Bradenburg, 1996), o que implica as relações ao mesmo tempo de cooperação e competição. Trata-se de um “relacionamento didático e paradoxal que emerge quando duas empresas cooperam em algumas atividades, e, ao mesmo tempo competem umas com as outras em outras atividades” (Dagnino et al, 2007, p. 90)3. Essa ambiguidade que caracteriza seu relacionamento, ao mesmo tempo de confiança e desconfiança, parece constituir um obstáculo para a construção de um processo de cooperação técnica nas PME. De fato, de acordo com alguns empresários, as iniciativas de colaboração nessa área são escassas. Na verdade, a transferência formal do conhecimento na região, com base em projetos bem definidos, acontece através de parcerias com as organizações locais, sobretudo com o CTDEC e os clientes. Isto permite-lhes produzir também peças mais complexas ou em maior quantidade e com menor custo.

  • 4 “Notre objectif c’est de produire de plus en plus de produits propres, des produits qu’on conçoit n (...)

27Ao final, de acordo com os empresários, as organizações governamentais locais e, especialmente, o polo, desempenham dois papéis principais na região. Em primeiro lugar, investir em projetos inovadores propostos pelos clientes, em particular da indústria automotiva, o maior cliente da região. Esses projetos dizem respeito principalmente à inovação de procedimentos, inclusive o da metrologia desenvolvido pelo CTDEC com o apoio do polo - a partir da base de máquinas e ferramentas de alta tecnologia, este método permite reduzir a margem de erro na fabricação das peças. Permite, ainda, às PME que aderiram ao polo, se beneficiarem de apoios financeiros para investir em P&D e ver os seus produtos receberem uma certificação. Isso aumenta suas chances de acesso, por exemplo, a um subsídio à pesquisa. Os recursos financeiros também podem ajudar as PME a diversificar a sua produção, como ambiciona um dirigente: “Nossa meta é produzir cada vez mais produtos próprios, os produtos que nós projetamos, fabricamos e que vendemos diretamente aos clientes. É preciso sair do mundo da terceirização.”4

28Em segundo lugar, dada a forte submissão de uma grande parte das PME locais aos contratantes do setor automotivo, a adesão ao polo dá-lhes a possibilidade de adquirir os meios, através da inovação, de ser menos dependentes das relações de terceirização. Esse era também o desejo de alguns pequenos empregadores que recentemente foram confrontados com a crise. Assim, por exemplo, foi com a criação, em 2011, como parte dos programas desenvolvidos pelo polo, do projeto do “cluster aeronáutico”. Neste projeto, empreiteiros e fornecedores da indústria aeroespacial uniram-se para atingir uma massa crítica que pudesse reunir os recursos tecnológicos necessários para a produção de peças de alta qualidade e de subconjuntos terceirizados. Esta conduta em prol da diversificação, no entanto, parece enfrentar algumas limitações, uma vez que, a partir dos depoimentos, os contratantes buscam acima de tudo reduzir os seus custos de produção e se mostram bastante relutantes em colaborar no desenvolvimento tecnológico das PME, ou ainda, acirrar a concorrência entre as PME de modo a reduzir os preços de seus produtos, impedindo-as de ter os recursos para financiar as técnicas inovadoras.

29Mas, em última análise, a maior vantagem do polo, do ponto de vista dos proprietários de pequenas empresas, é a visibilidade que ela traz para as empresas locais. Na verdade, o polo e seus parceiros (a CCI, o Governo, o Conselho Geral de Haute-Savoie, etc.) promovem a parceria entre as PME locais com empresas estrangeiras. O objetivo é incentivar o aumento da taxa de exportação, bem como o aprendizado de novas técnicas, como foi o caso durante as visitas ao Japão - país que fornece, para o Vale, máquinas de alta tecnologia.

Quais são os pontos de resistência ao polo?

30Várias desvantagens são mencionadas pelos gestores de PME para explicar seu baixo envolvimento nos projetos do polo ou então a sua rejeição em aderir a esta organização.

31Os gestores de PME que se recusam a participar do polo justificam sua escolha com o argumento de uma “cultura do segredo”, profundamente enraizada na tradição histórica local. Eles escondem informações técnicas no temor de que seus produtos e/ou processos sejam imitados pelos concorrentes. Os proprietários são bastante temerosos e controlam até mesmo o acesso físico às suas empresas “para impedir a entrada de espiões”, uma vez que “o simples fato de observar a movimentação de um trabalhador na oficina permite a concorrente copiar a técnica utilizada.” De fato, a cultura do segredo não é realmente uma especificidade do Vale do Arve, mas caracteriza o meio dos pequenos empresários em geral, onde todos são vistos como um rival em potencial. Fica evidente que esse tipo de mentalidade é pouco propícia a compromissos coletivos. No entanto, a diferenciação através da inovação permite a obtenção de processos/produtos bem mais difíceis de imitar. Tal cultura parece, assim, impedir as PME locais de se abrirem, de um lado, para fora (“Nós estamos em um vale... somos fechados.”), e, de outro, de se abrirem para outros parceiros (“Não temos a ótica de nos aliarmos a fim de ganharmos mais vantagem com relação aos clientes ou ter mais projetos. Queremos manter tudo para nós.”). Os patrões temem até mesmo a colaboração com seus próprios contratantes principais, como evidenciado pelo depoimento de uma PME no setor automotivo: “Os valores profissionais se estilhaçaram, há uma falta de ética. Antes do final desse projeto, o cliente o transferiu para uma empresa na Eslováquia.”

32Para outros, a cooperação para inovar realmente não faz sentido, uma vez que a inovação seria encarada como uma tendência da moda, que não está ao alcance de todos. “Somos simples terceirizados. Ou seja, produzimos peças a partir da encomenda que nos é imposta. Inovar é impossível!”. Esse tipo de raciocínio pode ser explicado pelo fato de que se trata, no caso, de PME que não têm autonomia na concepção de peças e cuja produção não deixa espaço para um trabalho mais criativo. Essa mesma resistência em se envolver em projetos de cooperação com parceiros locais também é observada em membros das PME que participam do polo. Na verdade, o que motivou a sua adesão foi a perspectiva de desfrutar das reuniões organizadas pelo Centro para atrair novos clientes, de obter o selo da Arve-Industries e ter, portanto, maior visibilidade comercial.

33As PME envolvidas em uma produção mais complexa tendem a estabelecer relações estreitas com os seus contratantes. Aqui, as competências específicas necessárias para a fabricação do produto promovem uma cooperação técnica real entre fabricantes e terceirizados. Estas são também as empresas que estão mais ativamente envolvidas no polo devido à necessidade de tecnologias adaptadas às suas demandas. Este é o caso das empresas de microusinagem e das PME ligadas à produção mecânica e mecatrônica fabricando peças e subconjuntos para a indústria automotiva.

34A mesma vontade de inovar, ainda que comportando estratégias opostas quanto à inserção no meio, caracteriza também dois outros perfis de empresários, como mostra o Quadro 1.

Quadro 1. A vontade de inovar: dois casos

De acordo com nossa pesquisa, dois exemplos de empresas ilustram particularmente uma abertura para a inovação. Em primeiro lugar, as PMEdirigidas por jovens empresários da região que se mostram mais abertos a mudanças e, portanto, dispostos a fazer parcerias com outros líderes locais no campo da tecnologia. Esses jovens patrões possuem, em sua maioria, uma formação educacional maior do que aquela recebida por seus pais, particularmente em especialidades relacionadas com a mecânica. Graças a esse conhecimento formal obtido em instituições locais, como escolas técnicas (para a formação de nível básico), a universidade (de engenharia), como o CTDEC (para aquisição de métodos específicos, em especial no setor automotivo), esses jovens empresários estão melhor capacitados para pensar em uma estratégia mais adequada para a empresa da família: “Quando comecei na empresa, tinha acabado de me formar, tinha uma formação em ERP; era, então, capaz de organizar a produção e adaptação das peças, mas na época não tínhamos toda essa competência.” No entanto, os pais, com sua experiência, continuam a contribuir para a gestão dos negócios. Essa mistura de gerações permite promover o desenvolvimento das PME. O conhecimento de novas técnicas permite aos jovens aspirarem por um enriquecimento de suas trocas com os clientes, em termos de P&D: “Temos muito pouco a ganhar implementando processos de fabricação, por isso tentamos aprofundar ao máximo a fase de estudo do cliente.” Além disso, sua participação em organizações locais é vivida com mais entusiasmo. Eles responderiam mais rapidamente às comissões de atividades do polo que buscam saber se os programas propostos são adaptados às necessidades da indústria. O território inclui também o Clube de Jovens Empresários, que funciona como um ponto de encontro para esses pequenos empresários.

Encontramos esse mesmo compromisso com a inovação em outros tipos de empresas recentemente criadas no Vale do Arve. Trata-se de PME locais compradas por grupos de investimento (de origem francesa), atraídos pelo desenvolvimento econômico e tecnológico da região. Essas compras estão se tornando uma prática crescente e resultam em uma diminuição do número de PME familiares. Melhor dotadas de recursos financeiros e tecnológicos do que estas últimas, as empresas compradas por grupos investem muito mais em projetos de P&D (até 6 % do volume de negócios). No entanto, por causa de sua associação com grupos estrangeiros ao território, essas empresas adquiridas mantêm poucas parcerias de P&D com as empresas locais e com outras organizações. Parece que sua localização no Vale do Arve é apenas um meio para reduzir os custos de produção ; o setor de desenvolvimento tecnológico ainda permanece uma parte interna. Sua lógica de funcionamento bastante individualista, imposta pelo seu principal objetivo, qual seja, criar valor agregado para seus acionistas, impede-os de construir relacionamentos com parceiros e/ou instituições locais.

35Em suma, a transferência de conhecimento explícito, especialmente em tecnologia - característica importante de um ambiente inovador - não é uma prática generalizada entre as PME do Vale do Arve. De fato, a pesquisa mostra que existe uma verdadeira dificuldade para fazê-los trabalhar juntos, especialmente nesta área. Se uma parte das PME não se sente afetada, de modo algum, por uma lógica coletiva, para outras pequenas empresas, é o receio de comportamentos oportunistas que faz com que prefiram o isolamento (escolha que, no entanto, parece ainda funcionar) em vez dos riscos em potencial de um projeto de cooperação.

36Essa estratégia de caráter individualista também é o reflexo das tensões internas dentro da comunidade, onde o clima de concorrência aumenta em função de uma desconfiança mútua. No entanto, vale ressaltar que os conhecimento tácitos acabam sendo difundidos informalmente. Na verdade, os contatos cotidianos entre os patrões leva-os à troca de informações, mesmo sem perceberem.

37Também devemos levar em conta que grande parte das PME entrevistadas é bastante crítica com relação à política de inovação do polo, pois, em sua opinião, estas parecem contar com uma estratégia baseada no desenvolvimento de grandes empresas, conhecidas como “locomotivas” já que teriam um papel de liderança na indústria local. Nesse sentido, os argumentos desses patrões são válidos, uma vez que os principais beneficiários dos fortes e recentes investimentos feitos na região foram as empresas de maior porte, como as grandes empresas alemãs, consideradas mais propensas a participar de projetos inovadores. Isso pode se tornar um fator inibidor para o desenvolvimento de medidas tomadas pelas instituições locais, porque há poucas PME que se enquadram nessa categoria. A prova disso é que, em todos os projetos credenciados e financiados pelo polo, apenas um em cada dez é liderado por uma PME.

38Do ponto de vista dos gestores do polo, este se manteve sensível aos empresários locais no período da grave crise que os atingiu em 2008. Naquela época, os líderes se organizaram para buscar soluções para o problema da queda acentuada nas encomendas e, por conseguinte, de seu volume de negócios. Após esse diálogo com as autoridades locais, eles puderam ter uma linha de crédito, a fim de limitar os danos. Com esse crédito, sob o lema “formar em vez de demitir”, os líderes foram capazes de envolver os seus funcionários, durante o tempo da crise, em treinamentos relacionado às suas atividades. Hoje, a maioria dos entrevistados reconquistou o nível de produção anterior à crise. Além disso, o polo promoveu a adesão das PME na atividade industrial, oferecendo tarifas de adesão com preços acessíveis, o que aumentou o número de membros (quase trezentos membros hoje). No entanto, deve-se notar que a simples adesão não garante automaticamente a participação em grandes projetos de R&D.

39Em última análise, os projetos da Arve-Industries parecem ter surtido efeitos bastante modestos nas PME em geral. E isso devido a uma falta de estratégias de adaptação do polo à lógica das PME, ou da própria atitude de recuo destas últimas. Mas há também o caso das PME de cunho artesanal que, ao contrário, têm a sensação de terem sido excluídas dos projetos do polo. Elas dizem que não foram informadas dos projetos, incluindo aqueles que poderiam eventualmente lhes interessar, tais como viagens às feiras internacionais financiadas pelo polo, diretamente relacionadas com os seus negócios. Observe-se, finalmente, que entre as PME entrevistadas, ainda existem aquelas que desconhecem a existência do polo.

Conclusão

40Em suma, como vimos, o desempenho de um meio e o processo de inovação das empresas estão profundamente entrelaçados. O território constitui um sistema dinâmico que por meio de suas inúmeras interações desenvolve a criatividade dos seus membros e a capacidade do conjunto para inovar, dando assim às empresas uma vantagem competitiva significativa. Mas isso desde que as empresas estejam dispostas a cooperar umas com as outras através da troca de informações e savoir-faire. Ora, é forçoso constatar que as PME do Vale do Arve sentem uma certa dificuldade em seguir uma dinâmica cooperativa. Para além das razões já mencionadas, a resistência que mostram em participar do polo também pode ser explicada pelo fato de que se trata de uma iniciativa política recente e ainda em processo de evolução.

41Mas não se deve esquecer que, antes da instalação do polo na região, já havia lá uma estrutura estabelecida como um SPL (sistema de produção local), criado em 1999. Portanto, esperava-se que o sistema industrial local deveria basear-se em relações de parcerias apoiadas por instituições locais. O objetivo do polo é reforçar a dinâmica de cooperação com uma forte injeção de recursos financeiros públicos na região. Portanto, a questão é saber como esses recursos são redistribuídos entre os empresários locais. Questão sensível levantada por alguns gestores de PME, o que parece afetar o jogo de poder local.

42Pode-se também questionar a adequação das estratégias do polo aos interesses das PME. Este parece ser o principal eixo de reflexão para se garantir uma maior participação dessas empresas nos projetos propostos. Resta saber, em investigações posteriores, inclusive em outras regiões, se essa nova política vai afirmar-se no futuro como um meio verdadeiramente eficaz de organização territorial a partir da perspectiva das PME.

Notes

1 “combinaison d’entreprises, de centres de formation professionnelle, d’établissements d’enseignement supérieur et de recherche engagés dans des partenariats de projets communs d’innovation et en même temps avec une visibilité internationale.” [Nossa tradução]

2 “concentrer sur le territoire des centres d’expertise de niveau européen, choisir et réaliser des projets d’innovation ciblés et adaptés aux enjeux des industriels, promouvoir le pôle pour attirer les clients, les talents et anticiper les mutations.” [Nossa tradução]

3 “relation dyadique et paradoxale qui émerge quand deux entreprises coopèrent dans quelques activités, et sont en même temps en compétition l’une avec l’autre sur d’autres activités.” (Dagnino et alii, 2007, p. 90.) [Nossa tradução]

4 “Notre objectif c’est de produire de plus en plus de produits propres, des produits qu’on conçoit nous, qu’on fabrique et qu’on vend directement aux clients. Il faut sortir un peu du monde de la sous-traitance.” [Nossa tradução]

Table des illustrations

Titre Figura 1. Tipos de empresas na Arve-Industries
Crédits Fonte: Informações fornecidas pelo polo de competitividade.
URL http://books.openedition.org/oep/docannexe/image/930/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 456k

Auteur

CERAG - Centro de Estudos e de Pesquisas Aplicadas à Gestão, da CERAG – Centre d’Études et de Recherches Appliquées à la Gestion, Université Pierre Mendès France. Master 2 Recherche en Organisation à l’IAE de Grenoble
doctorat en sciences de gestion (en cours, soutenance en 2012)
laura_sabbado@yahoo.com.br
Patrícia Rodrigues Costa (Traducteur)

Acheter

Volume papier

i6doc.comamazon.fr