Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Inovação, território, e arranjos cooperativos

 | 
Sonia Maria Karam Guimarães
, 
Bernard Pecqueur

Primeira parte. Território e inovação

Inovação e território ou a história de uma relação especial

O exemplo de Grenoble

Claude Courlet
Traduction de Patrícia Rodrigues Costa

Résumé

Para a tecnologia, como para a pesquisa de base, a aprendizagem é um produto da atividade de pesquisa. Portanto, há um conhecimento implícito no ato de pesquisar. Isso confirma a importância da proximidade geográfica entre os agentes econômicos e os incentiva a considerar a importância das redes de conhecimento especializadas. Essa ideia se baseia em diversos estudos que se fundamentam na observação dos grupos conhecidos por “high tech” em algumas cidades (Vale do Silício, Rota 128, Grenoble, Toulouse, etc.) e que se resumem em torno da noção de meios de inovação. Mais recentemente, essa ideia foi impulsionada consideravelmente pela economia do saber e do conhecimento para transformar radicalmente as abordagens tradicionais do desenvolvimento. Os proponentes das teorias do saber e do conhecimento consideram que o “saber” substituiu os recursos naturais e o trabalho físico como ferramenta do desenvolvimento econômico. Nesse novos contextos, as cidades e o território tornam-se as bases para atrair os talentos necessários para a criação e a inovação. A teoria dos meios de inovação e as pesquisas recentes da economia do conhecimento fornecem uma interpretação interessante para se abordar a análise de casos concretos em um longo período: é o que será apresentado neste capítulo, tendo-se como exemplo Grenoble, na França.

O capítulo mostra, em primeiro lugar, como Grenoble é um território inovador, e, em seguida, analisa sua trajetória dividida em frequentes bifurcações. Inserida no contexto desta problemática, a aglomeração de Grenoble é uma “aldeia” na rede mundial de ciência e tecnologia. É o produto de uma história exemplar e apresenta todas as características de um ambiente inovador. Sua dinâmica de períodos longos está atrelada ao estabelecimento de efeitos relacionais que são construídos e que devem ser renovados com o passar do tempo a partir de processos de ruptura/bifurcação ligados às questões da economia do conhecimento. Ao longo da história, constatamos o papel das redes entre os atores, isto é, os efeitos relacionais. Porém, isso não é automático e a história de Grenoble é marcada por fases de estabilidade e de instabilidade. Constatamos a existência dos sistemas de alianças entre categorias de atores que, certamente, podem ter conflitos entre si, mas que ainda são capazes de adotar uma visão comum e defendê-la para além das fronteiras de Grenoble.

Note de l’éditeur

Este capítulo foi traduzido do francês.

Texte intégral

Introdução

1Paralelamente às externalidades que afetam a função de produção nos distritos industriais e aos sistemas produtivos localizados, há externalidades que atuam nas redes de conhecimento. Informações e conhecimento são de difícil troca ou sua transmissão é de alto custo, apesar dos grandes progressos das tecnologias da informação. Os conhecimentos mais úteis permanecem no domínio tácito e são transferidos por contatos. As empresas geograficamente próximas têm maiores chances de trocar conhecimentos formais ou informais. Tanto por meio da tecnologia, quanto pela pesquisa básica, a aprendizagem é um produto da atividade. Existe, portanto, o saber tácito na atividade de pesquisa. Tudo isso confirma a importância da proximidade geográfica entre os atores econômicos e leva à constatação da importância das redes de conhecimento espacializadas. Essa noção pode ser encontrada em diversos estudos que se fundamentam na observação dos agrupamentos chamados de “high tech” em algumas cidades (Vale do Silício, Rota 128, Grenoble, Toulouse, etc.) e que se resumem em torno da noção de meios de inovação.

2Mais recentemente, essa ideia foi impulsionada consideravelmente pela economia do saber e do conhecimento para transformar radicalmente as abordagens tradicionais do desenvolvimento. Os proponentes das teorias do saber e do conhecimento consideram que o “saber” substituiu os recursos naturais e o trabalho físico como ferramenta do desenvolvimento econômico. Nesse novos contextos, as cidades e o território são as bases para se atrair os talentos necessários para a criação e a inovação.

3A teoria dos meios de inovação e as pesquisas recentes da economia do conhecimento fornecem uma interpretação interessante para se abordar a análise de casos concretos em um longo período: é o que será apresentado neste capítulo tendo-se como exemplo Grenoble, na França.

A teoria dos meios de inovação

Os princípios gerais desta abordagem podem ser agrupados em dois eixos:

  • o progresso técnico não é um fator residual, mas endógeno, que explica o crescimento;

  • há um questionamento radical sobre a natureza universal da inovação para que se possa contextualizá-la no meio ambiente. Isto se traduz por meio:

    • da crítica sobre a concepção funcional do progresso técnico (inovação definida por meio de parâmetros técnicos de aplicação universal);

    • de uma visão territorializada da inovação concebida como criação de um ambiente em resposta à necessidade do desenvolvimento local (Aydalot, 1986);

    • das características específicas de um processo de inovação (processo não linear, importância das externalidades não mercantis, efeitos de proximidade espacial).

4Esta abordagem permite valorizar os aspectos territoriais da inovação na medida em que a proximidade espacial é essencial no processo de aprendizagem, especialmente quando estamos em meio a conhecimentos tácitos e não codificados. O contato pessoal, um hábito longo de discussões espontâneas, a reação comum a um determinado problema, a capacidade de se compreender em meias-palavras, tudo isso permite explorar informações não codificadas e gera sinergias e oportunidades de interação amplificadoras que são de longe superiores àquelas que resultam em trocas por meio das interfaces máquinas. Para um resumo sobre a questão, vale consultar Camagni, Maillat (2006).

O progresso técnico, como processo, necessita de proximidade:

  • é evolutivo, irreversível e independente do caminho seguido, acionado pelo comportamento dos agentes econômicos que exploram somente uma pequena parte das ações teóricas possíveis, isto é, a parte ligada às decisões anteriores à adoção tecnológica e ao savoir-faire acumulado;

  • baseia-se em aprendizagem cumulativa, que resulta antes na criação tecnológica do que em simples adoção de modelos de inovação existentes;

  • não é interpretado à luz de um paradigma de otimização. Sua característica de dependência do caminho seguido e as não linearidades presentes no processo de aprendizagem opõem os fortes obstáculos à introdução de outras tecnologias, teoricamente mais eficientes, uma vez passado o ponto de bifurcação no desenvolvimento de uma determinada tecnologia – os efeitos de tipo cumulativo reforçam esta trajetória e limitam a possibilidade de outros percursos.

A inovação como processo de risco precisa de proximidade:

  • o ambiente definido como um conjunto de relações territorializadas de atores pode ser um lugar importante para a redução da incerteza dentro e fora da empresa. O ambiente ou o espaço local é um agente coletivo que busca reduzir a incerteza. Ele é capaz de realizar, sobretudo de forma tácita, as funções necessárias: a exploração coletiva de informações, a sinalização, a seleção, a transcodificação e o controle dessas operações;

  • no total, a proximidade e a territorialidade têm um papel importante na redução da incerteza e explicam por que o ritmo de criação e de difusão de tecnologias é mais rápido em determinados locais como as áreas metropolitanas, os distritos industriais, os vales, os corredores, as estradas e os parques;

  • a inovação não é somente tecnológica. É a inteligência da combinação dos recursos que faz a diferença entre os territórios ganhadores e os perdedores.

Economia do conhecimento e dos territórios

5A análise dos meios inovadores se baseia no processo de inovação sem estar ligada a uma determinada concepção de economia. A learning region, por sua vez, origina-se da corrente nórdica da learning economy fundamentada no conhecimento e na aprendizagem. Podemos dizer que os trabalhos acerca das cidades criativas também estão associados a essa linha de pensamento.

6A economia da inovação faz parte da sociedade do conhecimento, da qual é um dos pilares e onde conhecimento, criatividade e inovação constituem os elementos fundamentais do novo modelo socioeconômico. A produção e a apropriação de conhecimentos estão na base da dinâmica do crescimento e do desenvolvimento e, neste contexto, território e inovação adquirem um novo sentido.

Learning economy e regiões aprendizes

7A transição para o capitalismo intensivo em conhecimento excede a estratégia individual das empresas. Isso envolve o estabelecimento em nível regional de uma série de elementos (infraestrutura e outros insumos) nos quais as empresas podem confiar. A natureza dessa transição faz da região o elemento-chave da globalização. O surgimento das regiões responsivas não é simplesmente o fato de deslocar a política de formação e de inovação do nível nacional ao regional; ele vai muito além disso. As regiões responsivas se caracterizam por um processo triplo (Maillat, Kébir, 2006):

  • um processo de implementação territorial da inovação. As regiões responsivas são aquelas que favorecem os efeitos da proximidade que beneficiam e são essenciais à inovação. O quadro institucional (regras, hábitos, confiança) desempenha, portanto, um papel essencial. Deve ser adequado à implementação do processo de interação entre as partes interessadas;

  • um processo de territorialização das empresas. Os atores que tratam dessa questão referem-se com frequência aos distritos industriais para enfatizar a importância do papel da proximidade e da organização do tipo horizontal;

  • um processo complexo de aprendizagem.

As cidades criativas

8Trata-se de uma corrente de pesquisa segundo a qual a nova economia global é estabelecida em torno de redes de cidades, o que lhes atribui um papel estratégico no modelo de desenvolvimento contemporâneo (Sassen, 1991). A redescoberta da importância estratégica das cidades constitui uma parte integrante do interesse acerca da dimensão territorial do crescimento econômico e das teorias que ligam as dinâmicas territoriais aos processos de inovação e de aprendizagem. A territorialidade do processo de inovação transforma os contextos urbanos e regionais em elementos decisivos na construção de vantagens competitivas das empresas que se baseiam na nova economia de conhecimento. Identifica-se, então, as principais características do ambiente competitivo das aglomerações urbanas mais dinâmicas:

  • uma infraestrutura formal de conhecimento composta de recursos tecnológicos e científicos (universidades, laboratórios de pesquisa, institutos técnicos, organização de transferência de tecnologia, redes de telecomunicação, etc.) – conhecida por alguns como “infraestrutura dura”;

  • uma infraestrutura, dita “mole”, que inclui redes sociais e espaços considerados essenciais para atrair o capital humano intelectual.

9Segundo Florida (2003), uma outra dimensão do contexto urbano inovador é mencionada. Para o autor, há na sociedade do conhecimento uma economia criativa centrada na composição da força de trabalho de uma determinada sociedade. O fator decisivo para o desenvolvimento das cidades encontra-se em sua característica social, na sua capacidade de atrair e reter talentos.

As características que identificam as cidades criativas são:

  • mercados de trabalho densos devido à proximidade espacial das empresas de tecnologia e de um grupo de trabalhadores ligados à ciência e ao conhecimento;

  • um ambiente urbano atraente construído conforme as preferências recreativas e as sensibilidades estéticas dos jovens profissionais;

  • uma comunidade urbana aberta, tolerante, que aceita a diversidade, com uma vida social dinâmica e atrativa, com muitos cafés, danceterias, teatros, artes gráficas, moda, música e vida nas ruas.

10Os polos de competitividade das indústrias criativas encontram-se em locais onde estas três condições estão presentes, o que Florida denomina os 3T: tecnologia, talento e tolerância.

Um exemplo de território inovador: Grenoble

11Deve-se compreender o caso de Grenoble como parte desta problemática. A área de Grenoble é uma cidade situada na rede mundial de ciências e tecnologias. Ela é produto de uma história exemplar e apresenta todas as características de um ambiente inovador. Por fim, a dinâmica de longo prazo está relacionada à implementação de efeitos relacionais que são construídos e que devem ser renovados ao longo do tempo por meio do processo de ruptura/bifurcação ligado às questões da economia e do conhecimento.

Uma cidade mergulhada na rede mundial de ciências e tecnologias

12No censo de 2006, a cidade de Grenoble contabilizava 156 mil habitantes; os 27 municípios da comunidade de aglomeração reúnem 396 mil habitantes e a região de Grenoble, em sentido amplo, um total de 731 mil habitantes.

13Esta cidade de desenvolvimento policêntrico reúne 18 mil pesquisadores, quase duzentos laboratórios, sendo cinco deles grandes instrumentos ou laboratórios internacionais, 60 mil estudantes (48 mil nas quatro universidades) e 10 escolas de engenharia. Com 7-8% das publicações científicas da União Europeia e 8-10% das patentes europeias, Grenoble está localizada entre a vigésima e a trigésima posição entre as 503 regiões que compõem esse conjunto; e situa-se, de acordo com o ano, entre o segundo e o quarto lugar dentre as regiões francesas depois da Île-de-France.

Uma história exemplar

14A questão para Grenoble, como para outros locais como o Vale do Silício, é entender esse sucesso que persiste ao longo do tempo. O que faz Grenoble ser, repetidamente, uma cidade de inovação? Como explicar a ruptura introduzida pela chegada de Louis Néel (Prêmio Nobel de Física em 1970) que não pretendia se estabelecer na capital dos Alpes, mas que encontrou no local os elementos para implantar sua capacidade admirável de inovador e organizador?

15Pode-se explicar esta capacidade de inovação renovada, por meio dos fatores geográficos específicos no cenário alpino e de sua situação isolada, o que possibilitou a formação de sua identidade, desenvolvida constantemente a partir de personalidade fortes (Joseph Fourier, um estudioso, mas também prefeito, Stendhal, Berlioz, Champollion). Porém, isto é insuficiente. Deve-se privilegiar uma explicação considerando-se:

  • a capacidade local de produzir talentos e uma organização adequada, uma química local que permite fixar e expandir os talentos dos professores, pesquisadores e das empresas inovadoras ligadas à engenharia. Este patrimônio científico-empresarial é essencial na compreensão deste conjunto de competências e das gerações consecutivas de técnicos, engenheiros e designers. Esta atmosfera de cultura técnica e científica a serviço da atividade econômica explica o sucesso de Grenoble, mas também suas particularidades territoriais;

  • a chegada de estudiosos formados na École normale supérieure (Raoul Blanchard da geografia, Jean Kuntzman da matemática aplicada e informática, Louis Néel, Prêmio Nobel de Física e que obteve o polígono militar no oeste da cidade, o que permitirá a implementação do Centro de Estudos Nucleares de Grenoble (CENG) e do Centro Nacional de Pesquisa Científica (CNRS) em 1950).

Grenoble: todas as características de um ambiente inovador

Um sistema local “pesquisa-formação-produção” que funciona

16Uma conexão íntima entre as universidades, as escolas e as empresas locais ajuda a construir redes sólidas graças ao sistema de ex-alunos, aos doutorandos nas empresas, aos chefes das empresas envolvidos na formação, aos contratos com as empresas especialmente locais e regionais ou às bolsas de estudo do Convênio Industrial de Formação através da Pesquisa (CIFRE). Em Grenoble, o benefício prático não se separa do conhecimento, principalmente, do sistema de formação. Muito cedo e cada vez mais, abandonamos uma prática de atividades separadas (pesquisa e produção; pesquisa e formação; produção e formação) para seguirmos um tipo de operação mais interativo.

17Este princípio se reflete no projeto MINATEC ainda em desenvolvimento. Este polo de inovação em micro e nanotecnologias está organizado em três plataformas: educação, investigação e desenvolvimento industrial. O centro de pesquisa e design assim formado permite a criação de recursos específicos que se especializam na área de ciências sociais e humanas, com laboratórios de sociologia, gestão e economia que discutem questões acerca da organização industrial ou do planejamento energético. Orientada às questões científicas a respeito do assunto, a pesquisa em Grenoble busca responder também a questões sociais, como saúde, desenvolvimento sustentável, uso de bens e serviços, aceitação das tecnologias de informação e comunicação, segurança e solidariedade.

Uma cooperação de longa data entre pesquisa e produção

18No âmbito desta cooperação, é difícil saber quem comanda o quê. Estamos em uma espécie de fusão transformadora entre as mentes dos atores, e não apenas na mente de um cientista, o que estabelece um modo compartilhado de trabalho e de cooperação particular. Esta prática sinérgica avança de uma abordagem disciplinar para uma abordagem interdisciplinar e posteriormente transdisciplinar, exprimindo, de certa forma, esta contração do tempo das ordens de intervenção das diferentes disciplinas que contribuem para a realização das riquezas. Por exemplo, a informática em suas interações com a genética transcende essa disciplina para as biotecnologias. Encontramos esse fenômeno na interação da física e da química com as ciências da vida.

Uma parceria ativa entre as instituições científicas

19Se a região de Grenoble desenvolveu de maneira exemplar sua pesquisa, é porque, para além da qualidade das pessoas, todos os agentes institucionais criaram condições para uma parceria forte para os laboratórios organizados, na maioria das áreas, em federações de pesquisa dinâmicas. O modo de controle adotado passa por uma complementaridade dos direitos e deveres de cada instituição parceira e por uma convergência dos meios de cada um. A reatividade científica da região, em grande parte, é uma consequência dessa parceria. É, então, difícil saber se os projetos são atribuídos às universidades ou aos órgãos de pesquisa - esses projetos são principalmente de Grenoble.

20Porém, está claro que no cenário atual a grande maioria dos 200 laboratórios está sob tutela de uma ou mais universidades e que muitas vezes são alojados nas instalações de algumas delas. O ambiente destes laboratórios é constituído por um conjunto de serviços que vão muito além de simples facilidades: infraestrutura em informática, infraestrutura técnica, presença de estudantes, entre outros. A história recente também mostra que são as universidades que na maioria dos casos assumiram os riscos de criar novos laboratórios. E como chave do “sucesso”, eles têm o apoio de outras organizações. Isto é possível, especialmente, devido à vontade destas universidades locais em dispender recursos, incluindo cargos de professores-pesquisadores e laboratórios de apoio à política científica local. Notamos, no mesmo sentido, que os órgãos nacionais que têm uma forte liderança científica (CEA, INRIA...) estão na mesma situação. Portanto, é evidente que as universidades e os órgãos com forte presença científica local estão no cerne do desenvolvimento científico da região.

Qual a origem da dinâmica de Grenoble?

21Ao longo da história, percebemos o papel das redes entre os atores, isto é, os efeitos relacionais. Porém, isto não é automático e a história de Grenoble é marcada por fases de estabilidade e de instabilidade. Notamos os sistemas de alianças entre as categorias de atores, que, obviamente, podem ter conflitos entre si, mas que ainda são capazes de adotar uma visão comum e defendê-la para além das fronteiras de Grenoble.

Diversos períodos podem ser assinalados:

  • a era dos inventores e da energia hidrelétrica (1850-1920), com a criação de uma indústria local a partir da descoberta de um recurso local, a energia hidrelétrica (hulha branca);

  • a era dos engenheiros (1920-1940) com a modernização a partir dos recursos locais com o desenvolvimento das relações universidade/indústria; com a exposição internacional da energia hidrelétrica e do turismo em 1925 e com um grande prefeito, Paul Mistral;

  • a era dos pesquisadores e da diversificação (os chamados Trinta Gloriosos, ou seja, as décadas de 1960 a 1980) com o progresso técnico devido à ação dos pesquisadores, engenheiros e trabalhadores qualificados para a função. Deve-se notar:

    • a importância do crescimento das relações pesquisa/indústria;

    • o desenvolvimento de práticas de contratos entre os laboratórios e financiamentos privados com um papel crescente das associações para desenvolver as pesquisas nas universidades;

    • o papel de um grande prefeito, Hubert Dubedout.

Os anos 2000: em busca de uma nova identidade

Grenoble enfrenta novamente uma bifurcação, com relação à:

  • transferência de uma pesquisa que visa melhorar os processos de produção, para alterar a natureza própria dos bens e serviços de que as pessoas podem dispor, o modo como podem se comunicar entre si, os cuidados de saúde, e o modo como podem melhorar seu ambiente. Trata-se da questão da pesquisa de um contrato social entre ciência e sociedade;

  • a afirmação em nível internacional, principalmente, entre o polo de competitividade MINALOGIC construído a partir da MINATEC;

  • a necessidade de ir além de uma concepção em que a pesquisa e a tecnologia são consideradas o motor do desenvolvimento local, para se orientar em direção a um projeto que integra as dimensões científicas e tecnológicas com as questões sociais, no contexto de um projeto social e urbano global (Novarina, 2011).

Conclusão

22Assim, a literatura recente fornece um forte componente territorial à inovação no longínquo prolongamento das ideias adiantadas por A. Marshall em relação às indústrias. O território, uma vez tendo atingido um tamanho suficiente, apresenta-se cada vez mais como a malha geográfica pertinente de sucesso. No que diz respeito à inovação – à luz da experiência de Grenoble – a história econômica de um território, assim como todos os fenômenos socioculturais, inscreve-se no longo prazo, mesmo que seja em um contexto de rápidas transformações tecnológicas.

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/oep/docannexe/image/929/img-1.png
Fichier image/png, 7,1k

Auteur

Professeur émérite
Université Pierre Mendès France – Grenoble-II
claude.courlet@upmf-grenoble.fr
Patrícia Rodrigues Costa (Traducteur)

Lire

Freemium

Offert par