Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Inovação, território, e arranjos cooperativos

 | 
Sonia Maria Karam Guimarães
, 
Bernard Pecqueur

Primeira parte. Território e inovação

Pós-fordismo, território e sustentabilidade

Bernard Pecqueur
Traduction de Patrícia Rodrigues Costa

Résumé

Este capítulo discute o papel das dinâmicas territoriais nas transformações pós-fordistas. Percebe-se, de fato, a emergência de novas formas de organização e de articulação, bem como de setores de produção com o surgimento de cadeias de abastecimento e de logística. A hipótese de trabalho aqui apresentada é que o local pode ser a base de uma reconstrução institucional pós-fordista. Assim, investigamos os fundamentos de tal reconstrução.

A França tem uma longa tradição industrial, enquanto que o Brasil aderiu mais tardiamente à indústria fordista, embora as duas trajetórias tenham características comuns. Propõe-se integrar estas duas economias em um ciclo de maior magnitude para a indústria e seu radicalismo taylorista. Na primeira parte, a reflexão é orientada a partir de três características que representam a superação do núcleo duro do modelo fordista: a não prevalência do objeto material, a dissociação do espaço de produção e de consumação e, por fim, o surgimento da dimensão mesoeconômica.

A hipótese a ser validada é o distanciamento mais ou menos acelerado destas características como fundamento do modelo pós-fordista.

Na segunda parte, o texto busca evidenciar as consequências das tensões experimentadas pelos atores do sistema global: a separação entre o “local de vida” e “local de trabalho” que produz, por um lado, uma contradição entre as atividades “residenciais” e produtivas e, por outro, a compatibilidade territorial versus a sustentabilidade que ameaça a coerência dos territórios. De fato, no modelo pós-fordista emergente, a questão da sustentabilidade aparece como crucial para a renovação dos recursos. É por meio dessa noção de recurso que a sustentabilidade se une à noção de território.

Uma terceira parte esboça o que poderia ser um modelo de “desenvolvimento territorial sustentável”. O modelo esboçado é diferente do modelo ricardiano de mão de obra e especialização nas perspectivas de criação de riquezas que incluem a capacitação de grupos para organizar e elaborar os processos originais de criação de recursos. Portanto, não podemos falar acerca de ativos e de recursos específicos, de vantagens comparativas, mas sim de vantagens “de diferenciação” que pressupõem, por serem produzidas ou valorizadas, estratégias radicalmente diferentes daquelas que visam criar ou reforçar vantagens comparativas. Isto é, a produtividade aparente não é mais o único motor para a competitividade dos territórios produtores.

Note de l’éditeur

Este capítulo foi traduzido do francês.

Texte intégral

Introdução

  • 1 “Non seulement, nous assistons à une réallocation des lieux de production au niveau mondial, mais o (...)
  • 2 “le local peut être la base d’une reconstruction institutionnelle postfordiste.” [Nossa tradução]

1A crise do modelo dominante de produção, denominado de fordista, pode ser analisada como o fim da indústria enquanto modelo dominante e sobretudo o fim de um modelo produtivo baseado na individualização da produtividade e na generalização da produção de objetos padronizados, isto é, reproduzidos de modo idêntico. Após o fordismo, estaríamos presenciando o pós-fordismo. Atualmente, na literatura da área, de expressão francofônica, a teoria da regulação (R. Boyer, 2004), que conceituou a noção de fordismo como um regime especial de acumulação, tenta olhar para essa etapa posterior a partir da ideia do capitalismo cognitivo (G. Colletis e B. Paulré, 2008) que integra a variável geográfica na análise: “Não somente assistimos a uma recolocação dos locais de produção em nível mundial, mas constatamos também o surgimento de novas formas de organização e de articulação, do mesmo modo que os setores de produção com o surgimento de cadeias de abastecimento e de logística.”1 Essa constatação conduz à existência de aglomerados e de famílias de organização espacializada da produção (Becattini, Bellandi, Da Propris, 2009) e, de modo mais geral, à necessidade de contribuição regional e local para se compreender as condições atuais da globalização. Para J.-L Klein (2008), “o local pode ser a base de uma reconstrução institucional pós-fordista”2.

2Por esta razão, analisamos os fundamentos de tal reconstrução. Construir uma concepção acerca do pós-fordismo é primeiro pensar numa estrutura que rejeita o linear e se inscreve no cíclico. Esta é a primeira suposição, implícita, de nossa reflexão.

3Contudo, o ciclo demanda uma medida. Os ciclos de crise e de crescimento tendem a se situar entre os intervalos de tempo de curto e médio prazos (Kitchin e Juglar), depois tendem a se situar em ciclos mais amplos e mais aceitos que são os Kondratieff (da crise produtiva e bancária de 1929 à crise bancária e financeira de 2009, passaram-se exatos 80 anos, constituindo, assim, um Kondratieff completo).

4A partir de uma perspectiva comparativa entre a França e o Brasil, a mutação fordista e sua crise não seguiram necessariamente o mesmo percurso. A França tem uma longa tradição industrial (o início da Revolução Industrial na França corresponde aproximadamente ao surgimento do Segundo Império, em 1852), embora tenha ocorrido muito mais tardiamente do que na Inglaterra (um século antes). A tradição industrial francesa baseia-se no processamento de matérias-primas (carvão, ferro) e na energia dos grandes cursos d’água, formando as primeiras zonas de grandes indústrias em torno destas fontes: as metalomecânicas, próximas às minas e as têxteis próximas aos grandes rios. A estrutura da indústria francesa torna-se naturalmente mais complexa com o advento de políticas públicas proativas à construção de grandes parques industriais (maquinário industrial). Essa tradição desaparece quando as matérias-primas iniciais se extinguem ou deixam de ser exploradas devido aos altos custos de produção. Logo, entramos em um período de reestruturação, onde observamos o ressurgimento de tradições “protoindustriais” e a emergência de uma economia que integra conhecimento e cultura dos bens e serviços produzidos (D.-G. Tremblay e D. Rolland, 2003). O Brasil passou a integrar tardiamente a indústria fordista. Praticada durante a Segunda Guerra Mundial, a estratégia de “substituição de importações” não realizou imediatamente o círculo virtuoso de crescimento do PIB pelo grupo de consumo de massa correspondente à produção em massa. De fato, a base produtiva era muito pequena para realmente criar o poder de compra nas categorias de trabalhadores com salários mais baixos. A produção industrial brasileira, que é fortemente marcada pela exploração de matérias-primas seguida pela terceirização internacional, entrou apenas recentemente na fase fordista. Por outro lado, os efeitos do desgaste ou da obsolescência do fordismo são globais. O Brasil e a França estão atualmente quase no mesmo nível com o desafio de diversificação e da especificidade produtiva à frente.

5Propomos a integração destas duas economias em um ciclo de maior magnitude em relação à indústria e a seu radicalismo taylorista. Se aceitarmos a ideia de um grande período industrial na Inglaterra de 1750 ao final do século XX, contabilizamos 250 anos de produção culturalmente unificada, a qual atualmente cederia lugar a algo mais e que alguns denominaram “economia do conhecimento”, outros “economia ambiental” ou ainda “economia imaterial”, mas que de fato não se deixa captar por uma denominação qualquer, e que se rebela a toda domestificação. Portanto, buscaremos indicar as características mais acentuadas do que pode ser este pós-fordismo intensamente marcado pelos territórios e que sugere uma nova geografia do capitalismo (O. Bouba-Olga, 2006) de acordo com as formas especificadas de cada país, como evidenciado pelos arranjos produtivos locais observados no Brasil (Azevedo et alii, 2009).

6Propomos, portanto, na primeira parte, orientar a reflexão a partir de três características que representam a superação do núcleo duro do modelo fordista: a perda de prevalência do objeto material, a dissociação da sobreposição do espaço de produção e de consumo e, finalmente, o surgimento da dimensão mesoeconômica. As hipóteses a serem validadas serão o distanciamento mais ou menos acelerado dessas características como fundamentos do modelo pós-fordista. Na segunda parte, procuraremos destacar as consequências das tensões experimentadas pelos atores do sistema global: de uma parte a dissociação entre “local de vida” e “local de trabalho”, os quais geram uma contradição entre atividades residenciais e produtivas, e de outra parte, a compatibilidade territorial/sustentável, que ameaça a coerência dos territórios. A terceira parte apresenta um esboço do que pode vir a ser um modelo de desenvolvimento territorial sustentável.

Sobre algumas mudanças que surgiram com o pós-fordismo

A perda de prevalência do objeto material

  • 3 O romance Babbitt, publicado em 1922, apresenta por meio do personagem George Babbit – célebre em u (...)

7No imaginário coletivo, uma peça mecânica parece mais tranquilizadora aos políticos e às populações preocupadas com o seu emprego do que um serviço turístico, uma vez que há produções que parecem mais “sérias” que outras. Isto demonstra a que ponto o fordismo é identificado com a materialidade da produção. A literatura tornou-se uma tradutora desse fenômeno com textos como Babbitt de Sinclair Lewis, nos Estados Unidos, ou, mais recentemente, na França, com Les Choses de Georges Perec3.

  • 4 Nos referimos aqui à noção do sistema técnico desenvolvido por B. Gille (1978) em sua obra Histoire (...)

8O objeto material está no cerne do funcionamento fordista na medida em que induz a “sistemas técnicos” específicos resultando em efeitos cumulativos sobre o consumo4.

  • 5 P. Veltz (2009), « on peut mesurer facilement un nombre de pièces produites par ouvrier et par jour (...)

9Além disso, a produção material facilita o cálculo de produtividade individual, base do cálculo do desempenho econômico. Como relembra P. Veltz (2009), “podemos calcular facilmente o número de peças produzidas por trabalhador e por dia, mas como mensurar a capacidade de agir em face de situações relacionais [...] como medir a capacidade de construir cooperações relevantes [...] o desempenho tornou-se uma noção compósita que comporta múltiplas dimensões”.5

  • 6 “microentreprise de production d’utilité” [Nossa tradução]
  • 7 “des solutions à ses problèmes de consommation” [Nossa tradução]
  • 8 “bouquets de consommation” [Nossa tradução]

10Enfim, o consumo em si evolui para a ausência de diferenciação entre produtos e serviços. O consumidor é, então, nas palavras de Ph. Moati (2001), visto como uma “microempresa de produção de utilitários”6 que busca menos adquirir bens do que encontrar “soluções para seus problemas de consumo”7, sob a forma de um “pacote de consumo”8. Podemos, então, inferir sobre o que será a “verdadeira” produção. Provavelmente, teremos um misto de diversos produtos e serviços, no qual o conteúdo cognitivo (Moulier-Boutang, 2007) tecnológico e específico será enorme.

A dissociação entre lugar de consumo e de produção

11O fordismo fixa o trabalhador em seu espaço de produção. Do trabalho à casa, não deve haver grandes espaços ou longas distâncias. A fábrica e a casa são próximas. O triunfo do sistema encontra-se na mudança do assalariado para o status de consumidor no local. Desse modo, a representação de um território econômico continua a ser a de uma micronação, na qual podemos perceber a igualdade compatível do modelo nacional segundo a qual, no caso estudado, tudo o que é produzido gera renda que é totalmente gasta (em consumo ou poupança). Os territórios são, portanto, pequenos sistemas produtivos onde outros atores (especialmente os consumidores) têm pouco espaço. Atualmente, mais do que nunca, a observação principal aproxima-se da pequena dimensão; é importante uma menor superposição de locais de produção, de receitas e de despesas. Em outras palavras, o que é bom para a empresa não é mais, a priori, automaticamente bom para as populações que acolhem a empresa em questão. Portanto, haveria uma autonomia relativa de territórios e uma expansão de iniciativas e de artifícios para contornar a crise econômica. A tendência é modificar profundamente as estratégias dos atores, de modo a desafiar, em todas as combinações, os níveis clássicos de política pública (Europa, nações, regiões). Estas evoluções são analisadas em estudos sobre economia “presencial” que explora especialmente as consequências da disjunção aqui proposta. (M. Talandier e L. Davezies, 2009).

O fim da macroeconomia?

12A relocação individual como tendência ilustrativa da globalização tende a reproduzir um mecanismo tipicamente fordista de pesquisa de custos de produção baixos separando novamente as populações produtoras das populações consumidoras. Essa projeção em um mundo no qual os contextos de troca são cada vez menos os Estados-nação e cada vez mais as “regiões”, no sentido anglo-saxônico, ou os “territórios” – segundo o sentido que a expressão toma na Europa, isto é, as configurações geográficas construídas e não naturais –, desafia o modelo ricardiano de troca internacional com base em “vantagens comparativas”.

  • 9 A intuição de M. Vanier (2008) desenvolve a questão acerca da articulação dos territórios entre ele (...)

13Dessa forma, a representação do mundo como um “todo” interconectado não funciona mais. De fato, um maior acesso dos atores ao mundo é facilitado, e além disso, demanda mediações que são os “territórios”. Levantamos, portanto, a hipótese de que a vantagem comparativa, sob os auspícios da globalização, torna-se uma “vantagem diferenciada”. Portanto, os territórios não devem mais se especializar em um esquema comparativo, mas devem escapar das leis da concorrência visto que são impossíveis de ser seguidas quando se visa a produção para a qual estariam (idealmente) em situação de monopólio. Este tipo de comportamento prejudica o corte pelos sistemas produtivos nacionais (espaços naturais) posto que as iniciativas não são resultantes de uma política centralizada na escala de um Estado-nação, mas de grupos de atores mobilizados em resolver um problema produtivo. Estes grupos existem a um nível de agregação intermediário entre o indivíduo e o “todo” que é “mesoeconômico”. Se a tendência se confirmar, será o surgimento de uma “multiescala” e de combinações espaciais complexas9 que serão impostas a estes atores. A relação global/local foi profundamente transformada.

  • 10 DIACT, 2009, Une nouvelle ambition pour l’aménagement du territoire, La Documentation française, 81 (...)

14Estes três tipos de evolução terão um impacto óbvio na estruturação espacial do território nacional10. Uma análise prospectiva aprofundada permitiria aproximar melhor a densidade das mutações.

15Contudo, sentimos que o surgimento de um modelo “pós-fordista” de adaptação ao capitalismo requer uma nova relação entre o local e o global, novos processos cognitivos que envolvem os territórios e uma nova geografia da produção. A construção da definição prospectiva do modelo está diante de nós. Porém, podemos assinalar algumas condições e algumas características que podem fundamentar tal modelo.

Uma exigência de coerência territorial

16A separação espacial casa/trabalho e entre local de moradia (e de consumo) e local de produção (geração de renda), o aumento do tempo livre, a ampliação na expectativa de vida, os progressos tecnológicos, a melhoria dos níveis de renda familiar, entre outros fatores, permitiram o crescimento da mobilidade e foram a razão para a lógica “um indivíduo – um território”. É essa multiadesão territorial que explica atualmente como a produção e o consumo podem ser determinados por leis geográficas e econômicas diferentes.

Residência versus produção

17Essa desconexão espacial e temporal entre a oferta e a demanda originou um novo fato sem precedentes para a economia dos territórios: o descompasso entre a criação de riqueza e a melhoria das condições de vida das populações. Um dos fortes sinais deste descompasso reside no “efeito tesoura”, observado entre o PIB per capita e a renda per capita das regiões francesas (Davezies, 2008). De fato, a partir da década de 1980, as disparidades regionais em termos de PIB per capita começaram a crescer (após décadas de convergência) e, ao mesmo tempo, as disparidades de renda per capita têm diminuído constantemente. Portanto, as regiões mais ricas em termos de PIB são cada vez mais competitivas e geradoras de valor agregado, ainda que a renda da população tenha diminuído relativamente (com crescimento mais lento do que em outras regiões). Deste modo, a Île-de-France, por exemplo, aumentou de 27% em relação ao PIB francês em 1976, para 29%, atualmente, porém a renda parisiense diminuiu de 25% da renda francesa para 22%, em relação ao mesmo período.

18Esse descompasso entre o crescimento e desenvolvimento em nível subnacional é explicado por poderosos mecanismos de redistribuição públicos e privados entre os territórios. Estes fluxos de receita irrigam os territórios, independentemente da sua capacidade produtiva, e são um importante recurso econômico e uma alavanca para os territórios. Essas receitas afetam significativamente o desenvolvimento econômico, social e demográfico de diversas áreas, quer sejam urbanas, suburbanas ou rurais. De fato, para muitos, o desenvolvimento econômico local ainda depende quase que exclusivamente da qualidade de seu sistema de produção.

19Assim, a partir da década de 1980, observamos uma concentração da produção nas grandes cidades e seus subúrbios. Essas metrópoles permitem limitar os custos de transação graças aos efeitos positivos da aglomeração (flexibilidade e tamanho do mercado de trabalho, presença de mão de obra qualificada, proximidade dos fornecedores, troca de conhecimentos, etc.) e promover a competitividade e a capacidade de resposta das empresas. O desenvolvimento percebido à luz destes poderosos processos de aglomeração gera grandes incertezas para as áreas não metropolitanas, isoladas ou que ainda não possuem sistemas produtivos singulares ou com capacidade de resposta.

20Entretanto, enquanto a produção está concentrada nas metrópoles, as pessoas – e com elas a renda – continuam a se espalhar pelo país. A geografia do crescimento gradativamente se desligou da geografia do desenvolvimento. Desse modo, o desenvolvimento de uma região depende de sua capacidade para capturar esses fluxos de renda, bem como gerar riqueza e garantir a circulação interna (B. Pecqueur, 2006). O binômio residência/produção, organizado em uma combinação complexa e mutável, caracteriza a trama econômica pós-fordista.

O territorial e o sustentável: uma compatibilidade dinâmica

21No modelo pós-fordista emergente, a questão da sustentabilidade é crucial por permitir a renovação dos recursos. É por meio dessa noção de recurso que a sustentabilidade se une ao território. Porém, a identificação do desenvolvimento territorial e do desenvolvimento sustentável não é óbvia, como observado por Olivier Godard (2007), para quem o desenvolvimento regional – assumindo que regional é sinônimo de territorial – pode claramente ser insustentável. De acordo com essa perspectiva, o binômio territorial/sustentável será discutido conforme a definição utilizada para território e para territorial.

Propomos examinar brevemente duas abordagens possíveis e distintas em relação ao território que suscitam duas situações relacionadas à sustentabilidade:

  1. Abordagem por escalas: nesse caso, o território é definido como uma menor parte de um todo. O infranacional definiu há muito tempo o espaço regional. Esse tipo de território é postulado previamente, ele é “dado”. Nesse caso, a questão da sustentabilidade – principalmente, mas não somente ambiental – torna-se um problema periférico, pois aparece como uma tensão a ser gerenciada onde as políticas públicas dominam. Isso não significa dizer que a sustentabilidade seja totalmente relegada a segundo plano. Para François Mancebo (2008), nesse caso a “apropriação territorial” deve ser considerada como uma condição para o sucesso das políticas de desenvolvimento sustentável. Em razão disso, a sustentabilidade é considerada cada vez mais importante. A integração dos custos ambientais desempenha o mesmo papel que os custos de transporte desempenhavam anteriormente. Devemos incorporar custos ocultos (os custos irrecuperáveis – sunk costs – de Williamson) que não eram pagos a curto prazo por ninguém, uma vez que se tornaram custos coletivos, que não eram pagos nem pelo produtor nem pelo consumidor, mas pela sociedade, em termos não comerciais de mal-vivre [baixo nível de vida] e de custo social. A abordagem por escalas leva, em suma, a uma situação de reintegração e de realocação dos custos coletivos induzidos pela ocultação, ou, simplesmente, pela negação destes custos ocultos.

  2. Abordagem por instituições: aqui, por outro lado, o território resulta da construção dos atores. Ele não é dado a priori. Esse tipo de território é “construído”, isto é, resulta de estratégias dos atores (stakeholders), os quais são os verdadeiros interessados. Nesse caso, a abordagem territorial do desenvolvimento sustentável considera o território como um alicerce básico para o desenvolvimento sustentável. A sustentabilidade é essencial, uma vez que se torna uma solução aos problemas e às necessidades daqueles para quem o “viver em conjunto” é o objetivo da construção territorial. A figura central do espaço construído é o habitante, figura dinâmica, resultado de estratégias bastante endógenas (ver Anquetin, Freyermuth, 2009). O habitante é uma figura mais dinâmica que o assalariado, pois indica que o território não é definido quantitativamente pelo número de empregados reais ou potenciais do local, mas como uma comunidade de indivíduos que tem por objetivo viver da melhor maneira possível em conjunto (sobre este assunto, vale consultar a obra de Amartya Sen sobre novos indicadores pós PIB).

22Portanto, se consideramos o território como um construto social com recursos, atores e governanças, a problemática do desenvolvimento sustentável exige considerar, para além do território, o “território sustentável”. O que se entende por território sustentável? Claramente, uma definição tal como território perene é insuficiente. De fato, além da durabilidade, o território sustentável exige uma compatibilidade entre o território e as condições ecológicas e sociais. Isso reflete a exigência que leva alguns autores a preferirem o termo “desenvolvimento sustentável” a “desenvolvimento durável”. A qualificação de “sustentável” aplicada ao território supõe, por exemplo, que alguns objetivos do desenvolvimento sustentável possam ser satisfeitos: a equidade intergeracional, a equidade intrageracional, a preservação dos recursos naturais, a antecipação dos riscos, etc. Supõe também que certos modos de abordagens das políticas públicas podem ser privilegiados: prevenção, precaução, integração, participação do cidadão, etc. A satisfação a essas condições não é intrínseca ao território. Apesar de um aparente paradoxo, ela deve também ser aplicada ao exterior, isto é, para além do território. Isso significa que a busca pela sustentabilidade no território não pode ser obtida à custa da sustentabilidade global ou da sustentabilidade de outros territórios. Mas, mais do que esse requisito mínimo, o projeto e a implementação de um desenvolvimento sustentável territorializado provavelmente conservará, entre outros fundamentos, o princípio da solidariedade ativa com outros territórios (P. F. Vieira A. A., C. Cerdan e Cazella, 2006).

O modelo de qualidade ou de desenvolvimento territorial sustentável: um esboço

23A noção de concorrência entre os territórios é uma noção que pode sugerir uma concorrência entre territórios postulados ou existentes como tal, isto é, associados a uma concessão especial a um território circunscrito, claramente identificado no espaço. Como se pôde depreender, os fatores de concorrência espacial que propomos ressaltar remetem a uma outra representação dos processos de construção territorial. Assim, um novo modelo territorial é antes de tudo um questionamento sobre a divisão do trabalho baseada apenas em “vantagem comparativa” ricardiana e enfatiza a questão crucial de coordenação bem como a da criação de recursos.

Da vantagem comparativa a vantagem diferencial

24A capacidade de produção de recursos específicos pode ser uma vantagem competitiva perante a concorrência de territórios de geometria variável, definida não em relação a seus limites, mas em relação ao um patrimônio tal como apreendemos, isto é, articulando de maneira não mecânica e baseada em uma arquitetura em constante transformação, o passado e o futuro possível. Esse patrimônio não é um capital; menos ainda um estoque de recursos disponíveis enquanto tal. Ele só tem valor quando contextualizado. Como já definimos (S. Coissard et B. Pecqueur, 2007) os únicos recursos de que um território dispõe (e não contém) são recursos ligados às ações de coordenação passadas (memória, confiança) e a um potencial ou a uma virtualidade de natureza cognitiva (recursos cognitivos virtualmente complementares).

  • 11 “l’essence de l’échange […] c’est que les hommes sont différents. Et l’échange, en réalité, ne se f (...)

25Aqui, e sem considerarmos de modo algum uma compreensão dos territórios como se existissem enquanto tais, é possível observar uma grande variedade de configurações espaciais em termos de processo de construção territorial. É justamente essa diversidade que é sugerida quando, juntamente como outros autores (Colletis G. e al, 1999), propomos distinguir três tipos de desenvolvimento local: a aglomeração, a especialização e a especificação. Ressaltamos que cada um desses modos usa uma combinação especial de três dimensões da proximidade (geográfica, organizacional, institucional). Como relatado por Ph. Simmonot, “a essência da troca [...] é que os homens são diferentes. E troca, na realidade, não se faz entre nações (nós nunca vimos a “Inglaterra” comercializar com “Portugal” ou a “França” com a “Alemanha”) – esses conceitos não foram mais relevantes à época de Ricardo que atualmente, eles foram até um pouco menos –, mas entre homens ou grupos de homens [grifo nosso] que também são inevitavelmente diferentes quanto a custos ou vantagens diferentes e que, portanto, são incentivados à troca”11. Podemos, então, recuperar e ajustar a teoria ricardiana das vantagens comparativas não mais às nações constituídas, mas aos territórios envolvidos no processo de globalização e às organizações transformadoras, temporárias e à geometria variável que eles representam?

26Em vez de pensar em termos de proteção contra os caprichos dos mercados globais, é preciso pensar na construção de trajetórias territoriais baseando-se na produção de recursos cognitivos específicos como fator de enriquecimento e de viabilidade de um patrimônio territorial sem ser constantemente redefinido em função do passado e de novos problemas a serem resolvidos. A transição que vai da especialização entre as nações em função de sua dotação de fatores até a diferenciação entre os territórios requer reflexão de acordo com os novos termos sob os quais se baseia a vantagem comparativa. A vantagem comparativa ricardiana envolve fatores (de fato) genéricos que são comparados com base em custos e preços entre os países. Isto resulta em um padrão de especialização baseado, por vezes, em uma mobilidade de produtos (trocas de bens ou serviços no comércio internacional), e por outras, em uma mobilidade dos fatores de produção clássicos (investimento direto e, em menor medida, migração internacional). Em ambos os casos, a especialização é explicada pelas interações dos preços dos fatores e quase não considera as dinâmicas que possibilitam atribuir aos recursos ou à produção destes valores altamente contextuais, dificilmente reaproveitáveis ou transferíveis e não se prestando a comparações ordinais. Alcançamos aqui a noção de recursos específicos. De fato, a especificidade “fixa” o recurso ao seu contexto produtivo e/ou territorial.

27A vantagem comparativa não acontece mais a partir de uma escala ordinal da produtividade comparada, uma vez que a característica específica do ativo ou do recurso rompe com esse tipo de comparação. Não podemos falar de ativos e recursos específicos, vantagens comparativas, mas sim de vantagens de diferenciação que implicam na produção ou na valorização de estratégias radicalmente diferentes das que buscam criar ou reforçar estratégias de vantagens comparativas. O modelo proposto é diferente do modelo ricardiano de dotação-especialização em que as perspectivas de geração de riqueza incluem capacidade de organização de grupos e elaboração de processos originais de emergência de recursos. A globalização, que consiste essencialmente na interconexão dos mercados (sobretudo os financeiros) e que cria as ligações de causa e efeito cada vez mais densas entre os atores econômicos, produz ao mesmo tempo as dinâmicas e os processos únicos de criação de recursos.

Por um modelo de qualidade territorial

Propomos aqui uma seleção de comportamentos de atores que resultam em dois modelos, que são, naturalmente, divididos de forma um pouco forçada, mas que resumem as questões discutidas.

Tabela 1. Modelo de produtividade e modelo de qualidade territorial

Modelo de produtividade

Modelo de qualidade territorial

1) Existência de fatores a serem otimizados

Recursos a serem construídos

2) Quedas de custo e de preço: forçadas pelos custos de produção

Manutenção de preços elevados: forçada pela certificação

3) Individualização da produtividade

Globalização da produtividade

4) Generalização dos produtos (diferenciação)

Especificidade dos produtos (especificação)

5) Governança global (de acordo com a lógica das empresas)

Governança local (de acordo com a lógica dos atores pluridimensionais)

6) Concorrência como dinâmica dominante

Fugir da competição como estratégia

7) Lógica de empresas

Lógica de territórios

8) Lucro

Renda

9) Inovação exógena

Inovação endógena

10) Distinção entre os bens públicos e privados

Combinação entre bens públicos e privados

28Este tabela mostra que a estratégia de investimento no cerne da concorrência (com os benefícios clássicos da competitividade de custos) não é uma estratégia rentável para se adaptar à globalização. A principal característica do desenvolvimento territorial é justamente tentar sair da competição, para a busca de renda. Esta estratégia baseia-se em produtos específicos, isto é, estes produtos são marcados pelo território. Isto ocorre de vários modos: o mais evidente é a utilização da origem como fator discriminante; o patrimônio cultural ou a paisagem também pode ser um marcador territorial de produção ou de conhecimento acumulado e construído de acordo com o processo cognitivo de construção da memória coletiva, etc. Portanto, temos na realidade empírica uma combinação de dois modos de avaliação, em que a produtividade (do trabalho), principal motor do fordismo, é fortemente equilibrada pela capacidade dos territórios de se distinguir pela qualidade e especificação.

Conclusão

  • 12 “constitue un versant assez neuf des sciences sociales répondant aux problèmes présentés par la rég (...)

29Após estas reflexões acerca da natureza do surgimento do pós-fordismo, podemos constatar que a noção de território como uma aglomeração parcial de atores, ancorada no espaço, vem ganhando terreno como uma solução para as tensões geradas pela globalização das trocas em uma escala global. Propusemos aqui algumas características intuitivas que deveriam estar melhor sustentadas. Trata-se de um estudo do campo da ciência regional renovada (regional studies). Esse campo “constitui uma nova vertente ainda bastante recente das ciências sociais, a qual busca respostas para os problemas apresentados pela região e pela divisão territorial das atividades”12 (Cassio et al, 2010). A ciência regional se renova à luz dos territórios, os quais funcionam como expressões do paradigma produtivo e devem ser lidos e entendidos como motores de uma concepção sustentável do pós-fordismo.

Notes

1 “Non seulement, nous assistons à une réallocation des lieux de production au niveau mondial, mais on constate aussi l’émergence de nouvelles formes d’organisation et d’articulation, au même niveau, des filières de production, avec l’émergence de chaînes d’offre et de chaînes logistiques.” [Nossa tradução]

2 “le local peut être la base d’une reconstruction institutionnelle postfordiste.” [Nossa tradução]

3 O romance Babbitt, publicado em 1922, apresenta por meio do personagem George Babbit – célebre em uma pequena cidade americana, obcecado pelo consumo – o primeiro retrato da América da década de 1920, obcecada pelas especulações e compra de objetos do novo consumo de massa como os automóveis, os refrigeradores.... Mais tarde, em 1965, com Les choses. Une histoire des années soixante, G. Perec retomou o tema na França que despertava para o consumo de massa.

4 Nos referimos aqui à noção do sistema técnico desenvolvido por B. Gille (1978) em sua obra Histoire des techniques, na qual o autor mostra que a máquina a vapor, invenção básica da Revolução Industrial Inglesa, vai liderar o desenvolvimento dos transportes marítimos e ferroviários, mas também o crescimento têxtil e o progresso de outros materiais (como ferro, ferro fundido e aço) e, consequentemente, a construção e as máquinas-ferramentas, etc.

5 P. Veltz (2009), « on peut mesurer facilement un nombre de pièces produites par ouvrier et par jour, mais comment mesurer la capacité d’agir face à des situations relationnelles […] comment mesurer la capacité de bâtir des coopérations pertinentes […] la performance est devenue une notion composite qui comporte de multiples dimensions.” [Nossa tradução]

6 “microentreprise de production d’utilité” [Nossa tradução]

7 “des solutions à ses problèmes de consommation” [Nossa tradução]

8 “bouquets de consommation” [Nossa tradução]

9 A intuição de M. Vanier (2008) desenvolve a questão acerca da articulação dos territórios entre eles e a necessidade de pensar conjuntamente em diversos níveis de agregação dos atores.

10 DIACT, 2009, Une nouvelle ambition pour l’aménagement du territoire, La Documentation française, 81 pages.

11 “l’essence de l’échange […] c’est que les hommes sont différents. Et l’échange, en réalité, ne se fait pas entre les nations (on n’a jamais vu l’« Angleterre » commercer avec le « Portugal », ni la « France » avec l’« Allemagne ») – qui n’étaient pas des concepts plus pertinents au temps de Ricardo qu’aujourd’hui, ils l’étaient plutôt moins – mais entre les hommes ou entre les groupes d’hommes [souligné par nous] qui eux aussi sont forcément différents, avec des coûts ou des avantages différents, et donc qui sont incités à l’échange.” [Nossa tradução]

12 “constitue un versant assez neuf des sciences sociales répondant aux problèmes présentés par la région et par la division territoriale des activités.” [Nossa tradução]

Auteur

Chercheur, professeur à l’Université Joseph Fourier – Grenoble-I
bernard.pecqueur@ujf-grenoble.fr
Patrícia Rodrigues Costa (Traducteur)

Acheter

Volume papier

i6doc.comamazon.fr