Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Memória e novos patrimônios

 | 
Cécile Tardy
, 
Vera Dodebei

Segunda parte. Análises de casos

Patrimônio em rede: a cinza, a brasa e os direitos indígenas no Brasil

José Ribamar Bessa Freire et Renata Daflon Leite

Résumé

Este artigo discute o uso das tecnologias digitais por sujeitos indígenas de diferentes etnias no Brasil, procurando destacar o impacto das tecnologias da informação e comunicação digitais na consolidação do patrimônio e identidade indígenas. O artigo enfoca os trabalhos de uma memória criativa construída de forma processual e colaborativa, contrapondo-se à ideia comumente aceita de que a memória é constituída apenas do passado. Afinal, para os Guarani, o passado não está antes do presente, mas dentro do presente. O uso das tecnologias digitais por índios de diferentes etnias no Brasil ocorre dentro de um contexto de tensão entre a tradição e a inovação, trazendo consequências sociopolíticas e culturais, especialmente no campo da identidade e da memória. O patrimônio em rede preservado com o auxílio das tecnologias da informação e comunicação digitais, implica sujeitos ativos e empenhados em sua preservação, eles mesmos autoimplicados neste processo, pois, enquanto reconstroem seu patrimônio, também reconstroem seus modos de subjetivação, efetuando uma escrita de si inseparável de uma escrita do mundo.

A eclosão de microliberdades indígenas, através do povoamento do território digital, realiza efeitos de pressão sobre uma cultura massiva que se quer universal e que compreende o “índio” como uma ideia romântica, geral e ligada à noção de atraso intelectual, econômico e cultural. Esses movimentos de pressão são capazes de provocar uma “desterritorialização da maioria”, aqui entendida conforme o conceito de Deleuze, pois, ao mesmo tempo em que a experiência tecnossocial possibilita meios favoráveis a uma construção identitária dos sujeitos indígenas, também impulsiona uma desterritorialização da noção genérica de “índio”.

Apresentamos um estudo de caso do blogue Índios online, como exemplo do uso das tecnologias digitais pelos índios. Entendemos que este blogue favorece um reconhecimento das narrativas indígenas, ainda que elas não componham a história oficial da nação, fazendo-as emergir e sair do grau de “apagamento” na memória coletiva. Cada post traz a subjetividade de seu autor e sua identidade indígena, já que se trata de uma mídia em que a autoria é imprescindível para sua construção. Desta forma, a internet apresenta-se como um poderoso instrumento em prol da defesa dos direitos indígenas. O blogue interétnico Índios online nos mostra que o patrimônio em rede é muito mais uma prática social viva a ser preservada do que um legado intocável a ser transmitido.

Texte intégral

Entretenir la tradition, ce n’est pas conserver les cendres, c’est souffler sur les braises.
Jean-Pierre Rioux, Jean Jaurès, Paris, Perrin, 2008, p. 48

Uso das tecnologias digitais por comunidades indígenas

1Os estudos em memória e patrimônio passam a apresentar novas configurações conceituais e metodológicas a partir do momento em que as tecnologias comunicacionais digitais se fazem cada vez mais presentes no cotidiano em todos os setores da vida social. Até mesmo as comunidades conhecidas por suas práticas e modos de vida mais tradicionais passam a ver a internet como uma ferramenta com múltiplas possibilidades. O uso das tecnologias digitais por índios de diferentes etnias no Brasil ocorre dentro de um contexto de tensão entre a tradição e a inovação, trazendo consequências sociopolíticas e culturais, especialmente no campo da identidade e da memória.

2O Censo de 2010 do IBGE registrou a existência de mais de duzentos e trinta povos indígenas, somando oitocentas e noventa e seis mil, novecentas e dezessete pessoas que residem em território nacional e correspondem a 0,47 da população total do país. Destas, trezentos e vinte e quatro mil, oitocentas e trinta e quatro vivem em cidades e quinhentos e setenta e dois mil, oitenta e três em áreas rurais, em seiscentas e setenta e nove terras indígenas. (IBGE, 2012) Nessas terras, funcionam duas mil, seiscentas e noventa e oito escolas indígenas com cerca de duzentos e dez mil alunos. Uma parte significativa deles já entrou no mundo digital. (Freire, 2011, p. 216)

3Analisamos aqui o impacto das tecnologias da informação e comunicação digitais na consolidação do patrimônio e identidade indígenas. Apresentamos um estudo de caso do blogue Índios online como exemplo do uso das tecnologias digitais pelos índios, procurando enfocar os trabalhos de uma memória criativa construída de forma processual e colaborativa, contrapondo-se à ideia comumente aceita de que a memória é constituída apenas do passado. Para os Guarani, o passado não está antes do presente, mas dentro do presente. Assim, a internet intercultural propõe um encontro entre as culturas indígenas tradicionais e as culturas da sociedade industrial, que traz à tona o caráter criativo e político da memória social em seu movimento incessante e contínuo, agora potencializado nas mídias digitais.

4O dado novo que deve ser destacado aqui é a “liberação do polo da emissão”, característica das mídias de função pós-massiva, conforme sugerido por Lemos (2009). Ela nos permite entender o caráter universal e pós-massivo da blogosfera como um poderoso instrumento na construção identitária indígena, pois, afinal, os sujeitos indígenas passam a ser autores da própria informação. Segundo Lemos (2009), as mídias de função pós-massiva apresentam-se como uma forma de mídia social colaborativa, em que os usuários podem criar e compartilhar seus conteúdos a partir de outros blogues, fazendo o que se denomina mixagens ou mashups. A liberação da emissão pelos blogues permite uma reconfiguração da vida social, quer dizer, dar voz a todos, pois pressupõe uma reelaboração da esfera pública. Desta forma, os blogues tornam-se um dos fenômenos mais populares da cibercultura, refletindo um desejo reprimido pela cultura de massa: o de ser ator na emissão, na produção de conteúdo e na partilha de experiências.

5O nosso olhar para a construção da memória coletiva indígena enfoca o movimento contínuo presente em um trabalho de memória que se inscreve nos blogues da internet, apropriando-se da efemeridade do diálogo on-line enquanto elemento constitutivo de sua capacidade de agir sobre o mundo. O blogue interétnico Índios online nos mostra que o patrimônio em rede é muito mais uma prática social viva a ser preservada do que um legado intocável a ser transmitido. Dos usos da internet por sujeitos indígenas e suas consequências para os modos de subjetivação e processos de construção identitária, destacam-se aqueles que se referem aos graus de autoria, empoderamento e mobilização interétnica na garantia dos direitos indígenas e na reconstrução patrimonial. Entendemos aqui por “empoderamento” o processo pelo qual indivíduos e grupos secularmente discriminados adquirem uma maior autonomia e poder de decisão no relacionamento interpessoal e institucional.

6Este tema merece ser cada vez mais debatido porque estimula uma reflexão sobre o imaginário social relativo às culturas indígenas, promovendo uma desterritorialização de preconceitos difundidos no senso comum. A comunicação reticular indígena tem muito a nos ensinar sobre a estrutura dialógica em rede da web. Alguns estudos traçam um paralelo entre este modelo comunicacional e a rede hipertextual e interativa da web 2.0. Neste sentido, Gomez Mont (2007) aponta uma perspectiva de análise bastante instigante e estimulante a respeito das populações autóctones do México, ao relembrar-nos de que foi a lógica comunitária estruturada em rede (a comunicação reticular) que salvaguardou os saberes destes povos, apesar de quinhentos anos de colonização. Tendo como pressuposto que a lógica comunitária indígena, denominada “comunicação reticular”, se aproxima da lógica da rede comunicacional na internet e da formação de uma memória social criativa, a expansão digital do sistema comunicacional e memorial indígena vem se revelando como alternativa a uma política patrimonial vertical de cunho estatal. Rediscutir o patrimônio e afirmar a sua processualidade e a sua impermanência implica também reinventar os conceitos de homem e de direitos humanos. Repensar a noção de patrimônio nos dias atuais implica conceber um patrimônio constituído “em rede”, capaz de incorporar o caráter dialógico da web em sua constituição.

7Entendemos que a internet indígena traz a originalidade das ideias novas que são capazes de mobilizar o nosso pensamento, fazendo-o habitar zonas fronteiriças potencialmente criativas. Quais as consequências da forte presença da autoria indígena na sociedade em geral? De que forma o discurso ocidental universalizante é abalado pela potência das narrativas indígenas?

8Com o objetivo de melhor aprofundar estas questões, dividimos o trabalho em três tópicos: a) memória e patrimônio indígenas na blogue-esfera; b) a questão identitária na web indígena; c) o blogue Índios online.

Memória e patrimônio indígenas na blogue-esfera

9Os atributos “digitalidade” e “virtualidade”, quando associados aos conceitos de memória social e patrimônio, inauguram uma reformulação conceitual dos mesmos, o que implica outros modos de conceber a transmissão e preservação do conhecimento. Desta forma, os diversos sujeitos indígenas utilizam o espaço público da web, sugerindo tanto a construção do ciberespaço enquanto ágora pública de confluência cultural, quanto a reafirmação de suas raízes patrimoniais possibilitada pela rede digital. O contexto contemporâneo faz emergir alguns questionamentos relativos a diversas disciplinas e instituições antes seguras e definidas na modernidade, quando as identidades culturais eram estáveis e sólidas. O descentramento do sujeito na modernidade tardia e as modificações das paisagens culturais de classe, gênero, sexualidade, etnia, raça e nacionalidade (Hall, 2003) enriquecem o debate sobre a constituição do patrimônio cultural. Consideraremos aqui as reconfigurações sofridas pelo “campo patrimonial”, a partir da noção de patrimônio digital, que acaba por redimensionar, conforme defendemos aqui, as questões relativas ao humano.

10O atributo digitalidade faz emergir o caráter de processualidade presente no próprio conceito de patrimônio (Dodebei, 2006). Podemos dizer, então, que o atributo digitalidade contribui para revelar o automovimento e o potencial criador presentes no conceito de patrimônio, denotando o seu caráter mobilizador. Podemos pensar, então, que o patrimônio digital efetua uma difícil passagem daquilo que seria a individualização do patrimônio para os diferentes processos de individuação do patrimônio. Essa transição coincide com outra, aquela relativa à concepção mesma de indivíduo, passando da concepção estática e totalizante de individualismo proposta na modernidade para uma noção mais aberta, dos diferentes modos de individuação que surgem na supermodernidade, quando o sujeito moderno surge descentrado de seu eixo sólido, apresentando múltiplas possibilidades de identificação. O patrimônio como individuação implica sujeitos ativos e empenhados em sua preservação, eles mesmos autoimplicados neste processo, pois, enquanto reconstroem seu patrimônio, também reconstroem seus modos de subjetivação, efetuando uma escrita de si inseparável de uma escrita do mundo. (Leite, 2011, p. 50-51)

11A crescente presença indígena na web permite o reconhecimento de saberes e práticas tradicionais no contexto do mundo globalizado contemporâneo. A necessidade de reconstrução da memória e recuperação do patrimônio implica o uso dos instrumentos da cultura letrada e da cibercultura, não como algo que anularia suas tradições, mas sim como uma ferramenta técnica, como quer Ailton Krenak:

Para mim e para o meu povo, ler e escrever é uma técnica, da mesma maneira que alguém pode aprender a dirigir um carro ou a operar uma máquina. Então, a gente opera essas coisas, mas nós damos a elas a exata dimensão que têm. Escrever e ler para mim não é uma virtude maior do que andar, nadar, subir em árvores, correr, caçar, fazer um balaio, um arco, uma flecha ou uma canoa. Quando aceitei aprender a ler e escrever, encarei a alfabetização como quem compra um peixe que tem espinha. Tirei as espinhas e escolhi o que eu queria. (Airton Krenak, 2007, p. 15)

12O uso da internet pelos sujeitos indígenas e a inserção da cultura indígena na rede apresenta, porém, alguns pontos controversos, conforme podemos ver na reportagem “Tribo de Rondônia pode fechar acordo com Google Earth”, publicada pela Agência Estado em 2007. Segundo a reportagem, o grupo indígena Suruí, localizado no município de Cacoal em Rondônia, na terra indígena Sete de Setembro, “deve fechar uma parceria com a gigante Google para incluir a aldeia de 1,2 mil habitantes no Google Earth, serviço de imagens de satélite e mapas via internet, e adicionar palavras da língua falada por eles nos motores de busca da empresa americana”. Almir Suruí, que promove a ideia de conservação ambiental na Europa, promete, no entanto, não fornecer as informações sobre a utilização de recursos da floresta para curar doenças: “Isso é nosso e não vamos compartilhar com eles”.

Figura 1. O cacique Almir Narayamoga Suruí acessando a internet

Figura 1. O cacique Almir Narayamoga Suruí acessando a internet

Fonte: www.paiter.org, consultado em 7 de julho de 2014.

13A entrevista com o líder indígena Ampam Krakas, feita em 1980 quando seu povo, o Shuar, que vive uma parte no Equador e outra no Peru, decide criar a Rádio Shuar, contribui para pensarmos a questão de como os índios pensam sua identidade, por exemplo, face às questões espaciais e diante da realidade dos estados nacionais. “À pergunta feita: – Cual es tu Pátria?, ele me respondeu: - Mi pátria grande es el Ecuador y mi pátria chica es el Shuar”. (Freire, 2009, p. 19)

14Este diálogo nos levou a pensar sobre a internet como um lugar onde as “pátrias chicas” se encontram, dada a capacidade das mídias pós-massivas em recuperar inclusive a riqueza da diferenciação dialetal que, segundo Claude Hagège (2000), possibilita a aparição de novas línguas. Desta forma, os blogues e outras redes sociais na web podem representar um poderoso instrumento de recuperação do patrimônio linguístico, a partir do uso da escrita e das novas tecnologias pelos índios, o que trará consequências inevitáveis sobre a questão da identidade. “Minha pátria é minha língua” – afirma o poeta português Fernando Pessoa.

15Segundo Marcos Terena, durante a celebração do Dia Internacional da Língua Materna, ocorrido no Clube de Periodistas do México, indígenas e especialistas debateram o efetivo direito às línguas maternas como valor de identidade nacional e ressaltaram que é preciso aproveitar a diversidade linguística para empoderar os povos indígenas1. Na ocasião, Susana Harp, promotora cultural mexicana, apontou a importância do uso das novas tecnologias de informação e comunicação para a proteção linguística. Ela considerou que a negação no uso da língua materna ocorreu diante do alto grau de racismo e discriminação contra os povos indígenas. O dia 21 de fevereiro foi celebrado como o Dia Internacional da Língua Materna. Héctor Pedraza Olguín, secretário da Comissão de Assuntos Indígenas da Câmara dos Deputados do México, manifestou que “o idioma reflete a maneira de pensar de uma pessoa, de um povo, seus processos mentais, sua organização social, sua cosmovisão. Quando o último falante de um idioma morre, está morto também um acúmulo de ideias, histórias do grupo social e sua comunidade”.

16Cecilia Alm em What can language technologies do for endangered languages, and vice-versa? (Alm, 2011, p. 94) revê a relação entre línguas em perigo de extinção e a linguagem computacional e nos mostra como a linguística computacional pode contribuir para o aumento da documentação e da presença de línguas em perigo, bem como o que estas línguas podem fazer pela linguística computacional. Quando falamos em recuperar e preservar o patrimônio indígena, estamos afirmando a recuperação e preservação de um ponto de vista, uma visão de mundo, uma organização social, um processo cognitivo, um modo de vida e de pensamento específicos. O uso das línguas indígenas nas redes sociais permite que seus falantes celebrem a abertura desse novo espaço na perspectiva indicada por Bartomé Meliá: “A história da América também é a história de suas línguas, que temos que lamentar quando mortas, que temos que visitar e cuidar quando enfermas, que podemos celebrar com alegres cantos de vida quando são faladas”. (Meliá, 2010, p. 27)

A questão identitária na web indígena

17O processo de construção e de reconstrução da identidade cultural indígena com o auxílio das mídias pós-massivas digitais permite investigar o exercício de identidades culturais ativas, capazes de interferir performaticamente e politicamente no mundo social, fugindo, assim, do purismo da “eugenia cultural”. Como diz Viveiros de Castro (2009, p. 85): [...] “eugenismo cultural também nunca deu certo [...] aquela história de raiz e de tradição, Deus me livre. Só tem tradição quem inventa”.

18A construção de museus indígenas, capazes de exercer papel educativo e mobilizador, organizar a memória e revigorar a identidade de diferentes etnias, como o Museu Magüta, por exemplo, ou os museus indígenas do Ceará, vem fortalecer a identidade étnica, contribuindo, assim, na luta pela demarcação de terras. É que o direito dos índios à terra depende, em grande parte, de serem reconhecidos como índios pela sociedade brasileira, assumindo plenamente sua identidade étnica, muitas vezes escondida por eles e negada sempre pela população regional, para quem os índios eram “caboclos”. Os museus indígenas, servindo como uma reafirmação cultural, fortalecem essa identidade. (Freire, 2009, p. 219)

19Podemos, então, traçar um paralelo entre o papel do museu e aquele da internet na luta pela conquista dos direitos indígenas e fortalecimento étnico. Do mesmo modo que alguns museus indígenas em funcionamento no país mostram às lideranças indígenas de todo o Brasil a força que pode ter um museu para reafirmar a identidade de uma etnia e para modificar a imagem que os brasileiros têm sobre os índios, a internet pode ser um importante instrumento no combate ao preconceito contra os sujeitos indígenas, retirando-lhes uma mordaça histórica, dando-lhes voz e um rosto, como lembra-nos Yakuy Tupinambá em depoimento presente no livro Arco digital: uma rede para aprender a pescar:

A internet promoveu a abertura de horizontes – contrariando o pensamento de uma grande maioria interessada em nos manter amordaçados – trouxe-nos novos significados, sem que isso implique no abandono das nossas tradições. Devolvendo nossas vozes, que foram caladas por muito tempo, cobertas pelas vozes dos que se julgam especialistas. Conectar-se ao mundo através da internet é ter direito a ter um rosto, e fazer ouvir nossa voz é saber dos acontecimentos e interesses que envolvem toda a humanidade. Através desse mecanismo tecnológico conseguimos perceber uma janela para o mundo, a tão sonhada Inclusão dos Povos Indígenas, como sociedade fundamentada, negada há décadas e décadas. (Yakuy Tupinambá apud Kariri-Xocó, Nhenety et all., 2007, p. 11)

20Os indígenas engajados hoje na luta pelo direito de exercer as suas práticas culturais são como Cunhataí, a personagem do texto Ato de amor entre os povos da escritora indígena Eliane Potiguara: “Cunhataí sai pelas matas, pelos céus, pelos rochedos, pelas montanhas, rios e lagos buscando suas raízes fragmentadas e fragilizadas pelo colonizador de todos os tempos”. (Potiguara, 2004)

21O movimento indígena nasce do domínio das letras, dos números, dos códigos sociais, dos processos econômicos e das políticas pelos líderes indígenas. Potiguara (2004, p. 70) escreve que “Daqueles primeiros líderes muito se viu e ouviu, mas pouco se leu”, e acrescenta que “Agora é hora de ler as palavras que foram ditas ao papel”. Desta forma, o movimento indígena surge com a apropriação, pelos índios, das instituições da sociedade nacional envolvente, constituindo uma busca por dar vazão ao que Potiguara denomina “visões indígenas”, ou seja, o pensar, o sentir e o viver dos povos indígenas brasileiros.

22As lutas políticas indígenas têm, no uso da internet, uma importante ferramenta, como salienta a indígena Yaku Tupinambá em resposta à pergunta “Como a internet pode servir de instrumento de luta para a defesa dos direitos indígenas?”:

  • 2 Para mais detalhes sobre essa entrevista, ver a dissertação de Leite, 2011.

Não existe instrumento de comunicação mais democrático de fato que a internet (jamais conseguiria espaço na chamada grande mídia) para contarmos a nossa história, promover intercâmbio cultural, lutar pelos nossos direitos, reivindicar políticas públicas, denunciar violação dos direitos humanos; hoje, basta um clic, e estou passando informações para a Amnesty International, ONU, Parlamento europeu e outros organismos que podem nos defender. A internet me levou a falar para a Comissão de Direitos Humanos no Parlamento Europeu em Bruxelas, na Bélgica; sem o uso da mesma, não ouviriam minha voz, jamais chegaria até lá, como fui em 2008, e tantos outros parentes que estão trilhando esse mesmo caminho. (Yakuy Tupinambá, entrevista em 4 de dezembro de 2010)2

23A eclosão de microliberdades indígenas, através do povoamento do território digital, realiza efeitos de pressão sobre uma cultura massiva que se quer universal e que compreende o “índio” como uma ideia romântica, geral e ligada à noção de atraso intelectual, econômico e cultural. Esses movimentos de pressão são capazes de provocar uma “desterritorialização da maioria”, pois, ao mesmo tempo em que a experiência tecnossocial possibilita meios favoráveis a uma construção identitária dos sujeitos indígenas, também impulsiona uma desterritorialização da noção genérica de “índio”. Será útil, portanto, empregarmos o conceito de “desterritorialização da maioria” conforme debatido por Deleuze:

Certamente as minorias são estados que podem ser definidos objetivamente, estados de língua, de etnia, de sexo, com suas territorialidades de gueto; mas devem ser consideradas também como germes, cristais de devir, que só valem enquanto detonadores de movimentos incontroláveis e de desterritorialização da média ou da maioria. (Deleuze, 2002, p. 53)

24E como fica a construção de subjetividades indígenas a partir desta nova visibilidade proporcionada pelas tecnologias da informação e comunicação digitais (TICs)? As tecnologias comunicativas digitais são instrumentos privilegiados na constituição da subjetividade e da identidade indígena. No caso do blogue Índios online, podemos dizer que, em cada post, está a subjetividade de seu autor e sua identidade indígena, já que o blogue é uma mídia em que a autoria é imprescindível para sua construção.

Figura 2. A intimidade com as TICS

Figura 2. A intimidade com as TICS

25Eliete da Silva Pereira (2008) emprega o termo “ciborgues indígenas” para referir-se à relação simbiótica entre grupos/sujeitos indígenas e as TICs, denotando um novo contexto de uma sociabilidade tecnológica com distintas formas de atuação e autorrepresentação, delineadas pela visibilidade e pela tomada da palavra eletrônica. Os ciborgues indígenas representariam, então, uma nova condição nativa contemporânea, atravessada por softwares e hardwares, sistemas informativos e fluxos comunicativos. A presença indígena na blogue-esfera promove uma “(re)elaboração étnica que confronta direta e indiretamente com o termo ‘índio’, colonial e homogêneo; processo esse promotor de um diálogo intercultural estabelecido por uma situação social, tecnológica, comunicativa e em rede”. (Pereira, 2008b, p. 2) A emergência das redes digitais interativas motivaria agenciamentos provocadores de uma “reelaboração hipertextual da representação sobre si”, abrindo uma perspectiva de análise para além do uso antropocêntrico das tecnologias. Os ciborgues indígenas apontariam para uma “nova ideologia protagônica” surgida nos espaços tecnossociais das redes digitais, contribuindo para a “desestigmatização” da identidade étnica indígena. (Pereira, 2008a) Desta forma, a interculturalidade e a visibilidade de saberes e culturas é potencializada no ciberespaço a partir da promoção de um diálogo entre culturas mais direto e horizontal.

26Entendemos, então, que a constituição de um ciberterritório indígena faz parte do movimento indígena e as ferramentas digitais auxiliam os sujeitos indígenas a conquistar a sua identidade. A exaltação identitária aparece em toda a produção de escritura indígena, seja ela impressa ou presente no suporte virtual da web. Hoje, toda a forma de produção textual indígena expõe a luta pela identidade como um fortalecimento diante do desrespeito e da humilhação, que compõem, como diz Graça Graúna (2004), a sintaxe da diáspora indígena.

O blogue Índios online

  • 3 Os pontos de cultura são iniciativas culturais desenvolvidas pela sociedade civil em parceria com o (...)

27O blogue Índios online surge em 2004 com um projeto piloto financiado pelo Supermercado Bom Preço e, em 2006, torna-se um ponto de cultura3, conectando sete nações indígenas do Nordeste brasileiro: Kiriri, Tupinambá, Pataxó-Hãhãhãe, Tumbalalá na Bahia, Xucuru-Kariri, Kariri-Xocó em Alagoas e os Pankararu em Pernambuco, conforme informação dada por Potyra Tê Tupinambá, advogada indígena em Ilhéus, durante o I Simpósio Indígena sobre Usos de Internet nas Comunidades Indígenas do Brasil, que ocorreu no final de novembro de 2010, na Cidade Universitária da Universidade de São Paulo.

Figura 3. Blogue Índios online

Figura 3. Blogue Índios online

Fonte: http://www.indiosonline.net, consultado em 10 de dezembro de 2014.

28A situação dos índios no Nordeste é discutida em vinte e três artigos publicados no livro A presença indígena no Nordeste, organizado por João Pacheco de Oliveira, para quem:

O livro decorre do desconforto e mesmo da indignação que gera num conjunto de pesquisadores a forma superficial e preconceituosa com que a existência indígena no Nordeste tem sido abordada em circuitos prestigiados e poderosos de informação, repercutindo de maneira muito negativa na naturalização e na disseminação de estereótipos seja na opinião pública, seja na formação das novas gerações de estudantes. (Oliveira, 2011, p. 9)

29A análise do blogue identificou alguns temas recorrentes nas postagens entre dezembro de 2010 e fevereiro de 2011, quais sejam:

  • luta pela terra: demarcação de terras indígenas, ocupação e retomada de territórios;

  • política: movimento político indígena, denúncias, reivindicação de direitos indígenas, políticas públicas;

  • inclusão digital: computador nas aldeias, Índios online;

  • divulgação de eventos: simpósios, encontros, assembleias e reuniões;

  • educação: indígenas nas universidades, escolas indígenas;

  • cultura: manifestação artística, ancestralidade, memória social;

  • confraternização: saudações e festividades;

  • saúde: políticas públicas de saúde, demandas e prestações de serviço de saúde nas aldeias, médicos indígenas.

30Observamos, desta forma, que as informações trocadas no blogue abrangem desde simples confraternizações entre os indígenas, até a presença de denúncias e troca de mensagens que enfatizam a defesa dos direitos indígenas. O blogue favorece um reconhecimento das narrativas indígenas, ainda que elas não componham a história oficial da nação, fazendo-as emergir e sair do grau de “apagamento” na memória coletiva. A internet oferece-se como um instrumento eficiente na construção da memória social, permitindo que a memória possa emergir dos próprios atores sociais em questão.

31Vale insistir aqui no depoimento de Yakuy Tupinambá, presente no livro Arco digital: uma rede para aprender a pescar (Kariri-Xocó, 2007), em que ela ressalta como a internet devolveu aos indígenas as vozes que lhes foram caladas por séculos e séculos, dando-lhes o direito de ter um rosto e saber de acontecimentos que envolvem toda a humanidade. O blogue Índios online apresenta-nos, o tempo todo, atos performáticos que atualizam a memória indígena, desde a escolha de grafismos tradicionais no layout do site até os depoimentos presentes nos vídeos, bem como as matérias e imagens postadas.

32O blogue Índios online apresenta-se também como ferramenta capaz de promover uma mobilização social em prol da luta pela defesa dos direitos indígenas. Lá, encontramos dois passados: um que fala da exploração do índio pelos invasores portugueses, e outro que fala da herança cultural indígena transmitida pelo convívio com seus ancestrais. Podemos dizer que esses dois passados surgem com novos significados a partir do presente e de um discurso atual que denuncia a discriminação, o preconceito, o desrespeito aos direitos indígenas, o assassinato e a criminalização de lideranças, sendo muitas vezes publicado em tempo real, como, por exemplo, no caso da notícia da prisão da cacique Valdelice. O post Cacique Maria Valdelice é presa injustamente, publicado em 3 de fevereiro de 2011, aparece no site apenas algumas horas após a prisão da liderança em questão.

Mais uma vez uma liderança do Povo Tupinambá de Olivença é presa injustamente. Primeiro foi o cacique Babau, depois seus irmãos Givaldo e Glicélia, agora foi a vez da cacique Maria Valdelice (Jamopoty). Ela foi presa na tarde de hoje (3 de fevereiro) após uma audiência, por policiais da Policia Federal em cumprimento ao mandado de prisão expedido pelo juiz federal Pedro Alberto Calmon Holliday, após decisão da Karine Costa. Carlos Rhem da Silva (docs. abaixo). (Postado por Potyra em www.indiosonline.org.br.)

33Esta notícia nos faz refletir sobre a importância das mídias pós-massivas com seu poder de intervir no acontecimento em tempo real. As denúncias publicadas nos blogues e sites da internet rapidamente estabelecem uma rede de contatos capaz de mobilização social. De forma diferente das mídias de função massiva, o ativismo social na internet denota o poder de modificação do fato social. Logo após o post citado anteriormente aparecem seis comentários e também um setor específico com o título 7 trackbacks para esta matéria. Nele, temos acesso a outros sites que também publicaram matérias sobre a prisão desta cacique, tais como União campo cidade e floresta e Web Brasil indígena.

34O movimento de protagonismo de uma minoria se dá a partir do momento em que ocorrem as lutas políticas pela memória, e que esta minoria passa a ressignificar o passado em seu discurso, como forma de fortalecer sua identidade de grupo, a qual necessita estar coesa para dar continuidade ao processo de construção de uma memória coletiva.

35O post em questão dá acesso ao vídeo Homenagem à cacique Valdelice que está presa ilegalmente em Ilhéus-Ba que também é publicado no Canal Celulares Indígenas Youtube, em que podemos assistir a diversos depoimentos dados pela cacique Valdelice. Ela, enquanto ator social, traz à tona em sua fala o passado do grupo social ao qual pertence quando diz: “um povo sofrido, um povo que foi discriminado, que continua sendo discriminado ainda neste século [...]”.

36Somos também confrontados com esse passado ao vermos o braço de Valdelice pintado com grafismos e seu cocar, lembrando-nos da tradição cultural indígena. Este passado, porém, aparece no presente, vivo e completamente ressignificado, mostrando-nos que a tradição é mantida a partir dos embates travados na luta política pela memória. A mesma discriminação que a cacique Valdelice aponta em sua fala aparece agora redimensionada quando o site Índios online publica a notícia sobre sua prisão.

37A internet pode ser um poderoso instrumento na luta pela garantia dos direitos indígenas, como, por exemplo, no caso da retomada de território pelos Tupinambás. Yakuy Tupinambá, em conversa via Skype realizada no I Encontro On-Line de Indígenas Vivendo em Cidades, chega a falar em “mídia comprada”, referindo-se à veiculação desta luta indígena na mídia de massa:

[...] um caos [...] governo não faz nada, fazendeiros perseguindo, mídia comprada, por isso tendenciosa, indígenas torturados, criminalização de lideranças. Por isso damos importância à internet, porque o 4º poder, como é chamada a grande mídia, não nos dá direito a voz, não nos abre espaços, não mostra nossa realidade. A internet permite a globalização contra, hegemônica; o que tem feito a mídia é nos descaracterizar e nos desqualificar. (Yakuy Tupinambá, fala realizada no I Encontro On-Line de Indígenas Vivendo em Cidades)

38No blogue Indios online temos, no Canal Celulares Indígenas Youtube, a exibição de quatro vídeos referentes à retomada de território pelos Tupinambás. São produções realizadas pelos próprios indígenas, as imagens foram registradas por Potyra Tê Tupinambá, Fábio Tupinambá e Bruno Ninhã Tupinambá e editadas por Alex Pankararu.

39Há um post publicado em 22 de dezembro de 2010 com o título: É retomada e não invasão. Nele, podemos ler: “Quando é mostrada nos meios de comunicação a recuperação da terra indígena, feita pelos próprios índios, exemplo de retomada, eles dizem: ‘indios da tribo… invadiram a fazenda de…’”. Não podemos deixar de sublinhar a presença do ponto de vista indígena nessas matérias e vídeos, que apontam para uma abordagem diferente daquela mostrada frequentemente nos veículos de comunicação de massa.

40Jelin (2002, p. 41) fala-nos do forte vínculo com o poder presente na intencionalidade da construção da narrativa oficial de uma nação, sublinhando, porém, que as interpretações das narrativas históricas se produzem ao longo do tempo, como produto das lutas políticas, de mudanças na sensibilidade da época e do próprio avanço da investigação histórica. Alguns posts do site apontam para a atuação de verdadeiros “empreendedores da memória”, conforme definição de Jelin (2002, p. 54) que lutam pelo reconhecimento público e oficial de acontecimentos importantes para a memória dos povos indígenas e que foram relegados ao “esquecimento” nas narrativas oficiais.

41Podemos dizer que o blogue Índios online é um instrumento importante para a organização da luta política pela memória indígena; nele observamos homens, mulheres, jovens e crianças lutando por materializar suas memórias, tanto aquelas referentes à tradição indígena, quanto as de acontecimentos do tempo presente, muitas vezes negligenciadas pela mídia de massa.

O mundo em movimento

42Nos últimos anos, as políticas públicas no campo da educação e da cultura começaram a refletir uma compreensão da importância do uso das novas tecnologias pelas comunidades indígenas. O Museu do Índio, subordinado à Fundação Nacional do Índio (Funai), inaugurou, no dia 10 de abril de 2012, no Memorial dos Povos Indígenas em Brasília, uma exposição intitulada Mundo em Movimento: Saberes Tradicionais e Novas Tecnologias. São diferentes espaços que exibem o universo indígena no Brasil, sua produção artística e cultural e um diversificado conjunto de registros audiovisuais, acervos tratados e digitalizados, dicionários, gramáticas, materiais de divulgação como vídeos, CDs e DVDs, entre outros trabalhos produzidos pelos índios. Seus conteúdos são validados e qualificados por mestres e especialistas indígenas para uso em escolas e centros de documentação nas terras indígenas. A exposição contém objetos, textos, fotos, vídeos, músicas e falas que revelam, de forma lúdica, saberes tradicionais, mitos, rituais, dimensões simbólicas e estéticas, expressões linguísticas e modos de fazer associados a aspectos específicos de cada cultura de cinquenta e cinco etnias documentadas.

43A exposição apresenta ainda um corredor sonoro com quatorze monitores portáteis e interatividade para escuta de dezoito sonoridades – falas e cantos – indígenas. Tudo isso é o resultado do Programa de Documentação de Línguas e Culturas Indígenas (Progdoc) desenvolvido nos últimos três anos em cento e nove aldeias, em parceria com vinte e três povos indígenas, em conjunto com o Instituto Max Planck, da Holanda, e várias universidades e centros de pesquisa do Brasil. As mostras apresentam material inédito produzido pelos índios, no seu dia a dia. Trata-se de um evento que valoriza o protagonismo das populações indígenas em ações de salvaguarda de seu patrimônio cultural.

44Tanto a exposição sobre os saberes tradicionais e as novas tecnologias como o blogue indígena propõem uma mudança no estatuto do olhar do outro, seja do outro (“homem branco”) para o sujeito indígena, seja do indígena para si mesmo, ao apresentar a relação entre a cultura tradicional indígena e as tecnologias digitais de forma criativa, como um instrumento de empoderamento diante do mundo. No caso do blogue, cada post traz a subjetividade de seu autor e sua identidade indígena, já que se trata de uma mídia em que a autoria é imprescindível para sua construção.

45O Índios online e outros websites indígenas são, na atualidade, um dos lugares onde a memória é construída criativamente, fazendo circular subjetividades agentes e transformadoras, em que podemos observar a construção de um protagonismo indígena, a conquista da própria voz pelos índios e a consciência de que essa voz ecoa e produz discursos capazes de ocupar outras fronteiras. Os sites indígenas lembram-nos, então, de que os modos de vida são criações que devem ser preservadas e que a existência é, antes de tudo, uma “existência artista”. Para retomar Jean Jaurés, que abriu este capítulo, podemos dizer que os sites indígenas não se limitam a conservar as cinzas da tradição, mas estão soprando sobre sua brasa.

Notes

1 Terena Marcos, Mensagem postada em 20 de fevereiro de 2011 em literaturaindigena.yahoogrupos.com.br.

2 Para mais detalhes sobre essa entrevista, ver a dissertação de Leite, 2011.

3 Os pontos de cultura são iniciativas culturais desenvolvidas pela sociedade civil em parceria com o governo brasileiro, a partir da liberação de recursos do Ministério da Cultura. Para mais informações ver: http://www.cultura.gov.br/pontos-de-cultura1.

Table des illustrations

Titre Figura 1. O cacique Almir Narayamoga Suruí acessando a internet
Crédits Fonte: www.paiter.org, consultado em 7 de julho de 2014.
URL http://books.openedition.org/oep/docannexe/image/870/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 488k
Titre Figura 2. A intimidade com as TICS
URL http://books.openedition.org/oep/docannexe/image/870/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 1,1M
Titre Figura 3. Blogue Índios online
Légende Fonte: http://www.indiosonline.net, consultado em 10 de dezembro de 2014.
URL http://books.openedition.org/oep/docannexe/image/870/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 395k

Auteurs

Professor adjunto do Programa de Pós-Graduação em Memória Social
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – Unirio.
Doutor em Letras, Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ.
bessa_18@hotmail.com
CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/7211811266353518
Doutoranda em Memória Social do Programa de Pós-Graduação em Memória Social
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – Unirio.
Mestranda em Memória Social, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – Unirio.
renatadaflon@gmail.com
CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/5639464012374862