Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Memória e novos patrimônios

 | 
Cécile Tardy
, 
Vera Dodebei

Introdução

Cécile Tardy et Vera Dodebei
Traduction de Germana Henriques Pereira de Sousa

Note de l’éditeur

Este capítulo foi traduzido do francês.

Texte intégral

Uma anterioridade científica franco-brasileira

  • 1 O Centre Norbert Elias é uma unidade mista de pesquisa do Centro National da Pesquisa Científica (C (...)
  • 2 Oito pesquisadores brasileiros desse centro de pesquisa contribuem nesta obra: Regina Abreu, Leila (...)

1Esta obra apresenta um trabalho de cooperação iniciado previamente entre diferentes membros de duas equipes de pesquisa, uma francesa e outra brasileira: a equipe Culture & Comunication, do Centre Norbert Elias, na França, sediada na Universdade de Avignon et des Pays de Vaucluse,1 e o Programa de Pós-Graduação Memória Social no Brasil, da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO.2 Os pesquisadores estão empenhados em estudar a questão da memória social e da patrimonialização e se interessam, no contexto desta obra, pelas transformações suscitadas pela articulação dessas duas problemáticas.

  • 3 Destacamos, entre eles: 1. Participação conjunta na rede MUSSI (Rede franco-brasileira de pesquisad (...)

2O diálogo franco-brasileiro entre essas duas equipes foi tecido ao longo de diferentes projetos científicos3 que permitiram debater abordagens francesas e brasileiras em termos de museologia, de mediação dos saberes e do patrimônio. Foi também a existência de uma literatura científica que circula entre os dois países que favoreceu essa aproximação, a saber, a tradição francesa das discussões teóricas acerca da temática da memória e do patrimônio (Halbwachs, Bergson, Ricœur, Choay) e as abordagens metodológicas da análise de discurso, da análise documentária e da análise da imagem (Pêcheux, Gardin, Joly, Aumont), aliadas à inovação dos estudos que emergem no domínio cultural da pesquisa em ciências sociais no Brasil. Os trabalhos conduzidos no seio das duas equipes nutriram particularmente a temática desta obra, uma que vez que o conjunto dos pesquisadores engajados nesta pesquisa se interessa fortemente há mais de uma década por três processos: a patrimonialização, a memória social e a mediação:

  • A análise do processo de patrimonialização permitiu estudar a produção do estatuto patrimonial dos objetos culturais, ou seja, aprofundar o conhecimento das modalidades por meio das quais os objetos materiais ou imateriais tornam-se patrimônios.

    • 4 1o Seminário Internacional em Memória Social: memoração, patrimonialização e imagens documentárias, (...)

    A memória social não é abordada como um simples fato social, mas como um processo que se analisa a partir da relação da sociedade com o tempo, o espaço, a linguagem e a criação. Essa abordagem originou a terminologia brasileira de memoração, que em francês poderia ser traduzida por “mémoration”.4

  • A categoria de análise da mediação permitiu o avanço na abordagem comunicacional da memória e do patrimônio, prevendo relações que se tecem entre públicos, dispositivos (tais como a exposição, o texto, a mídia digital), objetos patrimoniais e culturais, instituições, assim como permitiu a evolução das condições de circulação dos saberes.

  • 5 Christine Bouisset e Isabelle Dégremont, geógrafas da Universidade de Pau, foram convidados como de (...)

3Se a pluralidade das disciplinas científicas (antropologia, informação e comunicação, linguística, história) representadas nesta obra já contribui para esclarecer amplamente esses processos, desejamos também dar a palavra a uma disciplina conexa, a geografia. Seu interesse pelo patrimônio natural participa hoje da renovação da concepção mais tradicional do patrimônio, considerando-o menos como um resto a preservar da perda e mais como um patrimônio em processo ancorado no desenvolvimento territorial, portador de representações sociais diversificadas segundo os atores e as situações. Decidimos, portanto, convidar duas geógrafas para debater5 e apresentar seus pontos de vista acerca de nossas pesquisas no posfácio a esta obra.

4Este livro inscreve-se, pois, no desejo de consolidação das relações franco-brasileiras preexistentes. Visa ainda o avanço mútuo para tornar visível um campo de pesquisa transversal (a problemática conjunta da memoração e patrimonialização), destacando tanto o que aproxima quanto o que afasta as duas abordagens das sociedades estudadas.

Abordagens e desafios da articulação entre memória e patrimonialização

5O projeto teórico que foi pouco a pouco sendo construído em torno desse posicionamento institucional, e que ora aprofundamos e investigamos, é o de articular uma reflexão acerca das relações entre a memória social e a patrimonialização. A atualidade desta obra baseia-se, sobretudo, na emergência contemporânea, no Brasil e na França, de atores sociais e discursos que visam reforçar um espaço de decisão sobre o que deve ser patrimonializado e segundo quais modalidades.

6A reflexão em torno dessa temática foi conduzida ao longo das nove contribuições apresentadas nesta obra, realizada por treze pesquisadores reunidos pela diversidade de suas competências, abrangendo do estudo da memória social ao da patrimonialização e da mediação dos saberes. Trata-se do acúmulo crítico desses diferentes campos que se entrecruzam a partir de um exame mais atento da relação entre memória e patrimônio. A respeito dessa questão específica, a obra busca esclarecer dois movimentos: de um lado, como a memória pode se tornar um patrimônio, ou seja, qual é o lugar da memória na patrimonialização; de outro, como o patrimônio necessita de uma memoração para existir e ser transmitido.

7O primeiro questionamento sobre o devir patrimonial da memória baseia-se nas pesquisas em torno dos museus e exposições que se interessam pela reconstrução patrimonial da memória social. Como a memória é geralmente pensada como um processo contínuo exercido por um grupo social, nossa proposta é propor um outro modo de enfrentar esse processo, examinando o que garante sua continuidade, por exemplo, no contexto da entrada da memória no espaço museal. Pensamos que tal abordagem da memória renova a questão da patrimonialização sob dois ângulos. Em primeiro lugar, examina-se o estatuto dos objetos e os rastros da memória que não relevam apenas saberes dos especialistas do patrimônio, mas também das comunidades sociais. Em seguida, examina-se a criação de formas de representação da memória que permitem sua recomposição para torná-la visível, tanto para as pessoas mais próximas ao campo interdisciplinar quanto para aquelas que se encontram nas fronteiras disciplinares a essa memória social.

8O segundo grande questionamento que fazemos nesta obra ressalta o desafio da memoração do patrimônio. Do ponto de vista da patrimonialização, todo patrimônio deve sua existência a um processo de construção social. Esse processo de construção social não é isento de tensões e requer a identificação dos tipos de discurso patrimoniais e dos jogos complexos e dinâmicos pelos quais se define a legitimidade dos enunciados. No Brasil, sobretudo após a promulgação da Constituição de 1988, novos temas sobre direitos coletivos têm emergido e ocasionado discursos singulares sobre a patrimonialização. Se esse processo já foi, em sua globalidade, objeto de pesquisas, trata-se, hoje, de se desenvolver conhecimentos aprofundados sobre momentos específicos.

9Esta obra objetiva, principalmente, atualizar a análise do papel das mediações documentais na patrimonialização. A documentação responde à necessidade de conhecimentos relacionados aos objetos do patrimônio, bem como à preocupação pela preservação e transmissão ao longo do tempo. Mas leva também a construir representações distintas dos patrimônios que têm sua própria autonomia em termos de circulação social. Trata-se aqui de propormos uma reflexão sobre os representantes – ou os substitutos – documentais dos patrimônios e sobre sua capacidade de informar sobre o objeto original, permitindo-lhes novas formas de interpretação, manipulação e qualificação. A memória será levada em conta em suas dimensões, tanto técnicas (ferramentas de estocagem e de reserva) como documentária (constituição de uma documentação estruturada) e social (práticas e usos sociais).

10Esses dois movimentos constituem dois modos de abordar numa mesma pesquisa a relação entre memória social e patrimônio. Nenhum desses dois termos (patrimônio e memória) será tomado isoladamente; a questão patrimonial será examinada do ponto de vista da memória, e a questão da memória será enfrentada sob o ângulo de seu devir patrimonial. Assim, o fio condutor que estrutura o conjunto da obra é o exame da construção simultânea entre a memória social e a patrimonialização.

Pode-se falar de novos patrimônios?

11A expressão “novos patrimônios”, evocada no título desta obra, designa habitualmente patrimônios emergentes na sociedade; a categoria pode se manter mesmo que o interesse por eles tenha se perdido há vários anos. Em nossa opinião, a expressão tem o mérito de chamar a atenção para dois fatos. O primeiro é que ela designa geralmente patrimônios (o patrimônio etnológico, o patrimônio vivo ou, ainda, o patrimônio imaterial) a partir dos quais os pesquisadores em ciências sociais mostraram que a concepção do patrimônio não correspondia a um patrimônio herdado, legitimado por saberes principalmente históricos, conservados e transmitidos apenas pelas estruturas museais e patrimoniais. O segundo fato refere-se aos patrimônios chamados de novos e que permitiram renovar o olhar sobre todos os patrimônios – quer sejam os patrimônios genéticos, arqueológicos, vivos, antropológicos, naturais, paisagísticos, materiais, imateriais, digitais –, em vista de se refletir sobre a memória social e sobre como ela deve fazer evoluir a concepção mesma da patrimonialização. Está em jogo aí a redefinição das relações do patrimônio ao tempo, às práticas e aos sujeitos sociais. Multiplas fronteiras, – geralmente estabelecidas entre especialistas e públicos, conservação e transformação, preservação do passado e antecipação do futuro, continuidade e recontextualização, identidade e apropriação – misturam-se e convidam os pesquisadores a colocar os termos do alcance da memória social para esses patrimônios.

12Três tipos de patrimônios – imateriais, digitais, paisagísticos – atravessam em níveis diversos as análises expostas ao longo desta obra. A especificidade de cada um deles é a de terem servido de ponto de partida para a construção de nossa pesquisa sobre a articulação entre memoração e patrimonialização.

13O patrimônio imaterial (música, canto, dança, savoir-faire) suscita a questão da materialidade e dos saberes que permitirão assegurar sua continuidade caso esteja ameaçado de desaparecimento ou de fragilização, seja para garantir sua maior visibilidade, em escala nacional e internacional, seja para afirmar o reconhecimento cultural de grupos sociais. A obra mostra essa variedade de desafios que acompanha a inclusão do patrimônio imaterial. O contexto de uma preservação que poderia ser qualificada como urgente, quando o passado ainda não desapareceu mas está ameaçado de sê-lo, indaga o modo de construir um conhecimento distanciado sobre uma memória que é próxima de nós (como uma guerra civil) e, sobretudo, o lugar do testemunho na construção dessa representação ainda recente da memória. A preservação de um savoir-faire que desapareceu definitivamente, como a arqueologia, por exemplo, exige reencontrar a memória dos gestos passados e reconstituí-la por meio das instruções posteriores com relação às quais os conhecimentos científicos inscrevem-se na perspectiva de uma narração atual. Destacamos também a questão do reconhecimento dos direitos coletivos de diferentes grupos sociais no Brasil quando falamos de patrimônio imaterial, já que este é caracterizado por sua forte ancoragem na vida social. Atualmente, uma instituição cultural internacional como a UNESCO se debruça sobre a elaboração de guias de boas práticas para a preservação do patrimônio imaterial. Estas consistem em identificar modelos de preservação duráveis e organizar sua transmissão aos diferentes atores envolvidos. Na qualidade de pesquisadores, propomos, de forma mais ampla, analisar a forma de implementar práticas para reconstruir, perpetuar, mediar a memória social relacionada ao patrimônio imaterial.

14O patrimônio digital e o patrimônio digitalizado não devem ser confundidos. O patrimônio digital é tanto um objeto digital quanto uma ferramenta, que serve para fazê-lo funcionar. Patrimonializar sítios eletrônicos significa construir, de algum modo, uma metarepresentação digital. O patrimônio digitalizado remete à existência de um objeto original que existe numa materialidade diferente e cuja digitalização permite conservar uma imagem. Portanto, ambos põem em jogo a questão do uso da memória social na qualificação do patrimônio e o próprio estatuto daquilo que se faz patrimônio. No caso de coleção de objetos patrimoniais digitalizados, a mediação documentária, que consiste em elaborar uma documentação digitalizada da coleção, questiona as modalidades de apropriação dos patrimônios sob a forma digital. Colocá-los virtualmente na página eletrônica de museus promove a mudança da linha divisória entre as memórias legítimas (cientificamente) dos especialistas, que os tinham qualificado até então, e as memórias sociais que foram ativadas por essas modalidades digitalizadas de representação do patrimônio. No caso do patrimônio digital, trata-se menos da questão dos usos de um patrimônio reconhecido como tal do que da questão do estatuto do patrimônio alocado a objetos recentemente produzidos e em quantidade industrial. A memória social deve hoje enfrentar o que a memória informática permitiu fabricar estatuindo sobre o que deve ser conservado e as modalidades de reserva dos objetos informáticos e de seus usos. Pode-se indagar sobre como as escolhas técnicas e semióticas podem modificar nosso olhar sobre a memória dos patrimônios e informar nossas relações com estes últimos.

15O patrimônio paisagístico distingue-se pelo caráter vivo e evolutivo. Não se apreende como um patrimônio passado a ser conservado da perda, mas como um patrimônio a ser administrado pelas gerações atuais e futuras. Ninguém pode dizer o que ele é nem o que será, pois se caracteriza por uma transformação permanente. Sua patrimonialização necessita antes recorrer a modalidades de vigilância e acompanhamento de mutações do que de manutenção de elementos imóveis. Não se trata, nesse caso, de memorizar objetos do passado, mas de colocar em prática um método de memoração que permita, de um lado, tornar visíveis patrimônios que se tornaram invisíveis por sua inserção no contexto da vida, e, de outro, tornar inteligíveis os desafios de sua gestão para o futuro. Esse processo de memoração que dá suporte à visibilidade do patrimônio e a antecipação possível de uma ação de preservação introduz, segundo nosso ponto de vista, um outro modo de abordar o duplo questionamento daquilo que a memória faz ao patrimônio e daquilo que o patrimônio faz à memória. Com o patrimônio paisagístico, estamos no caso extremo de uma patrimonialização que não pode existir sem um trabalho de memória social. Trata-se de capturar, para se analisar, esse papel específico da memória na fabricação de um patrimônio irremediavelmente incorporado – sem a possibilidade de descolamento físico – na vida social.

16A obra não foi organizada segundo os diferentes tipos de patrimônios, o que não faria sentido diante da diversidade dos contextos franceses e brasileiros, nem, sobretudo, diante de nossa abordagem do patrimônio de acordo com os processos que o constituem. Propõe, ao contrário, observar situações, práticas, instituições, atores, processos e dispositivos de mediação, nos quais a questão da memória social e da patrimonialização é colocada de diversas maneiras. A obra dedica-se, assim, ao exame do modo como a memória social ocorre nas sociedades francesa e brasileira para construir patrimônios frequentemente singularizados por seu caráter ao mesmo tempo evolutivo, invisível e próximo.

O desafio de uma obra franco-brasileira, teórica e prática

17Este livro ambiciona atingir, ao mesmo tempo, o público específico das ciências humanas e sociais (pesquisadores, professores e estudantes), interessados na problemática da memória social e da patrimonialização, e os profissionais que trabalham no campo da valorização do patrimônio e da memória. Os autores propuseram, igualmente, articular estreitamente as abordagens francesas e brasileiras, a fim de colocar em evidência tanto as semelhanças quanto as diferenças existentes entre elas. Esperamos que essa hibridação na organização dos textos possa fomentar a reflexão em nossos leitores, como também proporcionar a composição, a seu modo, das relações entre memória e patrimônio.

18A primeira parte da obra, com enfoque teórico, apresenta três contribuições, uma francesa e duas brasileiras, abordando pontos de vista de renomados pesquisadores acerca da questão. Eles confrontam suas abordagens sobre a temática da relação entre memória social e patrimonialização e proporcionam a descoberta de sínteses teóricas que trazem uma visão panorâmica sobre a questão.

19A obra começa pela síntese teórica de uma importante literatura científica, feita por Vera Dodebei, a partir da qual ela depreende três processos de transmissão da memória. Ela exporá, assim, alternadamente: o modo de transmissão por dissolução das memórias numa única memória segundo um processo de integração e transformação no âmbito de um grupo social; a seguir discute a acumulação das memórias fundamentada na técnica da escrita e dos suportes analógicos; e por fim o modo híbrido que mistura os dois anteriores acionando a contribuição da memória eletrônica que dilui as lembranças – por reformatação e produção coletiva –, ao mesmo tempo em que autoriza sua acumulação por meio da reprodução da informação. Para a autora, vivemos em dois mundos, no mínimo, simultaneamente: um mundo analógico e um outro digital. Em ambos os casos, as memórias e seus valores enquanto documentos e patrimônios são construídos, circulam deixando rastros e se dissolvem. A ideia de patrimônio institucional é recente e sua representação e registro documental apresentam conflitos em relação à natureza da memória, que é totalmente virtual.

20O exercício teórico realizado por Jean Davallon (2006) consiste em interrogar a evolução de seu modelo da patrimonialização, elaborado a partir do caso do patrimônio material quando deslocado para patrimônio imaterial. O desafio da abordagem é colocar em discussão a etapa da ruptura entre o mundo da origem dos objetos patrimoniais e o mundo presente. Essa ruptura era vista como necessária à produção patrimonial, ainda que aparentasse não ser mais efetiva com o patrimônio imaterial que garantiria uma continuidade entre os dois mundos. Porém, no caso de uma tal continuidade, pergunta-nos o autor, “que diferença haveria entre as definições cultural e jurídica do patrimônio?” Esse capítulo permite analisar o processo de transmissão do patrimônio imaterial, observando habilmente como se dá a passagem de uma transmissão na sociedade para uma transmissão sobre a sociedade. Os desafios teóricos em torno desses modos de existência do patrimônio imaterial na sociedade são explicitados por meio do exemplo simples e eficaz dos cantos tradicionais da Córsega, com várias vozes, inscritos na lista da Unesco de preservação de urgência do patrimônio cultural imaterial.

21A parte teórica deste livro é concluída com a contribuição de Regina Abreu, que erige um panorama histórico e analítico dos processos de patrimonialização em torno de três momentos. O primeiro: do século xix à primeira metade do século xx, em que os processos de patrimonialização baseiam-se na reconstrução do passado (História) ou na busca e valorização de uma arte nacional. O segundo situa-se nos anos 1940, com a criação da UNESCO: nesse, os processos de patrimonialização integram uma nova e importante variável relativa ao conceito antropológico de cultura que deveria facilitar uma compreensão entre os seres humanos. E, enfim, o terceiro: no início dos anos 1980, quando instaurou-se, segundo a autora, a “patrimonialização das diferenças”, devido às recomendações emitidas, sobretudo, pela UNESCO no que concerne à preservação das singularidades ou especificidades locais para além do movimento de homogeneização que está se desenvolvendo no mundo. A autora se interessa particularmente por esse terceiro momento ao sublinhar as diferentes tendências: instauração de listas de salvaguarda dos patrimônios imateriais em perigo, mundial, oral, etc., conflitos e tensões entre os organismos governamentais e não governamentais e desafios sobre a visibilidade pela corrida aos selos patrimoniais e a midiatização de sítios eletrônicos das instituições reconhecidas no campo patrimonial.

22A segunda parte desta obra articula-se em torno de uma série de estudos de caso. O princípio é mostrar, a partir de casos concretos, como a relação entre memória e patrimônio é estudada nas sociedades brasileira e francesa, uma vez que a questão memorial e patrimonial é uma realidade inscrita nas instituições culturais e patrimoniais e nas práticas sociais. Esta segunda parte não é uma mera ilustração da primeira parte teórica. De fato, são desenvolvidas aí análises concretas que trazem à tona o que ocorre nos campos estudados e o modo como os pesquisadores observam e compreendem aquilo que se tece entre os processos de patrimonialização da memória e de memoração do patrimônio.

23O estudo de caso que abre esta segunda parte da coletânea, apresentado por Evelyn Orrico, Amir Geiger e Sabrina Dinola, debruça-se sobre o modo como documentários resgataram do esquecimento a música popular brasileira e como esse tipo de filme participa, por intermédio do discurso que veiculam, da patrimonialização. O patrimônio é considerado como uma construção simbólica que necessita de um processo de mediação não apenas técnico, mas expressivo, que mobiliza a lógica e a magia do que retrata. O filme documentário é, assim, um instrumento de mediação que torna possível a memorização da música e a construção social de uma memória da música popular brasileira a partir da seleção de certos artistas em lugar de outros. Por meio da análise e da construção do discurso dos filmes documentários, os autores exploram a tensão entre reconhecimentos sociais e esquecimentos que marcam a trajetória musical, especialmente de quatro artistas brasileiros.

24Por meio da análise do blog Índios On-line, José Ribamar Bessa Freire e Renata Daflon Leite abordam o papel das tecnologias digitais da informação e da comunicação na construção do patrimônio e da identidade indígenas. Questionam a concepção clássica de uma memória constituída a partir do passado para outra que, ainda que possuindo caráter processual, mostra-se efetivamente mais colaborativa. Para os índios da etnia Guarani, o passado não se coloca antes do presente, mas no presente. As mídias digitais, ao reforçarem o reencontro entre as culturas indígenas tradicionais e as culturais da sociedade industrial, favorecem um movimento memorial incessante e contínuo. A análise do blog interétnico Índios On-line mostra que o patrimônio em rede é mais uma prática social viva do que uma herança a ser fixada para sua conservação. Os autores evidenciam, por meio dos estudos das práticas desse tipo de blog, os modos de subjetivação, tais como o estatuto – variável – dos autores e as diferentes posições dos sujeitos na mobilização interétnica para garantir os direitos indígenas e a reconstrução patrimonial.

25Urbano, o Aposentado, personagem da tira em quadrinhos de mesmo nome, publicado num jornal carioca, coleciona objetos inúteis. Por meio do exemplo dessa coleção de inutilidades, Leila Beatriz Ribeiro reflete sobre a lógica extrema da memória e da patrimonialização, que consistiria em testemunhar a história da materialidade das coisas a partir daquilo que o homem rejeita. “Tudo guardar, nada descartar”: a tarefa de Urbano é transmitir, através desses objetos acumulados, a história de uma sociedade de consumo, uma sociedade de desestruturação, uma sociedade do desperdício. A autora mostra que essa coleção foi feita de modo a se colecionar a si próprio. Urbano, o Aposentado, coleciona-se a si mesmo, ou seja, o antigo. Essa categoria social tem sua importância numa sociedade, tal como a sociedade brasileira, que contém um número cada vez maior de idosos. Assim, pergunta a autora: qual seria o sistema de valores da nossa sociedade em relação aos representantes humanos e materiais de uma cultura industrializada?

26A partir do caso do aplicativo Musée Urbain MTL, para download no Iphone, produzido pelo Museu McCord, de Montréal, Cécile Tardy investiga os riscos da transformação digital nas coleções patrimoniais enfrentados hoje por várias instituições museais mundo afora, desde o momento em que se investe em programas de digitalização. A partir dos substitutos digitais de suas coleções, o museu está apto a reinventar a relação que liga a sociedade aos objetos do passado e à própria instituição museal. O Museu pode voltar-se para formas de representação da memória social de nosso passado, não mais a partir de objetos patrimoniais, mas de suas imagens em inúmeros dispositivos com tela que se prestam a sua projeção nas mais diversas situações. A autora busca compreender os mecanismos de transferência da garantia de autenticidade ligados à instituição museal para outros espaços socioeconômicos, como o turismo urbano. Os substitutos são daí em diante investidos em diferentes lógicas de uso e de representação, entre conservação, mediação e marca.

27A propósito das ilustrações em arqueologia, Émilie Flon ultrapassa– e dá conta – os debates sobre a avaliação da veracidade das informações que são supostamente expostas, enquanto documentos de conhecimento, ao abordar as ilustrações em termos de testemunho. À posição social do ilustrador junta-se o testemunho: ele é convidado a certificar a realidade que ele representa, dando-lhe a oportunidade de interpretar. Seu trabalho é feito a partir do conhecimento arqueológico, e também das culturas visuais e sociais dos arqueólogos e artistas. A vantagem dessa abordagem pelo testemunho, desenvolvida pelo autor para compreender o estatuto das ilustrações em arqueologia, é, de um lado, analisar as ilustrações como uma mediação no espaço público da memória social de um passado arqueológico inacessível, e, de outro, reconhecer o papel das ilustrações para a patrimonialização, na qualidade de uma construção social de um passado comum.

28Por fim, esta coletânea aborda o caso do tratamento dado pelos museus às memórias conflituosas e traumáticas por meio de dois exemplos: o primeiro é o das exposições do quadro de Picasso, Guernica, produzido no contexto da Guerra Civil Espanhola (1936-1939) – atualmente exposto no Museu Nacional Centro de Arte Rainha Sofia –, e o segundo é o da representação da deportação durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) no Museu da Resistência e da Deportação, em Grenoble (Isère), na França. Jessica Cendoya-Lafleur, Marie Lavorel e Jean Davallon confrontam esses dois casos para analisar a patrimonialização da memória no contexto museal. Retomando o modelo do processo de patrimonialização definido por Jean Davallon (2006), os autores analisam duas etapas particularmente delicadas no caso dessas memórias que poderíamos qualificar como sensíveis: a da passagem das memórias do Guernica a uma história oficial e a da construção de uma representação negociada do evento traumático da deportação entre a memória do testemunho e os conhecimentos do historiador.

Notes

1 O Centre Norbert Elias é uma unidade mista de pesquisa do Centro National da Pesquisa Científica (Centre national de la recherche scientifique - CNRS). Cinco pesquisadores da equipe Cultura & Comunicação colaboram nesta obra: Jessica Cendoya-Lafleur, Émilie Flon, Jean Davallon, Marie Lavorel e Cécile Tardy.

2 Oito pesquisadores brasileiros desse centro de pesquisa contribuem nesta obra: Regina Abreu, Leila Beatriz Ribeiro, Renata Daflon Leite, Sabrina Dinola, Vera Dodebei, Amir Geiger, Evelyn Orrico e José Ribamar Bessa Freire.

3 Destacamos, entre eles: 1. Participação conjunta na rede MUSSI (Rede franco-brasileira de pesquisadores em mediações e usos sociais de saberes e informação), rede científica criada pela iniciativa de pesquisadores em ciências da informação-documentação do Brasil e da França. O projeto de pesquisa tem por objetivo desenvolver e compartilhar pesquisas conduzidas nos dois países acerca das mediações e usos sociais dos saberes e da informação. Iniciado em 2004, a proposta permite reforçar e ampliar as colaborações (publicações, colóquios, cursos, visitas, conferências, etc.); 2. A colaboração de Vera Dodebei no programa de pesquisa sobre as Mediações Fotográficas do Patrimônio (2009-2011), financiado pela Agência Nacional da Pesquisa na França (Agence Nationale de la Recherche - ANR), coordenado por Cécile Tardy com a participação de Émilie Flon. 3. Encontro das equipes no âmbito de colóquios internacionais: Museus e Comunicação, as exposições como objetos de estudo (Rio, 2009), Edição das publicações científicas nas ciências humanas e sociais (Avignon, 2010), Mediações e hibridações: construção social dos saberes e da informação (Toulouse, 2011).

4 1o Seminário Internacional em Memória Social: memoração, patrimonialização e imagens documentárias, realizado de 13 a 15 de março de 2012 na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO.

5 Christine Bouisset e Isabelle Dégremont, geógrafas da Universidade de Pau, foram convidados como debatedores da nossa investigação durante o seminário realizado de 21 a 25 de novembro de 2011 na Universidade de Avignon et des Pays de Vaucluse.

Auteurs

Professeure en sciences de l’information et de la communication
Université Lille 3 - GERiiCO
Doctorat en sciences de l’information et de la communication
cecile.tardy@univ-lille3.fr
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO. Programa de Pós-Graduação em Memória Social. Professora Associada IV.
Doutora em Comunicação e Cultura. Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ
dodebei@gmail.com
CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/1112112146102164
Germana Henriques Pereira de Sousa (Traducteur)

Acheter

Volume papier

i6doc.comamazon.fr