Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Arte e vida social

 | 
Alain Quemin
, 
Glaucia Villas Bôas

Quarta parte. Leituras e leitores

O guerreiro do Theatro Municipal

Arthur Azevedo e sua luta pela consolidação do teatro nacional

Tatiana Siciliano

Résumé

Arthur Azevedo (1855-1908) – teatrólogo, jornalista, contista, cronista e funcionário público – embora seja, contemporaneamente, pouco lembrado, desempenhou um papel relevante no campo artístico-intelectual do final do século XIX e início do século XX. Foi membro-fundador da Academia Brasileira de Letras (1897) e principal articulador da construção do Theatro Municipal. Através da imprensa e do teatro, empreendeu contínua campanha para o desenvolvimento do teatro nacional, sobretudo em seu folhetim semanal “O Theatro”, publicado em A Notícia. Lutava para a construção de um espaço destinado ao florescimento da dramaturgia brasileira, que fosse patrocinado pelo Estado, a exemplo do que ocorria com a Comédie-Française. Isto é, acreditava que o incremento qualitativo da produção teatral, bem como a frequência de um público mais amplo, que abrigasse diversas camadas sociais, em eças mais literárias, só seria possível com investimento público. Esse era o seu plano para o Theatro Municipal que, apesar de aprovado por lei desde 1895, só iniciou sua construção em 1905, sendo inaugurado em 1909 com outra concepção: um suntuoso edifício, inspirado no Teatro Ópera de Paris, destinado a espetáculos grandiosos, principalmente de companhias estrangeiras e com preços elevados, que só permitiam a frequência da elite. Em seu debut, o referido teatro já não lembrava, em nada, o projeto inicial do dramaturgo. Apenas na década de 1930, passa a ser patrocinado pelo governo, contratando um corpo artístico próprio: um coro, uma orquestra sinfônica e uma companhia de ballet. Mas, a arte dramática continuaria excluída. O objetivo do capítulo é discutir a luta de Arthur Azevedo para o estabelecimento de um teatro nacional, sublinhando sua importância como mediador cultural. Apesar da concepção de teatro do dramaturgo ser consonante com o ideal civilizador de sua época, ela não vigorou no caso do Theatro Muncipal. Meu argumento é que Arthur Azevedo reivindicava que o teatro brasileiro fosse objeto de uma política cultural, muito antes do conceito de política pública cultural se firmar em solo nacional, o que só aconteceu, institucionalmente, a partir de 1930.

Texte intégral

Imortal! Com o povo que me conquistou
E a aura do Municipal
Hei de emanar a luz [...]
E caminhar, sob o brilho e o ar de Paris
Um boulevard passos para um novo país [...]

O Theatro Municipal desfila na memória coletiva...

  • 1 A Unidos de Vila Isabel é uma escola de samba do grupo especial do Rio de Janeiro, fundada em 1946 (...)
  • 2 Conforme Lúcia Lippi de Oliveira, “os chamados patrimônios históricos e artísticos têm, nas modern (...)
  • 3 Expressão utilizada para definir a atmosfera otimista na Europa e nos Estados Unidos, entre o fim (...)
  • 4 No site da Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa), encontram-se os argumentos para a const (...)
  • 5 Em A memória coletiva, Halbawachs (2006) mostra como a memória é construída na interlocução das co (...)
  • 6 A vizinha Buenos Aires, que se torna a capital da Argentina em 1880, e sob a gestão de Torcuato de (...)
  • 7 A avenida Central foi inaugurada em 1904 e nela foram construídos os edifícios mais suntuosos da é (...)

1Em 2009, o Theatro Municipal do Rio de Janeiro completou seu centenário. Entre as diversas comemorações, uma acabou literalmente em samba, decantada pela Escola de Samba Unidos de Vila Isabel1. No samba enredo, cujo fragmento serve de epígrafe a este artigo, o teatro é considerado um patrimônio2, um legado à memória e à história da cidade do Rio de Janeiro, e a letra homenageia as reformas urbanas empreendidas na gestão do presidente Rodrigues Alves (1902-1906) e, em boa parte, executada pelo prefeito Pereira Passos, responsável pela construção do teatro, inaugurado em 14 de julho de 1909. O desfile contou também com um mestre de cerimônias que, para a escola, simbolizava a modernidade encenada na belle-époque carioca3:o cronista, teatrólogo e jornalista Paulo Barreto (1881-1921)4, mais conhecido pelo pseudônimo João do Rio. Mas o que essa homenagem carnavalesca nos fala sobre a versão da história do Rio de Janeiro legada à “memória coletiva”5 das futuras gerações? O edifício suntuoso, inspirado no Teatro Ópera de Paris – inaugurado um ano após o Teatro Cólon, em Buenos Aires6 – teve destaque no conjunto arquitetônico do elegante e recém-inaugurado boulevard carioca avenida Central (atual avenida Rio Branco)7. A mensagem era clara: o Rio de Janeiro já poderia se orgulhar de oferecer à elite brasileira, saudosa de Paris, e aos estrangeiros que visitavam a cidade um teatro “digno” do nome, equivalente aos das capitais europeias e da vizinha Buenos Aires.

2Contudo, a ideia do Theatro Municipal não surgira com a posse do alcaide Pereira Passos. A proposta inicial começou muito antes, com o comediógrafo, jornalista, cronista, contista e funcionário público Arthur Azevedo (1855-1908). A cruzada de Arthur Azevedo era pela consolidação do teatro nacional, patrocinado pelo Estado, com o intuito de desenvolver talentos para o teatro brasileiro, semelhante à Comédie Française. Após anos de luta, usando como tribunas o seu próprio teatro e a imprensa, o Theatro Municipal inicia sua construção em 1905. É inaugurado em 1909 em um caminho bem diverso do proposto pelo seu principal batalhador, torna-se uma casa de espetáculos grandiosos, para apresentação principalmente de companhias estrangeiras. Apenas na década de 1930 é que o Theatro Municipal passa a contar com o seu próprio corpo artístico, patrocinado pelo Estado: um coro, uma orquestra sinfônica e uma companhia de balé. A arte dramática continuaria excluída.

  • 8 Bourdieu (2004, p. 169-180) define o campo literário e o campo intelectual, como, aliás, todo camp (...)
  • 9 Cf. “O nosso teatro dramático” escrito por Araújo Porto-Alegre e publicado em O Guanabara em 1852. (...)
  • 10 Em 1861, escrevera no Jornal do Commércio defendendo a subvenção do teatro pelo Estado e advogara (...)
  • 11 Machado de Assis também se preocupava com o desenvolvimento do teatro como um marco civilizatório (...)

3O presente artigo irá percorrer o périplo de Arthur Azevedo até a construção do Theatro Municipal, bem como refletir sobre a recepção da luta do comediógrafo para estabelecer um teatro nacional. No campo literário e intelectual8 da época, o teatro era visto como “elemento civilizador”, desde o literato romântico Araújo Porto-Alegre9 na década de 1850. Arthur Azevedo não fora o primeiro a defender o desenvolvimento do teatro nacional, nem tivera a prerrogativa de reclamar a ajuda do governo para tal. Antes, Joaquim Manoel de Macedo10 e Machado de Assis11 haviam pleiteado tal incentivo. Assim, quando iniciou sua campanha em favor da construção do Theatro Municipal, o comediógrafo já encontrara o solo preparado. No entanto, Arthur Azevedo tomou o combate com mais afinco, o tornando tema quase obrigatório em suas crônicas jornalísticas, sobretudo no folhetim semanal “O Theatro”, em A Notícia, desde a sua fundação em 1894. Tocava, como ele mesmo intitulava, o seu “realejo enfadonho” esperando que, algum dia, o poder público se mobilizasse.

4A questão que se coloca é por quais razões a concepção de teatro de Arthur Azevedo, apesar de consonante com o ideal civilizador da época, não foi adotada quando da fundação do Theatro Municipal. Talvez porque, naquela época, o modelo do teatro ópera, grandioso, parecesse mais vistoso do que a formação de uma escola que desenvolvesse talentos e aprimorasse o gosto do público. Afinal, Arthur Azevedo reivindicava que o teatro brasileiro fosse objeto de uma política cultural, muito antes do conceito de política cultural do Brasil se firmar, o que só ocorre institucionalmente, a partir de 1930 (Cf. Calabre, 2009).

Definindo o contexto

  • 12 Construção conceituada a partir de Bourdieu (2004, p. 191), como “sistema das disposições socialme (...)

5Descrito por Sábato Magaldi como “a maior figura da história do teatro brasileiro” (2009), Arthur Azevedo foi importante intelectual no Rio de Janeiro da virada do século xix para o xx. Membro fundador da Academia Brasileira de Letras, compartilhou o mesmo “habitus socialmente constituído”12que lhe permitia adotar certas “posições estéticas e ideológicas” semelhantes a de seus pares letrados. Em sua rede de interlocução, encontravam-se nomes como Machado de Assis (com quem trabalhou por mais de trinta anos como funcionário público no Ministério da Viação), Coelho Netto, Olavo Bilac, seu irmão Aluísio Azevedo e o crítico literário José Veríssimo.

  • 13 Para os formadores de opinião da época, como Coelho Netto, Machado de Assis e José Veríssimo, as c (...)
  • 14 Ver as polêmicas de Arthur Azevedo com José Veríssimo e Coelho Netto, cf. Mencarelli, 1999.

6Perceber o papel de Arthur no universo das letras da alvorada do século xx é curioso. Embora pertencesse à “elite letrada”, produzia ao gosto de um público plural, ao usar o teatro, gênero preferido das camadas populares, para delas se aproximar e conquistar. Também se valia de recursos linguísticos como o uso da fala popular. Tal opção, se, por um lado, lhe conferia popularidade e o tornava um agente de peso dentro do campo artístico, por outro, o afastava dos cânones literários defendidos por seus pares. Como um frequentador das rodas literárias, fundador da Academia Brasileira de Letras, intelectual atuante, não se pode dizer que Arthur Azevedo fosse um outsider. Mas a credencial de pertencer à “Casa de Machado de Assis” não o poupava das críticas de seus pares a algumas de suas obras teatrais, principalmente as revistas, peças que entravam na categoria de teatro ligeiro musicado13, consideradas um “desperdício de seu talento” como artista14.

  • 15 Em 1890, apenas 24,22% dos brasileiros sabiam ler e escrever. Mesmo na capital federal, local que (...)

7Todavia, a contradição de fazer um teatro para um público heterogêneo e visando o entretenimento não era incompatível para Arthur Azevedo. Era necessário desenvolver a indústria do teatro e para isso seria preciso atrair público. Só com “enchentes” (como eram denominadas as casas cheias no teatro), a indústria teatral poderia se manter: atrair empresários e permitir uma regularidade de trabalho para os profissionais do teatro, como atores, cenógrafos, diretores, escritores, músicos. E tal indústria não se manteria por escolhas guiadas pelo gosto do público intelectual, uma minoria no Brasil do raiar do século xx15. Contudo, partilhava com a elite intelectual a premissa de que era fundamental aprimorar o gosto popular e sugeria, enfaticamente, o remédio: educação das plateias e o refinamento de seus gostos a partir do incentivo público, ou seja, da criação de um teatro escola. Tal teatro escola deveria se preocupar apenas com a arte, não com o sucesso de bilheteria. Assim, para o comediógrafo, a indústria teatral e o teatro preocupado com a “alta literatura” não eram incompatíveis, por serem dois projetos distintos.

  • 16 Cf. Sérgio Buarque de Holanda 2002 [1936], Portugal estabeleceu com a colônia um vínculo explorató (...)

8O que Arthur Azevedo defendia, de certo modo, era a implantação de uma política cultural, ainda não existente à época. De fato houve algumas ações de promoção cultural (Barbalho, 2009) após a chegada da corte portuguesa ao Brasil. Até então, o Brasil não possuía nem imprensa, nem universidades, ao contrário dos países vizinhos da América espanhola16. A vinda da família real e sua grande permanência em solo tropical – sendo o Brasil inclusive elevado a condição de Reino Unido em 1815 – mudou as feições da simplória colônia, dinamizou-a, abriu portas para a transmissão do conhecimento e do estímulo às atividades culturais, através de medidas governamentais, como a inauguração da Imprensa Régia (1808), do Real Horto (1808), da Biblioteca Real (1811), do Museu Nacional (1808) e até de um teatro, o Real Teatro de São João (1813).

  • 17 Cf. os folhetins “O Theatro” escritos por Arthur Azevedo para o jornal A Notícia, em 1/1/1900, 10/ (...)
  • 18 O teatro fecha em 1824 devido a um incêndio, reabre em 1826, também com o dinheiro das loterias e (...)

9O Teatro São João17, aliás, teve importante papel na sociabilidade da corte e contou com proteção oficial do príncipe regente. D. João, além de ceder o terreno para o edifício, financiou sua construção, iniciada em 1810, através de um percentual das loterias. O teatro18, inaugurado em 1813, foi palco de vários espetáculos líricos e dramáticos europeus, contando, no seu quadro profissional, com artistas importados de Lisboa e tendo a família real como plateia cativa. De certa forma, foi um incentivo oficial às artes dramáticas, mesmo que não tivesse uma política estabelecida para o setor.

  • 19 Conforme Schwarcz (2008 e 2009), o uso da palavra missão não é apropriado, por sugerir um caráter (...)

10No entanto, as artes plásticas e a música receberam um incentivo permanente do Estado imperial, em épocas distintas. A chegada ao Rio de Janeiro, em 1816, de um grupo de artistas franceses formados pela Academia de Arte Francesa – Nicolas-Antoine Taunay, Jean Baptiste Debret, Grandjean de Montigny, Auguste Taunay e Joachim de Lebreton – foi decisivo para o desenvolvimento das artes plásticas no país. Tal acontecimento ficou conhecido como a “Missão Francesa”19 e rendeu frutos à arte brasileira, resultando na criação da Academia Imperial de Belas Artes em 1826. A instituição foi concebida nos moldes das academias de arte europeias e passou a ser o núcleo do ensino de arte e da formação de artistas, da divulgação de obras e da formação do gosto nas artes plásticas.

  • 20 Cf. site da Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Em http://www.musica.ufrj. (...)
  • 21 Foram criadas legislações para as artes, para o cinema, para a radiodifusão, regulamentadas profis (...)

11A música teria sido agraciada no Segundo Reinado com o decreto de 1841, que instituiu a criação de um Conservatório Nacional de Música (inaugurado em 1848), custeado com verba pública proveniente de duas loterias20. A ópera também ganhou seu espaço próprio em 1857, com a fundação da Imperial Academia de Música e Ópera Nacional, subvencionada pelo governo, com objetivo de encenar óperas de autores nacionais e europeus traduzidas para o português. No entanto, embora existissem incentivos à cultura, que de incipiente na Colônia passou a contar com alguns suportes e instituições durante o período joanino e o Império, especialmente no Segundo Reinado, esse apoio era centrado nos artistas que demonstravam talento e se submetiam às regras imperiais. Segundo Rubim (2007), apesar do patronato de d. Pedro II a vários artistas plásticos, literatos e músicos, esse apoio não pode ser visto como uma política cultural, pois ele era pontual, limitado a alguns Estados, escolhido por critérios personalistas e não fazia parte de um conjunto de iniciativas culturais geridas pelo Estado. Uma política cultural sistematizada e planejada só veio a ocorrer a partir de 1930 no governo de Getúlio Vargas21.

O périplo de Arthur Azevedo22

  • 22 A discussão desta seção é adaptada da minha tese de doutorado. Siciliano, 2011.

[...] Os leitores, que porventura acompanharam essa colaboração de quatro anos, dirão se tenho ou não cumprido o programa que me tracei n’estas hospitaleiras colunas. Orgulho-me de dizer que os meus folhetins foram a origem, não só de todo esse movimento de simpatia que se formou em volta da ideia do Teatro Municipal, mas do próprio Teatro Municipal, movimento considerabilíssimo se o compararmos à inércia, à indiferença, à esmagadora apatia dos outros tempos. O grande caso é que o Teatro Municipal está criado por lei, [...] se ainda não funciona, se não é ainda uma realidade palpável, é porque infelizmente os Drs. Furquim Werneck e Ubaldino do Amaral [ex- prefeitos do Rio de Janeiro] não o tomaram a sério. Mas eu não desanimo [...]
Ninguém tome por foufice o que aí fica.[...] Não se trata de talento, mas de convicção[...]; Quando morrer, não deixarei o meu pobre nome ligado a nenhum livro, ninguém citará um verso nem uma frase que me saísse do cérebro; mas com certeza hão de dizer: “Ele amava o teatro”, e este epitáfio moral é bastante, creiam, para a minha bem-aventurança eterna.
Arthur Azevedo [Grifos meus]

12Em 22 de setembro de 1898, dez anos antes de seu óbito, Arthur Azevedo publica na sua coluna “O Theatro”, no jornal A Notícia, a frase-epitáfio que abre esta seção: “Quando eu morrer, não deixarei meu pobre nome ligado a nenhum livro, ninguém citará um verso, nem uma frase que me saísse do cérebro; mas com certeza hão de dizer: Ele amava o teatro”. Tal fragmento – bastante divulgado contemporaneamente por críticos teatrais – finaliza uma crônica que, felicitando A Notícia pelo seu quarto aniversário, reforça a posição do comediógrafo de ter, através de seu folhetim, formado um movimento de simpatia em torno da construção do Theatro Municipal.

13O imaginário epitáfio que Arthur Azevedo escreve é bastante significativo: se, como membro fundador da Academia Brasileira de Letras (1897), mostra-se modesto e se apresenta como um autor que, quando morrer, provavelmente será esquecido por sua obra literária, por outro ângulo, valoriza a sua importância na articulação política do campo cultural e na mobilização da opinião pública através da imprensa. Afinal era através de seu trabalho como formador de opinião que conseguira angariar a simpatia popular para o projeto do Theatro Municipal.

  • 23 Arthur Azevedo também acionou sua pena em favor da mobilização do Teatro Nacional em outros periód (...)
  • 24 A Comédie Française foi criada em 1680, durante o reinado de Luís xiv, a partir da fusão da compan (...)
  • 25 Cf. crônica de 30/12/1897 no folhetim “O Theatro” em A Notícia.
  • 26 Cf. crônica de 28/07/1898 no folhetim “O Theatro” em A Notícia.
  • 27 Cf. crônicas de 06/12/1894, 14/2/1895 e 02/06/1898 no folhetim “O Theatro” em A Notícia.

14Naquele momento em que era publicada a crônica, já estava aprovado por lei (de 1895) o projeto que previa a construção do Theatro Municipal. No entanto, a lei ainda não havia sido aplicada. Motivo pelo qual Arthur Azevedo continuava pressionando, através do jornalismo e do teatro, o poder público para que a lei fosse cumprida. A principal tribuna de Arthur Azevedo em torno da criação do Theatro, embora não a única23, foi o vespertino A Notícia. Desde a fundação do jornal em 1894, até vésperas de seu falecimento em 1908, através do folhetim semanal “O Theatro”, o literato defendeu a construção de um teatro nacional e cobrou o Estado pelo lento andamento do projeto. A ideia era que o poder público subsidiasse não apenas a construção do edifício, mas a manutenção de uma companhia teatral, encarregando-se do custeio de profissionais do teatro (atores, cenógrafos, músicos, encenadores etc.). Em várias de suas crônicas n’A Notícia, Arthur Azevedo aponta a sua musa inspiradora: a Comédie Française24. Na França, segundo o autor, até em meio às guerras napoleônicas, o teatro francês nunca fora deixado de lado. E, se em solo brasileiro não se produzira até então um Corneille, um Racine ou um Molière, era preciso fazer algo para que atores e escritores de talento não sucumbissem antes mesmo de se fazerem conhecidos25. O literato inclusive lembra que, apesar da falta de investimentos, o teatro nacional legou autores teatrais de talento como José de Alencar e Martins Penna e atores como João Caetano e Xisto Bahia26. Então, a matéria-prima estaria à espera de um cinzel, e este cinzel seriam os recursos públicos, visto que não se poderia pedir altruísmo da indústria de entretenimento privada. E se o Estado já empregava os escassos recursos para a criação de um Instituto de Música e de uma Escola de Belas Artes, então, qual seria a razão para “abandoná-lo” à própria sorte? Afinal, o Theatro Municipal já estava “amparado” “pela força da lei”27.

  • 28 Cf. crônica de 11/04/1895 no folhetim “O Theatro” em A Notícia.

15Mas vamos percorrer a odisseia do Ulisses, Arthur Azevedo, em direção ao sonhado Theatro Municipal. A alocação da verba sempre fora a principal questão. Em 22 de maio de 1894, foi elaborado um projeto de lei que previa tanto a construção como a manutenção do Theatro Municipal por parte do Estado e incluía não apenas o edifício, mas os salários destinados ao quadro profissional. Tal empresa seria custeada a partir da criação de um imposto de 10% sobre a receita bruta das companhias estrangeiras que se apresentassem no Rio de Janeiro, exceto as óperas28. Nas páginas d’A Notícia de 23 de maio de 1895, o cronista saudava a aprovação da lei. Todavia, contratempos surgiram e o projeto do Theatro Municipal ficou à deriva. No folhetim de 28 de janeiro de 1897 de A Notícia, Arthur Azevedo questionava sobre o que teria sido feito dos 95 mil réis arrecadados até então em impostos cobrados pela Prefeitura, teoricamente em prol do teatro.

  • 29 Inicialmente, assim que tomara posse, o prefeito Pereira Passos parecia concordar com a proposta d (...)
  • 30 O fato do projeto de Oliveira Passos ter vencido na gestão de seu genitor levantou suspeitas sobre (...)
  • 31 Cf. crônica de 22/09/1904 no folhetim “O Theatro” em A Notícia e informações do site oficial do Th (...)

16Entrou prefeito e saiu prefeito e, por fim, em 190429, sob a batuta de Pereira Passos, é anunciada a construção do Theatro Municipal. O projeto de execução do teatro foi escolhido através de um concurso e o desenho final fundiu os projetos arquitetônicos dos candidatos que tiraram os dois primeiros lugares, o engenheiro brasileiro Francisco de Oliveira Passos, filho do alcaide30 e o renomado arquiteto francês Albert Guilbert, autor do plano da Ópera-Cômica de Paris e vice-presidente da Sociedade dos Arquitetos Franceses31. Ambos os desenhos eram inspirados no teatro Ópera de Paris, construído por Charles Garnier. Logo após o resultado do concurso, em sua crônica de 22/9/1904, n’A Notícia, Arthur Azevedo não deixou de aplaudir a iniciativa de Pereira Passos, mas confessou o seu temor: as amplas dimensões do projeto do Theatro Municipal seriam pouco adequadas para um teatro que desenvolvesse talentos e a arte dramática. A suntuosidade e a grandeza de tal projeto não se prestariam “ao drama e à comédia”, mas “à ópera, aos dramalhões de grande espetáculo e às peças maravilhosas”. Ou seja, o palco do Theatro Municipal seria indicado para representações de atrações internacionais, já alvos lucrativos dos empresários teatrais.

17Outra preocupação de Arthur Azevedo era a falta de planejamento quanto às companhias que pudessem se apresentar no Theatro Municipal. Em 1906, a acalentada esperança de contar com uma companhia teatral subsidiada pelo governo se esvaiu. Pereira Passos anunciara que o corpo profissional do teatro não receberia verbas oficiais. O gerenciamento do Theatro Municipal seria cedido a qualquer empresa, nacional ou estrangeira, desde que ela pagasse o aluguel estabelecido. Com grandiosas dimensões e entregue à preeminência do lucro, não teria saída para o desenvolvimento de uma arte dramática mais comprometida com os padrões estéticos e literários e nem abrigaria em suas salas camadas médias e baixas da população. Seria um projeto para a elite, o que já antevia o comediógrafo em suas crônicas.

  • 32 Cf. “Palestra”, publicada em 21/9/1907 n’O Paiz.
  • 33 Cf. crônica de 26/9/1907 no seu folhetim teatral d´A Notícia.
  • 34 Idem.

18Mesmo ao perceber que o tão batalhado Theatro Municipal estava cada vez mais distante de seu sonho, Arthur Azevedo continuava na luta. Mesmo que o teatro não recebesse verba oficial para manutenção dos seus quadros, o comediógrafo defendia que o projeto seria lucrativo aos empresários que se dedicassem ao trabalho de uma comédia nacional e clamava para que ele não acabasse destinado à ópera32. Seu empenho era tão intenso que chegou a se oferecer para ser o empresário do Theatro Municipal, abrindo mão de seu emprego público33. Embora dissesse desejar ser apenas um “espectador do futuro Theatro Municipal”34, Arthur Azevedo não se comportava como tal. Estava ciente de seu papel para a realização do projeto, mesmo que o resultado final saísse distante de seu sonho. O comediógrafo conferia o andamento da obra, fiscalizava as ações das autoridades e também construía para si a imagem de um empreendedor teatral, de um formador de opinião, de alguém capaz de mobilizar outros literatos e políticos. Apesar de declarar ser mais persistente e insistente do que talentoso, Arthur Azevedo proclamava o seu valor, como podemos ver em crônica publicada n’O Paiz em 31/5/1908:

Visitei o Teatro Municipal, e venho dizer aos leitores, francamente, desassombradamente, que o Rio de Janeiro possui um dos primeiros teatros do mundo. Nada lhe falta, absolutamente nada, em luxo, conforto, elegância e comodidade.[...]
Só em 1909 o teatro estará completamente pronto e [não terá] um grupo de artistas digno de inaugurá-lo. Não me conformo de ver essa honra entregue ao estrangeiro, por mais célebres, por mais ilustres que sejam [...]
Parabéns ao Rio de Janeiro, parabéns ao Dr. Oliveira Passos e (perdoem-me a vaidade), parabéns a mim mesmo, que tenho a satisfação de haver contribuído muito para a construção do Teatro Municipal. [Grifos meus]

Troca de cena: entra a inauguração do Theatro Municipal, sai Arthur Azevedo

  • 35 Cf. Jornal do Commércio, 15/7/1909.
  • 36 Cf. A Tribuna, em 17/7/1909.
  • 37 Localizado dentro do teatro, do lado oposto ao ingresso da plateia e rodeado pelo busto de outras (...)

19O Theatro Municipal é, enfim, inaugurado em 14 de julho de 1909, data associada, pela imprensa, à tomada da bastilha na França, o que marca o lugar simbólico deste edifício erigido. Tornava-se um dos pilares da civilização do Rio de Janeiro urbanizado. Uma importante “vitrine do progresso” (cf. Neves, 2002). Era de se esperar, que no dia seguinte ao evento, os jornais da capital federal glosassem, em suas páginas, um pouco da atmosfera da festa de estreia. Muitas solenidades oficiais, a presença de chefes de estado e desfile de toilletes elegantes35. A cerimônia de abertura contou com discurso pomposo proferido pelo poeta Olavo Bilac que fez uma retrospectiva da história do teatro, iniciando-se pelo teatro grego; com a encenação da peça Bonança de Coelho Netto, representada pelos atores da Companhia Dramática Arthur Azevedo; e executou-se um trecho da ópera Condor de Carlos Gomes. Na noite de “júbilo para a alma carioca”36, poucas menções à figura falecida que tanto pelejara pela sua construção. O periódico A Tribuna homenageava a persistência do comediógrafo e lamentava que ele não estivesse presente para ver concretizada a sua luta. Mas tal comentário mereceu poucas linhas. Os holofotes estavam voltados para o próprio monumento, sentido como um marco civilizacional do Rio de Janeiro. O edifício do Theatro Municipal fora o único que deixara um legado, até hoje existente, à memória de Arthur Azevedo: um busto em bronze37, esculpido pelo amigo e renomado artista plástico Rodolpho Bernadelli.

  • 38 O dote, embora não seja hoje considerada como uma das melhores peças do comediógrafo, foi bastante (...)
  • 39 Companhia criada por Gianni Ratto (diretor de teatro e cenógrafo) e pelos atores Fernanda Monteneg (...)
  • 40 Cf. “De como se deve amar o teatro: O Mambembe pelo Teatro dos Sete”, escrito por Bárbara Heliodor (...)

20O proscênio do Theatro Municipal também poucas vezes receberia peças de seu principal defensor. A primeira vez ocorreu no próprio ano da inauguração do teatro, em 10/08/1909, quando a Companhia Dramática Arthur Azevedo encenou O dote38 (cf. Ermakoff e Mascaro, 2010), em uma única representação. Decorre um intervalo de cinquenta anos para que outra obra de Arthur Azevedo suba, novamente, à ribalta deste teatro. Era a vez da burleta O mambembe, de Arthur Azevedo e José Pizza. A temporada da burleta, escolhida como cartão de visitas da recém-inaugurada companhia Teatro dos Sete39, foi muito bem-sucedida. Foram quatorze representações, muito aplaudidas pelo público, segundo críticas na imprensa da época40, desde sua estreia em 12 de novembro de 1959.

  • 41 Não temos aqui a intenção de desmerecer o talento literário, nem desqualificar o seu papel como in (...)

21Termina a saga do Theatro Municipal que tão bem sublinha o projeto de Arthur Azevedo em prol da construção de um teatro nacional. Arthur Azevedo lutava por um espaço custeado por verbas oficiais que possibilitasse o desenvolvimento das artes dramáticas no Brasil, a exemplo do que já ocorrera com as artes plásticas e com a música. No entanto, pouco desse combate travado durante anos nos palcos e nas páginas da imprensa fora legado à “memória coletiva”. Apenas pesquisadores e estudiosos das artes dramáticas no Brasil conhecem e divulgam a importância do autor na construção do Theatro Municipal. Para o público mais amplo, o teatro está ligado à reforma do Rio de Janeiro, a todo o processo civilizador experimentado pela capital federal. Não é de estranhar que João do Rio41 – com apenas treze anos – quando Arthur Azevedo empreendeu, mais fortemente, sua batalha através do folhetim “O theatro” em A Notícia, em 1894, seja escolhido como o mestre de cerimônias do enredo da Escola de Samba Vila Isabel para o carnaval de 2009 que homenageou o centenário do Theatro Municipal.

Notes

1 A Unidos de Vila Isabel é uma escola de samba do grupo especial do Rio de Janeiro, fundada em 1946, e apresentou, em 2009, o enredo “Neste palco da folia, é minha vila que anuncia: Theatro Municipal – A centenária maravilha”.

2 Conforme Lúcia Lippi de Oliveira, “os chamados patrimônios históricos e artísticos têm, nas modernas sociedades ocidentais, a função de representar simbolicamente a identidade e a memória de uma nação” (Lippi, 2008, p. 26).

3 Expressão utilizada para definir a atmosfera otimista na Europa e nos Estados Unidos, entre o fim do século xix até a 1ª Guerra Mundial: momento de relativa paz, crescimento econômico e industrial e desenvolvimento tecnológico. O termo belle époque foi tomado de empréstimo por alguns historiadores e cientistas sociais, como Needell (1993), Sevcenko (2002), Costa e Schwarcz (2000), para pensar o Brasil e a vizinha Argentina, por esses países terem, nesse período, gozado de relativa estabilidade política e econômica e por boa parte de sua elite aspirar a uma modernidade à europeia.

4 No site da Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa), encontram-se os argumentos para a construção do enredo e para a razão de escolha de Paulo Barreto como mestre de cerimônias. Em http://liesa.globo.com/.

5 Em A memória coletiva, Halbawachs (2006) mostra como a memória é construída na interlocução das consciências individuais e sociais. O testemunho individual só é possível de ser localizado e enunciado, quando situado no “quadro de referências” coletivas.

6 A vizinha Buenos Aires, que se torna a capital da Argentina em 1880, e sob a gestão de Torcuato de Alvear perde as características de “cidade crioula”, transformando-se em uma capital cosmopolita, era bastante invejada pelos estadistas e formadores de opinião brasileiros que aspiravam reforma urbana semelhante. O Teatro Cólon é inaugurado em 1908.

7 A avenida Central foi inaugurada em 1904 e nela foram construídos os edifícios mais suntuosos da época, como a Escola Nacional de Belas Artes (1908), projetada por Adolfo Morales de Los Rios e a Biblioteca Nacional (1910).

8 Bourdieu (2004, p. 169-180) define o campo literário e o campo intelectual, como, aliás, todo campo, como um espaço de “relações de força” em que seus agentes se utilizam dos capitais adquiridos em outras disputas e do capital simbólico (no sentido do seu prestígio junto aos demais agentes) para mudar sua posição ou as regras do campo ou mesmo conservá-las.

9 Cf. “O nosso teatro dramático” escrito por Araújo Porto-Alegre e publicado em O Guanabara em 1852. O artigo completo está disponível em Faria, 2001, p. 365-374.

10 Em 1861, escrevera no Jornal do Commércio defendendo a subvenção do teatro pelo Estado e advogara o aprimoramento do gosto do público. A crônica completa está disponível em Faria, 2001, p. 527-536.

11 Machado de Assis também se preocupava com o desenvolvimento do teatro como um marco civilizatório e com a educação do gosto das plateias. Na crônica “O teatro nacional”, de 1866, defendia a criação de um teatro normal, para o desenvolvimento da alta comédia, subsidiado pelo Império, assim como era feito com a pintura, a arquitetura e a escultura. Crônica completa disponível em Faria, 2001, p. 557-562.

12 Construção conceituada a partir de Bourdieu (2004, p. 191), como “sistema das disposições socialmente constituídas” que orientam práticas e modos de ver o mundo de certos grupos.

13 Para os formadores de opinião da época, como Coelho Netto, Machado de Assis e José Veríssimo, as comédias musicadas, destinadas ao público “não letrado”, eram responsáveis pela decadência do teatro nacional.

14 Ver as polêmicas de Arthur Azevedo com José Veríssimo e Coelho Netto, cf. Mencarelli, 1999.

15 Em 1890, apenas 24,22% dos brasileiros sabiam ler e escrever. Mesmo na capital federal, local que apresentava um dos menores índices de analfabetismo, quase metade ignorava o registro escrito (Cf. Damazio, 1996, p. 125), o que fazia dos que dominavam a “cultura letrada” um grupo restrito e de elite.

16 Cf. Sérgio Buarque de Holanda 2002 [1936], Portugal estabeleceu com a colônia um vínculo exploratório, enquanto que a Espanha viu em suas colônias na América um prolongamento de suas terras. Este fato se altera apenas quando o Brasil passa a ser a sede da monarquia portuguesa, no século xix.

17 Cf. os folhetins “O Theatro” escritos por Arthur Azevedo para o jornal A Notícia, em 1/1/1900, 10/1/1901, 7/3/1901 e 26/11/1903; Santos, 2011; Marzano, 2008 e Faria, 2001.

18 O teatro fecha em 1824 devido a um incêndio, reabre em 1826, também com o dinheiro das loterias e empréstimo do Banco do Brasil, mudando seu nome para Teatro Imperial São Pedro de Alcântara, em homenagem a d. Pedro I. Em 1831, troca de nome para Teatro Constitucional e volta a se chamar D. Pedro de Alcântara, em 1839.

19 Conforme Schwarcz (2008 e 2009), o uso da palavra missão não é apropriado, por sugerir um caráter oficial que historicamente não é comprovado. Não existem documentos que atestem uma intenção planejada por parte de d. João para a vinda do grupo francês. O mais provável é que tenha havido uma conjunção de interesses: a corte precisava de refinamento artístico e os artistas franceses, sob a articulação de Lebreton, vislumbraram novas oportunidades de trabalho no Mundo Novo, visto que, por sua ligação com Napoleão, seus empregos estavam ameaçados em época de Restauração.

20 Cf. site da Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Em http://www.musica.ufrj.br/.

21 Foram criadas legislações para as artes, para o cinema, para a radiodifusão, regulamentadas profissões relacionadas às atividades culturais e criadas várias instituições atuantes, entre elas o Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Sphan), em 1937.

22 A discussão desta seção é adaptada da minha tese de doutorado. Siciliano, 2011.

23 Arthur Azevedo também acionou sua pena em favor da mobilização do Teatro Nacional em outros periódicos em que colaborara, como O Paiz e mesmo nas peças teatrais.

24 A Comédie Française foi criada em 1680, durante o reinado de Luís xiv, a partir da fusão da companhia que detinha o monopólio das representações teatrais na França, a Confrérie de la Passion e o grupo teatral liderado por Molière, que atuava no Théâtre du Marais. Passa a ser conhecida como a casa de Molière, após sua morte. Cf. Vasconcellos, 2009, p. 68.

25 Cf. crônica de 30/12/1897 no folhetim “O Theatro” em A Notícia.

26 Cf. crônica de 28/07/1898 no folhetim “O Theatro” em A Notícia.

27 Cf. crônicas de 06/12/1894, 14/2/1895 e 02/06/1898 no folhetim “O Theatro” em A Notícia.

28 Cf. crônica de 11/04/1895 no folhetim “O Theatro” em A Notícia.

29 Inicialmente, assim que tomara posse, o prefeito Pereira Passos parecia concordar com a proposta de Arthur Azevedo de usar o tradicional Theatro S. Pedro de Alcântara para sediar o teatro nacional. Mas, por problemas de legalização em relação à aquisição do Theatro S. Pedro, optou por construir o teatro na avenida Central, o que resultou em um projeto bem distinto da concepção original de Arthur Azevedo. Cf. A Notícia de 29/1/1903 e 26/11/1903; entrevista com Pereira Passos na Gazeta de Notícias de 04/06/1903 e Figueiredo, 2011.

30 O fato do projeto de Oliveira Passos ter vencido na gestão de seu genitor levantou suspeitas sobre a idoneidade do concurso. Vários jornalistas ironizaram a escolha, como produto “[da] voz de sangue dos Passos”. Ver Jornal do Commercio, 2/10/1904. Retirado de Del Brenna, 1985, p. 254.

31 Cf. crônica de 22/09/1904 no folhetim “O Theatro” em A Notícia e informações do site oficial do Theatro Municipal, http://www.theatromunicipal.rj.gov.br.

32 Cf. “Palestra”, publicada em 21/9/1907 n’O Paiz.

33 Cf. crônica de 26/9/1907 no seu folhetim teatral d´A Notícia.

34 Idem.

35 Cf. Jornal do Commércio, 15/7/1909.

36 Cf. A Tribuna, em 17/7/1909.

37 Localizado dentro do teatro, do lado oposto ao ingresso da plateia e rodeado pelo busto de outras quatro personalidades: o músico Carlos Gomes, o ator João Caetano, Francisco Pereira Passos (prefeito que realizou o projeto) e Francisco de Souza Aguiar (prefeito que inaugurou o teatro).

38 O dote, embora não seja hoje considerada como uma das melhores peças do comediógrafo, foi bastante prestigiada na época de sua primeira encenação, em 1907, e em sua estreia contou com a presença do chefe da nação Affonso Penna. (Cf. “O Theatro”, em A Notícia de 14/3/1907.) O dote foi, inclusive, escolhida pela atriz italiana Tina de Lorenzo para ser vertida para o italiano e excursionar com a atriz pela América do Sul.

39 Companhia criada por Gianni Ratto (diretor de teatro e cenógrafo) e pelos atores Fernanda Montenegro, Fernando Torres, Sergio Britto, Ítalo Rossi, Cleide Yáconis e Paulo Autran em 1959.

40 Cf. “De como se deve amar o teatro: O Mambembe pelo Teatro dos Sete”, escrito por Bárbara Heliodora publicada no Jornal do Brasil em 21/11/1959; “O mambembe no Municipal” escrito por Paschoal Carlos Magno publicado no Correio da Manhã em 11/11/1959 e na Coluna de Teatro de Zora Seljan em O Globo, de 11/1/1960.

41 Não temos aqui a intenção de desmerecer o talento literário, nem desqualificar o seu papel como inovador de uma crônica jornalística que tão bem captava a ambiguidade da “alma das ruas” do Rio de Janeiro. João do Rio foi um literato, bastante atuante, durante as duas primeiras décadas do século xx. No entanto, a sua relação com Theatro Municipal, o qual elogiou em crônicas e sobre o qual chegou a escrever um livro, foi posterior à sua construção.

Auteur

Professora da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro