Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Arte e vida social

 | 
Alain Quemin
, 
Glaucia Villas Bôas

Terceira parte. Trajetórias dos artistas, instituições e formas de criação

Artistas plásticos em feira de artesanato

Lugares e sentidos da venda

Lígia Dabul

Résumé

Esse capítulo trata de aspecto nem sempre enfocado da arte, a venda, refletindo sobre as formas por meio das quais ela se vincula a diversos atributos que costumam compor a identidade de artista, como o caráter original, individualizado e comercialmente desinteressado de sua produção, bem como seu não reconhecimento. Começa descrevendo o conturbado processo de organização de feira de artesanato na cidade de Fortaleza, estado do Ceará – Brasil, onde artistas plásticos trabalham ao lado de artesãos – ocorrência bastante difundida em feiras de artesanato de cidades com grande afluxo de turistas. Analisando as aproximações e os distanciamentos das categorias artista/arte, de um lado, das categorias artesão/artesanato, de outro, é apresentada uma reflexão sobre o significado variável de procedimentos vinculados à venda de seus produtos, as condições nas quais se realiza, e o quanto concorre para a diferenciação dos e entre artistas plásticos. Práticas e ímpetos criativos desses artistas são correlacionados ao público e espaços para os quais gostariam de dirigir seus trabalhos e às dificuldades reais que costumam encontrar para acessá-los. Situações de venda e relações que estabelecem com compradores de seus trabalhos, boa parte dos quais turistas, são descritas, bem como a maneira como as conduzem e avaliam. Para muito além da necessária e inexorável repercussão que tem para a sua sobrevivência, e para a própria continuidade de sua produção, é demonstrado que por meio da venda o valor do trabalho desses artistas plásticos pode ser aventado, e com ele a própria oportunidade da comunicação que desejam e presumem instituir no repasse das peças que criam.

Texte intégral

  • 1 A pesquisa que deu origem a este artigo contou com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento C (...)

1Esse artigo1 trata de aspecto pouco enfocado da arte, a venda, refletindo sobre seus vínculos com atributos que costumam compor a identidade de artista, como o caráter original, individualizado e comercialmente desinteressado de sua produção. Analisando situação na qual artistas plásticos trabalham em feira de artesanato de Fortaleza, estado do Ceará, Brasil, as aproximações e distanciamentos das categorias artista/arte, de um lado, das categorias artesão/artesanato, de outro, contribuem para a reflexão sobre o significado variável de procedimentos ligados à venda de seus produtos, das condições nas quais se realiza e do quanto concorrem para a diferenciação dos e entre artistas plásticos.

Verdadeiros artesãos e verdadeiros artistas

  • 2 Um turista recebe sugestões já em mapas distribuídos no Aeroporto Internacional Pinto Martins pela (...)
  • 3 São divergentes as informações sobre o número e organização dessas pequenas feiras. Membros de ass (...)

2A Feira de Artesanato da Praia de Iracema foi criada em 2009, em boa medida como resultado de um processo de ordenamento feito pela Prefeitura de Fortaleza do importante comércio voltado para o turismo na avenida Beira Mar2, espaço frequentado também para lazer e compras pelos moradores dos bairros valorizados da região litorânea da cidade. A partir de pressão de moradores, frequentadores e lojistas dessa área da orla, e de feirantes permissionários da Feira de Artesanato da Beira Mar – importante centro de venda de produtos, sobretudo para turismo, que funciona há décadas –, numerosos comerciantes ou feirantes ilegais, ou irregulares, ou vendedores ambulantes foram impedidos de continuar atuando na área sem o aval da Prefeitura, e amplo recadastramento foi feito. Alimentos, refrigerantes, brinquedos “made in China” e muitos outros produtos, dentre eles pinturas em tela e artesanato, eram vendidos no calçadão da avenida fora da área de cerca de 200 m2 ocupada pelos boxes de permissionários da feira. Entre os trabalhadores impedidos de atuar na região estavam artesãos, alguns deles ambulantes, outros atuando em pontos fixos às vezes ocupados há anos. E dentre esses artesãos havia os que participavam de pequenas feiras nas imediações da Feira de Artesanato da Beira Mar e por toda a orla, organizadas por associações de artesãos e pelo Sindicato dos Artesãos Autônomos do Estado do Ceará – Siara3.

  • 4 Dentre os tantos acontecimentos que levaram à nova organização do comércio da área, foram noticiad (...)

3No decorrer do confuso e dramático processo que reordenou o comércio voltado para o turismo na avenida Beira Mar4 e que concorreu para a criação da Feira de Artesanato da Praia de Iracema, outros trabalhadores além dos artesãos foram atingidos e os artesãos impedidos de continuar atuando na orla foram mencionados das mais diferentes maneiras pela imprensa e pelos diversos atores sociais e agências envolvidos. Com frequência foram englobados pelas categorias comerciantes irregulares ou ilegais, vendedores ambulantes, não permissionários, quando o eventual caráter ilícito de sua atividade era sublinhado. Por vezes foram tratados como artesãos, em oposição aos vendedores de mercadorias confeccionadas por terceiros, meros comerciantes, em alguns contextos, especialmente os que vendiam produtos industrializados. Finalmente, depois de processo que contou com intensas negociações do Siara, das associações de artesãos envolvidas e da Prefeitura, tratamento e destino diferentes dos demais trabalhadores foram dados aos verdadeiros artesãos que produziam e vendiam suas mercadorias, artesanato, na avenida Beira Mar e eram sócios do sindicato. Para eles estava sendo organizada a Feira de Artesanato da Praia de Iracema em terreno de aterro nesta praia, onde há movimentação de turistas e moradores da cidade, mas em escala bem menor que a da região da Beira Mar. E os artesãos não sindicalizados que atuavam na área da Beira Mar e tantos outros que se interessaram passaram, então, a ter que providenciar sua sindicalização para que também pudessem participar dessa nova feira.

  • 5 Amplamente utilizado por artesãos, pesquisadores, comerciantes, agências e diversos atores sociais (...)
  • 6 Artesãos entrevistados fazem críticas ao acesso diferenciado que o Siara e associações de artesãos (...)

4A sindicalização dos artesãos envolve um conjunto de procedimentos voltados para o disciplinamento da atividade. O Centro de Artesanato do Ceará – Ceart, vinculado à Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social do Estado do Ceará, fornece uma carteira de artesão mediante pagamento de taxa única e teste que consiste na elaboração, diante de avaliadores, de produtos de uma ou duas tipologias5 – por exemplo, xilogravura, cerâmica, madeira, vestuário, couro. Trata-se de comprovar que o candidato é capaz de confeccionar as peças, isto é, sua habilidade e autoria. Uma vez dispondo da carteira, o artesão está isento de certos impostos e liberado para vender seus produtos. E pode sindicalizar-se, pagando mensalidade ao Siara, ou participar das tantas associações de artesãos de Fortaleza, tendo com isso acesso a diversas feiras e eventos que organizam em espaços estabelecidos junto à Prefeitura, e a financiamentos bancários, dentre outras vantagens. Pode também contar mais facilmente com cursos e assessorias fornecidas pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – Sebrae e outras entidades de apoio que também organizam eventos, por exemplo, em hotéis onde os artesãos podem vender seus produtos6.

  • 7 O número e composição das alas variaram desde a criação da feira, quando havia nove delas. Também (...)

5Além das contribuições para o sindicato e as associações, os artesãos costumam, em feiras permanentes como a da Praia de Iracema, pagar taxa semanal para fornecedores de cadeiras e mesas em que expõem seus produtos para a venda. Na Feira da Praia de Iracema, a disposição dessas mesas e cadeiras forma alas, cada uma juntando artesãos e artesanato de determinada tipologia. Iniciada com cerca de trezentos artesãos, participam hoje da feira em torno de cento e quarenta, organizados em doze alas: “calçados”, “bonecas”, “bolsas”, “crochê”, “lembranças”, “cama, mesa, banho e tapeçaria”, “renda”, “roupas bordadas e pintadas”, “bijuteria”, “alimentos típicos”, “talhas” e “artes plásticas”7.

  • 8 Há versões de artistas plásticos e de artesãos que participam desde o início da feira, que afirmam (...)

6Nessa contabilidade incluem-se, então, os artistas plásticos que, em 2009, no início de funcionamento da feira, eram cerca de cinquenta8, com suas telas apoiadas em toda a extensa amurada que separa a área aterrada do mar. Hoje não chegam a dez “os que insistiram”, essa diminuição sendo atribuída pelos artesãos e organizadores da feira ao vento forte que vinha com água e areia da praia, sujando e derrubando telas, incomodando os próprios artistas e afastando potenciais compradores. Segundo artistas plásticos que lá permanecem, houve primeiro uma “debandada dos atravessadores” “que não eram os verdadeiros artistas, apenas vendiam as telas” e que tinham afluído com eles à recém-criada Feira da Praia de Iracema quando foram proibidos – artistas plásticos e atravessadores –, naquela operação de disciplinamento do comércio na orla da cidade, de continuar vendendo telas ao lado da movimentada Feira da Beira Mar. Mas houve também a desistência de “verdadeiros artistas plásticos” que “quebraram” com a transferência para a pouco movimentada Feira da Praia de Iracema. Alguns desses artistas não vieram da Beira Mar, mas, como diversos artesãos, resolveram juntar-se à nova feira, providenciando carteira de artesão junto ao Ceart, como todos os que hoje, artesãos ou artistas plásticos, vendem sua produção na Feira da Praia de Iracema.

  • 9 A organização da feira inclui coordenadores, incumbidos da administração e da relação da feira com (...)

7É comum a presença de artistas plásticos em feiras de artesanato, em que ocupam, em geral, áreas específicas e bem situadas a que concorrem, para distingui-los dos artesãos, sempre em maior número. Na Feira da Praia de Iracema, não utilizam aquelas mesas e cadeiras, expondo, ao público, boa parte de suas telas e quadros no chão ou presa em armações e grades de ferro ou ainda apoiada naquela amurada. Transeuntes podem não se dar conta da classificação artistas plásticos, usada por artesãos e coordenadores da feira9, e que artesãos muitas vezes justificam por conta do suporte diferenciado que os artistas plásticos utilizam: “são artistas plásticos porque pintam quadros, telas”. Na verdade, tais distinções são variáveis e os próprios artistas plásticos acionam numerosos elementos para estabelecê-las, para bem além do suporte que usam na confecção de seus trabalhos.

  • 10 Segundo artistas e artesãos entrevistados, o desejo de sair da feira não tem a ver com a relação q (...)

8Se para os artesãos da Feira da Praia de Iracema parece estar naturalizada a presença de artistas plásticos ali, os artistas sempre tomam o local como provisório.10 Boa parte enfatiza não ter havido uma política adequada da Prefeitura em relação aos verdadeiros artistas plásticos naquelas ações de ordenamento do comércio na orla, acabando por tratá-los como aos atravessadores, impedindo-os, todos, de trabalhar na Beira Mar, ou não se preocupando em transferi-los para local tão movimentado quanto: “Estamos esse tempo todo esperando um lugar melhor. Mas vamos resistindo até quando der. Ajudamos a formar esse local. Era abandonado, não tinha nada.”

9Mas há os que associam o caráter provisório de sua permanência na feira à profunda inadequação que pensam haver em um artista plástico trabalhar “como se fosse artesão”: “O que eu faço não tem nada a ver com artesanato. Quer dizer, não tinha. Eu sou uma artista. Aqui eu estou me prostituindo. Sabe aquele trabalho amarelo ali? Já fiz uns trinta iguais”.

Repetição e criação

10Diferente da maioria dos artistas plásticos da feira, essa artista a considera necessário pouso depois de uma série de problemas que teve em sua carreira, após anos vivendo em país europeu onde era vista como artista plástica, expunha em galerias e tinha seu trabalho tratado por crítica especializada: “Lá eu criava. Desenvolvia um trabalho, realmente. Aqui eu faço a mesma coisa se alguém pedir. Isso, para mim, é artesanato”. Contrapor arte a artesanato a partir da repetição, do não reconhecimento nele das operações criativas da arte, é operação frequente entre artistas plásticos. Alguns que vendem seus trabalhos há muitos anos em local da orla de Fortaleza conhecido como Alambrado, e que não foram afetados por aquelas operações de ordenamento da Beira Mar pela Prefeitura, ponderam sobre o quanto é impróprio artistas plásticos venderem seus trabalhos em feira de artesanato:

Aqui no Alambrado só tem artista plástico, pinturas e esculturas. Arte é arte, artesanato é artesanato. (...) Todo artista plástico é artesão. Mas poucos artesãos são artistas plásticos. A diferença é que o artesão está sempre fazendo a mesma coisa, e o artista sempre está criando.

  • 11 A extensão dessa diferenciação é de fato larga, incluindo ambientes da chamada arte contemporânea. (...)
  • 12 H. Becker atem-se a duas possibilidades: “In the first case, participants in an art world borrow f (...)

11A noção de repetição de procedimentos de produção e de padrões estéticos é amplamente acionada em contraste com a ideia de criação, e não raro aparece associada ao artesanato por diferentes artistas, perpassando já a formação escolar de numerosos deles11. Ela costuma ser atribuída à vinculação que a pintura e a escultura tiveram historicamente com as chamadas arts mécaniques, em oposição às arts libéraux (Nathalie Heinich, 1996), havendo correlação importante, como aponta Norbert Elias (1995), entre, de um lado, a “arte de artesão” e a “arte de artista”, livre e insubordinada, e, de outro, os respectivos lugares na estrutura social que artesãos e artistas ocuparam ao longo do tempo. Parte razoável da literatura sociológica acerca da arte também utiliza classificações apoiadas em distinções dessa ordem, ainda quando, como faz Howard Becker (1982), são assinalados trânsitos e continuidades entre arte e artesanato12. O atributo da criatividade é sempre remetido ao artista, ao artesão sendo referidas principalmente as funções utilitárias de sua produção e o virtuosismo de sua prática.

12Para a maioria dos artistas plásticos que trabalha na Feira da Praia de Iracema ao lado de artesãos, a oposição arte/artista x artesanato/artesão não opera de modo tão enfático, afora se indagamos a respeito: “Na verdade sou trabalhador da arte, um operário da arte. Mas também sou artista plástico. Sou artesão e artista. Sou os dois”. Marcando sua origem social – que os remeteria a trabalhos braçais não fosse, segundo afirmam, o dom que insistiram em assumir e desenvolver – e a necessidade de produzir para sobreviver que em alguma medida os aproximaria dos artesãos, seus depoimentos sublinham o caráter não necessariamente repetitivo de seu trabalho. Reconhecem, por exemplo, copiar em certas peças estilo de hoje famoso pintor nordestino que vive em Miami, identificadas facilmente e procuradas por compradores e para cuja confecção mobilizam inclusive a ajuda de seus familiares, o que não costuma ocorrer com seu próprio trabalho. Alguns não assinam essas peças, diferenciando-as das que criaram. Mas o que é visto como repetição em suas telas pelos artistas plásticos do Alambrado e mesmo por alguns da própria Feira da Praia de Iracema consiste, para esses artistas plásticos, em derivações de criações de sua própria autoria: “Esses eu sempre faço desse jeito. E é claro que eu assino. É meu, eu que criei. Eu que trouxe esse estilo. Ninguém tinha feito antes”.

  • 13 Manoel de Barros (1997:11), poeta, define esse processo: “Repetir repetir – até ficar diferente./R (...)

13A percepção da produção dos artistas da Praia de Iracema como reprodução de procedimentos, peças e padrões – que também a literatura sociológica costuma reconhecer no artesanato – parece, a muitos desses artistas, como acusação descabida ou engano derivado de incompetência para perceber variações no seu trabalho pictórico. Um desses artistas demonstra, analisando diversas das suas telas “estilo postal”, que retratam paisagens litorâneas com coqueiros e jangadas à luz da lua, “muito procurado por turistas e por cearenses mesmo”, variantes que considera fundamentais: “Eu mudo o número de jangadas, a cor, formas. Eu tento uma coisa, tento outra. Veja a diferença. Nunca é a mesma coisa. Se olhar bem, até o tamanho é diferente. Não é cópia. Quem diz que é cópia é porque não sabe ver a diferença, não sabe nada de arte”. E orienta: “Toda vez que você achar que um artista está se repetindo, veja se (...) ele não está repetindo, mas para mudar”13.

14Entre os que sublinham o caráter repetitivo da produção desses artistas estão alguns vendedores de telas, os chamados por eles de “atravessadores” que atuam em muitos pontos da cidade, como os regularizados em boxes na Feira da Beira Mar. Esses comerciantes por vezes equiparam a produção das telas que recebem – inclusive dos artistas plásticos da Feira da Praia de Iracema – a qualquer trabalho mecânico e desqualificado: “O cara pinta dez telas com jangada, tudo igual. Vendeu, girou: traz mais dez. Podia estar vendendo milho, mas aprendeu a pintar tela. Não é arte, é no máximo, no máximo, arte comercial”. A generalização dessa prática de repetição, segundo eles, atingiria mesmo artistas do Alambrado, ciosos por diferenciar sua produção do artesanato e do trabalho de artistas plásticos como os da Feira da Praia de Iracema: “Fala, fala dos outros, mas repara: se ele vende um quadro, vai lá no dia seguinte e vai ver que aparece pendurado outro igualzinho, a mesma coisa.”

  • 14 Artistas plásticos da Feira da Praia de Iracema apresentaram avaliações muito distintas dos artist (...)

15Para um dos artistas plásticos da Feira da Praia de Iracema, esse tipo de avaliação da sua produção feita pelo “pessoal do Alambrado”14, além de não fazer justiça à qualidade das telas, traduz o desconhecimento da impossibilidade de repetição na arte: “Nem que se queira, se copia um trabalho. Vai ser sempre diferente”. Artesãos também, salientando seus próprios limites técnicos, indicam a incapacidade de qualquer artista ou artesão repetir um trabalho: “Quem disser que faz dois trabalhos idênticos está mentindo. Mesmo quem copia do outro não faz igual. Isso é impossível”. Para uma artesã, tudo depende do interesse de quem observa e avalia os trabalhos: “Se eu venho aqui e quero dizer que artesão faz tudo igual, essas minhas bolsinhas, por exemplo, todas iguais, eu vou ver isso. Mas eu posso ver também as diferenças, só as diferenças, se eu quiser. Cada uma é uma”.

  • 15 Não consistindo em nosso objeto, podemos, contudo, remarcar o caráter generativo que a improvisaçã (...)
  • 16 Também não podemos nos deter nas operações de manipulação e apresentação, pelos artesãos, de reper (...)

16Ao verem sugerido que o trabalho artesanal baseia-se na cópia, ou que a prática de artistas plásticos que trabalham na Praia de Iracema possui caráter artesanal e por isso reprodutor, artesãos e artistas da Feira da Praia de Iracema reagem, sobretudo afirmando essa impossibilidade de repetição. Contudo, noutros contextos, ambos, artistas plásticos e artesãos, enfatizam o quão inventivo é seu trabalho. Demoram-se em detalhes ao indicar suas criações, modelos, texturas, estabelecendo a própria natureza – sobretudo dificuldades na manipulação – do material ou da encomenda como deflagradores de inovações. Elizabeth Hallam e Tim Ingold (2007) descrevem dificuldades no reconhecimento, também na arte, de processos de transformação que acompanham procedimentos de improviso, não ditados por intencionalidades explícitas prévias15. Atentam para como se distanciam do que tomamos hoje por criatividade, normalmente ocorrência projetada e de aparência súbita, contrastante em relação a práticas e padrões precedentes, e altamente individualizada. Mas para artistas e artesãos esses processos criativos adaptados, por assim dizer, àquelas exigências que indicam referências a tipologias amplamente reconhecidas16, adequados, portanto, a atividades que resultam na venda de seus produtos de modo a garantir sua sobrevivência, não dariam conta de todas as suas experiências artísticas e criativas.

17Ao contrário do que costumamos considerar, o ímpeto criativo perpassa a experiência de trabalho desses artesãos e de artistas cuja produção é percebida comumente como repetitiva. São numerosos os relatos de situações, deflagradas pelas mais diferentes razões, que os levam à utilização de procedimentos, à produção de peças e à imaginação de resultados os mais inusitados. Uma artesã contou que acorda às vezes mais cedo para poder confeccionar uma peça que, “do nada”, dispôs-se a inventar: “Eu fico como que agarrada nela”. Fugindo consideravelmente do tipo de artesanato que costuma produzir, ata-se, contudo, à sua feitura horas e horas na oficina que tem em casa, a ponto de o marido perguntar se não vai “voltar a trabalhar”: “E tenho mesmo que largar tudo e voltar para o meu trabalho, se não, não tenho o que trazer”. Indagada se colocaria à venda a tal peça na feira, nega a possibilidade: “não tem nada a ver uma coisa com a outra”.

  • 17 Mas artistas plásticos também relataram situações de venda, noutros lugares, de trabalhos frutos d (...)

18Tais experiências não compõem o discurso primeiro sobre processos de criação e invenção que artesãos e artistas plásticos da Feira da Praia de Iracema apresentam, nem as peças especialíssimas às quais chegam são trazidas para a feira. Mas não apenas para alguns ocorrem com frequência, como são bastante prazerosas. “Eu chego a pagar a minha diária para fazer esse tipo de trabalho. Por isso é difícil acontecer de ficar nele como eu até queria. E nunca ia trazer para a feira. Iam pensar que eu estou louco. Ia cobrar quatro mil, cinco mil, por um quadro. Ninguém aqui pagaria”17, afirma artista plástico da Feira da Praia de Iracema. E retoma aquela reflexão sobre a inexistência de olhos apropriados dos frequentadores daquele espaço para reconhecer e ponderar o valor de um trabalho com essas características.

  • 18 E estamos aqui nos referindo a processo criativo que inclui experiências para além do insight, apr (...)
  • 19 Não pudemos avaliar nessa pesquisa as implicações de artesãos e artistas plásticos que trabalham e (...)

19A excepcionalidade dessas peças recai, sobretudo, no quanto mobilizam de tempo, atenção e interesse de artistas e artesãos que as confeccionam.18 Reside também no próprio material e procedimentos de feitura: “São feitas a óleo. Todas as que eu trago são de tinta acrílica. As que eu faço por fora são a óleo, que demora a secar e tudo. Só isso já traz dificuldades”. Além disso, artesãos e artistas plásticos da Feira da Praia de Iracema afirmaram que com essas peças querem dizer algo, alguma mensagem de ordem distinta da que pretendem comunicar por meio dos demais trabalhos que vendem: “Todas as que eu assino têm uma mensagem. Mas, nessas, eu trago tudo da minha origem. Árvores, os animais de lá, tudo”, explica artista plástico cujos trabalhos na feira habitualmente tematizam itens totalmente diferentes. Se todos os trabalhos artísticos e artesanais possuem mensagem, esses trabalhos extraordinários possuiriam significado não convencional nem de todo controlado pelo seu produtor e, por isso, além do espanto que lhes causam, exigiriam outros públicos e espaços de exposição19.

Venda e o lugar do artista

  • 20 Ver em H. Becker (1982) o quanto a submissão ao agrado de um contratante ou cliente compõe a categ (...)

20Alguns artistas plásticos, como os que expõem em galerias e centros culturais de Fortaleza, e estudiosos associam com frequência a cópia, a repetição, a padronização, que reconhecem no artesanato e na arte encontrada em feiras, à venda, vetor que conduziria a confecção de objetos em processo contrário ao que daria lugar à arte, voltada para a criação. No limite, há identificação dessas ideias com a também muito difundida que propõe que o artesanato é comercial enquanto que a arte é gratuita, submetida inteiramente à fantasia individualizada do artista, ideia à qual costumamos aderir nas ciências sociais com a facilidade do reconhecimento da sobrevivência como motor importante e incondicional da produção artesanal e artística das classes populares20.

  • 21 Ver considerações a respeito de mudanças na chamada arte contemporânea em relação ao contato do ar (...)

21No Alambrado, um artista plástico pode ser assemelhado a artesãos pelos colegas, como insinuação de que produz “a mesma coisa sempre” porque venderia com facilidade. De fato, na chamada arte, a produção e a venda costumam ser idealizadas como operações separadas e rigidamente hierarquizadas, o artista devendo isentar-se de preocupações comerciais. E parece consistir em regra o artista plástico estar apartado das situações de apresentação de sua obra, ainda as não comerciais, como exposições em museus, centros culturais e galerias, exceto em algumas circunstâncias, como em certas montagens de exposições que exigem decisões atribuídas a ele e nas ocasiões rituais de vernissage21. Tudo indica, de fato, compor a experiência no campo artístico a incorporação da conveniência e legitimidade do afastamento do artista das situações de venda de seu trabalho. Aquela artista plástica da Feira da Praia de Iracema que mostrava descontentamento com a repetição de seu trabalho para atender ao gosto e demanda de clientes, assemelhando-a a prostituição, nunca participava da operação de venda: “Meu marido vem comigo para a feira para isso. Recebe e dá troco para os clientes. Tudo é com ele. Eu não toco em dinheiro”.

  • 22 Na Feira de Artesanato da Praia de Iracema, trata-se de exigência da coordenação que a venda seja (...)
  • 23 Diversos são os registros e análises das determinações e implicações dessa simultaneidade de venda (...)

22Nas feiras de artesanato, não raro o artesão está presente vendendo22 e, em muitas situações, também trabalhando na confecção de seu produto – bolsas, enfeites de arame, bijuterias, renda e crochê etc. Uma das coordenadoras da Feira da Praia de Iracema explicou que “artesãos não têm estoque; para terem o que vender, têm muitas vezes que fazer aqui”, e me conduziu pelas mesas para vê-los trabalhando – uma senhora confeccionava bolsa com colega ao lado que aprendia então um acabamento, um senhor fazia enfeites de arame com as palavras que turistas queriam ver desenhadas na peça, jovem montava um colar etc. Essa junção de esferas para as artes plásticas tão frequentemente separadas é estimulada na feira: “Elas trazem a almofada, tudo. É para o pessoal saber como faz a renda de bilro”, a coordenadora agrega a informação àquela sobre a falta de estoque. Agências como o Ceart, e lojas, hotéis e instituições que viabilizam a produção e venda do artesanato no Ceará também propõem a presença do artesão trabalhando ao lado das peças que vende. Argumentam que o “turista gosta”, que o “comprador quer ver o artesão trabalhando a peça”, certificar-se de que o processo é artesanal e não industrial, “autêntico”23.

23Na Feira da Praia de Iracema, é comum os artistas plásticos também trabalharem na feitura de suas telas enquanto fazem suas vendas. Atribuem a pintura, em geral na tela, já com armação ou não, disposta no chão, nessas condições inadequadas, à falta de tempo para levar em número suficiente trabalhos já finalizados. Nessas situações em que o artista pinta na feira, contudo, exerce uma atração especial, principalmente sobre crianças, quanto ao acompanhamento de seus procedimentos de manipulação do material e de pintura, e quanto à observação de suas peças já dispostas para a venda. A utilização do espaço de venda para a produção de suas telas contradiz ideia amplamente difundida junto a artistas plásticos, inclusive alguns do Alambrado, e ao senso comum, de que o artista plástico, além de não dever envolver-se com as situações de comercialização de seu trabalho, muito menos deve produzi-lo durante a venda. O cliente, por seu turno, não teria então acesso nem ao artista, nem a como o trabalho foi produzido. Haveria em alguma medida resguardo em relação às circunstâncias de criação, individualizadas, íntimas, libertas de constrangimentos, nas quais, nelas, sim, os artistas estariam verdadeiramente implicados.

O sentido da venda e a hierarquia de tudo

24A venda, na realidade, tanto para artistas plásticos como para artesãos, é valorizada para além do ganho pecuniário direto que proporciona, isto é, da obtenção de recursos para a sua sobrevivência e para a reposição do material e outros gastos com o trabalho artístico e artesanal. Ela também atesta a aceitação e, por isso, o valor propriamente da sua produção.

25Os diferentes mecanismos de aferição da qualidade artística do trabalho dos artistas plásticos, dentre eles a venda, vinculam-se às suas distintas trajetórias. Para os artistas plásticos da Feira da Praia de Iracema a venda constitui o referencial mais importante para a apreciação do valor de seus trabalhos. Já no Alambrado, alguns artistas têm laços mais diretos com o campo artístico, participando de exposições em centros culturais e galerias, no mercado de arte contemporânea, candidatando-se e eventualmente ganhando prêmios, tendo sucesso em seleções que, por exemplo, os levam a ver cópias de seus trabalhos impressas em capas de catálogos telefônicos do estado.

  • 24 Trata-se de distinção atribuída, desde 2004, pelo governo do Estado do Ceará por meio de sua Secre (...)

26No Ceará, as instâncias de aceitação do artesanato são particularmente numerosas e dizem respeito, dentre outras, à possibilidade de os artesãos conseguirem “colocar” ou “expor” seus trabalhos em certas lojas, obter financiamento, receber apoio técnico, convites para participar de exposições e feiras organizadas por hotéis, agências do estado ou do governo federal, Sebrae, sindicatos e associações. Artesãos já com reconhecimento público ou mestres da cultura24, ainda quando prescindem desses mecanismos de aceitação ou dispõem de fato de outros, por exemplo, que vinculam sua produção à arte – como estudos acadêmicos, abordagem por mídias, aquisição de peças por colecionadores ou instituições de arte, requisição de trabalhos para exposições –, permanecem considerando a venda, e muito diretamente o preço de venda, indicativo fundamental para a avaliação de sua obra e atestado de seu valor. Para um mestre da cultura, seleiro conhecido internacionalmente, consiste na prova mais importante desse valor e a que o deixa mais feliz.

27O estabelecimento do preço e sua manutenção frente a tentativas dos compradores de regateá-lo compõem o valor também artístico das peças vendidas por artesãos e artistas. Matéria de preocupação da coordenação da Feira de Artesanato da Praia de Iracema, a orientação dada aos artesãos é manterem o preço de suas peças ainda se os compradores insistem em baixá-lo: “Turista só quer saber do preço baixo. Eu converso muito com eles [artesãos]. Só quem fez é que sabe quanto vale, o trabalho que deu, o tempo que levou, a importância daquele trabalho”. Apesar da generalizada prática do regateio e do próprio oferecimento por artesãos de seus trabalhos a preços mais baixos que os inicialmente anunciados – por vezes frente à possibilidade de o comprador levar número maior de peças –, a manutenção dos preços é tema muito tocado por artesãos e artistas plásticos da Feira de Praia de Iracema quando tratam do valor artístico do que produzem.

28Não baixar o preço estipulado para suas peças aparece de fato como operação associada pelos artistas e artesãos ao valor que atribuem a elas. Aqueles trabalhos excepcionais de artistas plásticos da Feira da Praia de Iracema só poderiam ser vendidos a preço completamente impraticável e muito além do tanto de tempo e de material gastos na sua feitura. No Alambrado, muitos artistas, ao demarcarem a diferença de sua situação frente a de artesãos e artistas que vendem seus trabalhos em feiras de artesanato, afirmam jamais negociar o valor do que vendem: “Prefiro não vender. Mas o que eu peço, acabam dando. Não demora tanto e compram”.

29O interesse, e assim a aquisição de seus trabalhos pelo preço que estipulam, é vinculado, por artesãos e artistas plásticos, não só ao poder aquisitivo, mas, sobretudo, à capacidade dos indivíduos avaliarem adequadamente o que veem. Essa associação teria a ver com o tipo de público que frequenta as feiras – e também a orla da Beira Mar –, bastante diversificado e, segundo eles, poucas vezes qualificado, ou “culto”, para quem nem sempre o valor propriamente artístico dos trabalhos é devidamente aquilatado. “Eu não pinto para gringo peão”, diz um artista plástico do Alambrado. “Meus quadros exigem conhecer arte, ter um mínimo de critério”, completa. Segundo artistas que vendem nesse espaço, a imensa maioria de turistas estrangeiros que visita Fortaleza e se interessa pelos quadros que expõem é de “braçais”, que preferem justamente trabalhos que figuram jangadas, coqueiros ou “um Lampião”: “Aí o camarada vai botar na parede da sala dele e dizer: ‘Estive lá’”.

30“Expor” em feiras de artesanato é apresentado como incômodo para os artistas plásticos que não consideram ser esse lugar apropriado para a venda de objetos de arte e, para alguns, mesmo da “arte comercial”, porque voltado para público muito diversificado e desqualificado, “praticamente rua”: “Quando meu empresário me pediu para vender na rua, começou a não dar certo. Vendia muito, mais que nas galerias, mas desvalorizou. Galeria é galeria. Rua é rua. Desvaloriza. Daí eu voltei para o Brasil”, diz a artista plástica profundamente insatisfeita por vender seu trabalho em feira de artesanato, explicando por que sua carreira não tinha dado certo depois de período de sucesso em país europeu. Na realidade, a galeria é vista por muitos desses artistas plásticos como local ideal, se não para a venda de toda a arte que produzem, ao menos para expor obra que resulta de processos criativos especiais como os que tratamos anteriormente.

  • 25 Artesãos e artistas plásticos da Feira da Praia de Iracema indicam recente e importante mudança na (...)

31Para alguns artistas plásticos, como vimos, seu envolvimento direto na venda do trabalho já indica tensa necessidade de abrir mão daquele lugar do artista voltado exclusivamente para a criação. Ao lado disso, os espaços para a venda são valorizados ou desvalorizados por eles por meio de diferentes critérios. Algumas avaliações dos espaços dizem respeito às condições de exposição para os passantes, o conforto para os que permanecem horas seguidas vendendo seus produtos, a organização da infraestrutura da feira e higiene, propaganda, visibilidade e acesso, especialmente para turistas25. Preferem, por isso, uma feira a outra, gostariam de estar nesta ou naquela. A Feira da Praia de Iracema é avaliada como pouco frequentada, mas mais organizada e “exclusiva” – isto é, sem a presença de ambulantes – que os espaços onde vendiam seus trabalhos na região da Beira Mar.

  • 26 A maioria dos artistas plásticos da Feira da Praia de Iracema refere-se a seu espaço de trabalho f (...)

32Suas oficinas, ou seus espaços26, locais onde produzem boa parte de seus trabalhos, são muitas vezes mencionados como lugares algo superiores à feira de artesanato e onde seus trabalhos mais interessantes seriam procurados. Artistas plásticos da Feira da Praia de Iracema com frequência referem-se a galerias como espaços onde poderiam encontrar pessoas dispostas a compreender o significado e capazes de aferir o valor do seu trabalho. Origem social, poder aquisitivo e local de frequentação são associados por esses artistas ao possível interesse e eventual aquisição de seus trabalhos mais especiais, em geral por pessoas das classes abastadas: “Tem pessoas que sabem até se aproximar de uma obra de arte, sabem como chegar nela. Devagar. Em silêncio. Calmos. Os caras aprenderam a procurar, aprenderam a ver. Aqui na feira, tem vezes que nem se interessam por quem fez”. Sobre o acesso às galerias, afirmam nunca terem tido, alguns esperando vivamente a “sorte” de expor seus trabalhos nelas.

33Sua origem social e respectiva necessidade de trabalhar para a sobrevivência é acionada como fator que os levaria a não ter contato com as galerias:

Não, não conheço o pessoal de galeria. E eu gostaria de fazer uma peça, uma assim totalmente nova, passar outro tempo e fazer outra peça, só fazer essas peças com a minha história. Mas tenho que vender meus trabalhos aqui na feira, a bem dizer, um local humilde. Nesse ponto, é aquilo: nesse ponto eu não sou um artista, nesse ponto eu sou mais um trabalhador. E eu sou um artista.

34A hierarquia dos lugares de exposição é correlacionada a diferenciações importantes dos expositores, de quem observa e compra, e do próprio valor do que é exposto. A esse respeito, fatos ocorridos durante esta pesquisa foram apontados por artista plástico da Feira da Praia de Iracema como prova da distância entre o que vive e a situação ideal que presume encontrar em galerias: uma criança comendo pipoca passava o dedo em uma de suas telas enquanto os pais, distraídos, comentavam outro trabalho exposto; turista agachava-se ao lado de uma enorme tela retratando índia, posava, e seu companheiro fazia foto, sem pedir licença ao artista.

Venda nos olhos?

35Para quem artistas e artesãos da Feira da Praia de Iracema produzem consiste em vetor que perpassa não só o processo criativo por meio do qual desatam os percursos tão definidos de elaboração de seus trabalhos. Esse pouso, o da venda, está amarrado a lugares para os quais afluem, ou poderiam afluir, reais ou potenciais compradores, isto é, admiradores de sua arte. Que estes indivíduos interessados existem, embora possam circular por espaços desconhecidos ou aos quais artesãos e alguns artistas não têm acesso, como galerias, é fato que sustenta boa parte das iniciativas que resultam na produção que, como vimos, seus criadores avaliam como completamente inadequada frente à sua rotina de trabalho e ao local onde, e para quem, efetivamente vendem suas peças.

36Desintegrada como última operação da arte para muitos que se debruçam sobre a arte contemporânea, ou a arte acessada por especialistas e classes abastadas, a venda opera como dimensão constitutiva da arte produzida por artesãos e artistas plásticos que trabalham em feiras de artesanato. Bem além de necessária e inexorável repercussão para a sua sobrevivência e para a continuidade de sua produção, é por meio da venda que o valor de seu trabalho pode ser aventado, e com ele a própria oportunidade da comunicação que desejam e presumem instituir no repasse das peças que criam. Se há ali, e naquele momento, olhos que podem realmente reconhecer e assim compor o valor do que produzem, isso muitas vezes determinará o que fazem e se continuarão a fazê-lo. O fato dessa visão que tanto almejam ser para eles atributo de indivíduos normalmente oriundos de classes privilegiadas que circulam por lugares nem sempre acessíveis a seus trabalhos, e a eles mesmos, consiste em problema que indicam não saber como resolver.

37Parece haver inconveniência em imprimir ênfase no aspecto comercial da arte quando nos detemos também em elementos propriamente criativos e nos sentidos atribuídos pelos artistas à sua produção. Com efeito, não é incomum estudar o artesanato e a arte produzida por artistas das classes populares sem que consideremos a venda como momento, operação, dimensão crucial. Ao nos abstrairmos dessa dimensão, analisamos a arte de artesãos e artistas plásticos que vendem seus trabalhos na rua a partir do ponto de vista do artista despreocupado quanto ao comércio de suas criações. De fato, não raro nos estudos sobre os artesãos e sobre os artistas que trabalham nas ruas, a venda ou é esquecida ou é desvalorizada como espécie de invasão interesseira que diminuiria o valor verdadeiramente artístico do seu trabalho. Ao contrário do que vimos, em análises desse tipo, essa arte poderia existir independente da sobrevivência de seus produtores e do seu desejo de controlar e expandir o alcance do que querem com ela comunicar.

Notes

1 A pesquisa que deu origem a este artigo contou com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq, e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro – FAPERJ. Agradeço a Peregrina Capelo, a Maria Sylvia Porto Alegre, a Dodora Guimarães e a Ismael Pordeus Jr. pelas indicações preciosas para essa pesquisa; naturalmente eu me responsabilizo por seus resultados.

2 Um turista recebe sugestões já em mapas distribuídos no Aeroporto Internacional Pinto Martins pela Secretaria de Turismo do Estado do Ceará, e também no hotel e de moradores da cidade, para conhecer a “Feirinha da Beira Mar”, ou “Feira de Artesanato da Beira Mar”, dentre outras designações: “Quem vem a Fortaleza não pode deixar de conhecer esse cartão-postal”, lemos em um mapa, referindo-se a toda área da avenida Beira Mar. Cf. Mapa No Ceará, você já tem uma companhia para onde for: a alegria. Secretaria de Turismo do Ceará, s.d.

3 São divergentes as informações sobre o número e organização dessas pequenas feiras. Membros de associação de artesãos, do sindicato e outros artesãos entrevistados informam ora que se tratava de apenas uma associação, ora que eram diversas, ou ainda que apenas o sindicato organizava as feiras de artesanato da orla antes da operação de regularização do comércio dessa área da cidade.

4 Dentre os tantos acontecimentos que levaram à nova organização do comércio da área, foram noticiados amplamente a greve de fome de vendedora ambulante que permaneceu deitada dentro de caixão por dias, e o protesto do presidente da Associação dos Feirantes da Grande Fortaleza. Este manteve-se amarrado a uma cruz por dias na calçada da av. Beira Mar contra o impedimento dos comerciantes associados ao seu sindicato e não cadastrados pela Prefeitura de venderem mercadorias na área, e contra o “tratamento privilegiado” concedido aos artesãos, remetidos para a então em formação Feira de Artesanato da Praia de Iracema.

5 Amplamente utilizado por artesãos, pesquisadores, comerciantes, agências e diversos atores sociais envolvidos no estudo, produção e distribuição do artesanato do Ceará, o termo tipologia corresponde mais a tipo de artesanato que ao sistema usado para classificá-lo. Consistem então, cada uma das tipologias, em categorias que abrangem e diferenciam peças artesanais, embora variando consideravelmente de conteúdo de acordo com o contexto de sua utilização. As tipologias podem estar remetidas de diferentes formas, por exemplo, a matérias-primas, técnicas, tradições, regiões, medidas e valores, e agregadas ao importante sistema de disciplinamento, produção e circulação do artesanato cearense.

6 Artesãos entrevistados fazem críticas ao acesso diferenciado que o Siara e associações de artesãos propiciam para este ou aquele grupo de associados, alguns não sendo informados de diversas oportunidades, por exemplo, de participação em cursos e feiras.

7 O número e composição das alas variaram desde a criação da feira, quando havia nove delas. Também a forma de designá-las tem variado com o tempo. Mesmo hoje, entre participantes, coordenadores e curadores (ver nota 8), há inúmeras maneiras de nomeá-las. “Ala dos quadros”, “ala das telas”, “ala dos artistas” foram designações da “ala dos artistas plásticos”, forma que, na imprensa, aparecia com mais frequência quando da criação da feira e ainda hoje é muito usada.

8 Há versões de artistas plásticos e de artesãos que participam desde o início da feira, que afirmam terem sido cerca de cem os artistas plásticos que acorreram para lá.

9 A organização da feira inclui coordenadores, incumbidos da administração e da relação da feira com o sindicato, e os curadores das alas, que controlam a qualidade e a adequação das peças levadas para a venda por artesãos segundo critérios estabelecidos pelo sindicato para que sejam admitidas na feira. Durante a pesquisa tivemos notícias de negociações de artesãos, curadores e sindicato em relação à mudança de algumas características das peças, como elementos de brilho em bijuterias, que fugiriam ao padrão regional, ou rústico, mas que facilitariam a aceitação do público e então a venda. “As artesãs que trabalham com bijuteria estavam ao ponto de desistir de vir. Agora vendem muito mais.”, esclarecia uma coordenadora.

10 Segundo artistas e artesãos entrevistados, o desejo de sair da feira não tem a ver com a relação que mantêm com os demais artistas e artesãos que lá também “expõem” seu trabalho, de colaboração e amizade, construída em mais de dois anos de convívio. Presenciei diversas demonstrações de confiança e proximidade, por exemplo, artistas plásticos utilizando em suas vendas máquina para cartão de crédito de artesãos, participando de conversas e comemorações na feira de aniversário de artesãos, e dividindo a merenda com eles.

11 A extensão dessa diferenciação é de fato larga, incluindo ambientes da chamada arte contemporânea. Em curso de pintura contemporânea em grande escola de artes visuais do Rio de Janeiro, o professor, um artista plástico, reconhecia ênfase no tratamento de materiais pelos alunos com prática em artesanato, e a relacionava “a uma mecânica manual, à automatização de procedimentos que reproduzem um padrão decorativo, sem que o aluno preocupe-se em criar uma linguagem com a pintura”. (Dabul, 2001, p. 125)

12 H. Becker atem-se a duas possibilidades: “In the first case, participants in an art world borrow from or take over a craft world; in the second, a mature art world begins to exhibit some of the characteristic features of craft worlds”. (1982, p. 272)

13 Manoel de Barros (1997:11), poeta, define esse processo: “Repetir repetir – até ficar diferente./Repetir é um dom do estilo”.

14 Artistas plásticos da Feira da Praia de Iracema apresentaram avaliações muito distintas dos artistas do Alambrado. Alguns os reverenciam, “os pioneiros”, cuja permanência segura de seu ponto de exposição e venda admiram como forma de resistência àquela ação da Prefeitura que atingiu tantos artistas. Outros os veem como “de salto alto”, dispostos a “mostrar além do que têm”, achando-se superiores a todos os outros artistas que trabalham na orla da cidade.

15 Não consistindo em nosso objeto, podemos, contudo, remarcar o caráter generativo que a improvisação assume na arte, determinando efetivamente possibilidades criativas que se estabelecem e se fixam por algum tempo, e assim feições mais permanentes dos seus resultados. A esse respeito, ver Robert Faulkner (2006). Noutra modalidade de pesquisa, focada mais diretamente no work itself (Becker, 2006), talvez partíssemos justamente da relevância desses processos de adaptação a demandas de clientes e as do material para a constituição da arte.

16 Também não podemos nos deter nas operações de manipulação e apresentação, pelos artesãos, de repertório avaliado amplamente – por agências que estimulam a produção e venda de artesanato, como Sebrae e Ceart, de instituições como o sindicato e associações, e atores sociais como estudiosos, compradores e vendedores do artesanato cearense – como regional, autêntico, rústico, artístico, cearense em suas peças. Diversos pesquisadores, como Machiko Kusahara (1997), indicam experiências dessa natureza como elas próprias, contra o que normalmente concebemos como valor artístico, a originalidade, definidoras dos atributos criativos e notáveis de muitos produtos artísticos.

17 Mas artistas plásticos também relataram situações de venda, noutros lugares, de trabalhos frutos de devaneio e intensa pesquisa. Esse mesmo artista plástico conta que um rico fazendeiro, por “outros caminhos”, adquiriu por milhares de reais peça que demorou muitíssimo a confeccionar e que nunca expôs, nem exporia, na feira.

18 E estamos aqui nos referindo a processo criativo que inclui experiências para além do insight, aproximando-se consideravelmente às do devaneio, ou entusiasmo. A respeito dessa distinção, ver Fernando Muniz (2011).

19 Não pudemos avaliar nessa pesquisa as implicações de artesãos e artistas plásticos que trabalham em feiras utilizarem o termo “expor” para referirem-se a “vender” ou “colocar” ou “dispor” suas peças em algum espaço para comercializá-las.

20 Ver em H. Becker (1982) o quanto a submissão ao agrado de um contratante ou cliente compõe a categoria artesanato e moveria trânsitos da arte em sua direção. Ver em Pierre Bourdieu (2007) a proposição do quanto o gosto das classes populares estaria identificado a uma estética da necessidade, enquanto o das classes abastadas estaria justamente correlacionado a uma noção de liberdade em relação às demandas da sobrevivência.

21 Ver considerações a respeito de mudanças na chamada arte contemporânea em relação ao contato do artista com seu público em Dabul (2011).

22 Na Feira de Artesanato da Praia de Iracema, trata-se de exigência da coordenação que a venda seja feita pelo próprio artesão ou artista plástico.

23 Diversos são os registros e análises das determinações e implicações dessa simultaneidade de venda e produção de artesanato. Ver, por exemplo, em Novaes (2011), descrição da atuação de artesãos de Juazeiro do Norte, Ceará.

24 Trata-se de distinção atribuída, desde 2004, pelo governo do Estado do Ceará por meio de sua Secretaria de Cultura, a indivíduos e, a partir de 2006, também a grupos e coletividades, cuja prática corresponderia à tradição cultural que mereceria ser valorizada e preservada.

25 Artesãos e artistas plásticos da Feira da Praia de Iracema indicam recente e importante mudança na sua clientela, dada a diminuição do número de turistas europeus e aumento dos brasileiros e, mais que isso, a cada vez mais frequente compra de telas e outras peças por moradores de bairros populares próximos.

26 A maioria dos artistas plásticos da Feira da Praia de Iracema refere-se a seu espaço de trabalho fora da feira como oficina, tal como os artesãos, ou espaço. Muitos avisam que não têm ou não se referem a ele como ateliê, como fazem muitos artistas plásticos, como alguns do Alambrado. Indicam também, com frequência, que sua oficina funciona na sua casa.

Auteur

Professora da Universidade Federal Fluminense

Acheter

Volume papier

i6doc.comamazon.fr