Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Arte e vida social

 | 
Alain Quemin
, 
Glaucia Villas Bôas

Quinta parte. Arte contemporânea, mercado e processos de globalização

A distribuição desigual do sucesso em arte contemporânea entre as nações: uma análise sociológica da lista dos ‘maiores’ artistas do mundo

Alain Quemin
Traduction de Germana Henriques Pereira

Résumé

Embora a globalização tenha começado a atrair fortemente a atenção das ciências sociais na década de 1990 (Bartelson, 2000; Therborn, 2000), esse tema foi, durante bastante tempo, pouco estudado no âmbito da sociologia da arte. Por outro lado, os estudos empíricos permaneceram limitados por muitos anos antes de conhecer um desenvolvimento muito importante (Bellavance, 2000; Quemin, 2001, 2002a, 2006, 2013b, 2013c; Van Hest, 2012; Velthuis, 2013). Neste texto, pretende-se estudar o impacto do fator territorial, no que concerne a nacionalidade dos artistas e o seu país de residência, com relação ao seu acesso à fama (Bowness, 1989) e ao processo de consagração, a partir de dados empíricos. Isso nos permitirá mostrar que, mesmo numa época em que a globalização deve ser a regra no mundo da arte, ainda há uma forte hierarquia entre os países. Vamos nos concentrar aqui em apenas dois rankings principais – o KunstKompass e o Capital Kunstmarkt Kompass –, para ilustrar a distribuição extremamente desigual de sucesso entre os países com relação ao campo da arte contemporânea. Nossa análise vai se contrapor de modo constante à crença profundamente enraizada no mundo da arte que afirma o desaparecimento total das fronteiras geográficas e o apagamento dos fluxos comerciais culturais fortemente orientados.

Note de l’éditeur

Traduzido do francês por Germana Henriques Pereira.

Texte intégral

Objetivar a visibilidade ou o talento através da classificação dos artistas de sucesso

1O surgimento do que agora é comumente referido como “arte contemporânea” pode ser datado (Quemin, 2002a) por ocasião da exposição histórica e seminal When Attitudes Becomes Form, organizada pelo “curador” Harald Szeemann, no Kunsthalle de Berna, Suíça, em 1969. Esse surgimento é simultâneo àquele das listas fundamentadas numa base hierárquica – de rankings ou classificações – no mundo da arte contemporânea, que tão logo começou a objetivar as posições ocupadas pelos “melhores” artistas.

  • 1 “En réalité, on peut trouver dès 1955 un préalable aux classements réguliers des artistes contempo (...)

2A partir de 1970, a primeira lista de classificação publicada numa base quase anual foi criada pelo jornalista alemão da área econômica Willy Bongard na revista Capital1. De 1970 a 2008, esse indicador chamado KunstKompass – a bússola da arte – iria ser publicado quase todos os anos na mesma revista, revelando a seus leitores uma lista dos 100 “artistas top”, ou seja, dos 100 melhores artistas do mundo. Com a morte de Willy Bongard em 1985, sua viúva, Linde Rohr-Bongard, continuou a publicar os resultados do KunstKompass ano após ano, o que ilustra a forte demanda social por tal indicador, apesar de, como veremos, o KunstKompass ter sido muitas vezes criticado por sua pressuposta incontestabilidade. Quando a sua colaboração com a revista Capital chegou ao fim em 2008, a classificação do KunstKompass passou a ser publicada numa revista de negócios alemã concorrente, a Manager Magazin. Os editores de Capital começaram, então, a desenvolver uma parceria com uma nova equipe, a empresa chamada Artfacts, com o objetivo de publicar uma outra classificação anual – concorrente – dos 100 artistas internacionais mais visíveis ou que estivessem experimentando o maior sucesso, intitulada “Capital KunstmarktKompass”. Esse gesto demonstrou, mais uma vez, a forte demanda social por esse tipo de indicador.

  • 2 “Nous aurions tout aussi bien pu adopter d’autres angles d’analyse tels que l’impact du genre des (...)

3Ao estudarmos aqui as duas principais classificações de artistas contemporâneos, vamos mostrar que operam, tanto uma quanto outra, uma distribuição bastante desigual do sucesso (Bowness, 1989), considerando-se as nações representadas2.

O Kunstkompass e a classificação da Artfacts (“Capital Kunstmartkt Kompass”): breve apresentação dos dois indicadores e de sua metodologia

4Em todos os tipos de indicadores, o resultado depende diretamente da metodologia utilizada, o que, por sua vez, resulta de uma certa perspectiva focada no objeto. É necessário, pois, aqui apresentar brevemente a metodologia utilizada pelos dois principais sistemas de classificação, cujo intuito é listar os 100 principais artistas visuais no mundo, a cada ano.

  • 3 Ainda que seja teoricamente possível se dirigir ao jornal que publica o KunstKompass para solicita (...)

5Desde a sua criação em 1970, o KunstKompass é baseado num sistema de pontos atribuídos às várias formas de visibilidade dos artistas. O sistema evoluiu ligeiramente ao longo do tempo, porém não é perfeitamente transparente, uma vez que é publicado apenas em certos anos.3 No entanto, o cálculo utilizado pode ser apresentado brevemente da seguinte forma. Os artistas ganham pontos em três ocasiões:

  • Exposições individuais (“solo shows”) em museus ou centros de arte contemporânea. Quanto mais a instituição é prestigiada maior será o número de pontos atribuídos. Por exemplo, uma exposição individual no MoMA, em Nova York, na Tate Modern de Londres, ou no Centro Georges Pompidou – o Museu Nacional de Arte Moderna, em Paris –, receberá um número muito elevado de pontos, enquanto exposições monográficas em instituições importantes, mas menos centrais ou prestigiosas, receberão menos pontos.
  • Exposições coletivas em bienais, museus e centros de arte contemporânea. Mais uma vez, a mais prestigiada instituição obterá o mais elevado número de pontos para o evento. Por exemplo, a participação nas bienais de maior prestígio, como a de Veneza, na Itália, e a Documenta, de Kassel, na Alemanha, receberá um número elevado de pontos, enquanto outras, organizadas em cidades menos reconhecidas, serão igualmente consideradas como qualificantes, mas obterão relativamente um menor número de pontos. Na medida em que uma exposição individual confere maior visibilidade aos artistas e desempenha um papel mais importante no processo de consagração, a participação nas exposições coletivas mais prestigiadas pesa menos do que as exposições monográficas nos lugares mais reconhecidos da arte contemporânea.
  • Artigos em revistas de arte contemporânea as mais influentes internacionalmente, tais como Flash Art, Art in America e Art Forum.

6Ao final de cada ano, o conjunto dos pontos obtidos dessa forma é acrescentado, o que permite à equipe do KunstKompass divulgar sua classificação anual dos 100 principais artistas contemporâneos (em vida) no mundo.

7Vale mencionar que, praticamente desde o seu início, o KunstKompass tem sido criticado devido a um viés pró-germânico muito pronunciado, por excesso de representação das instituições alemãs entre as instâncias de qualificação e pela atribuição de coeficientes considerados demasiadamente elevados em relação ao seu peso real na cena contemporânea internacional. Isso se estende, em menor medida, aos países vizinhos que pertencem à sua zona de influência cultural, como a Áustria. No entanto, o KunstKompass existe há mais de 40 anos, conseguindo até agora manter as principais características de sua metodologia.

8Qual seria a metodologia utilizada pela Artfacts para produzir seu indicador concorrente do KunstKompass, o Capital Kunstmarkt Kompass? Ao contrário da equipe que produz o KunstKompass, a Artfacts utiliza uma gama muito maior de instâncias qualificadoras: galerias de arte contemporânea, instituições públicas (que possuam ou não a sua própria coleção, sejam museus ou centros de arte), bienais e trienais, outros espaços de exposições temporárias, feiras de arte contemporânea, leilões, art hôtels, revistas, jornais e magazines de arte, livros de arte, escolas de arte, festivais, organizações sem fins lucrativos, instituições de gestão artística ou coleções particulares. Embora a coleta de informações não possa ser absolutamente exaustiva, sua extrema amplitude limita bastante o risco de desvios.

9Enquanto algumas instâncias são cruciais no processo de consagração, outras parecem mais secundárias ou até mesmo marginais. Por essa razão, é primordial que isso se reflita nos coeficientes atribuídos para cada uma dessas instâncias. Para esse fim, a Artfacts criou um algoritmo que determina o peso de cada instância com base na reputação dos artistas a elas associados. Fundamentalmente, “pontos de rede” são concedidos: todos os artistas cujas obras são colecionadas por museus e que são representados por galerias obtêm os tais pontos. Estes são, então, concedidos às instituições que colecionam ou que representam os artistas. Esses “pontos de rede” refletem a reputação da instituição em causa. Um artista recebe pontuação para cada exibição num museu ou numa galeria. Embora, de um ponto de vista lógico, possa parecer surpreendente que o peso dos artistas e o das instituições influencie uns aos outros – e, portanto, que ambos pesem na posição que os artistas ocupam no ranking –, a análise sociológica mostra que no mundo da arte contemporânea tanto os artistas como as galerias (ou os galeristas) e as instituições influenciam-se mutuamente nas recíprocas reputações (Moulin, 1992a; Moulin; Quemin, 1993). Essa é precisamente uma das principais vantagens do método desenvolvido pela Artfacts, qual seja, a de tentar refletir essa característica do mundo da arte contemporânea. Ao contrário de outras metodologias, como a da KunstKompass, na Artfacts, os coeficientes são atualizados quase que continuamente (na verdade, todas as semanas) pelo algoritmo, levando em conta o poder de certificação das instituições com base na reputação dos artistas com os quais elas estão associadas. Além disso, a extensão da base de dados constitui um quesito essencial, pois possuía nada menos que 70.263 artistas referenciados e classificados no mundo em junho de 2012! Um bom exemplo da expansão da base de dados pode ser fornecido a partir da seguinte indicação: em agosto de 2014, 100 mil artistas em todo o mundo foram classificados, e 336.500 outros foram referenciados na base de dados da Artfacts sem serem classificados. Naquele momento, nove funcionários da empresa reuniram e trataram a informação, afetando cerca de 30.000 exposições organizadas em 188 países em todo o mundo.

10Sendo uma empresa privada, a Artfacts não publica ou transmite o modo de construção de seu algoritmo, que é protegido por segredo comercial. Isso é frustrante para o sociólogo que queira julgar o rigor do método. No entanto, uma reconstituição indireta de determinados coeficientes foi efetuada, mostrando-se relevantes com relação ao nosso conhecimento do mercado e de seus atores.

11Embora a classificação principal tenha sido estabelecida com base no número de pontos que foram acumulados desde que o indicador foi criado em 1999, a classificação obtida dessa forma não era radicalmente diferente da que seria obtida em se considerando apenas os pontos acumulados ao longo dos últimos 12 meses: na arte contemporânea, assim como em vários campos, o sucesso leva geralmente ao sucesso, o que constitui uma boa ilustração do “efeito Matthew”, destacado por Robert Merton (1968).

O impacto da nacionalidade dos artistas sobre a notoriedade e a consagração

12Como evocamos anteriormente, decidimos focar em primeiro lugar na nacionalidade dos artistas na medida em que os dois rankings precedentes mencionam esse dado. Pareceu-nos pertinente explorar a possibilidade de um fenômeno de concentração desigual dos artistas mais reconhecidos do mundo (Quemin, 2001, 2002a, 2002b, 2006, 2013b; Van Hest, 2012; Velthuis, 2013). No entanto, para pegar o exemplo de um dos dois indicadores analisados aqui, o KunstKompass também menciona para cada artista outras informações, como sua idade ou ano de nascimento, a forma preferida de expressão artística (pintura, escultura, instalação, vídeo ou fotografia), ou ainda o nome de sua principal galeria – tudo isso dentre outras características que podem ser objeto de uma análise sociológica e que podem se mostrar bastante reveladoras dos traços ou redes capazes de promover o sucesso dos artistas (Quemin, 2013c). Tanto o KunstKompass quanto a classificação da Artfacts mencionam igualmente o número de pontos obtidos por cada artista, o que, então, determina a sua posição no ranking.

13Para simplificar a apresentação e a leitura das tabelas, não reproduzimos essa informação aqui, mas vamos analisar neste texto o que pode nos ensinar o fato de adicionar o número de pontos obtidos por cada país em ambas as classificações e de calcular as percentagens correspondentes.

14Tanto no caso do KunstKompass quanto no ranking da Artfacts, decidimos reproduzir a informação relativa à nacionalidade (é precisamente a informação que aparece nas listas publicadas) para ilustrar a ligação que tem com a visibilidade artística e a consagração.

Tabela 1. Classificação da KunstKompass em 2011

Posição Nome completo Nacionalidade
K1 Gerhard Richter Alemã
K2 Bruce Nauman Norte-americana
K3 Georg Baselitz Alemã
K4 Cindy Sherman Norte-americana
K5 Anselm Kiefer Alemã
K6 Rosemarie Trockel Alemã
K7 Richard Serra Norte-americana
K8 Olafur Eliasson Dinamarquesa
K9 Mike Kelley Norte-americana
K10 William Kentridge Sul-africana
K11 Andreas Gursky Alemã
K12 Franz Oeste Austríaca
K13 Cy Twombly Norte-americana
K14 Jeff Koons Norte-americana
K15 John Baldessari Norte-americana
K16 Christian Boltanski Francesa
K17 Pipilotti Rist Suíça
K18 Thomas Ruff Alemã
K19 Jasper Johns Norte-americana
K20 Christo e Jeanne-Claude Norte-americana
K21 Claes Oldenburg Norte-americana
K22 Matthew Barney Norte-americana
K23 Bill Viola Norte-americana
K24 Thomas Schütte Alemã
K25 Damien Hirst Britânica
K26 Maurizio Cattelan Italiana
K27 Imi Knoebel Alemã
K28 Thomas Struth Alemã
K29 Peter Fischli e David Weiss Suíça
K30 Jenny Holzer Norte-americana
K31 Gilbert & George Britânica
K32 Gordon Douglas Britânica
K33 Thomas Demand Alemã
K34 Paul McCarthy Norte-americana
K35 Francis Alÿs Belga
K36 Ed Ruscha Norte-americana
K37 Jeff Wall Canadense
K38 Ilya e Emilia Kabakov Russa
K39 Günther Förg Alemã
K40 Lawrence Weiner Norte-americana
K41 Shirin Neshat Iraniana
K42 Dan Graham Norte-americana
K43 Mona Hatoum Britânica
K44 Arnulf Rainer Austríaca
K45 Gabriel Orozco Mexicana
K46 Carsten Höller Alemã
K47 Monica Bonvicini Italiana
K48 Tobias Rehberger Alemã
K49 Tacita Dean Britânica
K50 Sophie Calle Francesa
K51 Richard Prince Norte-americana
K52 Luc Tuymans Belga
K53 Pïerre Huyghe Francesa
K54 Daniel Buren Francesa
K55 Marlene Dumas Holandesa
K56 Isa Genzken Alemã
K57 Günther Uecker Alemã
K58 Bernd e Hilla Becher Alemã
K59 Neo Rauch Alemã
K60 Markus Lüpertz Alemã
K61 Raymond Pettibon Norte-americana
K62 Jonathan Meese Alemã
K63 Rebecca Corno Alemã
K64 Marina Abramovic Sérvia
K65 Kara Walker Norte-americana
K66 Rachel Whiteread Britânica
K67 Frank Stella Norte-americana
K68 Ellsworth Kelly Norte-americana
K69 Jannis Kounellis Grega
K70 Liam Gillick Britânica
K71 A. R. Penck Alemã
K72 Anish Kapoor Indiana
K73 Rodney Graham Canadense
K74 Thomas Hirschhorn Suíça
K75 Wolfgang Tillmans Alemã
K76 Tony Cragg Britânica
K77 Gregor Schneider Alemã
K78 Robert Gober Norte-americana
K79 Hans-Peter Feldmann Alemã
K80 Rirkrit Tiravanija Tailandesa
K81 Per Kirkeby Dinamarquesa
K82 David Hockney Britânica
K83 Katharina Fritsch Alemã
K84 Richard Long Britânica
K85 Roni Corno Norte-americana
K86 Dan Perjovschi Romena
K87 Erwin Wurm Austríaca
K88 John Bock Alemã
K89 Peter Doig Britânica
K90 Signer Roman Suíça
K91 Richard Hamilton Britânica
K92 Hiroshi Sugimoto Japonesa
K93 Kiki Smith Norte-americana
K94 Martha Rosler Norte-americana
K95 Tony Oursler Norte-americana
K96 Daniel Spoerri Suíça
K97 Louise Lawler Norte-americana
K98 Franz Ackermann Alemã
K99 Rineke Dijkstra Holandesa
K100 Harun Farocki Tcheca

Tabela 2. Ranking Artfacts em junho de 2012: Posição dos artistas, nacionalidade e país de residência

Posição Nome completo Nacionalidade País de residência
1 Bruce Nauman Norte-americana Estados Unidos
2 Gerhard Richter Alemã Alemanha
3 Cindy Sherman Norte-americana Estados Unidos
4 Ed Ruscha Norte-americana Estados Unidos
5 John Baldessari Norte-americana Estados Unidos
6 Georg Baselitz Alemã Alemanha
7 Lawrence Weiner Norte-americana Estados Unidos
8 Thomas Ruff Alemã Alemanha
9 William Kentridge Sul-africana África do Sul
10 Olafur Eliasson Dinamarquesa Dinamarca
11 Jasper Johns Norte-americana Estados Unidos
12 Peter Fischli e David Weiss Suíça Suíça
13 Dan Graham Norte-americana Estados Unidos
14 Gordon Douglas Britânica Reino Unido
15 Franz Oeste Austríaca Áustria
16 Paul McCarthy Norte-americana Estados Unidos
17 Andreas Gursky Alemã Alemanha
18 Rosemarie Trockel Alemã Alemanha
19 Richard Serra Norte-americana Estados Unidos
20 Francis Alÿs Belga Bélgica
21 Wolfgang Tillmans Alemã Alemanha
22 Pipilotti Rist Suíça Suíça
23 Mona Hatoum Libanesa Reino Unido
24 Anselm Kiefer Alemã França
25 Damien Hirst Britânica Reino Unido
26 Marina Abramovic Sérvia Estados Unidos
27 Tony Oursler Norte-americana Estados Unidos
28 Thomas Struth Alemã Alemanha
29 Claes Oldenburg Norte-americana e sueca Estados Unidos
30 Ellsworth Kelly Norte-americana Estados Unidos
31 Arnulf Rainer Austríaca Áustria
32 Bill Viola Norte-americana Estados Unidos
33 Nan Goldin Norte-americana Estados Unidos
34 Rodney Graham Canadense Canadá
35 Jeff Koons Norte-americana Estados Unidos
36 Valie Export Austríaca Áustria
37 Erwin Wurm Austríaca Áustria
38 Christian Boltanski Francesa França
39 Carl Andre Norte-americana Estados Unidos
40 Vito Acconci Norte-americana Estados Unidos
41 Jenny Holzer Norte-americana Estados Unidos
42 Gabriel Orozco Mexicana México
43 Jeff Wall Canadense Canadá
44 Kiki Smith Norte-americana Estados Unidos
45 Günther Förg Alemã Alemanha
46 Frank Stella Norte-americana Estados Unidos
47 Richard Prince Norte-americana Estados Unidos
48 Raymond Pettibon Norte-americana Estados Unidos
49 Tony Cragg Britânica Reino Unido
50 Maurizio Cattelan Italiana Estados Unidos
51 Pïerre Huyghe Francesa Estados Unidos
52 David Hockney Britânica Reino Unido
53 Hiroshi Sugimoto Japonesa Japão e Estados Unidos
54 Yayoi Kusama Japonesa Japão
55 Christian Marclay Norte-americana e suíça Estados Unidos e
Reino Unido
56 Tacita Dean Britânica Reino Unido
57 Liam Gillick Britânica Reino Unido
58 Daniel Buren Francesa França
59 Alex Katz Norte-americana Estados Unidos
60 Ilya e Emilia Kabakov Russa Estados Unidos
61 Richard Long Britânica Reino Unido
62 Bernd e Hilla Becher Alemã Alemanha
63 Jonathan Monk Britânica Alemanha
64 Jim Dine Norte-americana Estados Unidos
65 Yoko Ono Japonesa Estados Unidos
66 Shirin Neshat Iraniana Estados Unidos
67 Thomas Hirschhorn Suíça França
68 Thomas Schütte Alemã Alemanha
69 Matthew Barney Norte-americana Estados Unidos
70 Vik Muniz Brasileira Estados Unidos
71 John M. Armleder Suíça Suíça
72 Rirkrit Tiravanija Tailandesa Estados Unidos e
Alemanha
73 Sophie Calle Francesa França
74 Luc Tuymans Belga Bélgica
75 Michelangelo Pistoletto Italiana Itália
76 Anri Sala Albanesa França e Alemanha
77 Sylvie Fleury Suíça Suíça
78 Candida Höfer Alemã Alemanha
79 Marlene Dumas Sul-africana e holandesa Holanda
80 Hans-Peter Feldmann Alemã Alemanha
81 Thomas Demand Alemã Alemanha
82 Chuck Close Norte-americana Estados Unidos
83 Kara Walker Norte-americana Estados Unidos
84 François Morellet Francesa França
85 Jannis Kounellis Greco-italiana Itália
86 Heimo Zobernig Austríaca Áustria
87 A. R. Penck Alemã Alemanha
88 Roni Corno Alemã Alemanha
89 Carsten Höller Belga Suécia
90 Albert Oehlen Alemã Alemanha
91 Richard Artschwager Norte-americana Estados Unidos
92 Imi Knoebel Alemã Alemanha
93 Martha Rosler Norte-americana Estados Unidos
94 Rineke Dijkstra Holandesa Holanda
95 Robert Gober Norte-americana Estados Unidos
96 Robert Morris Norte-americana Estados Unidos
97 On Kawara Japonesa Estados Unidos
98 Richard Tuttle Norte-americana Estados Unidos
99 Tracey Moffatt Australiana Estados Unidos
100 Joseph Kosuth Norte-americana Estados Unidos

Quando a nacionalidade e o país de residência diferem, o país figura em negrito quando “corrigido”. O ponto relativo ao país de residência será comentado mais adiante.

15Antes de discutir a questão da nacionalidade nos dois principais rankings de artistas contemporâneos, revela-se necessário fazer algumas observações sobre a comparação dessas classificações.

16Na maioria das vezes (e de modo bastante exaustivo), os dois rankings fornecem a mesma informação sobre a nacionalidade dos artistas, mas em alguns casos raros eles divergem. Nesses poucos casos, ou a nacionalidade pode, excepcionalmente, ser diferente, ou um dos rankings pode indicar duas, enquanto o outro menciona apenas uma. Três quartos dos artistas aparecem em ambas as listas, uma percentagem muito elevada se considerarmos que as metodologias utilizadas para produzir as duas classificações são muito diferentes. Isso sugere que, em um nível muito alto de visibilidade, o impacto da metodologia utilizada para evidenciá-la, bem como os seus potenciais desvios, ficam muito limitados. Além disso, ambos os instrumentos revelam um fenômeno de concentração muito pronunciado da distribuição do sucesso artístico entre os países.

17Se calcularmos o percentual para cada país no KunstKompass, somando-se o número de pontos de todos os artistas da mesma nacionalidade e dividindo cada um desses resultados pela totalidade dos pontos da classificação, o resultado obtido será: os Estados Unidos (30,4%) e a Alemanha (30,0%) ficam muito à frente de todos os outros países; o Reino Unido fica colocado na terceira posição com apenas 10,4% dos pontos, mas significativamente à frente da Suíça (4,5%) e da França (3,9%). A concentração do sucesso artístico é extrema com relação a um número muito pequeno de países, todos ocidentais, quer se trate dos Estados Unidos ou de qualquer país europeu. Acrescentemos que, mesmo dentro desse espaço, apenas alguns países desempenham um papel significativo quando se trata de quantificar a participação dos seus artistas no segmento mais visível da cena internacional da arte contemporânea.

18Cinco países respondem sozinhos por quase 80% do peso dos artistas mais visíveis em nível internacional, dentre aqueles que conhecem o maior sucesso. Em especial, os Estados Unidos e a Alemanha formam uma espécie de duopólio na cena internacional da arte, muito à frente de todas as outras nações.

19No entanto, parece-nos que os dados produzidos pela Artfacts oferecem uma visão mais precisa das posições ocupadas pelos diversos países no cenário internacional da arte contemporânea, na medida em que eles não parecem afetados pelo viés pró-alemão que muitas vezes assinalamos no caso do KunstKompass. Como feito anteriormente com relação ao KunstKompass, o cálculo correspondente à participação de cada país no total de pontos acumulados pelos primeiros 100 artistas da classificação da Artfacts sintetiza a informação tanto no que concerne o número de artistas por país quanto com relação ao seu lugar no ranking. A classificação é a seguinte: os Estados Unidos encabeçam a lista (37,1%), claramente à frente da Alemanha (18,2%), e esta se posiciona também de modo nítido diante do Reino Unido (7,63%), seguido pela Áustria (5,0%) e a Suíça (4,9%); a França fica logo atrás (4,4%). A Itália, que, no entanto, ocupava uma posição significativa no cenário mundial na década de 1970, lugar reforçado pelo vigor da Transvanguarda na década de 1980 (Quemin, 2013c), exerce atualmente uma influência limitada, com apenas 1,7% dos pontos em 2012. Se considerarmos o indicador Artfacts dos 100 primeiros artistas plásticos contemporâneos, os países da Europa Ocidental e da América do Norte concentram nada menos do que 87,3% do indicador!

20Enquanto que há quase duas décadas a ideologia da globalização, da suposta mescla de culturas e de uma hipotética indefinição das fronteiras fica muito popular no mundo da arte contemporânea, e isso embora a maioria dos agentes prefiram acreditar que a nacionalidade, o país ou o local de residência não exerçam qualquer influência relativamente à trajetória dos artistas para o sucesso, a nossa análise revela uma realidade bem diferente. O mundo da arte contemporânea internacional continua a ser altamente territorializado e hierarquizado no que diz respeito aos países, segundo configurações que podem ser encontradas em diferentes níveis e segmentos. Por exemplo, há vários anos, os artistas chineses vêm alcançando um forte sucesso no mercado, especialmente no segmento de leilões. De fato, concorrem, assim, com a posição tradicionalmente forte de artistas britânicos, alemães e mais ainda de artistas norte-americanos, em relação à sua presença nas principais instituições de arte, tais como os principais museus e centros de arte, bem como as principais bienais organizadas em países ocidentais. Embora essa situação aconteça, a presença da China, no entanto, geralmente muito notada e comentada, permanece muito limitada, e os artistas chineses praticamente ausentes das listas de artistas mais visíveis no mundo. Em termos de consagração artística, a autoridade de certificação ainda está concentrada nas mãos de um pequeno número de instituições e de agentes que são quase todos ocidentais e que elegem sempre outros artistas ocidentais antes de escolher aqueles pertencentes a outras partes do globo.

País de residência: a influência crucial do território

21O fenômeno da concentração geográfica, que já é muito pronunciado com relação à nacionalidade dos artistas, fica ainda mais acentuado se considerarmos agora o país de residência, visto que os artistas pertencentes à “periferia” do mundo da arte contemporânea internacional (Quemin, 2002b) tendem a migrar para os países mais centrais em busca da consagração.

22Para investigar isso, decidimos “corrigir” os dados publicados pela Artfacts não mais levando em conta a nacionalidade, mas considerando apenas o país de residência e de criação.

  • 4 Dois artistas se dividem entre seu país de origem e um outro país.

23Resulta desse novo cálculo que, mesmo num momento de suposta globalização, a grande maioria dos artistas mais consagrados no mundo – precisamente aqueles que parecem mais propensos a viajar e deixar seu país de origem – continuam a viver e a criar no país onde nasceram, ou seja, 80% deles4. A errância artística permanente surge, então, como um mito, e nenhum artista, dentre os mais importantes, vive em mais de dois países a longo prazo. Ainda hoje, o ato criativo continua integrado a um determinado território (Quemin, 2006). Mesmo quando os artistas viajam para o exterior, eles continuam a manter um domicílio regular, geralmente situado no país em que nasceram. Entre os 100 artistas mais visíveis do mundo, nada menos do que 96 vivem e criam permanentemente num único país... e apenas quatro ficam entre dois países!

24Além disso, através da análise do país de residência, em vez daquela dos passaportes, foi observada uma diferença de informação em apenas 19 casos. Tal número está longe de ser desprezível, mas o fenômeno só diz respeito a uma minoria. Mesmo quando os artistas se deslocam para participar de um importante centro de criação e de consagração internacionais, eles continuam a viver e a criar, em parte, em seu país de origem. Na verdade, os artistas cuja presença nas listas de classificação é muito improvável em virtude da sua nacionalidade, que pode aparecer aí como muito “exótica”, estão muitas vezes morando já por vários anos no “coração” do mundo da arte contemporânea internacional, ou seja, nos Estados Unidos e em Nova York, em particular, e contribuem para a vitalidade da cena criativa americana enquanto aumentam suas chances de sucesso nesse meio.

25Visto que 21 países diferentes aparecem na lista quando o passaporte e a nacionalidade são considerados pelo ranking da Artfacts, a concentração torna-se ainda mais pronunciada quando são considerados os países de residência, uma vez que os países nos quais vivem os artistas mais consagrados do mundo ficam limitados a apenas 15 nações. Notamos, em particular, que os países não ocidentais tendem a desaparecer quase que por completo.

26Se, novamente, tomarmos a decisão de considerar a participação de cada país no total de pontos acumulados pelos 100 artistas que figuram nos primeiros lugares da lista da Artfacts, obteremos os seguintes resultados: 46,2% para os Estados Unidos (ou seja, cerca de 10 pontos a mais do que quando apenas a nacionalidade era levada em conta), que ficam muito à frente do seu adversário habitual, a Alemanha (18,0%). Esta mais uma vez se distancia confortavelmente do Reino Unido (8,3%), seguido pela França (5,8%), Áustria (5,0%), Suíça (4,0%), Bélgica (1,9%), Holanda e Itália (1,6% cada), Dinamarca (1,3%), Suécia (0,8%), Canadá (2,0%), México (1,0%), Japão (1,3%) e África do Sul (1,4%). Mais uma vez, torna-se necessário enfatizar que os países da Europa Ocidental (na verdade, um número muito reduzido deles) e a América do Norte respondem juntos pela quase totalidade do indicador (96,5%!), ou seja, eles tendem a concentrar praticamente toda a criação contemporânea ao seu mais alto nível de visibilidade e sucesso.

27A nossa abordagem, com foco na dimensão territorial e considerando a influência dos países, mostra que os efeitos dessa concentração são extremamente elevados. Parecem existir países criativos do mesmo modo que há cidades criativas (Florida, 2002), especialmente quando a existência de países criativos é limitada, muitas vezes, à presença de apenas uma cidade criativa, como Berlim, Londres, Paris e, mais ainda, Nova York. Decidimos levar em conta a nacionalidade dos artistas, na medida em que essa é quase sempre a informação fornecida nas listas de classificação, que não mencionam o país e muito menos a cidade em que vivem os artistas. No entanto, a escala das cidades é particularmente relevante e, quando os Estados Unidos, o Reino Unido ou a França são mencionados, trata-se, na realidade, de menção às cidades: Nova York, Londres ou Paris. Na Alemanha, a situação é um pouco mais complexa, uma vez que a cena artística tende a se concentrar menos em Berlim, mesmo que esta cidade tenha consideravelmente reforçado a sua posição de liderança no cenário alemão, já há 15 ou 20 anos. Contudo, não devemos nos esquecer de que cada uma dessas metrópoles, por mais que esteja tão central no cenário nacional e ligada diretamente ao cenário internacional, faz parte de um determinado território e, portanto, permanece diretamente submetida à sua influência, por exemplo, através de uma jurisdição. Embora Nova York seja às vezes descrita como uma “cidade mundial” (global city) (Sassen, 1991), cujos limites se estendem para muito além do território norte-americano, quando se trata de acolher artistas estrangeiros, as leis que se aplicam a estes continuam sendo nada mais do que leis norte-americanas. Nesse sentido, é importante perceber que todas essas cidades, por mais fortemente internacionais e amplamente abertas ao mundo que sejam, constituem-se igual e fundamentalmente como partes do território nacional, como também entidades altamente significativas que sempre formarão os países.

28Não podemos esquecer também que os fluxos migratórios internacionais são muito orientados e fortemente determinados pelas posições ocupadas pelos diversos países no mundo da arte. Na verdade, nenhuma globalização realmente existe se compreendermos por meio desse termo que todas as partes do mundo estão em causa e que os fluxos comerciais são simétricos e não são afetados por efeitos de dominação. O contexto nacional continua a ser particularmente significativo, visto que a maioria dos artistas, em cada cidade, continua a ser de origem nacional, seja porque nasceu naquele local, seja porque veio de outro lugar do país para viver na capital artística nacional a fim de aumentar suas chances de ter acesso ao reconhecimento.

Conclusão

29Os rankings que acabamos de analisar, com vistas a reduzir a incerteza inerente à objetivação das posições relativas dos agentes envolvidos no cenário da arte contemporânea, despertam um interesse geral no mundo da arte, que se estende para além das figuras dos artistas, mesmo que estes sejam os mais afetados por essa tentativa. Não só existem hoje dois grandes sistemas de classificação, o KunstKompass e a classificação da Artfacts, que acabamos de analisar, mas outros também têm surgido, visando objetivar as posições geralmente ocupadas por diferentes agentes do mundo da arte (Quemin, 2013c). O mais famoso desses indicadores é o Power 100, publicado anualmente pela revista britânica ArtReview há mais de 10 anos. Esse ranking pretende identificar e classificar as 100 personalidades mais poderosas do mundo da arte contemporânea internacional, quer se trate de artistas, de “curadores”, de diretores de museus, colecionadores, galeristas, líderes de casas de leilão, críticos de arte, entre outros. A existência desses outros indicadores assinala ainda uma forte demanda social, possivelmente crescente, por classificações dos artistas e também dos demais agentes que atuam no mundo da arte contemporânea e que vão muito além dos próprios criadores, como formulou muito bem Pïerre Bourdieu, ao tentar identificar “qui a créé les créateurs” [“quem criou os criadores”] (Bourdieu, 1993).

30Neste texto, centramos o foco sobre as artes visuais contemporâneas e os “rankings autóctones”, a fim de explorar e objetivar a visibilidade dos artistas. Poderíamos ter escolhido outras áreas artísticas, tais como a gastronomia, que parece ter tido uma evolução semelhante à vivida pelas artes visuais no início do decênio de 1970. Por exemplo, o Guia Michelin foi criado em 1900 como um guia de viagens, turístico e gastronômico, e, em seguida, inúmeros guias de restaurantes surgiram, e, particularmente, o guia Gault Millau, que compete com o Guia Michelin e sua posição como número 1 na década de 1970. No entanto, foi apenas recentemente que surgiram as classificações dos melhores restaurantes e dos melhores chefs do mundo e que muito se desenvolveram, como é o caso da lista anual da revista Restaurant, que existe desde 2002. Porém, já se atribuía, de longa data, notas a restaurantes com o intuito de distinguir os grupos de qualidade comparável e que aparecem nas listas dos melhores estabelecimentos (por exemplo, os 100 melhores). Ainda que esses rankings sejam frequentemente criticados, não devemos subestimar a legitimidade que lhes é acordada hoje em dia. Vale, sobretudo, salientar que o simples fato de que são regularmente compilados e publicados evidencia uma demanda social real. Finalmente, como no caso das artes visuais contemporâneas, esses outros rankings de nível de reputação mostram os fortes efeitos de concentração no que diz respeito à nação e ao território.

Notes

1 “En réalité, on peut trouver dès 1955 un préalable aux classements réguliers des artistes contemporains dans le magazine Connaissance des Arts (créé en 1952). Toutefois, la méthodologie était assez sommaire, beaucoup plus que celle du KunstKompass, et les classements n’ont été publiés qu’à cinq reprises, tous les cinq ans environ” (Verger, 1987). [“De fato, podemos encontrar desde 1955 uma prévia desse tipo de classificação regular de artistas contemporâneos na revista Connaissance des Arts (criada em 1952). Contudo, a metodologia era bastante sumária, bem mais do que essa do KunstKompass, e as classificações só foram publicadas cinco vezes, a cada cinco anos, mais ou menos”] [Nossa tradução]

2 “Nous aurions tout aussi bien pu adopter d’autres angles d’analyse tels que l’impact du genre des artistes ou de leur âge sur leur succès et leur consécration” (Quemin, 2013b). [“Poderíamos ter adotado outros tipos de análise, como o impacto do gênero dos artistas ou de sua idade relativamente ao sucesso e à consagração que alcançaram”]. [Nossa tradução]

3 Ainda que seja teoricamente possível se dirigir ao jornal que publica o KunstKompass para solicitar a metodologia detalhada sobre a qual se baseia, nossos pedidos repetidos foram geralmente ignorados.

4 Dois artistas se dividem entre seu país de origem e um outro país.

Auteur

Professeur en sociologie à l’université Paris-8
Chercheur au Labtop-CRESPPA
Membre honoraire de l’Institut universitaire de France
Germana Henriques Pereira (Traducteur)

Acheter

Volume papier

Chargement

Unavailable