Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Arte e vida social

 | 
Alain Quemin
, 
Glaucia Villas Bôas

Quarta parte. Leituras e leitores

Em busca da leitura perdida? Os adolescentes e a leitura na França atual

Christine Détrez
Traduction de Germana Henriques Pereira

Résumé

As práticas de leitura, para quem deseja estudá-las, podem ser apreendidas por meio de diversas metodologias, nas quais os resultados podem, por vezes, parecer contraditórios. A fim de mostrar a contribuição de cada método, este capítulo se propõe a articular duas pesquisas recentes: uma quantitativa e longitudinal, realizada junto ao Ministério da Cultura, com milhares de adolescentes franceses(as) por cerca de uma década e que enfocava as práticas de lazer da infância à adolescência; e outra, qualitativa, realizada por meio de entrevistas com 60 adolescentes leitores(as) de mangá (bande dessinée). A primeira investigação permite, portanto, apresentar as escolhas de leitura na adolescência e localizá-las conforme o avançar da idade: do collège ao lycée, as práticas de leitura (sobretudo os livros) estão se desintegrando em um contexto de revolução digital e de "cultura juvenil" marcada pela importância da música e convivência amigável. Se as determinações sociais persistem, o clima de desgaste é generalizado.
Porém, a abordagem por entrevistas permite complementar esta conclusão pessimista e questioná-la: por que, dentre tantas oportunidades de opções de lazer disponíveis, os(as) adolescentes continuam a ler e a gostar da leitura? Por esse motivo, a leitura não deve ser tão somente medida em horas de leitura, ou na quantidade de livros lidos, mas sim pelo que ela "faz" aos adolescentes que se dedicam a ela: assim, a leitura é particularmente investida simbolicamente e, em um corpus tão pouco legítimo acadêmica e literariamente como os mangás, traduz-se a riqueza, ainda hoje, das recepções, entre injunções normativas e apropriações. A oferta de mangás apresenta, na verdade, a particularidade de ser segmentada por sexo e por idade. Esta produção particular destaca como a leitura, em geral, é um modo de socialização dos gêneros. Mas nesta autoconstrução como garoto ou garota, há combinações de lógicas de gênero e de pertença social, e repressões (ao padrão) podem ser violentas, fazendo com que sejam estabelecidas diversas táticas para quem não deseja seguir a regra. Além disso, a leitura também oferece a estes adolescentes recursos em relação ao desenvolvimento e à autorreparação. Desse modo, ela é realmente, ainda hoje, um recurso contra a adversidade, que permite, por meio do riso, das lágrimas ou da identificação, torná-los adultos.

Note de l’éditeur

Traduzido do francês por Germana Henriques Pereira.

Texte intégral

  • 1 Ndlt: Título traduzido para o português do Brasil por Em busca do tempo perdido.
  • 2 Ndlt: Título traduzido para o português do Brasil por Crepúsculo.

1Os jovens não leem mais – é o refrão repetido em sondagens de opinião, pesquisas sociológicas e documentários que alimentam pânicos morais e mediáticos quer com a proliferação das histórias em quadrinhos em um passado distante, quer com o advento da televisão mais recentemente, ou hoje com a Internet. Os discursos saudosistas, que ecoam de geração a geração, não questionam nem a transformação do verbo ler em verbo intransitivo nem a existência real de um passado mítico, no qual os adolescentes eram apaixonados pela leitura, como o pequeno Marcel de À la recherche du temps perdu1, que, mergulhado na leitura, deixava transcorrer as horas segundo as badaladas dos sinos de Combray. Na França, no entanto, alguém pode retrucar, séries como Harry Potter ou Twilight2, mas também os romances de Pierre Bottero, de Meg Cabot, e de Timothée de Fombelle, constituem verdadeiros best-sellers apesar de sua crise recente, e isso sem falarmos dos mangás, (Baudot, 2010). Refletir sobre as práticas de leitura durante a adolescência obriga assim a transitar entre duas armadilhas igualmente ameaçadoras: de um lado o catastrofismo misturado de legitimismo; de outro, um utopismo que veria na Internet, ou nas mensagens de texto, o desdobramento suficiente de novas formas de leitura. A fim de se evitar cair, seja na “morte da infância” (Buckingham, 2010), seja no “infantilismo” (Neveu, 1999), é necessário não somente recolocar a leitura no conjunto das práticas culturais e artísticas, mas também conciliar a abordagem quantitativa, capaz de medir as evoluções e as trajetórias com a abordagem qualitativa, focando mais nas riquezas das recepções, com o objetivo de saber não somente se as crianças leem, mas também por que o fazem, e, em último caso, se continuam a ler.

Metodologia das pesquisas

  • 3 Ndlt: Cours préparatoire: classe de alfabetização, Educação Infantil Pré-Escolar, 6-7 anos; é a pr (...)
  • 4 Ndlt: CM2: Cours Moyen deuxième année, aos 10 anos. Corresponde ao 5º ano do Ensino Fundamental.

2Os resultados aqui apresentados originam-se de uma enquete longitudinal realizada pelo Ministério da Cultura e da Comunicação (Octobre et al., 2010), conduzida em quatro etapas sucessivas com um grupo de crianças que acabaram de entrar no cours préparatoire3 (CP), em 1997 (Panel, 1997). As entrevistas foram feitas com questionário autoadministrado nas primaveras de 2002, 2004, 2006 e 2008. As crianças tinham, portanto, 11 anos em 2002 (com exceção daquelas que estavam adiantadas ou atrasadas no CP) e encontravam-se no final do CM24. A pesquisa centrou-se nas práticas culturais das crianças, em seu consumo cultural, seus passeios, mas igualmente no valores que lhes pareciam importantes, suas paixões, os temas de conversa com seus pais e amigos(as), no modo como se percebiam fisicamente, e como se viam frente às dificuldades ou a outras pessoas. Tratava-se assim de avaliar as práticas culturais e de lazer das crianças, de modo a se delinear suas trajetórias durante a adolescência, entre os trajetos em comum e os percursos individuais, e também de inseri-las no cotidiano dessas crianças, tanto em esferas de convivência amigável quanto na família e na escola.

3A segunda pesquisa é qualitativa, realizada por meio de entrevistas com 60 adolescentes leitores de mangás, realizada em parceria com a Biblioteca de Informações Públicas (BPI) do Centro Georges Pompidou em Paris, entre 2008 e 2010. O objetivo era compreender o gosto por essa categoria editorial em plena expansão, enquanto se traçava as trajetórias dos leitores de mangás, rejeitando-se variáveis como idade, sexo, origem social, assim como a socialização, junto aos irmãos, por exemplo. Para permitir rastrear esses percursos, com suas independências e suas inflexões, os adolescentes entrevistados tinham entre 13 e 18 anos.

A leitura: pouca e cada vez em menor quantidade?

4A última edição de Pratiques culturelles des français (Donnat, 2009a) destaca a importância de uma evolução digital, ao ponto de nomeá-la de “r-evolução digital”. Esta é caracterizada, principalmente, pela multiplicidade de equipamentos tecnológicos, o aumento considerável de seu desempenho e no menor custo: em 2008, durante a pesquisa, dois terços dos franceses tinham pelo menos um computador (contra 22%, em 1997) e metade dispunha de uma conexão de Internet de banda larga. As possibilidades oferecidas pelos novos monitores mesclam as fronteiras tradicionais entre atividades culturais e/ou de lazer, que anteriormente supunham que a um tipo de suporte deveria corresponder uma prática ou um lugar: os novos monitores, cada vez mais móveis, combinam textos, imagens e música; misturam consumo, comunicação, mas também produção. Em tal contexto, é a própria organização tradicional de pesquisas sobre as práticas culturais e artísticas que se encontra em situação instável, e por várias razões, quais sejam: como conservar um valor comparativo entre gerações – e os questionários –, apesar de tal reviravolta? Como mensurar os múltiplos usos desses novos monitores? Um declínio das práticas tradicionais (leitura, práticas amadoras, televisão...) corresponderia a um verdadeiro desinteresse por elas ou apenas sua transferência para o meio digital, em que agora podemos ler, assistir a programas de televisão (incluindo aqueles proibidos pelos pais), ouvir música, mas também desenhar, compor, escrever, fazer vídeos, montagens de fotos, clipes, mixagem, etc.? Como, uma vez que essas práticas estão sendo inventadas, podemos medi-las em um questionário em que o princípio de perguntas fechadas supõe terem sido previamente elaboradas? Claude Grignon e Jean-Claude Passeron (1989) já alertaram para o problema dos questionários, que, elaborados por sociólogos dotados de capitais culturais legítimos, devem supostamente reunir práticas culturais, por exemplo, populares, que eles desconhecem. O que dizer, então, de questionários elaborados por adultos para adolescentes? Quais podem ser os efeitos do fortalecimento da prática simultânea ou a alternância das várias práticas até então separadas, tendência que favorece a versatilidade dos novos monitores? O que significa, no âmbito desse novo contexto, ler, escrever, assistir, ouvir, ver, arquivar, visitar etc.? Trata-se de perguntas que constituem o pano de fundo das pesquisas atuais.

  • 5 Ndlt: Primaire: a école élémentaire (école primaire) corresponde aos quatro primeiros anos do Ensi (...)

5A primeira etapa da pesquisa ocorreu em 2002, quando as crianças tinham 11 anos. Nessa idade, 14,5% declararam usar o computador todos os dias. Aos 17 anos, são 69%, mostrando uma tendência que combina, sem dúvida, os efeitos da idade e de geração. O avanço da idade beneficia a reorganização das agendas de lazer e de práticas culturais. Com o fim do primaire5 e a entrada no collège, a criança está no centro de socializações complexas, entre família, escola e colegas, com os quais têm que compor para se construir (Lahire, 2004; Pasquier, 2005). O desafio é, pois, o de se diferenciar dos pais, em uma lógica geracional que envolve uma reivindicação por autonomia, mas também o de se distinguir dos mais jovens, inclusive de si mesmo, ou seja, de se separar dos gostos das crianças que o adolescente já foi um dia. Algumas atividades funcionam como marcadores e transições, que expressam a posição da criança na escala da idade, de modo tanto objetivo (para mudar as práticas) quanto subjetivo; o desafio é ser grande simbolicamente. Isso se traduz muito claramente pelo abandono das atividades da primeira infância e adesão às atividades-chave da adolescência: a música, o computador e os amigos.

Tabela 1. Consumo cultural e de avanço da idade (%)

Atividades/Idade 11 anos 13 anos 15 anos 17 anos
Assistir à televisão todos os dias. 81 79,5 78,5 66
Ouvir música todos os dias. 37 36 57,5 68,5
Ouvir rádio todos os dias. 35 43,5 50,5 46,5
Ler livros todos os dias. 33,5 18 14 9
Praticar esportes todos os dias. 22 22,5 21 17,5
Jogar videogame todos os dias. 21,5 22 20 16,5
Jogar outros jogos todos os dias. 20,5 7,5 2,5 1,5
Ler quadrinhos todos os dias. 20,5 13,5 8,5 5.5
Ler jornais, revistas todos os dias. 15,5 12 9,5 10
Usar um computador todos os dias. 14,5 26 57 69
Praticar uma atividade artística. 42,5 51 42 39
Escrever um diário. 33,5 34 28 22

Base: todas as crianças.
Nota: Os itens são classificados em ordem decrescente de porcentagem aos 11 anos. Foram colocados os consumos e práticas cotidianas no início, e a prática artística e a escrita foram colocadas no final, porque se trata de respostas "sim" sem precisão de frequência.

6Como outras pesquisas demonstraram, com o avançar da idade, as crianças leem cada vez menos, quer se trate de livros, de quadrinhos, e, em menor medida, de jornais ou de revistas (Singly (de), 1999). A leitura é, portanto, abandonada, bem como jogos e televisão, na adolescência, em oposição aos esportes e às atividades amadoras, que mantêm um lugar relativamente estável nas agendas de lazer do final da infância ao final da adolescência, e, especialmente, em contraste com o computador e a música, atividades que devem ser adicionadas à convivência amigável; 33,5% das crianças dizem ler um livro todos os dias aos 11 anos, e apenas 9% declaram essa prática seis anos depois.

7A diminuição de parte dos leitores assíduos é acompanhada por uma progressão muito acentuada da categoria de não leitores, independentemente do tipo de leitura. Se, aos 11 anos, 14,5% dizem que nunca ou quase nunca leem um livro, seis anos mais tarde, eles se tornam 46,5% a demonstrar seu desinteresse, o que afeta todas as crianças e adolescentes, com diferenças de amplitude conforme suas características sociais. As meninas certamente ainda superam seus colegas masculinos em ler livros todos os dias, mas elas também se afastam dessa atividade. Aos 11 anos, 10,5% declaram nunca ler livros, e 37,5% declaram ler todos os dias ou quase (contra, respectivamente, 18,5% e 30% dos meninos). Aos 17 anos, 33,5% das meninas se declaram não leitoras de livros (contra 59,5 % dos meninos) e 12,5% são leitoras cotidianamente (contra 6% dos meninos). A mesma divisão de gênero afeta as revistas, com 32% dos meninos que nunca leram aos 11 anos, contra 22% das meninas, e 34% e 26% aos 17 anos, respectivamente. Por outro lado, essa distribuição é invertida com os quadrinhos, gênero de leitura mais popular entre os meninos do que entre meninas, desde os 11 anos: 15,5% dos meninos e 27% das meninas dizem que nunca leem esse gênero, ao passo que 27,5% dos meninos e 13% das meninas dizem que são leitores(as) cotidianamente. Aos 17 anos, a diminuição dos leitores de quadrinhos não afeta essa distribuição, com 54% dos meninos e 70% das meninas que nunca leem, enquanto 7,5% e 3,5%, respectivamente, declaram ler todos os dias ou quase. Da mesma forma, as leis da reprodução social e cultural permanecem com uma regularidade que não deve deixar de ser mencionada, dada a possibilidade de se acostumar com o que está se tornando óbvio. São as crianças oriundas dos meios privilegiados que leem mais do que as outras, independentemente da idade, e a redução progressiva por parte dos leitores assíduos de livros foi particularmente importante entre aqueles cujo pai não exerce uma atividade profissional.

Tabela 2. Leitura de livros conforme a origem social e o avançar da idade

  11 anos 17 anos
  Nunca lê Lê todos
os dias
Nunca lê Lê todos
os dias
Agricultores 20,5 33 48,5 7,5
Artesãos, comerciantes, empresários 13,5 33,5 43 10,5
Executivos e profissões intelectuais superiores 11 43,5 31,5 16,5
Profissionais de nível intermediário 12,5 37,5 43 10,5
Funcionários 14 31 50,5 9,5
Trabalhadores 16 29 53,5 5,5
Sem atividade profissional 21 37,5 55 1,5

As leituras, os leitores...

8Ao se observar os números acima listados, a evolução é bem desoladora. Sem se questionar essa baixa tendência da frequência de leitura e da quantidade dos leitores, nota-se que a leitura, apesar de tudo, continua a ocupar um lugar importante para aqueles(as) que continuam a ler. Dessa forma, foi pedido às crianças para imaginar que elas não poderiam executar uma determinada atividade e dizer se achavam que essa atividade lhes faria falta (não, um pouco, muito). A questão do apego à prática permite qualificar, assim, a simples medida quantitativa do lugar ocupado na agenda de lazer: mesmo que a proporção de leitores de livros caia, a quantidade daqueles para quem essa atividade faria muita falta se não pudessem praticá-la permanece estável, indicando, desse modo, a sua importância na elaboração subjetiva das crianças leitoras, com o avançar da idade. Assim, os leitores de livros que consideraram impossível não ler mais são muito mais numerosos do que os telespectadores confrontados com a ideia de não poderem mais assistir à televisão. Os livros, neste retrato de si mesmo como adolescente, também são bem mais marcados emocionalmente do que os quadrinhos ou as revistas: em um universo de referências juvenis, no qual o esporte, as atividades artísticas amadoras, a música e o computador se tornam o centro das atenções, os livros constituem uma aposta segura para duas em cada cinco crianças. Do mesmo modo, a grande maioria dos leitores, independentemente de suas condições sociais, relatam ter relaxado com o último livro lido, como é o caso de mais de 90% das crianças, quer seja aos 11, 13, 15 ou 17 anos.

Tabela 3. Forte apego e o avançar da idade (%)

Atividades 11 anos 13 anos 15 anos 17 anos
Esporte 74 75 76,5 73,5
Atividade artística amadora 52 51 61 66,5
Livros 44 38,5 39,5 41,5
Videogame 40,5 44 43,5 38,5
Música 38,5 43 62,5 73,5
Computador 31,5 43 68,5 76
Jornais, revistas 31 26,5 20 18,5
Televisão 30,5 31 34 26,5
Quadrinhos 25,5 26,5 27 28
Outros jogos 25 19,5 15,5 15,5
Rádio 19,5 28,5 36 34
Diário np 27,5 33,5 38

Base: para cada atividade, frequência de ao menos uma vez por mês.
Manteve-se aqui as respostas "isso me fará muita falta" para a questão do apego.
np: pergunta não realizada

  • 6 NT: série Cherub, no Brasil publicada com o mesmo título.
  • 7 NT: série La Guerre des clans, no Brasil publicada com o título “Gatos guerreiros”.
  • 8 Se a lealdade do leitor ou da leitora a um personagem não é novidade, o número de páginas de cada (...)
  • 9 O humor pode até mesmo ser visto como uma porta de entrada na apropriação de novas mídias: mensage (...)
  • 10 Para essa faixa etária, se constata uma taxa significativa de não resposta (18%). Excluindo as não (...)
  • 11 Do mesmo modo, títulos preferenciais até os 13 anos, Asterix e Obelix, ou Boule et Bill, diminuem (...)

9Qual é então o universo da leitura destas crianças que se tornam adolescentes? A popularidade das séries – das quais Harry Potter é a mais célebre – é evidente e reflete a importância de reencontrar o mesmo personagem e até mesmo de crescer com ele. Os editores compreenderam esse fato, uma vez que, de Cherub6 à coleção La Guerre des clans,7 passando por Tara Duncan, Peggy Sue ou Twilight, não cessam de multiplicar os tomos volumosos das séries que desenrolam as aventuras de um herói ou de uma heroína.8 Paralelamente a essas séries indispensáveis, dois gêneros, aparentemente opostos, parecem característicos do collège: os romances de terror e os de humor. Embora a importância do humor na pré-adolescência seja destacada por psicólogos e psicanalistas (Kameniak, 2009), ele é ainda muitas vezes o grande esquecido dos estudos sociológicos9. Titeuf é o quadrinho mais citado espontaneamente até aos 13 anos e depois diminui (23% aos 13 anos, então 11% aos 15 anos10, e 6% aos 17, sem distinção entre meninos e meninas)11.

Tabela 4. Tipos de livros amados com o avançar da idade (%)

  • 12 Ndlt: série “Chair de poule”, publicada no Brasil com o título original “Goosebumps”.
Gêneros de livros 11 anos 13 anos 15 anos 17 anos
Séries (Harry Potter...) 52,5 55,5 53,5 46,5
Romances de aventura, de ação 37 47 49 41
Quadrinhos 35 36,5 31 26
Histórias, contos e lendas 34,5 23 18,5 20
Histórias de terror
(coleção “Chair de poule”12...)
32 35 23,5 16,5
Romances policiais 19,5 34 37,5 35, 5
Romances de ficção científica 14 24,5 31,5 28,5
Romance de amor 10,5 17,5 30 35
Livros em que o herói é você
(livro-jogo).
10 11 8 4
Romances históricos 9 14 24 22,5

10Além dessa classificação de gêneros favoritos, as crianças foram convidadas a indicar o título do último livro lido. Ao longo das edições, é surpreendente que a proporção de crianças que lembram um título, mesmo entre os leitores, diminui: aos 11 anos, 6,5% dos leitores não citaram o título, um número que sobe para 19,5% dos adolescentes leitores aos 17 anos...

11A leitura da lista dos títulos mostra a extrema dispersão de respostas, que tem aumentado, uma vez que 38,5% das crianças leitoras aos 11 anos citam um dos títulos pertencente a um rol dos 20 títulos mais citados. Aos 17 anos, são apenas 14% a se referir a títulos que constam na lista.

Tabela 5. A lista

  • 13 Ndlt: Publicado no Brasil com o título O código da Vinci.
  • 14 Ndlt: obra publicada no Brasil com o título O caso dos Dez Negrinhos.
  • 15 Ndlt: Publicado no Brasil com o título As crônicas de Nárnia.
  • 16 Ndlt: série publicada no Brasil com o título O Senhor dos Anéis.
  • 17 Ndlt: Publicado no Brasil com o título Desventuras em série.
  • 18 Ndlt: Publicado no Brasil com o título A irmandade das calças viajantes.
  • 19 Ndlt: Publicado no Brasil com o título O perfume.
  • 20 Ndlt: Publicado no Brasil com o título O livro das sombras.
  • 21 Ndlt: Publicado no Brasil com o título O diário de Anne Frank.
  • 22 Ndlt: Publicado no Brasil com o título O estrangeiro.
  • 23 Ndlt: Publicado no Brasil com o título Enfim, juntos.
  • 24 Ndlt: Publicado no Brasil com o título Os cinco.
  • 25 Ndlt: Publicado no Brasil com o título Fronteiras do universo.
  • 26 Ndlt: Publicado no Brasil com o título O caso dos dez negrinhos.
  • 27 Ndlt: Publicado no Brasil com o título Meus amigos, meus amores.
  • 28 Ndlt: Publicado no Brasil com o título O diário da princesa.
  • 29 Ndlt: Publicado no Brasil com o título O livro das estrelas.
  • 30 Ndlt: Publicado no Brasil com o título A espuma dos dias.
  • 31 Ndlt: Publicado no Brasil com o título O pequeno príncipe.
  • 32 Ndlt: Publicado no Brasil com o título O corcel negro.
  • 33 Ndlt: Publicado no Brasil com o título A saga Otori.
  • 34 Ndlt: Publicado no Brasil com o título E se fosse verdade...
  • 35 Ndlt: Publicado no Brasil com o título Buffy – a caça-vampiros.
  • 36 Ndlt: Publicado no Brasil com o título Lua nova.
  11 anos   13 anos   15 anos   17 anos
Harry Potter 20,6 Harry Potter 15 Harry Potter 7,4 Harry Potter 4.1
Titeuf 4,4 col. “Chair de poule” 2.4 Da Vinci code13 2,3 Literatura clássica 3.7
col. “Chair de poule” 2,2 Le Seigneur des Anneaux 1,1 Eragon 1,5 Eragon 0,6
Tom-Tom et Nana 1,6 Agatha Christie (sem os Dix Petits Nègres14) 0,8 Le Monde de Narnia15 1,2 Gossip Girl 0,5
Le Seigneur des Anneaux16 1,3 Les Orphelins Baudelaire17 0,7 Quatre Filles et un jean18 0,9 Le Parfum19 0,5
Asterix 0,9 Charmed20 0,6 Le Journal d’Anne Frank21 0,7 L’Étranger22 0,5
Sabrina 0,9 Grand Galop 0,5 Stephen King 0,6 Ensemble, c’est tout23 0,4
Le Club des cinq24 0,7 Peggy Sue 0,5 Le Seigneur des Anneaux 0,6 Eclipse (série Crepúsculo) 0,4
Charlie 0,7 Heartland 0,5 col. “Chair de poule” 0,6 Les Chevaliers d’Émeraude 0,4
Tintin 0,7 Quatre Filles et un jean 0,4 Desventuras em série 0,5 Mary Higgins Clark 0,3
Peggy Sue 0,7 À la croisée des mondes25 0,4 L’Ainée 0,5 Le Seigneur des Anneaux 0,3
Alice 0,6 Charlie 0,4 Literatura clássica 0,5 L’Herbe bleue 0,3
Boule et Bill 0,6 Sabrina 0,4 Dix Petits Nègres26 0,4 Mes amis, mes amours27 0,3
Cédric 0,5 Journal d’une princesse28 0,4 La Quête d’Ewilan 0,4 Cyrano de Bergerac 0,3
Dragon Ball Z 0,5 Le Livre des étoiles29 0,4 Arthur chez les Minimoys 0,4 L’Écume des jours30 0,3
Le Petit Prince31 0,5 Dix Petits Nègres 0,4 Gossip Girl 0,4 Da Vinci code 0,3
Grand Galop 0,4 L’Étalon noir32 0,3 Agatha Christie (sem Dix Petits Nègres) 0,4 La Consolante 0,3
Fantômette 0,3 Double Meurtre à l’abbaye 0,3 L’Herbe bleue 0,4 Le Clan des otaries33 0,2
Gaston 0,3 Artemis Fowl 0,3 Asterix 0,3 Et si c’était vrai34 0,2
Buffy contre les vampires35 0,2 Le Club des cinq 0,3 Charmed 0,3 Tentation36 0,2

Base: adolescentes que leem e citam um título do último livro lido.
Os títulos foram expressos por crianças que responderam aos questionários.

  • 37 A questão afirmou: “fora os quadrinhos e aqueles que devem ser lidos para a escola”: a lista de tí (...)

12Se alguém se interessar particularmente pelo título do último livro lido por crianças da pesquisa, sem grande surpresa, o único título que realmente reúne leitores aos 11 anos é Harry Potter37. Mensura-se ainda melhor o incrível sucesso desse livro durante os anos do collège ao se observar a diferença que o separa, nesse período, da resposta seguinte. A lista permite especificar as evoluções já perceptíveis com os gêneros de livros lidos: os títulos característicos da infância desaparecem pouco a pouco, bem como os títulos relacionados aos programas de televisão (Sabrina, Charmed, Grand Galop, Buffy contre les vampires, Dragon Ball Z). A presença de determinados títulos clássicos nas leituras das crianças de hoje, mesmo em proporção bastante reduzida, é notável, de Fantômette a L’Herbe bleue, passando por romances policiais de Agatha Christie. Finalmente, a literatura clássica, citada como tal, aparece a partir dos 15 anos – marca de uma obrigação escolar: os títulos e os autores não parecem existir por si mesmos, mas são representativos apenas como elementos desse gênero, ao contrário de Stephen King, Agatha Christie ou Mary Higgins-Clark, que funcionam como selos em substituição aos títulos. A lista dos últimos livros mais lidos por adolescentes mais velhos mistura, assim, os best-sellers gerais, de Anna Gavalda, Marc Lévy ou Da Vinci code, os romances policiais (Higgins-Clark), os títulos de literatura fantástica ou do gênero fantasia (Stephenie Meyer e a fantasia heroica), os clássicos da literatura e o gênero chick-lit I [literatura para garotas], das quais Gossip Girls, derivada de uma série de televisão, seria um exemplo.

Mas por que eles leem?

13Se os discursos focam no declínio da leitura, poder-se-ia inverter a pergunta: em um mundo onde tudo parece tecnicamente mudar tão rápido, por que, finalmente, alguns adolescentes continuam a ler e a gostar de ler? São as chamadas pesquisas de recepção que permitem melhor restaurar um pouco dessa paixão pela leitura e pela necessidade de ler, existente ainda hoje para alguns adolescentes. Para quem se interessa na França pelas práticas de leitura durante a infância, os mangás são, obviamente, uma das produções editoriais contemporâneas especialmente interessantes. A França é, de fato, o segundo país do mundo no consumo de mangás, após o Japão. Mesmo após os anos de forte aumento do número de lançamentos e do número de editoras se posicionando no campo dos mangás, percebe-se uma certa desaceleração nos últimos anos (Piault, 2010, p. 68); em 2010, os quadrinhos traduzidos do japonês, do coreano e do chinês ainda representavam 38,76% da produção das novidades do setor de quadrinhos, mais de um quarto do faturamento.

14Quais são as razões para esse sucesso? Em primeiro lugar, a leitura do mangá, seu formato, sua periodicidade e sua organização (por série, episódios narrativos, volumes, etc.) se encaixa nos horários dos adolescentes. Lido durante o trajeto do ônibus, na hora de descanso, nas aulas em que se entediam, o mangá também é livro de cabeceira: a importância da prática de releitura – de uma página favorita, de uma passagem emocionante, ou a releitura de uma série inteira antes do lançamento do novo volume – é muito marcante para a maioria dos adolescentes pesquisados.

  • 38 Eric Maigret (1999) observa que os mangás permitem um jogo de distinção intergeracional e “fornece (...)
  • 39 Ndlt: 2de –Seconde. É o primeiro ano do lycée, cursado aos 15 anos. Corresponde ao 1º ano do Ensin (...)
  • 40 “Au début ça me… ça me disait pas trop, et puis un jour il m’a dit… il m’a donné le 1, il m’a dit (...)
  • 41 Ndlt: Terminale S. É o último ano do lycée, cursado aos 17 anos. Corresponde ao 3º ano do Ensino M (...)

15Em tempos de Internet e das redes sociais, ler permite ainda tecer a sociabilidade com os seus pares: a leitura está presente no cotidiano dos adolescentes, especialmente por meio de discussões, nos conselhos, nas trocas (que, muitas vezes organizadas em rede, por exemplo, permitem acompanhar várias séries de uma vez, devido ao número de volumes de cada série e ao custo de um volume), na criação de páginas especializadas e de blogs e na elaboração de referências comuns, um tipo de bagagem cultural geracional: os títulos de mangás mais populares, como Dragon Ball, Naruto, One Piece, Nana, Death Note, definem os contornos de uma cultura juvenil comum que pode assim proporcionar os benefícios simbólicos de uma integração nos grupos de colegas, longe das determinações identitárias familiares38. A força dessa socialização dos colegas em torno da leitura, se ela tem as suas vantagens, pode, contudo, se revelar extremamente coercitiva. Dominique Pasquier (2005) demonstrou isso com o exemplo do incentivo para que se aprecie o rap. Assim, Hugo (15 anos, 2de 39, pai professor de história e geografia, mãe enfermeira) é o último de seu grupo de amigos a começar a ler mangás, para poder participar das conversas, praticamente obrigado e forçado, mesmo que apenas materialmente. Seu amigo o aconselhou a ler One Piece: “No começo eu... eu não tinha vontade, e então um dia ele me disse... ele me deu o 1, e ele disse para eu ler, eu li”40. Para Maeva (18 anos, Terminale S41, pai eletricista, mãe contadora) a leitura de mangás reflete também a força prescritiva das discussões entre os pares e, talvez, o risco de ostracismo que incide a quem resiste, mesmo que pela exclusão de uma parte da sociabilidade cotidiana:

  • 42  — C’est vrai que j’ai des amis qui lisent des mangas et pas d’autres. C’est un sujet de discussion (...)

— É verdade que tenho amigos que leem mangás e nada mais. É um assunto da conversa, então isso pode afastar quem não conhece o assunto quando estamos conversando. Se não leem vão se sentir um pouco...
— E o que você faz nesses casos?
— Bem, mudamos de assunto! Ou tentamos fazer com que a pessoa leia. Se é uma pessoa que realmente não gosta de mangás, é claro que não vamos forçá-la... Mas continuaremos a falar sobre isso.42

  • 43 Ndlt: 3e – Troisième. É o último ano do collège, cursado aos 14 anos. Corresponde ao 9º ano do Ens (...)
  • 44 Encontraremos o mesmo em romances de Murakami (por exemplo, Kafka sur le rivage), dessas cenas ond (...)
  • 45 Ndlt: 1re S – Premier. É o penúltimo ano do lycée, cursado aos 16 anos. Corresponde ao 2º ano do E (...)
  • 46 “dans les séries d’aventures, il y a aussi besoin d’humour, sinon après, ça devient un peu monoton (...)
  • 47 Ndlt: 1re L – Premier. É o penúltimo ano do lycée, cursado aos 16 anos. Corresponde ao 2º ano do E (...)
  • 48 “c’est tellement facile de pleurer que ce n’est même pas drôle.” [Nossa tradução]
  • 49 “tous les mangas les plus beaux, c’est ceux qui font pleurer à la fin.” [Nossa tradução]
  • 50 Ndlt: 1re pro – Premier. É o penúltimo ano do lycée, cursado aos 16 anos. Corresponde ao 2º ano do (...)

16Mas a leitura dos mangás, para estes fãs, não é apenas uma condição necessária para discutir com amigos, especialmente porque, como evidenciado por Éric Maigret, muitos são os estudantes que, de qualquer maneira, não leem. O que os adolescentes nos contam são histórias de riso, durante as quais eles “rolam de rir” – nas palavras de Nayir (16 anos, 3e43, pai motorista de entrega, mãe faxineira) –, devido a esses heróis desajeitados que tropeçam, que colidem em postes durante suas corridas frenéticas, ou que, mais prosaicamente, são traídos em sua nobre busca pelas necessidades corporais: a escatologia e a sexualidade são temas ricos para as piadas que nos contam, sem ser capaz de parar de rir, novamente44. Mas o riso é um negócio sério, principalmente quando se é adolescente. Serge Tisseron (1987) faz do humor uma das chaves para a compreensão do gosto dos adolescentes pelos quadrinhos em geral, que, segundo ele, permite lidar com a ambivalência e a separação. Assim, o bom mangá é aquele que vai conciliar ação e humor, e como afirmou Alexandre (17 anos, 1re S,45 pais professores do Ensino Fundamental), “na série de aventuras, há também a necessidade de humor, caso contrário, fica um pouco monótono”46. História que faz rir, mas também que faz chorar: esta outra forma de leitura participante, que envolve reações físicas, é recorrente nas entrevistas. Afirmada e endossada pelas meninas, a declaração de Alexandre é também partilhada pelos meninos, mas em menor grau, uma vez que, obviamente, segue as normas sociais de masculinidade. A morte de um personagem é assim vivida de modo emocional, e chorar faz parte do prazer, como afirmado por Marianne (16 anos, 1re L47, pais funcionários), para quem “é tão fácil chorar que não tem nem graça mais”48, ou como evidenciado por Nabil (18, Terminale S, pai funcionário, mãe auxiliar de escola maternal), que se lembra de ter chorado e disse que “foi bom”. Leila (15 anos, 2de, pai desempregado, mãe auxiliar de serviços), que adorava Radojo, ficou “chocada” com a sua morte e acha que, depois disso, “ficou uma sensação de vazio”. Moussa (18 anos, Terminale S, pai médico, mãe farmacêutica) constatou que “todos os mangás, os mais bonitos, são aqueles que fazem chorar no final”49. Majdi (19 anos, 1re pro50, pai motorista, mãe dona de casa) ficou “em depressão por 15 dias” após a morte de sua heroína favorita.

  • 51 “A oferta editorial separa os mangás conforme o público-alvo: shojo para as meninas, shonen para o (...)

17Para esses adolescentes leitores de mangá, ler os mangás em geral e tal título, em especial, proporciona também recursos identitários, especialmente porque essa leitura lhes permite dizer e agir conforme sua idade e sua geração (Maigret, 1999). Ler mangás, na verdade, os distancia dos pais (muitas pessoas nem sequer pensam em fazer os pais ler esse material sob o pretexto de que eles são “muito velhos” para compreender ou simplesmente para dominar a competência técnica do sentido de leitura japonês), e os aproxima dos colegas. Mas as diferenças se reproduzem em várias faixas etárias e nas fronteiras tão sensíveis entre a infância e a adolescência: parar de ler Naruto, por exemplo, separa infância e eu-criança, para se amadurecer ao ler outros títulos na adolescência. Selecionar e expor a leitura de um gênero editorial em especial51 permite, por outro lado, contribuir para o desenvolvimento da identidade de gênero.

  • 52 Ndlt: Terminale. É o último ano do lycée, cursado aos 17 anos. Corresponde ao 3º ano do Ensino Méd (...)
  • 53 Je sais pas pourquoi tout le monde me détestait et j’ai jamais su pourquoi. On se moquait de moi à (...)

18As observações dos adolescentes também demonstram como, ainda hoje, a leitura pode ser um recurso contra a adversidade, como bem mostrado por Michèle Petit (2008). Assim, as analogias não se criam a partir de um traço de caráter ou de um aspecto físico, mas a partir da experiência, muitas vezes dolorosa, atravessada no território da amizade, sentimental ou familiar. Alguns relacionam diretamente um episódio ou uma série que os tocou com um elemento biográfico. Para outros, as ligações surgem devido a uma alusão, ou a um silêncio constrangedor que sugere dores mal cicatrizadas. Assim, Fatou, 24 anos, que decidiu retomar seus estudos e está na Terminale52, permanece bastante reservada com relação a seu percurso biográfico. Mas o fervor que ela demonstra ao explicar a sua paixão por Paradise Kiss ou Mademoiselle Oishi, especialmente pela heroína que retorna após anos de peregrinação e retoma seus estudos, assim como suas frases deixadas em suspenso sobre a necessidade de continuar seu caminho, de fazer seu luto, deixam entrever princípios de identificação que não se resumem simplesmente à retomada dos estudos. Hacine (15 anos,3e, pai diretor de uma empresa têxtil, mãe dona de casa), graças à leitura de Naruto e à identificação com o personagem principal, conseguiu suportar ser, como o herói, condenado ao ostracismo e ser ignorado no pátio da école primaire. É com emoção e gratidão que ele evoca esse título, graças ao qual, no collège, ele finalmente conseguiu fazer amigos, também leitores de Naruto. Hacine ficou muito orgulhoso de poder organizar, na página do Facebook que ele dedica à sua série favorita, encontros “de verdade”, com mais de 50 pessoas. Océane (15 anos, 3e, pai eletricista, mãe dona de casa) realiza ela mesma essa aproximação entre a experiência pessoal e o universo ficcional do mangá Fruits Baske, no qual Kissa é rejeitada pelos colegas de classe: “Eu não sei por que todo mundo me odiava e eu nunca soube o motivo. Eles riam de mim por causa do meu corte de cabelo e coisas assim. E em Fruits Basket, a história de Kissa era muito triste, isso me lembrou muito [...]”53. Outro, de pai ausente, menciona apenas os heróis abandonados pelo pai.

  • 54 Ndlt: 1re année IUT chimie – (IUT: Instituts Universitaires de
  • 55 “Tiens, ça, ça pourrait aller avec ce genre d’anime, ou ça collerait bien avec ce passage.” [Nossa (...)

19Finalmente, uma das chaves para compreender o gosto pela leitura graças aos mangás é, sem dúvida, a sua integração numa rede de outras práticas: na indústria da mídia japonesa, o mangá é, de fato, um elemento de uma constelação mais ampla que engloba os desenhos animados, os bonecos e os produtos derivados, mas também a música (com bandas covers e os grupos de J-pop e J-rock ligados a ele) e os estilos de roupas (a lolita doce e a lolita gótica, por exemplo). Mas a leitura dos mangás também tem incentivado outras práticas culturais e artísticas: Arthur (18 anos, 1re année IUT chimie54, pai executivo de vendas, mãe contadora) realiza AMV (Anime Music Video, videoclipes amadores) a partir de extratos de desenhos animados japoneses e de títulos de música. Ele colocou também no site Dailymotion os clipes feitos a partir do Full Metal Alchemist, em cima de uma música do grupo americano Sum 41, tentando respeitar a “sincronização”. Quando ouve uma “boa música”, Arthur frequentemente pensa: “Isso poderia combinar com este tipo de animê, ou isso se encaixaria bem com essa passagem da história”55. Mesmo que pense que não é necessário ter habilidades específicas, sua descrição mostra bem como o conceito de “facilidade” é relativo:

  • 56 “On a un logiciel, on importe le fichier vidéo, on fait des découpages... Après, on utilise des ef (...)

Temos um programa, importamos o arquivo do vídeo, fazemos os cortes... Depois, usamos efeitos de sobreposição, de transição, de flashes. Mudamos as cores, coisas desse tipo. Depois, é sobretudo saber como usar o programa em si, mas por outro lado não há competências especiais para isso.56

  • 57 NT: Terminale STI (STI –Sciences et Technologies Industrielles). É o último ano do lycée, cursado (...)
  • 58 “[…] elle peut rien dire, vu que c’est de la couture.”
  • 59 Catherine Monnot (2009) mostrou como, no final do primaire, as meninas imitam durante a recreação (...)

20Muitas são as pessoas para quem a leitura dos mangás faz parte da era digital, seja por meio de ações (buscar nos computadores a digitalização dos mangás ainda não publicados na França, por exemplo) ou na participação em fóruns ou blogs. Mas as práticas podem ser mais tradicionais: Annabelle (16 anos, 1re S, pais executivos) e Ariane (16 anos, Terminale STI57, pai metalúrgico, mãe secretária) gastam todo seu tempo livre costurando os seus trajes para o próximo cosplay (convenções onde os fãs se fantasiam). Ariane colocou até mesmo seu pai na função de fabricar uma espada. Quanto à Annabelle, esta atividade suscita a zombaria de seus colegas, para quem “costurar parece coisa do tempo da vovó”, mas tem a vantagem de não ser desaprovada por sua mãe: “[...] ela não pode dizer nada, já que se trata de costurar”.58 Esta prática de cosplay, em nossa pesquisa, é um fato exclusivo das meninas, e se alguns meninos riem e veem nisso um comportamento “fanático” estigmatizado só por se tratar de meninas, a observação de Madji explicando que ele amaria, mas que ele “ainda não se atreve”, sugere que na adolescência pode ser mais difícil para um menino valorizar seu corpo do que para uma menina – para quem o corpo é o objeto de socialização, especialmente pela imitação de cantoras.59 Isso pode explicar também o envolvimento dos meninos pelos mangás nas práticas de se fantasiar e de se esconder por meio de um avatar, com o RPG. O RPG, acrônimo de Role Playing Game, refere-se a uma categoria de jogos de vídeo em que é preciso encarnar os personagens num sistema de escrita interativa num fórum específico, de acordo com um princípio bastante próximo dos jogos de encenação. O RPG é também o equivalente a uma prática quase exclusivamente feminina: a escrita de fanfiction (Francis, 2009). As fanfictions consistem na escrita de roteiros de mangás, a partir de uma série existente ou de um personagem. Eles podem então ser postados em blogs ou em fóruns especializados ou em páginas pessoais. Várias leitoras entrevistadas, como Estelle (17 anos, Terminale S, pai bancário, mãe enfermeira escolar), “postaram” suas fanfictions em um site (fanfiction.net ou fanfiction.fr); outras, como Maria (14 anos, 3e, pai contador, mãe faxineira), se contentam em escrevê-las em um caderno ou mesmo imaginá-las. Caroline (14 anos, 3e, pai comerciante, mãe funcionária) não as publica, mas faz seus amigos lerem. Estelle as publica às vezes:

  • 60  — Tu les publies sur Internet? — Ça arrive, plutôt quand j’étais contente de ce que j’écrivais. La (...)

— Você as publica na Internet?
— Acontece, principalmente quando eu fico bastante satisfeita com o que escrevi. A última que publiquei no site fanfiction.net deu muito certo, o que me surpreendeu bastante. Eu acho que eu não estou longe de ter 50 comentários, e todos dizem que gostaram bastante, que acharam muito engraçado. É sempre bom! Foi na série D.Gray Man. Mas como tenho muitos amigos que fazem este tipo de coisa, geralmente trocamos conselhos.
— E você acha que fez progressos?
— Sim, porque quando releio o material que escrevi, eu digo, nossa..., e fui eu quem escreveu isso.60

21Se a escrita de fanfiction é geralmente mais representativa entre as meninas, ela acontece segundo categorias muito codificadas: a escrita de ficção yaoi ou slash. O yaoi é um gênero editorial que parece os mangás escritos por mulheres para um público feminino, e que apresenta relações homossexuais masculinas. Se as meninas, especialmente de meios privilegiados, amam esses mangás, principalmente porque eles permitem o acesso ao romântico sem o estigma do shojo, considerado muito simplório (Francis, 2010), representa também o principal tabu entre os meninos entrevistados, que manifestaram uma rejeição muito forte a isso. Estelle escreveu três histórias baseadas em Tsubasa Reservoir Chronicle e D.Gray Man. Estas três histórias amadoras são classificadas como T, isto é, não são adequadas às crianças (o site segue as classificações de segurança americanas), e estão inscritas no gênero “romântico”. Estelle afirma, sobre Artificial Love – fanfiction, que criou uma relação amorosa entre os dois personagens masculinos Kanda e Lavi, herói de D.Gray Man:

  • 61 Cette fic est un yaoi: C’est-à-dire quelle met en scène des couples dont les deux protagonistes so (...)

Esta fic é um yaoi: Isso quer dizer que ela tem casais em que ambos os protagonistas são homens! Se você não gosta, não leia! O casal principal é LavixKanda, e eu certamente gostaria de acrescentar alguns AllenxLenalee. Se esses casais não lhes agradam, basta clicar imediatamente em “Retornar à página anterior”.61

22Por fim, e de forma consensual, a leitura de mangás, para a maioria dos adolescentes, acompanha a prática do desenho: ora, a prática tradicional do desenho, nas pesquisas, diminui no final do primaire. É impressionante ver como, ao contrário, até mesmo os estudantes apaixonados por mangás continuam a desenhar. Esta é também toda uma categoria editorial que pode se apoiar nesse gosto por desenho: de fato, os artbooks são livros dedicados a um determinado desenhista, e há uma série de manuais para se aprender a desenhar, especializados em personagens de shonen, de shojo, etc.

23Assim, durante a adolescência, as crianças leem cada vez menos, conclusão implacável e inevitável das pesquisas quantitativas. Mas quando pedimos a elas para imaginar as duas atividades de que sentiriam falta caso fossem privados delas, as práticas amadoras e a leitura, por exemplo, estão à frente da televisão. O desvio pelas abordagens qualitativas permite considerar que, ainda hoje, não se dá importância à leitura de um(a) adolescente. Rir, chorar, consertar as falhas e mágoas, tornar-se si mesmo enquanto se sonha ser um(a) outro(a)... A leitura, mesmo na era digital, continua a alimentar o imaginário e a nutri-lo diariamente. Além disso, longe de ser por natureza uma contradição dessa modernidade da informática contra a qual é muitas vezes oposta, ela pode encontrar o seu lugar na constelação de interesses que se ampliam. Certamente, há mais probabilidade de que os adolescentes tenham o coração acelerado ao ler um mangá ou o último livro de Twilight ou Harry Potter do que ao ler Balzac ou Zola. Pode-se lamentar ou celebrar o fato de que ainda hoje ler ajuda a crescer.

Notes

1 Ndlt: Título traduzido para o português do Brasil por Em busca do tempo perdido.

2 Ndlt: Título traduzido para o português do Brasil por Crepúsculo.

3 Ndlt: Cours préparatoire: classe de alfabetização, Educação Infantil Pré-Escolar, 6-7 anos; é a primeira série da école élémentaire ou école primaire. A école élémentaire (école primaire) corresponde aos quatro primeiros anos do Ensino Fundamental, de 6 a 10 anos.

4 Ndlt: CM2: Cours Moyen deuxième année, aos 10 anos. Corresponde ao 5º ano do Ensino Fundamental.

5 Ndlt: Primaire: a école élémentaire (école primaire) corresponde aos quatro primeiros anos do Ensino Fundamental, de 6 a 10 anos.

6 NT: série Cherub, no Brasil publicada com o mesmo título.

7 NT: série La Guerre des clans, no Brasil publicada com o título “Gatos guerreiros”.

8 Se a lealdade do leitor ou da leitora a um personagem não é novidade, o número de páginas de cada um dos volumes ainda o é sem dúvida.

9 O humor pode até mesmo ser visto como uma porta de entrada na apropriação de novas mídias: mensagens de texto e sms, plataformas visuais na Internet, etc. Ver Metton-Gayon (et al., 2009).

10 Para essa faixa etária, se constata uma taxa significativa de não resposta (18%). Excluindo as não respostas, a percentagem de leitores de quadrinhos que citam espontaneamente Titeuf é de 13%.

11 Do mesmo modo, títulos preferenciais até os 13 anos, Asterix e Obelix, ou Boule et Bill, diminuem em seguida, ao passo que a leitura dos mangás aumenta a partir dos 15 anos. Naruto era o título com o maior número de respostas aos 17 anos, com 7,5% (nesta mesma pergunta aberta sobre os últimos quadrinhos lidos, a resposta “mangá” é em si dada por 7% dos adolescentes).

12 Ndlt: série “Chair de poule”, publicada no Brasil com o título original “Goosebumps”.

13 Ndlt: Publicado no Brasil com o título O código da Vinci.

14 Ndlt: obra publicada no Brasil com o título O caso dos Dez Negrinhos.

15 Ndlt: Publicado no Brasil com o título As crônicas de Nárnia.

16 Ndlt: série publicada no Brasil com o título O Senhor dos Anéis.

17 Ndlt: Publicado no Brasil com o título Desventuras em série.

18 Ndlt: Publicado no Brasil com o título A irmandade das calças viajantes.

19 Ndlt: Publicado no Brasil com o título O perfume.

20 Ndlt: Publicado no Brasil com o título O livro das sombras.

21 Ndlt: Publicado no Brasil com o título O diário de Anne Frank.

22 Ndlt: Publicado no Brasil com o título O estrangeiro.

23 Ndlt: Publicado no Brasil com o título Enfim, juntos.

24 Ndlt: Publicado no Brasil com o título Os cinco.

25 Ndlt: Publicado no Brasil com o título Fronteiras do universo.

26 Ndlt: Publicado no Brasil com o título O caso dos dez negrinhos.

27 Ndlt: Publicado no Brasil com o título Meus amigos, meus amores.

28 Ndlt: Publicado no Brasil com o título O diário da princesa.

29 Ndlt: Publicado no Brasil com o título O livro das estrelas.

30 Ndlt: Publicado no Brasil com o título A espuma dos dias.

31 Ndlt: Publicado no Brasil com o título O pequeno príncipe.

32 Ndlt: Publicado no Brasil com o título O corcel negro.

33 Ndlt: Publicado no Brasil com o título A saga Otori.

34 Ndlt: Publicado no Brasil com o título E se fosse verdade...

35 Ndlt: Publicado no Brasil com o título Buffy – a caça-vampiros.

36 Ndlt: Publicado no Brasil com o título Lua nova.

37 A questão afirmou: “fora os quadrinhos e aqueles que devem ser lidos para a escola”: a lista de títulos dada por crianças de 11 anos (sem dúvida, a categoria de literatura clássica aparece em seguida) mostra que a ordem não foi eficaz para todos.

38 Eric Maigret (1999) observa que os mangás permitem um jogo de distinção intergeracional e “fornecem novas armas na batalha das idades e das gerações”, ao passo que os quadrinhos franco-belgas “formam uma base estável de troca intergeracional” e são parte das referências (e das bibliotecas) de pais (ou de avós).

39 Ndlt: 2de – Seconde. É o primeiro ano do lycée, cursado aos 15 anos. Corresponde ao 1º ano do Ensino Médio.

40 “Au début ça me… ça me disait pas trop, et puis un jour il m’a dit… il m’a donné le 1, il m’a dit lis-le, je l’ai lu”. [Nossa tradução]

41 Ndlt: Terminale S. É o último ano do lycée, cursado aos 17 anos. Corresponde ao 3º ano do Ensino Médio. A menção “S” significa que se trata de uma classe preparatório para vestibular na área de ciências.

42  — C’est vrai que j’ai des amis qui lisent des mangas et pas d’autres. C’est un sujet de discussion donc ça peut mettre à part d’autres personnes quand on en parle. Ils ne connaissent pas donc ils se sentent un peu... — Et qu’est-ce que tu fais dans ces cas-là? — Et bien on change de sujet! Ou on essaye de le faire lire à la personne. Si c’est une personne qui n’aime vraiment pas les mangas, on va pas la forcer non plus... Mais on va continuer à en parler. [Nossa tradução]

43 Ndlt: 3e – Troisième. É o último ano do collège, cursado aos 14 anos. Corresponde ao 9º ano do Ensino Fundamental.

44 Encontraremos o mesmo em romances de Murakami (por exemplo, Kafka sur le rivage), dessas cenas onde o adolescente, ao lado de uma jovem garota, tenta esconder uma ereção infeliz...

45 Ndlt: 1re S – Premier. É o penúltimo ano do lycée, cursado aos 16 anos. Corresponde ao 2º ano do Ensino Médio – Científico.

46 “dans les séries d’aventures, il y a aussi besoin d’humour, sinon après, ça devient un peu monotone”. [Nossa tradução]

47 Ndlt: 1re L – Premier. É o penúltimo ano do lycée, cursado aos 16 anos. Corresponde ao 2º ano do Ensino Médio – Literatura.

48 “c’est tellement facile de pleurer que ce n’est même pas drôle.” [Nossa tradução]

49 “tous les mangas les plus beaux, c’est ceux qui font pleurer à la fin.” [Nossa tradução]

50 Ndlt: 1re pro – Premier. É o penúltimo ano do lycée, cursado aos 16 anos. Corresponde ao 2º ano do Ensino Médio Profissionalizante.

51 “A oferta editorial separa os mangás conforme o público-alvo: shojo para as meninas, shonen para os meninos. As apropriações não são, obviamente, tão simples...” (Détrez, 2011) [L’offre éditoriale sépare les mangas selon le public visé : shojo pour les filles, shonen pour les garçons. Les appropriations ne sont évidemment pas aussi simples... Nossa tradução]

52 Ndlt: Terminale. É o último ano do lycée, cursado aos 17 anos. Corresponde ao 3º ano do Ensino Médio.

53 Je sais pas pourquoi tout le monde me détestait et j’ai jamais su pourquoi. On se moquait de moi à cause de ma coupe de cheveux et des trucs comme ça. Et dans Fruits Basket, l’histoire de Kissa, c’était trop triste ça m’a trop rappelé [...]

54 Ndlt: 1re année IUT chimie – (IUT: Instituts Universitaires de

Technologie

). Primeiro ano da graduação em Química.

55 “Tiens, ça, ça pourrait aller avec ce genre d’anime, ou ça collerait bien avec ce passage.” [Nossa tradução]

56 “On a un logiciel, on importe le fichier vidéo, on fait des découpages... Après, on utilise des effets de superposition, des transitions, des flashs. On va changer des couleurs, des choses comme ça. Après, c’est surtout à savoir bien se servir du logiciel en lui-même, mais sinon, pas de compétences spécifiques quoi.” [Nossa tradução]

57 NT: Terminale STI (STI –Sciences et Technologies Industrielles). É o último ano do lycée, cursado aos 17 anos. Corresponde ao 3º ano do Ensino Médio.

58 “[…] elle peut rien dire, vu que c’est de la couture.”

59 Catherine Monnot (2009) mostrou como, no final do primaire, as meninas imitam durante a recreação as coreografias de suas estrelas favoritas, colocando em jogo o equivalente ao futebol dos meninos.

60  — Tu les publies sur Internet? — Ça arrive, plutôt quand j’étais contente de ce que j’écrivais. La dernière que j’ai publiée sur le site de fanfiction.net, a très bien marché, ce qui m’a beaucoup surprise. Je crois que j’en suis à pas loin de cinquante commentaires, et ils disent tous qu’ils ont beaucoup aimé, qu’ils ont trouvé ça très drôle. Ça fait toujours plaisir! C’était sur la série D.Gray Man. Mais comme j’ai beaucoup d’amies qui font ce genre de truc, en général on se demande conseil. — Et tu penses avoir fait des progrès? — Oui, parce que quand je relis les trucs que j’ai écrits, je me dis mince c’est moi qui ai écrit ça. [Nossa tradução]

61 Cette fic est un yaoi: C’est-à-dire quelle met en scène des couples dont les deux protagonistes sont des hommes ! Si vous n’aimez pas, ne lisez pas ! Le couple principal est LavixKanda, et j’ajouterais certainement un peu d’AllenxLenalee. Si ces couples ne vous plaisent pas, il vous suffit de cliquer immédiatement sur “Retour à la page precedente”. [Nossa tradução]

Auteur

Maître de conférences en sociologie – ENS Lyon
Germana Henriques Pereira (Traducteur)

Acheter

Volume papier

i6doc.comamazon.fr