Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Arte e vida social

 | 
Alain Quemin
, 
Glaucia Villas Bôas

Quarta parte. Leituras e leitores

Ler, eleger, se construir: os livros de cabeceira e sua dimensão identitária

Clara Lévy
Traduction de Germana Henriques Pereira

Résumé

Este capítulo apresenta uma pesquisa acerca de um tema até então inédito na sociologia da leitura: os livros de cabeceira, ou seja, os livros favoritos, ou de predileção, das pessoas entrevistadas. A partir de 30 entrevistas realizadas em profundidade, mostraremos que o livro de cabeceira intervém, de diversos modos, no processo de construção da identidade dos entrevistados. De fato, afigura-se que o livro de cabeceira participa de uma ou mais componentes identitárias dos entrevistados, às vezes, de modo consciente, e, outras vezes, sem que eles tenham consciência disso.
O objetivo é mostrar, num primeiro momento, que o livro de cabeceira ocupa um lugar especial entre as leituras selecionadas (ao contrário das leituras impostas, especialmente nas escolas), cujas histórias e estilos são valorizadas pelos entrevistados. Esse gesto de leitura leva os leitores a um forte apego ao próprio objeto-livro, que não fica exposto em qualquer estante e nem é facilmente emprestado. Em seguida, discutiremos as circunstâncias do encontro (e de possíveis reencontros, às vezes reiterados) entre o leitor e o seu livro de cabeceira, por meio da análise, tanto do registro do "encontro casual", mencionado pelos entrevistados, quanto dos fatores que promoveram esse encontro, como a sociabilidade no seio da família ou entre seus pares. Finalmente, evidenciaremos algumas das possíveis maneiras como os livros de cabeceira participam da autoconstrução dos leitores, aliadas às componentes identitárias que podem ser associadas a esferas extremamente diferentes, tais como a identidade familiar, a identidade profissional, a identidade etnorreligiosa, entre outras.

Note de l’éditeur

Traduzido do francês por Germana Henriques Pereira.

Texte intégral

  • 1 Não usaremos aqui esse termo com relação aos livros que literalmente colocamos na mesa de cabeceir (...)
  • 2 É possível citar os exemplos, muito diferentes, de quatro páginas numa edição de 2003 da revista M (...)

1Este capítulo apresenta uma pesquisa em andamento acerca de um tema até então inédito na sociologia da leitura – os livros de cabeceira1 – matéria que pode dar origem a sondagens, ou a entrevistas relâmpago, ou até mesmo a minienquetes para jornais ou revistas2, quer a reportagem seja centrada no livro de cabeceira ou que este seja um tema transversal da reportagem (por exemplo, no âmbito de uma série de perguntas sobre um lugar favorito, um filme favorito, uma receita muito particularmente apreciada de culinária, etc.), quer os entrevistados sejam pessoas famosas (políticos, artistas, intelectuais, escritores) ou completamente anônimas. Em todos os casos, fica implícita a ideia sobre a qual falaremos adiante, de que quem conhece o livro de cabeceira de alguém poderá melhor entender os gostos dessa pessoa, para assim conhecer melhor a própria pessoa. Esta é a mesma impressão que prevalece nas redes sociais, como o Facebook, em que os livros favoritos são apresentados na página de perfil do usuário (pelo menos daqueles que escolheram preencher essa rubrica – sistematicamente oferecida a todos – e torná-la visível para seus amigos ou até mesmo publicamente na rede). Porém, além do próprio título da obra citada, seja pelos entrevistados durante as reportagens ou por usuários das redes sociais, quase nenhuma informação adicional é fornecida sobre as motivações que levaram o leitor a eleger precisamente esse livro, ou acerca de como o fez, entre todos os livros lidos.

  • 3 Para retomar uma expressão usada por Stéphanie Tralongo (2001) em sua pesquisa sobre a recepção da (...)

2De fato, essas questões ainda não tinham suscitado uma análise sociológica. Sabe-se que a sociologia da leitura centrou-se durante muito tempo na análise quantitativa, com produção de estatísticas esclarecendo tendências marcantes, como a ligação entre a origem social ou o nível educacional e a propensão à leitura, ou ainda permitindo apreender os problemas sociais relacionados à leitura, como a falta de letramento ou o analfabetismo (Hersent, 2000). Parece-nos, no entanto, enriquecedor estudar, numa perspectiva mais qualitativa, paralela a esse tipo de questões canônicas, os casos de “encontro feliz”3 entre um leitor e um livro (ou um autor). Como explicar e compreender tal encontro que acaba por elevar uma obra ao posto de livro de cabeceira, de livro de uma vida (ou de livro de uma fase da vida)? Em que medida a caixa de ferramentas sociológicas – seja a partir da perspectiva dos métodos de pesquisa para a coleta de dados, seja daquela das teorias escolhidas para analisá-los – permite-nos apreender esse tipo de encontro entre um leitor e um livro e iluminar o modo como se dá e evolui a relação entre o leitor e essa obra ao longo do tempo?

3É obviamente impossível observar diretamente o encontro e a evolução das relações entre um indivíduo e seu livro de cabeceira. Sendo assim, tivemos que lançar mão do método de pesquisa indireta para efetuar as entrevistas. Decidimos operar minuciosamente por meio de entrevistas com uma centena de pessoas: de um lado, sobre suas leituras em geral, e, de outro, acerca da relação particularmente intensa que mantêm com um livro ou um autor específico. O levantamento não pretendia, evidentemente, ser exaustivo ou ainda representativo do conjunto do leitorado francês atualmente. Mas isso não significa, contudo, que as pessoas tenham sido entrevistadas de modo aleatório. De fato, diversas variáveis deveriam permitem uma diversificação real do corpus de entrevistas: a relação com a leitura profissional, que caracteriza aqueles cuja profissão envolve o uso regular da escrita e/ou da leitura – livreiros, bibliotecários, escritores, editores, professores; a relação com a leitura não profissional (Chartier; Hébrard, 1989); o gênero dos leitores – tentar entrevistar a mesma quantidade de homens e mulheres, mesmo sabendo-se que a leitura é uma atividade mais tradicionalmente feminina (Donnat, 2005); idade; nível de escolaridade; local de residência (Paris, outras cidades francesas, zona rural).

4Essas premissas eram essenciais para permitir a continuidade e o aperfeiçoamento da análise sociológica e propor caminhos para a compreensão das situações: tentar entender o sentido das afinidades existentes entre um livro (ou um escritor) e um leitor, procurando contextualizar sociologicamente essas afinidades.

  • 4 É nessa perspectiva que a comparação com um encontro amoroso se inscreve na escolha do título do l (...)

5Essa contextualização será efetuada segundo diferentes planos. Em primeiro lugar, com relação ao conjunto das práticas culturais dos entrevistados. De fato, Olivier Donnat (2009) mostra, nas entrevistas que realizou para o Ministério da Cultura, uma lógica de coerência e de acumulação nas práticas culturais privilegiadas pelos indivíduos. Portanto, tentaremos não considerar a prática da leitura de forma desconectada de outras práticas de cultura e lazer do indivíduo (passeios, cinema, música, televisão, mídias digitais). Em segundo lugar, com relação ao perfil de leitura dos entrevistados: ou seja, retraçar esses perfis, tanto quantitativamente (trata-se de leitor grande, mediano ou medíocre?) como qualitativamente (quais são os seus suportes de leitura: livros, revistas, quadrinhos)? Quais são os seus gêneros de leitura (romances, poesia, ensaios, livros utilitários?). A reconstituição desse perfil de leitura permite situar o encontro entre o entrevistado e seu livro de cabeceira, no tempo (encontro tardio ou precoce no percurso de leitura), e em comparação com outras leituras (encontro coerente ou atípico em comparação com os outros gostos do leitor, e que não releva qualquer juízo de valor). Tentaremos, ainda, esclarecer as sociabilidades potenciais (ou a possível falta de sociabilidade) desdobradas em torno do livro de cabeceira: alguém externo desempenhou o papel de prescritor ao aconselhar a leitura desse livro? A pessoa entrevistada já discutiu sobre seu livro de cabeceira, e com quem? Ela já o aconselhou a outros leitores, e, em caso afirmativo, com que sucesso? No caso de o escritor ainda estar vivo, o leitor já tentou estabelecer algum contato com ele? Finalmente, questionaremos a possível relação entre a posição do entrevistado e a do autor favorito no espaço literário: assume-se aqui a hipótese de que a sociologia espontânea expressada pelos entrevistados (ou por parte deles) ressaltará fortemente a dimensão do acaso, assim como acontece nas explicações de amor à primeira vista.4 No entanto, da mesma forma que o sociólogo estudioso das relações de família pode, a partir da evidência da tendência global da sociedade contemporânea à homogamia, relativizar o discurso dos entrevistados sobre o acaso operando nos encontros amorosos (Girard, 1964), o sociólogo da arte e da cultura pode basear-se – para dar conta do “amor à primeira vista livresco” em sociologia clássica de resultados de leitura –, por exemplo, nos estudos de Pierre Bourdieu (1979) sobre a homologia estrutural entre as posições sociais dos leitores e as posições no campo literário dos escritores e das obras que leem (Bourdieu, 1979). É ainda possível usar como base a adequação destacada por Patrick Parmentier (1986) entre o nível de diploma de leitores cadastrados em bibliotecas e o tipo de livros mais apreciados (quanto mais o diploma é elevado, mais os gêneros literários privilegiados são legítimos).

  • 5 Agradeço aos estudantes matriculados em Sociologia da Cultura, no terceiro ano da licenciatura em (...)
  • 6 A relação entre a leitura e tudo que remete às novas tecnologias (blogs, postagens, Twitter, Faceb (...)
  • 7 Os componentes identitários de que falamos aqui podem se relacionar com esferas extremamente difer (...)

6Trinta entrevistas exploratórias foram concluídas5, o que ofereceu diferentes possibilidades, apesar de haver algumas tendências da população entrevistada, uma vez que são bastante sobrerrepresentados os jovens entre 20 e 25 anos e os estudantes. As possibilidades consistiriam em: testar e depois aperfeiçoar o esquema da entrevista; orientar a pesquisa para a busca de novas pistas não consideradas ou exploradas o suficiente; e por fim, validar6 a hipótese principal que orienta toda a pesquisa. Postulamos o fato de que o livro de cabeceira participa (ou participou), num momento crucial, segundo modalidades que podem ser muito diversificadas, no processo da construção identitária do entrevistado. Essa formulação, um pouco vaga, refere-se aos primeiros resultados da entrevista-piloto, apresentados a seguir, que revelam que o livro de cabeceira se inscreve em uma ou mais componentes identitárias dos entrevistados, às vezes, de modo consciente, e outras vezes sem que tenham consciência disso7. Vale, antes de tudo, oferecer um amplo panorama das atividades de leitura dos entrevistados. Em seguida, discutiremos as circunstâncias do encontro (e dos possíveis reencontros, às vezes reiterados) entre o leitor e o seu livro de cabeceira. Finalmente, destacaremos algumas das maneiras como os livros de cabeceira se fazem presentes na autoconstrução dos leitores.

  • 8 Esta distinção é classicamente demonstrada na maioria dos trabalhos de sociologia da leitura.

7Em praticamente todas as entrevistas coletadas, uma distinção é estabelecida imediatamente (especialmente pelos jovens, ainda em fase de escolaridade) entre as leituras impostas pelas escolas e as leituras selecionadas livremente.8 Pode-se, no entanto, salientar alguns contraexemplos dessas leituras impostas, principalmente no caso dos professores, que são, em última análise, reapropriadas pelos leitores como leituras selecionadas, podendo até mesmo tornarem-se livros de cabeceira. Vejamos a seguir alguns exemplos:

  • 9 “Bah, au fait au collège, on avait la possibilité de rencontrer l’auteur de ce livre, Olivier Adam (...)

Bem, no colégio, a gente tinha a oportunidade de conhecer o autor desse livro, Olivier Adam. Mas, para isso, a gente tinha que ler pelo menos um livro escrito por ele. Tinham dois livros: La messe anniversaire, e depois, On ira voir la mer... Finalmente, foi o título La messe anniversaire que chamou minha atenção. Senti vontade de começar por ele. Não achava que ia gostar desse livro assim.
[Mulher, 22 anos, professora especializada na educação de adultos, formada em Psicologia/Olivier Adam, La Messe anniversaire]9

8Nas entrevistas, é frequentemente afirmada a importância da sociabilidade e das trocas em torno do livro, intercâmbios materiais e intercâmbios verbais, seja sobre os livros lidos, seja sobre os livros a serem lidos. Entre amigos ou na família, os livros passam de mão em mão. Acontece até mesmo que, objetivamente, o livro de cabeceira pertença a outra pessoa, mas era tão apreciado que acabou sendo apropriado pelo entrevistado, inclusive materialmente:

  • 10 “Déjà, à la base, il est pas à moi puisque c’est ma sœur qui me l’a donné, vu qu’elle avait pas ai (...)

Bom, primeiro, o livro não era meu, já que foi minha irmã que me deu. Ela não tinha gostado e quando viu que eu tinha adorado, ela disse: “fica com ele!”... É um pouco sentimental, na verdade... Ele permanece na família! Não é um livro que eu comprei, novo... Foi um presente da minha irmã e eu acho que é ainda mais significativo porque é meu livro preferido... Pode ser também porque, na verdade, foi minha irmã quem soube encontrar esse livro para mim! Isso mostra o quanto ela me conhece bem e isso é superimportante para mim! Enfim, esse livro tem, de certa forma, uma história...
[Mulher, 21 anos, estudante do último ano de inglês-espanhol de Línguas Estrangeiras Aplicadas/Marc Lévy, Sept jours pour une éternité (Sete dias para uma eternidade)]10

  • 11 Algumas das leituras que eles impõem podem realmente se transformar, como já mencionado acima, em (...)

9O ambiente desempenha, portanto, um papel determinante, em particular no espaço de socialização primária constituído pela família, sobretudo a mãe, que ocupa, tipicamente, um lugar de destaque na transmissão das práticas culturais a seus filhos (Octobre, 2005). O grupo de pares, os amigos, às vezes o/a melhor amigo/a, os colegas, os companheiros de quarto, também desempenham um importante papel. Intervêm relativamente pouco os intermediários profissionais de leitura, com exceção dos professores11:

  • 12 NdT. Certificado de aptidão ao ensino de segundo grau. Trata-se de um concurso público para o ingr (...)
  • 13 “Ce livre, je l’ai rencontré quand j’étais élève, je pense, étudiante… On m’a demandé de le lire p (...)

Esse livro, eu encontrei quando era estudante, acho... me pediram para ler para uma aula, se bem me lembro. Na verdade, agora estou lembrando, foi graças ao meu professor que eu li. Enfim, não sei dizer se, por minha própria conta, eu iria ler esse livro mais tarde.
[Mulher, 61 anos, professora de francês aposentada, concursada pelo CAPES (Certificat d’aptitude au professorat de l’enseignement du second degré)12/Jean Anouilh, Antigone]13

10Na verdade, os livros são recomendados na maioria das vezes por pessoas próximas que conhecem o gosto do entrevistado e, portanto, que têm condições de saber, mesmo antes dele, se o livro recomendado vai agradá-lo.

  • 14 Um certo número de entrevistados recusa-se, assim, a resumir de modo muito detalhado a trama de se (...)
  • 15 Mais uma vez, apenas reiteramos um resultado já amplamente evidenciado pelos estudos anteriores de (...)

11Vários dos entrevistados sentem um verdadeiro prazer, quer verbalizando no momento da entrevista, quer em conversa sobre o seu livro de cabeceira. Eles explicam que, de um lado, nem sempre é possível falar sobre essa preferência com outras pessoas – que não entendem e nem sempre partilham do seu entusiasmo –, e, de outro, que mantêm uma relação íntima com esse livro, que desejam fortemente fazer descobrir a outras pessoas, incluindo o pesquisador14. Apesar dessa intimidade que alegam ter com o livro de cabeceira, podemos facilmente constatar que o conhecimento de uma série de informações sobre o livro (por exemplo, a data e local de publicação) prova ser socialmente discriminatório.15 A maior parte dos entrevistados fica surpresa com a questão (e chegam até a desqualificá-la: “O mais importante não é isso!”). Por vezes, se confundem, como no caso de uma leitora, cujo autor francês Marc Lévy é seu autor favorito, e que acredita que este é um escritor estrangeiro que publica em inglês. Apenas alguns, geralmente os mais diplomados ou os mais especializados, como, por exemplo, os leitores de mangá, podem responder facilmente ou até citar as diferentes edições ou traduções do texto. Todos ou quase todos são capazes, no entanto, de fornecer uma descrição muito precisa e detalhada da capa do livro, especialmente quando há uma ilustração, que é, então, restituída em detalhes: objetos ou personagens retratados, as cores usadas, a disposição do título em relação com a ilustração, etc. Quando, posteriormente, confrontamos a descrição dos entrevistados com as capas reais dos livros, constatamos que as descrições são sempre bastante precisas.

12O encontro com o livro de cabeceira é descrito espontaneamente por um certo número de entrevistados que usam o léxico do amor. Amor à primeira vista, paixão, relacionamento passional, relacionamento exclusivo (isso é raro, até mesmo excepcional, mas alguns leitores não querem falar aos que os rodeiam sobre o livro de cabeceira, porque preferem mantê-lo para si exclusivamente), todas essas expressões repetem-se em várias entrevistas de nosso corpus. Dessa forma, e de modo bastante consistente, o encontro com o livro de cabeceira é narrado no modo de um encontro amoroso, ou seja, especificando-se as circunstâncias objetivas do encontro e, depois, simultânea ou imediatamente, os sentimentos subjetivos desse primeiro confronto com a obra que se tornará o livro de uma vida. Dois cenários parecem possíveis no encontro com o livro de cabeceira. No primeiro, vê-se imediatamente que esse é o livro de uma vida: o leitor devora-o, mesmo que não seja um grande leitor; ele ri e chora, enquanto, geralmente, essas emoções não são despertadas pelos livros, mas através da música ou do cinema; o livro é relido imediatamente, às vezes:

  • 16 “Je travaillais dans une association qui s’occupe des enfants et des adolescents malades ou handic (...)

Eu trabalhava numa associação que cuida de crianças e adolescentes doentes ou deficientes, a ENVOL, que fica perto de Fontainebleau. Eu estava voltando dessa estadia, que tinha sido emocionalmente muito rica. E na viagem de volta, no trem, eu li esse livro... Realmente foi uma revelação para mim porque eu tremia, enquanto, na verdade, fazia um calor enorme no trem! Eu tremia, de tanto que esse livro me fazia experimentar emoções intensas [...]. Tenho essa lembrança muito intensa do momento em que o li, do contexto em que eu estava e também do que ele me fez viver. E cada vez que eu o releio, sinto praticamente as mesmas sensações.
[Mulher, 27 anos, da vida escolar; primeiro ano de mestrado em Informação, documentação, e portadora de um diploma de Master 1 (equivalente a um primeiro ano de mestrado) em Psicologia/Marc Lévy, Sept jours pour une éternité (Sete dias para uma eternidade)]16

  • 17 Este é o caso de uma leitora de Marc Lévy, bem consciente do caráter kitsch e “bobinho” da históri (...)

13No segundo cenário, a ligação se estabelece gradualmente; o encontro em si nada tem de milagroso ou de exaltante. Às vezes, o leitor possui, no início, preconceitos contra a obra ou o autor – que evaporam quando começa a leitura17:

  • 18 O livro de cabeceira é aqui – como para muitos rapazes do corpus – uma série composta por vários v (...)
  • 19 “Le livre t’a-t-il plu tout de suite? En fait, c’est marrant parce que non… Au début, j’ai lu le p (...)

— O livro agradou a você imediatamente?
— Na verdade, é engraçado porque não agradou... No início, eu li o primeiro volume.18 Depois, o segundo, então eu parei, porque era chato... Eu não percebi de imediato o potencial do livro e, de fato, porque isso só aparece realmente no final do quarto volume [... ] Eu não entrei de cara na leitura. Isso levou tempo, na verdade... comecei, eu tinha 18 anos, depois deixei pra lá, e voltei com 21, 22 anos... para ler toda a série de 13 volumes em apenas três meses.
[Homem, 24 anos, cursando o primeiro ano de mestrado (Master 1 -M1) e formado em Direito/Robin Hobb, L’Assassin royal]19

  • 20 Enquanto, em comparação, os entrevistados explicam que assistir à televisão esvazia a cabeça, mas (...)

14Frequentemente, o livro de cabeceira foi relido várias vezes (mesmo no caso de leitores muito jovens), ou pelo menos uma segunda vez, e, nos casos “extremos”, mais de 20 vezes! Muitos explicam que a leitura do livro de cabeceira é retomada porque tem uma função de algum modo ansiolítica. O livro proporcionou “um bem-estar” durante a primeira leitura e lê-lo novamente (por inteiro ou certas passagens), quando se está cansado, tenso, preocupado, proporciona uma certa tranquilidade20. E, isso, mesmo quando os leitores estão conscientes de que seu livro de cabeceira não parece particularmente dotado de uma virtude calmante, visto sob uma perspectiva externa:

  • 21 “Celui-là, je le lis particulièrement quand j’ai eu une sale journée. Quand j’suis très fatigué, j (...)

Aquele livro, eu leio especialmente quando tive um dia ruim. Quando estou muito cansado, eu leio esse livro. Ele me acalma, mesmo que seja ultra “gore”. É ultraviolento, mas eu não sei, me acalma... Me tranquiliza e eu sei que depois vou passar uma ótima noite.
[Homem, 28 anos, funcionário da Groupama, portador de um diploma técnico (BTS) em hotelaria e restauração/Patricia Cornwell, Jack l’éventreur: affaire classée]21

15O livro de cabeceira é por vezes relido também quando não se sabe o que ler. O entrevistado não quer tentar outro livro cuja leitura por certo não vai lhe agradar). Lê-se ainda quando não se sabe o que fazer (a leitura é aí um passatempo no sentido real do termo):

  • 22 “Je dois le lire une fois tous les deux ou trois mois en fait… C’est dès que j’ai un moment de lib (...)

Devo reler esse livro uma vez a cada dois ou três meses, na verdade... Assim que tenho um momento livre e não tenho nenhuma leitura interessante à mão. Então, eu pego esse e o leio nos transportes, quando fico na fila de um guichê, quando estou entediada em casa... Pra mim, é uma espécie de livro passatempo, eu acho [risos].
[Mulher, 23 anos, portadora de um diploma de mestrado (Master) em Gestão e Economia/Amélie Nothomb, La Métaphysique des tubes]22

16O que agrada no livro de cabeceira, o que explica o apego tão específico que se tem com relação a ele, remete, quando se trata de um texto literário, aos dois componentes, que são a história e o estilo (mesmo quando o livro é traduzido). A hierarquia entre esses dois aspectos da obra depende dos leitores, em vez da qualidade literária atribuída aos autores pelas instâncias de legitimação. O estilo de um autor com pouca legitimidade no campo literário (Bourdieu, 1991), como Marc Lévy, é bastante apreciado pelas suas leitoras. As obras de Marc Lévy são citadas repetidamente em nossas entrevistas, e sempre por mulheres. Seu estilo é tido como simples e ao mesmo tempo expressivo, eloquente, vivo.

17Também são valorizados na leitura o humor, o conhecimento proporcionado, o lado tocante, por vezes para além do que se esperava de um livro:

  • 23 “– Qu’est-ce qui te plaît dans cette histoire? – Tout… Mais absolument tout! J’ai pleuré et j’ai r (...)

— O que você gosta na história?
— Tudo... absolutamente tudo! Chorei e ri ao ler esse livro. Isso nunca tinha acontecido comigo antes. Mergulhei fundo nele ...
[Mulher, 23 anos, cursando o Mestrado em Ciências da Educação/Marc Lévy, Où es-tu?]23

18Além da história e do estilo, a materialidade da obra é de real importância, como já mencionado quando tratamos da capa dos livros. Os leitores quase sempre conseguem imediatamente indicar o local onde se encontra seu livro de cabeceira. Tal lugar nada tem de trivial, embora varie muito de um leitor para outro:

  • 24 “Il est en haut à droite de ma bibliothèque et euh, à chaque fois que je refais ma bibliothèque, q (...)

Ele fica na parte superior direita de minha estante e... cada vez que arrumo tudo, quando coloco mais livros ou quando retiro todos do lugar, como fiz, recentemente, eu reclassifico e arrumo novamente, mas estes são os únicos que sempre têm um lugar marcado, de onde retiro raramente; ficam todos juntos para depois eu colocar de volta no mesmo lugar, porque eles têm o seu lugar. Com relação aos outros, eu não me importo se eles estão à esquerda ou à direita na estante.
[Homem, 21 anos, cursando o último ano de História/Série de mangás Full Metal Alchemist]24

19Isso mostra que o livro de cabeceira nunca é um objeto insignificante, guardado em qualquer lugar, mas, pelo contrário, que ocupa um lugar (em ambos os sentidos da palavra) tão essencial na vida do leitor que este deve saber onde fica e ser capaz de localizá-lo quase que imediatamente. Temos aqui um dos índices de apego ao livro, ao livro-objeto (Chartier, 1993) e ao texto, apego relacionado, segundo nossa hipótese, ao fato de que o livro de cabeceira remete quase sempre a uma parte da identidade do leitor. Isso não significa apenas que o livro faz parte da vida do leitor, mas que participa da sua autoconstrução, da elaboração da identidade única do leitor que o elegeu, entre todas as obras que conheceu e leu, como livro de predileção. Para esclarecer o nosso ponto de vista, parece-nos importante indicar um número de pistas que irão revelar essa forte afinidade entre o livro de cabeceira e uma componente identitária de seu leitor. Esses componentes de identidade variam de um leitor para outro, às vezes com relação a uma mesma obra.

20A primeira modalidade de integração do livro de cabeceira para a construção de si é, muito simplesmente, se identificar com um dos personagens ou uma das situações do livro. O personagem parece, portanto, falar diretamente ao leitor, que se reconhece no texto, uma vez que identifica algumas das suas características identitárias em um personagem ou vê descritas algumas das situações que vivenciou. O processo de identificação com os personagens pode ser vivido mesmo quando há diferenças objetivas entre a identidade do leitor e a do personagem, por exemplo, mesmo que o leitor seja uma menina e o personagem central, um jovem rapaz.

  • 25 “— Vous identifiez-vous au personnage? — Ben oui et non, en fait. Si vous voulez, non, car c’est u (...)

— Você se identifica com o personagem?
— Sim e não, na verdade. Bem, na verdade, não, porque ele é um menino, mas também sim, porque amo tudo o que é imaginário, mesmo que algumas pessoas digam que eu tenho a síndrome de Peter Pan. Então, sim, eu gostaria de ser essa pessoa, para estar nesse mundo imaginário onde você acha que tudo é lindo. Enfim, sim ..., para experimentar esse mundo mágico, escapar do mundo real [...] Mas se fosse uma menina, eu teria gostado de ser esse personagem.
[Mulher, 18 anos, terceiro ano do ensino médio (vestibular para história da arte)/Lois Lowry, Le Passeur]25

21Esse processo de identificação ocorre até mesmo quando a projeção de si mesmo em um texto não é, necessariamente, favorecida pelo próprio texto, que não parece instigar particularmente o leitor. Um exemplo disso é o caso do entrevistado cujo livro de cabeceira é a Bíblia e que se identificou, quando mais jovem, com o personagem de Timóteo, de quem a história, por sua vez, tornou-se sua passagem favorita:

  • 26 “— Alors, quand j’étais jeune, je m’identifiais à Timothée. Timothée c’est un petit jeune qui suiv (...)

– Então, quando eu era jovem, eu me identificava com Timóteo. Timóteo é um jovem que seguia Paulo, o apóstolo, e Paulo viajava com Timóteo. Quando ele se deslocava, quando ele conhecia novas pessoas com quem falava sobre as condições da vida humana, de Deus, ele deixava Timóteo lá para continuar a analisar as coisas com eles. Então, eu achava que Timóteo tinha uma abordagem [...] Ao mesmo tempo, era um personagem muito simples, mas, realmente, era alguém com quem eu me identificava, assim... porque Paulo escreveu uma frase dizendo a ele: “Que ninguém despreze a tua juventude.”
[Homem, 50 anos, diretor geral de um estabelecimento médico-social/a Bíblia]26

22A proximidade entre o enredo do livro e um episódio da vida do leitor também pode ser um fator de identificação poderoso que levará o leitor a atribuir um lugar especial, entre suas leituras, ao livro que lhe parece dar conta de forma precisa e exata daquilo que ele também experimentou:

  • 27 “Le livre est arrivé à une période difficile, celle de l’adolescence. Cette bande d’amis, c’était (...)

O livro chegou num período difícil, o da adolescência. Esse grupo de amigos era como o meu. Eu vivia a história, porque eu tinha o mesmo tipo de vida, de amigos... Tinha a impressão de que era minha história. E, algum tempo antes, eu tinha perdido um amigo num acidente de carro. Então, como isso acontecia no livro, me perturbou [...] Na verdade, os personagens falavam para mim, eu quase que podia me tomar por uma amiga do grupo. E eu me reconhecia um pouco em cada adolescente, com uma personalidade diferente. Eu acho que foi isso que me surpreendeu, que eu pudesse me identificar com os personagens e viver com eles as suas vidas...
[Mulher, 22 anos, educadora especializada na educação de adultos, formada em Psicologia/Olivier Adam, La Messe anniversaire]27

23É igualmente interessante notar que o processo de identificação operando na escolha do livro de cabeceira não se apoia forçosamente na identidade real (quem somos na realidade), mas, por vezes, numa identidade imaginada (aquela que gostaríamos de ser ou aquela que lamentamos não ter nos tornado). Isto fica particularmente visível numa outra configuração. No caso deste leitor, professor de Inglês no ensino médio, o livro de cabeceira é uma obra de linguística geral, que, certamente, ele usa marginalmente em seu trabalho, mas para ele esse livro remete ao que ele gostaria de ser, se aprofundasse seus estudos:

  • 28 “Y’a un livre que j’relis tout le temps, c’est un livre sur le langage, et paradoxalement, je suis (...)

Tem um livro que releio o tempo todo, é um livro sobre a linguagem, e paradoxalmente, sou incapaz de citar pra você o nome do autor... Porque é um linguista e tal, bom... Enfim, esse é o único assunto que me interessa. Se eu tivesse começado os estudos antes, porque voltei a estudar bem tarde, e... Eu queria ter feito uma pós-graduação, estudar linguística... É um pouco meu tema favorito. Esse livro eu retomo porque são coisas que me interessam [...] Abro ao acaso e isso me inspira, na verdade... Às vezes na parte que fala dos fonemas... Acho que é o tipo de pesquisa que eu queria fazer, mas eu me achava muito velho para tentar...
[Homem, 53 anos, professor de Inglês no colégio, concursado pelo Capes (Certificat d’aptitude au professorat de l’enseignement du second degré), Capes/, Le Langage]28

24De modo mais esperado, a identidade profissional pode igualmente servir como uma base para a seleção de um livro de cabeceira, que se torna, então, parte importante da atividade profissional. Isso se verifica particularmente no caso de vários professores de francês entrevistados, cujo livro de cabeceira fica no cruzamento entre a identidade pessoal e a profissional:

  • 29 “Combien de fois l’avez-vous lu et relu? Bah, disons que je l’ai lu en tant qu’élève et puis je l’ (...)

— Quantas vezes você já leu e releu esse livro?
Bem, vamos dizer que eu o li quando estudante, e então eu o li com os meus alunos porque eu o analisei muitas vezes, muitos anos seguidos, com meus alunos do nono ano... Bem, eu o releio para mim também, mas é difícil dizer, uma vez que tenho estudado muito esse livro [...] Eu o coloquei no meu programa porque eu gostava dele e isso agradou aos meus alunos.
[Mulher, 61 anos, professora de francês aposentada, concursada pelo Capes (Certificat d’aptitude au professorat de l’enseignement du second degré)/Jean Anouilh, Antigone]29

25Também se pode identificar, nas declarações dos entrevistados, as referências à sua identidade geográfica. Alguns explicam assim a escolha de seu livro de cabeceira, ligando a emoção que este lhes proporcionou ao fato de que a trama se desenrola num lugar significativo para eles. É, aliás, notável que, no caso em que essa explicação foi declarada, o lugar em questão remeta à trajetória da família (pais e avós), em vez de remeter à história específica do próprio entrevistado:

  • 30 “J’aime bien que ça parle de choses que je connais et où je me retrouve […] Ce qui m’a beaucoup pl (...)

Eu gosto que o livro fale sobre coisas que eu conheço e onde eu me encontro [...]. O que eu mais gostei é que fala de Lyon. Meus avós viveram em Lyon por muito tempo! [...] Então, já quando ele começa a falar sobre Lyon, do Parque da Tête d’Or, etc., isso me faz lembrar... Bem, eu fui lá uma vez com meus avós. E meu avô falava muito disso ... Enfim, eu adorava meu avô, realmente, e mais, ele mora em Lyon, e, de fato, ele começa a contar que mora num teatro, no teatro Eldorado onde meu avô trabalhou.
[Mulher, 51 anos, funcionária da CAF (Caisse d’Allocations familiales)/Azouz Beggag, Un mouton dans la baignoire]30

26Na mesma ordem de ideia de uma autoconstrução identitária que se nutre de uma fonte da família, pode-se notar que algumas formas de identidade etnorreligiosa são explicitamente citadas pelos leitores para dar conta de sua relação privilegiada com uma ou outra obra. Esse é o caso dos leitores que citaram como livro de cabeceira a Bíblia ou o Corão, de acordo com suas crenças religiosas. Mas, para além das crenças e práticas, o livro de cabeceira também pode se referir a uma identidade cultural, de que podemos encontrar vestígios tanto na trajetória de vida do leitor quanto no livro que ele prefere:

  • 31 Essa entrevistada, judia, afirma apreciar o conjunto das obras de Marc Lévy, mas elegeu como livro (...)

Para os livros, atribuo muito importância aos temas que tratam da Segunda Guerra Mundial... Isso também se deve às minhas origens religiosas [risos]... Não, sério, é verdade que eu sou mais sensível a certas histórias que, eu sei, atingiram minha família.
[Mulher, 19 anos, cursando o primeiro ano da faculdade (L1 – Licence)/Marc Lévy, Les Enfants de la liberté]31

27O livro torna-se, por vezes, uma parte tão constitutiva da identidade do leitor que este pode inserir trechos em seu perfil no Facebook, ou ainda ser apelidado como um dos personagens centrais do livro ou até mesmo usar esse apelido no seu e-mail:

  • 32 “Dans ce livre, tout ce que dit Edward est tellement magnifique, mais c’est vrai que l’une des phr (...)

Nesse livro, tudo o que disse Edward é tão magnífico, mas é verdade que uma das frases me marcou... Além disso, muitas leitoras... É: “Você é como uma droga para mim, é como se você fosse minha própria marca de heroína.” Eu tinha, aliás, colocado essa frase no meu status do Facebook, de tanto que tinha gostado dela!
[Mulher, 26 anos, à procura de trabalho, titular de um diploma técnico de gestão BTS/Stephanie Meyer, Twilight. Fascination (Crepúsculo)]32

  • 33 Trata-se da jovem de 27 anos, já mencionada acima, mediadora da vida escolar, cujo livro favorito (...)

28Outra entrevistada33 explica que muitas pessoas a identificaram com a heroína de seu livro de cabeceira, de tal modo que ela acabou adotando o apelido que essa heroína tinha no romance (mudando a grafia ligeiramente: Zophia, em vez de Zofia), e que ainda usa esse apelido como identificador do endereço de e-mail.

29Por meio de todos os extratos de entrevistas citados e analisados, fica evidente a ideia de uma relação particularmente forte e intensa mantida por nossos entrevistados com seus livros de cabeceira, independentemente da idade, da posição social, do grau de escolaridade e da natureza do envolvimento nas práticas de leitura: leitores medíocres, medianos ou grandes podem eleger um livro de cabeceira. A intensidade dessa relação pode ser entendida, pelo menos parcialmente, graças à hipótese do surgimento de um eco identitário cujo livro de cabeceira constituiria um suporte. Esse eco pode se referir a muitas facetas segundo os leitores envolvidos. A identificação com os personagens, as situações, a projeção no indivíduo que se gostaria de ser, a identidade profissional, a origem geográfica, a identidade etnorreligiosa: tais são as múltiplas pistas que foram esboçadas aqui e que merecem ser exploradas de forma mais sistemática no prosseguimento de nossa pesquisa. Se aceitarmos que a construção identitária é um processo que nunca é concluído e que se nutre de muitas fontes (Dubar, 1997), então as fontes literárias também podem explicar o modo como um indivíduo se torna ele mesmo. Os livros de cabeceira, para além do momento do encontro (e, possivelmente, de sua dimensão quase mágica, se for vivida segundo o modo da “paixão à primeira vista”), desempenham um papel essencial na vida dos nossos entrevistados.

Notes

1 Não usaremos aqui esse termo com relação aos livros que literalmente colocamos na mesa de cabeceira, mas no sentido mais comum em francês e mais amplo, de obras preferidas ou de predileção que relemos muitas vezes. Diferentemente da maioria dos livros, o seu uso não se esgota na primeira leitura que deles foi feita, mas, em vez disso, é renovada e fortalecida por repetidas visitas quando não assiduamente (Levy, 2015).

2 É possível citar os exemplos, muito diferentes, de quatro páginas numa edição de 2003 da revista Marie Claire, intituladas “Quel est votre livre culte” [Qual é o seu livro de veneração?]. E também a pesquisa de março de 2009 da revista Télérama sobre os 100 livros de cabeceira de 100 escritores francófonos (<http://www.telerama.fr/livre/les-10-livres-preferes-de-100-ecrivains,40420.php>. Acesso em: 1 set. 2011).

3 Para retomar uma expressão usada por Stéphanie Tralongo (2001) em sua pesquisa sobre a recepção da obra de Christian Bobin.

4 É nessa perspectiva que a comparação com um encontro amoroso se inscreve na escolha do título do livro de Gérald Cahen (2000).

5 Agradeço aos estudantes matriculados em Sociologia da Cultura, no terceiro ano da licenciatura em sociologia na Universidade Paris-Est, em 2010-2011, e que me ajudaram a coletar esses primeiros dados, bem como a seu professor, Alain Quemin. Desde então, duas outras rodadas de entrevistas foram realizadas e o conjunto dos resultados obtidos (que em grande parte já estava prenunciado na pesquisa realizada sobre a primeira rodada de entrevistas analisadas aqui) foi apresentado em Lévy (2015).

6 A relação entre a leitura e tudo que remete às novas tecnologias (blogs, postagens, Twitter, Facebook) não foi suficientemente considerada, embora ela ocupe hoje um lugar significativo para as gerações mais jovens, certamente, mas não só.

7 Os componentes identitários de que falamos aqui podem se relacionar com esferas extremamente diferentes: seja à identidade familiar (apropriar-se do livro de cabeceira de um parente desaparecido), seja à identidade profissional (acadêmicos que, na literatura, se especializam em seu autor favorito), seja ainda à uma identidade marginal, por vezes estigmatizada cujo eco encontramos num texto literário, por exemplo, a judeidade. Pode ser interessante comparar essas modalidades de construção identitária com as que regem os comportamentos dos fãs cujo gosto é exercido em outras áreas: música, cinema (atores e diretores, filmes), televisão, etc. (Cf. “Passionnés, fans et amateurs”, Réseaux, p. 27-153, jan-fév. 2009).

8 Esta distinção é classicamente demonstrada na maioria dos trabalhos de sociologia da leitura.

9 “Bah, au fait au collège, on avait la possibilité de rencontrer l’auteur de ce livre, Olivier Adam. Mais pour ça, il fallait lire au moins un livre qu’il avait écrit. Il y avait lui [La Messe anniversaire] et puis On ira voir la mer… Enfin, le titre La Messe anniversaire m’a interpellée tout de suite. J’ai eu envie de commencer par lui. Je ne pensais pas que j’allais aimer ce livre de cette façon” [Femme, 22 ans, éducatrice spécialisée pour adultes, licence psychologie / Olivier Adam, La Messe anniversaire]. (Nossa tradução. Todos os demais trechos de entrevistas foram traduzidos por nós).
Vamos fornecer, nas citações de trechos das entrevistas, as seguintes informações sobre o entrevistado: gênero, idade, profissão e/ou seu grau de escolaridade e, em seguida, o autor e o título de seu livro de cabeceira.

10 “Déjà, à la base, il est pas à moi puisque c’est ma sœur qui me l’a donné, vu qu’elle avait pas aimé et puis quand elle a vu que j’avais adoré, beh, elle m’a dit: ‘Garde-le!’… C’est un peu sentimental aussi, en fait… Ça reste dans la famille! C’est pas un livre que j’ai acheté, neuf… C’est un cadeau de ma sœur et je trouve que c’est encore plus significatif du fait que ce soit mon livre préféré… C’est peut-être aussi parce que c’est ma sœur qui a su le trouver pour moi, en fait! Ça montre qu’elle me connaît bien et c’est super important pour moi, en fait! Il a une histoire en quelque sorte, ce livre… [Femme, 21 ans, étudiante en L2 LEA anglais-espagnol / Marc Lévy, Sept jours pour une éternité]

11 Algumas das leituras que eles impõem podem realmente se transformar, como já mencionado acima, em leituras apreciadas ou até mesmo em livros de cabeceira.

12 NdT. Certificado de aptidão ao ensino de segundo grau. Trata-se de um concurso público para o ingresso de professores no ensino fundamental e médio. Aproveitamos para esclarecer que, após o acordo de Bolonha, feito pela Comunidade Europeia para a equiparação da formação universitária, a graduação corresponde a três anos de Licence (L1, L2, L3); o Mestrado, a dois anos com diplomas separados (M1, M2), e, em seguida, vem o doutorado, com tempo mínimo de 3 anos.

13 “Ce livre, je l’ai rencontré quand j’étais élève, je pense, étudiante… On m’a demandé de le lire pour les cours si je me souviens bien. En fait, en y repensant, c’est grâce à mon professeur que je l’ai lu. Enfin, je ne peux pas savoir si de moi-même, je l’aurais lu plus tard.” [Femme, 61 ans, professeur de français à la retraite, Capes /Jean Anouilh, Antigone]

14 Um certo número de entrevistados recusa-se, assim, a resumir de modo muito detalhado a trama de seu livro de cabeceira, ou ainda o epílogo, alegando o fato de que o pesquisador pode ser levado a ler esse livro e de que o entrevistado não deveria estragar o prazer da primeira leitura. Muitos enfatizam explicitamente que eles esperam ter “dado vontade” no pesquisador de descobrir e de apreciar seu livro de cabeceira.

15 Mais uma vez, apenas reiteramos um resultado já amplamente evidenciado pelos estudos anteriores de sociologia da leitura, inclusive no caso dos mais jovens (Singly (de), 1989).

16 “Je travaillais dans une association qui s’occupe des enfants et des adolescents malades ou handicapés, l’ENVOL, qui se trouve du côté de Fontainebleau. Et en fait, je rentrais de ce séjour qui avait été émotionnellement assez riche. Et sur le trajet du retour dans le train, en fait, je lisais ce livre… Ça a vraiment été une révélation pour moi parce que je frissonnais, alors qu’il faisait une chaleur énorme dans le train! Je frissonnais, tellement il me faisait vivre des émotions intenses, ce bouquin […] J’ai un souvenir très intense du moment où je l’ai lu, le contexte dans lequel j’étais et aussi ce qu’il m’a fait vivre. Et à chaque fois que je le lis, je ressens à peu près les mêmes sensations.” [Femme, 27 ans, médiatrice de vie scolaire ; inscrite en M1 information, documentation et titulaire d’un M1 de psychologie / Marc Lévy, Sept jours pour une éternité]

17 Este é o caso de uma leitora de Marc Lévy, bem consciente do caráter kitsch e “bobinho” da história que está resumindo, e que confessa que ela própria pensava isso inicialmente. Porém, ela explica que “o livro funciona ainda assim”, que alguma coisa funciona para além do caráter convencional da trama.

18 O livro de cabeceira é aqui – como para muitos rapazes do corpus – uma série composta por vários volumes.

19 “Le livre t’a-t-il plu tout de suite? En fait, c’est marrant parce que non… Au début, j’ai lu le premier tome. Puis le deuxième, puis j’ai arrêté, ça m’a fait chier… Et j’ai pas réalisé tout de suite le potentiel du bouquin et, en fait, c’est parce que ça part vraiment au bout du quatrième tome […] Je ne me suis pas lancé dedans. Il m’a fallu, en fait… Je m’y suis mis, j’avais 18 ans, j’ai lâché et je m’y suis remis vers 21, 22 ans… pour faire toute la suite des 13 tomes en à peine trois mois.” [Homme, 24 ans, inscrit en M1 et titulaire d’une licence en droit / Robin Hobb, L’Assassin royal]

20 Enquanto, em comparação, os entrevistados explicam que assistir à televisão esvazia a cabeça, mas não acalma, jogar videogame relaxa no início, mas, em seguida, excita.

21 “Celui-là, je le lis particulièrement quand j’ai eu une sale journée. Quand j’suis très fatigué, je lis ce bouquin. Il m’apaise même si c’est ultra-gore. C’est ultra-violent mais j’sais pas, il m’apaise… Il me tranquillise et j’sais qu’après, je vais passer une bonne nuit.” [Homme, 28 ans, employé à Groupama, titulaire d’un BTS hôtellerie-restaurant / Patricia Cornwell, Jack l’éventreur : affaire classée]

22 “Je dois le lire une fois tous les deux ou trois mois en fait… C’est dès que j’ai un moment de libre et que je n’ai aucune lecture intéressante à me mettre sous la main. Du coup, je prends celui-ci et je le lis dans les transports, quand je fais la queue à un guichet, quand je m’ennuie à la maison… C’est un peu mon livre passe-temps, je crois [rires]” [Femme, 23 ans, master d’économie gestion / Amélie Nothomb, La Métaphysique des tubes]

23 “– Qu’est-ce qui te plaît dans cette histoire? – Tout… Mais absolument tout! J’ai pleuré et j’ai rigolé en lisant ce livre. Ça ne m’était jamais arrivé avant. J’étais tellement à fond dedans…” [Femme, 23 ans, inscrite en master sciences de l’éducation / Marc Lévy, Où es-tu?]

24 “Il est en haut à droite de ma bibliothèque et euh, à chaque fois que je refais ma bibliothèque, quand j’en rajoute ou là, récemment, quand j’en ai enlevés, je les range, je les reclasse et puis je les remets et ceux-là, c’est les seuls qui ont toujours leur place et que j’enlève très rarement, tous ensemble pour les remettre en place, parce qu’ils ont leur place. Alors que d’autres, peu m’importe qu’ils soient à gauche ou à droite dans la bibliothèque.” [Homme, 21 ans, inscrit en L3 d’histoire / Série de mangas : Full Metal Alchemist]

25 “— Vous identifiez-vous au personnage? — Ben oui et non, en fait. Si vous voulez, non, car c’est un garçon, mais oui, car moi, j’aime tout ce qui est imaginaire, même que certaines personnes disent que j’ai ce qu’on appelle le syndrome Peter Pan. Alors oui, j’aurais aimé être cette personne, pour être dans ce monde imaginaire où l’on pense que tout est beau, enfin oui… pour goûter au monde magique, fuir le monde réel […] Mais si c’était une fille, j’aurais aimé être ce personnage, quoi.” [Femme, 18 ans, terminale L (histoire de l’art) / Lois Lowry, Le Passeur]

26 “— Alors, quand j’étais jeune, je m’identifiais à Timothée. Timothée c’est un petit jeune qui suivait Paul qui était un apôtre, et Paul voyageait avec Timothée, et quand il se déplaçait, quand il rencontrait de nouvelles personnes avec qui il échangeait sur les conditions de la vie humaine, Dieu, il laissait Timothée là pour continuer à analyser les choses avec eux, et donc, je trouvais que Timothée avait une approche […] En même temps c’est un personnage très simple, mais voilà, c’est quelqu’un à qui je m’identifiais, de façon… parce que Paul à écrit une phrase, en lui disant: ‘Que personne ne méprise ta jeunesse.’ [Homme, 50 ans, directeur général d’établissement médico-sociaux / La Bible]

27 “Le livre est arrivé à une période difficile, celle de l’adolescence. Cette bande d’amis, c’était comme la mienne. Je vivais l’histoire car j’avais le même genre de vie, d’amis… J’avais l’impression que c’était mon histoire. Et quelques temps auparavant, j’avais perdu un ami dans un accident de voiture. Alors du fait que cela se reproduise dans le livre, ça m’a bouleversée […] En fait, les personnages me parlaient, je pouvais presque me prendre pour une amie de la bande. Et je me reconnaissais un peu dans chaque ado, avec un caractère différent. Je crois que c’est ça qui m’a surprise, que j’arrive à m’identifier à des personnages et à vivre avec eux leur vie…” [Femme, 22 ans, éducatrice spécialisée pour adultes, titulaire d’une licence en psychologie / Olivier Adam, La Messe anniversaire]

28 “Y’a un livre que j’relis tout le temps, c’est un livre sur le langage, et paradoxalement, je suis incapable de te donner le nom de l’auteur… Parce que c’est un linguiste et tout, voilà… De toute façon, c’est le seul sujet qui m’intéresse. Si j’avais commencé les études avant, parce que j’ai repris les études sur le tard, et… J’aurais voulu faire un troisième cycle, faire de la linguistique… C’est un peu mon thème de prédilection. Ce bouquin, j’y reviens car c’est que des choses qui m’intéressent […] Je l’ouvre au hasard et ça m’inspire, en fait… Des fois sur les phonèmes… Je pense que c’est le genre de recherches que j’aurais voulu faire, mais je me pensais trop âgé pour pouvoir…” [Homme, 53 ans, professeur d’anglais en collège, Capes /?, Le Langage]

29 “Combien de fois l’avez-vous lu et relu? Bah, disons que je l’ai lu en tant qu’élève et puis je l’ai lu avec mes élèves parce que je l’ai travaillé plusieurs fois, plusieurs années avec mes élèves de 3e… Bon, je l’ai relu pour moi aussi mais c’est difficile à dire dans la mesure où j’ai travaillé énormément dessus […] Je l’ai fait étudier parce qu’il me plaisait et ça leur a beaucoup plu.” [Femme, 61 ans, professeur de français à la retraite, Capes /Jean Anouilh, Antigone]

30 “J’aime bien que ça parle de choses que je connais et où je me retrouve […] Ce qui m’a beaucoup plu, c’est qu’il était de Lyon. Mes grands-parents ont vécu à Lyon très longtemps! […] Alors déjà quand il commence à parler de Lyon, du parc de la Tête d’Or, etc., moi, ça me rappelle… Bon, j’y ai été une fois avec mes grands-parents. Et puis il en parlait beaucoup, mon grand-père, c’est… Enfin, j’adorais mon grand-père, vraiment, et euh, en plus, il habite Lyon et en fait il commence à raconter qu’il habite dans un théâtre, dans le théâtre de l’Eldorado où a travaillé mon grand-père” [Femme, 51 ans, employée à la CAF / Azouz Beggag, Un mouton dans la baignoire].

31 Essa entrevistada, judia, afirma apreciar o conjunto das obras de Marc Lévy, mas elegeu como livro de cabeceira um único livro desse autor, autobiográfico e não ficcional, que retraça o percurso do pai de Marc Lévy durante a Segunda Guerra Mundial.
“Pour les livres, j’accorde beaucoup d’importance aux sujets qui traitent de la Seconde Guerre Mondiale… C’est aussi dû à mes origines religieuses [rires]… Non, plus sérieusement, c’est vrai que je suis plus sensible à certaines histoires que, je sais, ont touché ma famille.” [Femme, 19 ans, inscrite en L1 / Marc Lévy, Les Enfants de la liberté]

32 “Dans ce livre, tout ce que dit Edward est tellement magnifique, mais c’est vrai que l’une des phrases m’a marquée… D’ailleurs, plein de lectrices… C’est: ‘Tu es comme une drogue pour moi, c’est comme si tu étais ma propre marque d’héroïne.’ J’avais d’ailleurs mis cette phrase en statut Facebook, tellement elle m’avait plu! [Femme, 26 ans, en recherche d’emploi, titulaire d’un BTS gestion / Stéphanie Meyer, Twilight. Fascination]

33 Trata-se da jovem de 27 anos, já mencionada acima, mediadora da vida escolar, cujo livro favorito é Sept jours pour une éternité de Marc Lévy.

Auteur

Professeur en sociologie à l’Institut d’Etudes Européennes / Université Paris 8 – Chercheur au LabTop-CRESSPA
Germana Henriques Pereira (Traducteur)