Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Arte e vida social

 | 
Alain Quemin
, 
Glaucia Villas Bôas

Terceira parte. Trajetórias dos artistas, instituições e formas de criação

As artes plásticas nas escolas de arte: uma prática definitivamente generificada?

Frédérique Joly
Traduction de Germana Henriques Pereira

Résumé

Este capítulo permite-nos indagar sobre a questão de gênero, particularmente sobre o lugar reservado para as meninas nas escolas de arte. A partir de uma pesquisa de campo realizada como parte de um doutorado em Sociologia da Arte e conduzida em oito escolas no Norte da França (foram escolhidas para o estudo quatro escolas municipais e quatro escolas de nível superior), apresentaremos alguns dos resultados obtidos, as questões que estes polarizam quanto ao lugar das meninas em escolas de arte, assim como o papel desempenhado pelas mães e outros membros da família.
Vamos apresentar, em especial, as discrepâncias entre meninas e meninos matriculados na escola de arte com relação à quantidade e ao nível de escolaridade e, em seguida, vamos nos concentrar sobre as dificuldades de empregabilidade enfrentadas pelas meninas.
À luz dos estudos realizados sobre a inserção profissional dos estudantes diplomados por escolas de arte (Galodé; Danner, 2006), verifica-se, com efeito, que as meninas apresentam mais dificuldades em se integrar profissionalmente do que os meninos. Elas levam mais tempo para entrar no mercado de trabalho e têm contratos profissionais menos favoráveis. Paradoxalmente, os números atuais provam que as meninas são, contudo, maioria nas escolas de arte e traçam trajetórias escolares muitas vezes menos caóticas (Segre, 1993).
Quais são as razões para que as meninas, em maior quantidade e com melhor desempenho escolar do que os meninos, sejam tão desfavorecidas após o término da formação? Como explicar esta “aporia” entre as dificuldades de empregabilidade que ainda hoje as meninas enfrentam, embora as pesquisas mostrem que elas são mais numerosas e mais bem-sucedidas na escola do que os meninos? (LORNAGE, 2008).
Finalmente, por meio deste estudo, nos interrogamos acerca da possibilidade de haver uma diferença de comportamento entre meninas e meninos e sobre supostos efeitos dela decorrentes. Entrevistas com os estudantes inscritos em escolas de arte de nível superior irão esclarecer em parte essas questões, mesmo se não esgotam todas as possibilidades de explicação dos comportamentos.

Note de l’éditeur

Traduzido do francês por Germana Henriques Pereira.

Texte intégral

1Muitas práticas artísticas e culturais estão agora disponíveis para crianças e adolescentes no ambiente escolar, mas também fora dele. Alguns estudos (Octobre, 2004; Octobre et al., 2010; Octobre, 2010) nos permitiram quantificar e qualificar essas práticas artísticas e culturais, como também defini-las no que diz respeito às trajetórias. A prática das artes plásticas, atividade que ocupa um lugar semelhante ao da música no currículo escolar, é organizada de forma diferente no tempo de lazer. As escolas de arte municipais, assim como uma série de associações e centros comunitários, oferecem a oportunidade de imersão em um grande número de disciplinas artísticas que vêm complementar o contexto escolar, ou então se diferenciar dele, por meio de uma abordagem cada vez mais contemporânea, mais técnica ou mais lúdica das artes visuais. Essas escolas de arte municipais, que são também chamadas de escolas de arte para amadores, acompanham as demandas da população local com relação à educação artística específica e apresentam um olhar diferenciado sobre as artes e as práticas artísticas. Esses primeiros estudos, levam, por vezes, o adolescente a escolher se inscrever numa escola superior de arte.

2Este capítulo tem, portanto, por objetivo investigar a questão de gênero, e particularmente indagar sobre qual é o lugar reservado para as meninas, ou as jovens, em escolas de arte. A partir de uma pesquisa de campo realizada como parte de um doutorado em sociologia da arte e conduzida em oito escolas no Norte da França (foram escolhidas para o estudo quatro escolas municipais e quatro escolas de nível superior), apresentaremos alguns dos resultados obtidos, as questões que eles polarizam quanto ao lugar das meninas em escolas de arte, assim como o papel desempenhado pelas mães e outros membros da família.

3Finalmente, por meio deste estudo, nos interrogamos acerca da possibilidade de haver uma diferença de comportamento entre meninas e meninos e acerca dos supostos efeitos dela decorrentes. Entrevistas com os estudantes inscritos em escolas de arte de nível superior irão esclarecer em parte essas questões, mesmo se não esgotam todas as possibilidades de explicação dos comportamentos.

Metodologia

4A primeira parte do nosso estudo analisou uma população de cerca de 300 adolescentes matriculados em escolas de arte de práticas amadoras, como também seus pais. Quatro escolas de arte de práticas amadoras foram selecionadas na região de Nord-Pas-de-Calais, no norte Norte da França, para serem objeto deste estudo: a Escola de Arte do Calaisis, a Escola Municipal de Artes de Boulogne-sur-Mer, a Escola de Belas Artes de Saint-Omer e a Escola de Arte Dunquerque. Um total de 297 adolescentes com idade entre 11 e 16 anos responderam a um questionário, assim como 131 pais ou familiares.

5A segunda parte do estudo foi realizada em quatro escolas superiores de Arte da região de Nord-Pas-de-Calais: a Escola Superior de Arte de Cambrai (ESA), a Escola Regional de Belas Artes de Dunquerque (ERBA), a Escola Regional Superior de Expressão Plástica de Tourcoing (ERSEP) e a Escola Superior de Belas Artes de Valenciennes (ESBA). Foram entrevistados por questionário 108 estudantes, e, em seguida, selecionados 12 deles para entrevistas qualitativas (ver anexo).

6Optamos por realizar essas duas partes do estudo cruzando diferentes ferramentas sociológicas, tais como a análise de documentos para compreender a oferta de cursos e o funcionamento das escolas, o questionário autodirigido aplicado aos adolescentes matriculados nas escolas de artes de práticas amadoras e seus pais, como também entrevistas com alunos, professores e responsáveis por essas instituições.

7A sensibilização às artes plásticas/artes contemporâneas em escolas de arte de práticas amadoras surge, sem dúvida, entre os adolescentes com idades entre 11 e 16 anos, como uma prática generificada (Fougeyrollas-Schwebel et al., 2003, p. 16 e 205).

  • 1 CRR: Conservatoire à Rayonnement Régional [Conservatório para o Crescimento Regional]; CRD: Conser (...)

8De fato, as meninas frequentam em maior número as quatro escolas de arte de práticas amadoras que fazem parte do estudo, representando quase 68% dos alunos matriculados em comparação com 32% de meninos. Esses valores são significativamente mais elevados do que os da prática musical, já que as meninas nas CRR1 ou CRD constituem 55,2% dos estudantes de música (Dietsch; Sotto, 2010).

Figura 1. Divisão do alunado por gênero

Figura 1. Divisão do alunado por gênero

9Não há diferenças por faixa etária porque em todas as idades as meninas dominam amplamente quanto ao número de inscrições.

10No entanto, notamos que em duas das quatro escolas estudadas os meninos mostram uma retomada do interesse pelas aulas de arte a partir dos 15-16 anos. De fato, é nessa faixa etária que as diferenças são menos importantes: 60% de meninas contra 40% de meninos. As explicações podem ser inúmeras: podemos considerar que existam mais inscrições por parte dos meninos, mas também que haja uma tendência ao desinteresse por parte das meninas. Esse reequilíbrio da distribuição de meninos e meninas parece antes estar relacionado mais a processos de socialização do que a propostas pedagógicas específicas.

  • 2 “As mulheres que escolhem a carreira artística têm menos chances do que os homens em atingir uma f (...)

11Durante as entrevistas, indagamos os alunos sobre a questão da distribuição meninas/meninos. Os estudantes pareceram surpresos com a pergunta, mas, no entanto, admitiram que não puderam deixar de notar esse desequilíbrio numérico. A partir dessa diferença de número entre meninas e meninos, sentimos o desejo de continuar as entrevistas baseando uma parte de nossas perguntas no comportamento das meninas em escolas de arte e sua inserção profissional após a obtenção do Diploma Nacional Superior de Expressão Plástica – DNSEP (Pasquier, 1983, p. 418-431)2. Parecia, de fato, interessante aprofundar a questão de gênero em termos de comportamento ou de práticas a partir de uma simples constatação de desproporção numérica entre meninas e meninos. Alguns evocam diferenças de abordagens técnicas entre meninas e meninos, outros diferenças metodológicas opondo as meninas, mais teóricas, aos meninos, mais espontâneos em tarefas práticas; outros ainda fazem prevalecer diferenças de sensibilidade das meninas em face de comportamentos mais combativos dos meninos. Alguns estudantes ainda levantam a questão de uma arte “feminina” (Lloze, 2007, p. 92). Isso sugere que, para os estudantes entrevistados, poderia haver, de fato, diferenças comportamentais devido ao gênero.

  • 3 Ver a lista de alunos pesquisados em anexo.

12Christelle3, por exemplo, dá-nos uma explicação técnica para a diferença de comportamento entre meninas e meninos matriculados na escola superior de arte:

  • 4 “Dans le travail, on n’a pas la même approche, les filles travaillent plus sur la minutie, les pet (...)

Durante o estudo, não temos a mesma abordagem, as meninas trabalham mais na atenção aos detalhes, às pequenas coisas; os meninos são atraídos por coisas mais amplas, os pincéis são maiores, as meninas usam os pincéis menores [...]. Isso talvez venha da influência da sociedade [...] As meninas são mais atraídas pelos pequenos instrumentos.4

13Chloé concorda:

  • 5 “Je pense que les filles sont plus studieuses, plus soignées, alors que les garçons moins, on obse (...)

Eu acho que as meninas são mais estudiosas, mais bem cuidadas, enquanto os meninos são menos; observamos aqui que as meninas tendem a ter mais paciência; elas vão ser mais minuciosas [...] Acho que isso esteja, talvez, ligado à personalidade feminina.5

14Para Anaïs, a diferença se situa mais do lado teórico:

  • 6 “On a peut être une approche différente, quand on a un sujet, on le décortique plus, on s’occupe p (...)

Temos, talvez, uma abordagem diferente; quando temos um tema para discussão, vamos dissecar tudo antes; cuidamos bem mais do fundo do que da forma, enquanto os meninos vão de qualquer jeito meter a cara; a gente pensa mais. [...] Temos um olhar mais sensível. [...] Eu, por exemplo, faço escultura, uma matéria mais masculina; é difícil se destacar. Tecnicamente, não há nada que nos impeça de fazer escultura.6

15O mesmo acontece com Léa, que precisa primeiro teorizar sua criação antes de começar a trabalhar o aspecto mais prático:

  • 7 “Je pense que les filles sont plus proches de la théorie. Je trouve les garçons plus dans la prati (...)

Eu acho que as meninas estão mais próximas da teoria. Acho que os meninos estão mais na prática, na técnica; eles produzem muito; sentem necessidade de fazer, de produzir [...]. As meninas é que precisam de teorias para justificar seu trabalho. Bom, eu sei que sempre preciso teorizar antes de praticar; não sei se esse é um bom método. Talvez isso venha de uma necessidade de justificar, de legitimar o nosso trabalho, mesmo para nós [...]. Os meninos seriam mais instintivos; eles teorizam depois [risos] [...]; essa pode ser uma das razões que explicam por que a gente tem mais dificuldade para chegar lá enquanto mulheres; é mais difícil para nós ir direto ao ponto, isso porque a gente fica mais na introspecção. Acho que a gente tem mais medo de apresentar nosso trabalho quando saímos da escola [...]. Os meninos se colocam menos questões.7

16Essa constatação pode ser o resultado de uma predefinição de gênero, já que as pessoas entrevistadas são meninas. No entanto, do lado dos meninos, encontramos o mesmo tipo de argumentos, como é o caso de Hugo:

  • 8 “Cela dépend des filles, elles sont plus réfléchies, je pense, elles réfléchissent à leurs sujets (...)

Depende da menina, elas são mais reflexivas, acho. Pensam sobre os temas de trabalho antes de começar, enquanto nós, meninos, passamos direto para a produção. Fazemos as coisas às pressas e, em seguida, colamos em cima nosso discurso, enquanto as meninas são mais cuidadosas. Pensam em todo o conjunto antes de produzir, fazem croquis...8

17Alguns estudantes, no entanto, salientam, e com razão, que, se o número de alunos de acordo com o gênero parece desequilibrado, a distribuição por sexo do lado dos professores tampouco parece equilibrada. Se olharmos para os números de cada uma das oito escolas envolvidas no estudo, vemos, de fato, um grande desequilíbrio na representação das mulheres em cargos de ensino. Os homens ocupam 58% dos cargos nas escolas de arte de práticas amadoras contra 42% de mulheres. O desequilíbrio fica ainda mais evidente nas escolas superiores de arte, uma vez que os homens representam 72% dos professores e as mulheres apenas 28%.

Figura 2. A distribuição por sexo entre os professores

Figura 2. A distribuição por sexo entre os professores

18Infelizmente não podemos aqui nos demorar, buscando explicações para essa diferença tangível entre homens e mulheres, mas sabemos que isso seria sensato. Essas explicações podem esclarecer muitas perguntas sobre o lugar das mulheres nas escolas de arte hoje, mas também sobre a sua posição no mercado de trabalho, particularmente o artístico. Esse desequilíbrio na esfera do quadro de professores (Ferrer, 2007, p 89) desperta em Céline algumas observações:

  • 9 “C’est vrai qu’il y a plus de filles en école d’art, mais chez les professeurs, il y a aussi plus (...)

É verdade que há mais meninas nas escolas de arte, mas entre os professores, há mais homens, especialmente entre os professores que estão envolvidos em pesquisa. Aqui há apenas uma mulher que cuida da pesquisa e isso ainda na graduação. As outras professoras cuidam mais da cultura geral, em matérias como história da arte, inglês, filosofia, vídeo [...]. O lado técnico é reservado aos homens.9

19Chloé, por sua vez, formula suas preocupações, que justificariam em parte, e apenas em parte, as dificuldades que as mulheres enfrentam em sua integração profissional:

  • 10 “Pour mon bilan de fin d’année, je travaille sur la place des femmes dans la société à travers leu (...)

Para o meu trabalho final, estou pesquisando sobre o lugar das mulheres na sociedade através de seus corpos, e meu professor de fotografia, que gosta do meu trabalho, me aconselhou a me preparar direitinho para minha prova oral, porque eu poderia enfrentar uma certa relutância por parte da banca [...]. Ele me disse: “Você vai lidar principalmente com homens na banca; você tem que se preparar bem para defender seu trabalho.”... Quando a gente trabalha sobre o tema do lugar das mulheres na sociedade, ou então a nudez, gera um bloqueio [...]. Ser uma mulher e falar sobre a condição das mulheres nos coloca imediatamente do lado das feministas. Eu sou para eles uma rebelde, uma militante...10

20Essa maneira de pensar o trabalho artístico feminino como tendo que ser mais justificado coincide, num primeiro momento, com os argumentos de outros alunos que apresentam o trabalho artístico das mulheres como amplamente teorizado, mas também evoca, num segundo momento, a negociação e adaptação constantes que as alunas das escolas de arte terão que vivenciar, de onde presumivelmente vem essa imutável necessidade de se justificar pela teoria ou pelas referências, por essa necessidade de se mostrar “boa aluna”. Mas é isso realmente que se pede a um artista, a um criador hoje? Não seria antes o início de uma explicação da dificuldade enfrentada pelas meninas para pegar os primeiros lugares no mercado internacional ou simplesmente para encontrar trabalho (Galodé; Danner, 2006)? Ao tentarem justificar demais suas competências, para demonstrar que têm o seu lugar na escola de arte e na cena de arte em geral, as meninas podem perder de vista que a criação artística também requer outras habilidades ou comportamentos que os meninos usam amplamente, como a rapidez, a espontaneidade ou ainda a combatividade, como lembrou Emmanuelle:

  • 11 “On est dans un monde quand même plus favorable aux hommes qu’aux femmes et comme le milieu artist (...)

Estamos num mundo que ainda é mais favorável aos homens do que às mulheres, e como o meio artístico é um meio superdifícil e bacana, as mulheres têm mais dificuldade de se dar bem. [...] Você realmente tem que lutar [...] Devemos sempre provar que temos algo a dizer. Somos muitos e os espaços em galerias são raros, por exemplo [...], então fica complicado...11

21Céline parece fazer uma observação semelhante:

  • 12 “C’est l’étiquette, le fait de se dire pour un employeur que d’embaucher une jeune femme, c’est pl (...)

É a etiqueta, o fato de um empregador se dar conta de que vai contratar uma jovem mulher; é mais arriscado, porque ela pode tirar uma licença-maternidade; eles têm medo de se comprometer contratando uma mulher jovem. [...] E depois há também essa ideia de competição; as mulheres são menos combativas em concursos e talvez se deixem ser passadas para trás [...]. São estereótipos que ainda permanecem.12

22A partir de um desequilíbrio no número de meninas e meninos, chegamos à menção de uma verdadeira diferença no comportamento entre os gêneros nas escolas de arte. Essas diferenças comportamentais ligadas ao sexo esclarecem-nos sobre o modo como as meninas consideram a criação artística, mas também como revelam implicitamente os desafios futuros com os quais terão que lidar.

23Quanto à questão das razões da predominância de meninas matriculadas em escolas de arte, teremos de retornar às suas trajetórias adolescentes para identificar as influências que porventura as tenham persuadido a escolher uma formação artística.

24A prática de artes visuais seria mais resguardada ou mais oferecida às meninas e às adolescentes por parte dos pais? Uma mãe vai propor mais facilmente a sua filha do que a seu filho de se matricular em escolas de arte? São os pais que geram os comportamentos sexuados ou será que apenas reforçam alguns, como sublinhou Geneviève Bergonnier-Dupuy (1999, p. 71)?

O papel das mães na escolha de uma prática artística

25Este estudo também nos levou a entrevistar os alunos sobre suas motivações, bem como sobre os agentes que os incentivaram a se inscrever numa escola de arte. Os adolescentes e alunos entrevistados tiveram a oportunidade de dar várias respostas para a pergunta: “Quem teve a ideia de inscrever você numa escola de arte?”.

26O papel proeminente e prescritor das mães no ato da matrícula de seus filhos em escolas de arte de práticas amadoras aparece logo nas primeiras análises, pois elas aparecem como responsáveis pela matrícula na ordem de 30%, ao lado de um grande número de respostas, confirmando que a maioria dos estudantes se inscreveu por vontade própria – 70% das respostas. Isso significa que um jovem em cada três acredita que sua mãe é, em parte ou totalmente, responsável por sua inscrição numa escola de arte; ela é, nesse caso, o agente prescritor preponderante na escolha das atividades artísticas de seus filhos. Elas incentivam suas filhas mais do que seus filhos para se matricular em escolas de arte? As artes plásticas representam para as mães uma prática artística mais adequada às meninas, porque exigiria concentração, habilidade e paciência, qualidades que são mais atribuídas às meninas?

Figura 3. Quem teve a ideia de matricular você numa escola de arte?

Figura 3. Quem teve a ideia de matricular você numa escola de arte?

27Além disso, quando entrevistamos os pais desses adolescentes sobre sua parte de responsabilidade na matrícula do filho numa escola de arte, o número de respostas positivas que obtemos são maiores, sobretudo no caso das mães, que se consideram como o principal agente prescritor nesse caso. As mães se colocam como responsáveis em 50% dos casos pela escolha dessa atividade artística a ser praticada por seu filho, enquanto apenas 18% dos pais se colocam como responsáveis e os amigos do adolescente apenas 3%. Quanto aos adolescentes, 9% deles afirmam que foi seu grupo de amigos que os levou a se inscreverem numa escola de arte. Entre os pais, o número cai para 3%, o que mostra que os pais às vezes subestimam a importância da influência que podem ter os amigos da mesma idade na escolha de um adolescente (Fize, 2006).

28No entanto, vemos nessa primeira parte do estudo o papel preponderante desempenhado pelas mães na escolha de uma prática artística, especialmente quando o adolescente é uma menina. Essas diferenças, por vezes significativas entre as respostas das crianças e as respostas dos pais, confirmam que a criança pode, por um lado, ter superestimado o próprio papel na inscrição e, por outro, ter subestimado aquele de seus pais e, em especial, o de sua mãe. Isso também vem corroborar a ideia de que o contexto familiar pode ganhar uma dimensão invisível e inconsciente para o adolescente, dimensão que será, no entanto, essencial na transmissão, dos pais para os filhos, da apetência pelas práticas culturais e pelo nascimento dos gostos.

29Sabemos também que hoje, graças a várias pesquisas (Donnat, 1996), as mães desempenham junto aos filhos um papel educativo, cuja frequentação de museus, salas de teatro e locais de entretenimento e práticas culturais representa um aspecto essencial. Além disso, grande parte do campo cultural, sobretudo no que diz respeito às práticas legítimas (Octobre, 2010, p. 210), é investido hoje cada vez mais por mulheres. Elas constituem elementos de mediação de práticas culturais essenciais para a sua divulgação e a orientação junto a seus filhos.

30Devemos acrescentar ainda que a maioria dos pais de alunos matriculados nas escolas de arte envolvidas em nosso estudo mostra um nível de escolaridade superior ao vestibular [baccalauréat], e que as mães possuem mais diplomas do que os pais. Em termos de práticas artísticas, as mães parecem muito ativas e integram em seu tempo de lazer uma ou mais atividades artísticas: frequentam cinemas (92%), algumas praticam esportes (35%) e outras visitam exposições (65%) ou frequentam teatros (32%).

31Finalmente, nosso estudo permitiu revelar que a prática amadora de artes plásticas não é uma atividade compartilhada por todos os membros da família, nem por outros filhos no seio de uma mesma família. O/a adolescente matriculado/a numa escola de arte não compartilha automaticamente sua atividade com seus irmãos e irmãs. Esses números reforçam o caráter autônomo e solitário da prática e daqueles adolescentes sensíveis a ela.

32Para complementar os dados quanto ao lugar das mães na escolha de uma formação artística, também perguntamos aos estudantes matriculados nas escolas superiores de arte o grau de influência que as mulheres exercem e o lugar que a mãe ocupa em suas famílias.

  • 13 “Quando perguntados sobre a imagem de feminilidade encarnada pela mãe, as meninas tendem a querer (...)

33Assim, a influência das mães continua variável, alguns alunos assumem isso totalmente, outros bem menos. Algumas alunas entrevistadas têm muitas dificuldades em admitir qualquer relação entre sua inscrição numa escola de arte e a importância do papel que desempenhou sua mãe. Estamos diante de uma espécie de negação materna, às vezes bem longe da realidade no que diz respeito ao verdadeiro papel que as mães desempenham. Isso nos remete às observações de Caroline Moulin em seu estudo sobre feminilidades nas adolescentes (Moulin, 2005, p. 177)13. Outros estudantes, em contrapartida, admitem sem rodeios fortes ligações entre eles e suas mães.

34Como Chloé:

  • 14 “Oui, c’est certain, et même petite, parfois dans son travail, ma mère ne pouvait pas me faire gar (...)

Sim, com certeza, e até mesmo pequena, às vezes durante o trabalho, minha mãe não podia me deixar com alguém, então ela me levava para os estúdios fotográficos; eu cresci nesse meio... por outro lado, nós três nos ajudamos em casa, tanto minha mãe como meu pai.14

35Emmanuelle diz o mesmo:

  • 15 “Oui, ma mère était elle aussi inscrite dans cette école communale, elle suivait les cours de pein (...)

Sim, minha mãe também estava inscrita nessa escola municipal; ela fazia o curso de pintura a óleo, e agora ela faz modelagem. Ela já conhecia bem as pessoas que dirigiam a escola quando ela me inscreveu e acho que ela me encorajou a ir. Minha mãe tem uma certa afinidade com a arte, mesmo que tenha se aprofundado menos do que eu. [...] Penso que, de alguma forma, minha mãe acha uma pena não terem lhe dado essa oportunidade quando mais jovem.15

36Quanto aos meninos entrevistados, os resultados são comparáveis, embora pareçam menos envergonhados do que as meninas em admitir o papel preponderante desempenhado por suas mães na sua escolha da orientação profissional.

37É o caso de Hugo:

  • 16 “Ma mère a de toute évidence eu une grande influence sur moi car, déjà tout petit, elle m’emmenait (...)

Minha mãe, obviamente, teve uma grande influência sobre mim, porque já desde pequeno ela me levava para ver exposições, comprava revistas, livros, isso é da família...16

38Ou o de Victor:

  • 17 C’est sûr que ma mère m’a influencé puisque c’est elle qui m’a donné l’idée de m’inscrire aux Beau (...)

Com certeza foi minha mãe quem me influenciou, porque foi ela quem me deu a ideia de me inscrever em Belas Artes [...]. Minha avó também, ela ficava feliz de ver o que eu conseguia fazer no desenho [...]. Minha irmã também me incentivou, ela é muito interessada em tudo o que é artístico, adora concertos, museus; e tem também meu irmão que faz teatro, a gente vive imerso nesse meio [...]. Minha mãe ainda pinta como amadora.17

39A noção de amador aqui é importante porque Victor parece se distinguir dos outros membros da família por esse qualificativo, sobretudo com relação às práticas de sua mãe:

  • 18 “Elle fait des sortes de sculptures un peu étranges [rires], elle suit ces cours dans les ateliers (...)

Ela faz umas espécies de esculturas um pouco estranhas [risos]; ela faz esses cursos em oficinas extracurriculares de Cambrai, onde ela também faz cinema amador.18

40Se Victor admite de bom grado a parte de transmissão e influência da família, especialmente da mãe, ele pretende se destacar contudo das práticas amadoras de sua família qualificando-os dessa forma, e também por meio de sua entonação e das risadas associadas a seus comentários.

41Outros estudantes, após revelarem a importância do papel de suas mães no momento da primeira matrícula na escola de arte, muitas vezes falam do fenômeno da “transferência inversa”, como Céline:

  • 19 “Ma mère a suivi aussi des cours aux ateliers […] C’est en fait un peu moi qui lui ai donné envie, (...)

Minha mãe também fez cursos nas oficinas [...]. Na verdade, fui eu um pouco que incentivei; ela me inscreveu e, alguns anos depois, ela se matriculou [...]. Foi como na música. Ela sempre quis fazer e agora ela cursa já há três anos; foi um pouco graças a mim.19

42Também é o caso de Léa:

  • 20 “Ce serait plutôt moi qui ai fait la transmission inverse car, depuis que je suis dans le milieu a (...)

Fui eu que fiz a transmissão inversa, pois desde que eu entrei no mundo da arte meus pais ficaram mais interessados na arte e no que eu faço.20

Conclusão

43Este estudo empírico nos permitiu compreender melhor o público adolescente que estuda em escolas de arte de práticas amadoras e em escolas de arte de nível superior na região de Nord-Pas-de-Calais. A partir da simples constatação de uma diferença de número entre meninas e meninos inscritos nessas escolas, a questão de gênero pôde ser explorada. Para isso, foram realizadas entrevistas sobre as diferenças de comportamento: as meninas parecem mais minuciosas e mais preocupadas do que os meninos em teorizar suas práticas, ficando mais ligadas ao controle e menos ao intuitivo e à espontaneidade. Parece, de fato, que as meninas tenham adotado atitudes e comportamentos distintos daqueles dos meninos e que essas variações, sem dúvida, conduzem a diferenças em suas produções nas artes plásticas. Estes primeiros elementos de análise sobre o perfil e o comportamento das meninas matriculadas nas escolas de arte, complementadas por um estudo mais aprofundado numérica e geograficamente, poderiam contribuir para a compreensão da evolução da comunidade artística global e, em particular, do lugar das mulheres no mercado internacional (Moulin, 1992, p. 279 et seq.).

44Se a pesquisa levou à descoberta da variável de “gênero” neste estudo, que foi a primeira variável significativa levando-nos a uma análise mais aprofundada das diferenças comportamentais entre meninas e meninos matriculados em escolas de arte, ela também nos permitiu destacar o papel fundamental das mães na escolha e na frequentação de uma prática artística.

45Este estudo não pretende esgotar todos os indicadores próprios à análise de gênero. Mesmo que o desequilíbrio no número de meninos e meninas inscritos nos leve a certos questionamentos, não basta pressupor relações causais entre um desequilíbrio numérico e comportamentos diferenciados entre meninas e meninos para explicar a inversão de situação das meninas, sobretudo no que diz respeito ao mercado de trabalho. O encadeamento das determinações parece mais complexo. Qual seria a opinião dos professores, de sua formação? Qual seria a opinão do seu modo de ensinar, o que pensam da possibilidade ou não de uma arte feminina versus uma arte masculina? Será que eles têm uma parte de responsabilidade pelo comportamento de seus alunos? Eles mantêm os estereótipos de gênero ou estão combatendo-os?

46As mulheres artistas reconhecidas hoje na cena nacional ou internacional proporcionam novos modelos de identidade feminina aos estudantes de escolas de arte de nível superior?

  • 21 “O genderism descreve um conjunto de modos de fazer e de agir enquanto meninas” [Nossa tradução]

47Colocando a questão da diferença, não caímos um pouco rápido demais no genderism21 (Moulin, 2005, p. 40)? Por outro lado, e por causa do efeito cruzado de um incentivo da escola de arte à singularidade e à recusa de cair nos estereótipos de gênero associados à criação feminina – para evitar fazer arte de “mulherzinha” –, não estaríamos testemunhando o nascimento de uma nova forma de feminilidade, uma indefinição das fronteiras entre o feminino e o masculino (Quemener, 2011)? Podemos realmente culpar as meninas das escolas de arte por se investirem em pesquisas mais intimistas? As meninas das escolas de arte seguem as injunções clássicas da sociedade para serem meninas ou, pelo contrário, situam-se na margem através da adoção de um novo tipo de comportamento, original, extrovertido/introvertido, não conforme?

  • 22 Ver a esse respeito o último relatório feito para o Senado em junho de 2013 por Brigitte Gonthier- (...)

48O estudo da questão de gênero nas escolas de arte, portanto, merece ser mais aprofundado, uma vez que as estratégias implementadas pelo(a)s aluno(a)s ou pelo(a)s professore(a)s para obterem um lugar nos campos artísticos parecem complexas, apaixonantes e, acima de tudo, ainda em “working progress”22.

O(a)s estudantes entrevistado(a)s:

49Christelle: menina, 24 anos, Dunquerque, 2o ano de Artes, pai: fabricante de carroceria de caminhão; mãe: procurando emprego.

50Chloé: menina, 20 anos, Dunquerque, 1o ano de Artes, pai: decorador; mãe: fotógrafa/artista plástica.

51Anaïs: menina, 23 anos, Valenciennes, 3o ano de Artes, pai: trabalhador agrícola; mãe: professora de educação especial.

52Léa: menina, 24 anos, Valenciennes, 4o ano de Design, pai: técnico em eletricidade; mãe: enfermeira.

53Hugo: menino, 20 anos, Tourcoing, 2o ano de Artes, pai: comerciante; mãe: executiva.

54Victor: menino, 22 anos, Cambrai, 5o ano de Comunicação, pai: coronel da Aeronáutica; mãe: dona de casa.

55Safia: menina, 24 anos, Dunquerque, 2o ano de Artes, pai: não informado; mãe: chefe de serviço hospitalar.

56Céline: menina, 24 anos, Valenciennes, 4o ano de Design, pai: diretor administrativo e financeiro; mãe: secretária.

57Emmanuelle: menina, 25 anos, Tourcoing, 2o ano de Artes, pai: engenheiro; mãe: enfermeira.

Notes

1 CRR: Conservatoire à Rayonnement Régional [Conservatório para o Crescimento Regional]; CRD: Conservatoire à Rayonnement Départemental [Conservatório para o Crescimento Estadual].

2 “As mulheres que escolhem a carreira artística têm menos chances do que os homens em atingir uma forte visibilidade”. [Nossa tradução]

3 Ver a lista de alunos pesquisados em anexo.

4 “Dans le travail, on n’a pas la même approche, les filles travaillent plus sur la minutie, les petites choses, les garçons vont vers des choses plus larges, les pinceaux sont plus gros, les filles utilisent les petits pinceaux […] Ça vient peut-être de l’influence de la société […] Les filles vont plus facilement vers les petits outils.” (Nossa tradução. Todas os demais trechos de entrevistas foram traduzidos por nós)

5 “Je pense que les filles sont plus studieuses, plus soignées, alors que les garçons moins, on observe ici que les filles vont avoir tendance à avoir plus de patience, elles vont être plus minutieuses […] Je pense que c’est peut-être rattaché au caractère féminin.”

6 “On a peut être une approche différente, quand on a un sujet, on le décortique plus, on s’occupe plus du fond pour après pratiquer, alors que les garçons vont comme ça, ils foncent vraiment, on réfléchit plus […] On a un regard plus sensible […] Pour ma part, je fais de la sculpture, une matière plutôt masculine, il faut réussir à se démarquer. Techniquement, il n’y a rien qui nous empêche de faire de la sculpture.”

7 “Je pense que les filles sont plus proches de la théorie. Je trouve les garçons plus dans la pratique, la technique, ils produisent beaucoup, ils ont besoin de faire, de produire […] Les filles, elles ont plus besoin de théories pour justifier leur travail. Moi, je sais que j’ai toujours besoin de théoriser avant de pratiquer, je ne sais pas si c’est une bonne méthode. C’est peut-être un besoin de justifier, de légitimer notre travail, même à nos yeux […] Les garçons seraient plus instinctifs et eux, ils théorisent après [rires] […] ça pourrait être une des raisons pour lesquelles on n’a plus de mal à percer en tant que femmes, on a plus de mal à y aller franco car on est davantage dans l’introspection. On a peut être plus peur de présenter son travail après l’école […] Les garçons se posent moins de questions.”

8 “Cela dépend des filles, elles sont plus réfléchies, je pense, elles réfléchissent à leurs sujets avant de se lancer, alors que nous, les garçons, on se jette dans la production, on fait des trucs à l’arrache et après, on y colle notre discours, alors que les filles sont plus soignées, elles pensent l’ensemble avant de produire, elles font des croquis…”

9 “C’est vrai qu’il y a plus de filles en école d’art, mais chez les professeurs, il y a aussi plus d’hommes, notamment chez les profs qui s’occupent de la recherche, il n’y a ici qu’une femme qui s’occupe de la recherche et encore en premier cycle, les autres s‘occupent plus de culture générale comme l’histoire de l’art, l’anglais, la philosophie, la vidéo […] Le côté technique est gardé par les hommes.”

10 “Pour mon bilan de fin d’année, je travaille sur la place des femmes dans la société à travers leur corps et mon professeur de photo, qui aime bien mon travail, m’a quand même conseillé de bien préparer mon oral car je risquais de rencontrer des réticences face au sujet, dans le jury […] Il m’a dit: ‘Tu vas avoir à faire principalement à des hommes dans le jury, alors d’avance, il faut te préparer à le défendre, ton sujet.’ … Dès qu’on travaille sur le sujet de la place des femmes dans la société ou le nu et bien, ça bloque […] être une femme et parler de la condition des femmes, ça nous classe tout de suite du côté des féministes, je suis pour eux une rebelle, une combattante…”

11 “On est dans un monde quand même plus favorable aux hommes qu’aux femmes et comme le milieu artistique est un milieu très dur et bien, les femmes ont plus de mal à s’en sortir. […] Il faut vraiment se battre […] Il faut toujours prouver que l’on a des choses à dire. On est nombreux et les places plutôt rares en galerie par exemple […] alors c’est compliqué…”

12 “C’est l’étiquette, le fait de se dire pour un employeur que d’embaucher une jeune femme, c’est plus risqué, car elle risque de prendre un congé maternité, ils ont peur de s’engager sur une jeune femme. […] Et puis, il y a aussi cette idée de compétition, les femmes sont moins combatives dans les concours et vont peut-être se laisser marcher plus facilement sur les pieds […] C’est des stéréotypes qui restent.”

13 “Quando perguntados sobre a imagem de feminilidade encarnada pela mãe, as meninas tendem a querer esconder a determinação do modelo sexuado através do qual elas se socializaram na relação com suas mães...”. “Mesmo que as meninas entrevistadas privilegiem e pareçam valorizar uma autonomia simbólica com relação à cultura familiar, sobretudo a materna, esta não parece isenta de provocar efeitos sobre o modo de construção e de expressão da feminilidade adolescente...”

14 “Oui, c’est certain, et même petite, parfois dans son travail, ma mère ne pouvait pas me faire garder, alors elle m’emmenait avec elle dans les studios photo et donc, j’ai baigné là dedans… sinon, on s’entraide tous les trois à la maison, pas plus maman que papa.”

15 “Oui, ma mère était elle aussi inscrite dans cette école communale, elle suivait les cours de peinture à l’huile, et à présent, c’est le modelage. Elle connaissait déjà bien les gens qui dirigeaient cette école au moment où elle m’y a inscrite et je pense qu’elle m’a incitée à y aller. Ma mère a une certaine affinité avec l’art, même si elle l’a beaucoup moins approfondie que moi. […] Je crois que, quelque part, ma mère a trouvé dommage qu’on ne lui ait pas donné cette opportunité étant plus jeune.”

16 “Ma mère a de toute évidence eu une grande influence sur moi car, déjà tout petit, elle m’emmenait voir des expos, elle m’achetait des magazines, des bouquins, c’est dans la famille…”

17 C’est sûr que ma mère m’a influencé puisque c’est elle qui m’a donné l’idée de m’inscrire aux Beaux-arts […] Ma grand-mère aussi, elle était contente de voir ce que je faisais en dessin […] Ma sœur aussi m’a encouragé, elle est très intéressée par tout ce qui est artistique, très concert, musée et puis mon frère aussi qui fait une école de théâtre, on baigne un peu dedans […] Ma mère fait toujours de la peinture.”

18 “Elle fait des sortes de sculptures un peu étranges [rires], elle suit ces cours dans les ateliers périscolaires de Cambrai, elle aussi fait du cinéma amateur.”

19 “Ma mère a suivi aussi des cours aux ateliers […] C’est en fait un peu moi qui lui ai donné envie, elle m’a inscrite et, quelques années après, elle s’est inscrite […] C’est comme en musique, elle avait toujours rêvé d’en faire et, maintenant, elle en fait depuis trois ans, c’est un peu grâce à moi.”

20 “Ce serait plutôt moi qui ai fait la transmission inverse car, depuis que je suis dans le milieu artistique, mes parents s’intéressent davantage à l’art et à ce que je fais.”

21 “O genderism descreve um conjunto de modos de fazer e de agir enquanto meninas” [Nossa tradução]

22 Ver a esse respeito o último relatório feito para o Senado em junho de 2013 por Brigitte Gonthier-Maurin (2013).

Table des illustrations

Titre Figura 1. Divisão do alunado por gênero
URL http://books.openedition.org/oep/docannexe/image/1468/img-1.png
Fichier image/png, 99k
Titre Figura 2. A distribuição por sexo entre os professores
URL http://books.openedition.org/oep/docannexe/image/1468/img-2.png
Fichier image/png, 75k
Titre Figura 3. Quem teve a ideia de matricular você numa escola de arte?
URL http://books.openedition.org/oep/docannexe/image/1468/img-3.png
Fichier image/png, 85k

Auteur

Docteure en sociologie – Paris 8 / Labtop
Germana Henriques Pereira (Traducteur)