Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Palavras em imagens

 | 
Carlos Fausto
, 
Carlo Severi

Desenhos de monstros, padrões gráficos, escritura: em torno de um texto wayana

Ipo milikut ïlïtpë, imilikut: wajana nïlïtpï

Mataliwa Kulijaman et Pierre Déléage
Traduction de Patrícia Rodrigues Costa et Germana Henriques Pereira de Sousa

Résumé

Neste texto experimental escrito a quatro mãos, os autores se baseiam na elaboração de um texto a partir da tradição oral dos Wayana da Guiana Francesa tendo por objetivo abordar as problemáticas da escrita, dos padrões gráficos tradicionais, da invenção de tradições artísticas amazônicas e da relação do autor com seu texto.

Note de l’éditeur

Revisão técnica: Luana Almeida
Traduzido do francês por Patrícia Rodrigues Costa e Germana Henriques Pereira de Sousa

Texte intégral

Circunstâncias – Pierre Déléage

  • 1 Kulijaman e Camargo, 2007.

1Em 28 de janeiro de 2010, Mataliwa Kulijaman, índio wayana da Guiana Francesa, veio me visitar no Laboratório de Antropologia Social. Eu o conhecia apenas pelo Kaptelö, uma coletânea de narrativas tradicionais que ele havia escrito alguns anos antes com a linguista Eliane Camargo1. Seguindo os conselhos desta última, que estava preparando com ele um dicionário bilíngue wayana-francês, Kulijaman desejava me apresentar seu novo projeto: um repertório do conjunto de padrões gráficos tradicionais Wayana, tanto os pintados no corpo e no rosto quanto aqueles trançados na arte da cestaria. Ele mostrou-me um pequeno caderno onde já havia inventariado, a partir de diversas fontes, uma centena de padrões, todos desenhados a lápis e a maioria acompanhada de seu nome em wayana (Fig. 11). Esse rico levantamento, em que os padrões complexos eram por vezes decompostos em unidades autônomas, me fez lembrar da obra The Grammar of Ornament [A Gramática do Ornamento], de Owen Jones. Fizemos a promessa de nos encontrarmos novamente.

Figura 11. Caderno de padrões de Mataliwa Kulijaman (2010)

Figura 11. Caderno de padrões de Mataliwa Kulijaman (2010)
  • 2 Van Velthem e Linke, 2010.
  • 3 Van Velthem e Linke, 2010, p. 24.

2Em maio de 2011, Mataliwa estava de volta a Paris, desta vez como pesquisador visitante do Laboratório de Antropologia Social. Veio, entre outras coisas, para continuar suas pesquisas sobre a história dos padrões gráficos wayana. Pouco antes de sua chegada, recebi a proposta de fazer a resenha de um livro recente sobre as tradições gráficas dos Wayana do Brasil.2 Pareceu-me natural perguntar a Mataliwa o que ele achava da obra. O texto estava em português, língua que ele conhece mal, mas continha curtos trechos em wayana sem tradução. Mataliwa dedicou-se à tradução francesa desses três ou quatro fragmentos. Uma vez terminado o trabalho, ficou claro que o texto mais interessante era um relato de Ikuwamano Wajana sobre um monstro chamado Tulupele3 – narrativa bastante conhecida tanto pelos ameríndios da região quanto por seus antropólogos, que recolheram diversas versões dessa história.

3A variante redigida por Ikuwamano Wajana era, todavia, um pouco esquemática, e pedi a Mataliwa para desenvolvê-la, o que ele fez, por um lado redigindo em wayana e em francês o epílogo da história, e por outro, inserindo, aqui e ali, uma série de comentários, ora em wayana ora apenas em francês. O texto híbrido apresentado a seguir é o primeiro resultado dessa dupla operação de tradução transfronteiriça e de enxerto literário que se inspira ao mesmo tempo em um modelo escrito e em uma tradição oral, da qual Mataliwa é um dos depositários contemporâneos.

Tulupele – Mataliwa Kulijaman

Maa, uhpak aptau eitoponpë helë Asiki kumtapo man ïpï. Molo man kunehak ëlukë ipo inëlë, ïpï emopo ikutpë mëlëkwau inëlë. Matawanaimë mënkehnë tot Tulupelepëk. Tulupele ïlïtpon kunehak kalipono, wëlïi, tanme eluwa. Ënïk ëhponëpïla tanme Wajana, Apalai. Tulupele omi: pelep, pelep, pelep, pelep, tïkai.

4A história começa na embocadura do rio Asiki, lá onde não há mais meandros, lá de onde se vê a montanha. O monstro aquático, uma lagarta, vivia num lago ao sopé da montanha. Era chamado de Tulupele, e também de Matawanaimë. O monstro era perigoso, de tamanho grande, como um filhote de anta cuja pele era vermelho-claro e o traçado dos desenhos, negro. Ele gritava pelep, pelep, pelep, pelep. Daí o nome de Tulupele.

A criação de Tulupele

5Um criador imaginou a forma do monstro. Ele talhou a madeira da samaúma e fabricou uma forma de anta; uma anta pequena como um brinquedo, com orelhas, olhos e patas. O criador pintou o objeto. Cobriu-o com desenhos, inúmeros desenhos, padrões: andorinha, esquilo, morcego, onça, peixinho, molusco, etc. Para fazer a língua, usou uma pena de arara. Para o rabo, cortou um pedaço do rabo de um lagarto teju.

6O criador cavou um buraco, derramou um pouco de água e mergulhou o monstro-brinquedo. Continuou a acrescentar água pouco a pouco, com um pote de barro, e criou assim um laguinho. Lavou o monstro com inúmeras folhas diferentes até que ele ganhasse vida. As folhas transformaram o brinquedo em um bicho de verdade. Fabricou, então, o animal doméstico: um pássaro, uma arara-canindé, o anunciante de suas presas.

Masike alalawa kunehak ëlukë ekï. Malonme wajana tïtëi kanawa ailë. Wajana enetpo towomitai inëlë kawë aptau tëmëmhe tunakwak. Masike Wajana tïtëilep apëihe lome ëlukë tïtëi, tëkï kuptëlë tunakwak tëmëmhe iloptailë tïtëi Wajana tëhe eja. Hunwa kunehak upak aptau mïhen, kole takïhe emna tamu mïhen.

7A arara-canindé era o bicho de estimação do monstro. Era um pássaro grande, um papagaio de bico curto e pontudo, de rabo cumprido, penas azul-esverdeadas nas asas, amarelo no ventre. Era o bicho de estimação da grande lagarta. Ela espiava as presas de seu dono. Quando ela via, ao longe, os Wayana passarem na piroga, ela gritava kalalam, kalalam, voava em torno deles e fingia cair n’água. Os Wayana se aproximavam e tentavam agarrar a arara-canindé. Então, o monstro grande, a lagarta, descia da montanha, mergulhava e atacava. Inúmeros ancestrais quase foram massacrados por Tulupele. Essa é a história de nossos ancestrais.

Moloinë tënei hemele ëlukë Wajana. Masike tïpohnëphe ejahe tala kutïjatëu, tïkai tot. Ëtïke silëmëpkapojatëu mïhen ëlukë, tïkai tot. Uwa tuwëihe man pïlëuke, tïkai tot. Malonme tuwëi hemele ejahe, alalawa tuwë, ëlukë ipo tuwëi, hunwa. Masike man, uwa man. Hemalë tuwëi esike. Ipok man hemalë ïtëtop ametak, hunwa lëken. Maka neha.

8Os Wayana quiseram matar Tulupele. Atacaram o monstro e a arara-canindé. Mataram os dois. Desde então, não há mais problemas para viajar pelo rio. Pronto.

Tulupele wëtoponpë. Akename pitë tïtalamtëi weweke, mëlë ehema wala. Junutpë weweke ehelowaome tïtalamtëi malalë kawë tïtalamtëi hunwa. Ëheto asimha tïtalamtëi Wajana, Apalai tomoja Tulupele wëtop. Maka ijalamtëtop aptau mënëhalëimëja pitë tot. Malalë tëwëtuhe tot Wajana, Apalai malë tuwëtoppëk. Lome, ipokela anon tawam tëtïhe aptau, mëklë malalon ïtëla, anumna ipun, mëklë malalon. Pïlëwuna tom alëneme lëken, tïtëi. Moloinë tumëkëmëi. Moloinë mëkja ipokan anumhakan kom tëwëhalëi Tulupele wëi. Maa, hakëne kalipono, kanawa hunwa tënokhe ejahe Wajana, Apalai malë imëktopme. Moloinë tumëkhe mëklë Tulupele mëje ïpïhtawëinë « pelep, pelep, pelep, pelep », tïkai awomi. Wajana Apalai malë tëtakïmai tuwëi pïlëuke « tahpule, tahpule » ilëmëppololanma inëlë tïtëi tunakwak topon. Tunakwak tïtëi, ilëmëphe mïhen. Moloinë ilëmëptïhwë aptau akon mëktop tëlaimai uwa imna.

O massacre de Tulupele

9Uma cerca de madeira foi plantada ao longo do caminho, em três fileiras, umas atrás das outras. Wayana e Aparai, um de cada lado do caminho, fabricaram rapidamente a cerca e voltaram para casa. Perguntaram-se como matariam Tulupele. O fraco não participaria, ele levaria as flechas, mas não ficaria lá, voltaria. O forte iria caçar o Tulupele.

10Wayana e Aparai estavam prontos para dar o bote. Dois deles, cada um numa canoa pequena, atraíram o monstro, que desceu de repente da montanha berrando pelep, pelep, pelep, pelep. Wayana e Aparai flecharam, flash, flash, flash, flash. Ferido, Tulupele mergulhou, desapareceu na água e morreu. Tulupele estava morto.

Tuwëkeptïhwë aptau tëwëtuhe tot imilikut pëk. Wajana, Apalai tom tïkai. Ëlekomoina ipikatëk tïkai Wajanaja Apalai, emna nipikei emnapïleinalë tïkai. Lome Wajana tom tumëkhe akename kohkopsik, Apalai tom umëkïlahnë aptau ipikai. Moloinë Wajanaja tïpikai Apalai tom nuwëtoponpïlïina pëtukulanuina. Malonme Apalai tom mïhen tumëkhe ëkëmnë. Upak Wajanaja tïpikakephe inuwëtoponpï komoina, pëtululan kom tïpikakephe. Epola man Apalai tom mïlïme malapi man kom lëken.

11Wayana e Aparai se reuniram em torno do bicho morto. Sua bonita pele vermelho-claro era coberta de desenhos com traços negros. Eles quiseram copiar os desenhos para ornamentar a cestaria. Dividiram a pele do monstro em duas partes. Os Aparai disseram aos Wayana: “Fiquem com a pele do lado de suas flechas e nós ficamos com a pele do lado das nossas flechas”. Os Wayana chegaram primeiro, bem cedo, no dia seguinte, antes da chegada dos Aparai. Pegaram os dois lados da pele e copiaram todos os desenhos.

Apalai tom nïlï: malapi, ilikai, panawan, meli, matuluwana, pupu. Wajana nïlï: kaikui, wamamit, kuweimë, kalapu, wanahjeku, julu amat, matawat, mamaktelele. Mëha kunehak Tulupele milikutme Wajana, Apalai tom katopme kunëtïlï imilikutpï. Maka neha.

12Os desenhos dos Aparai são andorinha, peixinho, morcego, esquilo, lagarta matuluwana, tartaruga de água-doce. Os desenhos dos Wayana são onça, cachorro, raiz de arumã, molusco, caranguejo, flor vermelha da bananeira selvagem, árvore da fruta apreciada pelas araras, lagarta matawat, pássaro mamaktelele. Esses desenhos cobriam a pele de Tulupele, eles se tornaram os padrões gráficos dos Wayana e dos Aparai. Esse é o fim da história.

Figura 12. Padrões gráficos dos Aparai e dos Wayana

Figura 12. Padrões gráficos dos Aparai e dos Wayana

Quatro comentários – Pierre Déléage

  • 4 Podemos encontrar em Van Velthem, 1998, p. 119-127, ou em Fávero Gongora, 2007, p. 53-72.

13Nesses quatro comentários, não se trata de fazer uma análise detalhada da narrativa tradicional recriada por Mataliwa Kulijaman4. De comum acordo com ele, minha intenção foi antes explicar como esse duplo processo de transposição do oral ao escrito e à variação intertextual resultou, durante nossa colaboração, em duas outras inovações, sendo a primeira iconográfica e a segunda caligráfica. Para se compreender e apreciar as condições dessas duas invenções, é preciso antes voltar à natureza do Tulupele, um monstro compósito na fronteira entre diferentes espécies animais.

Um nome próprio

  • 5 Gillin, 1936, p. 192-193. [Nossa tradução]
  • 6 De Goeje, 1955, p. 138.

14O exame das fontes históricas revela que o nome do monstro da narrativa escrita por Mataliwa, “Tulupele”, encontra-se em contextos variados entre inúmeros povos de língua caribe da região das Guianas. Assim, no início do século XX, os Caribes do rio Barama referiam-se a uma criatura chamada Orupere, “uma gigantesca e misteriosa serpente dotada de duas línguas”5. Na mesma época, descobriu-se que os Kali’na faziam referência a um tatu-canastra, chamado Ulupere, que vivia embaixo da terra e tinha três línguas gigantes, medindo cada uma dez metros de comprimento, e que engoliam suas vítimas humanas; para alguns, tinham também múltiplos olhos e mil braços6. Um pouco mais tarde, nesse mesmo povo, aparecia Urupere, para o qual um missionário holandês deu a seguinte definição:

  • 7 [Nossa tradução]

Serpente lendária cujo corpo se parece com um tatu-canastra e que vive em um buraco. Contudo, sua língua sai à caça. Essa língua, sobre a qual nasceram dentes, agarra a presa, grandes animais selvagens e até mesmo homens. Um dia, um homem que ia caçar viu a língua. Ele rastreou os caminhos percorridos por ela, caminhos que pareciam ‘caminhos de formiga’. Enfim, ele alcançou a língua e cortou-a. (Ahlbrinck, 1956, p. 473)7

  • 8 Whitehead, 2003, p. 70.
  • 9 Fock, 1963, p. 91-92.
  • 10 Yde, 1965, p. 258.

15Na segunda metade do século XX, os Patamuna falavam de um dragão Ulupelu, que vigiava uma gruta cheia de ouro e diamantes8, enquanto os Waiwai falavam de um dragão chamado Uruperi, que “parecia uma grande serpente cujo corpo era coberto de pele. Suas patas se pareciam com as da onça e seu rabo com o do tamanduá. O corpo era ornado por um desenho em meandros chamado waratapi9” Aliás, é especificado que esse monstro, de voz de trovão, alimentava-se de humanos e que o desenho enfeitando seu corpo, indiferentemente chamado de waratapi ou uruperi, era trançado em certas peneiras de farinha de mandioca10. Mais tarde, nesses mesmos Waiwai, outros testemunhos completaram essa descrição: o antropólogo George Mentore ouviu

  • 11 [Nossa tradução]

um relato sobre um estranho animal chamado Urufëri ou Urufiri, uma criatura parecida com o dragão, que mata suas vítimas por meio de relâmpagos que saem de seus olhos. Ele produz um barulho de trovão, seus dedos são como os de uma tartaruga, suas patas como as de um jacaré, e ele tem quase quatro metros de comprimento. (Roe, 1989, p. 45)11

  • 12 Ibid., p. 23-24.

16Já Peter Roe soube que esse dragão multicolorido, coberto de desenhos, parecia uma serpente anaconda, da qual emanavam raios e pequenas centelhas de luz12.

17As variantes desse nome próprio e o bestiário variegado que evocavam eram, portanto, muito mais difundidas na área linguística dos Caribes das Guianas do que no relato que os Wayana lhe atribuíam. Com efeito, foi apenas nos Waiwai que o monstro polimorfo apareceu numa narrativa correlacionada aos padrões gráficos tradicionais.

Um pequeno esquema narrativo

  • 13 Frikel, 1970, p. 12-16; Schoepf, 1972, p. 33-64; Van Velthem, 1976, p. 1-19; Raushert-Alenani, 198 (...)

18Todavia, se o foco recair na pesquisa sobre o esquema narrativo e não apenas sobre o nome do principal protagonista, a questão das fronteiras linguísticas caribe perde rapidamente importância. Resumidamente, a narrativa conta a origem do repertório dos padrões gráficos das cestarias e das pinturas corporais dos Wayana. Esse repertório não havia sido inventado pelos humanos; foi antes o resultado da observação, feita pelos homens dos tempos antigos, dos desenhos que ornavam a pele de um monstro proteiforme. Esses padrões gráficos foram copiados, memorizados e em seguida transmitidos de geração em geração até os dias de hoje. Existem, certamente, inúmeras variantes desse tema narrativo entre os Wayana e em seus vizinhos caribes, Aparai, Kali’na, Kaxuyana, Tiriyó e Waiwai. Porém, se o tema central permanece sempre idêntico, a narrativa quanto a ele se constrói em torno de células narrativas bastante variáveis, e o monstro, chamado de Tulupele ou Matawanaimë, não para de mudar de aspecto: ora é uma cobra grande, ora uma lagarta gigante, um peixe grande ou um felino, em geral uma onça; a ele atribuem um rabo de lagarto, de lagarta ou de peixe-elétrico, uma infinidade de línguas, uma cabeça – até mesmo uma dúzia de cabeças – feita da samaúma; sua pele é sempre coberta de diferentes padrões gráficos, mais ou menos coloridos13.

19A versão contada pelo pai de Mataliwa merece ser citada na íntegra:

O Tulupele foi fabricado pelo seu criador deste modo: ele cortou o rabo de uma anaconda, cortou também o rabo de um peixe-elétrico com o qual chicoteou o rabo da anaconda. Em seguida, colocou uma samaúma no lugar da cabeça. Depois, assim que o Tulupele cresceu um pouco, seu criador fez para ele uma poça d’água. E sua poça d’água foi ficando cada vez maior. Ele se tornou um robusto bebê de anta, sendo que era negro. Aquele do rio Litany era negro, o Matawanaimë era negro. Mas na verdade era um Tulupele, embora seu grito fosse: pïtum… (Chapuis e Rivière, 2003, p. 826-827).

20Vale observar que, se Mataliwa lembrou-se claramente da versão de seu pai durante a redação de seu próprio texto, os detalhes da descrição não são os mesmos: por exemplo, segundo ele, a língua do monstro quimérico tinha a aparência de uma cauda de arara.

  • 14 Schultz, 1965, p. 76-80.

21O polimorfismo exuberante de Tulupele não dissimulava verdadeiramente os aspectos constantes das narrativas que nos interessavam, a Mataliwa e a mim, durante esse trabalho: a associação etiológica entre os desenhos da pele de uma grande serpente aquática, por vezes uma sucuri, e os padrões do reportório gráfico ornamental. Além da zona linguística dos caribe, encontramos essa associação narrativa entre os Wauja do Alto Xingu, em uma narrativa tradicional que fala de um antepassado chamado Arakoni, que se cobriu com todos os padrões do repertório gráfico wauja e se transformou em um monstro aquático. Se uma primeira versão dessa história publicada em 1965 faz apenas uma breve alusão a essa associação14, a variante traduzida em 1981 pela antropóloga Vera Penteado Coelho é mais explícita:

Arakoni foi o primeiro que desenhou os padrões Ualamá neptakô (cabeça de sucuri), Kulupeienê, Kupáte nábe (espinha de peixe), Sapalakô, Kuarráta, Uêne Suco, Kunhékunhé Rute Kana (motivo de mariposa). Foi ele quem desenhou.

Arakoni tinha uma irmã, Kamayulalo. Arakoni não tinha mulher. Solteiro ainda. Irmã tava presa. Daí mãe foi na roça, voltou, pediu prá irmã ajudar. Aí viu que mocinha estava com pintura. Era o desenho Kulupeienê. Aí mãe foi banhar. Viu que todos rapazes tavam sem pintura. Só Arakoni tava com pintura. Então mãe entendeu que Arakoni tinha namorado com irmã. Aí mãe bateu em irmã, bateu em Arakoni. Não dava mais comida prá irmã. Não dava mais comida prá Arakoni. Aí Arakoni foi na roça com amigo.

Aí macaco assobiou:
— Arakoni namorou com irmã!
— O que é que macaco tá dizendo?, amigo falou.
— Tá dizendo que Arakoni namorou com irmã!
Aí Arakoni falou:
— Eu vai embora.
Quando ele vai embora fala prá amigo dele:
— Eu vai embora, aí vocês faz Kwarup. Mãe não quer mais dar comida, queimou meu flecha, queimou meu colar. Eu vai embora.
Aí Arakoni fez pintura prá virar bicho. Aí Arakoni virou bicho. Foi embora lá no Morená. Isso aconteceu lá na aldeia antiga de Wauja chamada Tsarwapuhe. Aí mãe chorou muito. Pediu prá Arakoni voltar:
—Volta, Arakoni! Pode namorar irmã!
Mas Arakoni não ouve mais não. Está lá no Morená. Foi o primeiro que desenhou os padrões Ualamá neptakô, Kulupeienê, Kupáte nábe, Sapalakô, Kuarráta, Uêne Suco, Kunhékunhé Rute Kana. Foi Arakoni que ensinou música de Kwarup. (Coelho 1981, p. 60-61)

  • 15 Barcelos Neto, 2001, p. 193-218, e Barcelos Neto, 2002, p. 161-168. Vale observar rapidamente que (...)

22Entretanto, em um contexto narrativo bastante diferente, encontramos uma associação etiológica entre o monstro aquático e um repertório de padrões gráficos, desta vez como uma série de pinturas corporais utilizadas em uma cerimônia funerária. Outras variantes dessa história descrevem a natureza dessa criatura: Arakoni foi transformado em uma serpente após ter fabricado roupas cobertas com padrões gráficos multicoloridos15. Sabemos que tais homologias não são raras na “literatura oral” amazônica. Se ela nos chamou a atenção aqui, é porque nos permite entender a sequência do trabalho realizado por Mataliwa.

Uma tradição artística

23A narrativa dos Wauja se destaca pela tradição iconográfica à qual deu origem. De fato, a partir do começo da década de 1980, a antropóloga Vera Penteado Coelho publicou diversos desenhos realizados por dois Wauja. O desenho de Laptauana representava Arakoni em forma ofídica:

A mesma figura é vista duas vezes, cada uma das quais com motivos diferentes. Na da esquerda vemos, de cima para baixo, os seguintes: ikehu-nana-tapa (dente de capivara), iana pa akae (tradução ignorada), atirrua paca (bicho), ualama neptako (cabeça de sucuri), karrurrote tapaca (olho de arara) e kulupeienê (tradução ignorada). Na figura da direita vemos: kupate nabe (espinha de peixe), kinkerre tianá (mariposa), kutahe napula (caminho de formiga saúva), kulupeienê (tradução ignorada), kuarrata (escama de curimatá), karrurrote tapaca (olho de arara) e sapalacurtana (uluri). (Fig. 13) (Coelho, 1981, p. 76)

Figura 13. Arakoni conforme Laptauana Wauja (1978)

Figura 13. Arakoni conforme Laptauana Wauja (1978)

24O primeiro desenho de Apyká representava, quanto a ele, Arakoni em duas formas diferentes.

Vê-se em plano inferior uma figura antropomorfa e em plano superior o personagem depois de sua transformação em bicho, tendo no corpo parte dos motivos decorativos que os Wauja conhecem. Da esquerda para a direita estão representados: kupate nabe (espinha de peixe), kunhékunhé rute (asa de mariposa), kupate rata (escamas de curimatá), kulupeienê (tradução ignorada), eptakui (tradução ignorada), kupate rata (espinha de peixe), eptakui (tradução ignorada), sapalacurtana (uluri), carrurrote tapaca (olho de arara) e por último teme pianá (motivo de cobra). (Fig. 14) (Ibid., p. 75)

Figura 14. Arakoni de acordo com Apyká Wauja (1978)

Figura 14. Arakoni de acordo com Apyká Wauja (1978)

25Mais tarde, em 1991, outro desenho publicado por Apyká propunha uma síntese antropomórfica da serpente ornamentada:

O desenho ilustra o mito sobre a origem dos desenhos. Na história, um jovem chamado Arakoni comete incesto e se transforma em uma serpente. O desenho mostra sua metamorfose: seu corpo já é de uma serpente, mas sua cabeça ainda é de um homem e ele usa sempre um cocar de penas. Diversos padrões da arte decorativa wauja estão dispostos sobre o corpo da serpente: serpente kulu, olho de macaco, escamas de peixe e cabeça de sucuri. (Fig. 5) (Coelho, 1991, p. 20 e p. 29.)

Figura 15. Arakoni conforme Apyká Wauja (c. 1980)

Figura 15. Arakoni conforme Apyká Wauja (c. 1980)

26Se os padrões gráficos pertencem desde sempre à tradição estética dos Wauja, esses desenhos eram inteiramente novos. Os artistas wauja exploravam diversas soluções gráficas para resolver o problema da representação de um ser que era tanto humano quanto serpente.

  • 16 Barcelos Neto, 2001 (p. 200) e 2002 (fig. 11-21, fig. 53-58).

27Cerca de duas décadas mais tarde, os desenhos do xamã-cantor Aruta Waurá, que descreviam novamente Arakoni como uma serpente, foram por sua vez publicados pelo antropólogo Aristóteles Barcelos Neto juntamente com aqueles, cada vez mais inventivos, de um jovem aprendiz Aulahu, e dos xamãs visionários Kamo e Itsautaku16 (fig. 16). Entre os Wauja, esta invenção iconográfica fez escola: ela começou a ser registrada no tempo.

Figura 16. O monstro serpente de acordo com Istautaku Wauja (1998)

Figura 16. O monstro serpente de acordo com Istautaku Wauja (1998)
  • 17 Van Velthem, 2003, p. 240; Van Velthem e Linke, 2010, p. 25.

28A nova prática artística se propagou, provavelmente sob influência de seus antropólogos, entre os povos de língua caribe que conheciam um esquema narrativo parecido com esse da história de Arakoni, no qual associam os padrões que ornamentam o corpo do monstro à origem de um repertório gráfico tradicional utilizado pelos humanos. Assim, a partir da década de 1990, o Aparai Anakari desenhava Tulupele como um estranho híbrido de onça e molusco ornamentado pelos padrões de cestaria. Mais de uma década depois, um Wayana ou um Aparai o desenhou novamente sob a forma de um felino estilizado, também coberto por esses padrões de cestaria17 (fig. 17).

Figura 17. Tulupele conforme um Wayana ou um Aparai (2010)

Figura 17. Tulupele conforme um Wayana ou um Aparai (2010)
  • 18 Vidal, 2008, p. 60.
  • 19 Fajardo Grupioni, 2009, p. 34 e 40. Podemos encontrar uma versão da história Kaxuyana em Frikel, 1 (...)

29Os Wayana não foram os únicos a adotar essa forma de representação: atualmente achamos desenhos elaborados a partir do mesmo princípio entre outros povos caribe da região. Assim, os Galibi-Marworno representaram o ser sobrenatural Sini Kapukuia com a forma de uma lagarta, na origem das pinturas corporais18 (fig. 18). Já os Tiriyó e os Kaxuyana deram ao monstro o aspecto de uma grande serpente dotada de múltiplas línguas19 (fig. 19).

Figura 18. Sini Kapukuia em formato de lagarta de acordo com um Galibi-Marworno (2008)

Figura 18. Sini Kapukuia em formato de lagarta de acordo com um Galibi-Marworno (2008)

Figura 19. Marmaruime ou Wes’peme conforme um Kaxuyana ou um Tiriyó (2009)

Figura 19. Marmaruime ou Wes’peme conforme um Kaxuyana ou um Tiriyó (2009)

30Sugeri, então, a Mataliwa, que nos inseríssemos também nessa nova tradição gráfica que emergia de um diálogo permanente entre os antropólogos e os ameríndios. Ele apresentou, assim, suas próprias interpretações iconográficas de Tulupele. Seu primeiro ensaio, ainda inacabado, se baseava na ideia de um monstro aquático que é ofídico e felino ao mesmo tempo. Ele desenhou a pele do animal após este ter sido morto: o lado direito dos Aparai e o lado esquerdo dos Wayana deveriam, então, receber os desenhos correspondentes. A coluna vertebral da criatura tinha a forma de uma serpente e estava revestida com padrões de decoração arbitrários (fig. 20).

Figura 20. Tulupele de acordo com Mataliwa (primeiro esboço ainda inacabado, 2011)

Figura 20. Tulupele de acordo com Mataliwa (primeiro esboço ainda inacabado, 2011)

31Mataliwa decidiu, em seguida, acentuar o caráter felino de Tulupele: o monstro, visto de perfil, tinha patas e a cauda de um lagarto; mas, estranhamente, a criatura compósita acabou por se assemelhar a um jacaré, o que ainda não era satisfatório. A pele do monstro estava ornada com padrões de cestaria dispostos horizontalmente em três estágios (fig. 21). Da esquerda para direita e de baixo para cima, o primeiro estágio tinha o padrão okomë watkï (ferrão de vespa) circundado de ornamentos arbitrários; o segundo estágio tinha os padrões kaikui (felino), kalapu (caranguejo), matawat (lagarta), kaikui (felino), mamaktelele (lagarta), kaikui (felino) e ilikai (peixe pequeno) e no terceiro estágio os padrões wanahje eku (flor de bananeira selvagem), julu amat (galho de árvore) e uma diversidade de hololo uhmït (cocar de perdiz).

Figura 21. Tulupele conforme Mataliwa (segundo esboço, 2011)

Figura 21. Tulupele conforme Mataliwa (segundo esboço, 2011)

32Finalmente, Mataliwa optou por uma forma geral essencialmente jaguar, na qual notamos o rabo estranhamente levantado e a língua de pena de arara. Os desenhos de sua pelagem vermelho-claro foram todos tomados emprestados ao repertório de padrões de cestaria. A pata da frente foi decorada com o motivo wanahje eku e a traseira com o motivo julu amat. O primeiro estágio fazia uma sucessão, da esquerda para direita, dos desenhos ilikai, meli (esquilo), matuluana (lagarta), panawan (morcegos) e pasiemekun (pata de cotia); o segundo estágio tinha os desenhos kuweimë (felino), sipalat (caranguejo), kaikui e mamaktelele; o terceiro estágio correspondia ao dorso e à cabeça do animal, e tinha somente o desenho hololo uhmït repetido quatro vezes (fig. 22).

Figura 22. Tulupele de acordo com Mataliwa (2011)

Figura 22. Tulupele de acordo com Mataliwa (2011)

Uma síntese caligráfica

33Mataliwa completou seus desenhos com uma lenda que merece atenção: trata-se da caligrafia da palavra “Tulupele” feita à mão com padrões do repertório gráfico da cestaria wayana (fig. 23). Da esquerda para direita, esses padrões são denominados de: kawatkï (cauda de peixe), kalapu emekun (garra de caranguejo), meku wililin (ponta do rabo de macaco), kalapu emekun, kuliputpë (tartaruga), mekuwom (tradução desconhecida), meku wililin e mekuwom.

Figura 23. Manuscrito de Mataliwa (2011)

Figura 23. Manuscrito de Mataliwa (2011)

34Para melhor apreciar esse achado gráfico, é preciso fazer um desvio pelo léxico da língua wayana: de acordo com um texto inédito de Mataliwa

A palavra imilikut significa padrão, como as linhas paralelas, às vezes triângulos, traços e redemoinhos. A palavra imilikut significa também desenho, como os desenhos de caranguejos, de bichos, de galhos, de raízes, de flores, de traços de animais, de espíritos de água-doce, etc. A palavra imilikut também significa escrita.

35Então, o mesmo termo wayana indica tanto os padrões gráficos de ornamentação quanto as representações figurativas e a escritura. Acrescentaremos que se trata da mesma raiz utilizada para designar, por exemplo, a pelagem malhada da onça pintada (kaikui tïmilikhem), os padrões formados pela disposição das escamas de uma serpente (ëkëi tïmilikhem) ou, ainda, as manchas de certas lagartas (ëlukë tïmilikhem).

36A lenda caligrafada por Mataliwa revela assim a síntese da escritura e dos padrões geométricos wayana, enquanto que o desenho simbólico do monstro Tulupele descreve os padrões do adorno de um ser que tanto pode ser uma onça quanto uma serpente ou uma lagarta, sob a forma de padrões de cestaria. Assim, são simultaneamente resumidos com elegante concisão, explorando-se a extensão máxima de uma categoria semântica wayana, tanto as múltiplas dimensões da história do Tulupele como sua transposição, por Mataliwa, do oral ao inscrito.

Notes

1 Kulijaman e Camargo, 2007.

2 Van Velthem e Linke, 2010.

3 Van Velthem e Linke, 2010, p. 24.

4 Podemos encontrar em Van Velthem, 1998, p. 119-127, ou em Fávero Gongora, 2007, p. 53-72.

5 Gillin, 1936, p. 192-193. [Nossa tradução]

6 De Goeje, 1955, p. 138.

7 [Nossa tradução]

8 Whitehead, 2003, p. 70.

9 Fock, 1963, p. 91-92.

10 Yde, 1965, p. 258.

11 [Nossa tradução]

12 Ibid., p. 23-24.

13 Frikel, 1970, p. 12-16; Schoepf, 1972, p. 33-64; Van Velthem, 1976, p. 1-19; Raushert-Alenani, 1981, p. 233-254; Solimões, 1982, p. 13-16; Magaña 1987 (p. 50, p. 241) e 1992 (p. 236-237); Fleury, 2000, p. 31-44; Chapuis e Riviere, 2003, p. 587-593, p. 816-835; Van Velthem, 2003, p. 292-299, p. 409-411; Duin, 2006, p. 126; Fajardo Grupioni, 2009, p. 32-40; Duin, 2009, p. 483-485; Camargo e Ibañez, no prelo, p. 82-85, p. 93-95.

14 Schultz, 1965, p. 76-80.

15 Barcelos Neto, 2001, p. 193-218, e Barcelos Neto, 2002, p. 161-168. Vale observar rapidamente que essa associação narrativa se encontra, transposta em um contexto xamânico, entre diversos outros povos da Amazônia: por exemplo os Kalapalo, os Desana, os Yanomami, os Shipibo, os Yine, os Kashinawa ou os Sharanahua.

16 Barcelos Neto, 2001 (p. 200) e 2002 (fig. 11-21, fig. 53-58).

17 Van Velthem, 2003, p. 240; Van Velthem e Linke, 2010, p. 25.

18 Vidal, 2008, p. 60.

19 Fajardo Grupioni, 2009, p. 34 e 40. Podemos encontrar uma versão da história Kaxuyana em Frikel, 1970, p. 12-16.

Table des illustrations

Titre Figura 11. Caderno de padrões de Mataliwa Kulijaman (2010)
URL http://books.openedition.org/oep/docannexe/image/1293/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 1,0M
Titre Figura 12. Padrões gráficos dos Aparai e dos Wayana
URL http://books.openedition.org/oep/docannexe/image/1293/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 2,2M
Titre Figura 13. Arakoni conforme Laptauana Wauja (1978)
URL http://books.openedition.org/oep/docannexe/image/1293/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 1,5M
Titre Figura 14. Arakoni de acordo com Apyká Wauja (1978)
URL http://books.openedition.org/oep/docannexe/image/1293/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 1,3M
Titre Figura 15. Arakoni conforme Apyká Wauja (c. 1980)
URL http://books.openedition.org/oep/docannexe/image/1293/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 354k
Titre Figura 16. O monstro serpente de acordo com Istautaku Wauja (1998)
URL http://books.openedition.org/oep/docannexe/image/1293/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 944k
Titre Figura 17. Tulupele conforme um Wayana ou um Aparai (2010)
URL http://books.openedition.org/oep/docannexe/image/1293/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 665k
Titre Figura 18. Sini Kapukuia em formato de lagarta de acordo com um Galibi-Marworno (2008)
URL http://books.openedition.org/oep/docannexe/image/1293/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 90k
Titre Figura 19. Marmaruime ou Wes’peme conforme um Kaxuyana ou um Tiriyó (2009)
URL http://books.openedition.org/oep/docannexe/image/1293/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Figura 20. Tulupele de acordo com Mataliwa (primeiro esboço ainda inacabado, 2011)
URL http://books.openedition.org/oep/docannexe/image/1293/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 1,7M
Titre Figura 21. Tulupele conforme Mataliwa (segundo esboço, 2011)
URL http://books.openedition.org/oep/docannexe/image/1293/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 79k
Titre Figura 22. Tulupele de acordo com Mataliwa (2011)
URL http://books.openedition.org/oep/docannexe/image/1293/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 82k
Titre Figura 23. Manuscrito de Mataliwa (2011)
URL http://books.openedition.org/oep/docannexe/image/1293/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 61k

Auteurs

Pesquisador autônomo Laboratoire d’anthropologie sociale
Laboratoire d’anthropologie sociale
Patrícia Rodrigues Costa (Traducteur)
Germana Henriques Pereira de Sousa (Traducteur)