Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Auguste de Saint-Hilaire (1779-1853)

 | 
Denis Lamy
, 
Marc Pignal
, 
Corinne Sarthou
, 
et al.

Auguste de Saint-Hilaire

O botânico através de sua correspondência

Corinne Sarthou, Marc Pignal, Sergio Romaniuc-Neto et Denis Lamy
Traduction de Sergio Romaniuc-Neto

Texte intégral

Correspondência Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze datada de 23 de outubro de 1819 Clichê Bibliothèque centrale, MNHN.

1Auguste de Saint-Hilaire consagrou toda a sua vida ao estudo das plantas. Sua viagem ao Brasil pela qual ele ficou conhecido foi, antes de tudo, a oportunidade para aprofundar seus conhecimentos a serviço da botânica, que ele considerava uma ciência tendo seus próprios fundamentos teóricos. Ele percorreu um país de grandes dimensões, que ainda era pouco conhecido, sendo rapidamente aceito como um cientista de primeira linha pelos naturalistas de sua época. O presente capítulo é fundamentado na leitura da correspondência que Saint-Hilaire manteve com algumas das principais personalidades do mundo científico numa época que, em muitos aspectos, foi essencial para a história das ciências e das sociedades. Através da análise dessa correspondência (cerca de cinqüenta cartas) em ressonância com suas obras, nós abordaremos não somente a origem da contribuição científica deste botânico, mas também algumas das mudanças que marcaram profundamente as sociedades européias nas primeiras décadas do século 19, que repercutiram até a América do Sul.

  • 1 Honoré de Balzac (1799-1850), escritor francês que escreveu sob o titulo «La comédie humaine» (1829 (...)

2Saint-Hilaire vivenciou o fim do Antigo Regime na França, a profusão intelectual das instituições criadas pela República e o Império e o nascimento de um novo país a partir de uma colônia portuguesa, o Brasil. Este paralelo com suas correspondências revela, ao mesmo tempo, aspectos íntimos da personalidade do botânico e as condições de uma carreira de cientista apaixonado e idealista, numa sociedade em plena mutação, onde conviviam lado a lado as grandes ideias e as mesquinharias de uma sociedade que inspirará profundamente Balzac1.

  • 2 Georges Cuvier (1769-1832), titular da cadeira de anatomia dos animais do Muséum national d’histoir (...)
  • 3 Antoine-Laurent de Jussieu (1748-1836), titular da cadeira de botânica do Muséum national d’Histoir (...)
  • 4 Johann Wolfgang van Goethe (1749-1832), escritor, poeta alemão, «Naturphilosoph».
  • 5 Joseph Pitton de Tournefort (1656-1708), professor de botânica no Jardin du Roy em Paris, autor de (...)
  • 6 Michel Adanson (1727-1806), botânico, que realiza uma viagem ao Senegal e propõe em 1763 uma classi (...)
  • 7 Jean-Baptiste Monnet chevalier de Lamarck (1744-1829), botânico e zoólogo, conhevido sobretudo por (...)
  • 8 Augustin Pyramus de Candolle (1778-1841), botânico genovês, professor de botânica da faculdade de m (...)
  • 9 Alexander baron von Humboldt (1769-1859), geólogo, geógrafo. As observa’voes e relatos que ele fez (...)
  • 10 Marie-Jean-Pierre Flourens (1794-1867), médico, especialista em fisiologia do sistema nervoso, prof (...)

3O Museu de História Natural de Paris e a Academia de Ciências Francesa estavam no centro das discussões deste período, no qual também se desenvolveu o «espírito» do romantismo, que foi a «ponte» entre dois séculos e duas visões de mundo. Na sua juventude, Saint-Hilaire atravessa cerca de 20 anos durante os quais Georges Cuvier2, em um relatório sobre as ciências naturais solicitado por Napoleão, considerava que houve mais progressos científicos que nos dois séculos precedentes. É também neste período que surgiu simultaneamente na Alemanha, Inglaterra e França, o conceito de «Leis da Natureza» e a formalização de uma «Biologia» abrangendo os diversos estudos sobre os seres vivos (cf. quadro páginas seguintes). A botânica estava no centro dos debates e os novos paradigmas classificatórios que surgiram foram primeiramente aplicados às plantas, como o método natural de Antoine-Laurent de Jussieu3, que se propunha a descrever a natureza através da organização em séries contínuas das formas de vida (cf. quadro pp. 160-161). É igualmente nas plantas que Goethe4 foi procurar os exemplos para criar uma ciência da forma, a Morfologia, e propor uma concepção modular de organização dos órgãos vegetais. Saint-Hilaire teve rapidamente acesso às idéias de Goethe, sendo um de seus propagadores na França. De certa forma, Saint-Hilaire também guardava certas peculiaridades do século precedente, não somente pela sua posição social por ter nascido em uma família pertencente à nobreza, mas também por sua inclinação às viagens que o situa na continuidade de Tournefort5 e Adanson6. Da mesma forma, por sua visão de mundo, evocava fortemente o universalismo das idéias do «Iluminismo». Ainda, tanto em Paris como em Montpellier, dois pólos da vida científica francesa as longo de muitos séculos, Saint-Hilaire encontra os homens que marcaram as ciências modernas como Jussieu, Lamarck7, De Candolle8, Humboldt9 e Cuvier. Saint-Hilaire ironiza aqueles que são tentados pela vida política, como Pierre Flourens10.

  • 11 Sobre a história e o papel dos salões parisienses, podemos consultar Abrantès (Laure Junot), Histoi (...)

4Embora não fosse insensível as honrarias e devesse defender seu lugar no mundo científico, por razões de saúde, se afastará dos salões11 públicos e dos lugares onde as carreiras eram muitas vezes decididas, sem perder portanto o reconhecimento de seus pares.

5A preferência pelos estudos dos órgãos vegetais (cf. encadré pp. 200-201) pode ser percebida através da produção científica de Saint-Hilaire. Como ele mesmo relatou várias vezes, considerava que a descrição de novas espécies não interessava se não permitisse que ele obtivesse um melhor agrupamento dentro das séries de famílias a qual pertencem. Mas ele se mostrou à vontade nos relatos de suas viagens que o permitiram descrever as paisagens e expor suas reflexões sobre as atividades humanas, situando-o na mesma linhagem de Alexandre de Humboldt. Nesse sentido, a viagem de Saint-Hilaire ao Brasil foi reveladora.

ANTES DA VIAGEM DE SAINT-HILAIRE AO BRASIL

  • 12 Para mais detalhes sobre a vida de Auguste de Saint-Hilaire, veja o capítulo sobre sua biografia.
  • 13 Lamarck (Jean-Baptiste), Flore française, ou, Descriptions succinctes de toutes les plantes qui cro (...)
  • 14 Louis-Claude Richard (1754-1821), viaja à Guiana Francesa, Brasil e Antilhas (1781-1789), professor (...)
  • 15 Cf. ano 1810 em la Biobibliografia, p. 424.

6Auguste de Saint-Hilaire nasceu em Orléans, no dia 4 de outubro de 1779, em uma família rica de Loiret12. Após ser educado entre os Beneditinos de Solesmes, ele foi enviado à Holanda para estudar o ofício do comércio, pelo qual demonstra pouco interesse. Depois, ele acompanha um tio maternal à Alemanha, em fuga da Revolução, onde ao longo desta estada aprende o alemão e o inglês. Desde seu regresso à França, em 1802, Saint-Hilaire mostrou uma forte tendência pelos estudos sobre a natureza, primeiro a entomologia, depois a botânica. Ele herboriza em companhia de seu cunhado Dutour de Salvert, tendo como guias a Flore Fançaise de Lamarck e a Flore de Dubois13. Ele recusa um cargo que lhe foi oferecido de auditor no Conselho de Estado preferindo se consagrar à botânica. Saint-Hilaire vai à Paris e freqüenta as aulas de A. L. de Jussieu, L. C. Richard e R. L. Desfontaines14. É na sua região natal, nas redondezas de Orléans, que Saint-Hilaire começa os estudos botânicos como revela seus primeiros escritos científicos15.

Quadro. Os primeiros passos da biologia
Jean-Pierre Gasc

... nós podemos representar a natureza como dois vastos quadros, onde um deverá ser a cópia do outro. Os dois, divididos em uma infinidade de compartimentos, que os diversos níveis de estudiosos parecem compartilhar, e que formam um só e único sistema. Porém, naquele que formou a natureza, tudo é pleno, tudo é ligado; mas naquele que os homens tentaram fazer, uma grande parte dos compartimentos está completamente vazia; uma outra parte não possui senão poucas imagens incorretas e tem com o original apenas uma semelhança grosseira; enfim é preciso confessar, que mesmo com todos os esforços dos que cultivaram as ciências não chegaram a reproduzir com fidelidade senão um reduzido número de traços de um imenso e sublime conjunto de seres naturais.
Não há contudo nestas idéias nada de desencorajador, quando se considera que as primeiras fagulhas das ciências remontam a trinta séculos e que sua luz, longe de se propagar sem obstáculo, foi interrompida por uma noite profunda, durante quase a metade de um tão curto intervalo de tempo. A esperança reside, pelo contrário, quando consideramos que hoje as ciências marcham com velocidade cada vez maior; que os dois últimos séculos fizeram mais que todos os anteriores e que talvez somente os últimos trinta anos tenham se igualado aos dois últimos séculos…
Cuvier (Georges), Rapport historique sur les progrès de sciences naturelles, 2a ed., 1827, pp. 3-4.
A vida de Auguste de Saint-Hilaire decorre durante um período, entre 1780 e 1850, quando surgem as principais ciências, no sentido moderno do termo, Física, Química, Geologia e no domínio das ciências da vida, Botânica e Anatomia comparada. Estas últimas dividem de forma estreita os conceitos e objetivos sobre os quais a Biologia comparada foi fundada. Esse vendaval decisivo no conhecimento da natureza se apóia sobre as bases filosóficas onde o panteísmo de Baruch Spinoza e o racionalismo critico de Emmanuel Kant foram essenciais. Após eles a ciência se libertou do dualismo cartesiano e seu prolongamento mecanicista para se dirigir em uma pesquisa das causas materiais por uma via experimental.
Contudo, uma reação crítica veio paradoxalmente enriquecer esta base filosófica. Iniciada pelo filósofo alemão Friedrich Wilhelm Joseph Von Schelling sob o nome de «Filosofia da Natureza» (
Naturphilosophie), esta corrente filosófica concebe a realidade natural como a reunião de «tipos» fundamentais, aspectos do real que nós somente perceberemos após ter examinado e comparado as formas de vida. O organismo é colocado em primeiro plano e os órgãos que o constituem devem ser estudados em função das relações entre eles para assegurar a coerência do conjunto (organografia). Podemos observar em seguida as preocupações daqueles que, após Michel Adanson, como Antoine-Laurent de Jussieu e seus seguidores, procuraram atingir uma «classificação natural».
Após seu ensaio em 1790 sobre a «metamorfose das plantas», onde ele compara a folha a um módulo ideal que, por transformação, origina diversos órgãos (cf. ilustração na página da direito), Goethe se rodeia de esqueletos e encontra uma analogia na vértebra, onde ele pensa ter encontrado os traços na construção do crânio. É assim, não sem as contradições e confusões próprias à época do Romantismo, como a Filosofia da Natureza vai impregnar todo o século XIX, de d’Étienne Geoffroy Saint-Hilaire a Richard Owen pelo conceito de homologia, de Karl von Baer a Ernst Haeckel para as regras do desenvolvimento.
Em 1800, Alexandre Brongniart expõe à Sociedade Filomática um «ensáio de classificação natural dos répteis», onde ele escreve: «É apenas há alguns anos que naturalistas, entre os quais contamos sobretudo com os Srs.
Jussieu e Cuvier, fizeram sentir todo um interesse pela ciência da comparação, discutindo a subordinação de caracteres e juntando o exemplo à teoria, aplicaram, primeiro aos vegetais, depois a algumas classes do reino
animal, as leis que haviam determinado». Ele demonstra a eficácia do estudo comparado dos caracteres internos no reconhecimento de grupos naturais: as rãs e salamandras se assemelham aos lagartos e tartarugas pelo seus sistemas respiratórios e por possuírem patas, mas se distinguens pelo seu modo de reprodução e sua vida larval que os aproximam dos peixes. Georges Cuvier foi nomeado em 1802 no Museu Nacional de História Natural para a direção do laboratório de Anatomia dos Animais. Ele se apressa em mudar o nome do laboratório para «Anatomia Comparada», ciência cujo programa expõe nos seus cursos públicos, reunidos por Constant Duméril, que virá a ser o fundador de Herpetologia, parte da zoologia dedicada ao estudo dos anfíbios e répteis. Cuvier fez seus estudos em Stuttgart, onde freqüentou os cursos de Karl Friedrich Kielmeyer, anatomista e grande mestre da
Naturphilosophie. Sua mente, profundamente empírica, estava irritada pelo excesso de especulações de seus colegas alemães, que por vezes misturam forças newtonianas, magnetismo animal e mística neoplatoniana do número e rejeita suas inclinações transformistas.
No entanto, ele formula as regras da biologia comparativa tirando explicitamente sua inspiração das obras de Aristóteles, Kant, Jussieu e Kielmeyer. A ferramenta poderosa que constitui a regra de correlações orgânicas, permitirá a Cuvier introduzir a predição nas ciências da vida: a partir de um fragmento, ele se revela capaz de reconstituir todo um organismo e até mesmo dar um modo de vida a um animal extinto (cf. ilustração na página à esquerda).
Quando um conceito se impõe, é conveniente dar-lhe um nome. Enquanto Cuvier em seu relatório sobre as ciências naturais declara que estas «não formam senão uma única ciência cujos diferentes ramos possuem conexões mais ou menos diretas e se completam mutuamente», Goettfried Reinhold Treviranus e Jean Baptiste Lamarck propõem simultaneamente em 1802 de designar por «Biologia» a ciência que estuda os seres vivos sob todas as suas formas.
O surgimento dos microscópios, corrigindo as aberrações cromáticas, em torno de 1825, abre as possibilidades de observação da composição dos órgãos vegetais e animais. Se descobre que a unidade do mundo dos seres vivos está representada pela célula provida de um núcleo, observada primeiramente em 1831 pelo botânico Theodor Schwann, fundando a teoria celular, segundo a qual a célula e seu núcleo constituem o princípio universal de formação dos organismos. Elès deram uma prova material a unidade fundamental sobre a qual repousa a diversidade dos seres vivos. A Morfologia, vocábulo explicitado por Goethe, irá então constituir um leque de abordagens técnicas, explorando os diversos níveis da organização, anatomia, histologia, citologia e embriologia.
Devemos salientar que em contradição com a especialização crescente da prática científica, as inovações teóricas que marcaram o século XIX, incluindo a teoria darwinista, partem de observações onde se misturam organismos vegetais e animais. As ciências naturais progridem graças aos conceitos que atravessam as disciplinas; botânicos e anatomistas se encontram frequentemente reunidos. Desta forma, Alfred Moquin-Tandon, amigo e colaborador de Auguste de Saint-Hilaire, introduz a teratologia vegetal, continuação das observações de Goethe, e será o defensor de uma concepção segmentária dos organismos estudando a anatomia dos animais colôniais e segmentados.
Fér em 1811 em seu opúsculo de defesa da Botânica como nas questões tratadas em muitas de suas publicações e através dos nomes citados em sua correspondência, Auguste de Saint-Hilaire se revela diretamente implicado pelo movimento de reflexão onde a Biologia comparativa encontrou seus conceitos de base.
Bibliografia
Coleman
(William), Biology in the nineteenth Century: problems of form, function, and transformation, New York: Wiley & sons, 1971, VII + 187 p. (History of science).
Cuvier (Georges), Rapport historique sur les progrès des sciences naturelles depuis 1789, et sur leur état naturel présenté au gouvernement, le 6 février 1808, nova ed., Paris: Firmin Didot, 1827, 364 p.
Cuvier (Georges), Tableau élémentaire de l’Histoire naturelle des animaux, Paris: Baudouin, an VI [1798], xvj + 710 p.
Cuvier (Georges), Leçons d’Anatomie comparée, Paris: Baudouin, 1800, vol. 1, pp. i-xxij: «Lettre à Jean-Claude Mertrud».
Pfaff (Christoph Heinrich), Lettres de Georges Cuvier à C. H. Pfaff 1788-1792 sur l’Histoire naturelle, la Politique et la littérature [tr. do alemão por Marchant Louis], Paris: Victor Masson, 1858, 314 p.
Richards (Robert J.), The romantic conception of life: science and philosophy in the age of Goethe, Chicago; London: The University of Chicago Press, 2002, XIX + 587 p. (Science and its conceptual foundations).
Stevens (Peter F.), The Development of biological systematics: Antoine-Laurent de Jussieu, nature, and the natural system, New York: Columbia University Press, 1994, XXIII + 616 p.

Rosa prolífera
Os exemplos da rosa prolífera, monstruosidade onde a parte central da flor é ocupada por uma nova flor, serviram para Goethe de prova das transformações modulares de diversos órgãos das plantas. Este desenho de Klingborg foi feito a partir de uma aquarela de Goethe.

Fóssil de gambá
O poder de predição do método comparativo de Cuvier lhe conferiu um renome universal. A partir de um fragmento de mandíbula que lhe trazem de uma pedreira de calcário de Montmartre, ele sugere que a procura do resto do esqueleto deve continuar, indicando que a bacia deveria ter dois pequenos ossos característicos dos marsupiais. É, em efeito, o esqueleto de um pequeno gambá que emerge da pedreira. Gravura extraída de Cuvier (Georges), Recherche sur les ossemens fossiles… (1812) Clichê Bibliothèque centrale, MNHN.

La Turpinière Solar da família Saint-Hilaire perto de Orléans. Fotografia de 2010 Clichê F. Bouazzat, MNHN.

  • 16 Para melhor compreender os desafios da claissificação naturel, cf. quadro pp. 160-161.

7A carta enviada à A.-L. de Jussieu em 8 de fevereiro de 1811 é acompanhada de uma nota publicada neste mesmo ano, contendo o texto lido por Saint-Hilaire na Sociedade de Ciências Físicas, Medicais e Agricultura de Orléans, em 26 de novembro de 1810. Por meio desta carta ele presta homenagem a seu mestre e prova pelo seu opúsculo o quanto ele é adepto de uma classificação «natural»16.

  • 17 O contexto das práticas botânicas é mostrado pp. 507-537.
  • 18 Jean-Jacques Rousseau (1712-1778), filósofo genebrino, apaixonado por botânica, autor de Lettres él (...)

8O opúsculo intitulada «Réponse aux reproches que les gens du monde font à l’étude de la botanique» expõe as idéias que determinaram a continuação de sua carreira como botânico17. Ele é um verdadeiro guia que Saint-Hilaire seguiu durante sua viagem ao Brasil. Após criticar os discípulos Rousseau18 e Lamarck pela confusão causada pelos seus escritos sobre a identificação de plantas e o real conhecimento científico destas, ele coloca a nomenclatura como apenas acessória à filosofia botânica. Ele acredita que é mais importante analisar os fenômenos que ocorrem durante o ciclo de vida de uma planta como a germinação, o crescimento, a fecundação e a frutificação, do que simplesmente dar-lhe um nome. É a análise destes fenômenos que permite ao botânico extrair as informações necessárias para situar as plantas num sistema de classificação.

  • 19 Saint-Hilaire (Auguste de), Réponse aux reproches que les gens du monde font à l’étude de la botani (...)

O reino vegetal é uma imensa corrente que, começando pela planta mais simples, terminará pela espécie mais ricamente organizada, ou, melhor dizendo, é uma vasta rede onde os fios se entrelaçam e onde as partes mais distantes ainda possuem um ponto de contato.19

  • 20 Jussieu (Antoine-Laurent de), Genera plantarum…, Paris: Veuve Hérissant, 1789, 24 + LXXII + 498 p.

9Ele expõe, desta forma, um conceito de «rede» nas relações entre as plantas, com a idéia que mesmo as espécies mais distantes possuem elementos de afinidade. Para conduzir esta idéia, ele recorre ao método seguido por A.L. de Jussieu no Genera Plantarum20:

  • 21 Saint-Hilaire (Auguste de), Réponse aux reproches…, op. cit., pp. 13-14.

… para bem compreender as relações que as plantas possuem entre elas, e achar o lugar destinado a cada uma nesta longa série que todas contribuem para formar, é necessário conhecê-las perfeitamente, interrogar incessantemente, dessecar a flor, o fruto, e a semente; espiar o embrião no momento decisivo da germinação, é preciso observar com cuidado quais são os caracteres mais constantes, medir sua importância sobre os órgãos que as formam, calcular seu valor relativo e, por fim, tirar destas diversas operações os resultados comparativos que devem levar à resultados felizes, desejados pela natureza…21

Tycnanthemum virginicum
Exsicata e caixa do Herbário de Saint-Hilaire. Acervo do Muséum d’histoire naturelle (Orléans) Clichê F. Bouazzat, MNHN.

  • 22 Ibid., p. 22.
  • 23 Humboldt (Alexander von), Ansichten der Natur mit wissenschaftlichen Erläuterungen, Tübingen: J. G. (...)

10Para aqueles que julgam que as pesquisas não são úteis porque elas não possuem outro objetivo que o conhecimento, Saint-Hilaire responde relembrando três domínios de sua aplicação: a aclimatação das espécies exóticas, fundamentada pelo conhecimento das condições de vida das plantas em seus países de origem; a ampliação do número de plantas medicinais associadas às de uso conhecido; e a melhoria da agricultura e horticultura. Estas considerações o levaram a esperança de que a exploração botânica nas regiões tropicais, onde está «tudo que a vegetação possui de mais rico e diversificado»22, se referindo a A. de Humboldt23, seja desejada por todos os jovens botânicos.

  • 24 Saint-Hilaire (Auguste de), Réponse aux reproche…, op. cit., p. 20.

Pois bem! Esperemos que a paz tanto desejada permita que expedições gloriosas possam ser realizadas com a finalidade de agregar conhecimento humano e conquistar plantas e animais úteis; veremos ainda um enxame de botânicos jovens, cheios de entusiasmo pela ciência, buscar a honra de enfrentar mil perigos, para enriquecer a sua pátria com novas descobertas.24

  • 25 Joseph Deleuze (1753-1835), assistente-naturalista nas duas cadeiras de botânica do Muséum national (...)
  • 26 Cartas de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, abril 1815 (Bibliothèque centrale du Muséum, M (...)
  • 27 Brown (Robert), «General Remarks geographical and systematical, on the Botany of Terra australis», (...)
  • 28 Candolle (Augustin Pyramus de), Théorie élémentaire de botanique, ou exposition des principes de la (...)

11Saint-Hilaire foi assim, particularmente aberto a oportunidade de uma viagem ao Brasil. Seu interesse pela distribuição geográfica das floras exóticas é refletido em uma menção na carta enviada à Deleuze25, de abril de 181526, onde há um trecho do texto apresentado à Société philomatique, traduzindo a versão em inglês (1815) da monografia do botânico Robert Brown (1773-1858)27, que tinha participado da expedição do capitão Flinders no H. M. S Investigador, na Austrália e Tasmânia. Nesta monografia, Brown escolheu o método natural (cf. quadro páginas seguintes) referindo-se ao Genera Plantarum de Jussieu e a Teoria Elementar de Botânica de Augustin-Pyramus de Candolle28. Na sua nota de 1811, Saint-Hilaire adere ao conceito próximo da «teologia natural», adotada pela maioria dos seus contemporâneos:

  • 29 Saint-Hilaire (Auguste de), Réponse aux reproches…, op. cit., pp. 11-12.

Tantas maravilhas são bem dignas de nossa admiração e, mesmo assim, ainda existem outras que solicitam as meditações do botânico. Multiplicando os seres como os grãos de areia do mar, a mão do criador não semeou sem ordem ou plano na superfície da Terra. Mais de vinte mil plantas já foram descritas e supomos, por aproximações, que são cinco vezes mais. Consideradas em separado, cada planta tem um conjunto perfeito, mas é em si apenas uma pequena parte de outro conjunto quase imensurável, onde tudo está ligado por intimas relações, cheias de nuances com uma arte maravilhosa.29

  • 30 Ibid., pp. 28-30.

12Por fim, ele conclui por considerações morais sobre os benefícios da coleta de plantas numa época onde se sente a influência de J. J. Rousseau. A busca por plantas na natureza é descrita em um estilo romântico, como um refúgio contra a miséria e o caos na sociedade, mas também como uma ocupação para o corpo e a mente, remédio ao vazio criado pela ociosidade, tanto para a infância como para a velhice30. O gosto de Saint-Hilaire pela literatura alemã, principalmente seu estilo, vem de sua estadia na Alemanha, onde ele escreve numa carta à Deleuze, de abril de 1815:

  • 31 Johann Gottfried Herder (1744-1803), filósofo alemão, que influencia fortemente o movimento românti (...)
  • 32 Georges Louis Leclerc de Buffon, intendente do «Jardin du Roy» em Paris, autor de uma Histoire natu (...)
  • 33 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, abril 1815 (Biblioteca central do Museu, Ms 267 (...)

A leitura de Madame de Staël me deu vontade de traduzir alguns dos excelentes livros da rica literatura alemã. Aqueles que foram traduzidos para a nossa língua são geralmente tão pobres; ou se eles são bons, eles foram tão mal traduzidos! Eu pensei nos textos deste Herder31, que Madame de Staël dedicou um capítulo, onde ela fez uma evocação tão bonita e que M. de Humboldt não hesitou em fazer uso de suas idéias para personalizar sua forma de escrever, ao lado de Buffon, Bernardin de Saint Pierre e de Chateaubriand32.33

13Por conseguinte, podemos supor que ele leu nesta época Versuch die Metamorphose der Pflanzen zu erklären de Goethe, publicado em 1790, uma obra cuja influência sobre os botânicos aos quais refere Saint-Hilaire, como Robert Brown, é freqüentemente mencionada.

Quadro. A classificação natural de Antoine-Laurent de Jussieu
Corinne Sarthou

Classificar é colocar objetos em ordem e reconhecê-los ao nomeá-los. Ordenar pressupõe a escolha de critérios. Existe, portanto, tantas classificações de um mesmo objeto que de critérios possíveis. Da mesma forma, nomear é próprio de uma língua. Existirá tantos nomes para um objeto quanto o numero de línguas. O conhecimento científico se pressupõe universal, os caracteres de uma classificação causam um problema: qual critério de ordenação escolher? Qual língua escolher? Se o latim foi escolhido sem dificuldades, ao contrário a questão dos critérios selecionados para classificar as plantas foi o sujeito de amargas discussões ao longo do século XVIII. De fato, o agrupamento das plantas em conjuntos, presentes nos jardins botânicos que se formaram a partir do Renascimento, conduziu a designação de categorias. É assim que Pierre Magnol (1638-1715) cria o termo Família. Surge então uma discussão que não deixa de lembrar as querelas dos Universalistas ocorridas na Idade Média: nossos conceitos são o produto de nosso pensamento ou correspondem à uma realidade? Devemos considerar as categorias reconhecidas como entidades reais, testemunhando a existência da descontinuidade na natureza? Ou, por razões de comodidade, o pensamento não introduz uma ruptura na continuidade natural criando categorias designadas por terminologias? O esforço de classificar levanta uma questão fundamental do conhecimento: a razão é capaz de captar a realidade do mundo? E como saciar a necessidade prática da classificação? Os filósofos da época do Iluminismo foram apreendidos desta questão, o estudo da natureza tornou-se, então, uma questão de primeiro plano. É considerado como Artificial toda classificação que, visando a comodidade do reconhecimento das plantas, frequentemente para fins medicinais, utilizam critérios que permitem uma análise, um caminho que parte do geral para atingir uma particularidade. A forma são chaves «dicotômicas», conduzindo o naturalista a duas escolhas possíveis. Carl Linné (1707-1778) formalizou as tentativas anteriores de Tournefort (1656-1708) e de John Ray (1627-1705) propondo como critério único a organização da flor, sistema sexual das plantas. Ele cria uma nomenclatura latina fundamentada sobre o princípio hierárquico de categorias no qual a base é representada pelas espécies. Dois nomes designam cada espécie, o gênero no qual ela é incluída e seu próprio nome. Ainda que, ele estivesse convencido de ter aproximado a ordem natural de classificação, ordem que ele atribui ao divino criador, seu sistema foi fortemente criticado por Buffon e seus colaboradores do Jardim do Rei, Bernard de Jussieu e Jean-Baptiste Lamarck, para quem o método analítico é artificial e a escolha de um critério único arbitrário. Mas é o próprio sobrinho de Bernard de Jussieu, Antoine-Laurent de Jussieu (1748-1836) que publicando em 1789 «Genera Plantarum» defendeu os princípios de uma «classification naturelle» fundamentado sobre uma abordagem sintética, reconhecendo primeiramente os grandes grupos baseado nos caracteres de organização da planta. A prática será, então, diferente: se trata de examinar a anatomia do organismo e especialmente a estrutura dos frutos e sementes, segundo as idéias de Joseph Gärtner (1732-1791). Os grupos reconhecidos a partir das afinidades entre as espécies formam uma série contínua, e se lacunas aparecem, elas são atribuídas à nossa falta de conhecimento, particularmente sobre as floras exóticas e não à uma real descontinuidade. Contrariamente ao conceito de Michel Adanson (Familles des Plantes, 1763) que tinha se proposto a considerar igualmente todos os caracteres, Antoine-Laurent de Jussieu estabeleceu uma hierarquia ou subordenação entre os caracteres segundo sua importância na vida das plantas. Este método é imediatamente aplicado aos animais por Alexandre Brongniart (1770-1847) em um «Essai d’une classification naturelle des reptiles» (1800) onde podemos sentir a influencia de Georges Cuvier (1769-1832) que se declara adepto das idéias de Jussieu. Logo que Auguste de Saint-Hilaire inicia sua carreira de botânico, ocorreu uma reviravolta neste debate sobre as classificações. Em Paris, eram comuns as instituições onde dominavam as idéias expressas por Antoine-Laurent de Jussieu. Ele se tornará um ardente defensor dessas ideias, procurando preencher as lacunas das séries estabelecidas por Jussieu, tanto por seus trabalhos sobre a estrutura das sementes e dos embriões quanto pelas formas exóticas que ele trará de sua viagem ao Brasil.
Bibliografia
Brongniart
(Alexandre), «Essai d’une classification naturelle des Reptiles», Bulletin des Sciences, par la Société Philomathique, t. 2, Pluviose, an viii de la République [1800], pp. 81-93.
Gaertner (Joseph), De fructibus et seminibus plantarum, Stuttgart: Sumtibus Auctoris, Typis Academiae Carolinae, 1788-1791, 3 vol., in-4°.
Jussieu (Antoine-Laurent), Genera plantarum secundum ordines naturales disposita, Paris: Veuve Hérissant, 1789, 24 + LXXII + 498 p.
Linné (Carl von), Systema naturæ per regna tria naturæ, secundum classes, ordines, genera, species, cum characteribus, differentiis, synonymis, locis, 10a éd., Stockholm: Laurentii Salvii, 1758-1759, 2 vol., in-8°.
Ray (John), Methodus plantarum nova, London: impensis H. Faitborne & J. Kersey, 1682, 166 p., in-8°.
Tournefort (Joseph Pitton), Elémens de botanique, ou Méthode pour connoître les plantes, Paris: De l’Imprimerie royale, 1694, 3 vol., grav. sur cuivre, in-8°.

  • 34 Cartas de Auguste de Saint-Hilaire, de 8 de fevereiro de 1811, de 20 de março de 1812 à Antoine-Lau (...)
  • 35 Charles François Brisseau de Mirbel (1776-1854), botânico anatomista, titular da cadeira de Cultura (...)
  • 36 Carl Sigismund Kunth (1788-1850), descreve as plantas coletadas por A. v. Humboldt e A. Bonpland.
  • 37 Cf. anos 1811, 1815 e 1816 em la Biobibliografia, pp. 417-473.
  • 38 Biblioteca de botânica do Museu (Ms CRY 491, pièce 344).
  • 39 Biblioteca de botânica do Museu (Ms CRY 507, pièce 1506).

14Várias das cartas conhecidas desse período34 nos revelam o quanto Saint-Hilaire era sensível a publicação dos resultados de seus trabalhos nos melhores jornais e revistas de sua época, especialmente àqueles ligados à Academia e ao Museu ou à Sociedade Filomática e o quanto ele julgava indispensável que as descrições publicadas fossem rigorosas. A partir deste período, embora ele tenha pouco publicado, manteve contato com os grandes nomes da botânica (A. L. de Jussieu, R. L. Desfontaines, S. C. Richard, C. F. Brisseau de Mirbel35, A. P. de Candolle e C. S. Kunth36), mencionados em suas cartas, estabelecendo uma rede de correspondentes para obter amostras de sementes que foram necessárias para suas publicações sobre a flora da França e o modo de placentação, antes da sua partida para o Brasil37. Entre os membros desta rede, podemos também mencionar Philippe Picot de la Peyrouse (1744-1818), de Toulouse, que publicou uma flora dos Pirenéus (carta de 15 de outubro de 1813)38 e Gaspard Nicolas Robert (1776-1857), um farmacêutico que se tornou vice-diretor do Jardim Botânico de Toulon (carta de 13 de janeiro de 1814) que lhe fornecerão amostras39.

AS CONDIÇÕES DA VIAGEM

  • 40 Uma carta endereçada ao ministro do Interior indica que ele parte na qualidade de aluno de engenhar (...)
  • 41 Pierre Antoine Delalande (1787-1828), auxiliar naturalista da cadeira de zoologia do Museu, acompan (...)
  • 42 Cf. Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent de Jussieu, dezembro de 1816 (Biblioteca de (...)

15Auguste Saint-Hilaire embarcou em Brest, em 1 de abril de 1816, na fragata LHermione, com destino ao Rio de Janeiro onde chegou em 1 de junho. O navio foi fretado para levar à corte de Portugal, refugiada no Brasil, o Embaixador extraordinário da França, o Duque de Luxemburgo40. As condições que permitiram que Saint-Hilaire fosse associado à esta viagem, na companhia do zoólogo Pierre Antoine Delalande41, ainda permanecem obscuras. Ele foi enviado pelo governo francês, como revela uma carta do chanceler Dambray ao ministro do Interior. Mesmo previsto de voltar à França com o Duque de Luxemburgo em dezembro de 1816, ele permaneceu por vontade própria no Brasil, mostrando entusiasmo e muita curiosidade pela riqueza vegetal brasileira42.

Duque de Luxembourgo
Vista da casa que habitava o Duque de Luxembourgo, Embaixador extraordinário da França no Brasil —em 1816». Gravura extraída de Voyage dans les provinces de Rio de Janeiro… de Saint-Hilaire (1830) Clichê Bibliothèque centrale, MNHN.

  • 43 Se acreditarmos em uma carta do Barão de Férussac endereçada à Monsieur Duc [de Daudeville], não da (...)

16Ele recebeu o apoio financeiro do governo43 e a soma de 6 000 francos por ano do Museu de História Natural a título de auxílio viagem, entre os anos de 1816 e 1823. Durante esta viagem, Saint-Hilaire, estabeleceu em especial uma correspondência com A.-L. de Jussieu, que ele considerava como seu mestre, e com seu amigo Deleuze que serviu de intermediário com sua mãe.

A motivação da viagem e o método de trabalho de A. de Saint-Hilaire

17Desde as duas primeiras cartas, dirigida à A.-L. de Jussieu e a seu amigo Deleuze em dezembro de 1816, logo após a sua partida para o Brasil, Saint-Hilaire demonstrou uma motivação puramente científica. Ele declarou querer aplicar a uma flora desconhecida os princípios que ele aprendeu com seus correspondentes ilustres. Não se trata, portanto, de constituir um catálogo, mas de identificar as relações entre plantas naturais reconhecendo suas famílias, de fazer uma descrição precisa da vegetação, observando a localidade exata das coletas das plantas, de anotar seu nome local e as «propriedades atribuídas a elas».

18Ele também planejou anotar os caracteres que não são mais visíveis em um herbário, aqueles em que ele concentrou sua atenção antes de partir: a organização das flores e frutos.

  • 44 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent de Jussieu, aparentemente de 1816 (Biblioteca d (...)

Eu não procuro identificar as espécies ou mesmo os gêneros: eu me contento em reconhecer a família das plantas que eu coleto e em dar um número que se refere às anotações de campo, onde eu indico para todas o lugar onde eu as encontrei, a cor das flores, o nome vulgar quando elas têm e as propriedades quando lhe são atribuídas: eu acrescento para as árvores e {os} arbustos suas alturas, seu porte, a cor e a natureza de sua casca; enfim todas as vezes que uma planta apresenta, na sua frutificação, caracteres que sejam difíceis de observar no herbário; {eu tenho cuidado de anotar} e indico a inserção dos estames, a estrutura dos estigmas e, principalmente dos ovários e a posição dos óvulos.44

  • 45 Cadernos conservados na Biblioteca de botânica do Museu sob o catálogos Ms BOT 1-12.
  • 46 A este respeito, ver Pignal (Marc), Romaniuc-Neto (Sergio), De Souza (Sidnei), Chagnoux (Simon) & L (...)

19Pode parecer um programa ambicioso, mas ele o realizará ponto por ponto, conforme seu opúsculo de 1811. Ele organizou seu trabalho conforme dois vértices complementares que encontramos em seu trabalho: de uma parte organizar um herbário segundo as regras clássicas, que ele provavelmente aprendeu com Desfontaines, buscando uma identificação provisória, pelo menos ao nível de família por referência ao seu conhecimento da flora européia e a classificação de Jussieu; e de outra parte, associar a cada amostra, um número de referência, anotando suas observações sobre o porte, natureza do solo e todos os dados que «desaparecem em um herbário». Ele reúne, assim, dados ecológicos, biológicos e anatômicos (estrutura dos órgãos da flor e fruto de acordo com Richard), que ele acredita serem mais importantes do que o nome atribuído à planta. Esta prática irá revelar-se resolutamente moderna para a época, especialmente as anotações de dados complementares sobre as plantas coletadas, que são tão carentes tanto nos materiais de seus contemporâneos, como de alguns botânicos modernos. Neste sentido, Saint-Hilaire ofereceu uma fonte de informações na forma de «cadernos de campo»45 ao qual ele fez referência nas suas etiquetas de herbário46.

  • 47 Darwin (Charles), The variation of animals and plants under domestication, London: J. Murray, 1868, (...)

20Entre as informações que ele anotou, ele atribuiu uma especial importância para as propriedades das plantas, reconhecidas pelos habitantes locais e, em particular, para seus efeitos terapêuticos, mas também deu atenção as plantas comestíveis cultivadas. Foi neste contexto que ele foi citado por Darwin no seu livro The variation of Animals and Plants under Domestication (1868) quando escreve sobre a forma selvagem do milho47. Muito atento à produção local e as condições de cultivo, ele estudou a possibilidade da troca de sementes entre a Europa e o Brasil: a aclimatação de plantas na França e o cultivo de plantas alimentares européias no Brasil. Saint-Hilaire enviou regularmente à Europa sementes de plantas de seu herbário, na tentativa de aclimatação, seguindo o método de trabalho apresentado por ele no opúsculo de 1811. Ele até tentou enviar plantas suculentas em caixas de lata.

  • 48 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent Jussieu, aparentemente de 1816 (Biblioteca de b (...)

O senhor Thouin me recomendou não esquecer as variedades de hortaliças cultivadas na Europa, eu mandei (riscado) de feijão comum e eu escrevi em cada embalagem o nome comum da variedade que contém; eu enviei também um milho branco que eu não creio ter visto na França. Além disso, não cultivam aqui nenhum outro legume a não ser {couve de} um ruim repolho e brotos de alface pior ainda. Eu acho que devo recomendar Cytisus* griando que cresce espontaneamente, mas que as sementes somente são boas quando consumidas verdes.48
[n.t. Cystium griseolum Rydb. ?]

21Ele também cita o caso de uma provável salicórnia local que devido ao seu alto teor de sódio, poderia evitar a dependência dos brasileiros em relação a importação de sal dos ingleses.

  • 49 Idem.

Embora o que possam dizer, os botânicos nem sempre são pessoas tão inúteis. Desde que estou aqui, eu encontrei a Salicórnia da qual retiramos um sódio menos rico que aquele das Índias e Alicantes, mas mais rico do que o de Cartagena de Narbonne e? Estou enviando a análise ao Mr. Deleuze. O sal é fornecido aos brasileiros pelos ingleses e eu estou feliz, devo confessar, que seja um francês que tenha feito essa pequena descoberta.49

22O trabalho de Saint-Hilaire se encaixa na tradição do comércio entre as metrópoles européias e as colônias tropicais, de um lado estendendo os sistemas de grandes plantações, de outro, distribuindo as plantas úteis para o homem ou meramente ornamentais em coleções européias. Esta tradição de trocas, obviamente, se aplica também às espécies de animais:

  • 50 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, 4 de dezembro de 1816 (Biblioteca central do Mu (...)

Eu creio que estes dois por{cos} [papel rasgado] não sejam grande presente para o Museu; mas graças com que {aquela} [papel rasgado] me foram oferecidos para vossa instituição pelo Comandante João Rodrigo Pereira de Almeida merecem, talvez, um agradecimento oficial. Se você pudesse enviar-lhe algum animal vivo útil para a economia doméstica, tenho certeza que ele não ficaria para trás, e como ele faz em seu comércio de navios na Índia e na costa da África, é possível que ele procurará o Museu qque [sic] algo interessante.50

Regresso da colheita
Gravura extraída de Voyage pittoresque et historique au Brésil de Debret (1834). Clichê Bibliothèque centrale, MNHN

23Seus comentários não param na mera descrição das espécies. Em paralelo ele descreveu os tipos de vegetação das regiões que atravessou. Desde os primeiros meses de sua estada, ele teve a oportunidade de ficar no Rio de Janeiro, o que lhe permitiu de realizar várias excursões a partir da cidade, oferecendo a oportunidade de descrever a paisagem do entorno a partir da cidade até os restos da floresta original, que na sua opinião já sofria desmatamento «diariamente e sem inteligência». Ele enumerou sucessivamente jardins «em geral mal cultivados», forrageiras («campos de Panicum guineense, {forragem} que é dado aos cavalos e vendido em substituição ao feno», plantações de mandioca, café, inhame, milho, cana de açúcar, «matas» degradadas e florestas. Ele foi, portanto, testemunha do início da destruição da floresta atlântica (Mata Atlântica). Ele enumera os organismos vegetais (fungos, musgos e samambaias, plantas com flores) caracterizando a paisagem por famílias ou gêneros dominantes:

  • 51 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent Jussieu, aparentemente de 1816 (Biblioteca de b (...)

Os Crotons são as únicas plantas que vivem aqui em sociedade; elas formam quase que sozinhas grandes populações que abrangem várias colinas secas… Eu coletei mais Ciperáceas que Gramíneas; eu me surpreendi ao ver estas últimas tão pouco numerosas, a maior parte {dentre elas} pertencem ao gênero Panicum, ou pelo menos próximo à este.51

  • 52 Brown (Robert), «General Remarks geographical and systematical…», op. cit.; The Miscellaneous Botan (...)

24Ela evoca uma comparação entre a quantidade de monocotiledôneas e dicotiledôneas citando, como base, as avaliações feitas por Robert Brown para os trópicos. A partir de suas próprias coleções feitas na Austrália, especialmente dentro dos limites do que ele chama de «paralelo principal», entre 33 e 35 graus de latitude sul, Brown tinha realizado uma avaliação do número de espécies de monocotiledôneas e dicotiledôneas, em comparação com outros continentes nas mesmas latitudes52. Em sua comparação entre as floras australiana, sul-africana e sul-americana, ele lamenta a escassez de informações sobre o sul do continente americano, especificamente a lacuna que Saint-Hilaire tenta preencher.

  • 53 Saint-Hilaire (Auguste de), Histoire des plantes les plus remarquables du Brésil et du Paraguay com (...)
  • 54 Ibid., p. xij.

25Saint-Hilaire descreveu muito precisamente a vegetação, visualizando claramente os diferentes tipos biológicos que a estruturam: ervas, arbustos, árvores, trepadeiras e epífitas. Mas é após seu retorno, na introdução de sua Histoire des Plantes les plus remarquables du Brésil et du Paraguay53, publicado em 1824, que ele descreve a tipologia das formações vegetais próprias do Brasil, floresta primária ou matas virgens, floresta galeria ou capoeiras, pastos naturais ou campos naturais, distintos dos campos artificiais, populações monoespecíficas da gramínea denominada de capim-gordura, que se instala após o cultivo repetido de áreas de antigas florestas, as caatingas: «... denso emaranhado de espinhos, de plantas trepadeiras e arbustos no meio dos quais crescem árvores de médio porte»54, onde a estação seca é marcada pela queda das folhas. O sertão, que ele nomeou de Deserto, onde os cavalos e bois são criados naturalmente e encontram nos «salitrais», o sal necessário para uma boa saúde. Finalmente, perto do mar, uma vegetação arbustiva característica chamada restingas. Frequentemente ele relaciona estas diversas vegetações com o relevo, o tipo de solo e a luminosidade:

  • 55 Ibid., p. xvj.

Se ignorarmos as florestas virgens, encontraremos nos vários tipos de vegetação peculiares à província de Minas um tipo de escala, onde as plantas diminuem de tamanho a medida que o terreno se eleva. As caatingas crescem nas partes mais baixas; acima delas estão os campos de árvores raquíticas; mais alto encontramos os carrascos, que lembram nossos jovens talhões; os carrascos propriamente ditos, coroam os grandes planaltos, e enfim nos cumes mais altos, encontramos plantas herbáceas entremeadas de subarbustos. Todos vão perceber que uma tal grandeza não poderia ser rigorosa, e deve haver uma série de exceções definidas pela exposição a luminosidade, a maior ou menos umidade, e, especialmente, pela natureza do solo.55

Campo rupestre Parque estadual de Ibitipoca (2008) Clichê M. G. Lins Brandão.

26Se dirigindo, durante sua viagem, à A. L. de Jussieu, Saint-Hilaire finaliza sua abordagem introduzindo a noção de tempo nas descrições da vegetação: a vegetação é modificada pela intervenção do homem e as florestas são substituídas por uma vegetação composta de muitos indivíduos de poucas espécies:

  • 56 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent Jussieu, aparentemente de 1816 (Biblioteca de b (...)

As gramíneas são, na capitania de Minas, muito pouco numerosas em espécies; mas ao contrário elas são prodigiosamente numerosas em indivíduos. Os bambus invadem as florestas: um Saccharum e, especialmente, um Agrostis ou pelo menos uma planta muito próxima deste, «roubam» as terras anteriormente recobertas por florestas; são as gramíneas que preenchem as lacunas que deixam as árvores atrofiadas e retorcidas do Sertão, enfim vemos quase que somente gramíneas nos platôs mais elevados56.

27Três anos depois, se dirigindo ao mesmo correspondente, ele descreve a vegetação da região das missões no Paraguai, evocando sucessões da vegetação com as espécies dominantes, em relação à mudança de latitude. No Sul, ele aponta as afinidades com a flora européia e a presença de espécies invasoras importadas da Europa:

  • 57 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent de Jussieu, de 1 março de 1821 (Biblioteca de b (...)

Do Rio Grande do Sul à Montevidéu e depois de Montevidéu ao Rio Negro, a vegetação apresenta a maior afinidade com aquela da Europa. As pastagens são, na sua maior parte, compostas de Stipas; os Lathyrus são numerosos em espécies; encontramos Bromes, Trifolium, Melilotus, Helianthemum, Silene, Arenaria, Cerastium, Carex, Juncus, Anêmonas, Ranunculus, Callitrich, Vicia, Centunculus, Luzula, Samolus & [...] Muitas plantas européias se aclimataram neste belo país e cobriram grandes áreas. As estradas são margeadas dos dois lados por forrações de Uhium, todo o caminho que fica entre Montevidéu e sua periferia é coberto de Myagrum; o Marrube vulgar é comum próximo às habitações; nossas camomilas não são menos presentes nas pastagens; finalmente, o Cinara cardonculus & Cardouus maricenus se apresentam lado a lado em terraços enormes depois que os animais as tenha destruído, elas serão um monumento a esta guerra cruel e insensata [?]. Abaixo do Rio Negro a vegetação muda bruscamente; os gêneros europeus desaparecem e nós encontramos as Myrtáceas, as Compostas, as Malváceas da zona tórrida. Eu coletei a primeira Melatomatácea junto ao Daïman; a primeira Canácea junto ao Guoraïm, os grandes bambus reaparecem em alguns lugares de Ibicuí;, é aí que termina o único salgueiro charmoso que embeleza os córregos do entorno de Montevidéu; finalmente, a maioria das plantas que eu vejo em flor aqui, também aparecem na Cap. de Minas [Gerais] e nos Campos gerais.57

  • 58 Brown (Robert), «General Remarks geographical and systematical…», op. cit.; The Miscellaneous Botan (...)
  • 59 Cf. por exemplo Humboldt (Alexander von), Essai sur la géographie des plantes: accompagné d’un tabl (...)

28Neste sentido, ele se associa pelas descrições e classificações das plantas às contribuições de Jussieu, de Desfontaines e de Richard e, de outro lado, pelas descrições das paisagens, ele evoca as contribuições de Robert Brown, que correlacionou a latitude com a composição da vegetação em seu trabalho sobre a flora australiana58, e ainda àquelas de Alexander von Humboldt59.

29O interesse de uma expedição é julgado também pela importância das coleções enviadas à França. Assim, Saint-Hilaire se dedicou a enviar espécies novas para o Museu de História Natural de Paris, enviando caixas cheias de suas coleções de plantas secas e animais empalhados. Saint-Hilaire ficou também responsável pelas coleções de animais, após o regresso de Delalande à França, com a missão diplomática. Ele permaneceu atento a chegada de suas coleções ao destino.

  • 60 Cartas de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent de Jussieu, de 23 de dezembro de 1819 (Bibliot (...)

Já escrevi aos senhores Professores que eu lhes enviei de São Paulo, uma caixa de objetos de história natural. Duvido, no entanto, que ela chegue ao menos em bom estado e eu ficarei muito sentido pelas sementes, pois entre elas há coisas muito boas. A coleção de Goiás que é composta de quatorze malas ficou nas mãos do Sr. João Carlos d’Oyenhausen {governador de São Paulo}. Eu os previno para que as possam reclamar se porventura me acontecer algum acidente. O Sr. Mallio Comat de Frances no Rio de Janeiro é depositário de 15 caixas. Deus sabe se os insetos deixarão qualquer coisa de tudo isso: Eu tomei {entretanto} todas as precauções que eu pude imaginar.60

30Com esta carta, ele envia um inventário no qual cada número é acompanhado do nome popular e de observações de campo sobre o modo de vida dos animais.

31Se dirigindo desta vez à Deleuze, no fim de 1820, ele menciona novamente o envio de coleções:

  • 61 Cartas de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, sem data mas o carimbo do correio indica 18 de (...)

Na estrada de São Paulo para Curitiba enviei seis novas malas à Mr J. C. A d’Oyenhausen, Governador geral da Cape de São Paulo; assim ele deverá ser depositário de 10 malas cheias de diversos objetos de história natural. Tenho a honra de lhe prevenir, caso possamos reclamá-las se for necessário.61

32Se Saint-Hilaire demonstra um grande interesse pelas coleções de história natural, justificando os custos para obtê-las, lamentando uma certa falta de interesse quanto ao seu estudo científico, e ainda pelos esforços empregados pelos viajantes para formar e estudar estas coleções. Assim, ele escreverá:

  • 62 Joseph Dombey (1742-1794), naturalista, etnólogo e explorador do Peru, Chili e Brésil, morto na pri (...)
  • 63 Saint-Hilaire (Auguste de), «Province de S. Pedro de Rio Grande do Sul, Rapport sur l’ouvrage intit (...)

Os governos e os particulares fazem grandes gastos para promover as pesquisas dos viajantes, e estes, imbuídos de uma dedicação cega, consomem suas forças e seus mais belos anos à observar e à recolher amostras científicas. Por fim, eles regressam às suas pátria; mas se suas coleções chegam ao bom destino, parece que o objetivo de suas viagens foram inteiramente alcançados e não querem nada a mais. No entanto, se suas coleções se destroem, os manuscritos se dispersam e novas somas de dinheiro são necessárias para refazer o que já havia sido feito, o viajante é obrigado a reconhecer que a sua laboriosa existência foi quase inútil; felizes que algumas boas memórias venham temperar seu arrependimento. Eu destaco Dombey, Raddi62 e tantos outros; o tempo de ausência não foi sempre o mais doloroso na vida do viajante.63

  • 64 Cartas de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, 4 décembre 1816 (Bibliotheca central do Museu, (...)

33Ao longo de sua viagem, o entusiasmo inicial de Saint-Hilaire não irá desaparecer com o tempo. Longe de limitar o seu interesse por este país ao campo da história natural, ele apela a antropologia, ainda uma ciência jovem, para estudar as populações e vislumbrar as condições para preparar o futuro de um país onde vivem lado a lado colonizadores europeus, escravos africanos e ameríndios. «Que vasto campo», escreve à Deleuze, «este país oferece ao observador! Não são só de naturalistas que ele precisa. Será necessário um filósofo para estudar seus habitantes, seus caracteres tão diferentes dos nossos, e para fornecer soluções para a barbárie {...} que ameaçam incontestavelmente as Províncias do interior deste belo país».64

Coleções naturalistas
Espécime naturalizado (Chloroenas picazuro) enviado por Auguste de Saint-Hilaire e conservado na zooteca do MNHN. Ao lado, página 2 do «Catalogue des objets renfermés dans une malle…» endereçado ao Muséum d’Histoire naturelle em 1819 Clichês P. Lafaite e F. Bouazzat, MNHN.

  • 65 Saint-Hilaire (Auguste de), Voyage dans les provinces de Rio de Janeiro et de Minas Geraes, Paris: (...)
  • 66 Saint-Hilaire (Auguste de), Voyage dans le district des diamants et sur le littoral du Brésil, Pari (...)
  • 67 Saint-Hilaire (Auguste de), Voyage aux sources du Rio de S. Francisco et dans la Province de Goyaz, (...)
  • 68 Ibid., vol. 2, p. 271.

34É assim que ele escreve escrupulosamente vocábulos de diversas línguas amérindianas nos seus diversos relatos de viagem: Voyage dans les provinces de Rio de Janeiro et de Minas Geraes65, Voyage dans le district des Diamants et sur le littoral du Brésil66 e Voyage aux sources du Rio de S. Francisco et dans la province de Goyaz67. É nesta mesma obra que ele proporá uma política de mestiçagem entre os africanos e os ameríndios para permitir que esses últimos possam «resistir à superioridade dos brancos»68 e, assim, salvar os índios da aniquilação. Ele escreve:

  • 69 Idem.

Isto que eu venho de contar sobre os mestiços vizinhos ao Rio das Velhas prova que, se eu me engajei, há muito tempo, a encorajar a administração brasileira a promover as alianças legítimas das índias com os africanos, eu não o fiz sem motivos válidos. Eu posso dizer que, podemos ver que pelos casamentos obtemos uma raça mista que, menos defeituosa que a raça americana propriamente dita, seriam mais capazes, que esta última, de resistir a superioridade dos brancos, e estariam menos em desacordo com o nosso estágio de civilização e, gradualmente, se fundiriam com a população atual. Exclusivamente por esta via, eu repito, impediríamos que o pequeno remanescente das nações indígenas não sejam inteiramente perdidas para o país, onde elas eram dominantes no passado e que tem uma grande necessidade de homens.69

  • 70 Idem.

35Saint-Hilaire iguala os benefícios da hibridação entre animais com o cruzamento entre raças humanas. «O exemplo dos mestiços do Paranahyba demonstrado, se ela é necessária tanto para os homens como para os animais, as raças, em se cruzando, se aperfeiçoam»70. Assim, o botânico mantém uma abordagem natural para os problemas de relações entre as sociedades humanas.

  • 71 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent de Jussieu, de 2 de maio de 1818 (Biblioteca de (...)
  • 72 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, de 11 de novembro de 1820 (Biblioteca central d (...)

36Saint-Hilaire não se contenta em enviar suas coleções para o Museu de História Natural, ele continuou seu trabalho de investigação e envia regularmente seus manuscritos. «Você não me disse nada do meu manuscrito sobre as Cucurbitáceas. Estou muito satisfeito que o de Sauvagesia tenha merecido seu voto: não há outro a que atribuo mais valor»71, ele escreveu à A. L. de Jussieu; e pouco depois ele informa Deleuze: «Eu acabo de enviar aos Professores um terceiro relatório sobre as plantas em posição livre; eu ouso vos recomendar este pequeno trabalho; vois julgareis se ele merece ser lido no Instituto»72.

Vocabulário indígena Extraído do tomo 2 de Voyages aux sources du Sao Francisco… (1848) Clichê F. Bouazzat, MNHN.

  • 73 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent de Jussieu, de 20 de julho de 1820 (Biblioteca (...)

37Graças a isto, ele será eleito à título de correspondente na Academia de Ciências, para a seção botânica, enquanto ele ainda estava no sul do Brasil. Ele agradecerá a A. L. de Jussieu73.

Saint-Hilaire e os brasileiros

38É com algum entusiasmo que ele fala das relações que teve com os habitantes do Brasil. De fato, ele recebeu autorização das autoridades para circular em lugares até então proibidos aos estrangeiros, dando-lhe comida e meios de transporte.

  • 74 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, de 4 de dezembro de 1816 (Biblioteca central do (...)

O governo Português concedeu-me todos os passaportes que eu tinha necessidade {para minha viagem à Minas} com uma rapidez e boa vontade que eu não posso deixar de elogiar. Pouco antes eu havia recebido permissão no palácio do Rei, em Santa Cruz, para levar tudo que poderia precisar para a minha alimentação; e vois podeis imaginar, senhor, não sou eu quem pediu esse favor74

39ele escreve à Deleuze desde o início da sua estadia. Apesar de tudo, ele não poderá chegar ao Mato Grosso como ele relata em 1845:

  • 75 Saint-Hilaire (Auguste de), Voyage aux sources du Rio de S. Francisco…, op. cit., vol. 1, p. 2.

Antes de percorrer a costa, eu havia solicitado ao Ministério Português um passaporte que me permetisse estender minhas viagens até o Mato Grosso; mas a entrada nesta província me havia sido proibida, provavelmente por um resquício de desconfiança que existia há muito tempo, do Governo de Portugal para manter intrusos fora de sua rica colônia. De resto, embora eu estivesse proibido de atravessar as fronteiras de Goiás, me deixaram ainda, um vasto campo de pesquisa75.

  • 76 Comunicação pessoal do Dr Eugenio Goulart (Belo Horizonte).

40O acesso ao Mato Grosso parecia ser76 proibido em razão da exploração das riquezas minerais que vinham apenas de começar e não dispunham dos mesmos meios de controle e exploração pelos portugueses, que a Província de Minas Gerais.

41Ele possui um grande reconhecimento, não somente pela acolhida dispensada pelas autoridades nas diferentes Capitanias, mas também pela gentileza de seus habitantes.

Índios Botocudos
Desenho de Rugendas extraído de Voyage pittoresque et historique au Brésil de Debret (1834) Clichê Bibliothèque centrale, MNHN.

Riqueza mineral
Exploração de uma pedreira de granito. Gravura extraída de Voyage pittoresque et historique au Brésil de Debret (1834). Clichê Bibliothèque centrale, MNHN.

  • 77 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, de 29 de outubro de 1817 (Biblioteca central do (...)

Achei na casa do Intendente dos diamantes todos os cuidados e toda a atenção de uma casa paterna. Toda a população de Tejuco deu-me mostras de interesse mais tocantes. Em geral Monsieur o que se diz da hospitalidade dos povos do oriente está bem abaixo daquela dos brasileiros; deixo esta Capitania [sic] cheio de reconhecimento pelos seus habitantes, e eu jurei que «o viajante estrangeiro» não a exploraria em vão77.

42Se ele rende homenagens ao apoio local do qual ele se beneficiou, ele arranha seu próprio governo acusando-o dos poucos meios que lhe foram concedidos, em comparação a soma considerável de que se beneficiaram os membros das missões científicas austríacas e russas. Suas cartas são cheias de muitas queixas a esse respeito:

  • 78 Friedrich Sellow (1789-1831), jardineiro e viajante botânico, ele coleta plantas no Brasil e Urugua (...)
  • 79 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent de Jussieu, de 23 de dezembro de 1819 (Bibliote (...)

Eu encontrei aqui o Sr. Sellow78 que chegou no Brasil antes de mim e que eu acho que tem a honra de ser conhecido de vocês. É cheio de zelo, segue seus princípios e acho que podemos esperar muito dele. Eu também encontrei em Yponéma [sic Ipanema, Rio de Janeiro] zoólogos alemães dos quais pude admirar a imensa coleção; Estes senhores estão aqui há um ano e acho que pelo tipo de coleção, esta longa estadia vale muito mais do que viajar. O desejo de ser útil ao Museu me estimulou a [riscado] juntar pássaros e insetos; mas eu desejo que não esperem de mim nada comparável com o que vi aqui. O Imperador da Áustria fez gastos financeiros enormes para suas missões, estes senhores são muitos; eles possuem caçadores, gente do país para lhes trazerem tudo que encontrarem de interessante. Eu, ao contrário, estou sozinho, eu não tenho nada além de meios muito fracos e, até o momento, eu me mantenho pela força de minhas economias e de precaução.79

  • 80 Ms BOT 009, «Catalogue des plantes recueillies à Goyaz, Rio Grande, Montevideo. Caderno C3», p. = 6 (...)

43Não faltam, também, críticas a atitude dos membros da embaixada que não procuraram contato com os portugueses. Ele também era cauteloso, ao longo de todas as suas explorações, com o jeito de seus compatriotas, como ele escreve80 a propósito de M. F., cirurgião gascão: «Eu encontrei esta falta de prudência e este espírito de denegrir que os franceses muitas vezes mostram quando estão em um país estrangeiro.»

As condições de trabalho

  • 81 Cf. Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, de 8 de janeiro de 1817 (Biblioteca central (...)

44Quando de sua primeira viagem fora da região do Rio de Janeiro, Saint-Hilaire se beneficia da companhia de Georg Heinrich von Langsdorff (1774-1852)81, então cônsul geral da Rússia, botânico, presente no Brasil desde 1813. Em seguida, ele será o único cientista, à frente de uma pequena equipe compreendendo um jovem brasileiro estudante de medicina, Antonio Ildefonso Gomes (até 1818, data de sua partida para a França para dar continuidade a seus estudos), um índio botocudo que lhe serve de ajudante e de um carregador e animais de carga.

45As condições de sua viagem não eram nada confortáveis. Ele confrontou-se com muitos inconvenientes como as chuvas contínuas:

  • 82 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent de Jussieu, de 2 de maio de 1818 (Biblioteca de (...)

A temporada de chuvas foi terrível este ano. Desde o mês de 9em [sic] até o mês de março, não houve talvez um só dia sem água [chuva] e foi uma espécie de milagre ter conseguido salvar minhas coleções. [...] Há um mês que estou ocupado quase dia e noite a organizar minhas coleções, a mudar as plantas de papel, a arrumar-las por famílias, para encontrar e coletar duplicatas, e empacotá-las para Claudine82,

46escreve à Jussieu, enquanto relatava este episódio à Deleuse nestes termos:

  • 83 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, de 5 de agosto de 1818 (Biblioteca central do M (...)

Após ter empregado muito tempo para limpar minhas plantas e meus insetos da Capitania de Minas, que tendo viajado durante a estação de chuvas umedeceram; após ter gastado mais de dois meses a procurar mulas e um mulato, creio que enfim partirei dentro de um a 8 dias para a Capitania do Espírito Santo. Duvido que haja no mundo uma cidade onde sejamos condenados a fazer tantas compras inúteis como no Rio de Janeiro, e onde seja tão difícil de encontrar as coisas mais triviais.83

47Inversamente, ele também devia preocupar-se com o tempo seco de acordo com as estações e os lugares, que comprometiam a preparação e a conservação de suas coleções.

48O transporte das coleções, que na maior parte das vezes só se podia ser feito de carreta, é para ele uma preocupação contínua; o estado das trilhas submete as carretas e os animais a dura prova, como escreve à Deleuze:

  • 84 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, de 11 novembro de 1820 (Biblioteca central do M (...)

Partirei assim que a carreta que mandei fazer ficar pronta; mas serei obrigado a me restringir bastante na formação de minhas coleções por conta da impossibilidade de encontrar outros meios de transporte quando a carreta estiver lotada?84,

49e um pouco depois à A. L. de Jussieu:

  • 85 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent de Jussieu, Saint Borja, de 1 de março de 1821 (...)

Não podemos usar mulas em todo este país, como fazemos em Minas; tem-se que usar necessariamente carretas, é difícil de expressar os incômodos que acompanham este modo de viajar. Para mim o principal foi uma perda de tempo considerável que me impediu de avançar com as coleções o tanto quanto desejaria85.

50A solidão, o cansaço e os acidentes são minimamente compensados pelas belas coletas:

  • 86 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, Tejuco, de 29 de outubo de 1817 (Biblioteca cen (...)

Sofri muito neste país insalubre, meu Índio ficou doente, e temi perdê-lo. A aridez foi extrema; recolhi muito poucas plantas, mas enviei 2 caixas de belos pássaros e a coleção de peixes do Rio São Francisco. Quando aqui cheguei, estava ainda menos feliz que no Deserto [n.t. caatinga]: tive uma queda perigosa nas montanhas de Mundanha, quase perdi um olho, e fui forçado a permanecer de cama durante um mês.86

  • 87 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent de Jussieu, Saint Borja, de 1 de março de 1821 (...)
  • 88 Saint-Hilaire (Auguste de), Histoire des plantes les plus remarquables…, op. cit., cap. chamado: «R (...)
  • 89 Cf. Moquin-Tandon (Alfred), «Saint-Hilaire (Auguste Prouvençal de)», in Michaud (Louis-Gabriel) (so (...)

51A estas enfermidades, é preciso acrescentar o envenenamento devido ao consumo de mel selvagem que ele conta à A. L. de Jussieu87, e que lhe dá oportunidade de conduzir um estudo sobre essas vespas, e as origens do mel produzido88. Saint-Hilaire sofrerá sequelas deste envenenamento, mas não parece que elas sejam a causa primeira de sua má saúde no retorno do Brasil. Sua doença nervosa é mais certamente uma das razões89.

52Todos esses incômodos o conduzem, e compreende-se, a uma grande fadiga:

  • 90 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent de Jussieu, Porto Alegre, de 20 de julho de 182 (...)

Sinto todavia, confesso que logo será tempo de por um fim. Desde S. Paulo, principalmente, minhas forças diminuíram muito; minha memória se enfraquece sensivelmente, e não suporto mais com a mesma coragem a distância daqueles seres queridos90.

Embarque das tropas
À Prahia Grande, para a expedição contra Montevideo. Prancha 23 (detalhe) extraída de Voyage pittoresque et historique au Brésil de Debret (1834). Litografia de Thierry Frères à partir de um desehno de Jean-Baptiste Debret Clichê Bibliothèque centrale, MNHN.

53Este cansaço ressente-se também na obrigação que ele se impôs de preparar os animais, atividade para a qual não tinha formação.

  • 91 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, de 20 de setembro de 1820 (Biblioteca central d (...)

Quanto aos pássaros, desde que vi os dos Alemães, fiquei extremamente descontente com os meus, e lamento profundamente que os Senhores Professores não tenham tido a bondade de me informar se puderam tirar proveito daqueles que enviei. Esta coleção me causou, e ainda me causa todos os dias, incômodos indizíveis; ela me causa muito embaraço e gastos; imagine Monsieur, que é pouco agradável para mim não saber mesmo se ela servirá para alguma coisa91.

  • 92 Para conhecer melhor sobre este período, consultar a apresentação de J.-Y. Mérian, pp. 30-57.

54Enfim, a guerra entre Portugal e Espanha no sul sobre a Banda Oriental do Uruguai e as premissas das guerras de independência92 tornam ainda mais arriscado o fim de suas aventuras.

  • 93 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, de 11 de novembro de 1820 (Biblioteca central d (...)

O país que percorri era [riscado] admirável; mas o gado que fazia sua riqueza foi quase destruído durante a guerra. A periferia de Montevideo tinha apenas ruínas. No entanto graças aos Portugueses e à sabedoria de seu General a margem oriental do Rio da Prata gozava de uma paz profunda. Os habitantes de Buenos Ayres não são felizes, o sangue corria ainda nesta cidade há 15 dias, aí se repousa atualmente {mas} provavelmente para se preparar para novas revoluções93.

55Aliás, ele se queixa das irregularidades do correio e de não saber se seus envios foram apreciados pelos Professores do Museu.

  • 94 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, de16 de dezembro de 1821 (Biblioteca central do (...)

56O fim de sua estadia foi marcada pelas dificuldades para repatriar suas coleções com toda segurança como relata a carta de seu pai endereçada à Deleuze em dezembro de 182194. Trata-se de apoiar um pedido junto ao ministro do Interior para que os navios de guerra da marinha real assumam e assegurem o retorno de seu filho e de suas coleções.

57Auguste de Saint-Hilaire voltou para a França em agosto de 1822 e a parter o ano seguinte ele começa a publicar os resultados de sua viagem. Em 1824, Alexander von Humboldt, permanece ainda em Paris, resume de modo sucinto em seu relatório para a Academia, a contribuição de Saint-Hilaire, confirmando assim a justeza do programa que tinha estabelecido o próprio Saint-Hilaire:

  • 95 Humboldt (Alexander von), « Rapport verbal fait à l’académie des sciences sur un ouvrage de M. Augu (...)

... o que distingue o viajante científico de um simples coletor são as valiosas observações, que ele fez nos próprios locais de coleta, para fazer avançar o estudo das famílias naturais, a geografia das plantas e dos animais, o conhecimento dos diferentes solos e de seu cultivo...95

DEPOIS DA VIAGEM AO BRASIL

Exploração de dados

  • 96 Ver por exemplo a carta de Auguste de Saint-Hilaire à A. L. de Jussieu, de 20 de julho de 1820 (Bib (...)

58Após o seu regresso, Saint-Hilaire dedicou-se principalmente a duas tarefas, por um lado a exploração de seu herbário e de suas anotações, que ele expressamente manteve reservado para seu próprio estudo, como o confirmam as suas cartas enviadas do Brasil96, e de outro lado a preparação dos relatos de viagem e uma descrição geral das regiões percorridas. Ele tem portanto uma atitude muito diferente daquela de Humboldt, que tinha confiado à Kunth o estudo de seu herbário que foi constituído por ele mesmo e Aimé Bonpland. Esta dupla tarefa é ainda mais pesada e ele rapidamente sentirá os efeitos de uma doença nervosa que lhe causará uma grande dificuldade e exigirá que fique longe de Paris.

  • 97 Saint-Hilaire (Auguste de), Plantes usuelles des Brasiliens [publ. orig. em 14 livr.; com a col. de (...)
  • 98 Saint-Hilaire (Auguste de), Histoire des plantes les plus remarquables du Brésil…, op. cit.
  • 99 Saint-Hilaire (Auguste de), Flora Brasiliae meridionalis [com a col. de Jussieu Adrien de et Cambes (...)
  • 100 Saint-Hilaire (Auguste de), Voyage dans les provinces de Rio de Janeiro et de Minas Geraes, Paris: (...)
  • 101 Se trata de Charles Louis «Rolland» Aubépin de Lamotte de Dreuzy (1838-1899), ver cronologia.
  • 102 Saint-Hilaire (Auguste de), Voyage à Rio Grande do Sul (Brésil) [Publicação póstuma sob os cuidados (...)

59Nós dispomos de 25 cartas endereçadas à oito correspondentes, cujo teor e o sentido são muito diferentes daquelas que ele enviou durante a sua viagem. Pode-se perceber um homem preocupado em garantir a correta divulgação de suas produções, publicações de botânica em revistas do Museu e do Instituto, e livros dedicados ao Brasil. Ele continuamente publica notas e descrições de espécies e gêneros novos à partir de seu herbário e de seu caderno de anotações, e três grandes obras que ele considera ser «puramente científicas», em 1824, Plantes usuelles des brasiliens97 e Histoire des plantes les plus remarquables du Brésil et du Paraguay98 onde a introdução constitui um «relato de viagens» e a partir de 1825 a Flora Brasiliae meridionalis99 (cf. quadro, pp. 186-189) cuja publicação continuará até 1833. Além desta produção contínua de notas em revistas científicas e resenhas de livros, ele publicou em 1830 os relatos de suas viagens ao interior do Brasil, seguindo a cronologia da sua estadia: Rio de Janeiro e Minas Gerais em 1830, Distrito dos Diamantes [Diamantina] em 1833, Rio São Francisco e Goiás em 1847, São Paulo e Santa Catarina em 1851100. Seu sobrinho, R. de Dreuzy101, publicará postumamente a última parte dedicada ao Rio Grande do Sul102. Estes livros são concebidos como um quadro geral de um país ainda desconhecido para a Europa. Saint-Hilaire registra não somente informações sobre o meio físico, a geografia e o clima, a vegetação e a agricultura, mas também sobre aspectos da vida social, populações importadas e autóctones, administração, justiça, religiões, estilos de vida, segundo cada região visitada.

60O que ele descreve não é suficientemente preciso para ser possível reconstruir uma cronologia exata de suas viagens. Mas é interessante se perguntar como Saint-Hilaire chegou a reconstituir com precisão tal viagem, uma vez que ele as descreve por vezes, mais de vinte anos depois de terem sido realizadas? Os seus cadernos de campo que chegaram até nós, não são abundantes em detalhes sobre as viagens em si mesmos, eles simplesmente mencionam brevemente o local da coleta. Saint-Hilaire faz referencia aos seus cadernos de campo na introdução de sua Voyage dans les Provinces de Rio de Janeiro et du Minas Geraes:

  • 103 Saint-Hilaire (Auguste de), Voyage dans les provinces de Rio de Janeiro…, op. cit., vol. 1, prefáci (...)

Cada dia, eu escrevia num diário detalhadamente tudo o que havia sido oferecido aos meus olhos, e eu escrevi na medida que me permitiam o meu conhecimento limitado, qualquer coisa que pudesse ajudar a dar uma imagem fiel do país que percorri. É a partir deste diário, escrito nos próprios lugares, que eu extraí a relação histórica que começo hoje a publicar.103

61Esses diários não chegaram até nos. Mais adiante, explica:

  • 104 Ibid., vol. 1, prefácio p. ix.

Eu não dissimularei o mal do qual eu fui testemunha, mas ninguém manchará este obra. Eu julgarei as massas, jamais verterei a culpa sobre os indivíduos, ainda menos sobre aqueles que me receberam em suas casas, e cuja hospitalidade tenham me ajudado a suportar as fadigas da minha viagem104.

  • 105 Cf. pp. 555-567.

62No entanto, quase que por acaso, encontramos no caderno de campo com o número C3 a narrativa de uma parte da sua exploração no sul do Brasil, no Rio Pelotas. Intercalada entre as descrições das plantas, ele proporciona uma narrativa mais pessoal que todos os relatos publicados. A edição deste livro está incluído neste capítulo105.

63Se Saint-Hilaire é bem conhecido pelos os botânicos especialistas das regiões neotropicais, devido às espécies descritas por ele, parece que o alcance de suas descrições das paisagens e da vegetações, com uma abordagem ecológica, não foi avaliada a seu justo valor. É assim que suas descrições da vegetação do Brasil, em suas diferentes províncias, acentuam uma sucessão não somente no espaço, em razão das variações do relevo ou do clima, mas também através do tempo, à luz das modificações introduzidas pela ação dos homens. Ao estabelecer uma comparação notável com as paisagens européias que são tão modificadas, ele escreve na Voyage dans les provinces de Rio de Janeiro et de Minas Geraes:

  • 106 Saint-Hilaire (Auguste de), Voyage dans les provinces de Rio de Janeiro…, op. cit., vol. 2, pp. 95- (...)

em todos os lugares a vegetação original desapareceu [...] No meio de tanta confusão, quantas espécies desapareceram! quantas outras foram introduziram com nossos legumes, com nossos cereais, e, estrangeiros como eles, passam atualmente por nativos! «e que «a história das mudanças na vegetação européia continuará a ser desconhecida, porque não observamos os fatos que compuseram esta história.106

  • 107 Saint-Hilaire (Auguste de), Histoire des plantes les plus remarquables…, op. cit., pp. viij-ix.
  • 108 Saint-Hilaire (Auguste de), «Tableau géographique de la végétation primitive dans la province de Mi (...)

64Ele descreve para as áreas de mineração, as etapas que levaram as formações florestais primárias a darem lugar a uma formação de uma « gramínea viscosa acinzentada e fétida que sufoca algumas plantas comuns em meio a seus caules apertados chamado Capim Gordura...»107 Ele fala também de «sucessão de plantas que não tem nenhuma relação uma com as outras e se assemelham a uma série de geração espontâneas».108

  • 1 Candolle (Augustin-Pyramus de), Théorie élémentaire de botanique, ou exposition des principes de la (...)
  • 2 Advertência no início do fascículo 5 da Flora brasiliae meridionalis, p. 171, datada de 23 abril 18 (...)
  • 3 Saint-Hilaire (Auguste de), Voyages dans les provinces de Rio de Janeiro et de Minas Geraes, Paris: (...)
  • 4 O catálogo virtual pode ser consultado no seguinte endereço: http://coldb.mnhn.fr/colweb/form.do?mo (...)
  • 5 Saint-Hilaire (Auguste de), Flora Brasilae Meridionalis, Paris: Belin, 1825, t. 1. p. iv.
  • 6 Saint-Hilaire (Auguste de), «Mémoire sur la série linéaire des plantes polypétales, et en particuli (...)
  • 7 Candolle (Augustin-Pyramus), Théorie élémentaire de botanique, ou exposition des principes de la cl (...)
  • 8 A versão virtual pode ser consultada no seguinte endereço: http://florabrasiliensis.cria.org.br/
  • 9 Saint-Hilaire (Auguste de) & Tulasne (Louis René), « Revue de la flore du Brésil Méridional, premiè (...)
  • 10 Saint-Hilaire (Auguste de) & Naudin (Charles), « Revue de la flore du Brésil Méridional, seconde pa (...)

Quadro. Flora Brasiliae Meridionalis
Marc Pignal

Ao seu retorno à França, Saint-Hilaire se dedica a uma obra de referência: Flora Brasiliae Meridionalis, o primeiro tratamento sistemático da vegetação do sul e do centro do Brasil. Esta obra lhe abrirá as portas da Academia de Ciências.
Esta flora —escreve Sant-Hilaire na introdução do primeiro tomo— reunirá todas as plantas que eu trouxe da América. Eu não incluirei nenhuma das espécies que estão nos herbários; e se eu descrevi algumas sem tê-las coletado eu mesmo, são aquelas que me foram doadas durante as minhas viagens por meu excelente amigo Sr. Ant. Nogueira Duarte, o Capitão Pires, o P. Leandro do Sacramento e madame Condessa de Roquefeuille. Terei cuidado em indicar estas espécies e direi que lhes sou agradecido.
Este caminho científico encontra sua fonte nas recomendações de Augustin-Pyramus de Candolle sobre as floras em sua
Théorie élémentaire de la botanique (1813). Candolle escreve:
Na flora de um pequeno país, não devemos admitir plantas que não tenham sido coletadas por nós mesmos; aquelas de um grande país, nós somos obrigados de admitir a autoridade de outros e, neste caso, isto deve ser atentivamente observado
1.
Saint-Hilare não considera o Brasil como um «pequeno país». Mas ele considera que os materiais suplementares vindos de outras pessoas não são dignos de confiança.
A preocupação com a exatidão —ele terá sempre cuidado com a ortografia dos lugares e dos nomes populares— o leva a aplicar com grande rigor o plano de trabalho preconizado por Candolle.
Ele considera a redação da flora como uma continuidade natural do trabalho solitário realizado durante quase sete anos:
Como a maioria das plantas que eu coletei em minhas viagens foram analisadas ainda frescas, com mais ou menos detalhes e que nos meus manuscritos eu adiciono a descrição das partes mais delicadas aquilo que é essencial sobre o porte e as localidades, nós sentimos o quanto esta flora, mesmo que eu seja obrigado a não mais me ocupar dela (...), deve ter vantagens sobre aquelas que se fazem sobre amostras coletadas por homens um pouco estranhos à botânica
2.
A última observação se refere a Georg Heinrich Baron von Langsdorff (1774-1852) e Ludwig Riedel (1790-1861), que coletaram na mesma época que Saint-Hilaire, quase nos mesmos lugares? Sem dúvida não.
Mas por acaso ou distanciamento do material —conservado em São Petersburgo— Saint-Hilaire cita poucos materiais de outros naturalistas. Saint-Hilaire que viajará com Langsdorff em suas primeiras explorações, terá do então cônsul da Rússia uma agradável descrição.
Meu companheiro ia e vinha, se agitava, chamava um, reprimia outro, comia, escrevia seu diário, organizava suas borboletas e corria aqui e lá tudo ao mesmo tempo [...]
Ele agradece nestes termos:
[…]
Na companhia de M. Langsdorff, o homem mais ativo e infatigável que eu encontrei na minha vida, eu aprendi a trabalhar sem perder um só instante, a me render a toda sorte de privações e a sofrer com alegria todos os tipos de incômodos.3
É verdade que nesta época o número de botânicos do Brasil era reduzido e seus dados particularmente imprecisos: a localidade era reduzida ao nome do país, às vezes somente a da província.
Uma consulta rápida no Herbier Jussieu4, ao qual Saint-Hilaire teve certamente acesso, nos revela que a coleção possui apenas uma centena de espécimens brasileiros coletados por Philibert Commerson, Domingo Vandelli, Maximilian zu Wied-Neuwied e mesmo alguns de Joseph Dombey.
Para identificar suas plantas Saint-Hilaire, naturalmente, teve acesso a várias coleções de referência.
Que me seja permitido agradecer a MM. de Jussieu [Antoine-Laurent] e Desfontaines que tantas vezes me serviram de guia, MM. Delessert, A. Richard e Gay que me abriram suas ricas coleções com tanta delicadeza; M. Deleuze cuja amizade tem um grande apreço aos meus olhos; M. Dr Pelletier de Orleans que foi, à parte os mestres, o companheiro de meus primeiros estudos botânicos, que me ajudou a superar tantas dificuldades, a quem ainda me permito consultar às vezes; M. Kunth cujos conselhos foram sempre tão úteis e que me oferece um tão belo modelo para imitar
5.
Candolle aconselha também de seguir uma classificação natural como o método de A.-L. de Jussieu. Entretanto, para a
Flora, Saint-Hilaire segue sua própria ordem, a qual publicará em um ensaio de 18276.
Os outros princípios enunciados por Candolle (nome latino seguido de uma «frase específica», sinonímia, nomes comuns e usos, descrição detalhada, menção das variedades, habitat, localidades e comentários) são respeitados e apresentados ordenadamente.
Mas ele não indicará «para cada planta aquelas com as quais elas crescem junto»
7, intuição de Candolle que teve mais tarde um rico desenvolvimento.
Finalmente, uma rica análise da situação de cada família é apresentada, geralmente no final do tratamento de cada uma delas.
O primeiro tomo é publicado em fascículos de 1825 a 1828. Neles 21 famílias são tratadas. Os quatro primeiros fascículos são redigidos pelo próprio Auguste de Saint-Hilaire e reúnem Ranunculaceae, Dilleniaceae, Magnoliaceae, Anonaceae, Berberideae, Menispermeae, Ochnaceae, Simarubeae, Rutaceae, Geraniaceae e Malvaceae
p.p.
A partir de 1827, três autores são considerados: A. de Saint-Hilaire, Adrien de Jussieu e Jacques Cambessèdes.
No entanto, com exceção das Hypericineae e das Aurantiaceae redigidas por Saint-Hilaire, todas tem como único autor Cambessédes que trata Ternstomiaceae, Marcgraviaceae, Guttiferae, Rhizobolae, Olacineae, Ampelideae e Sapindaceae. Quanto à Adrien de Jussieu, é provável que ele tenha redigido o fim o trabalho começado por Saint-Hilaire sobre as Malvaceae e as Tiliaceae. Os desenhos são de Turpin e de E. Delille.
Os fascículos do tomo 2 se espalham de 1829 à 1833 e reúnem 27 famílias: Cambessédes assegura a apresentação da maior parte das famílias: Hippocrateaceae, Cruciferae, Elatineae, Caryophyllaeae, Paronichieae, Portulacaceae, Crassulaceae, Ficoideae, Cunonniaceae, Loaseae, Turneraceae, Samydae, Combretaceae, Hygrobieae, Onagrarieae, Myrtaceae. Adrien de Jussieu trata as Meliaceae, Cedreleae, Humiriaceae. Saint-Hilaire redige as Polygaleae (com A. Moquin-Tandon), Erythroxyleae, Cisteae, Droseraceae, Violaceae, Frankeniaceae. Duas famílias sem autoria: as Fumariaceae e as Papaveraceae. Todos os desenhos são de E. Delille.
O tomo 3 é publicado em 1833 (datado 1832), em 4 fascículos.
As Malpighiaceae (inicialmente previstas para o tomo 2, mas terminadas muito tarde para serem integradas neste tomo) são obra de A. de Jussieu. As Escalloniae e as Salicariae são tratadas por Saint-Hilaire. Todos os desenhos são de E. Delille.
Este último tomo marca o fim da colaboração entre estes três botânicos. No total, 51 famílias foram estudadas dentre as 210 da flora brasileira, apenas 24%.
Sete anos mais tarde, em 1840 se iniciará a publicação da
Flora brasiliensis de Carl Friedrich Philipp von Martius (1794-1868), gigantesco projeto com múltiplos autores e que terminará em 1906 quase 50 anos após a morte de Saint-Hilaire, e 38 anos após a de Martius8.
Os dois trabalhos de redação da flora se opõem em suas concepções. Saint-Hilaire, botânico solitário, pouco inclinado à colaboração, produz a
Flora brasiliae meridionalis com auxílio de A. de Jussieu e J. Cambassedes. Martius propõe um trabalho coletivo reunindo, ao final, 65 autores que participam da redação da Flora brasiliensis. Ainda, Saint-Hilaire, apesar da importância de suas coleções, dispunha de material de estudo com muitas lacunas e sua preocupação com a exatidão, não o permitiam de utilizar outros coleções, sendo possível apenas para confirmar suas determinações.
Martius e seus colaboradores utilizam, à exaustão, todo o material disponível. Este trabalho coletivo é mais moderno. Ele é ainda utilizado atualmente e na realização das floras, se utiliza da competência de numerosos especialistas, como testemunham as floras ambiciosas para o continente americano,
Flora Neotropica e Flora Mesoamericana.
Entretanto, é certamente a publicação da
Flora Brasiliensis que impulsionará Saint-Hilaire a publicar duas atualizações, a primeira com L. R. Tulasne9, depois a segunda com C. Naudin10, afim de «apresentar aquelas plantas que não foram descritas» e de «retificar os erros cometidos». Bem que ele se defende desde a introdução, evocando a «pueril anterioridade» que impulsiona os autores a «jogar descrições (…) nas obras que tratam de outros assuntos, nas notas, nas separatas, e mesmo em obras periódicas», se trata para ele de marcar seu território face aos alemães. Ele se apóia para isso sobre a insistência de Achille Richard e Benjamin Delessert, e ao avanço do número de materiais de herbário provenientes do Brasil. Este trabalho utiliza largamente, além do material de Saint-Hilaire, os espécimens de Charles Gaudichaud, George Gardner, Friedrich Sellow, Johann Pohl, Claude Gay, Langsdorff (um espécime), Commerson, Antoine Guillemin, Ildefonso Gomes, Peter Claussen, Riedel (um espécime) e Jacques Blanchet. O material de todas as províncias visitadas, assim que as de Mato Grosso onde sua entrada foi proibida.
Os principais herbários que ele consulta são os do Museu de Paris, de B. Delessert (na época em Paris e atualmente em Genebra), de A. Richard (integrado ao herbário Drake del Castillo, depois ao de Paris), o herbário Imperial do Brasil, este último sem dúvida através das duplicatas de Gaudichaud depositadas na França.

Talauma ovata e T. sellosiana
Desehno preparatório de Turpin para a prancha 4 do primeiro tomo da Flora Brasiliae Meridionalis de Auguste de Saint-Hilaire. Em vinheta, folha de rosto da primeira edição (1825) desta flora Clichê Bibliothèque de botanique, MNHN.

  • 109 Saint-Hilaire (Auguste de), « Mémoire sur le système d’agriculture adopté par les brésiliens, et le (...)

65Em 1838, em seu livro Mémoire sur le système d’agriculture adopté par les brésiliens109, ele descreve os efeitos da aplicação da tradicional derrubada e queima para cultivo pelas populações imigrantes, cuja pressão é cada vez maior:

  • 110 Ibid., pp. 338-339.

onde existiu árvores gigantescas entrelaçadas com trepadeiras elegantes, o viajante não vê senão imensas aglomerações de Capim Gordura, e parece inegável que essa gramínea tenha sido introduzida há cerca de 70 anos na província de Minas. [...] Assim, os agricultores completam, na província de Minas, aquilo que já começaram os homens em busca de ouro, a destruição, tão funesta, das florestas [...] Todos os dias caem inutilmente árvores valiosas sob o machado do agricultor imprevidente. É impossível acreditar que no meio destes fogos, tantas vezes repetidos, muitas espécies úteis para as artes e a medicina não tenham ainda desaparecido, e em poucos anos, a Flora que eu mostro neste momento será, para algumas regiões, apenas um monumento histórico110.

66Da mesma forma, a prática do fogo periódico em pastagens provocou a redução da diversidade de espécies anuais, o que era considerado como formação natural (campos naturais) «não eram na verdade o que um dia foram os campos primitivos». Ele ainda descreve a reversibilidade desta situação, se as ações humanas de corte ou pastoreio cessarem completamente. É possível mesmo serem regeneradas as florestas. E ele insiste na importância das alterações introduzidas pelas populações humanas sobre as paisagens e a perda da diversidade das formações resultantes e o que ele vê lhe parece a repetição dos processos desconhecidos que ocorreram na Europa no curso de sua história. Essa influência também é demonstrada pela presença de determinadas espécies que os seres humanos introduziram mesmo contra a sua vontade.

  • 111 Saint-Hilaire (Auguste de), « Tableau géographique de la végétation primitive … », art. cit., p. 19 (...)

Não somente as ações humanas afetam a vegetação de todas as partes do globo, mas, por assim dizer, eles deixam as nossas pegadas nos locais hoje inabitados, a natureza teve o cuidado de preservar as provas da nossa presença. As planta se associam aos homens e elas o seguem por toda parte, e elas continuam a crescer nos lugares que as tenham sido abandonadas111.

67Apesar da precisão de suas observações e a acuidade de sua percepção da vegetação, Saint-Hilaire não procurou conceituá-la.

Saint-Hilaire e os povos indígenas do Brasil

  • 112 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Adrien de Jussieu, de 6 de novembro de 1826 (Biblioteca de botâ (...)

68Tanto em sua correspondência, como em seus relatos, Saint-Hilaire parecia muito preocupado com a situação dos povos indígenas que estavam indefesos face a exploração pelos colonizadores. Ele era particularmente sensível a este problema que durante suas viagens, entrando em contato com diversas tribos que ainda viviam da maneira tradicional, empregou como seu assistente um jovem Botocudo e se esforçou para documentar vocábulos em várias línguas, o que comprova seu esforço para comunicar-se com esses homens. Sua grande preocupação é quando ele via esses índios perdendo suas terras de origem ao serem transportados para a Europa. Logo após seu retorno, ele recomenda à Adrien de Jussieu, um jovem Guarani de quem ele se considera como tutor, o qual ele gostaria de ver envolvido em algum serviço no Jardin des Plantes, evitando que ele vagueie perdido pelas ruas de Paris.112

Índios Botocudos
Família de Botocoudos andando. Prancha 9 extraída de Voyage pittoresque et historique au Brésil de Debret (1834). Litografia de C. Motte à partir de um desenho de Jean-Baptiste Debret Clichê Bibliothèque centrale, MNHN.

  • 113 Cf. Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Louis Georges Duvernoy, de 23 de dezembro de 1833 (Bibliote (...)

69Depois, ele pede113 à Georges Louis Duvernoy (1777-1855), Professor da Faculdade de Ciências de Estrasburg, o para obter junto ao procurador do Rei, o apoio ao pedido da Academia de Ciências para que os pobres índios, vítimas de um «exibidor de curiosidades», não fossem exibidos num desses «jardins zoológicos humanos», que eram tão comuns no século 19. Saint-Hilaire se engaja assim numa ação empreendida pelo Barão Pierre-Armand Séguier (1803-1876), advogado, depois conselheiro do tribunal, acadêmico em 1833 e que em seguida fez carreira na indústria. Saint-Hilaire informa que, em um caso semelhante que ocorreu em Londres, um advogado havia defendido uns Botocudos e que uma subscrição havia permitido que retornassem ao seu país. Este detalhe mostra o cuidado que Saint-Hilaire dedica aos indígenas.

  • 114 Saint-Hilaire (Auguste de), «Province de S. Pedro de Rio Grande do Sul, Rapport sur l’ouvrage intit (...)

70O futuro dos ameríndios o preocupa e pode ser resumido na seguinte citação: «Eles serão sempre homens-crianças; elas precisam de tutores e, como eles não existirão mais, os descendentes dos portugueses, no Brasil meridional, perguntarão talvez antes de 50 anos, o que poderiam ter sido os Índios».114

A flora do Brasil, o conflito

  • 115 Planchon (Jules-Émile), «Notice sur la vie et les travaux de Jacques Cambessèdes», Bulletin de la s (...)
  • 116 Cf. Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Adrien de Jussieu, de 12 de maio de 1830 (Biblioteca de bot (...)

71Por causa de sua saúde, que o mantinha afastado de Paris, Auguste de Saint-Hilaire pede ajuda, desde 1827, à dois jovens botânicos para elaborar a Flora do Brasil, assim como o livro sobre as plantas usuais desse país. Ele forma, então, uma associação com Adrien Henri Laurent de Jussieu (1797-1853), filho de seu mestre Antoine-Laurent e Jacques Cambessédes (1799-1863), um jovem interiorano vindo para se formar junto à Jacques Etienne Gay (1786-1864). A diferença de idade e experiência entre Saint-Hilaire e seus dois colaboradores, mas também uma óbvia diferença de estilo de vida entre esses dois jovens ambiciosos, que frequentam os salões de Paris da Restauração, com a vida de um homem doente, solitário e totalmente absorvido pela exploração das coleções e observações recolhidas durante sua estada no Brasil, explicam os conflitos no relacionamento entre eles que não tardou a surgir. Estes conflitos são claramente evidenciados na carta enviada à Jules Émile Planchon (1823-1888), professor de botânica em Montpellier, em março 1864, por ocasião da morte de Cambessédes115. Saint-Hilaire pediu aos seus dois colaboradores que ficassem atentos às precisões das localidades, bem como das observações de campo registradas em seus cadernos. O rompimento veio em janeiro de 1830 da parte de Adrien de Jussieu, que tinha a impressão de não se beneficiar com este trabalho para sua carreira, em particular com a descrição de espécies novas, enquanto que Saint-Hilaire não esconde sua irritação com o que ele considera como «pretensões», acusando mesmo seu colaborador de não fazer nada.116

  • 117 Alexandre Parent du Chatelet (1790-1836), médico, casado com Euphrasie LeChanteur prima de Saint-Hi (...)
  • 118 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Alexandre Parent Duchatelet, de 12 de abril de 1830 (Biblioteca (...)
  • 119 Eulalie Delile (1800-1840) desenhista, irmã do naturalista Alire Raffeneau Delile.
  • 120 Camille Montagne (1784-1866), antigo chefe cirurgião do exercito de Napoleão, assume em 1834 como c (...)
  • 121 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Adrien de Jussieu, de 29 de outubro de1827 (Biblioteca de botân (...)
  • 122 Benjamin Delessert (1773-1847), industrial, filantropo e amante da botânica, constituiu uma grande (...)

72À seu primo, Alexandre Parent Duchatelet117, ele faz um histórico detalhado dessa colaboração e as razões do seu fracasso118. Sabemos que Cambessédes ficou do lado de Jussieu. O «retrato» que ele «pinta» do jovem do sul, protegido por Gay, não é nada lisonjeiro, mesmo que seja tingido de um certo humor. O grande ilustrador que foi Pierre Jean-François Turpin (1775-1840) tinha sido consultado para participar desta obas, mas parece que os dois jovens haviam brigado com ele e sem consultar Saint-Hilaire escolheram seu substituto, Eulalie Delile119. É então que ele fica muito deprimido e pensa em abandonar seu projeto e até mesmo vendê-lo. No entanto, a sua honra de novo acadêmico e, especialmente, a sua paixão ela botânica o levou a escolher uma solução de compromisso: ele concordou em continuar com Cambessédes, sobre o qual ele tem mais influência do que com o filho de seu mestre, como lhe sugere Planchon em 1864, que vai substituir seu pai, tal como todos os filhos de Professores no Museu. As criptógamas do Brasil foram estudadas pelo Dr. Camille Montagne120, que também aparece nesta correspondência como um homem de confiança, visto que alguns editores são suspeitos por Saint-Hilaire de se comportarem como malandros. Enfim, a redação da Flora exige trocas com De Candolle (herbário feito no Brasil por Carl Friedrich Philip von Martius, 1817-1820) e C. S. Kunth (herbário de Humboldt e Bonpland). Da mesma forma, Saint-Hilaire autoriza A. de Jussieu121 a enviar duplicatas do seu herbário para Kunth e De Candolle, mas se mostra relutante em relação à Benjamin Delessert122, colecionador particular.

  • 123 Para mais detalhes consultar o quadro explicativo.

73Esta Flora, monumental na obra de Saint-Hilaire123, restará inacabada. Ela se encontrará em concorrência com aquela de Martius, que pedia ajuda à muitos colaboradores. Martius não hesita em contactar Adrien de Jussieu para o tratamento das Asclepiadaceae; Saint-Hilaire verdadeiramente não aprecia estas manobras:

  • 124 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Adrien de Jussieu, de setembro de 1840 (Biblioteca de botânica (...)

Entre as pessoas que não se têm nenhuma razão para serem estimadas, porém se tem um relacionamento freqüentes, deve ser removido qualquer sombra de dúvida para se evitar mal entendidos. Gostaria de começar por dizer que se a ocultação, é como eu acredito, para esconder as manobras pelo comportamento ardiloso, eu não suspeitei de você nem um segundo, e no meu caso é a minha primeira carta que indicaria tal suspeita dele {grifado} expressando mal meus reais pensamentos. Eu acusei, é verdade, o Sr. M. de haver formado uma miserável intriga para me comprometer junto à vós, mas estou eu preocupado, apos ter me enchido de provas de amizade, ter se esquecido de falar de um projeto as qual ele informore todo mundo, seja por carta ou por seus prospectos? Poderia eu imaginar que, sem consultas às pessoas, ele lhe inscreveria na cara de toda a Europa erudita, entre seus colaboradores?124

Reconhecimento acadêmico

  • 125 Para compreender como funcionava a Academia de Ciências, o Museu e a Faculdade de Ciências durante (...)
  • 126 Pelo decreto de 29 de junho de 1964, a obrigação para os membros de residir na região metropolitana (...)
  • 127 Procès verbaux des séances de l’académie tenues depuis la fondation de l’institut jusqu’au mois d’a (...)
  • 128 Gérard (Louis), Flora gallo-provincialis, cum iconibus aeneis, Paris: apud. C. J. B. Bauche, 1761, (...)

74Para um cientista, entrar para a Academia de Ciências125 no início do século XIX, era uma forma de reconhecimento de seu trabalho científico. No entanto, era necessário morar na região metropolitana de Paris para ser eleito membro126, assim os cientistas do interior somente eram elegíveis como correspondentes. Sendo o número de vagas muito reduzido, foi preciso esperar a morte de um correspondente para ocupar o seu lugar; e como a concorrência era grande, era também necessário de se beneficiar do apoio oferecido pelos membros da seção desejada. Auguste de Saint-Hilaire se candidata quatro vezes: 1817, 1818 e 1819 (abril e dezembro). Ele foi eleito correspondente em 27 de dezembro de 1819127, substituindo Luís Gerard (1733-1819), botânico do interior, autor de uma Flora gallo-provincialis128 na qual organiza as plantas segundo um método natural inspirado por Bernard de Jussieu.

75Em seu retorno do Brasil, Saint-Hilaire foi reconhecido e elogiado por pessoas ilustres como A. L. de Jussieu, Georges Cuvier e A. Humboldt, em especial por uma série de relatórios lidos na Academia. Sua nomeação como correspondente durante a sua viagem ao Brasil foi um bom presságio para sua futura entrada como membro desta assembléia. Ele vai apresentar quatro vezes sua candidatura à um assento como membro da Academia: 1820, 1824, 1828 e 1830. Quando ele se apresenta em 1828, como candidato à sucessão de Luís Guilherme Augustin Bosc Antic (1759-1828) na seção de Economia Rural e arte veterinária, se dirige à Ducrotay Blainville Henri Marie (1777-1850), então professor assistente de anatomia e zoologia da Faculdade de ciências de Paris e membro do Instituto desde 1825, nestes termos:

  • 129 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Henri de Blainville, de 22 de outubro de 1828 (Biblioteca centr (...)

As manifestações de interesse que eu recebi de vossa parte me fazem esperar que não desaprovaram meu procedimento, colocando-me na competição pela vaga deixada pela morte do Sr. Bosc no Instituto. Vos sabeis, senhores, que a agricultura e a botânica são irmãs; mas eu não quero dizer que servirei a primeira destas ciências de uma forma indireta. Meu relatório sobre o cultivo das terras do Brasil deve mostrar o quanto me ocupei da arte de cultivar nas minhas viagens. Espero também, senhor, que uma viagem de mais de seis anos, um trabalho imenso, os sacrifícios mais dolorosos vos parecerão dignos de uma recompensa. Nada seria mais lisonjeiro para mim que obter vosso voto129.

  • 130 Pierre Flourens foi eleito secretário perpétuo da Academia de Ciências em 1833.

76Em se tratando de uma vaga na Seção de Economia Rural ou seja, de agricultura, Saint-Hilaire destaca o seu interesse por esta disciplina, deixando de lado «sua irmã» a botânica, na qual ele já é respeitado. Esta posição é tão importante que Saint-Hilaire não será escolhido como candidato para a Seção de Economia Rural, em Dezembro de 1828; é um membro da academia (Blainville, talvez) que chama a atenção para Auguste de Saint-Hilaire. Ele obterá apenas dois votos, contra 22 para Flourens130.

  • 131 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Henri de Blainville, de 21 de janeiro de 1830 (Biblioteca centr (...)
  • 132 Procès verbaux des séances de l’académie tenues depuis la fondation de l’institut jusqu’au mois d’a (...)

77Após a morte de J. B. Lamarck (18 de dezembro de 1829), Saint-Hilaire apresenta a sua candidatura, em janeiro de 1830, para a seção de Botânica. Em carta datada de 21 de janeiro de 1830131, ele reitera seu pedido de voto à Blainville, desenvolvendo enfaticamente as razões que o manteve afastado de Paris, fato este que se suspeita de ser usado para desacreditá-lo. É também a razão evocada em sua carta à Academia132, observando enfaticamente que seu domicílio real é em Paris (12 Quai de Béthune). Ao mesmo tempo, por intermédio de seu primo, Parent du Chatelet, entrega o primeiro volume da Relation de son voyage au Brésil e o manuscrito Mémoire sur la famille des Polygalées.

Quadro. Instituições parisienses relacionadas com Auguste de Saint-Hilaire
Denis Lamy

Museu nacional de história natural
O Jardim do rei, criado em 1635, é reorganizado em Museu de história natural pela Convenção de 1793. Foram criadas 12 cadeiras dirigidas por um Professor-Administrador, auxiliado por um ajudante-naturalista para as coleções.
Os professores elegem um dentre eles como diretor por um ano.
Entre 1793 e 1853, a botânica é representada por três cadeiras (quatro e depois seis para os animais).
– Botânica no Museu
Antoine-Laurent de Jussieu (1793-1826) ;
Adrien de Jussieu (1826-1853).
– Botânica no interior do país
René-Louiche Desfontaines (1793-1833) ;
Adolphe Brongniart (1833-1857).
– Cultura
André Thouin (1793-1824) ;
Louis Bosc d’Antic (1825-1828) ;
Charles Brisseau de Mirbel (1828-1850) ;
Joseph Decaisne (1850-1882).
Fonte
Jaussaud
(Philippe) & Brygoo (Édouard-Raoul), Du Jardin au Muséum en 516 biographies, Paris: Muséum national d’Histoire naturelle, 2004, 632 p. (Archives; 7).
Academia de Ciências
[fundada em 1666]
Organizada em 11 seções, repartidas em duas divisões.
– Divisão de ciências matemáticas
Geometria, Mecânica, Astronomia,
Geografia e Navegação,
Física geral.
– Divisão de ciências físicas
Química, Mineralogia, Botânica,
Economia rural e artes veterinárias,
Anatomia e Zoologia,
Medicina e Cirurgia.
Cada divisão tem um Secretário permanente. Um presidente é eleito a cada ano, tendo como assistente um vice-presidente (tornando-se, por direito, presidente no ano seguinte).
Cada seção inclui seis membros (três somente para a Geografia e Navegação).
Os correspondentes, cujo número total é de 100, são selecionados entre cientistas nacionais e estrangeiros.
A seção de Botânica e de Economia rural e artes veterinárias possuem 10 correspondentes cada uma.
Fonte
Institut de France,
Index biographique des membres et correspondants de l’Académie des Sciences du 22 décembre 1666 au 15 décembre 1967, Paris: Gauthier-Villars, 1968, xiv + 572 p.
Faculdade de ciências de Paris
Após a fundação da Universidade Imperial, novas cadeiras foram criadas em 1809. A Faculdade de ciências inclui as cadeiras de ciências matemáticas, ciências físicas (física teórica e experimental, química, mineralogia, ciências naturais (zoologia e fisiologia, física vegetal).
Desde 1808, o doutorado é organizado em três áreas: ciências matemáticas, ciências físicas, ciências naturais.
– Botânica e física vegetal
René-Louiche Desfontaines (1808-1833)
– Botânica [fisiologia e anatomia vegetal]
Charles de Mirbel (1833-1850) ;
Adrien de Jussieu (1850-1853).
– Botânica [organografia vegetal]
Auguste de Saint-Hilaire (1834-1852) ;
Jean-Baptiste Payer (1852).
– Botânica
Jean-Baptiste Payer (1853-160)
Adrien de Jussieu substitui Mirbel e Saint-Hilaire a partir de 1835;
Jean-Baptiste Payer substitui Mirbel a partir de 1844.
Fonte
Hulin
(Nicole), «L’enseignement des sciences naturelles au xixe siècle dans ses liens à d’autres disciplines», Revue d’histoire des sciences, vol. 55, no1, 2002, pp. 101-120.

  • 133 Procès verbaux des séances de l’académie tenues depuis la fondation de l’institut jusqu’au mois d’a (...)

78A Seção de Botânica, na reunião de 1 de março de 1830, apresenta Auguste de Saint-Hilaire, Adrien de Jussieu e, na mesma linha, Adolphe Brongniart, Achille Richard e Cambessèdes e, à parte e fora de ordem (por estar ausente de Paris) Jean-Baptiste Bory de Saint Vincent. Em 8 de março de 1830 os 56 acadêmicos votam: Auguste de Saint Hilaire obtém, em primeiro turno, 29 votos, Brongniart 12, Jussieu 9 e Bory 6. Augusto Saint-Hilaire é eleito por maioria absoluta. Sua eleição foi submetida à aprovação do rei que a concedeu no mês seguinte133.

  • 134 Procès verbaux des séances de l’académie tenues depuis la fondation de l’Institut jusqu’au mois d’a (...)
  • 135 Bonnet (Edmond), « Quelques lettres inédites d’Auguste de Saint-Hilaire à Moquin-Tandon… », art. ci (...)
  • 136 Procès verbaux des séances de l’académie tenues depuis la fondation de l’Institut jusqu’au mois d’a (...)

79Ele continuará sua carreira junto à Academia, se candidatando ao cargo de secretário perpétuo, em agosto de 1833134, contra Beudant, Dumas e Flourens. Ele nota, então, numa carta à Moquin135, que existem dois clãs, o das «grandes idéias aristocráticocientíficas» que votarão em Flourens e, o dos médicos, físicos, anatomistas e independentes que vão votar nele. Flourens será eleito após duas rodadas. Finalmente, Saint-Hilaire será eleito vice-presidente da Academia para o ano de 1834 e, apesar de seus problemas de saúde, presidirá, como é a regra (ver quadro páginas precedentes) a assembléia de acadêmicos em 1835136.

  • 137 Segundo Moquin-Tandon, Adrien de Jussieu o teria preferido por suceder a Antoine Laurent de Jussieu (...)
  • 138 Auguste de Saint-Hilaire se aposenta em 1852.

80Adrien de Jussieu e Augusto Saint-Hilaire estavam regularmente em competição, na Academia e no Museu Nacional de História Natural137 ou na Faculdade de Ciências. Na Faculdade de Ciências, se trata de preencher novo cargo de professor assistente para ensinar organografia das plantas. Vimos que o trabalho descritivo de Augusto Saint-Hilaire demonstra sua competência nesta disciplina. Diante dele, Adrien de Jussieu pode argumentar que ele tem atuado frequentemente como substituto de C. Mirbel. Sua nomeação, em 1834138, foi feita por uma voz de macoria, a de Geoffroy Saint-Hilaire, como relatado por Moquin-Tandon:

  • 139 Moquin-Tandon (Alfred), Un naturaliste à Paris…, op. cit., p. 6.

Nós conversamos sobre a nomeação do M. Auguste Saint-Hilaire na Faculdade de Ciências? Graças ao vota de M. Geoffroy [Saint-Hilaire] foi determinado esta nomeação. É porque M. Auguste Saint-Hilaire se lançou, há algum tempo nas idéias da Escola progressiva, que seu homônimo se decidiu a seu favor. Nada o teria abalado em sua determinação. Fizemos muitos esforços para inspirar-lhe uma outra votação: ele permaneceu surdo a todas as influências139.

  • 140 Ibid., p. 50.

81Quanto a Blainville, segundo Moquin-Tandon, se ele fez pender a balança para o Instituto, ele não o fez para a Faculdade: «Eu fiz tudo que podia», disse ele, para atraí-lo em nosso meio. M. de Blainville queria falar Instituto ou Faculdade de Ciências? Eu pensei que se referia ao primeiro; pois após o que foi dito, no momento em que era necessário nomear alguém para uma cadeira de organografia vegetal para o segundo, ele deu o voto à seu amigo M. A. de Jussieu. Ele acusou Mr. Saint-Hilaire de não saber desenhar».140

  • 141 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Adrien de Jussieu, de 5 de abril de 1835 (Biblioteca de botânic (...)

82Adrien de Jussieu assegurará sua substituição à Saint-Hilaire quando, por motivos de saúde, se afastaria de Paris. Não há nenhum testemunho direto sobre o seu período de ensino. Na carta, enviada de Montpellier à Adrien de Jussieu, em 5 de abril de 1835, ele revela, sob a forma de conselhos, sua sugestão de como ensinar botânica: se dirigir às pessoas que não são botânicos e focar em idéias gerais de organização, inspirado pelo «método alemão» (as idéias de Goethe), difundidos por Turpin e, sobretudo, por De Candolle: «Eu repito Monsieur, vosso plano me parece ser muito bom, mas vou tentar convencê-lo a não insistir demasiadamente sobre os detalhes das famílias [...] não podemos bem apreciá-los se não formos botânicos»141.

  • 142 Planchon (Jules-Émile), «Nécrologie: Auguste de St-Hilaire», art. cit., p. 5.

83Jules-Émile Planchon, ele também aluno de Dunal e depois de Saint-Hilaire, em Montpellier, disse que «dirigidas à um público de elite, suas aulas, verdadeiramente socráticas, eram uma troca de sentimentos e idéias entre o mestre e seus discípulos. Quando o sofrimento físico o exila desta cadeira, com saudade ele se lembrará de seus alunos queridos, seus amigos da escola normal!»142.

  • 143 Moquin-Tandon (Alfred), «Saint-Hilaire (Auguste Prouvençal de)», op. cit., p. 329.

84E Moquin acrescentou: «Ele amava a ciência pela ciência e sabia fazê-la amar. Os estudantes estavam sinceramente ligados à ele e todos os seus alunos guardavam as suas lições, os seus conselhos e tem de sua pessoa a grata recordação e a lembrança mais carinhosa»143.

  • 144 Saint-Hilaire (Auguste de), Leçons de botanique: comprenant principalement la morphologie végétale, (...)
  • 145 Molina (Gérard), «Saint-Hilaire Augustin…», in Tort (Patrick) (sob a dir.), Dictionnaire du Darwini (...)

85As Leçons de Botaniques144 pode ser justamente considerada a síntese de sua prática edo seu ensino de botânica (cf. quadro páginas seguintes). Elas são analisadas de fevereiro-Março de 1846, para discutir particularmente com os botânicos as noções de «superiores» e «inferiores».145 Finalmente, embora ele não tenha seguido os ensinamentos de Saint-Hilaire na Faculdade de Paris, Moquin-Tandon, J. E. Planchon e Charles Naudin, se consideram seus alunos e, muitas vezes, prestam homenagem ao seu trabalho.

  • 11 Saint-Hilaire (Auguste de), Leçons de botanique…, Paris: P. J. Loss, 1840-1841, 2 vol., p. 463.
  • 12 Ibid., p. 467.
  • 13 Saint-Hilaire (Auguste de), «Du nouveau genre Anaxagorea et des caractères essentiels du genre Xylo (...)
  • 14 Saint-Hilaire (Auguste de), Leçons…, op. cit., p. 492.
  • 15 Ibid., p. 504.
  • 16 Ibid., p. 506.
  • 17 Ibid., p. 478.
  • 18 Ibid., p. 15.
  • 19 Saint-Hilaire (Auguste de), Mémoire sur les plantes auxquelles on attribue un placenta libre et sur (...)
  • 20 Saint-Hilaire (Auguste de), Leçons…, op. cit.
  • 21 Payer (Jean-Baptiste), Traité d’organogénie comparée de la fleur, Paris: Masson, 1857, 2 vol.
  • 22 Van Tieghem (Philippe), «Recherches sur la structure du pistil et l’anatomie comparée de la fleur»,(...)
  • 23 Davy de Virville (Adrien) (sob a dir.), Histoire de la Botanique en France, Paris: Société d’Éditio (...)
  • 24 Guédès (Michel), Contribution à la morphologie du phyllome, Paris: Muséum national d’Histoire natur (...)
  • 25 Dupuy (Pierre) & Guédès (Michel), «Placentation and possible partial stachyospory in Hypericum sect (...)

Quadro. O progresso da organografia vegetal na primeira metade do século XIX: a atuação pouco conhecida mas decisiva de Auguste de Saint-Hilaire
Thierry Deroin

Auguste de Saint-Hilaire ocupa um lugar único na historia da Botânica. Herdeiro da tradição de uma organografia iniciada por Lineu, posteriormente sintetizada por De Candolle e Goethe, ele detalhou a «Metamorfose» das plantas através da análise dos tecidos vegetais, assim como o fez Xavier Bichat (1771-1802) para a medicina. No entanto, entre os seus antecessores, ele cita apenas botânicos tais como Duhamel du Monceau, Corrêa da Serra e, claro, Mirbel.
A principal contribuição de Saint-Hilaire foi no domínio floral, onde ele se interessou particularmente à morfologia comparada do receptáculo e do gineceu, considerando particularmente a função da arquitetura dos axes florais. A análise dos receptáculos é um desenvolvimento das ideias clássicas sobre a simetria, os verticilos e os entrenós. Ele apresenta as noções de ginóforo e de podogínio (como no caso de
Cleome, Capparidaceae11), assim como a noção de axe do receptáculo, onde a concavidade mais ou menos acentuada explica as formas encontrados nas Monimiaceae, Rosaceae e Cannabinaceae12. Tal interpretação sobre os axes do receptáculo foi posteriormente empregada, com sucesso, no estudo das Annonaceae do Brasil, principalmente na distinção de Xylopia (com receptáculos mais ou menos côncavos) e do novo gênero desta família Anaxagorea (com receptáculos planos)13.
O gineceu é discutido em detalhe por Saint-Hilaire, entorno da questão sobre a placentação central livre, característica de algumas famílias (Caryophyllaceae, Primulaceae (incluindo Myrsinaceae).
A partir de suas observações, ele deduz uma nova definição para o carpelo, aperfeiçoando a definição dada por Michel Félix Dunal (1789-1856). Ele admite um componente axial fértil (sendo os óvulos homólogos aos botões) protegidos pelas folhas modificadas estéreis e, de acordo com os conceitos botânicos da época (ver Du Petit-Thouars), ele afirma
14 «Um carpelo apresentando um eixo, com botões e uma única folha, é a própria planta muito mais contraída do que a flor inteira; é a planta reduzida a sua expressão mais simples».
O tipo de divisão do ovário também chama a sua atenção. É o primeiro a distinguir as partições verdadeiras —decorrentes da união de dois carpelos distintos— e as falsas —alternadas com as primeiras e formadas a partir de um prolongamento da face interna do carpelo15 («... processo da nervura mediana... » em Linum), geralmente o ponto de inserção do estilete. Esses conceitos ainda são muito úteis na morfologia e, também, na classificação de algumas famílias (Brassicaceae, Papaveraceae, Convolvulaceae). Ele também observou que o isolamento da placenta central é secundário e resulta de uma destruição precoce das partições verdadeiras.
O estudo aprofundado da columela (isto é, o tecido condutor dos tubos polínicos situados no interior do estilete) o leva a definir uma nova estrutura: o ginóbase
16, fundindo a parte superior do receptáculo, a placenta e a base do estilete. As lojas do ovário, se apresentam então —vistas de fora— separadas entorno do estilete, disposição característica de algumas famílias (Lamiaceae e também Ochnaceae, estas muito estudadas por Saint-Hilaire) e de outros exemplos isolados (como Cuscuta e Dichondra em Convolvulaceae).
Sobre o plano metodológico, Saint-Hilaire coloca o resultado de suas pesquisas no mesmo nível das mudanças propostas por A.-L. Jussieu (1789) e cria uma terminologia própria, porém sem dar-lhe qualquer primazia17. Ele procura primeiro estabelecer os fatos e desconfia das «... generalizações prematuras até àquelas inconsistentes»18. Sua abordagem anatômica usa muito a noção de cordões pistilares oriunda do século anterior (Duhamel du Monceau, Correa da Serra), mas leva em conta o trabalho de Mirbel que separa os tecidos vasculares e os tecidos condutores. Sua definição histológica do estigma é notável e continua atual19. As suas idéias serão imediatamente aplicadas nos seus trabalhos sobre a flora do Brasil e serão objeto de uma síntese (Lições de Botânica, 184020) e tema de ensino. A. Saint-Hilaire, membro da Academia de Ciências de Paris e de muitas sociedades científicas, exercerá evidentemente uma grande influência sobre o surgimento das pesquisas ontogenéticas de Jean-Baptiste Payer21, que dará uma especial importância a interpretação «hilairiana» das placentas centrais. Esta teoria será fortemente criticada por Van Tieghem22 com base em uma análise rigorosa da vascularização. O desenvolvimento da anatomia vegetal conduzirá a um certo esquecimento da obra organográfica de A. Saint-Hilaire, esta muito anterior à teoria celular —criada por Theodor Schwann e Schleiden Matthias em 1839— mesmo que ele ainda seja considerado como uma fonte de inspiração23.
As novidades científicas em morfologia floral na segunda metade do século XX tem na verdade confirmado a maioria das intuições de A. Saint-Hilaire: a importância das deformações do receptáculo (em relação à hipoginia), significado de ginóbase e partições falsas
24 e a presença ocasional de óvulos axilares em Hypericum25.

Organografia vegetal
Cortes longitudinais de ovários ginobásicos de Gomphia nana, à placenta central de Samolus valerandii, Lychnis dioica, Portulacca pilosa e Cuphea viscosissima. Figuras extraídas de Saint-Hilaire (Auguste de), Leçons de botanique…, vol. 2, Paris: P. J. Loss, 1841.

***

86O nome de Auguste de Saint-Hilaire não está associado a nenhuma grande teoria botânica ou a um grande conceito ecológico. No entanto, ele era um zeloso propagador de uma nova visão do organismo vegetal e das associações das plantas que constituem as paisagens, se juntando a Goethe, Jussieu, Brown, de Candolle e Humboldt. Para ele, a botânica é uma grande ciência, uma «filosofia», como diríamos, permitindo tanto colocar questões fundamentais sobre os seres vivos quanto resolver problemas práticos do uso dos recursos naturais pela sociedade. É por isso, que ele assiste com ironia aos ataques dos «lineanos» que rejeitam a classificação desenvolvida a partir das idéias de Antoine-Laurent de Jussieu a quem acusam de ocultismo e querem voltar para os guias práticos. Desde o início de sua carreira, ele havia estabelecido um programa metodológico, o qual seguiu notavelmente ao longo de sua vida, a sua viagem ao Brasil se constituiu numa provação à qual submeteu seu programa e com um rigor que nem sempre encontrou entre os seus colaboradores ao seu retorno. Ele viaja através de um vasto país sem preconceito, torna-se quase nostálgico, com saudades do seu céu, suas florestas e seus habitantes de quem recebeu uma recepção calorosa e sincera. Ele ficou fascinado com o aspecto novo deste país que tinha todo o futuro pela frente. Após seu retorno, em uma carta endereçada ao naturalista Charles Louis Bonaparte, ele promove as publicações brasileiras que registram dados sobre a economia, a justiça, demografia e os recursos do país. Ele queixa-se amargamente em sua correspondência das idéias e da ignorância dos europeus sobre a realidade do Brasil nascente, não hesitando em criticar a missão oficial do Duque de Luxemburgo, com a qual ele havia chegado as Rio de Janeiro, especialmente pela falta de curiosidade e a preguiça de falar a língua local, demonstrado pelos membros dessa missão. Saint-Hilaire, de fato, sabe entrar em contato com todas as pessoas. Durante sua turnê, ele lidera uma equipe completa, muleteiros, índios, filho de nobres, e a aparente ausência de conflito, apesar das dificuldades, revela o seu senso de compreensão das relações humanas. Essa preocupação com as relações humanas mobilizou uma parte de sua energia, como evidenciado pelo cansaço que ele manifesta ao final da sua estadia. De sua experiência cotidiana e da diversidade das regiões atravessadas, Saint-Hilaire fará uma descrição notável. Segundo o programa, que atribui à botânica, ele faz também uma análise detalhada da capacidade agrícola do Brasil com base nas plantas úteis e aclimatações possíveis. Mas se deve especialmente observar que assistindo ao começo da transformação e do empobrecimento dos ambientes naturais, em paralelo com o que tinha ocorrido na Europa séculos atrás, ele temia por este novo país em plena expansão demográfica, um desenvolvimento anárquico, ainda sujeito ao espírito de colonização, da extração mineral e da destruição das florestas. Ele apela para a vontade de construção racional de uma nação. Seu medo dos efeitos devastadores de uma cultura de queimadas e da pecuária extensiva sob o clima tropical, acompanhada pela invasão de espécies introduzidas, tem claramente uma ressonância atual.

Deflorestação Minas Gerais, uma paisagem já avistada em seu tempo por Auguste de Saint-Hilaire (2008) Clichê M. G. Lins Brandão.

Annexes

Focus. A família Myrsinaceae por Auguste de Saint-Hilaire

Maria De Fátima Freitas

No início do século XIX, diante da riqueza e beleza de uma vasta vegetação tropical, o olhar atento de um grande naturalista como Auguste de Saint Hilaire não poderia ser indiferente a um grupo de espécies de flores pequenas, pouco vistosas e com abundantes frutos, como o da família Myrsinaceae. De sua expedição ao Brasil, a coleção de Myrsinaceae de Auguste de Saint Hilaire está entre as mais coletadas26. Em todas as regiões percorridas ele observou e coletou espécimes desta família.

Na monografia publicada por Mez27 (1902) sobre a família Myrsinaceae, os espécimes coletados por Saint Hilaire foram exemplares tipos de novas espécies e combinações nomenclaturais. Como um botânico criterioso e observador, seus cadernos de coleta dispõem de informações das estruturas florais nem sempre tão detalhadas nas descrições originais. Entre os táxons inéditos destacam-se Cybianthus goyazensis Mez, descrito a partir de um único exemplar da coleção de Saint Hilaire; Myrsine lineta (Mez) Imkhan, descrita como Rapanea lineata Mez. ; Stylogyne sordida Mez, exemplar selecionado como lectótipo28, e novas coletas de Myrsine umbellata Mart., redescrita por Mez (1902), em uma nova combinação, como Rapanea umbellata (Mart.) Mez.

Em «Memoire sur les Myrsinées, las Sapotées et les embryons parallèles au plan de l’ombilic »29, Saint Hilaire (1838) discutiu as diferenças e similaridades entre as Myrsinaceae e Sapota ceae que ele observara em espécies coletadas no Brasil. Nesta obra, o visionário Saint Hilaire após ter analisado a «Revue de la famille des Myrsinées», de A. P. de Candolle (1834)30, afirma seu interesse em estudar mais esta família, e como visionário, concorda com este autor sobre a semelhança entre as famílias Myrsinaceae e Primulaceae pela disposição dos estames e placentação central, apesar dos frutos e porte serem diferenciados.

Os recursos que a taxonomia moderna oferece, com a análise de dados moleculares, confirmam o olhar de Auguste de Saint Hilaire, e seus contemporâneos, e incluem a família Myrsinaceae na família Primulaceae31, com 11 gêneros e 140 espécies no Brasil32 que além de outras, com família Sapotaceae, compõem a Ordem Ericales.

Cybianthus goyazensis.
Isótipo coletado por Auguste de Saint-Hilaire na provincia de Goyaz (Brasil) Clichê MJ, MNHN.

Notes

1 Honoré de Balzac (1799-1850), escritor francês que escreveu sob o titulo «La comédie humaine» (1829-1850), um conjunto de obras que descreve a sociedade de sua época. Balzac se interessa por história natural e seus progressos, se propondo a fazer pela «sociedade» uma obra comparável à de Buffon para os animais.

2 Georges Cuvier (1769-1832), titular da cadeira de anatomia dos animais do Muséum national d’histoire naturelle, defensor da anatomia comparada e da paleontologia dos vertebrados. Cf. Rapports à l’Empereur sur les progrès des sciences, des lettres et des arts depuis 1789. II. Chimie et sciences de la nature [nova ed. de Laissus Yves; préfácio de Woronoff Denis], Paris: Belin, 1989 [1810], 333 p.

3 Antoine-Laurent de Jussieu (1748-1836), titular da cadeira de botânica do Muséum national d’Histoire naturelle, defensor do método natural em botânica.

4 Johann Wolfgang van Goethe (1749-1832), escritor, poeta alemão, «Naturphilosoph».

5 Joseph Pitton de Tournefort (1656-1708), professor de botânica no Jardin du Roy em Paris, autor de um método para classificar as plantas: Elémens de botanique, ou Méthode pour connoître les plantes, Paris: De l’Imprimerie royale, 1694, 3 vol., in-8°.

6 Michel Adanson (1727-1806), botânico, que realiza uma viagem ao Senegal e propõe em 1763 uma classificação das famílias considerando todos os elementos de uma planta (Familles des plantes, Paris: chez Vincent, imprimeur-libraire, 1763, 2 vol., in-8°).

7 Jean-Baptiste Monnet chevalier de Lamarck (1744-1829), botânico e zoólogo, conhevido sobretudo por seus tectos sobre o transformismo; autor de uma Flore françoise (Paris: De l’Imprimerie royale, 1778, 3 vol.), na qual ele prõe um método simples para conhecer o nome das plantas. Curador do herbário até 1793, depois primeiro titular da cadeia de Zoologia (Insetos, Vertmes et animais microscópicos).

8 Augustin Pyramus de Candolle (1778-1841), botânico genovês, professor de botânica da faculdade de medicina de Montpellier (1813), chaire d’histoire naturelle et jardin botanique à Genève (1816).

9 Alexander baron von Humboldt (1769-1859), geólogo, geógrafo. As observa’voes e relatos que ele fez durante a viagem à América do Sul (1799-1804) com Aimé Bonpland marcam fortemente a geografia botânica.

10 Marie-Jean-Pierre Flourens (1794-1867), médico, especialista em fisiologia do sistema nervoso, professor de anatomia comparada e, posteriormente, de fisiologia comparada no Museu de História Natural de Paris (1832), começa sua carreira política em 1838 como deputado de Hérault. Através de uma carta escrita por Saint-Hilaire à A. de Jussieu, em 27 de fevereiro de 1839 (biblioteca de botânica do Muséum, não catalogada), sabemos que a região de Montpellier estava em pleno período eleitoral e que Flourens era candidato; Saint Hilaire ironiza este clima eleitoral.

11 Sobre a história e o papel dos salões parisienses, podemos consultar Abrantès (Laure Junot), Histoire des salons de Paris, tableaux et portraits du grand monde, sous Louis XVI, le Directoire, le Consulat et l’Empire, la Restauration et le règne de Louis-Philippe 1er, Paris: Ladvocat, 1837-1838, 6 vol.

12 Para mais detalhes sobre a vida de Auguste de Saint-Hilaire, veja o capítulo sobre sua biografia.

13 Lamarck (Jean-Baptiste), Flore française, ou, Descriptions succinctes de toutes les plantes qui croissent naturellement en France: disposées selon une nouvelle méthode d’analyse, et précédées par un exposé des principes élémentaires de la botanique [com a contribuição de Candolle Augustin-Pyrame de], 3e éd., Paris: Desray, 1805, 6 vol. ; Dubois (François Noël Alexandre), Méthode éprouvée: avec laquelle on peut parvenir facilement, et sans maître, à connoître les plantes de l’intérieur de la France, et en particulier celles des environs d’Orléans… Orléans: chez l’auteur, 1803, XV + 592 p., in-8°. Ver Planchon (Jules-Émile), «Nécrologie: Auguste de St.-Hilaire», Flore des serres et des jardins de l’Europe, vol. 9, 1853-1854, pp. 3-5 (o documento é datado de 15 de dezembro de 1853, então publicado razoavelmente em 1854).

14 Louis-Claude Richard (1754-1821), viaja à Guiana Francesa, Brasil e Antilhas (1781-1789), professor de botânica na Escola de Medicina, corróbora as observações sobre o embrião e os frutos das plantas; René-Louiche Desfontaines (1750-1833), viaja à Algéria e Tunísia, titular da Cadeira de Botânica no Muséum national d’histoire naturelle. Ver tamben Planchon (Jules-Émile), «Nécrologie: Auguste de St.-Hilaire», art. cit.

15 Cf. ano 1810 em la Biobibliografia, p. 424.

16 Para melhor compreender os desafios da claissificação naturel, cf. quadro pp. 160-161.

17 O contexto das práticas botânicas é mostrado pp. 507-537.

18 Jean-Jacques Rousseau (1712-1778), filósofo genebrino, apaixonado por botânica, autor de Lettres élémentaires sur la botanique à Madame de L*** [Delessert] a botânica deve ser para todos.

19 Saint-Hilaire (Auguste de), Réponse aux reproches que les gens du monde font à l’étude de la botanique, Orléans: de l’impr. Huet-Perdoux, 1811, p. 12.

20 Jussieu (Antoine-Laurent de), Genera plantarum…, Paris: Veuve Hérissant, 1789, 24 + LXXII + 498 p.

21 Saint-Hilaire (Auguste de), Réponse aux reproches…, op. cit., pp. 13-14.

22 Ibid., p. 22.

23 Humboldt (Alexander von), Ansichten der Natur mit wissenschaftlichen Erläuterungen, Tübingen: J. G. Cotta, 1808, viii + 334 p.

24 Saint-Hilaire (Auguste de), Réponse aux reproche…, op. cit., p. 20.

25 Joseph Deleuze (1753-1835), assistente-naturalista nas duas cadeiras de botânica do Muséum national d’Histoire naturelle, depois bibliotecário nesta instituição, foi um adepto do magnetismo animal.

26 Cartas de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, abril 1815 (Bibliothèque centrale du Muséum, Ms 2673, pièce 13)

27 Brown (Robert), «General Remarks geographical and systematical, on the Botany of Terra australis», in Flinders (Matthew) (sob a dir.), A voyage to Terra australis: undertaken for the purpose of completing the discovery of that vast country..., vol. 2, London: G. & W. Nicol, 1814, pp. 533-613. Texto publicado novamente em 1866 pela Ray Society de Londres no The Miscellaneous Botanical works of Robert Brown, na reimpressão das obras de Brown. Para a versão francesa, cf. «Remarques générales géographiques et physiques sur la botanique de la terre Australe» [extrato trad. por Saint-Hilaire Auguste de], Bulletin des sciences par la société philomatique de Paris, 1815, pp. 126-137. Robert Brown tabém é autor de Prodromus Florae Novae Hollandiae et Insulae Van Diemen: exhibens characteres plantarum quas annis 1802-1805… Londini: typis R. Taylor & socii, 1810, viii + pp. 145-590.

28 Candolle (Augustin Pyramus de), Théorie élémentaire de botanique, ou exposition des principes de la classification naturelle et de l’art de décrire et d’étudier les végétaux, Paris: Déterville, 1813, VIII + 500 + [28] p., in-8°.

29 Saint-Hilaire (Auguste de), Réponse aux reproches…, op. cit., pp. 11-12.

30 Ibid., pp. 28-30.

31 Johann Gottfried Herder (1744-1803), filósofo alemão, que influencia fortemente o movimento romântico alemão e ao qual Saint-Hilaire se mostra inserido.

32 Georges Louis Leclerc de Buffon, intendente do «Jardin du Roy» em Paris, autor de uma Histoire naturelle des animaux cuja qualidae do estilo foi mais reconhecida do que da qualidade científica; Jacques Henri Bernardin de Saint-Pierre (1737-1814), intendente do «Jardin du Roy» em Paris (1791-1793), amigo de Jean-Jacques Rousseau, autor de Paul et Virginie e de Les études de la nature, descreveu a ordem e a harmonia da natureza com muito sentimento e eloqüência; François René de Chateaubriand (1768-1848), escritor romântico e homem político francês.

33 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, abril 1815 (Biblioteca central do Museu, Ms 2673, pièce 13).

34 Cartas de Auguste de Saint-Hilaire, de 8 de fevereiro de 1811, de 20 de março de 1812 à Antoine-Laurent de Jussieu (Biblioteca de botânica do Museu, correspondência de Jussieu não catalogada) e de abril de 1815 à Joseph Deleuze (Bibliothèque centrale du Muséum, Ms 2673, peça 13).

35 Charles François Brisseau de Mirbel (1776-1854), botânico anatomista, titular da cadeira de Cultura do Muséum national d’Histoire naturelle (1824-1850).

36 Carl Sigismund Kunth (1788-1850), descreve as plantas coletadas por A. v. Humboldt e A. Bonpland.

37 Cf. anos 1811, 1815 e 1816 em la Biobibliografia, pp. 417-473.

38 Biblioteca de botânica do Museu (Ms CRY 491, pièce 344).

39 Biblioteca de botânica do Museu (Ms CRY 507, pièce 1506).

40 Uma carta endereçada ao ministro do Interior indica que ele parte na qualidade de aluno de engenharia de minas (Arquivo Nacional F/17/3977). Nós não pudemos confirmar esta qualificação.

41 Pierre Antoine Delalande (1787-1828), auxiliar naturalista da cadeira de zoologia do Museu, acompanha Etienne Geoffroy-Saint-Hilaire na península ibérica; percorre a África do Sul de 1818 a 1820.

42 Cf. Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent de Jussieu, dezembro de 1816 (Biblioteca de botânica do Museu, correspondência de Jussieu, não catalogada).

43 Se acreditarmos em uma carta do Barão de Férussac endereçada à Monsieur Duc [de Daudeville], não datada, (processo da Légion d’Honneur, Arquivos nacionais O/3/833 dossier 49) esta ajuda do governo seria muito pouca e Saint-Hilaire teria investido cerca de 40 000 francos de sua própria fortuna.

44 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent de Jussieu, aparentemente de 1816 (Biblioteca de botânica do Museu, correspondência Jussieu, não catalogada).

45 Cadernos conservados na Biblioteca de botânica do Museu sob o catálogos Ms BOT 1-12.

46 A este respeito, ver Pignal (Marc), Romaniuc-Neto (Sergio), De Souza (Sidnei), Chagnoux (Simon) & Lange Canhos (Dora Ann), «Saint-Hilaire virtual herbarium, a new upgradeable tool to study Brazilian botany», Adansonia, vol. 35, no 1, 2013, pp. 7-18.

47 Darwin (Charles), The variation of animals and plants under domestication, London: J. Murray, 1868, vol. 1, p. 386.

48 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent Jussieu, aparentemente de 1816 (Biblioteca de botânica do Museu, correspondenia Jussieu, não catalogado).

49 Idem.

50 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, 4 de dezembro de 1816 (Biblioteca central do Museu, Ms 2673, pièce 14).

51 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent Jussieu, aparentemente de 1816 (Biblioteca de botânica do Museu, correspondência Jussieu, não catalogada).

52 Brown (Robert), «General Remarks geographical and systematical…», op. cit.; The Miscellaneous Botanical works of Robert Brown, op. cit.

53 Saint-Hilaire (Auguste de), Histoire des plantes les plus remarquables du Brésil et du Paraguay comprenant leur description et des dissertations sur leurs rapports, leurs usages, etc., Paris: chez A. Belin, 1824-1826, lxvii + 355 p., 30 pl.

54 Ibid., p. xij.

55 Ibid., p. xvj.

56 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent Jussieu, aparentemente de 1816 (Biblioteca de botânica do Museu, correspondência Jussieu, não catalogada).

57 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent de Jussieu, de 1 março de 1821 (Biblioteca de botânica do Museu, correspondenia Jussieu, não catalogado).

58 Brown (Robert), «General Remarks geographical and systematical…», op. cit.; The Miscellaneous Botanical works of Robert Brown, op. cit.

59 Cf. por exemplo Humboldt (Alexander von), Essai sur la géographie des plantes: accompagné d’un tableau physique des régions équinoxiales, Paris: F. Schoell, [1805]-1807, [4] + 155 p., in-folio.

60 Cartas de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent de Jussieu, de 23 de dezembro de 1819 (Biblioteca de botânica do Museu, correspondência Jussieu, não catalogada).

61 Cartas de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, sem data mas o carimbo do correio indica 18 de setembro de 1820 (Biblioteca central do Muséum, Ms 2673, pièce 18).

62 Joseph Dombey (1742-1794), naturalista, etnólogo e explorador do Peru, Chili e Brésil, morto na prisão, «vítima» da guerra entre a Espagne e a France. Giuseppe Raddi (1770-1829), botânico italiano, coleta no Brésil, nas Ilhas da Madeira e no Egito.

63 Saint-Hilaire (Auguste de), «Province de S. Pedro de Rio Grande do Sul, Rapport sur l’ouvrage intitulé Annaes da Provincia de S. Pedro, par M. José Feliciano Fernandes Pinheiro Baron de S. Leopoldo, ancien ministre d’état de l’empire du Brésil», Nouvelles annales des voyages et des sciences géographiques, vol. 57 (2a série, t. 27), 1833, pp. 236-257. De forma premonitória, Saint-Hilaire exprime estes mesmos sentimentos no Réponse aux reproches que font les gens du mode…, op. cit. (Ver a edição anotada deste texto, pp. 507-537).

64 Cartas de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, 4 décembre 1816 (Bibliotheca central do Museu, Ms 2673, pièce 14).

65 Saint-Hilaire (Auguste de), Voyage dans les provinces de Rio de Janeiro et de Minas Geraes, Paris: Grimbert & Dorez, 1830, vol. 1, pp. 46 e 427, vol. 2, pp. 154 e 213 (Voyages dans l’intérieur du Brésil; 1).

66 Saint-Hilaire (Auguste de), Voyage dans le district des diamants et sur le littoral du Brésil, Paris: Librairie Gide, 1833, vol. 2, p. 293 (Voyages dans l’intérieur du Brésil; 2).

67 Saint-Hilaire (Auguste de), Voyage aux sources du Rio de S. Francisco et dans la Province de Goyaz, Paris: Arthus Bertrand libraire, 1847-1848, vol. 2, pp. 108-110 (Voyages dans l’intérieur du Brésil; 3).

68 Ibid., vol. 2, p. 271.

69 Idem.

70 Idem.

71 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent de Jussieu, de 2 de maio de 1818 (Biblioteca de botânica, MNHN, correspondência Jussieu, não catalogado).

72 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, de 11 de novembro de 1820 (Biblioteca central do MNHN, Ms 2673, pièce 19).

73 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent de Jussieu, de 20 de julho de 1820 (Biblioteca de botânica, MNHN, correspondência Jussieu, não catalogada).

74 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, de 4 de dezembro de 1816 (Biblioteca central do MNHN, Ms 2673, pièce 14).

75 Saint-Hilaire (Auguste de), Voyage aux sources du Rio de S. Francisco…, op. cit., vol. 1, p. 2.

76 Comunicação pessoal do Dr Eugenio Goulart (Belo Horizonte).

77 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, de 29 de outubro de 1817 (Biblioteca central do Museu, Ms 2673, peça 16).

78 Friedrich Sellow (1789-1831), jardineiro e viajante botânico, ele coleta plantas no Brasil e Uruguai (1814-1831).

79 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent de Jussieu, de 23 de dezembro de 1819 (Biblioteca de botânica do Museu, Correspondência Jussieu, não catalogada).

80 Ms BOT 009, «Catalogue des plantes recueillies à Goyaz, Rio Grande, Montevideo. Caderno C3», p. = 62 (Biblioteca de botânica, MNHN).

81 Cf. Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, de 8 de janeiro de 1817 (Biblioteca central do Museu, Ms 2673, pièce 15).

82 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent de Jussieu, de 2 de maio de 1818 (Biblioteca de botânica do Museu, correspondência Jussieu, não catalogada).

83 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, de 5 de agosto de 1818 (Biblioteca central do Museu, Ms 2673, pièce 17).

84 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, de 11 novembro de 1820 (Biblioteca central do Museu, Ms 2673, pièce 19).

85 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent de Jussieu, Saint Borja, de 1 de março de 1821 (Biblioteca de botânica do Museu, correspondência Jussieu, não catalogada).

86 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, Tejuco, de 29 de outubo de 1817 (Biblioteca central do Museu, Ms 2673, pièce 17).

87 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent de Jussieu, Saint Borja, de 1 de março de 1821 (Biblioteca de botânica do Museu, correspondência Jussieu, não catalogada).

88 Saint-Hilaire (Auguste de), Histoire des plantes les plus remarquables…, op. cit., cap. chamado: «Relation d’un empoisonnement causé par le miel de la guêpe Lecheguana [incl. uma dissertação sobre a vespa Lecheguana por M. Latreille, e o estudo químico do mel da vespa Lecheguana por Lassaigne fils, pp. 210-215], pp. 189-251; «Relation d’un empoisonnement causé par le miel de la guêpe Lecheguana », Bulletin des sciences par la société philomatique de Paris, maio 1824, pp. 74-79; «Relation d’un empoisonnement causé par le miel de la Guêpe Lecheguana», Mémoires du Muséum national d’Histoire naturelle, vol. 12, 1825, pp. 293-348; «Relation d’un empoisonnement causé par le miel de la Guêpe Lecheguana (extrait)» [lido na Academia de Ciências], Annales des sciences naturelles, 1a série, vol. 4, 1825, pp. 340-344.

89 Cf. Moquin-Tandon (Alfred), «Saint-Hilaire (Auguste Prouvençal de)», in Michaud (Louis-Gabriel) (sob a dir.), Biographie universelle ancienne et moderne: ou histoire, par ordre alphabétique, de la vie publique et privée de tous les hommes qui se sont fait remarquer par leurs écrits, leurs actions, leurs talents, leurs vertus ou leurs crimes, nova edição, Paris: chez Mme C. Desplaces, Leipzig: Librairie F. A. Brockhaus, 1864, t. 37 [RUA-SAO], pp. 327-329; Bonnet (Edmond), «Quelques lettres inédites d’Auguste de Saint-Hilaire à Moquin-Tandon, publiées et annotées», Bulletin de la société botanique de France, vol. 60, [1913] 1914, pp. LXXXVIII-CI.

90 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Antoine-Laurent de Jussieu, Porto Alegre, de 20 de julho de 1820 (Biblioteca de botânica do Museu, correspondência Jussieu, não catalogada).

91 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, de 20 de setembro de 1820 (Biblioteca central do Museu, Ms 2673, pièce 18).

92 Para conhecer melhor sobre este período, consultar a apresentação de J.-Y. Mérian, pp. 30-57.

93 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, de 11 de novembro de 1820 (Biblioteca central do Museu, Ms 2673, pièce 19).

94 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze, de16 de dezembro de 1821 (Biblioteca central do Museu, Ms 2673, p. 20).

95 Humboldt (Alexander von), « Rapport verbal fait à l’académie des sciences sur un ouvrage de M. Auguste de Saint-Hilaire intitulé Plantes usuelles des brasiliens », Annales des sciences naturelles, 1a série, vol. 1, abril de 1824, p. 411.

96 Ver por exemplo a carta de Auguste de Saint-Hilaire à A. L. de Jussieu, de 20 de julho de 1820 (Biblioteca de botânica do Museu, correspondência Jussieu, não catalogada).

97 Saint-Hilaire (Auguste de), Plantes usuelles des Brasiliens [publ. orig. em 14 livr.; com a col. de Jussieu Adrien de & Cambassèdes Jacques para os livr. 9-14], Paris: Grimbert, 1824-1828, 262 p., 70 p. de pl., in-4°.

98 Saint-Hilaire (Auguste de), Histoire des plantes les plus remarquables du Brésil…, op. cit.

99 Saint-Hilaire (Auguste de), Flora Brasiliae meridionalis [com a col. de Jussieu Adrien de et Cambessèdes Jacques para as part. 5 à 22], Paris: Belin, 1825-1832, 24 part. em 3 vol.

100 Saint-Hilaire (Auguste de), Voyage dans les provinces de Rio de Janeiro et de Minas Geraes, Paris: Grimbert & Dorez, 1830, 2 vol. (Voyages dans l’intérieur du Brésil; 1); Voyage dans le district des diamants et sur le littoral du Brésil, Paris: Librairie Gide, 1833, 2 vol. (Voyages dans l’intérieur du Brésil; 2); Voyage aux sources du Rio de S. Francisco et dans la Province de Goyaz, Paris: Arthus Bertrand libraire, 1847-1848, 2 vol. (Voyages dans l’intérieur du Brésil; 3); Voyage dans les Provinces de Saint Paul et Sainte Catherine, Paris: Arthus Bertrand libraire, 1851, 2 vol. (Voyages dans l’intérieur du Brésil; 4).

101 Se trata de Charles Louis «Rolland» Aubépin de Lamotte de Dreuzy (1838-1899), ver cronologia.

102 Saint-Hilaire (Auguste de), Voyage à Rio Grande do Sul (Brésil) [Publicação póstuma sob os cuidados de Dreuzy Charles Louis Rolland de], Orléans: H. Herluisson Libraire-éditeur, 1887, viii + 625 p.

103 Saint-Hilaire (Auguste de), Voyage dans les provinces de Rio de Janeiro…, op. cit., vol. 1, prefácio p. viii.

104 Ibid., vol. 1, prefácio p. ix.

105 Cf. pp. 555-567.

106 Saint-Hilaire (Auguste de), Voyage dans les provinces de Rio de Janeiro…, op. cit., vol. 2, pp. 95-96.

107 Saint-Hilaire (Auguste de), Histoire des plantes les plus remarquables…, op. cit., pp. viij-ix.

108 Saint-Hilaire (Auguste de), «Tableau géographique de la végétation primitive dans la province de Minas Geraes», Nouvelles annales des voyages, de la géographie et de l’histoire ou Recueil des relations originales inédites, vol. 75 (3a série, t. 15), 1837, pp. 170-218, aqui p. 189.

109 Saint-Hilaire (Auguste de), « Mémoire sur le système d’agriculture adopté par les brésiliens, et les résultats qu’il a eus dans la province de Minas Geraes », Nouvelles annales des voyages et des sciences géographiques, vol. 78 (3a série, t. 18), 1838, pp. 334-345.

110 Ibid., pp. 338-339.

111 Saint-Hilaire (Auguste de), « Tableau géographique de la végétation primitive … », art. cit., p. 192.

112 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Adrien de Jussieu, de 6 de novembro de 1826 (Biblioteca de botânica do Museu, correspondência Jussieu, não catalogado).

113 Cf. Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Louis Georges Duvernoy, de 23 de dezembro de 1833 (Biblioteca central do Museu, Ms 2752, pièce 2226).

114 Saint-Hilaire (Auguste de), «Province de S. Pedro de Rio Grande do Sul, Rapport sur l’ouvrage intitulé Annaes da Provincia de S. Pedro, par M. José Felisiano Fernandes Pinheiro Baron de S. Leopoldo, ancien ministre d’état de l’empire du Brésil», Nouvelles annales des voyages et des sciences géographiques, vol. 57 (2a série, t. 27), 1833, pp. 236-257, aqui p. 254.

115 Planchon (Jules-Émile), «Notice sur la vie et les travaux de Jacques Cambessèdes», Bulletin de la société botanique de France, vol. 10, 1863 (publié 1864), pp. 543-565.

116 Cf. Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Adrien de Jussieu, de 12 de maio de 1830 (Biblioteca de botânica do Museu, Ms CRY 507, pièce 1511).

117 Alexandre Parent du Chatelet (1790-1836), médico, casado com Euphrasie LeChanteur prima de Saint-Hilaire.

118 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Alexandre Parent Duchatelet, de 12 de abril de 1830 (Biblioteca de botânica do Museu, Ms CRY 507, pièce 1508).

119 Eulalie Delile (1800-1840) desenhista, irmã do naturalista Alire Raffeneau Delile.

120 Camille Montagne (1784-1866), antigo chefe cirurgião do exercito de Napoleão, assume em 1834 como criptógamista em Paris. Cf. Montagne (Camille), «Cryptogamae brasilienses seu plantae cellulares quas in itinere per brasiliam à celeb. Auguste de Saint-Hilaire collectas recensuit observationibusque nonullis illustravit C. Montagne», Annales des sciences naturelles, Botanique, 2a série, vol. 12, julho 1839, pp. 42-55, pl. 1.

121 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Adrien de Jussieu, de 29 de outubro de1827 (Biblioteca de botânica do Museu, correspondência Jussieu, não catalogada).

122 Benjamin Delessert (1773-1847), industrial, filantropo e amante da botânica, constituiu uma grande coleção botânica (herbário, livros e manuscritos), visitado por todos os botânicos de passagem por Paris. Nesta coleção podemos consultar Lasègue (Antoine), Musée botanique de M. Benjamin Delessert: notices sur les collections de plantes et la bibliothèque qui le composent, contenant en outre des documents sur les principaux herbiers d’Europe et l’exposé des voyages entrepris dans l’intérêt de la botanique, Paris: Librairie Fortin, Masson & Cie, 1845, 588 p. + [6] p. de pl.

123 Para mais detalhes consultar o quadro explicativo.

124 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Adrien de Jussieu, de setembro de 1840 (Biblioteca de botânica do Museu, correspondência Jussieu, não catalogada).

125 Para compreender como funcionava a Academia de Ciências, o Museu e a Faculdade de Ciências durante este período veja o quadro explicativo.

126 Pelo decreto de 29 de junho de 1964, a obrigação para os membros de residir na região metropolitana de Paris foi suprimida.

127 Procès verbaux des séances de l’académie tenues depuis la fondation de l’institut jusqu’au mois d’août 1835, tomo 6, 1915, pp. 520, 521 (sessões de 20 e 27 de dezembro 1819).

128 Gérard (Louis), Flora gallo-provincialis, cum iconibus aeneis, Paris: apud. C. J. B. Bauche, 1761, XXVIII + 585 + [2] p., pl. gravadas, in-8°.

129 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Henri de Blainville, de 22 de outubro de 1828 (Biblioteca central do Museu, não catalogado).

130 Pierre Flourens foi eleito secretário perpétuo da Academia de Ciências em 1833.

131 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Henri de Blainville, de 21 de janeiro de 1830 (Biblioteca central do Museu, não catalogado). Ver também uma carta à A. L. de Jussieu, de 28 de julho de 1828 (Biblioteca de botânica do Museu, correspondência Jussieu, não catalogado).

132 Procès verbaux des séances de l’académie tenues depuis la fondation de l’institut jusqu’au mois d’août 1835, tomo 9, 1921, pp. 401-402 (sessão do 15 de fevereiro 1830).

133 Procès verbaux des séances de l’académie tenues depuis la fondation de l’institut jusqu’au mois d’août 1835, tome 9, 1921, pp. 401-402 (sessão do 15 de fevereiro 1830), 413 (sessão do 1  de março 1830) et 414 (sessão do 8 de março 1830).

134 Procès verbaux des séances de l’académie tenues depuis la fondation de l’Institut jusqu’au mois d’août 1835, tome 10, 1921, p. 334 (sessão do 4 de agosto 1835) et p. 336 (sessão do 12 de agosto 1835).

135 Bonnet (Edmond), « Quelques lettres inédites d’Auguste de Saint-Hilaire à Moquin-Tandon… », art. cit., p. XCII.

136 Procès verbaux des séances de l’académie tenues depuis la fondation de l’Institut jusqu’au mois d’août 1835, tome 10, 1921, pp. 429, 649, 681 (sessões do 6 de janeiro 1834, 19 de janeiro e 30 de março 1835).

137 Segundo Moquin-Tandon, Adrien de Jussieu o teria preferido por suceder a Antoine Laurent de Jussieu na cadeira de botânica no interior, em 1826 (cf. Moquin-Tandon (Alfred), Un naturaliste à Paris 1834 [ed. apresentada por Fischer Jean-Louis; índice estabelecido por Dussert-Carbone Isabelle], Chilly-Mazarin: SenS, 1999, XXXIV + 163 p. (SenS de l’histoire)).

138 Auguste de Saint-Hilaire se aposenta em 1852.

139 Moquin-Tandon (Alfred), Un naturaliste à Paris…, op. cit., p. 6.

140 Ibid., p. 50.

141 Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Adrien de Jussieu, de 5 de abril de 1835 (Biblioteca de botânica do Museu, Correspondência Jussieu, não catalogada).

142 Planchon (Jules-Émile), «Nécrologie: Auguste de St-Hilaire», art. cit., p. 5.

143 Moquin-Tandon (Alfred), «Saint-Hilaire (Auguste Prouvençal de)», op. cit., p. 329.

144 Saint-Hilaire (Auguste de), Leçons de botanique: comprenant principalement la morphologie végétale, la terminologie, la botanique comparée, l’examen de la valeur des caractères dans les diverses familles naturelles, etc., Paris: P. J. Loss, 1840, VIII + 930 p. + 24 p. de pl., ill., in-8°.

145 Molina (Gérard), «Saint-Hilaire Augustin…», in Tort (Patrick) (sob a dir.), Dictionnaire du Darwinisme et de l’évolution, Paris: Presses universitaires de France, 1996, vol. 3, pp. 3762-3763.

Notes de fin

1 Candolle (Augustin-Pyramus de), Théorie élémentaire de botanique, ou exposition des principes de la classification naturelle et de l’art de décrire et d’étudier les végétaux, Paris: Déterville, 1813, p. 273.

2 Advertência no início do fascículo 5 da Flora brasiliae meridionalis, p. 171, datada de 23 abril 1827.

3 Saint-Hilaire (Auguste de), Voyages dans les provinces de Rio de Janeiro et de Minas Geraes, Paris: Grimbert & Dorez, 1830, p. 129.

4 O catálogo virtual pode ser consultado no seguinte endereço: http://coldb.mnhn.fr/colweb/form.do?model=SONNERAT.wwwjussieu.wwwjussieu.wwwjussieu.

5 Saint-Hilaire (Auguste de), Flora Brasilae Meridionalis, Paris: Belin, 1825, t. 1. p. iv.

6 Saint-Hilaire (Auguste de), «Mémoire sur la série linéaire des plantes polypétales, et en particulier de celles qui font partie de la flore brasilienne», Mémoires du muséum national d’histoire naturelle, t. 14, 1827, pp. 120-130.

7 Candolle (Augustin-Pyramus), Théorie élémentaire de botanique, ou exposition des principes de la classification naturelle et de l’art de décrire et d’étudier les végétaux, Paris: Déterville, 1813, pp. 272-273.

8 A versão virtual pode ser consultada no seguinte endereço: http://florabrasiliensis.cria.org.br/

9 Saint-Hilaire (Auguste de) & Tulasne (Louis René), « Revue de la flore du Brésil Méridional, première partie », Annales des sciences naturelles, Botanique, 2a série, t. 17, 1842, pp. 129-137.

10 Saint-Hilaire (Auguste de) & Naudin (Charles), « Revue de la flore du Brésil Méridional, seconde partie », Annales des sciences naturelles, Botanique, 2a série, t. 18, 1842, pp. 24-54.

11 Saint-Hilaire (Auguste de), Leçons de botanique…, Paris: P. J. Loss, 1840-1841, 2 vol., p. 463.

12 Ibid., p. 467.

13 Saint-Hilaire (Auguste de), «Du nouveau genre Anaxagorea et des caractères essentiels du genre Xylopia [extraído pelo autor]», Nouveau bulletin des sciences par la société philomatique de Paris, junho 1825, pp. 90-91.

14 Saint-Hilaire (Auguste de), Leçons…, op. cit., p. 492.

15 Ibid., p. 504.

16 Ibid., p. 506.

17 Ibid., p. 478.

18 Ibid., p. 15.

19 Saint-Hilaire (Auguste de), Mémoire sur les plantes auxquelles on attribue un placenta libre et sur la nouvelle famille des Paronychiées…, Paris: Imprimerie A. Belin, 1816, p. 32.

20 Saint-Hilaire (Auguste de), Leçons…, op. cit.

21 Payer (Jean-Baptiste), Traité d’organogénie comparée de la fleur, Paris: Masson, 1857, 2 vol.

22 Van Tieghem (Philippe), «Recherches sur la structure du pistil et l’anatomie comparée de la fleur», Mémoires présentés par divers savants étrangers à l’Institut de France, vol. 21, 1875, 2 vol. en 1, 261 p. (publicado separadamente en 1870-1871).

23 Davy de Virville (Adrien) (sob a dir.), Histoire de la Botanique en France, Paris: Société d’Édition d’Enseignement Supérieur, 1954, 394 p.

24 Guédès (Michel), Contribution à la morphologie du phyllome, Paris: Muséum national d’Histoire naturelle, 1972, 179 p. (Mémoires du Muséum national d’Histoire naturelle, Sér. B – Botanique; 21); Guédès (Michel) & Sastre (Claude), «Morphology of the gynoecium and systematic position of the Ochnaceae», Botanical Journal of the Linnean Society, vol. 82, 1981, pp. 121-138; Hartl (Dimitri), «Morphologische Studien am Pistill der Scrophulariaceen», Oesterreichische Botanische Zeitschrift, vol. 103, 1956, pp. 185-242.

25 Dupuy (Pierre) & Guédès (Michel), «Placentation and possible partial stachyospory in Hypericum sect. Eremanthe », Flora, vol. 164, 1975, pp. 37-49.

26 Dwyer (John D.), «The Botanical catalogues of Auguste de St. Hilaire», Annals of the Missouri botanical garden, vol. 42, fasc. 2, 1955, pp. 153-170.

27 Mez (Carl), «Myrsinaceae», in Engler (Adolf) (sob a dir.), Das Pflanzenreich: regni vegetablilis conspectus, Leipzig: W. Engelmann, vol. 9, fasc. 4, 1902, pp. 1-437.

28 Ricketson (Jon M.) & Pipoly III (John J.), «A synopsis of neotropical Stylogyne (Myrsinaceae)», Novon, vol. 20, 2010, pp. 437-447.

29 Saint-Hilaire (Auguste de), « Mémoire sur les Myrsinées, les Sapotées et les embryons parallèles au plan de l’ombilic », Mémoires de l’académie royale des sciences de l’Institut de France, vol. 16, 1838, pp. 117-167.

30 Candolle (Augustin-Pyramus), «Revue de la famille des Myrsinées», Annales des sciences naturelles, Botanique, 2a série, tomo 2, 1834, pp. 285-301.

31 APG [Angiosperm Phylogeny Group], «An uptodate of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of glowering plants: APG III», Botanical journal of the Linnean Society, vol. 161, 2009, pp. 105-121.

32 BFG [The Brazil Flora Group], «Growing knowledge: an overview of Seed Plant diversity in Brazil», Rodriguésia, vol. 66, fasc. 4, 2015, pp. 1-29.

Table des illustrations

Légende Correspondência Carta de Auguste de Saint-Hilaire à Joseph Deleuze datada de 23 de outubro de 1819 Clichê Bibliothèque centrale, MNHN.
URL http://books.openedition.org/mnhn/docannexe/image/3192/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 1,3M
Légende Rosa prolíferaOs exemplos da rosa prolífera, monstruosidade onde a parte central da flor é ocupada por uma nova flor, serviram para Goethe de prova das transformações modulares de diversos órgãos das plantas. Este desenho de Klingborg foi feito a partir de uma aquarela de Goethe.
URL http://books.openedition.org/mnhn/docannexe/image/3192/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 232k
Légende Fóssil de gambáO poder de predição do método comparativo de Cuvier lhe conferiu um renome universal. A partir de um fragmento de mandíbula que lhe trazem de uma pedreira de calcário de Montmartre, ele sugere que a procura do resto do esqueleto deve continuar, indicando que a bacia deveria ter dois pequenos ossos característicos dos marsupiais. É, em efeito, o esqueleto de um pequeno gambá que emerge da pedreira. Gravura extraída de Cuvier (Georges), Recherche sur les ossemens fossiles… (1812) Clichê Bibliothèque centrale, MNHN.
URL http://books.openedition.org/mnhn/docannexe/image/3192/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 852k
Légende La Turpinière Solar da família Saint-Hilaire perto de Orléans. Fotografia de 2010 Clichê F. Bouazzat, MNHN.
URL http://books.openedition.org/mnhn/docannexe/image/3192/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 764k
URL http://books.openedition.org/mnhn/docannexe/image/3192/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 1,3M
Légende Tycnanthemum virginicumExsicata e caixa do Herbário de Saint-Hilaire. Acervo do Muséum d’histoire naturelle (Orléans) Clichê F. Bouazzat, MNHN.
URL http://books.openedition.org/mnhn/docannexe/image/3192/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 1,0M
URL http://books.openedition.org/mnhn/docannexe/image/3192/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 160k
Légende Duque de LuxembourgoVista da casa que habitava o Duque de Luxembourgo, Embaixador extraordinário da França no Brasil —em 1816». Gravura extraída de Voyage dans les provinces de Rio de Janeiro… de Saint-Hilaire (1830) Clichê Bibliothèque centrale, MNHN.
URL http://books.openedition.org/mnhn/docannexe/image/3192/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 916k
Légende Índios BotocudosDesenho de Rugendas extraído de Voyage pittoresque et historique au Brésil de Debret (1834) Clichê Bibliothèque centrale, MNHN.
URL http://books.openedition.org/mnhn/docannexe/image/3192/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 1,3M
Légende Campo rupestre Parque estadual de Ibitipoca (2008) Clichê M. G. Lins Brandão.
URL http://books.openedition.org/mnhn/docannexe/image/3192/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 972k
Légende Coleções naturalistasEspécime naturalizado (Chloroenas picazuro) enviado por Auguste de Saint-Hilaire e conservado na zooteca do MNHN. Ao lado, página 2 do «Catalogue des objets renfermés dans une malle…» endereçado ao Muséum d’Histoire naturelle em 1819 Clichês P. Lafaite e F. Bouazzat, MNHN.
URL http://books.openedition.org/mnhn/docannexe/image/3192/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 580k
URL http://books.openedition.org/mnhn/docannexe/image/3192/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 844k
Légende Vocabulário indígena Extraído do tomo 2 de Voyages aux sources du Sao Francisco… (1848) Clichê F. Bouazzat, MNHN.
URL http://books.openedition.org/mnhn/docannexe/image/3192/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 580k
Légende Riqueza mineralExploração de uma pedreira de granito. Gravura extraída de Voyage pittoresque et historique au Brésil de Debret (1834). Clichê Bibliothèque centrale, MNHN.
URL http://books.openedition.org/mnhn/docannexe/image/3192/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 2,0M
Légende Embarque das tropasÀ Prahia Grande, para a expedição contra Montevideo. Prancha 23 (detalhe) extraída de Voyage pittoresque et historique au Brésil de Debret (1834). Litografia de Thierry Frères à partir de um desehno de Jean-Baptiste Debret Clichê Bibliothèque centrale, MNHN.
URL http://books.openedition.org/mnhn/docannexe/image/3192/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 864k
Légende Talauma ovata e T. sellosianaDesehno preparatório de Turpin para a prancha 4 do primeiro tomo da Flora Brasiliae Meridionalis de Auguste de Saint-Hilaire. Em vinheta, folha de rosto da primeira edição (1825) desta flora Clichê Bibliothèque de botanique, MNHN.
URL http://books.openedition.org/mnhn/docannexe/image/3192/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 704k
Légende Índios BotocudosFamília de Botocoudos andando. Prancha 9 extraída de Voyage pittoresque et historique au Brésil de Debret (1834). Litografia de C. Motte à partir de um desenho de Jean-Baptiste Debret Clichê Bibliothèque centrale, MNHN.
URL http://books.openedition.org/mnhn/docannexe/image/3192/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 1,6M
URL http://books.openedition.org/mnhn/docannexe/image/3192/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 412k
Légende Organografia vegetalCortes longitudinais de ovários ginobásicos de Gomphia nana, à placenta central de Samolus valerandii, Lychnis dioica, Portulacca pilosa e Cuphea viscosissima. Figuras extraídas de Saint-Hilaire (Auguste de), Leçons de botanique…, vol. 2, Paris: P. J. Loss, 1841.
URL http://books.openedition.org/mnhn/docannexe/image/3192/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 124k
Légende Deflorestação Minas Gerais, uma paisagem já avistada em seu tempo por Auguste de Saint-Hilaire (2008) Clichê M. G. Lins Brandão.
URL http://books.openedition.org/mnhn/docannexe/image/3192/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 612k
Légende Cybianthus goyazensis.Isótipo coletado por Auguste de Saint-Hilaire na provincia de Goyaz (Brasil) Clichê MJ, MNHN.
URL http://books.openedition.org/mnhn/docannexe/image/3192/img-21.jpg
Fichier image/jpeg, 670k

Auteurs

© Publications scientifiques du Muséum, 2016

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540