Version classiqueVersion mobile

La forêt en jeu

 | 
Laure Emperaire

Resumo

Texte intégral

1Frequëntemente denegrido e apresentado como uma atividade arcaica e incapaz de evoluir, o extrativismo poderia ser hoje apenas um testemunho ultrapassado de um dos numerosos ciclos econômicos que o Brasil viveu. Mas os movimentos politicos dos seringueiros, apoiados pelas reivindicações de diversas instituições e por uma opiniao pública sensibilizada pelos problemas ecológicos, impeliram esta velha atividade para o centro dos debates sobre o manejo da floresta amazônica.

2De 1990 a 1995 o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) e o Instituto Francés de Pesquisa para o Desenvolvimento em Cooperação (ORSTOM) cooperaram em um projeto de pesquisas interdisciplinares sobre o extrativismo na Amazônia Central. Os principais resultados obtidos estão expostos neste livro, sob a forma de artigos curtos. Os objetivos desta publicação, destinada a um público não-especialista, não é o de fazer um levantamento exaustivo sobre uma atividade que apresenta múltiplos aspectos, mas o de apontar pistas para a reflexão e as pesquisas a seu respeito.

3Os artigos estão separados em quatro grupos, que se referem ao extrativismo como um fator histórico de ocupação da Amazônia, às multiplas inserções desta atividade nos sistemas de produção, aos aspectos ecológicos da exploração de algumas espécies vegetais e, por fim, à sua evolução atual.

4Os artigos de Catherine Aubertin, economista, e de Márcio Meira, antropólogo, mostram, sob pontos de vista diferentes, como o extrativismo foi o motor da ocupação da Amazônia e um meio de submissão das populações indigenas e como ele se insere na situação social atual. Catherine Aubertin traça em alguns parágrafos a história do extrativismo, que se confunde muitas vezes com a da Amazônia, e mostra como o postulado do recurso inesgotável, que justificou a continuidade do extrativismo até recentemente, foi substituldo nos dias atuais pela ideologia do desenvolvimento sustentável e da valorização da biodiversidade : realidade ou novo mito?

5Márcio Meira destaca as relações entre os comerciantes e os indigenas do Alto Rio Negro, através do extrativismo da fibra da piaçabeira. Ele mostra o quanto esta atividade desestruturou as sociedades indígenas e como as relações de violência que ela engendrou se perpetuam até os dias de hoje. O extrativismo não representa mais apenas a questão econômica mas ele se tornou também, para estes Índios assim como para os Seringueiros do Acre, uma questão politica e fundiária. Este artigo levanta o problema da dificil mutação cultural imprescindível às organizações locais para a conquista das suas autogestões.

6Arnaldo Carneiro Filho, geógrafo, descreve brevemente a história de Manaus. Ao longo dos cem últimos anos a cidade conheceu dois periodos de desenvolvimento espetaculares. O primeiro está ligado ao comércio da borracha e o segundo à implantação de um forte setor industrial. Porém, tanto um como o outro não puderam garantir um desenvolvimento harmonioso da aglomeração urbana.

7O segundo grupo de artigos destaca o fato de que as atividades extrativistas jamais estão isoladas das outras atividades de produção. Elas constituem quase sempre uma parte não desprezível da renda familiar e um elemento essencial na estratégia econômica familiar. Sob esta ótica, Florence Pinton, sociologa, e Laure Emperaire, botânica, discutem sobre as estreitas ligações entre as atividades extrativistas e a produção da farinha de mandioca. Se por um lado, históricamente, o extrativismo bloqueou o desenvolvimento da agricultura, por outro lado esta última atividade constitui uma estratégia importante para os pequenos produtores que buscam uma autonomia econômica face ao poder do patrão. A farinha é um elemento regulador das tracas econômicas e das relações sociais entre o patrão comerciante e o produtor.

8Henrique dos Santos Pereira, agrônomo, compara os rendimentos energético e econômico da coleta da castanha-do-brasil e da produção da farinha de mandioca pelos Índios Kokamas do Rio Solimões. Apesar do balançõ desfavorável, a coleta da castanha-do-brasil perdura como uma renda complementar e palia os riscos agricolas eventuais.

9O futuro do extrativismo na zona peri-urbana é analisado através das suas relações com a agricultura por Elisabeth Rasse e Véronique Bressolette, agrônomas. Este artigo salienta a continuidade do elemento extrativista dentro dos sistemas agricolas fortemente marcados pela proximidade de um mercado consumidor.

10Em seguida são abordados diferentes aspectos ecológicos do extrativismo. Uma série de mapas traçãdos por A. Carneiro Filho, com base em imagens de satélite, permitem a visualização da importância das atividades extrativistas no Estado do Amazonas.

11Os problemas do impacto são examinados por Danielle Mitja e Jean-Paul Lescure, botánicos, através do exemplo do pau-rosa. Esta é a unica, entre a dúzia de espécies vegetais exploradas na Amazônia sob o modo extrativista, cuja exploraçã apresenta fortes problemas de impacto. O extrativismo do pau-rosa só se mantem hoje em dia graças à existência de territórios ainda cobertos por floresta virgem. Novas formas de gerenciamento da atividade são discutidas : O manejo racional da floresta ou a instalação de plantios desta espécie.

12Laure Emperaire e Danielle Mitja analisam rápidamente os diferentes tipos de manejo da castanha-do-brasil, na floresta, em pastagens e nas capoeiras. Eles demonstram que a transformação do ecossistema original, a floresta, acarreta uma elevada mortalidade e bloqueia os mecanismos de regeneração natural das populações desta espécie vegetal.

13Arnaldo Carneiro Filho mostra como as imagens de satélite podem constitua um importante instrumento de avaliação das potencialidades dos ecossistemas, tomando como exemplo as formações oligospecíficas com predominância de piaçabeiras.

14Iliana Salgado, estudante de botânica, apresenta sucintamente as potencialidades de uma espécie de múltiplas utilizações, a andiroba, explorada tanto por suas sementes como por sua madeira. Este exemplo levanta o problema da exploração florestal face ao extrativismo.

15Aline de Castro, botânica, compara as vantagens de um manejo florestal e de um manejo agro-florestal no extrativismo do açaí-da-terra-firme, cujos frutos constituem a base de um comércio muito ativo em Manaus. O artigo mostra o caráter não-predatório da exploraçã das populações naturais de açais e destaca o seu interêsse em termos da valorização econômica dos espaços pouco propicios às atividades agricolas. Ao mesmo tempo ele aponta o interisse desta espécie nos sistemas agro-florestais. A escolha do tipo de produção parece mais aos fatores fundiário ou da disponibilidade de mão-de-obra na época da colheita do que à renda que ela pode proporcionar.

16Como conclusão desta parte, Laure Emperaire e Jean-Paul Lescure sublinham a importância dos parâmetras bio-ecológicos das espécies exploradas ao longo de uma discussão sobre as potencialidades de valorização do extrativismo. Na verdade estes parâmetros condicionam não somente as capacidades produtivas das espécies mas também as práticas de exploração e, deste modo, a relevância de certos modelos de valorização.

17A última parte é dedicada à identificação das perspectivas de evolução das atividades extrativistas dentro de diferentes contextos. Um artigo de Florence Pinton e Catherine Aubertin analisa a demanda local de criação de uma Reserva Extrativista numa região do Médio Rio Jurua, assim como as articulações necessárias com os setores políticos e econômicos locais para executá-la.

18O caso das Reservas Extrativistas, seu projeto inicial e os problemas que elas tém enfrentado desde então são analisados em algumas páginas por Catherine Aubertin.

19As transições de extrativismo a sistemas agro-florestais são progressivas, e é o que destaca o artigo de Sylvia Bahri, botânica. Algumas espécies, em principio exploradas no estado selvagem, na floresta, são inseridas em sistemas agro-florestais que preservam assim uma certa biodiversidade, além de poderem responder a uma procura do mercado consumidor muito mais intensa.

20Márlia Coelho Ferreira, estudante de botânica, faz um levantamento das plantas medicinais em Manaus. Apesar da grande diversidade de espécies selvagens ou cultivadas que são comercializadas nos mercados, os laboratórios farmacêuticos só utilizam um pequeno numéro. Tal situação ilustra o problema da valorização da biodiversidade.

21O artigo de Catherine Vial-Debas, botânica, é uma abordagem original do extrativismo. A autora analisa as perspectivas de evolução do mercado de um produto extrativista, o óleo essencial de pau-rosa. As concorrências com produtos sintéticos, ou produtos obtidos através de cultivo, em relação às vantagens do produto genuíno de origem florestal são examinadas. Este artigo destaca a necessidade da complementaridade de estudos sobre o extrativismo entre os coletores locais, os cientistas e os industriais.

22Finalmente Jean-Paul Lescure faz um levantamento sobre o conjunto de resultados e os situa no contexto geral da utilização e da valorização dos produtos florestais não-lenhosos. Ele mostra particularmente os limites e as vantagens do extrativismo dentro das novas opções de desenvolvimento, associando a valorização e a conservação da biodiversidade.

© IRD Éditions, 1996

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search