Version classiqueVersion mobile

Enfrentando os limites do crescimento

 | 
Philippe Léna

Sustentabilidade: o campo de disputa de nosso futuro civilizacional206

Elimar Pinheiro do Nascimento

Texte intégral

Introdução

  • 206 Meus agradecimentos a Fabiano Toni, Letíca Ramos, Philippe Lena e Aristides Coelho pelas diversas (...)
  • 207 Além desse artigo de 2011 há um outro no prelo, em livro que está sendo organizado pela Embrapa.

1O presente texto é um ensaio que retoma e aprofunda uma ideia já desenvolvida em outras ocasiões (Nascimento, 2011)207 sobre a possível conformação de um campo social novo. Denomino-o de campo da sustentabilidade. Diz respeito à forma de evolução de nossas sociedades, e como garantir a reprodução da espécie humana em boas condições. Ele ganha visibilidade, sobretudo, nas discussões em torno do modelo de desenvolvimento, nas controvérsias em torno da mudança climática ou nas interpretações em torno do conceito de sustentabilidade, entre outros.

  • 208 Ver, entre outros: Sachs (1980); Baker et al. (1997); Jacobs (1999); Paulet (2005); Wackermann (20 (...)

2Sustentabilidade tem hoje muitas definições. No geral elas remetem à dimensão ambiental (nesse caso nasce do conceito da biologia de resiliência) ou à articulação entre a economia e o meio ambiente (ecoeficiência, economia verde) ou, finalmente, à equidade social. No fundo trata-se de construir um modelo de desenvolvimento que permita conservar a natureza de forma que as futuras gerações possam gozar de um meio ambiente equilibrado e, ao mesmo tempo, garantir que todos os homens e mulheres possam usufruir de uma vida minimamente digna. O conceito remete, portanto, a durabilidade do gênero humano em condições de justiça social, em que todos os seus membros possam desenvolver suas potencialidades.208

3Conceber a sustentabilidade como um campo não constitui uma ideia de todo original. A ideia de campo encontra-se em Bourdieu (1983, 1996, 2000 e 2012), e é um dos pilares de sua obra. Sua aplicação no terreno do desenvolvimento sustentável (ds), a desenvolvi, de forma muito incipiente, em um texto datado de 2011 (Nascimento, 2011). Pouco depois encontrei essa ideia de campo em trabalho anterior de Nobre e Amazonas (2002), mas pouco desenvolvida. Por outro lado, as ideias aqui expostas foram, em parte, objeto de debate nos cursos que ministro com o professor e economista Maurício Amazonas, na pós-graduação do Centro de Desenvolvimento Sustentável (cDs/UnB).

4Na hipótese de que os movimentos em torno da sustentabilidade estão se articulando na construção de um novo campo for real, isso significa, imediatamente, que sustentabilidade deixou de ser um conceito, uma noção ou um valor, para se tornar uma arena de disputa com objetos, agentes e regras próprias. A ideia de sustentabilidade ganha, assim, uma nova configuração.

5Como todo debate em torno da sustentabilidade remete à questão do futuro de nossas sociedades, talvez não seja um campo novo, mas um velho campo ocupado por novos personagens. Afinal, os homens e mulheres sempre se ocuparam de antever o seu futuro, de imaginar o rumo de suas vidas e sociedades, de antecipar as consequências de suas decisões e, mesmo, de construir cenários. Prefiro pensar que não, que de fato estamos diante da gênese de um campo novo, que não se confunde com o campo científico, embora dele se alimente, em parte, de seus debates; não se confunde com o campo da ciência económica, embora essa disciplina e seus profissionais estejam presentes; nem com o campo político, embora com ele mantenha estreitas relações. Como mantém, igualmente, relações especiais com o campo empresarial, as ciências sociais e o campo jornalístico.

6Essa hipótese – pois disso é que se trata – está respaldada no fato de que o campo da sustentabilidade, apesar de sua imensa polifonia, tem regras próprias de ingresso, regularidades próprias do jogo, agentes identificáveis, capitais específicos e formas de desempenho e reconhecimento que lhe são exclusivas. É claro que tais especificidades não impedem que o campo compartilhe elementos comuns a outros campos, como aliás reconhece Bourdieu. Isso ocorre, em geral, com todos os campos.

7Qual a utilidade de ver a sustentabilidade como um campo, e não como um conceito ou um valor? Em primeiro lugar, possibilita identificar melhor as regras e lógicas dos debates que se desenvolvem em torno do futuro da humanidade, e que dizem respeito à ideia da sustentabilidade. Em segundo, é possível comparar esse embate com outros, que marcam outros campos, e isso de forma mais objetiva. Em terceiro, permite compreender melhor as razões dos embates e seus desdobramentos, ou seja, entender melhor por que os embates ocorrem de uma determinada forma e não de outra. Em quarto, propicia a identificação de seus agentes ou atores, assim como os recursos que eles detêm, e, em particular, entender o que isso significa. Enfim, coloca a questão da sustentabilidade em um terreno menos favorável à pura especulação, e mais propícia à análise objetiva. Do ponto de vista político, “obriga” todos os participantes a “sentarem à mesa e discutirem suas divergências”.

8No campo da sustentabilidade a ideia ou corrente do desenvolvimento sustentável ocupa uma posição hegemônica, obrigando as outras correntes a ela se referirem. Com isso controla, em grande parte, os capitais próprios ao campo, sobretudo na esfera da mídia.

9Para expor a hipótese dividi este texto em três partes, ademais de sua introdução e conclusão. E não me canso de prevenir o leitor de que se trata de uma leitura preliminar.

10Na primeira, descrevo brevemente o conceito de campo. Esse exercício tem duas finalidades. Possibilitar o diálogo com aqueles que não são sociólogos, e, portanto, não têm qualquer obrigação de conhecer os trabalhos de Bourdieu, e menos ainda o conceito de campo, é a primeira finalidade. A segunda é de estabelecer os critérios mais fundamentais da definição e compreensão de um campo, para poder adentrar a segunda parte do texto.

11Na segunda parte tento “demonstrar” – na verdade trata-se mais de uma ilustração – como os elementos fundamentais do conceito de campo se aplicam ao novo campo da sustentabilidade. Em particular, destaco a condição de ingresso, as regras do jogo, os agentes, a natureza das lutas, os tipos de capital e o desempenho e reconhecimento dos agentes. Contudo, não deixo de alertar sobretudo para as diferenças, e que não se trata de um campo disciplinar mas interdisciplinar, que envolve profissionais de áreas diferentes. Se a origem dos agentes é variada, o mesmo ocorre com os saberes e as práticas que circulam no campo.

12Na terceira parte, chamo a atenção para duas correntes transversais ao campo, sempre a título de ilustração. A primeira, no que se refere à condição de ingresso no campo da sustentabilidade: a compreensão da ameaça que paira sobre nossas cabeças. E a segunda, como se organizam os agentes em subcampos específicos na dimensão solucionai, que consiste em indicar qual a forma de neutralizar e superar a ameaça.

13Concluo, enfatizando mais uma vez o caráter exploratório do texto, sinalizando algumas questões a serem aprofundadas, para que a hipótese ganhe mais consistência e relevo.

A noção de campo em Bourdieu

14Supondo que nem todos os leitores são sociólogos e, portanto, não têm obrigação de conhecer o conceito de campo criado e desenvolvido por Pierre Bourdieu, passo a dizer em que ele consiste, de forma breve. O faço também por uma questão metodológica. É que este exercício me permitirá deixar claro quais são os elementos fundamentais que sustentam o conceito de campo em Bourdieu, para ver em seguida se há pertinência de sua aplicação no novo campo da sustentabilidade.

15O que é um campo para Bourdieu?

16Quase trinta anos depois de formular e desenvolver a noção de campo social, ou simplesmente campo, Bourdieu o definiu, em seu curso no Collège de France, em 1990, da seguinte forma: “Um campo é um jogo que se joga segundo as regularidades que estão nas regras, mas onde se pode também jogar para transformar as regras ou as regularidades” (Bourdieu, 2012:156). Portanto, o campo é um jogo, mas que não se joga de qualquer maneira ou mesmo como qualquer jogo. Como todo jogo tem suas regras, mas diferentemente dos jogos comuns, suas regras não lhes são externas, mas intrínsecas. Elas mesmas contribuem para a criação do campo, sua manutenção e reprodução, e são construídas pela conformação deste. Dito nas palavras do sociólogo francês: “as regras são regularidades implícitas, ignoradas na maior parte do tempo pelos jogadores, controladas em estado prático sem que os jogadores sejam capazes de lhes explicitar. Elas não são estáveis, à diferença dos jogos; e não são exteriores ao jogo”. (Idem, p.156)

17Assim, em geral as regras que regem o funcionamento dos campos não são explícitas, existem no estado prático: “Em um campo as regras possuem uma regularidade implícita, apenas uma pequena parte dessas regularidades alcança o estado explícito..(idem, p.155), o que torna difícil o ingresso e a participação em um campo, requerendo energia e tempo dos postulantes.

18Para se jogar o jogo, ou seja, para se pertencer a um campo, é necessário conhecer as regras (mesmo em estado prático) e obedecê-las, Isso não implica que elas não possam ser objeto de contestação e de mudança. Aliás, elas o são, sempre. Nesse caso, a diferença com um jogo qualquer, como o jogo de xadrez, é notória, pois neste joga-se conforme as regras e jamais contra elas. A mudança em geral é produzida pelos novos ingressantes no campo (heréticos) contra os já antigos, que defendem a manutenção do status quo (ortodoxos).

19Os habitantes de um campo, denominados de agentes, podem ser uma pessoa (um político, um escritor ou um cientista renomado, por exemplo), um grupo de pessoas (os parnasianos no campo literário, os biólogos no campo científico ou a bancada ruralista no campo político), uma organização (uma editora, uma universidade ou um partido político) e mesmo uma instituição (os clubes literários, a escola pública ou o Parlamento). O que comprova sua presença em um campo é sua capacidade de produzir efeitos nesse campo: “reconhece-se a presença ou existência de um agente em um campo ao fato de que ele transforma o campo”. (Bourdieu, 2000:60)

20A noção de campo em Bourdieu remete a um espaço definido em que os agentes ocupam posições determinadas, sempre em relação uns com os outros. Segundo suas próprias palavras:

O campo é uma rede de relações objetivas (de dominação ou de subordinação, de complementaridade ou de antagonismo etc.) entre posições... Cada posição é objetivamente definida por sua relação objetiva com outras posições ou, em outros termos, pelo sistema das propriedades pertinentes, isto é, eficientes, que permitem situá-la com relação a todas as outras na estrutura da distribuição global das propriedades. (Bourdieu, 1996, p. 261)

21Ao criar a noção de campo como um espaço específico, com regras que lhe são próprias e, portanto, distintas de outras, Bourdieu centrou a análise sociológica não sobre pessoas ou objetos, mas sobre relações sociais. Relações que ocorrem em lugares definidos, sob contextos diferenciados. E que, por isso mesmo, não são as mesmas em toda a sociedade. Com isso, foi possível pensar a existência de campos diferenciados como o político, o literário, o científico, o artístico, o religioso, o econômico, o filosófico, e assim por diante. Cada um desses espaços tem regras de acesso e funcionamento próprias, e distintas dos demais campos. As regras que regem a produção e consumo das obras literárias não são as mesmas que regem a produção e o consumo dos produtos científicos, e seus agentes também são distintos. Em geral os escritores escrevem para o grande público, os cientistas escrevem para os seus pares. Os escritores necessitam do reconhecimento dos críticos, das editoras, mas também do público leitor. Não há escritor sem leitores, embora possa existir com poucos leitores, e muito prestígio entre os críticos. Os cientistas, por sua vez, necessitam apenas do reconhecimento de seus pares. Por isso mesmo eles escrevem para seus pares e concorrentes, e desejam que eles o considerem. O reconhecimento da sociedade é uma decorrência, e pode ou não ser relevante.

  • 209 Autónomo, segundo a etimologia, quer dizer que tem a sua própria lei, seu próprio nomos, que tem n (...)

22Os campos, quanto mais estruturados, mais autónomos209 se apresentam, mais fechados, mais voltados para si mesmo. Com regras rígidas de ingresso, como também de discurso e prática. Não se pode dizer qualquer coisa em qualquer campo. Os discursos econômicos obedecem aos cânones da economia, à sua linguagem própria, aos seus conceitos e parâmetros, assim como o discurso dos políticos, aos do campo da política, e os da filosofia, aos do campo filosófico. A forma de fazer o discurso, de agir, de se posicionar distingue os iniciados dos profanos, os profissionais dos amadores. Profanos e amadores são aqueles que não pertencem ao campo, e portanto não têm voz. Por isso, qualquer ataque a uma tese económica não tem valor se não for realizado por um economista, reconhecido como tal por seus pares. Quem não sabe divergir em termos polidos não tem guarida no espaço do dissenso organizado que é o Parlamento. Quem não conhece a história da filosofia, seus problemas e soluções, não tem a pertinência para discutir filosofia. Será simplesmente desprezado por seus profissionais.

Efetivamente, o campo é um microcosmo, uma espécie de mundo separado, fechado sobre si mesmo, em grande parte, mas não completamente, senão a vida política seria impossível, mas bastante fechado sobre si mesmo e bastante independente do que se passa no exterior [...] uma parte dos problemas políticos apresentados como relevantes, o são apenas para os políticos... especialmente porque lhes permite estabelecer diferenças entre eles. (Bourdieu, 2000:35)

23Com a noção de campo Bourdieu encontrou uma solução ao dilema que opõe aqueles que queriam entender os fenômenos sociais em sua essência, de per se (análise da obra pela obra), em contraposição aos que queriam explicar todos os fenômenos sociais por suas determinações económicas (determinações em última instância). Com seu trabalho sobre o campo literário, por exemplo, colocou as obras dentro de um contexto específico de sua produção, aceitação e consumo, com suas regras e lógicas próprias, retirando-a de um universo geral e impreciso que é o social. Resolveu, assim, as tensões entre o macro e o micro, entre o objetivo e subjetivo, pois, com a noção de campo “...as determinações económicas ou morfológicas exercem-se apenas através da estrutura específica do campo e podem tomar rumos inteiramente inesperados..." (1996:262). Afinal, elas são traduzidas na linguagem do campo específico, e são apropriadas ou sofridas por seus agentes em conformidade com as regras do campo.

24Se o campo é um espaço de luta, de afrontamento, em torno de que se realizam estas lutas? Essa questão suscita, evidentemente, respostas distintas, conforme o campo de que se esteja falando. Tomando o campo político como exemplo é claro que os participantes do jogo da política têm como objetivo o acúmulo de poderes. Estes se revestem da forma de capital, que aqui, sobretudo, é a reputação. Dela decorre a capacidade de estabelecer a divisão interna, a distância entre seus pares, e a visão de sociedade que lhe é peculiar, alimentando o seu prestígio político. Ou seja, a capacidade de fazer e desfazer (regras, cargos, alocação de recursos, etc.) no Estado e na sociedade.

25Os campos em geral são microcosmos do macrocosmo social, mas dentre eles um tem mais destaque. O campo de poder, que

[...] é o espaço das relações de forças entre agentes ou instituições que têm em comum possuir o capital necessário para ocupar posições dominantes nos diferentes campos... Ele é o lugar de luta entre detentores de poderes diferentes que... tem por aposta a transformação ou a conservação do valor relativo das diferentes espécies de capital que determina, ele próprio, a cada momento, as forcas suscetíveis de ser lançadas nessas lutas. (Bourdieu, 2000, p. 244)

  • 210 O leitor deve ter presente que a noção de capital (económico, político, social etc) em Bourdieu é (...)

26Os campos são formados basicamente por agentes, regras, posições, lutas, desempenhos e capitais. Estes últimos podendo ser econômico, cultural ou relacional. Os capitais têm significação e valor distinto em cada campo. Assim, o capital cultural não é muito relevante no campo empresarial. Nesse caso, os capitais económicos e relacionais são os mais importantes. Já no campo filosófico, embora o capital económico possa vir a jogar um papel importante, o destaque cabe ao capital cultural. Para o jornalista o papel central em seu desempenho é o capital social ou relacional, sua capacidade em obter e acessar fontes de qualidade.210

27Finalmente, deve-se destacar que os campos são construtos sociais. Não existem sempre, tomam tempo a se constituir e estão em permanente mudança, em função dos embates em seu interior, do ingresso de novos membros, das mudanças de suas regras, mas também em função de seu diálogo com o contexto em que estão inseridos, ou seja, no macrocosmo social.

28Resumindo, um campo é um espaço específico de luta entre agentes que ocupam posições na estrutura do campo. Mesmo no caso do campo literário ou artístico. O embate entre agentes desenvolve-se segundo regras que são próprias a cada campo. O resultado dessas lutas depende da posição ocupada pelo agente na estrutura que conforma o campo. A hierarquia entre os agentes se estabelece pela detenção de maior ou menor capital, particularmente aquele que detenha uma centralidade no campo. Todo campo tem também regras de acesso e, consequentemente, de exclusão, Finalmente, o campo detém uma estrutura. Nas palavras de Bourdieu: “A estrutura do campo é um estado de relações de força entre os agentes ou as instituições engajadas na luta... da distribuição do capital específico.” (Bourdieu, 1983:90)

O campo da sustentabilidade

29A hipótese que guia este texto é a de que a produção e a dinâmica ocorrida no mundo inteiro, e com enorme profusão, em torno da sustentabilidade, desde a quarta parte do século passado, estão se constituindo em um campo específico, um campo de forças, na linguagem de Bourdieu. Como todo campo, tem propriedades próprias, distintas, mas também comuns, sendo fronteiriço a outros, sem com eles se confundir, como os campos científico, o filosófico e o político. Tem regras de acesso e funcionamento, agentes, objetos em disputa e conflitos próprios.

30Por outro lado, de formação recente, o campo da sustentabilidade é diferente daqueles estudados e descritos por Bourdieu, em vários sentidos. Citemos dois exemplos. Este procedimento nos permitirá identificar os agentes desse novo campo e algumas diferenças com outros, e nessa diferença será possível compreender melhor em que ele consiste.

31Primeiro, não se trata de um campo em que circula saberes disciplinares como o campo científico em suas origens, mas interdisciplinar. Nele não residem profissionais de uma disciplina, navegam vários profissionais, provindos do campo científico: economistas, ecólogos, físicos, matemáticos, geólogos, climatólogos e geógrafos, entre outros. Do campo das engenharias provêm diversos tipos de engenheiros: florestais, agrónomos, ambientais, hídricos, elétricos etc. Do campo das ciências sociais provêm sociólogos, cientistas políticos e antropólogos. A interdisciplinaridade advém da própria noção de sustentabilidade que congrega diversas dimensões da vida social, entre as quais a ambiental (conservação, uso racional, resiliência), a económica (ecoeficiência, economia verde, energia renovável, economia descarbonizada, desacoplagem) e a social (equidade, extinção da fome, redução da desigualdade, oportunidades iguais). Mas também outras dimensões como a ética, a cultural, a tecnológica, a espacial, a demográfica, a religiosa, a políticoinstitucional e assim por diante.

32Em segundo, em decorrência da distinção anterior, no campo da sustentabilidade circulam diferentes saberes e práticas, e distintos profissionais, como os empresários, jornalistas, políticos, autoridades governamentais, tecnocratas e mesmo teólogos e escritores. Pela breve descrição das profissões percebe-se que estão presentes, além de conhecimentos disciplinares e interdisciplinares, saberes filosóficos, jurídicos, práticos, populares e tradicionais. Saberes que advêm da prática dos engenheiros, dos empresários e inventores diversos; conhecimentos e práticas de movimentos sociais, sindicatos, associações e ongs.

33Essa breve descrição de agentes, relacionados ao caráter interdisciplinar e de mútuos saberes do campo da sustentabilidade, permite outra distinção. Não se trata de um campo específico aos profissionais que tratam de meio ambiente ou dos movimentos ambientalistas. Estes estão presentes, mas ao lado de outros que são tão ou mais importantes, porque a sustentabilidade não é entendida como exclusivamente ambiental, ela é multidimensional, como já citado.

34Por isso, ao lado de cientistas, professores e pesquisadores nos deparamos no campo da sustentabilidade com índios, quilombolas, ribeirinhos, pequenos agricultores, catadores de papel, trabalhadores fabris, educadores, empresários, jornalistas, além de militantes de diversos movimentos, como dos ambientalistas, das mulheres, dos jovens, dos trabalhadores e assim por diante.

35Se os agentes do campo da sustentabilidade são marcados por uma enorme diversidade – há uma profusão de vozes e praticas extraordinárias –, é pertinente perguntar: Como uma multiplicidade de profissionais (agentes) e saberes pode vir a constituir um campo, com regras específicas e conflitos particulares? O que os une, então, e os distingue dos outros campos e do macrocosmo social?

36A legitimidade de pertencimento dos agentes, assim como de seus discursos e práticas, nasce da referência aos dois polos mais relevantes do campo, que delimitam suas fronteiras: a ideia de que a humanidade está ameaçada e as proposições e medidas que são desenhadas para superar a ameaça.

37Na prodigalidade dos discursos dos agentes que habitam o campo da sustentabilidade, há um elemento que os une e dá legitimidade a sua presença no campo: todos os discursos, em sua megadiversidade, referem-se, com linguagens distintas, direta ou indiretamente, a uma única questão – a preocupação com o futuro da humanidade. Ou seja, a capacidade do gênero humano em prolongar sua presença na Terra, de forma confortável, digna, senão para todos, pelo menos para segmentos significativos. Isso significa, entre outras coisas, que todos os agentes dos campos da sustentabilidade compartilham uma crença comum, a de que pairam ameaças sobre a reprodução da humanidade, de nossa sociedade, do patamar civilizacional alcançado. E como decorrência dessa percepção, a crença de que a sustentabilidade está perdida ou sendo perdida, e temos que construí-la ou reconstruí-la. A sustentabilidade, diante da ameaça, passa a ser um valor de envergadura ímpar e, simultaneamente, um campo de luta, pois as concepções sobre ela são diversas e contraditórias.

38Há uma questão nesse aspecto que poderia derrubar nossa hipótese: a crença em ameaças à humanidade não é uma questão precedente? Sim, mas hoje é bem distinto. Senão vejamos.

39O precedente que nasce no século xix e adentra o xx encontra-se nas matrizes do pensamento de esquerda: anarquismo, socialismo e marxismo. Em resumo, elas afirmavam, em sua diversidade, que o desenvolvimento do capitalismo aumentava as contradições da sociedade e produzia o empobrecimento do proletariado e o subdesenvolvimento dos países colonizados. Degradava, portanto, as condições de vida da maior parte da humanidade. Duas são as distinções com o campo da sustentabilidade: a) não havia uma ameaça ao conjunto da humanidade; b) o empobrecimento do proletariado, pelo menos nos países desenvolvidos, demonstrou-se, por largo tempo, falso, e no caso dos países dominados do sul, é (foi) uma verdade para uma parte deles.

40O segundo precedente nasce em meados do século xx com a invenção da bomba atômica e o surgimento da Guerra Fria, basicamente entre Estados Unidos (e Europa Ocidental) de um lado, e urss (e países socialistas-marxistas) de outro. Dois blocos, cada qual com uma cabeça dirigente. De fato, pela primeira vez em sua história o homem era capaz de destruir o homem. A humanidade estava ameaçada. Mas essa ameaça estava nas mãos de dois governos. Todos os outros atores podiam pressionar, aplaudir, contestar, repudiar seus atos, mas estavam fora da órbita de decisão. Durou pouco mais de quarenta anos. E se desfez com a falência da urss. Se era um campo, era restrito à dimensão político-militar e dois governos, e sua crença tinha raízes nos países do norte, Europa em particular. A Ásia, exceto talvez a China e a Coreia do Norte, a África e a América Latina, talvez com exceção de Cuba, ou seja, o Sul não partilhava realmente desse sentimento. Era-lhes muito distante, ademais estavam ocupados com outros problemas muito mais prementes: como a avassaladora pobreza da maioria de seus habitantes. Hoje a crença na possibilidade do desaparecimento da humanidade é mais generalizada e, simultaneamente, mais difusa.

41Portanto, a porta de entrada no novo campo (a regra de ingresso) é essa crença, mais ou menos difusa, mais ou menos genérica, de que a humanidade está ameaçada, por uma crise ambiental pouco compreendida, e uma crise econômica que se manifesta de maneira intermitente. E se não a humanidade, pelo menos o legado civilizacional construído ao longo dos últimos quatro séculos está ameaçado. Ambas as crises, e é importante frisar, resultado de ações antrópicas difusas, com fontes e resultados globais. Com minhas desculpas aos inúmeros divergentes, a crença pode assim ser resumida: vivemos uma crise global que ameaça a humanidade ou pelo menos suas condições de vida atual.

42Se a crença na ameaça e no valor da sustentabilidade, entendida como capacidade de reprodução de um sistema e seu contexto, já que aquele não vive isolado, constitui o terreno comum que agrega os diversos agentes supracitados, tais agentes se distinguem no que diz respeito tanto à interpretação do que consiste essa ameaça, quanto às soluções propostas para enfrentá-las. Nesse aspecto os agentes do campo da sustentabilidade não partilham de qualquer consenso. O dissenso os joga para posições distantes, conflituosas e dialógicas. Vivem em embate constante, trocando fortes críticas entre si. A luta se faz basicamente em torno da interpretação da natureza e premência da ameaça e das medidas para neutralizá-la.

43Essa luta implica o acesso e posse de capitais, pois a força dos agentes depende basicamente do capital que controlam. O capital económico, ou seja, recursos para obter informações, tempo, participação, circulação e produção; o cultural, o grau de informações e conhecimentos que detêm e produzem sobre a problemática da sustentabilidade, que por ser complexa demanda muito tempo, energia e recursos para o seu pleno domínio; social ou relacional, que se mede pela capacidade de mobilizar outros agentes, de os conhecer e de ser reconhecido.

44O desempenho do agente depende, assim, de sua capacidade em ter legitimidade para falar e ser escutado, e de mobilizar forças e poderes em sua posição, ou na direção de suas proposições. Mas também depende da posição ocupada pelos agentes na estrutura do campo.

45Nesse aspecto é bom enfatizar que o campo é formado por cinco esferas principais:

  1. a governamental, composta pelos organismos multilaterais (como onu, pnuma, pnud, fmi, oms, oit, Unesco), pelos arranjos governamentais (G20, G77), e pelos diversos governos do mundo, cada qual com seus recursos e reconhecimento.
  2. a do mercado, composta pelas empresas e empresários e suas associações e fóruns distribuídos em todo o mundo, alguns de caráter internacional e outros, nacional, como o Conselho Brasileiro Empresarial de Desenvolvimento Sustentável, o Instituto Ethos etc.
  3. a do terceiro setor, formada pelas ongs e pelos movimentos sociais, cerne mais duro da sociedade civil, com seus atores nacionais relevantes (trabalhadores, mulheres, jovens, ambientalistas etc.) e os novos atores globais, como o Fórum Social Mundial.
  4. a da mídia, que inclui as redes sociais, composta pelos veículos e empresas de comunicação (internet, tv, rádio, jornais, revistas etc.), as editoras, redes sociais na internet e as iniciativas locais e informais que pululam em diversos territórios do mundo.
  5. a da ciência e tecnologia, formada pela academia, os institutos de pesquisa e seus profissionais, pesquisadores e cientistas, as revistas, os Congressos e eventos assemelhados (simpósios, seminários, encontros etc.).

46Evidentemente, como em todo campo, os agentes e seus formatos organizativos não têm a mesma posição, não estão distribuídos igualmente, são assimétricos. As revistas acadêmicas têm prestígios diferentes, como as ONGs, os centros de pesquisa e formação, as empresas, os fóruns, os organismos internacionais e assim por diante. Os próprios temas objeto de estudo, discussão e proposição são revestidos de uma hierarquia. As agendas, ambiental ou de desenvolvimento, nacionais ou internacionais, são marcadas diferentemente. O tema da mudança climática, por exemplo, é, provavelmente, o mais nobre hoje no mundo, pois disseminou-se a crença de que existe um aquecimento global em curso, e este aquecimento tem um percentual importante de responsabilidade antrópica, e suas consequências vão acarretar perdas econômicas e humanas consideráveis nas próximas décadas, quando ainda muitos de nós estarão vivos. Afinal, como será abordado em seguida, a ele estão associadas as diversas versões da ameaça.

47O grau de desempenho, e, com ele, o de reconhecimento, define quem participa, além dos governos, das reuniões multilaterais em torno dos temas que abarcam aspectos centrais da sustentabilidade, como as mudanças climáticas, a biodiversidade, a gestão dos recursos hídricos, a desertificação, as mudanças económicas, a renovação das fontes energéticas, e assim por diante. Mas também o reconhecimento e a legitimidade dos governos. Afinal, os agentes ocupam posições hierárquicas na estrutura do campo.

48É essencial ter presente que se trata de um campo recente, cuja gênese data de meados do século xx, e cuja trajetória é relativamente conhecida e normalmente relacionada às grandes iniciativas governamentais, como a Conferência de Estocolmo de 1972, a Cúpula do Mundo em 1992, no Rio de Janeiro, a criação do pnuma, as diversas reuniões internacionais em torno das mudanças climáticas e da biodiversidade, entre outras. Outra linha normalmente percorrida para traçar a trajetória formativa do campo da sustentabilidade constitui-se das obras marcantes nesse período, em particular a de Rachel Carlson (2010), a de Meadows e colaboradores (1972), passando pelo relatório famoso da ex-ministra da Noruega, Gro Brundtland, em 1987, até o último relatório do ipcc de 2007. Já existe uma farta literatura narrando e interpretando todos esses acontecimentos e obras.

49Contudo, existem outros eventos, dezenas, milhares, milhões que mostram, desde meados do século passado, como o campo da sustentabilidade se forma. Citemos alguns, a título de exemplo ou ilustração:

  • A criação de centros de estudos, pesquisas e formação na área da sustentabilidade – que no mundo inteiro ganhou dimensões exponenciais na dobra do século anterior para o atual, sobretudo no campo da pós-graduação –, e a elaboração de milhares de dissertações e teses doutorais.
  • O surgimento de revistas científicas dedicadas ao tema da sustentabilidade, ou que a esta temática se abriram, e que ultrapassam uma centena no mundo inteiro, além das revistas de vulgarização, sem contar a publicação de livros, folhetos e revistas tipo magazines.
  • A criação de oficinas, bureaux, departamentos e similares em agências multilaterais, governamentais e empresariais; nenhuma grande empresa no mundo pode se dar ao luxo de não ter um departamento voltado às ações de responsabilidade socioambiental.
  • A ocorrência de congressos, seminários, simpósios e similares sobre o tema, em todo o mundo.
  • A criação de novas ONGs, ou a transformação de algumas, voltadas para a questão da sustentabilidade ou do desenvolvimento sustentável.

50O tema está na mídia, nas escolas, nas famílias, nas conversações corriqueiras de milhares de pessoas no mundo inteiro, cotidianamente.

51Houve, no entanto, ocorrências, obras e embates menos conhecidos do grande público, mas que tiveram uma enorme relevância na constituição desse campo. Um deles, sem dúvida, refere-se ao trabalho, a obra e aos debates que envolveram Nicholas Georgescu-Roegen. O economista romeno mostrou que a ciência econômica é limitada e não compreende o fluxo económico na sua integridade, pois descola o processo de produção e consumo da natureza, cria um sistema isolado, povoado por personagens dotados exclusivamente de racionalidade instrumental. Assim, a economia convencional desconhece o esencial – que o fluxo de produção é na realidade um processo de transformação de material e energia, submetido como todo processo similar à lei da entropia. Portanto, todo o processo produtivo transforma energia utilizável em energia não utilizável. E mais ainda, esse metabolismo cria necessariamente resíduos, que não são, em grande parte, facilmente absorvíveis pela natureza. Com um detalhe: esse metabolismo tem limites, afinal, a natureza é depositária de recursos finitos.

52O deslocamento que Georgescu-Roegem (1999) produz, não apenas, impacta o pensamento económico, mas também nossa concepção sobre a natureza, e sobre a impossibilidade da manutenção de nosso modelo económico. Desenha cientificamente uma ameaça potencial, que aos poucos se concretiza.

  • 211 Ver sobre esses autores as bibliografias dos textos de Flipo e Martínez-Alier neste livro.

53Mas há muitas outras obras e debates que provocam mudanças no mundo da interpretação das relações do homem com a natureza. Ivan Ilitch é um desses intelectuais que ainda nos anos 1960 produz uma obra importante na demonstração do princípio de inflexão no uso de determinadas técnicas e práticas, como a forma de mobilidade urbana ou a medicalização crescente da sociedade (2005). E, ao lado dele podem-se citar centenas de outros.211

54Resta ainda estudar em profundidade o conjunto desses processos formativos do campo da sustentabilidade e suas mútuas relações. De maneira idêntica, estudar a forma como o campo recebe as pressões e demandas do macrocosmo social, e como as traduz segundo suas próprias regras. Questões que aqui não temos condições nem espaço de colocar.

Fronteiras do campo: acesso e subcampos

55Uma questão importante em relação à constituição e à consolidação do campo da sustentabilidade é a liga que o amálgama, as linhas que tecem o campo, distinguindo-o de outros, dando-lhe uma especificidade própria.

56Devem existir vários mecanismos e regularidades que cimentam os diversos agentes entre si, além da crença comum de uma ameaça à humanidade e de soluções para fazer face a essa ameaça. No entanto, suas interpretações e proposições fazem parte dessas linhas, pois agrupam os iniciados em correntes, ou subcampos, que se distinguem uns dos outros. Agentes que habitam as diversas esferas supracitadas, e se defrontam. Por essa razão, é relevante abordar esses dois aspectos que conformam a fronteira do campo da sustentabilidade.

57A ameaça é desenhada distintamente nos discursos dos agentes, em um gradiente que vai do radical ao moderado. Para captar esse desenho utilizo um recurso de simplificação, mostrando quatro leituras habituais e que gozam de prestígio e legitimidade diferenciados.

58A versão mais popular dessa ameaça, no sentido de mais primária e não de mais aceita, é que ela consiste no comprometimento do planeta Terra, na sua manutenção. A Terra estaria ameaçada. E essa ameaça advém das mudanças climáticas, em particular do aquecimento global. Aquecida, a vida se tornaria inviável, e o planeta se tornaria um imenso deserto, submetido a variações climáticas irresistíveis. Claro que essa forma vulgar não tem muita consistência lógica, mesmo porque, deserto, o planeta continuaria seu curso. Não deixa, porém, de se constituir em um apelo mediático interessante, sobretudo para os que são pouco informados, leia-se, provavelmente a maioria das pessoas. Daí onde decorre a proclamação: “Salvemos o planeta! Salvemos a Terra!”.

59A segunda versão, muito difundida, é que a vida, e não o planeta, estaria ameaçada. Em particular, o aquecimento global, mas também, embora de menor monta, e como variáveis dependentes, a destruição da biodiversidade, dos solos e dos recursos hídricos, seriam os seus fatores responsáveis. Claro que aqui também o desconhecimento científico é grande, na medida em que se desconhece que a Terra já esteve mais quente, inclusive por ocasião do surgimento da vida. Várias bactérias vivem e se reproduzem a temperaturas em que não conseguiríamos sobreviver, como 70°C. E caso o cenário do aquecimento global em sua forma mais radical ocorra, elas estarão lá para dar surgimento a formas mais complexas de vida, passados alguns milhões de anos, como já ocorreu em nosso planeta. O mais provável é que o planeta se livre de nós, como um cachorro de uma pulga.

60A terceira versão da ameaça encontra-se traduzida na afirmação de que o gênero humano seria extinto. É interessante que, aqui também, o papel central da fonte da ameaça reside no aquecimento global, sem desconhecer os outros fatores que, como anteriormente, funcionam como variáveis dependentes. E ela supõe, igualmente, a ocorrência dos piores cenários desenhados pelo ipcc. Aparentemente, é uma versão muito difundida, inclusive entre setores escolarizados da classe média. Se situaria em uma escala de probabilidade com mais chances de ocorrer do que as anteriores. Ou seja, com ela saímos do mundo do imaginário para adentrar o mundo das possibilidades.

61A quarta e última versão da ameaça tem por alvo a degradação das condições de vida de grande parte da humanidade, senão da sua maioria esmagadora. Nesse caso, o aquecimento ora ocupa o lugar central, como nas versões anteriores, com variáveis dependentes, ora joga um papel relevante, mas não central, porque variáveis do mundo social e econômico estão mais presentes, produzindo uma degradação crescente de recursos naturais e fontes de energia, com seu uso irracional e predatório. A ameaça surge igualmente da rapidez dos processos de depleção ambiental, disfuncionalidade social e crises económicas. Nesse caso sai-se do mundo das possibilidades para o das probabilidades.

62A forte maioria dos agentes do campo tendem a acreditar nas hipóteses três ou quatro, que são as mais consistentes. De toda forma, as hipóteses anteriores contêm a terceira e quarta.

63Se em relação às ameaças as versões são quatro, no caso das medidas necessárias para enfrentá-las existem três correntes de pensamento. Se bem que é preciso ter muito claro que cada uma dessas hipóteses contém inúmeras variações em seu interior. Normalmente em disputas entre si. Elas têm valor e impacto diferenciados sobre o desempenho da economia, das políticas públicas, como também uma aceitação distinta na sociedade. Congregam, senão a totalidade, a maior parte das proposições voltadas à construção ou manutenção da sustentabilidade.

64A primeira corrente é representada, sobretudo, por Solow (2000), Prêmio Nobel de Economia. Em resumo, ele afirma que a trajetória do desenvolvimento económico iniciada na Europa Ocidental entre os séculos xviii e xix e, depois disseminada por todo o mundo, pode continuar propiciando a um número crescente de pessoas um bem-estar cada vez maior, como tem ocorrido até agora. O progresso técnico contido nessa trajetória proporcionará a todos os habitantes uma condição de vida digna, sem que o meio ambiente seja destruído, pelo simples fato de que a escassez de recursos impulsiona inovações tecnológicas que utilizam outros recursos e outros processos produtivos, capazes de produzir cada vez mais mercadorias com cada vez menos recursos naturais e energia.

65A segunda, no outro extremo, vê na ideia do desenvolvimento um engodo, pois não pode ser generalizado, e um risco, pois tem uma trajetória prescrita de autodestruição. Prega, portanto, não apenas uma parada no crescimento econômico, como sugere o relatório do Clube de Roma (Meadows et al., 1972), mas mesmo uma inversão, um decrescimento.

66A ideia do decrescimento nasce, na realidade, da obra de GeorgescuRoegen (1999), mas também com outras inspirações secundárias, e que tem em Serge Latouche, hoje, o teórico mais conhecido entre nós no Brasil. Em sua essência trata-se de abandonar o caminho do desenvolvimento, ideologia mortífera em que estamos envolvidos, para adotar outro modo de produção e, sobretudo, de consumo. Outro estilo de vida, com outros valores.

67No meio igualmente distante das duas posições anteriores situa-se a corrente hoje hegemónica no campo, a do desenvolvimento sustentável (ds), que pode ser definido como um processo que permite ao planeta Terra, como um todo, dotar-se de um sistema socioambiental em que ocorre o uso racional e parcimonioso dos recursos naturais, respeitando a resiliência de seus ecossistemas; com uma economia eficiente, que poupa energia e recursos naturais, usando cada vez mais energia limpa, proporcionando aos seus membros melhores oportunidades de desenvolvimento e acesso aos bens mínimos necessários a uma vida digna, portanto, um sistema socioambiental que desconcentra a riqueza, ao invés de concentrá-la. Sua ideia encontra-se expressa no relatório Gro Brundtland (1987), embora tenha gênese anterior, e vários desenvolvimentos. Tornou-se desde a Cúpula Mundial no Rio de Janeiro, em 1992, a corrente mais aceita nas Nações Unidas, em muitos governos, na mídia e no meio empresarial. De certa forma ela reúne os agentes mais importantes e mais centrais do campo da sustentabilidade, e com mais recursos económicos e de mídia.

68As divergências no âmbito dessa corrente de pensamento são inúmeras. Desde as posições que na realidade apenas vendem a ideia da sustentabilidade sem qualquer medida significativa até a proposta de Tim Jackson, Prosperidade sem crescimento (2011).

69Evidentemente que a avaliação do grau da ameaça que paira sobre nós tem peso distinto em cada corrente. Da mesma maneira, o locus ou a estratégia de suas soluções são diferentes.

70É interessante observar que a corrente de Solow, chamemo-la assim por falta de um nome consensual, minimiza a ameaça: ela existe, mas não é nem tão radical, nem tão iminente. Por outro lado, despeja suas esperanças de neutralização e superação da ameaça nos mecanismos de mercado, na alocação dos recursos. O caminho para a construção da sustentabilidade é o do desenvolvimento tecnológico. Sua pregação é simples e direta: se falta água, transformaremos a água do mar em doce, se falta petróleo, desenvolveremos formas renováveis e limpas de energia, se falta solo agriculturável, o recuperaremos. Sua ideologia é a do progresso, que se constrói na segunda metade do século xix.

71A corrente do decrescimento acredita que a ameaça é muito grave e premente. O locus de sua proposição reside na sociedade civil, onde habitam os atores capazes de provocar a mudança do modelo de desenvolvimento imperante. Sua estratégia consiste na mudança da cultura, dos valores e do estilo de vida dos cidadãos e dos consumidores. Essa mudança pressionará as transformações necessárias nos processos produtivos e no modelo de consumo vigente. Lembra, de certa forma, o pensamento de Gramsci, que pregava a reforma intelectual e moral como condição para uma tomada do poder que fosse efetivamente transformadora, e não reprodutora das ideologias pretéritas.

72Finalmente, a corrente do desenvolvimento sustentável, que se tornou majoritária recentemente nos organismos multilaterais – embora não necessariamente na maioria dos governos e das empresas – deposita suas esperanças de mudanças na política, em particular na ação do Estado. A corrente acredita que os acordos internacionais e as medidas de incentivo, regulação e fiscalização, juntos, criam as condições favoráveis para as mudanças de produção e consumo que garantem a sustentabilidade do mundo. Não é por acaso que a presença dos agentes que se identificam com tal proposição se faça, sobretudo, e de maneira hegemónica nas esferas governamental, acadêmica e jornalística, disputando com a primeira corrente o predomínio na esfera do mercado.

Conclusão

73Essas digressões se prestam a identificar elementos centrais do novo campo, dando consistência à ideia de se está diante de um novo campo, que envolve diferenças, mas também similitudes com a noção de campo desenvolvida por Bourdieu. Nessa linha, delineiam-se quais as regras específicas desse campo, as posições possíveis de seus agentes, o rito de ingresso, a lógica específica de seu funcionamento, o valor dos capitais e os mecanismos de desempenho. Alguns desses elementos, reconheço, foram identificados ainda de forma preliminar. Trata-se, assim, de um desafio de desenvolvimento e não de mudança, de continuidade e aprofundamento, e não de inflexão.

74A despeito de demonstrar mais claramente as nuances próprias desse novo campo, resta ainda sinalizar a sua utilidade heurística, na dimensão do conhecimento e da compreensão, mas igualmente no embate político e social – para alguns, civilizacional – em que nos encontramos atualmente.

Bibliographie

Referências

baker, S. et al. (orgs). The politics of sustainable development: theory, policy and practice within the European Union. Londres: Routledge, 1997.

bourdieu, P. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

—. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Cia. das Letras, 1996.

—. Propos sur le champpolitique. Lyon: Presses Universitaires de Lyon, 2000.

—. Sur l’État. Paris: Seuil, 2012.

brundtland, G. H. (org.). Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: fgv, 1987.

carlson, R. A primavera silenciosa. São Paulo: Gaia, 2010 [1a edição: Boston: Houghton Mifflin, 1962].

enríquez, M. A. Da ilusão do crescimento à emergência do desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2010.

georgescu-roegen, N. The entropy law and the economic process. Boston: Harvard University Press, 1999.

jackson, T. Prospérité sans croissance: la transition vers une économie durable. Paris: Etopia/De Boeck, 2011.

jacobs, M. Sustainable development as a contested concept. In: dobson, A. (org.). Fairness and futurity: essays on environmental sustainability and social justice. Oxford: Oxford University Press, 1999.

illich, I. Oeuvres completes. Paris: Fayard, 2005, 2 vols.

meadows, D. et al. Os limites do crescimento. São Paulo: Perspectiva, 1972.

nascimento, E. P. do; costa, H. A. Sustainability as a new political field. Cahiers du IIRPC, no especial, pp. 51-58, 2010.

nobre, M. e amazonas, M. de C. Desenvolvimento sustentável: a institucionalização de um conceito. Brasília/São Paulo: ibama/cebrap, 2002.

paulet, J. P. Le développement durable. Paris: Elipses, 2005.

sachs, I. Stratégies de l'écodéveloppement. Paris: Editions Ouvrières, 1980.

solow, R. Growth theory: an exposition. Oxford: Oxford University Press, 2000.

veiga, J. E. da. Desenvolvimento sustentável: o desafio do séculoxxi. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

—. Sustentabilidade: a legitimação de um novo valor. São Paulo: Senac, 2010.

Notes

206 Meus agradecimentos a Fabiano Toni, Letíca Ramos, Philippe Lena e Aristides Coelho pelas diversas observações que permitiram melhor apresentar as ideias deste artigo. Evidentemente que todas as falhas são de minha exclusiva responsabilidade.

207 Além desse artigo de 2011 há um outro no prelo, em livro que está sendo organizado pela Embrapa.

208 Ver, entre outros: Sachs (1980); Baker et al. (1997); Jacobs (1999); Paulet (2005); Wackermann (2008); Veiga (2008 e 2010) e Enriquez (2010).

209 Autónomo, segundo a etimologia, quer dizer que tem a sua própria lei, seu próprio nomos, que tem nele mesmo o princípio e a regra de seu funcionamento. (Bourdieu, 2000:52)

210 O leitor deve ter presente que a noção de capital (económico, político, social etc) em Bourdieu é muito distinto do usado por Robert Putman, e que se tornou, em geral, mais conhecido.

211 Ver sobre esses autores as bibliografias dos textos de Flipo e Martínez-Alier neste livro.

Auteur

Sociólogo, professor associado do Centro de Desenvolvimento Sustentável (UnB), onde foi diretor (2007-2011). Atualmente é membro do comité científico do Institut International de Recherches Politique de Civilisation (iirpc). Publicou alguns artigos em revistas nacionais e internacionais, e capítulos de livros, sobre os dilemas do desenvolvimento sustentável. E-mail: elimarcds@gmail.com

© IRD Éditions, 2012

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search