Version classiqueVersion mobile

Enfrentando os limites do crescimento

 | 
Philippe Léna

Policrise da globalização

Jean-Marc Salmon

Texte intégral

1O final do século xx foi marcado por tal inflação de crises que Edgar Morin imaginou uma “criseologia” (Morin, 1976). No início do século xxi, as relações “crísicas” tornam-se mais estreitas. A conexidade dos riscos aumenta nas sociedades cada vez mais interligadas. Com a globalização, a propagação dos choques torna-se mais fácil. Desde a crise de 1929, a migração de uma crise do âmbito financeiro para o econômico e o social, até mesmo para o político, está bem documentada. A “grande recessão” de 2008-2009 foi explicada sob esse prisma de causalidade linear e propagação concêntrica a partir de Wall Street. No entanto, a novidade é que a crise de 2008-2009, clássica no capitalismo, produziu expressões crísicas da perturbação dos meios naturais — um conjunto onde interagem as crises energética, alimentar e climática. Aqui, a causalidade é menos linear, mais complexa.

2A crise do petróleo resulta de diferentes pressões: a escassez de reservas baratas, localizadas principalmente no Oriente Médio, o boicote internacional ao Iraque e sua invasão pelo exército dos Estados Unidos, o aumento do consumo pelas economias de crescimento rápido (China, Índia, etc.), a dificuldade em substituir o petróleo por outras energias líquidas, o poder e o conservadorismo dos oligopólios que controlam os sistemas mundiais de produção e distribuição e, finalmente, a especulação nos mercados futuros.

3No final do século xx, a cotação do petróleo bruto chegou ao mínimo antes da eclosão da bolha da Internet em março de 2000 (ver Gráfico 1). A partir desse momento, a união de todos esses fatores, incluindo as novas necessidades dos países de rápido crescimento — a começar pela China — fez a cotação multiplicar por seis, chegando a US$ 140 por barril no final do segundo trimestre de 2008.

  • 186 Um aumento de 25% no preço do petróleo resultaria em um aumento de 14% nos preços dos fertilizante (...)

4A crise do petróleo conserva uma relação direta com a crise alimentar. A extrema volatilidade dos preços dos combustíveis é transferida para os preços dos produtos agrícolas, através da mecanização da agricultura, dos fertilizantes e pesticidas, cuja produção usa petróleo186 e, finalmente, do transporte dos locais de produção para os de consumo (Gouel, 2010, p. 77).

  • 187 Gouel, Christophe, op. cit., p. 79, (segundo us Department of Agriculture).

5O impacto dos aumentos de preço do petróleo foi repassado ainda mais facilmente, visto que os mercados agrícolas estavam sendo pressionados há muitos anos, devido ao forte aumento da procura. O aumento do consumo de carne tem em geral acompanhado o aumento do nível de vida (Fischler, 1990). Nas novas potências do século xxi, o desenvolvimento maciço da classe média transformou os modos de consumo. Na China, por exemplo, em dez anos, de 1997 a 2007, o consumo de arroz diminuiu 4%, o de trigo, 7%, mas o de frango saltou 56% e o de carne bovina, 71%.187 No entanto, são necessárias de três a dez calorias vegetais para produzir uma caloria animal. Imediatamente, a pressão sobre as áreas rurais aumentou de forma significativa, o que levou a China a consumir cada vez mais o seu estoque de grãos, que diminuiu 75% entre 1990 e 2007.

Figura 8 – Evolução dos preços do petróleo de 1861 a 2007 (em dólares constantes)

Figura 8 – Evolução dos preços do petróleo de 1861 a 2007 (em dólares constantes)

Fonte: aie (Gráfico da Wikipedia).

  • 188 Cf. Unctad, http://www.unctad.org/Templates/WebFlyer.asp?intItemID=5037&lang=1 consultado em 6 de (...)

6Em todo o mundo, a rigidez dos mercados agrícolas – ou seja, “a curto prazo, a resposta da oferta é quase zero” (Gouel, op. cit., p. 76) – não ajudou a relaxar a tensão. No entanto, essa lentidão reativa da oferta atraiu o interesse de investidores que viram uma oportunidade de lucro com poucos riscos. De 1990 a 2007, os investimentos diretos na produção agrícola no exterior triplicaram, alcançando US$ 3 trilhões.188 Enquanto isso, os especuladores agiam cada vez mais nos mercados futuros. Na verdade, o número de contratos indexados a prazo na bolsa de Chicago, referência mundial para o trigo, quadruplicou entre janeiro de 2004 e janeiro de 2006 (United States Senate, 2009), antes de se estabilizar. Quando os mercados agrícolas foram abertos aos especuladores em 1974, considerava-se, com base nas teorias dos “mercados racionais” e nas obras dos futuros prêmios Nobel Robert Merton e Myron Scholes, que eles dispunham de ferramentas para avaliar racionalmente os riscos de contratos futuros. Esses pesquisadores garantiam que o inchaço gerado pelos contratos alinharia os preços a um nível mais justo. Em 2011, a maioria dos especialistas tem uma visão diferente e admite que a especulação estimula a volatilidade dos preços no curto prazo (ocde-fao, op. cit. 2011). A crise de 2008 permitiu esse início de reversão das perspectivas. Ela destacou a desconexão entre os mercados futuros, especulativos, e os mercados spot, à vista. Na verdade, a diferença entre o preço spot do trigo e o preço a prazo, que era estável entre 2004 e 2006, explodiu em 2008, até quadruplicar em relação a 2006 (United States Senate, op. cit.).

7Os movimentos erráticos dos preços (cf. Gráfico 2), quando reduções significativas sucedem a aumentos nas mesmas proporções, são fonte de incerteza e altamente perturbadores para os camponeses, especialmente para aqueles que tentam sobreviver com a venda de seus produtos. Esses movimentos brutais desestabilizam também os exilados da terra, que migram para as grandes metrópoles, concentrando-se em favelas nas periferias. Ali, crise alimentar e crise social se reforçam mutuamente.

8Por outro lado, a crise dos alimentos manteve estreita relação com a crise climática e, em última instância, com a crise energética (Vivas, 2009). A maior divisão do trabalho, a realocação da produção agrícola e sua intensificação, bem como o desenvolvimento da agricultura de exportação, acentuaram a dependência agrícola em relação ao petróleo. Na Europa, as plantações de alimentos consumidos desde 1980 estão cerca de 25% mais distantes.

9A deslocalização da produção agrícola provocou mudanças no uso da terra, o que também contribuiu para o aumento das emissões de gases de efeito estufa. A agricultura é, junto com o transporte e a indústria, um dos principais responsáveis pela crise climática. A crescente concentração desses gases levou os especialistas do ipcc (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas) a considerar uma multiplicação dos eventos extremos no século xxi (ipcc, 2007). No caso dos cereais, os períodos prolongados de seca na Austrália, em 2007, na Ucrânia, em 2008, e na Rússia, em 2010, afetaram os países-chave no comércio internacional de grãos, o que resultou em aumentos significativos de preços no mercado mundial.

  • 189 O feedback positivo (noção importada da cibernética) ou feedback positivo, amplifica o desvio e a (...)

10Deve ser visto nesses eventos extremos um efeito precursor da crise climática? Haverá, a longo prazo, um efeito retroativo positivo189 ou a intensificação da agricultura exigirá ainda mais intensificação para compensar a crescente insegurança climática suscitada? Independentemente, no intuito de combater, entre outras coisas, a mudança climática, os governos da China, dos Estados Unidos e da União Europeia incentivaram o uso de combustíveis alternativos para reduzir o consumo de energia fóssil no início do século xxi.

Figura 9 – Evolução do índice dos preços de alimentos desde 2007, comparado com o período 2002-2004. (Em% – 2002-2004 = 100)

Figura 9 – Evolução do índice dos preços de alimentos desde 2007, comparado com o período 2002-2004. (Em% – 2002-2004 = 100)

Fonte: fao

  • 190 “Sinopec to reportedly invest $5 bilion in Indonesia biofuel projet” Market Watch, January 22, 200 (...)

11Os objetivos da China para o etanol e da Europa para o agrodiesel pressupõem um grande volume de importações de países tropicais até 2020, respectivamente de milho e de azeite de dendê. Em 2008, duas empresas chinesas, a Sinopec e a cnooc, propuseram investir respectivamente us$ 5 bilhões e us$ 5,5 bilhões na Indonésia para desenvolver o cultivo do milho e transformá-lo em biodiesel.190 O que acontecerá com os direitos dos povos indígenas nessas ilhas próximas da Nova Guiné? O desenvolvimento das plantações de dendezeiros no sudeste da Ásia, destinados à Europa, aumenta a pressão sobre as florestas primárias. Essas mudanças no uso da terra afetam a biodiversidade e produzem emissões maciças de carbono. No Brasil e outros países tropicais, o rendimento da cana é tal que, com o etanol resultante, o saldo das emissões de gases de efeito estufa é positivo. Com as oleaginosas, ao contrário, tanto quanto com os cereais, cuja produtividade é mais baixa, é possível que as emissões de carbono causadas pelas mudanças no uso da terra possam anular os ganhos de emissão obtidos pela substituição dos combustíveis fósseis pelos biocombustíveis. O debate entre os especialistas não está encerrado. Na pior das hipóteses, ocorrerá um efeito negativo inesperado ou essa estratégia de segurança climática irá piorar a crise climática?

12Outro efeito dessas políticas públicas, direcionadas ao desenvolvimento dos biocombustíveis, ocorreu nos Estados Unidos e na Europa: sua produção chegou a tal ponto que exerceu um efeito de evicção das culturas alimentares nesses países. A produção de etanol favoreceu o milho nos Estados Unidos e na China. Por exemplo, nos Estados Unidos, entre 2006 e 2007, a colheita de milho aumentou em 24%, enquanto as áreas plantadas com soja diminuíram um sexto (Gouel, op. cit., p. 82). Um fenômeno de substituição desse tipo também ocorre na China.

13Como parte das políticas climáticas dos Estados Unidos e da União Europeia, a duplicação prevista das culturas de biocombustíveis dentro de dez anos pressionará os preços dos alimentos para cima. Poderiam, segundo a fao, ser suficientemente fortes para anular, até 2017, grande parte dos ganhos de produtividade provenientes dos cereais secundários, dos óleos vegetais e das oleaginosas (ocde-fao, 2008).

14O desenvolvimento dos biocombustíveis, que aumenta a demanda por produtos agrícolas, contribui diretamente para a alta dos preços dos alimentos. Também contribui indiretamente, porque aguça a concorrência pelo uso do solo em países onde as reservas de terra são pequenas. Essa competição levou a deslocalização das culturas de alimentos em outros países. Todos esses processos foram responsáveis por metade do aumento dos preços dos cereais e das oleaginosas nos anos que antecederam a crise de 2008 (ocde-fao, op. cit.).

15Essas estratégias de amenização da crise climática contribuem para agravar a crise alimentar. Isso levou as grandes organizações mundiais, a começar pelo Grupo Banco Mundial, a incentivar ainda mais a intensificação da produção agrícola e a divisão do trabalho, cujos efeitos negativos sobre a crise climática são previsíveis.

  • 191 Kerr, S. and Bok, F. “uae investors buy Pakistan farmland” Financial Times, 11 de maio de 2008, ci (...)
  • 192 Blas, J. and Wallis, W. “us investor buy Sudanese warlord's land”, The Financial Times. 9 de janei (...)

16Neste contexto global, estruturado por tendências de médio prazo, os efeitos da crise financeira de Wall Street e da City, em 2008-2009, se juntaram aos da crise alimentar. Alguns projetos espetaculares envolvendo imensas áreas na África e na Ásia marcaram essa conjunção: 324 mil hectares de terras agrícolas no Paquistão para os Emirados Árabes Unidos em junho de 2008;191 no mesmo mês, para uma empresa estatal chinesa, 101 mil hectares no Zimbábue; e, sete meses depois, o fundo de investimentos Jarch Capital, com sede em Nova Iorque, arrendava 1,066 milhão de hectares no sul do Sudão, antes de quase dobrar a aposta, em abril de 2009, com mais 800 mil hectares.192

17A aceleração do processo de concentração de terras resulta de duas dinâmicas:

  • A crise alimentar, que atingiu um novo patamar em 2008 (os preços dos alimentos tendo mais do que dobrado em cinco anos, cf. Gráfico 2), levou muitos governos a querer garantir a segurança alimentar de seu povo (Arábia Saudita, China, Coreia, Egito, Índia, Japão, Líbia, países do Golfo).
  • A crise financeira, que levou alguns atores a procurar fontes de lucro menos arriscadas do que Wall Street. Operadores financeiros (administradores de fundos de pensão e de capital de risco, proprietários de fundos de hedge) e os gigantes do comércio agrícola se voltaram para a aquisição de terras baratas, contando com uma alta rápida e forte no preço das terras. Esses investimentos diretos no exterior foram estimulados pelas políticas do fias, do Grupo Banco Mundial193, para melhorar o “clima dos investimentos”. O fias incentivou países africanos a modificarem suas leis para facilitar a aquisição de terras pelo capital estrangeiro (Shepard & Mittal, 2010). No entanto, contra a corrente, alguns países, como o Brasil, aumentaram as restrições à compra de terras por investidores estrangeiros.

18Dois mil e oito começou como o ano dos “protestos contra a fome” – que surgiram nas ruas de cerca de vinte capitais em todo o mundo – e terminou como o ano da crise financeira. Obviamente, essa crise clássica do capitalismo interage com a policrise dos meios naturais, expressa através das crises energética, climática e alimentar, as finanças e o petróleo funcionando como grandes conectores das interações entre esses dois subsistemas de crises.

  • 194 O feedback negativo ou retroação reguladora tende a anular as ameaças à estabilidade do sistema, c (...)

19A partir de junho de 2008, a cotação do petróleo bruto mergulhou em uma queda vertiginosa, o que influenciou, por um retrocesso negativo,194 a dos alimentos. Esses baixaram significativamente. No auge da crise, os mecanismos de retorno ao equilíbrio pareciam funcionar. Os fundos especulativos investidos nos mercados futuros de matérias-primas e produtos agrícolas se voltaram para Wall Street: os operadores financeiros precisavam cobrir suas perdas com a turbulência das bolsas. No entanto, um ano mais tarde, apesar da queda dos preços agrícolas, a fome no mundo atingia um recorde histórico: 1,02 bilhão de pessoas (ocde-fao, 2010). Somente em 2009,105 milhões de pessoas se juntaram às fileiras dos subnutridos. Esse aumento foi consequência das ondas de choque da “grande recessão económica que causou a diminuição nas receitas e o aumento do desemprego. A crise socioeconômica substituía a outra, a do petróleo, e acentuava ainda mais a fome no mundo.

20Por que os feedbacks regulamentadores, como o da queda dos preços do petróleo, ou a deflação dos derivativos, que foram o clímax da policrise de 2008, não contribuíram para um retorno mais sustentável ao equilíbrio? A desregulamentação dos mercados (e o enfraquecimento das instituições que os controlavam para evitar a volta de uma grande depressão como a de 1929) pode ter diminuído o potencial regulador dos feedbacks reguladores? A primazia recente das visões de curto prazo tem algo a ver? Mais fundamentalmente, a perturbação dos meios naturais foi muito negligenciada? E ainda, será que as respostas à crise financeira nas velhas potências do Norte só se dirigiram a alguns dos seus efeitos, não às suas causas? Entramos então em um ciclo de crises crónicas onde as expressões crísicas do capitalismo e dos meios naturais interagirão cada vez mais.

21As crises vêm e vão. Quando saem de cena, é para se enterrarem, hibernarem, antes de ressurgirem. Vejamos a crise do petróleo. O preço do petróleo bruto foi dividido por quase 4 em seis meses, durante o segundo semestre de 2008. A recessão económica parecia ter vindo para ficar. Mas era apenas aparência (iea, 2009). Seis meses depois, em junho de 2009, os especialistas da Agência Internacional de Energia avisavam: assim que as velhas potências saíssem da grande recessão econômica, o preço do petróleo bruto voltaria a cruzar a barreira simbólica dos us$ 100 por barril. Os fatos pareciam estar seguindo seu rumo. Depois de ter chegado a quase us$ 40 no final do ano de 2008, alcançou o limiar dos us$ 70 em meados de 2009 e ultrapassou os us$ 110 no segundo trimestre de 2011. No entanto, a experiência recente de 2008 mostrou que a crise do petróleo agrava a crise dos alimentos. No segundo trimestre de 2011, de acordo com o índice da fao, os preços dos alimentos chegaram ao seu ponto mais alto, duas vezes e meia a mais do que em 2002-2004 (ver Gráfico 2).

22As diversas crises se respaldam mutuamente. Embora tenham características e temporalidades diferentes, podem alimentar umas às outras, por feedbacks positivos, ou podem, por feedbacks negativos, produzir efeitos ioiô: quando uma sobe a outra baixa, e vice-versa. Elas se fundem em uma crise complexa, uma policrise. Interagem como num sistema.

23A complexidade da policrise gera incertezas. Sem compreensão das interrelações crísicas, o risco é que uma ação pública setorial contra uma crise agrave inadvertidamente outras, como sugerem, por exemplo, os efeitos das políticas dos biocombustíveis sobre a crise dos alimentos. Mas essas incertezas podem desafiar a pesquisa. Diagnosticar as crises, mapear suas interrelações, permitiria a elaboração de estratégias multirriscos e transversais mais eficazes (Salmon, 2008).

24Diagnosticar e decidir são duas ações interconectadas. Se, etimologicamente, a palavra “krisis” significa “decisão”, é porque para Hipócrates o diagnóstico é o momento em que o paciente e o médico saem da incerteza, quando a decisão terapêutica acontece (Starn, 1971). Nada seria mais pernicioso do que interpretar os encadeamentos das crises e suas inter-relações circulares de modo reducionista e mecanicista, como forças fora de controle. Pelo contrário, a complexidade da policrise aumenta a incerteza e a indeterminação. Isso significa que resultados diferentes são possíveis neste ciclo histórico de crises crónicas. O que torna a ação ainda mais decisiva. O surgimento de novas subjetividades, levando a uma convergência, uma combinação de conhecimentos e conscientização poderia constituir um novo contexto para tomada de decisões?

25Recordemos que quando Tucídides, na sua história da guerra do Peloponeso, emprestou de Hipócrates o conceito de “krisis”, fez dele um uso histórico — a crise é um momento crucial —, mas também um uso retórico — a crise é um momento de verdade, de teste das qualidades humanas.

Bibliographie

Referências

fischler, C. L'homnivore: le goût, la cuisine et le corps. Paris: Odile Jacob, 1990.

gouel, C. Comment expliquer la flambée des prix agricoles. In: cepii. L’économie mondiale 2008. Paris:, La Découverte, 2010.

iea, World energy outlook 2009. Paris, 2009.

ipcc. Climate change 2007. Cambridge, uk: Cambridge University Press, 2007.

morin, E. Pour une crisologie. Communications, no 25, pp. 149-62, 1976.

ocde-fao. Perspectives agricoles de l'ocde et de la fao 2008-2017. Paris, 2008.

—. Perspectives agricoles de l'ocde et de la fao 2010-201. Paris, 2010.

—. Perspectives agricoles de l'ocde et de la fao 2011-202. Paris, 2011.

salmon, J-M. Multi-risk strategy challenges: the biofuel case. ihdp Update, no 26-27, 2008.

shepard, D.; mittal, A. The great land grab: rush for world’s farmland threatens food security for thepoor. Oakland: The Oakland Institute, 2009.

—. (Mis)Investment in agriculture, the role of the International finance Corporation in global land grabs. Oakland: The Oakland Institute, 2010 <http://media.oaklandinstitute.org/misinvestment-agriculture-role-international-financecorporation-global-land-grab>. Acessado em 01/07/2011.

starn, R. Historians and crisis. Past and Present, no 52, pp. 3-22, 1971 <http://www.unctad.org/Templates/WebFlyer.asp?intItemID = 5037&lang = 1>. Acessado em 06/07/2011.

united states senate. Excessive speculation in the wheat market. Permanent Subcommittee on Investigations, Committee on Homeland Security and Governmental Affairs, 24/06/2009

vivas, E. Del campo alplatô. Barcelona: Icaria, 2009.

Notes

186 Um aumento de 25% no preço do petróleo resultaria em um aumento de 14% nos preços dos fertilizantes; cf. ocde-fao, 2011.

187 Gouel, Christophe, op. cit., p. 79, (segundo us Department of Agriculture).

188 Cf. Unctad, http://www.unctad.org/Templates/WebFlyer.asp?intItemID=5037&lang=1 consultado em 6 de julho de 2011.

189 O feedback positivo (noção importada da cibernética) ou feedback positivo, amplifica o desvio e a crise, alimentando-se de seu próprio desenvolvimento, ver Morin (op. cit. : 153).

190 “Sinopec to reportedly invest $5 bilion in Indonesia biofuel projet” Market Watch, January 22, 2008, citado por Shepard & Mittal (2009).

191 Kerr, S. and Bok, F. “uae investors buy Pakistan farmland” Financial Times, 11 de maio de 2008, citado por Shepard & Mittal (op. cit.)

192 Blas, J. and Wallis, W. “us investor buy Sudanese warlord's land”, The Financial Times. 9 de janeiro de 2009 e “Jarch doubles its Sudanese empire” The Hidden Paw. 30 de abril de 2009, citado por Shepard & Mittal (op. cit.).

193 fias: Foreign Investment Advisory Service, um ramo da International Financial Corporation do Grupo Banco Mundial. Recorde-se que, por sua vez, o Banco Mundial, em resposta à crise dos alimentos de 2008, foi encarregado pelo G20 de desenvolver um programa para ajudar as populações famintas.

194 O feedback negativo ou retroação reguladora tende a anular as ameaças à estabilidade do sistema, cf. Morin (op. cit. 1976:151).

Table des illustrations

Titre Figura 8 – Evolução dos preços do petróleo de 1861 a 2007 (em dólares constantes)
Légende Fonte: aie (Gráfico da Wikipedia).
URL http://books.openedition.org/irdeditions/docannexe/image/20139/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 73k
Titre Figura 9 – Evolução do índice dos preços de alimentos desde 2007, comparado com o período 2002-2004. (Em% – 2002-2004 = 100)
Légende Fonte: fao
URL http://books.openedition.org/irdeditions/docannexe/image/20139/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 106k

Auteur

Pesquisador em Ciências Sociais associado ao grupo etos, ensina no Institut Télécom, Évry, France. Coordenou o programa de pesquisa do Ministério francês de ecologia sobre mudanças climáticas e suas políticas de 1993 a 2005. Antigo diretor do Bureau du Livre Français de New York. Uma de suas obras foi traduzida para o português: Um mundo em velocidade (Un monde à grande vitesse, Seuil). E-mail:

jmsalmon@gmail.com

© IRD Éditions, 2012

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search