Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Enfrentando os limites do crescimento

 | 
Philippe Léna

A mega-máquina da globalização e do desenvolvimento insustentável: retornar à simplicidade

Alain Gras
Traduction de Leonardo Milani

Texte intégral

1O pessimismo geral que cresce em todos os países ditos “desenvolvidos” e que leva um número considerável de intelectuais a tender para uma solução de decrescimento é geralmente percebido, pelos países emergentes, como um comportamento de ricos. E isto, nestes países “ricos”, facilita ainda mais a crítica dos partidários do status quo e da corrida ao pib contra estes elementos perturbadores, que insistem em não reconhecer o bem-estar e o conforto que conquistamos graças a este crescimento. Ora, não há nada mais falso do que contrapor os dois modos de existência de uns, pobres, e dos outros, novos-ricos e ex-pobres. No tempo em que a futurologia estava na moda, fazia-se uso e abuso da lei dita de Bell (1976): “o que os ricos fazem hoje, os pobres farão amanhã”. Esta lei descreve, de forma muito verdadeira e brutal, a situação atual, na qual assistimos a novos países “emergentes” se lançarem em uma corrida enlouquecida com os países ocidentais e assimilados (Austrália, Nova Zelândia etc.). É verdade que esta lei de Bell resume bem a ambiguidade da situação: ela dá conta do desejo dos pobres e o legitima. Mas o que a tal lei de Bell não conta, é o que acontece depois. De fato, o axioma central desse “marketing” supõe que os ricos permanecerão sempre ricos, mantendo a vantagem conquistada, e que esta riqueza é quase “imaterial”.

2Tudo ocorre como se, no ver de alguns, a corrida acontecesse em uma pista na qual os corredores pudessem competir sem nada ficar devendo ao mundo externo. Um clima de Jogos Olímpicos. Ora, a situação real, em uma pista natural, é totalmente outra: a cada passo, os corredores vão arrancando terra; e após um tanto de voltas, o terreno se tornará impraticável. Em outros termos, a entropia do sistema corredor-pista não vai tardar a crescer.

  • 94 Sobre esta temática, Jacques Grinevald e Ivo Rens publicaram trechos de Nicholas Georgescu-Roegen e (...)

3De forma bem simplificada, com esta metáfora, expresso assim a posição de Nicholas Georgescu-Roegen sobre a maneira da humanidade se comportar com o planeta.94 Mas parto também da hipótese de que os leitores deste livro já conheçam a questão e passarei rapidamente para o ponto mais importante, ou seja, a forma como o desenvolvimento rápido dos países, outrora considerados do terceiro mundo, produz ou não uma nova ameaça que pesa tanto sobre eles mesmos quanto sobre os ricos do ex-primeiro mundo.

A indústria: uma instituição social limitada até a incorporação de uma tecnologia universal

4Após ter defendido a tese de um longo aumento do crescimento desde a Idade Média até os dias de hoje, a história recente inverte totalmente a perspectiva, em particular no quesito economia e técnicas. Hoje, percebemos que no início do século xix, este século crucial, as diferenças entre a maior parte dos países do mundo (China, Índia, América latina, Europa, América do Norte) no plano da produção, do consumo, da esperança de vida, e demais aspectos que fazem parte, hoje, dos indicadores de crescimento, não eram tão importantes ou, pelo menos, não eram muito significativas. Assim, Kenneth Pomeranz (2001) tentou compreender a origem da grande divergência que surge durante os anos 1800 entre a China e a Europa no uso generalizado do carvão em substituição à madeira e o peso da América nos intercâmbios no Ocidente.

5Sem querer aprofundar a questão com os historiadores, surpreende-me a maneira como é tratada a questão do carvão, desvinculada de todo seu universo ao mesmo tempo simbólico e tecnológico e sem que seja questionado o fato de que o carvão só passou a ser carvão industrial ao aderir a uma realidade que é tudo menos simples. De fato, ela remete a um novo modo de organização do trabalho que não estava sequer em gestação fora do Ocidente.

6Recordo também que a noção de revolução industrial é cada vez mais descartada e que em todos os casos, esta noção de “sistema industrial” remete a uma forma de produção que integra ao mesmo tempo a desqualificação do trabalho, uma economia de mercado de produção/consumo e uma nova tecnologia (o termo “indústria” foi consagrado, como sabemos, pelo livro de Saint-Simon, escrito em 1816 – ver: Musso, 1999). Este aspecto costuma ser negligenciado, em benefício de uma visão unilinear do progresso técnico. Por exemplo, é muito significativo que um historiador francês, conhecido por sua postura crítica em relação à situação presente, tenha podido escrever um livro sobre “A revolução industrial na Idade Média” (Gimpel, 2002), concentrando todo seu raciocínio nas invenções técnicas, principalmente aquela da transformação do movimento linear em movimento circular, graças à pua que encontramos no fuso, sem considerar o fato que a revolução evoca primeiramente um fato social. Por este motivo, parece-me totalmente ilegítimo não querer compreender que o conteúdo em si da noção de progresso não é apenas filosófico, econômico e tecnológico ou até mesmo “social”, mas é sobredeterminado por um movimento geral que impulsiona a civilização capitalista desde o momento que ela começou a fazer uso da energia fóssil, movimento que chamamos de crescimento. E este uso é posterior ao nascimento do fato industrial e capitalista, fato tanto social quanto económico (Merton, 1938; Vries, 2003; Lasch, 1991).

  • 95 A “mula jenny” é uma máquina de tecer algodão, a máquina de Watt uma bomba de carvão de efeito dupl (...)

7Assim, é preciso evocar o começo para compreender este movimento em toda sua amplitude, quer material, quer imaginária (Ellul, 1968; Castoriadis, 1982). Assim, sem entrar, por hora, em considerações sobre a continuidade ou descontinuidade na evolução das técnicas, é preciso lembrar que a forma de trabalho produtivo chamada de industrial corresponde, primeiro, a uma organização quase que militar da produção, um cerceamento da mão de obra em locais fechados, a saber, os prédios das usinas onde, como defendia Marx, nada poderia esta mão de obra a não ser vender sua força para sobreviver. E isto difere do trabalho disperso dos trabalhadores rurais ou até mesmo daqueles operários de fábrica que possuíam um pedaço de terra para cultivar e para quem era mais fácil resistir aos patrões... Neste estágio, o tipo de energia necessária importa pouco-embora seja mais fácil captar a água dos moinhos (no século xvii); já a tecnologia, não é neutra. Assim, todo o esforço dos engenheiros iria se voltar para a simplificação das tarefas e a realização de máquinas que integrassem o know-how do artesão operário. A “mula Jenny” (1779) é o protótipo disso, bem mais que a máquina de Watt, que data da mesma época;95 e o novo sistema técnico que nasce nesta ocasião não representa nem a causa e nem a consequência, mas acompanha, fortalece e consolida a nova organização do trabalho. A “mula Jenny” é um “water frame”, isto é, ela utiliza a energia hidráulica. A civilização industrial é primeiramente um tipo ideal socioantropológico, no sentido dado por Max Weber: uma forma inédita na relação entre o homem e o produto do seu trabalho, bem como na relação dos produtores entre si. Obviamente, o capitalismo não tardou a perceber a utilidade desta forma, mas ele não foi dono de seu destino, pois a novidade radical, aí sim, tecnológica, que vai transtornar a face do planeta, está vinculada, por sua vez, à nova energia que estará no centro do processo daquilo que passará então a ser chamado de “desenvolvimento”: a máquina a vapor. Eis que nos deparamos novamente com a temática desta coletânea, este desenvolvimento que se torna, a partir do século xix, o leitmotiv da economia ocidental, obcecada pelo crescimento, diferindo do capitalismo dos fisiocratas ou até de Adam Smith, que pensavam primeiro no equilíbrio homeostático.

  • 96 Durante a conferência de Valladolid, Bartolome de Las Casas, descreve as condições atrozes nas quai (...)

8De fato, a máquina a vapor é uma máquina de destaque enquanto inovação técnica, mas seu peso no processo simbólico de desenvolvimento industrial em curso é ainda muito maior: ela provoca uma ruptura verdadeiramente metafísica na história da humanidade. Ela introduz uma nova representação da relação com a natureza, onde a predação, já amplamente difundida através da colonização,96 passa a ser um fator essencial do “progresso”. Até então, revirar as entranhas da terra não era considerado como um ato neutro; as religiões e mitologias popularizaram a ideia de que seres viviam debaixo de terra: gnomos, trolls, anões e djinns. A máquina térmica impõe, pelo contrário, uma forma de pensar na qual o poder é medido a partir do nível de predação do solo e, principalmente, do subsolo. Aqui, trata-se mesmo de uma incrível descontinuidade simbólica. Podemos imaginar, claro, quão imensa era a diferença assim criada em relação às culturas baseadas no xamanismo e muitas outras civilizações tradicionais, para quem não era fácil considerar esta hipótese; o confucionismo chinês, em particular, defendia o justo equilíbrio entre Céu e Terra no Império do Meio, abordagem próxima da visão antiga dos gregos do período clássico.

A grande virada do crescimento: da indústria à termoindústria

9Não obstante, a máquina a vapor apresenta mais uma faceta do imaginário, que deveríamos qualificar de metafísica: ela inaugura a civilização fundada no fogo! Ela interrompe assim a linha de uma evolução técnica na qual as máquinas utilizavam, conforme o caso, um ou outro dos elementos naturais: água, biomassa, ar, além do fogo, de forma a ampliar consideravelmente, mas sem excesso, a força de trabalho humano ou animal.

  • 97 Conceito fundamental que abordo no livro Le choix du feu, Aux origines de la crise climatique (Gras (...)

10Descrevi em outro trabalho as circunstâncias “aleatórias” que presidiam ao nascimento dessa tecnologia fundada unicamente no poder do calor, cuja máquina de referência é a locomotiva e o trem – e não a máquina de Watt.97 De fato, no início do século xix, a máquina de Watt era totalmente desconhecida da Europa continental; e a “ideia” de máquina automática teve origem, essencialmente, no contexto puritano da Grã-Bretanha, que Max Weber descreveu como o substrato religioso da busca pela eficácia capitalista em todos os campos. Minha tese, que já defendi em outra oportunidade, baseia-se no fato de que foi por causa do fracasso da política napoleônica que a tecnologia e a “weltanschauung” produtivista puderam penetrar nas culturas de toda a Europa. Aqui, não tenho espaço para defender essa tese, logo remeto a diversos tratados sobre a questão (Beaud, 2000; Gras, 2004; Jarrige, 2009; Mc Neil, 2001; Polanyi, 1983; Jouvenel, 1976). Gostaria apenas de retomar a questão do trem, pois encontramos, nesta máquina, os traços que pertencem ao atual desenvolvimento no âmbito da globalização: a deslocalização da produção, a capacidade de mobilizar energia, a facilidade de transferir a potência. As características essenciais daquilo que chamamos de “globalização” foram implantadas a partir da metade do século xix: obsessão pela velocidade e gestão dos fluxos em redes, tanto materiais (ferrovias), quanto imateriais (telégrafo) e financeiros (bancos) (Gras, 1996 e 1997).

11Na realidade, o capitalismo do século xviii, embora tenha se valido da troca desigual para possibilitar a colonização (por exemplo, o algodão das Índias no caso da Inglaterra), dependia de recursos naturais e devia concentrar a mão de obra em cidades à beira d’água, como foi o caso das cidades das Midlands na Inglaterra; na época, o carvão servia simplesmente para que os operários pudessem se aquecer. Mas com a locomotiva, o carvão pode se deslocar para qualquer lugar que seja, com a condição de ter instalado uma infraestrutura ferroviária. Esta infraestrutura se apossa da paisagem, cavando as montanhas, terraplanando os solos e cortando as curvas. Assim, a deslocalização pode se dar nos dois sentidos: o trem traz energia para o campo ou para grandes centros industriais – por exemplo os de mineração. Permite multiplicar as fábricas sem levar em conta as condições ambientais, mas em contrapartida facilita também o afluxo de população para as cidades. A partir daí, assistimos a um movimento duplo: o da urbanização acelerada e o da mecanização do campo. E ainda é assim no mundo contemporâneo: os países emergentes seguem realmente o mesmo modelo.

12Para resumir, a modernidade sociotécnica representa uma descontinuidade histórica radical, em função:

  • da organização militar do trabalho e da desqualificação da mão de obra;

  • do abandono total das energias renováveis, em favor da mecanização do trabalho, graças ao poder do fogo (quer seja proveniente do carvão, do gás, do petróleo ou da energia nuclear);

  • do fim da dependência da produção em relação à localização da fonte de energia ou da mão de obra, graças a meios de transporte rápidos, com motor térmico, tendo o trem como primeiro exemplo;

  • da implementação de uma gestão dos fluxos deslocalizada – ela também, por meio da implantação de redes e centros de regulação.

13Gostaria de enfatizar a noção de termoindústria para caracterizar, no plano sociotécnico, o modo de produção do capitalismo moderno; e hoje, isto vale para todas as regiões do planeta (Grinevald, 1997; Gras, 2007). Assim, a questão da saída da termoindústria não é somente um problema de ricos, ela envolve todo o planeta.

A grande divergência e a criação do Terceiro Mundo: uma realidade do imaginário

14Assim, no plano tecnológico, o processo de globalização continua esta trajetória inaugurada há menos de duzentos anos. Vale também lembrar que a rede do telégrafo, que foi inventada na mesma época que a ferrovia, conectando-se a esta, integra este movimento, enquanto telecomunicação. Atualmente, o avião e a internet prolongam esta trajetória iniciada no século xix, algo que pretendo abordar mais adiante.

15O feito técnico fundado na irradiação de calor aprisionado em uma carcaça de metal, a caldeira do motor a vapor ou a câmara de combustão do motor a explosão, se situa no início da grande divergência entre aquilo que se convencionou chamar de norte e de sul. Claro, ele não é uma causa – causalidade é uma palavra que não deveria existir em ciências humanas, mas deve permanecer no centro das nossas preocupações, tão logo a ecologia e a preservação do planeta constituam o principal motivo do chamado à autolimitação e ao decrescimento do consumo delirante.

  • 98 Por evidente, excluo Spinoza desta lista!

16A “máquina de fogo”, para retomar a terminologia do seu primeiro teórico, Sadi Carnot (1822), inaugura o caminho da hybris, do desmedido, chegando na hora certa para continuar a reduzir o ambiente natural ao estado de objeto sem valor, descrito pela filosofia do período clássico: a natureza inerte e imutável, para Galileu (“inexorável, governada por leis que ela nunca chega a alterar”); para Bacon, uma serva; coisa extensa e sem consistência para Descartes; e apresentada sob diversas formas menos evidentes, por Leibnitz ou Locke, por exemplo, mas sempre sujeitada ao “poder do racional”, conforme Dominique Jannicaud (1985).98 Assim, os atuais países emergentes recebem de herança uma visão de mundo e um passado cultural que não lhes pertence, muito embora, no caso do Brasil, o positivismo aproxime muito mais sua memória da europeia. Não obstante, todos compartilham os mesmos problemas gerados pela tecnologia moderna, os que dizem respeito às ameaças ao planeta; e o caminho do desenvolvimento, sustentável ou não, só pode levar ao mesmo resultado que o dos “antigos ricos”. Neste plano, é verdade que estamos no mesmo barco, pois os sistemas técnicos são idênticos entre si, não importa aonde (Rist, 2007). Logo, porque os problemas que se apresentam para os países ricos não existiriam para os países emergentes? Colocado assim, o problema torna ridícula a afirmação de que a crítica ecológica, em particular a tese do decrescimento, só valeria para a região do mundo onde a termoindustrialização é a mais antiga.

O mundo termoindustrial, o mundo no qual se dissipam os fluxos de calor

17Sem preconceitos quanto à forma das culturas conceberem, a médio prazo, o “progresso”, agora que elas sobem a crista, produzida em terra europeia, da onda imaginária do futuro, a noção de progresso baseia-se, para todos, no conforto material, no consumo, na saúde... e certamente, neste plano, a técnica homogeneíza, por ora, as civilizações. Assim, o mundo “emergente” recebeu de herança uma organização da produção e do consumo eficaz graças à interdependência dos grandes sistemas técnicos, em particular os de telecomunicações e transportes, que viabilizaram a implantação de um território artificial, um conjunto em rede, desde o alvorecer do termo industrialização. E subjaz o mesmo princípio de governança “big is powerful” que resulta, em termos concretos, na construção de gigantescos aparelhos de controle dos fluxos, dos quais as redes constituem a infraestrutura desde 0 século xix. Este princípio dita o processo de globalização.

18Nesta base tecnoestratégica, não se pode mais diferenciar radicalmente os países industrializados antigos e novos. O modelo inicial da deslocalização do poder do capital através da máquina, a saber: extrair energiaarmazenar energiautilizá-la à vontade, representa um modelo de pseudodomínio do espaço-tempo que acompanha a predação generalizada, pois graças a esta energia, entramos na fase de pilhagem ilimitada que acompanha necessariamente a de poluição globalizada, com base no modelo: revolver a terra/o planetaextrair a parte útildescartar aparte inútil (o lixo), deixando para esta mesma terra/este mesmo planeta o cuidado de processá-lo. Certo mesmo é o crescimento da entropia para todos.

O perigo das tecnologias ecológicas para os países emergentes

19Esta etapa está em fase de expansão acelerada e isto, paradoxalmente, por causa de um pseudodesenvolvimento sustentável que visa camuflar, por meio de uma válvula de escape tecnológica, os efeitos nocivos da trajetória adotada pela civilização planetária atual. Vamos tomar um exemplo: desde os aerogeradores eólicos até as lâmpadas de led – estas tecnologias consomem muitos metais (cobalto, índio, lítio etc.) e “terras raras” (lantanídeos). No caso deste último, o teor em minério, que se encontra misturado com outros metais, é extremamente baixo: é muitas vezes preciso revolver uma tonelada de terra para obter 0,1 grama, após um tratamento muito custoso em termos de energia e bem poluente. Ora, muitas vezes os países emergentes são detentores destes metais; e, sabe-se, em particular, quantos estragos serão causados em locais ainda intocados da América do Sul pela exploração dos lagos salinos, para extrair o lítio necessário para os “carros ecológicos”. As tecnologias “verdes” promovidas, tanto no Norte quanto no Sul, pelo novo capitalismo induzem uma imensa pressão sobre as terras ainda preservadas, pressão que vai muito além da que resulta da busca por energia fóssil. A Antiguidade temia a sacra auri fames, fome sagrada do ouro; hoje, são principalmente os países emergentes que se deparam com a fome sagrada dos metais. Ora, as reservas destes metais são bastante limitadas; os metais raros, tais como o gálio, índio, rênio, cobalto, etc. são de dificílima extração ou estão situados em locais de difícil acesso-ou são muito diluídos, especialmente as “terras raras” (lantanídeos), cujo essencial das reservas é detido pela China. Assim, tornaram-se componentes essenciais na continuidade da inovação tecnológica de ponta (Bihouix & Guillebon, 2010).

20Este quadro, extraído do tratado de maior importância sobre a questão (Bihouix & Guillebon, 2010), coteja, no eixo Y, a concentração dos metais em muitos ou poucos países e o risco geopolítico (por exemplo, a baixíssima dispersão das terras raras, com 100% distribuídos em três países e a grande maioria disto na China, enquanto que o ouro é amplamente distribuído) e no eixo X, a duração das reservas em 2008 (o ouro deve acabar em cerca de vinte anos, enquanto o titânio deve durar ainda um século).

Figura 2 – Situação de risco da disponibilidade de certos metais

Figura 2 – Situação de risco da disponibilidade de certos metais

21Tudo isso está se tornando público, mas em nada interrompe a mecânica desenfreada do “desenvolvimento sustentável”. Pois esta gigantesca organização de gestão dos fluxos virou algum tipo de couraça que cobre o planeta, composta por aquilo que poderíamos chamar de “macrossistemas técnicos” (Hughes & Mayntz, 1989; Hughes, 1983; Braun, 1994; La Porte, 1989; Gras, 1996) e que, de forma mais figurativa, poderíamos chamar, como o fazem Lewis Mumford e Serge Latouche, de “megamáquinas” (Latouche, 2004; Mumford, 2010). O trem foi o primeiro exemplo desta gestão na qual as decisões são tomadas em centros de regulação, graças ao telégrafo que, a partir de 1850, permitia registrar as passagens dos trens. Mas hoje, todas as trocas funcionam sob esta modalidade, tanto a alimentação quanto a aeronáutica, a indústria têxtil e a eletrónica. Hoje, o sistema é hipersofisticado, graças às técnicas da informação e comunicação, mas o princípio continua o mesmo: o seamless web, segundo Tom Hughes, a rede sem costura que vai cobrindo o planeta. Ora, este macrossistema técnico custa muito caro em termos de energia e poluição, pois os fluxos materiais de mercadorias não transitam sem “fricção” com o meio ambiente, produzindo uma quantidade gigantesca de lixo; e as telecomunicações deste sistema “pan-óptico” requerem uma quantidade crescente de energia elétrica (atualmente, 12% da eletricidade produzida na Europa se devem aos aparelhos de telecomunicações). Da mesma forma, a urbanização crescente e as megalópoles se transformam em buracos negros nos quais a demanda energética, bem como a gestão dos fluxos, está sendo cada vez mais difícil de atender (Gras, 2004).

22Na verdade, o crescimento do pib após a segunda guerra mundial corresponde, em boa parte, ao crescimento destas gigantescas estruturas; por isto, somente uma pequena porção deste crescimento representa um ganho em termos de conforto. Na Europa, o pib se multiplicou por mais de 2,5 desde os anos 1970; mas o conforto do cidadão, difícil de calcular, não acompanhou este ritmo, e em determinados aspectos (custo da moradia, trabalho, qualidade do ar, doenças mentais, etc.) podemos constatar uma incontestável regressão. A felicidade não pertence a este mundo, dizem; mas tornou-se claro, nos países “desenvolvidos”, que o progresso passou a ser uma ilusão à qual se prendem os partidários de um crescimento a qualquer custo, sinônimo de uma globalização na qual os ganhos se destinam primeiramente às finanças internacionais. E esquecemos muitas vezes, em prol de análises económicas simplistas, que a megamáquina, ou seja, os macrossistemas técnicos, formam a aparelhagem tecnológica do dispositivo da globalização e são responsáveis por boa parte do aumento da pressão exercida sobre o planeta, pela predação energética e pela pilhagem dos recursos. “O sistema é autodestrutível, nos conta Ernst Garcia, porque a causalidade é difusa e a responsabilidade também... o planeta é uma área de experimentos, uma gaiola na qual todos somos cobaias” (Garcia, 2004). E isto vale tanto para o Sul quanto para o Norte.

Conclusão: contra a corrida sem fim, a favor das tecnologias simples, robustas e recicláveis

23É evidente que esta constatação parece contrariar a busca destes países emergentes, que contam, pelo contrário, pelo menos seus governantes, com os fluxos mundiais e as exportações para aumentar suas riquezas. Mas de que riquezas estamos falando? Se a curto ou médio prazo, a pilhagem deixa o solo exangue e totalmente estéril, não vai ser a tecnologia que vai nos salvar. A fuga nas tecnologias verdes é, como acabamos de ver, tão predadora quanto a do desenvolvimento pré-anos 2000: o dilema “desenvolvimento ou pobreza?”, solucionado pelos economistas do fmi através da fórmula “crescimento e emprego”, faz parte da “novilíngua” dos experts internacionais; trata-se verdadeiramente de uma linguagem de tipo orweliano (“A guerra, é a paz”) ou thatcheriano (“There is no alternative”).

24O impasse é total na atual perspectiva, em que o modelo “emergente”, pintado de verde, corresponde na realidade ao modelo europeu do século xix. Porém, em si esta noção de impasse é criticável. De fato, se a técnica é um fato de cultura, não há nenhum motivo para que siga um caminho determinado. Este mundo poderia não ter existido, simplesmente. A noção de impasse só pode ser entendida como expressão de uma visão linear do desenvolvimento humano; de certa forma, em si a noção de impasse fortalece a crença de que a história estaria seguindo uma direção. Ora, a determinação do hoje pelo passado, e do futuro pelo hoje, é uma ilusão que funciona a partir de uma interpretação perversa da causalidade, principalmente no campo tecnológico. Não havia nenhuma “necessidade histórica” para que a máquina térmica se apossasse do nosso futuro. Esta invenção poderia ter acontecido, sem nunca se tornar inovação, sem nunca encontrar seu papel no nicho ecológico.

25Da mesma forma, não há transcendência que obrigue os países emergentes a buscarem seu futuro no âmbito de um crescimento que focalize os fluxos de mercadorias. Isso em nada é a realização de alguma tendência universal, de algum progresso, como se fosse uma etapa da longa caminhada da humanidade. Hoje, o mundo descrito pelo economista, caminhando no ritmo do “crescimento” destruidor do planeta, não é mais “verdadeiro” do que astecas sacrificando seus prisioneiros para manterem vivo o sol; mas ele o é se damos crédito aos discursos destes economistas. Para uns, o pib pode parar de crescer; para outros, o sol pode deixar de amanhecer. Ambas as ilusões produzem sentido, mas um dia desses, quando o planeta entrar em coma ou que barbudos brancos atacarem vitoriosamente o sol, derrubando seus ídolos, será preciso mudar o rumo. A liberdade só será possível a este preço, o preço da aventura no labirinto do tempo e da criação sem causa.

26Assim, a resposta para este desenvolvimento devastador só pode se dar por meio da inversão da perspectiva sociotécnica. A relocalização é uma necessidade ao mesmo tempo econômica e moral, para salvar o planeta e sua humanidade, mas ela deve ser associada à escolha de tecnologias simples, robustas, recicláveis, adaptadas ao meio ambiente e aos usos das populações (Entropia, 2008). Tecnologias que os países emergentes poderiam implantar bem mais rápido que os países ricos, pois, naqueles, o know-how ainda está presente e eles não estão ainda totalmente reféns dos determinismos induzidos pelos macrossistemas técnicos. É isso, também, o necessário decrescimento na dimensão tecnológica.

Bibliographie

Referências

beaud, M. Le basculement du monde. Paris: La Découverte, 2000.

bell, D. The coming of post-industrial society: a venture in social forecasting. New York: Basic Books, 1973.

bihouix, P.; guillebon, B. Quel avenirpour les métaux? Paris: edp Sciences, 2010.

braun, J. B. Technik ohne Grenzen. Berlin: Campus Verlag, 1994.

castoriadis, C. A instituição imaginária da sociedade. Trad. Guy Reynaud. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

ellul, J. A técnica e o desafio do século. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1968.

entropia No 3. Technique et décroissance, Lyon, Parangon/Vs, 2008.

garcia, E. Medio ambiente y sociedad La civilizacion industrial yos limites del planeta. Madrid: Alianza, 2004.

gimpel, J. La révolution industrielle du Moyen Age. Paris: Seuil, 2002.

gras, A. Fragilité de la puissance. Paris: Fayard, 2004.

—. Le choix du feu-Aux origines de la crise climatique. Paris: Fayard, 2007.

—. Sociologie des macro-systèmes techniques. Paris: puf, 1996.

grinevald, J.; ivo rens, I. Demain la décroissance. Paris: Sang de la Terre, 1995.

—. L’effet de serre et la civilisation thermo-industrielle. Revue Européenne des Sciences Sociales, n. 108, 1997, p. 141-146.

hughes, T. P. Networks of power. Baltimore: John Hopkins Un. Press, 1983.

—; mayntz, R. (org.). The development of Large Technical Systems. Berlin: Campus Verlag, 1989.

illich, I. Energie et équité. Paris: Seuil, 1973.

jannicaud, D. La puissance du rationnel. Paris: Gallimard, 1985.

jarrige, F. Face au monstre mécanique, une histoire des résistances à la technique. Paris: Radicaux Libres, 2009.

jouvenel, B. de. La civilisation de puissance. Paris: Fayard, 1976.

la porte, T. (org.). Social responses to large technical systems. Berlin: Kluwer, 1989.

lasch, C. The True and only heaven: progress and its critics. New York: W.W. Norton and Cy, 1991.

latouche, S. La mégamachine: raison technoscientifique, raison économique et mythe du progrès. Paris: La Découverte, 2004.

merton, R. K. Science, Technology and Society in Seventeenth Century England.

Osiris, v. iv, pt. 2, 2001 [1938], p. 360-632. Bruges, St. Catherine Press, 1938. Reissued: Howard Fertig, 2001.

mcneill, J. R. Something new under the sun. An environmental History of the 20th century. New York: W. W. Norton & Cy, 2001.

mumford, L. Technics and civilization. Chicago: Chicago Un. Press, 2010.

musso, P. Saint-Simon et le saint simonisme. Paris: puf, 1999.

polanyi, K. La grande transformation. Pari: Gallimard, 1983.

pomeranz, K. The great divergence: China, Europe, and the making of the modern world economy. Princeton: Princeton University Press, 2001.

rist, G. Le développement: histoire d'une croyance occidentale. Paris: Presses de Sciences Po, 2007.

vries, P. H. H. Via Peking back to Manchester: Britain, the industrial revolution, and China. Leiden: Leiden University/cnws Publications, 2003.

Notes

94 Sobre esta temática, Jacques Grinevald e Ivo Rens publicaram trechos de Nicholas Georgescu-Roegen em Demain la décroissance. Paris: Sang de la Terre, 1995.

95 A “mula jenny” é uma máquina de tecer algodão, a máquina de Watt uma bomba de carvão de efeito duplo cuja elaboração se deu entre 1769 e 1785. O princípio da máquina a vapor só se tornará realidade industrial após 1810, e primeiro na Inglaterra, onde sua introdução provocará a terrível rebelião dos luditas, em 1812.

96 Durante a conferência de Valladolid, Bartolome de Las Casas, descreve as condições atrozes nas quais os índios do México eram obrigados a trabalhar para extrair o ouro e a prata das minas. Mas aqui, trata-se simplesmente da sacra auri fames, a fome sagrada do ouro...

97 Conceito fundamental que abordo no livro Le choix du feu, Aux origines de la crise climatique (Gras, 2007). Mas o termo-conceito foi inventado par Jacques Grinevald (1997) a partir da análise de Nicholas Goergescu-Roegen sobre a entropia.

98 Por evidente, excluo Spinoza desta lista!

Table des illustrations

Titre Figura 2 – Situação de risco da disponibilidade de certos metais
URL http://books.openedition.org/irdeditions/docannexe/image/20049/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 119k

Auteur

Socioantropólogo das técnicas, professor emérito da Universidade de Paris I, fundador do Centro de Estudos das Técnicas, dos Conhecimentos e das Práticas (Cetcopra), na ufr de Filosofia da Sorbonne. Autor, entre outros livros, de Fragilité de la puissance Se libérer de l'emprise technologique, Fayard, 2004 e Le choix du feu Aux origines de la crise climatique, Fayard, 2008. E-mail: gras@univ-parist.fr

Leonardo Milani (Traducteur)

© IRD Éditions, 2012

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter