Version classiqueVersion mobile

Enfrentando os limites do crescimento

 | 
Philippe Léna

Alguns marcos teóricos e políticos para a construção de uma postura ecológica revolucionária

François Chesnais
Traduction de Maíra Machado et Caroline Delelis

Texte intégral

  • 84 nt: Projeto iniciado por Nicolas Sarkozy em 2007, que reuniu, pela primeira vez, representantes do (...)

1Na França, a ecologia política já tem uma longa história. René Dumont, agrônomo ilustre, foi seu primeiro defensor e candidato à eleição presidencial em 1974. Em 1992, surgiu uma revista de alto nível intelectual, a Revue d’écologie politique fundada por Jean-Paul Deléage. Desde 1974, conscientes dos desafios, os partidos conservadores procuraram “domesticar” e banalizar o debate ecológico com a criação do “Ministério da Qualidade de Vida” (que se tornou em seguida o “Ministério das Condições de Vida”), encarregado do meio ambiente. Uma concepção bem definida dos problemas, explicitada pelo seu nome. A partir da presidência de François Mitterrand, tal ministério se tornou simplesmente o do Meio Ambiente, o que poderia ter representado um progresso. Mas o leque de suas competências variou muito de um governo ao outro, seja dirigido pela direita, seja pelo partido socialista. Assim, a questão energética foi retirada das competências do ministério atual. Este último está, de fato, sempre sob a tutela do PrimeiroMinistro ou do Ministro da economia, ambos à escuta de grandes grupos industriais e financeiros. Um dos últimos exemplos claros é a autorização dada pelo ex-ministro Jean-Louis Borloo de exploração dos gases de xisto, por fraturamento, em algumas regiões de Cévennes, que já estão com penúria de água e muito vulneráveis ecologicamente. O Partido Verde disponibilizou dois ministros aos governos do Partido Socialista, que admitiram, ao final do mandato, sua impotência total diante dos potentes interesses económicos nacionais. São evidentemente os mesmos interesses que, dentro das relações de rivalidade – cooperação – conivência, fizeram fracassar as negociações internacionais sobre o clima, incluindo aquela tão esperada de Copenhague. Ao reformismo da ecologia política dominante, acrescenta-se a postura dos sindicatos que sempre se negam a considerar as reivindicações relacionadas à segurança no trabalho e à qualidade das condições de vida dos operários, trampolim para uma ecologia anticapitalista, no mesmo plano que as negociações sobre os salários e o emprego. Mesmo nos campos mais “banais” – grandes incineradores, despoluição, prioridade ao transporte rodoviário cujas consequências não se limitam às emissões de gases de efeito estufa – o resultado político das campanhas é praticamente nulo. Pode-se citar como exemplo o “Grenelle de l'Environnementi”.84

  • 85 nt: “Associação a favor da Taxação das Transações financeiras e da Ação Cidadã. Fundada na França e (...)

2O forte envolvimento da associação attac85 nas questões ecológicas em meados dos anos 2000, e o aviso do Novo Partido Anticapitalista (npa) durante sua criação em fevereiro de 2009 (de que colocaria os combates ecológicos e o “ecossocialismo” no centro de suas atividades) lançou ou relançou o debate sobre as referências teóricas e políticas que poderiam fundamentar as bases e orientar uma postura anticapitalista radical ou revolucionária nesta área.

3Na França, a releitura de Marx sobre as questões ecológicas data do final dos anos 1990. Em um contexto no qual os trabalhos do ipcc começam a ser considerados com seriedade nas associações e correntes que irão formar mais tarde a “alterglobalização”, tal releitura nasce do desafio lançado por certos teóricos do decrescimento que consideram pouco relevantes as ligações entre o sistema económico capitalista e o desperdício descarado dos recursos ou, ainda, da opção cada vez mais irreversível a favor de uma “economia de alta intensidade de carbono”. O caminho que levou a essa releitura foi aberto dez anos antes, pela publicação da tese de James O’Connor sobre a “segunda contradição do capitalismo” e com o debate que seguiu na New Left Review. O livro só foi publicado em francês em 2011 (!). É com a publicação de Marx's Ecology: Materialism and Nature, de John Bellamy Foster (2000), que essa releitura progrediu verdadeira mente. Esse livro coletivo me permite apresentar alguns aspectos da minha própria leitura de Marx e de suas implicações práticas.

O caráter social radical da questão das mudanças climáticas

4Começarei por minha compreensão do desafio social radical contido na questão da relação entre o capitalismo e a “natureza”. De maneira imediata no caso das mudanças climáticas, e em mais longo prazo no caso da penúria crescente de muitos recursos não ou muito lentamente renováveis, o desafio da questão “ecológica” é aquele da perenidade de algumas condições “naturais” necessárias à reprodução social. Essa noção me vem do livro I do Capital na parte sobre a mais-valia e o salário, mas também de trabalhos antropológicos importantes dos anos 1970, como aqueles de Maurice Godelier (1978). Este autor fez “das condições de reprodução (e de não reprodução) dos sistemas sociais, sob a dupla restrição de suas estruturas internas e dos seus ambientes ecológicos”, seu campo de pesquisa predileto, chegando a utilizar o termo, pouco utilizado até então, de ecossistema.

  • 86 Nesse trabalho, reconhecemos o grande atraso da crítica marxista e procuramos uma explicação.
  • 87 Ver, por exemplo, Changements climatiques et peuples autochtones, Grupo Internacional de Trabalho p (...)

5No caso das mudanças climáticas, as condições naturais necessárias à reprodução social dependem da biosfera e de vários ecossistemas que, como sabemos hoje, estão muito fragilizados (correntes marinhas, geleiras, florestas primárias, etc.). A questão climática é “social” nesse sentido básico e radical, em um número crescente de partes do mundo (Chesnais e Sarfati, 2003).86 Os efeitos das mudanças climáticas já são desastrosos para os habitantes autóctones do Ártico, da Groenlândia e do Himalaia, para pastores da África do Leste, para os insulanos dos pequenos Estados do Pacífico (ameaçados de submersão), para os Mapuches do Chile, ou os Guaranis da Argentina.87 A questão ecológica envolve, então, as próprias bases da civilização, na medida em que somos levados a considerá-la como planetária. Por hora, os efeitos sociais dos processos de degradação dos ecossistemas se manifestam de maneira desigual e diferenciada no espaço mundial criando, assim, uma dificuldade política importante. Em alguns países capitalistas avançados, como mostrou o furacão Katrina em Nova Orleans em 2006, a capacidade de enfrentar as catástrofes (que sempre chamamos de “naturais”) e, sobretudo, as suas consequências imediatas e mais longínquas sobre as diferentes classes ou camadas sociais, se tornou um fator que se acrescenta às diferenciações sociais anteriores e as agrava consideravelmente.

6Por enquanto o impacto das mudanças climáticas afeta, de maneira direta, sobretudo as pessoas vivendo nos chamados países “do Sul”, em geral os mais pobres e mais vulneráveis. Nos países do centro do sistema capitalista mundial a ameaça parece ainda distante e, portanto bastante abstrata, não somente para a maioria dos assalariados, mas também para a maioria “esmagadora” dos responsáveis sindicais, e mesmo para muitos militantes anticapitalistas. Tal posição se reflete, evidentemente, naquela que predomina nos “países emergentes” e que é marcada pela ideologia de “alcançar” o modelo “ocidental” americano mais precisamente, da expansão urbana, do transporte e da ocupação do território. Os grandes grupos industriais e financeiros que agora dependem do mercado desses países desempenharam e desempenham mais que nunca um papel central na difusão da ideia do “one and only way of everyday life”.

A valorização sem fim do capital, da venda de mercadorias, da exploração sem limites dos trabalhadores e dos recursos naturais

7É necessário, então, buscar as raízes do “produtivismo” e do “consumismo” nas suas relações com as questões ecológicas. A observação metodológica mais condensada de Marx sobre as relações do homem com a natureza é oriunda de um texto de educação política, pouco lido hoje: “Para produzir, os homens entram em relação determinada uns com os outros, e é somente nos limites dessas relações sociais que sua ação sobre a natureza se estabelece” (Marx, 1952, p. 31). Dizer que as “relações sociais” no âmbito das quais a sociedade mundial contemporânea – dominada de um lado a outro pelo capital – “estabelece sua ação sobre a natureza”, são aquelas que opõem o capital e o trabalho seria proceder a uma simplificação à qual Marx não se entregou e que não é suficiente para entender os desafios atuais. A definição pertinente é aquela de relações sociais comandadas pela valorização sem fim do dinheiro que se tornou capital, num movimento marcado pela redução do trabalho concreto ao trabalho abstrato e pela produção e venda de mercadorias, também sem fim. Nos Manuscritos de 1857-58, Marx escreve que “o capital, enquanto representa a forma universal da riqueza – o dinheiro – é a tendência sem fronteiras e sem medida de ultrapassar seu próprio limite. Senão, ele cessaria de ser capital, o dinheiro enquanto ele se produz ele mesmo” (Marx, 1980, p. 273).

8Para que o capital possa preservar seus atributos de “autómato”, de “valor em processo” voltado perpetuamente para sua autorreprodução, são necessárias duas condições. A primeira é a alquimia muito peculiar que nasce do encontro entre o dinheiro que se tornou capital com o trabalho vivo. Para que a “tendência absoluta ao enriquecimento” se realize, é preciso que a “conversão do trabalho (atividade viva e eficiente) em capital (Marx, 1980, p. 256) possa se realizar sem entrave. Hoje, a concorrência direta dos trabalhadores de vários países e continentes, assim como a formação de um exército industrial de reserva globalizado, mediante a liberdade de instalação de firmas, as deslocalizações, as relocalizações, a liberalização das trocas, garantem ao capital a possibilidade de se apropriar das propriedades ou de “se apropriar das qualidades” de inteligência, de energia humana, de esforço em escala planetária e com o melhor custo. A desregulamentação do mercado de trabalho e a utilização de tecnologias da informação e de comunicação pelas empresas, conceitos que poderiam parecer uma mera sutileza teórica, interferem de maneira cada vez mais concreta no cotidiano dos assalariados. A segunda condição é poder extrair matéria-prima sem limites das reservas terrestres, recursos do solo e do subsolo, impactando cada vez mais gravemente a biosfera e os ecossistemas muito frágeis ligados a esta última. A exploração sem limites da força do trabalho comprada, a exploração sem limites, até o esgotamento, dos recursos naturais e a produção e venda atual de mercadorias, sem consideração pelas emissões de gases de efeito estufa, andam juntas. Elas estão inscritas na noção de capital e naquela que lhe é inseparável de produção de mercadorias. Hoje, massas imensas de mercadorias, na maioria, socialmente inúteis, e, no que tange a sua produção material, devoradoras de recursos dificilmente ou não renováveis, bem como emissoras de gases de efeito de estufa.

9Para que a autorreprodução do capital seja efetiva, é necessário que o ciclo de valorização se feche com “sucesso”, ou seja, que as mercadorias fabricadas e a força do trabalho comprada no “mercado do trabalho”, e utilizada de maneira discricionária pelas empresas nos sítios de produção, sejam vendidas. Para que os acionários fiquem satisfeitos, é necessário que uma grande quantidade de mercadorias, que incorporam o trabalho abstrato contido no valor, seja escoada no mercado. Para o capital, é absolutamente indiferente que essas mercadorias representem realmente “coisas úteis” ou que elas simplesmente aparentem. Para o capital, a única “utilidade” é aquela que permite tirar lucro e continuar o processo de valorização sem fim, de tal forma que as empresas se tornaram expertas, com a publicidade, na arte de mostrar àqueles que realmente ou ficticiamente (com o crédito) têm o poder aquisitivo, que essas mercadorias são “úteis”.

10A valorização do capital, por meio da produção e da venda de mercadorias, correspondendo a necessidades “fabricadas”, não representa somente uma despesa inútil de trabalho. Comporta também uma despesa inútil de matéria-prima, de recursos do solo e do subsolo, bem como impactos sobre a biosfera, consequências da valorização sem fim do capital. É esta dimensão que foi, e ainda é, muito pouco considerada pelos marxistas. No entanto, o primeiro capítulo do livro I do Capital contém a observação de que “o homem não pode proceder de outra forma que a própria natureza, ou seja, ele só pode mudar a forma das matérias. Mais ainda, nessa obra simples de transformação, ele é ainda constantemente sustentado por forças naturais. O trabalho não é então a única fonte dos valores de uso que ele produz, da riqueza material. Ele é o pai e a Terra, é a mãe, como diz William Petty” (Marx, 1980, p. 58). A afirmação da importância de considerar o papel chave da “natureza” não é simplesmente teórica. É por esse ponto que Marx começa a sua crítica do primeiro programa do Partido socialdemocrata alemão, dito de Gotha: “o trabalho não é a única fonte de toda riqueza. A natureza é uma fonte de valores de uso (que são bem, apesar de tudo, a riqueza real!) tão importante quanto o trabalho, que é somente a expressão de uma força natural, a força do trabalho do homem” (Marx, 1950, p. 17).

Exploração desavergonhada dos trabalhadores e esgotamento do solo

11O capital, no seu movimento de valorização, esgota os trabalhadores e dilapida os recursos naturais. A conclusão do capítulo xv do livro I do Capital é agora citada frequentemente, depois de ter sido, durante muito tempo, quase completamente menosprezada. Encontra-se a respeito da agricultura um exemplo peculiar desta interconexão:

Cada progresso da agricultura capitalista é um progresso não somente na arte de explorar o trabalhador, mas também na arte de despojar o solo; cada progresso na arte de aumentar a fertilidade por um tempo determinado é um progresso na ruína das suas fontes sustentáveis de fertilidade. Quanto mais um país, os Estados Unidos, por exemplo, se desenvolve na base da grande indústria, mais esse processo de destruição acontece rapidamente”, de forma que “a produção capitalista só desenvolve a técnica [...] esgotando as duas fontes das quais jorra toda riqueza, a terra e o trabalhador”. (Marx, 1950, p. 181-182)

12No fim dos capítulos sobre a renda fundiária no livro iii, Marx repete o mesmo tema em termos muito modernos:

[...] a grande propriedade mina a força de trabalho no último refúgio (o campo) de sua energia nativa, no domínio onde ela se acumula como reserva para a renovação da vida das nações. A grande indústria e a grande agricultura explorada industrialmente atuam juntas. Se elas se diferenciam, no início, pelo fato de que, uma desperdiça e ruína mais a força natural do homem e, a outra, a força natural da terra. Depois, elas se juntam: o sistema industrial aplicado à terra vindo por sua vez a extenuar a força do trabalho, e a indústria e o comércio intervindo para providenciar à agricultura os meios de esgotar a terra. (Marx, 1957, p. 192)

  • 88 Ver os estudos reunidos em Fred Magdoff, John Bellamy Forster e Frederick Buttel (2000).
  • 89 Ver, por exemplo, em relação aos cultivos intensivos, o exemplo da cidade tristemente famosa d’El E (...)

13O solo sempre foi, e agora mais do que nunca, a principal vítima do esgotamento dos recursos naturais apesar da hiperprodutividade de algumas formas de culturas. O uso maciço de fertilizantes químicos pareceu resolver os problemas de “restituição dos elementos de fertilidade à terra”, mas só fez adiar e piorar a situação. O termo esgotamento inclui a extinção acelerada das espécies vegetais e os novos riscos proporcionados pelos ogm que também comprometem a reprodução das variedades cultivadas e expropriam o que sobrou do campesinato. Nos países do “Sul”, a exploração desenfreada dos recursos naturais está quase sempre ligada a formas violentas de exploração dos trabalhadores.88 O capitalismo não pode ouvir o discurso do “decrescimento”, somente aquele da luta. Luta de classes e também luta de comunidades camponesas nos chamados países do Sul. Martínez Alier (2008) fez um censo recente e impressionante dessas últimas. Nos países capitalistas avançados, existem muitas atividades onde a luta é a via de entrada da ligação entre a “questão social” e a “questão ecológica”. Só um exemplo aqui: aquele da produção hortícola “industrializada” que abastece os supermercados com frutas e legumes na Espanha,89 mas também na região do sul na França. Não é por acaso que seja nesse setor que os fiscais do trabalho são acolhidos pelos patrões ou gerentes com tiros de espingarda (Chesnais, 2004). Nesse setor, como é o caso em muitos outros, lutar para aplicar o direito trabalhista e a obrigação de fornecer documentos para os trabalhadores imigrantes empregados, é também uma forma de combate ecológico. É um exemplo que mostra a importância de recolher dados sobre situações onde a exploração dos trabalhadores e as degradações ecológicas acontecem simultaneamente. Dessa forma, os dados ajudariam os militantes operários e sindicais a melhor compreender a relação entre combate social e combate ecológico na agroindústria, nas minas e na transformação de metais.

A energia, sustentáculo da acumulação de capital e da detenção de poder

14Mencionou-se o papel exercido pelos grandes grupos industriais e financeiros na propagação do modelo mundial único de urbanização e de transporte. Da mesma forma que o combate anti-imperialista, o combate ecologista começa “no seu próprio país”, contra os próprios grupos industriais “nacionais”. A acumulação de capital não é “desencarnada”. Os pesquisadores marxistas reconheceram isto ao pesquisarem as empresas multinacionais (stn) e, no que diz respeito à parte financeira, os bancos, os fundos de pensão e de investimentos financeiros coletivos. A organização do complexo militar-industrial foi cuidadosamente estudada. No entanto, ainda não é o caso para o complexo industrial-financeiro que agrega energia/automóvel/construção civil, do qual os grupos petroleiros constituem o pivô. Atualmente, o peso político deste complexo, a importância do impacto ecológico de suas atividades, sua capacidade de impedir as mudanças, exige que concentremos nossa atenção sobre ele e compreendamos o que lhe permite fazer a sociedade, por assim dizer, “refém”.

15A história do capitalismo conheceu uma fase inicial de conflito entre os capitalistas e os proprietários fundiários (desmantelamento da propriedade eclesiástica e abolição dos direitos feudais na França e na Inglaterra, estigmatização da renda na teoria da acumulação de Ricardo levando à revogação das leis de tributação para a importação do trigo). Mas o lucro rapidamente fez as pazes com a renda. A burguesia industrial reconheceu a “legitimidade” do arrendamento agrícola e, ainda mais facilmente, das minas de carvão, de ferro e de metais não ferrosos. Como os títulos dependentes da capitalização financeira, “o título de propriedade fundiária não tem nada a ver com o capital que é investido. Seu valor se baseia em uma antecipação” (Marx, 1976, p. 188). Esta última difere profundamente, entretanto, das especulações da bolsa, na medida em que ela é sujeita a cálculos precisos. “Uma antecipação do futuro – uma verdadeira antecipação geralmente ocorre na produção de riquezas somente em relação ao trabalhador e à terra, pois, o futuro de ambos pode realmente ser antecipado e devastado por uma sobrecarga prematura e o esgotamento, pela perturbação do equilíbrio entre despesas e retornos” (Marx, 1976, p. 359).

16Com a chegada do petróleo, a interpenetração entre renda e lucro ocorreu em grande escala. O caminho foi deliberadamente fechado a outras tecnologias cujos potenciais são redescobertos atualmente. Tal foi o caso do fotovoltaico e ainda mais do solar térmico que passaram por um desenvolvimento inicial a partir do século xix, antes que suas trajetórias industriais tenham sido fechadas. A opinião dominante, que vai muito além do neoliberalismo, diz que as mudanças climáticas seriam “devidas à atividade humana”. Ela desconsidera não somente o capitalismo em si, mas também as decisões tomadas no âmbito industrial em momentos de bifurcação tecnológica potencial (Tanuro, 2011). “A atividade humana” é aquela modelada pelo capitalismo. Pouco a pouco, a armadilha que conhecemos hoje foi armada. Seus fundamentos vão além da economia stricto sensu. O individualismo, que a sociedade burguesa alimenta para melhor fundamentar a propriedade privada, encontrou uma de suas expressões mais representativas no carro individual. Fortemente ligado às instituições financeiras, o setor petroleiro se tornou aquele onde a acumulação e a centralização de capitais foi a mais forte e um dos setores que impulsionou o processo de internacionalização do capital. Trata-se do setor, por excelência, de intervenções políticas e das guerras imperialistas. A materialização organizacional desta potência possui nomes com os quais estamos familiarizados: Exxon (sucessor da Standard Oil fundada por Rockfeller), Shell, Total, bp, mas também Gazprom e PetroChina (muito ativa na África) ou ainda na América Latina, a Petrobras, a Pemex, ou ainda a Petroleos da Venezuela que, ao mesmo tempo em que é controlada por Chavez, faz amplamente parte do oligopólio petroleiro mundial. É preciso acrescentar na área financeira os gigantes “fundos soberanos” dos Estados do Golfo que socorreram Wall Street e a City desde o início da atual crise financeira. Hoje, os grandes grupos de energia pretendem comandar as condições de adoção das energias renováveis (ritmo, preço, difusão internacional).

  • 90 Assim, o projeto iter interessa aos militares, notadamente a produção e o transporte de trítio. Com (...)
  • 91 Veja a chamada pública para uma diversificação urgente das fontes de energia elétrica francesa lanç (...)

17Na França, a empresa Total compartilha este papel com os grupos que formam o complexo político-financeiro da indústria nuclear, notadamente a Areva e a edf, assim como a Alstom, fabricante de turbinas. Tais empresas procuram explorar a crise da mudança climática, apresentando a energia nuclear como uma fonte de energia “limpa”, rejeitando não apenas os riscos ligados ao setor nuclear, mas também os gravíssimos problemas transferidos às gerações futuras pelo armazenamento de resíduos radioativos. O setor está indissoluvelmente ligado à política militar; não há indústria nuclear civil sem haver a militar.90 O setor é uma das partes envolvidas no sistema de dominação política, de exploração e de corrupção imperialista da “França-África”. O continente detém um papel essencial por ser fonte de urânio, notadamente o Níger e a África Central. Areva e edf são um dos elementos que constituem o neocolonialismo francês. A oferta de eletricidade nuclear de baixo custo é um obstáculo ao desenvolvimento das tecnologias alternativas de energia renovável (solar térmica, fotovoltaica, eólica etc.) não apenas na França, onde o obstáculo é temível, mas na Europa de modo mais abrangente.91 No caso do Brasil, as verdadeiras questões do pré-sal não estão ligadas à soberania ou à criação de um subsistema tecnoindustrial nacional-mesmo se as negociações ainda não terminaram, presume-se que os grupos estrangeiros participarão do projeto de perto – mas ao longo fôlego que o pré-sal dará ao reino do caminhão e do automóvel, associado aos grandes riscos ecológicos marinhos.

Construindo o sujeito político: estado de alerta militante diante das crises ecológicas eminentes

18O período histórico no qual ingressamos vivenciará provavelmente um enredamento crescente entre os impactos econômicos e sociais das mudanças climáticas e os efeitos da crise econômica e financeira mundial e de suas prorrogações. A questão é a reconstituição de um “sujeito político” diante do capital.

  • 92 Este texto se encontra no endereço eletrônico <http://www.marxists.org/francais/lenin/oeuvres/vol_25.htm>.

19A interação entre os diferentes problemas colocados diante da humanidade representa um desafio descomunal. Para superá-lo, os trabalhadores precisariam criar, em nível mundial, uma “reunião de homens livres que trabalham com meios de produção comuns e juntam, a partir de um plano compartilhado, suas inúmeras forças individuais em uma única força de trabalho social” (Marx, 1950, li, t1, p. 90). Os termos são de Marx que em outro texto acrescenta: “tornando-se produtores associados”, os trabalhadores teriam então os meios de “combinar racionalmente e controlar suas trocas de matéria com a natureza de tal modo a realizá-las dispensando menos força e nas mais dignas condições assim como da maneira mais conforme à natureza humana” (Marx, 1957, liii, t8, p. 198-199). Em condições determinadas, a revolução é um ato defensivo. Em Setembro de 1917, Lênin escreveu um folheto intitulado A catástrofe iminente e os meios de evitá-la.92 Sua análise começa pela fome nas cidades, cuja causa é a desorganização deliberada dos transportes e o armazenamento especulativo dos cereais. Lênin enumera as medidas anticapitalistas necessárias para resolver a situação e ele argumenta que implantar tais medidas é um ato defensivo, um ato de sobrevivência, o único modo de preservar as condições elementares da reprodução social dos operários e dos explorados. No entanto, é bem este tipo de situação à qual estamos confrontados hoje, no plano alimentar, no plano ecológico, ao nível da habitação e, desde o agravamento da crise, no quesito emprego. “Os homens fazem sua história, mas eles não a fazem de modo totalmente voluntário, em condições livremente escolhidas. Pelo contrário, eles as encontram todas prontas, dadas, herdadas do passado” (op. cit.).

  • 93 Ver meu comentário dessa obra em Chesnais (2009).

20A crise ecológica, da qual a mudança climática é o elemento central, faz parte das condições “não escolhidas livremente” que o capitalismo deixará, de toda maneira, como herança às gerações futuras. Mas são as gerações já nascidas que serão confrontadas a uma fonte de barbaria inédita. Isabelle Stengers (2009, p. 58)93 nos adverte da entrada da humanidade em um novo período da longa história da barbárie capitalista do qual o “Novo Mundo” foi a primeira vítima no século xvi. O novo período será aquele onde catástrofes ecológicas virão se somar às guerras, com suas consequências diferenciadas em função da classe social, o que foi colocado plenamente em evidência quando o furacão Katrina destruiu Nova Orleans. Trata-se de anunciar uma “verdade que incomoda”, ou seja, que a “natureza” já foi tão agredida de maneira extrema, que ela começou a “responder”, e numa escala cada vez maior. A autora enfatiza que nos encontramos em um caso cada vez mais excepcional onde, no âmbito do ipcc, os “climatólogos, glaciólogos, químicos e outros fizeram seu trabalho, e conseguiram fazer o sinal de alerta tocar, apesar de todas as tentativas de abafá-lo, e a impor “uma verdade que incomoda”, apesar de todas as acusações às quais foram sujeitos (op. cit.)”. A questão não é saber o que faremos num futuro mais propício ao socialismo. A sociedade humana se encontra diante de uma questão imediata, uma questão profundamente política, no sentido que a vida de milhões de pessoas vai ser afetada diretamente e, frequentemente, até colocada em perigo. Pois a “intrusão de Gaia” terá como pano de fundo o capitalismo, ou seja, um sistema de exploração econômica e dominação social onde a mudança climática é vista pelas empresas como uma fonte futura de investimentos e de lucros, enquanto os governos a consideram como um problema de manutenção da ordem, que vem se somar a muitos outros.

21Voltemos ao alcance da expressão “produtores associados” (que inclui certamente pesquisadores e engenheiros). São aqueles que estão, seja diretamente, seja pelo intermediário do capital, mas em uma relação conflituosa com este último, em relação direta com os meios de produção e que sabem “fazê-los funcionar”. Para citar o exemplo da França, existe uma parte chave dos trabalhadores, os agricultores, “trabalhadores rurais independentes”, geralmente membros da Confederação Camponesa. Eles começaram a assumir de frente a questão das relações entre a sobrevivência social e os modos de produção não capitalista, para eles mesmos, assim como para toda a sociedade. Outro exemplo é o apelo dos empregados das estradas de ferro de Sud-Rail em fevereiro de 2010 a “construir as mobilizações populares para uma política de transporte de mercadorias realmente ecológica e social”. Durante a greve da Total de Dunquerque em 2009, com a ocupação da refinaria, um texto circulou explicando que a solução social era manter os empregos dos assalariados da Total e das empresas de terceirização, e que a solução ecológica era a reconversão para atividades mais sustentáveis; a ecologia não podendo ser concebida sem incluir os homens e mulheres que trabalhavam no local. A posição se manteve minoritária sem se beneficiar do apoio de um sindicato, mas houve a vontade de articular perguntas que não podem mais ser desmembradas.

22A amplitude das mobilizações contra a introdução de produtos geneticamente modificados em 2008-2009 com as suas vanguardas de “ceifadores voluntários” correndo risco de prisão, e mais recentemente a insurgência em massa das cidades e vilarejos contra a exploração dos gases de xisto, indica uma disponibilidade de pensamento e ação sobre as questões ecológicas como questões mundiais. Na Alemanha as manifestações são ainda mais massivas, notadamente em relação ao setor nuclear. Elas são por parte um deslocamento neste terreno de combates que não são travados atualmente contra o capital nas empresas. Na Europa, a força dos protestos em Copenhague teve uma ressonância tão importante quanto a constatação do fracasso da conferência governamental. “Fazer a história” é buscar construir com tais fundamentos, apesar de parecerem limitados no momento atual. Não há outro caminho.

Bibliographie

Referências

bellamy foster, J. Marx’s ecology: materialism and nature. New York: Monthly Review Press, 2000.

chesnais, F. La mondialisation de l'armée industrielle de réserve: la délocalisation interne dans l'agriculture. Carré rouge, n. 2, 2004. Disponível on-line no siíe da revista La Brèche, disponível em <http:www.alencontre.org>.

—; serfati, C. Les conditions physiques de la reproduction sociale. In: harribey, J-M.; löwy, M. (dir.). Capital contre nature: actuel Marx confrontation. Paris: Presses Universitaires de France, 2003.

—. Socialismeoubarbarie, les nouvelles dimensions d'une alternative. Contretemps edição eletrônica, disponível em <http://www.contretemps.eu>, 8 jul. 2009.

forum civique europeen. Le goút amer de nos fruits et légumes. Informations et commentaires, numéro hors-série: Le développement en questions, 2002

godelier, M. Reproduction des écosystèmes et transformation des systèmes sociaux. Economie rurale, n.124, 1978.

groupe international de travail peuples autochtones. Changements climatiques et peuples autochtones. Paris: L’Harmattan, 2009.

magdoff, F.; bellamy forster, frederick buttel, F. (coord.) Hungry for profit: The agribusiness threat to farmers, food and the environment. New York: Monthly Review Press, 2002.

martinez-alier, J. Conflits écologiques et langages de valorisation. Ecologie et Politique, n. 7, 2008.

marx, K. Le capital. Paris: Éditions Sociales, livro I, tome 1, 1950.

—. Le capital. Paris: Éditions Sociales, livro I, tome 2, 1950.

—. Critique du programme de Gotha. Paris: Éditions Sociales, 1950.

—. Travail salarié et capital. Paris: Éditions Sociales, 1952.

—. Le capital. Paris: Éditions Sociales, livre iii, tome 8, chapitre xlvii, 1957.

—. Le capital. Paris: Éditions Sociales, livre iii, tome 8, 1957.

—. Théories sur la plus-value. In: Le capital. Paris: Éditions Sociales, livre iv, tome 3.1976.

—. Manuscrits de 1857-58. Paris: Éditions Sociales, v. 1, 1980.

stengers, I. Au temps des catastrophes. Résister à la barbarie qui vient. Paris: Les Empêcheurs de penser en rond/La Découverte, 2009.

tanuro, D. L'impossible capitalisme vert. Paris: La Découverte, 2011.

Notes

84 nt: Projeto iniciado por Nicolas Sarkozy em 2007, que reuniu, pela primeira vez, representantes do governo e da sociedade civil no intuito de elaborar um plano de ação a favor da ecologia e do desenvolvimento sustentável. O nome faz referência aos famosos acordos de Grenelle”, firmados em 1968, no Ministério do Trabalho (situado rua de Grenelle), entre governo, sindicatos e patrões.

85 nt: “Associação a favor da Taxação das Transações financeiras e da Ação Cidadã. Fundada na França em 1998, está hoje presente em mais de 50 países. Popularizou a expressão “outro mundo é possível”.

86 Nesse trabalho, reconhecemos o grande atraso da crítica marxista e procuramos uma explicação.

87 Ver, por exemplo, Changements climatiques et peuples autochtones, Grupo Internacional de Trabalho para os povos autóctones (2009).

88 Ver os estudos reunidos em Fred Magdoff, John Bellamy Forster e Frederick Buttel (2000).

89 Ver, por exemplo, em relação aos cultivos intensivos, o exemplo da cidade tristemente famosa d’El Ejido na Andaluzia e também aquele do vale do Rhône (França) em “Le goût amer de nos fruits et legumes”, março 2002 na revista Informations et commentaires: le développement en questions, Forum Civique Européen (2002).

90 Assim, o projeto iter interessa aos militares, notadamente a produção e o transporte de trítio. Combustível do reator de fusão, é também o componente essencial das bombas termonucleares.

91 Veja a chamada pública para uma diversificação urgente das fontes de energia elétrica francesa lançada pelos assalariados do edf, em junho de 2008, no link “energia” do site da Attac, <http://www.france.attac.org/>.

92 Este texto se encontra no endereço eletrônico <http://www.marxists.org/francais/lenin/oeuvres/vol_25.htm>.

93 Ver meu comentário dessa obra em Chesnais (2009).

Auteur

Economista, professor associado da Universidade de Paris xiii, conselheiro científico de attac. Co-redator da revista marxista independente Carré rouge. Último livro publicado: Les dettes illégitimes Quand les banques font main basse sur les politiques publiques (Paris, Éd. Raisons d’Agir, 2011). E-mail: chesnaisf@free.fr

Maíra Machado (Traducteur)
Caroline Delelis (Traducteur)

© IRD Éditions, 2012

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search