Version classiqueVersion mobile

Enfrentando os limites do crescimento

 | 
Philippe Léna

Os limites do crescimento econômico e a busca pela sustentabilidade: uma introdução ao debate4

Philippe Léna

Texte intégral

  • 4 Agradeço muito a Elimar Nascimento pela releitura do texto e correções.

1Desde a Conferência do Rio em 1992, acumularam-se os relatórios das agências da onu e os alertas da comunidade científica: o metabolismo da humanidade (destruição de ecossistemas/biodiversidade, consumo de matérias-primas renováveis e não renováveis, produção de lixo e poluição) alcançou tal dimensão que põe em risco sua própria existência, ao menos de forma compatível com nossa ideia de civilização. Como foi dito muitas vezes, “não se pode crescer infinitamente num mundo finito”. O diagnóstico também nos avisa que dispomos de pouco tempo para tentar reverter a situação. Isso talvez seja a maior novidade e o maior obstáculo no caminho de qualquer tentativa de transformação profunda. Acostumados a pensar as mudanças sociais no tempo histórico longo, temos muita dificuldade para integrar o sentimento de urgência.

O entrelaçamento das crises ecológicas, econômicas e sociais

  • 5 A equação é a seguinte: I (Impacto ambiental) = P (população) x Affluence (consumo) x Tecnologia. (...)
  • 6 Vale lembrar os livros de Rachel Carlson (Silent Spring, 1962), que denunciava o uso dos pesticida (...)
  • 7 Ver Murray Bookchin, nos Estados Unidos (Our synthetic environnment, 1962), que criou a Social Eco (...)

2A denúncia da exploração exagerada da natureza existe desde Platão. Porém foi no século xix que medidas concretas de proteção começaram a ser tomadas diante do risco de desaparecimento de sítios naturais notáveis, ameaçados pela expansão das atividades econômicas. Depois da Segunda Guerra Mundial e da entrada dos países industrializados (e da burguesia compradora dos países do Sul) na sociedade de consumo, assistimos a uma primeira mudança de escala que afetou as três dimensões da equação do impacto ambiental5 (Ehrlich & Holdren, 1971; Chertow, 2001): a População, com o baby boom do pós-guerra; a explosão do Consumo (expansão da sociedade de consumo de massa) e a Tecnologia, com a multiplicação dos eletrodomésticos, dos carros individuais e da química industrial. O aumento brutal do consumo de petróleo (obtido a preços muito baixos) é ao mesmo tempo a causa e a consequência dos 30 anos de crescimento que seguiram a Segunda Guerra Mundial. A essa primeira onda corresponderam os primeiros alertas. Vieram essencialmente da comunidade científica,6 mas confortavam as observações de simples cidadãos que começaram a se organizar em associações de defesa do meio ambiente. As ONGs ecologistas cresceram em todos os países industriais. No final dos anos sessenta e início dos setenta, principalmente depois da conferência de Estocolmo, foram criados os primeiros ministérios do meio ambiente em vários países europeus. Ao mesmo tempo, a crítica do capitalismo, da sociedade de consumo e do “desenvolvimento” incorporava cada vez mais a dimensão ecológica.7 No embalo do movimento de 1968, que havia trazido mudanças culturais e políticas profundas, podia se pensar, com certa razão, que estávamos na véspera de uma transformação significativa da economia e da sociedade. Até o então presidente da Comissão Europeia, Sicco Mansholt, declarara, em 1972, que não havia outra solução para os países industrializados senão decrescer.

  • 8 A restauração das taxas de lucro, a austeridade orçamentária e o desmantelamento das conquistas so (...)

3Toda essa efervescência, porém, foi varrida pela crise económica desencadeada pelos sucessivos aumentos do preço do petróleo nos anos setenta. Para entender melhor esse fenômeno, é preciso recorrer a uma análise mais detalhada da situação econômica, financeira e política daquela época, o que pode ajudar a situar a crise atual numa temporalidade maior. Para certos autores (Stengers, 2009) a noção de crise deveria ser abandonada na medida em que incorpora a ideia de um acontecimento pontual, imprevisto, que medidas corretivas poderão superar. Na realidade, de acordo com Streeck (2011), a crise económica e social atual começou há mais de 40 anos, quando o crescimento económico dos países industrializados deu sinais de enfraquecimento, e a inflação ganhou força. O autor argumenta que a redução dos conflitos sociais e a compatibilização entre o capitalismo de mercado e a democracia política foram construídas na base do seguinte acordo: a classe operária aceitava a economia de mercado e a propriedade privada em troca da extensão do welfare state e do progresso constante do poder aquisitivo. Com o fim das altas taxas de crescimento (e o encolhimento das taxas de lucro do capital), os governos enfrentaram forte contestação social. Recorreram sucessivamente a três soluções (op. cit.): a inflação, a dívida pública, a dívida privada. A flexibilização monetária foi uma tentativa de evitar o desemprego e os conflitos, mantendo o consumo e o processo de negociação com os sindicatos, então poderosos. Mas a inflação, ao desvalorizar o património dos detentores de ativos financeiros, provocou sua reação, bem como a dos donos de empresas, que queriam restaurar suas margens de lucro por meio da diminuição dos seus custos. Exerceram, assim, uma pressão sobre os governos para que controlassem a inflação. O desemprego aumentou, abrindo a porta para o arrocho salarial, alimentando um círculo vicioso, no qual a forte demanda por empregos colocava sindicatos e trabalhadores em posição de fraqueza. Aliás, os governos (principalmente de Margaret Thatcher e Ronald Reagan) enfrentaram os sindicatos com sucesso, sem medo das consequências políticas das suas decisões, já que a relação de poder tinha se invertido decisivamente. A inflação foi vencida, mas à custa de um crescente desemprego e da estagnação do poder aquisitivo. Doravante, foi o Estado que financiou a paz social (em particular a necessária expansão do salário-desemprego) por intermédio do crescimento da dívida pública. Não a financiou pela fabricação de moeda (o que poderia provocar o retorno da inflação), mas emprestando dinheiro no mercado. O crescimento da dívida teve duas consequências: o aumento dos juros e um crescimento fraco. A desregulação financeira e a concorrência generalizada (a globalização) permitiram controlar os juros em certo grau e conter os salários,8 mas logo os mercados e os acionistas exigiram maior proteção dos seus interesses por meio da austeridade orçamentária. Diante da impossibilidade de recorrer ao financiamento público (ao menos à altura necessária) para manter o consumo e a demanda agregada em geral, as empresas e os indivíduos foram encorajados a recorrer cada vez mais ao crédito. Foi a solução pelo endividamento privado. A criação de instrumentos financeiros destinados a proteger esses empréstimos duvidosos (entre outros mecanismos) esteve na origem da crise de 2008.

  • 9 Certos países, como a Rússia, ameaçam boicotar a Europa. A tentativa da Europa de taxar o petróleo (...)

4As medidas destinadas a salvar certas indústrias e bancos (socialização dos ativos tóxicos) cavaram mais ainda a dívida pública, impedindo provavelmente qualquer novo salvamento em caso de crise futura. De acordo com Streeck (op. cit.), existe hoje uma luta entre investidores internacionais e os Estados-nações para que esses façam maiores cortes orçamentários, sem, no entanto, acabar com a perspectiva de crescimento, como parece ser o caso para a Grécia. A dificuldade de resolver essa contradição leva os capitais a procurar rentabilidade nos países emergentes e no mercado de matérias-primas (inclusive alimentares), objetos de especulação. Nesse quadro, ninguém sabe ainda qual é o caminho de resolução dos conflitos sociais que será eventualmente encontrado pelo “capitalismo democrático”, mas parece que tanto os Estados como os cidadãos estão hoje mais enfraquecidos diante da indústria financeira internacionalizada. Podemos formular a hipótese de que o meio ambiente sairá perdendo. Basta observar o fracasso da conferência de Copenhague, a forte oposição enfrentada pelas tímidas tentativas de taxar as emissões de CO2 na Austrália ou as reações à taxação pela Europa do transporte aéreo.9 Porém, sempre há incertezas. Qual será a força dos novos tipos de protestos tais como os “indignados” ou “ocupy Wall Street?

  • 10 Nessa nova configuração, a maior parte da classe operária vota doravante para os partidos de direi (...)

5Nessa longa história, os anos setenta representam um turning point: a crítica social-ecológica não conseguiu oferecer uma solução política para as vítimas do arrocho salarial e do desemprego. A classe operária, os assalariados em geral, mas também comerciantes, donos de pequenas empresas (etc.) só queriam restaurar o sonho perdido do progresso contínuo do consumo. Por isso, nos anos oitenta, em vários países, os cidadãos elegeram governos de esquerda, apostando na volta para uma distribuição mais generosa da riqueza coletiva. Mas a social-democracia (os partidos socialistas europeus) já não tinha mais perspectivas de transformação social profunda. Almejava fazer uma cogestão do capitalismo, com melhor distribuição do produto social. Encontrava-se, portanto, diante da necessidade de enfrentar as mesmas pressões e contradições que qualquer governo de centro-direita. Essa situação levou à difusão da ideia (originalmente formulada por Margaret Thatcher) de que “não existe outra solução”, e ao desapego dos cidadãos pela política.10 Muitos até preferiam acreditar nas promessas neoliberais de um novo crescimento baseado na abertura dos mercados, trazendo de volta governos de centro-direita.

6O pensamento social-ecológico crítico continuou a se consolidar; livros, revistas, associações, congressos se multiplicaram, mas ficou circunscrito a pequenos grupos pouco expressivos. Enquanto isso, partidos verdes participavam de governos socialdemocratas, contribuindo para a banalização do discurso ecológico. Sem conseguir influenciar as políticas públicas, a não ser de forma muito superficial, ficaram desacreditados, junto com a esquerda “clássica”. A partir de 1987 (relatório Brundtland), o pensamento social-ecológico alcançou, ao mesmo tempo, o reconhecimento internacional e um grau mais elevado ainda de banalização através da difusão do oximoro “desenvolvimento sustentável”, retomado por todas as agências internacionais, os governos e até as empresas (inclusive as mais predatórias).

Continuação do crescimento econômico e da degradação ambiental

  • 11 A Agência Internacional da Energia (aie) calculou que as emissões totais passaram de 20,9 GT em 20 (...)
  • 12 A pe incorpora as áreas de florestas e oceanos necessários para a absorção do CO2 (lembrando que a (...)

7Não só as convenções internacionais (e os reais progressos da conscientização em torno da questão ecológica desde a Rio 1992) não conseguiram frear a degradação ambiental, como esta passou por um processo de aceleração. As emissões de CO2, que aumentavam ao ritmo de 1,3% ao ano durante os anos noventa, passaram a aumentar ao ritmo de 3,3%/ano durante os anos 2000.11 Desde os anos sessenta, o PIB mundial foi multiplicado por cinco, o que significa um aumento considerável do consumo de recursos e da produção de lixo (incluindo as emissões), e continuou crescendo ao ritmo de 3,7% durante os anos 2000. Se continuar assim, terá sido multiplicado por dois em 2030 e quase cinco em 2050. A pegada ecológica, que representava 0,60 planetas em 1960, alcançou 1,47 em 2007 e poderia chegar a 2,5 em 2030.12

  • 13 O Ecosystem Millenium Assessment mostra que 17 dos 24 serviços ambientais básicos estão degradados
  • 14 A fao considera que para atender a demanda por alimentos em 2050 precisaremos aumentar em 70% a pr (...)

8Esses aumentos são claramente insustentáveis. Poderíamos listar centenas de observações científicas que vão no mesmo sentido, muitas vezes sintetizadas em relatórios da ONU. Além dos perigos da mudança climática, mostram a destruição dos ecossistemas (dos quais nossa existência depende totalmente);13 o esgotamento dos oceanos (de acordo com a FAO, em 2048 não poderemos mas tirar deles nenhum recurso alimentar significativo); o aumento considerável dos preços do petróleo e dos minérios; o aumento das áreas agrícolas14 à custa dos ecossistemas remanescentes de um lado, a desertificação e a degradação dos solos, do outro (em 2005 cerca de 40% dos solos eram considerados degradados), configurando uma futura crise alimentar; o drama do abastecimento de água (quatro bilhões de seres humanos devendo viver com falta de água em 2030). Sem falar da poluição com metais pesados e outros problemas.

  • 15 A totalidade do petróleo nunca será explorada por dois motivos: por causa do preço e da acessibili (...)
  • 16 “... Nor will it be impossible for any region, nation or business to continue growing for a while. (...)

9Muito se falou do peak oil (momento em que a produção de petróleo alcança seu máximo e começa a diminuir). Ele foi muitas vezes interpretado como o fim do petróleo, o que não é o caso (ao menos num futuro próximo).15 O que pode de fato desaparecer é o petróleo de fácil acesso e custo baixo. Significa que a exploração de novas jazidas será muito mais cara e danosa para o ambiente. Combinados com a estagnação ou a diminuição da oferta e o aumento da demanda (projeção de 30% de crescimento até 2030), esses custos adicionais vão contribuir para uma alta sem precedentes dos preços do petróleo. O mesmo raciocínio pode ser feito para muitos recursos minerais, não dentro de um cenário de esgotamento propriamente dito, mas sim de aumento considerável do preço (Bihouix & Guillebon, 2010). O petróleo barato foi o “combustível” do crescimento económico do século xx até hoje. Por isso autores como Richard Heinberg (2011) consideram que, globalmente, o crescimento económico acabou.16 No entanto, as enormes pressões para manter o crescimento nas próximas décadas, além de gerar conflitos, terão com certeza por efeito uma degradação ainda maior da biosfera (exploração dos últimos bens gratuitos ou baratos e das últimas possibilidades de não incorporação das externalidades). O Brasil é sem dúvida um dos poucos países onde existem ainda essas condições. Por certo tempo.

Uma nova mudança de escala no crescimento e consumo de recursos?

  • 17 Foi essa constatação que levou o Secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon a dizer “estamos (...)
  • 18 Não foi somente a partir da observação dos dados climáticos registrados no gelo do Antártico que o (...)

10A primeira fase de crescimento e consumo acelerado (digamos, entre 1945 e 2000) compreendeu, além dos países industrializados, as classes mais altas dos países do Sul, em proporção variável (2% a 20% da população, em média). Em 2000, 20% da população mundial era responsável por 80% do consumo de recursos e da poluição. Foi suficiente para ultrapassar a capacidade de regeneração do planeta e colocar a humanidade numa trajetória insustentável. Porém, o “crescimento” (seja qual for o qualificativo que lhe for atribuído) continua sendo a base de todas as políticas, sem que seja possível vislumbrar uma saída.17 A megamáquina económica continua crescendo, absorvendo cada vez mais recursos. Paul Crutzen e Eugene Stoermer (2000), constatando que a humanidade tinha se tornado um poderoso agente de transformação do planeta, comparável com uma força geológica, propuseram dar o nome de “antropoceno” a essa nova era em que predomina a influência humana.18

11Tudo indica que estamos diante de uma nova mudança de escala, muito maior que a primeira, com a possível entrada de 80% da humanidade atual (mais os 2 a 3 bilhões que serão acrescentados ao total daqui a 2050) na era do consumo de massa. É difícil imaginar as consequências. Ao mesmo tempo, do ponto de vista ético e teórico, não se pode negar à maioria da humanidade o acesso ao nível de consumo da minoria. Como fazer isso e, ao mesmo tempo, diminuir a pegada ecológica e enfrentar a escassez (e os custos de produção crescentes)? Será sem dúvida o desafio do século.

  • 19 O autor estima que na próxima década, potencialmente, serão entre 2 e 3 bilhões de novos consumido (...)
  • 20 «Asia is perhaps now, given its stage of development and the harsh realities it faces, most suited (...)
  • 21 Nair mostra que o nível de consumo per capita da Ásia, sendo 20 vezes menor que o dos eua, chegar (...)

12Todos os discursos, por enquanto, giram em torno da necessidade do crescimento, seja nos antigos países industriais, nos BRICs ou nos países em desenvolvimento. Nos primeiros, trata-se de recuperar as taxas de crescimento de 40 anos atrás (consideradas a única solução para alcançar o pleno emprego) e, para os outros, de “tirar o atraso”, lançando mão dos mesmos mecanismos. Parece que o discurso econômico abandonou qualquer referência à materialidade dos fluxos e estoques dos quais está tratando. Quando cientistas ocidentais denunciam esse fato, criticando o crescimento (e a visão do desenvolvimento como dependente do crescimento), são muitas vezes acusados pelos desenvolvimentistas, em particular dos BRICs, de querer impedir o desenvolvimento de seus países e manter as desigualdades. Por isso, é muito importante que essas críticas sejam feitas a partir da realidade de cada país. Nesse sentido, contribuições críticas como a de Chandran Nair (2011) são particularmente importantes. Esse autor se dedica essencialmente a analisar o “desenvolvimento” da Ásia. Ele mostra que o tamanho da população envolvida não permite de forma alguma seguir o mesmo caminho trilhado pelo ocidente industrial, que ele chama de consumption-driven capitalism.19 Outras soluções coletivas devem ser encontradas. Os níveis de pressão sobre os recursos e os ecossistemas implicados por um desenvolvimento mimético são inimagináveis e de qualquer forma impossíveis. Nair afirma que, devido ao enorme peso da sua população, a Ásia tem uma responsabilidade histórica específica em mudar os rumos da economia e do ambiente mundial.20 Não acredita que finanças, tecnologia e mercados possam resolver a questão. Aposta muito mais em Estados fortes, capazes de fazer respeitar as leis e regulações. Mostra que é na Ásia que os maiores danos ambientais já podem ser observados e que o ingresso na sociedade de consumo à moda ocidental levaria ao colapso, sem falar dos conflitos em torno dos recursos que o antecederiam. Refuta dois argumentos frequentemente utilizados pelos que defendem o laissez-faire. O primeiro consiste em dizer que, quando um país alcança um alto padrão de consumo, a população começa a valorizar a qualidade do seu ambiente e pressiona os políticos nesse sentido (seguindo o modelo das curvas de Kuznets). Mostra que os defensores desse cenário não se dão conta do impacto que representaria bilhões de pessoas caminhando dezenas de anos para o patamar de consumo a partir do qual poderiam começar a exigir medidas drásticas. Poderíamos acrescentar que não funcionou em lugar nenhum. O segundo argumento é que a tecnologia e o famoso desacoplamento poderiam prover soluções em escala e tempo necessários, ajudados pelos mercados que definiriam o valor dado pelos cidadãos às diferentes opções. Tendo em vista as quantidades em jogo (população, recursos), o autor afirma que essas soluções chegariam tarde e em escala insuficiente.21 Isso, em grande parte, porque as empresas têm interesse financeiro em diminuir e postergar a inclusão, na sua contabilidade, dos verdadeiros custos ambientais das suas atividades. Para o autor, a Ásia deve primeiro recusar o dogma da teoria econômica ocidental, em particular a noção “that markets are efficient and self-adjusting, can deliverprosperity to all, and can do so without imposing unbearable charges on largeparts of our world” (op. cit. p. 40). A maior parte do impacto do colapso de recursos se dará na Ásia, e o clima futuro do mundo dependerá mais ainda da Ásia do que dos antigos países industriais. Diante do tamanho do problema, o autor ressalta que as acusações de malthusianismo perdem qualquer relevância.

  • 22 De acordo com o autor, os países “ricos” não percebem a urgência enfrentada pela Ásia, nem o taman (...)
  • 23 Embora existam decrescentistas na China e na Índia, são ainda pouco organizados e pouco visíveis.

13Sem negar que tecnologias possam ajudar a construir sociedades sustentáveis, o autor lembra que, historicamente, as tecnologias sempre aceleraram o ritmo de exploração dos recursos e não o contrário. Durante os dois últimos séculos, a tecnologia a serviço do capitalismo orientado para o consumo foi aplicada para expandir a produção, o consumo e as infraestruturas necessárias. Por isso, o autor defende uma intervenção prioritária sobre o “A” da equação.22 Ele faz do reconhecimento dos limites ecológicos e da mudança de valores das nossas sociedades (um tipo de prosperidade sem crescimento) o eixo de qualquer política visando a sustentabilidade. É nesse sentido que se aproxima muito dos “decrescentistas” ocidentais.23

O fim do desenvolvimento sustentável?

14Profundamente (e voluntariamente) ambígua, concebida para facilitar o diálogo entre interesses extremamente divergentes, a noção de desenvolvimento sustentável poderia estar entrando numa fase de declínio. Ela é atacada ao mesmo tempo de dentro, na sua ala direita, por assim dizer, pela “economia verde”, e na sua esquerda, pelo universo heterogêneo do decrescimento. Com a ressalva seguinte: ainda é a figura incontornável de qualquer negociação nacional e internacional. Mas isso poderia mudar já na Rio + 20, no sentido da promoção da economia verde, obviamente. Se isso acontecer, marcará a renúncia ao que a noção de desenvolvimento sustentável comportava de mais promissor: a relação estreita, ao menos conceitualmente, entre a questão social e a ecológica. Para muitos, existe de fato uma impossibilidade estrutural de trazer soluções para uma sem levar em conta a outra. Mas o que nos interessa principalmente aqui são os ataques vindos “da esquerda”. Várias escolas de pensamento criticam o desenvolvimento sustentável e propõem sua substituição por outros conceitos. O foco dessas críticas é sua falta de questionamento do crescimento económico, do consumismo e dos mecanismos que produzem a estrutura social desigual que ele mesmo denuncia frequentemente. Uma série de estudos se situa na linha do que foi chamado “pós-desenvolvimento”, tentativa de requalificar o desenvolvimento, expurgado da sua dependência em relação ao crescimento econômico (Escobar, 1992; Partant, 1982). Outra linha é a do steady State economy (estado estacionário), defendida por Herman Daly (Daly, 1974; Czech & Daly, 2004), que criou também o CASSE (Center for the Advancement of the Steady State Economy) e a revista Ecological Economics. Podemos dizer que foi dentro dessa linha que começou a surgir, apoiado no trabalho de N. Georgescu-Roegen, o conceito de “decrescimento sustentável” (sustainable de-growth). É uma escola essencialmente anglo-saxônica, que “compete” com o movimento para o decrescimento (décroissance) nascido na França, baseado numa longa história e que, desde suas origens, incorpora uma crítica do capitalismo. As duas linhas podem ser encontradas na América Latina.

15A noção de desenvolvimento sustentável levantou muitas esperanças no campo socioambiental (e até ajudou a estruturar esse campo) porque oferecia um significante sintético conveniente para muitas aspirações que careciam de formulação operacional. Por isso encontramos ainda, entre os defensores do desenvolvimento sustentável, tanto populações indígenas e tradicionais quanto militantes. Era a única forma de ganhar visibilidade, participar de negociações nacionais e internacionais e conseguir financiar projetos. Porém, no decorrer dos anos, certo desencanto começou a aparecer. Se por um lado podia ser considerado positivo o fato de negociar com empresas e representantes do agronegócio, as contradições entre o ambientalismo deles e o “ambientalismo dos pobres” (Martínez-Alier, 2002) ficaram cada vez mais óbvias, principalmente quando os interesses vitais de uma das partes estão em jogo (mineração, exploração do petróleo, estradas ou barragens de um lado, parques e terras indígenas do outro, por exemplo). As concepções do desenvolvimento sustentável também diferem muito. De um lado, significa crescimento económico, com eventual incorporação de externalidades ou mudanças tecnológicas, na exata medida em que não prejudica a rentabilidade e a competitividade; do outro, significa o respeito das culturas locais, saúde, educação, participação social. O decrescimento, de modo geral, defende ideias semelhantes, por isso o debate em torno do decrescimento reúne, principalmente na Europa, acadêmicos e representantes de movimentos sociais numa mesma crítica ao desenvolvimento sustentável. O principal objetivo dessas críticas é revelar a contradição subjacente, e mostrar que sem esse trabalho de esclarecimento o mesmo modelo de desenvolvimento tende a se reproduzir, sob novas roupagens. Afinal, as poucas conquistas alcançadas são extremamente frágeis, como a atual crise económica o está mostrando.

16Todos os pensadores do decrescimento (em particular Serge Latouche) sempre fizeram questão de dizer que o decrescimento não é o contrário do crescimento, mas sim uma profunda mudança de valores que alguns chamam de mudança de civilização. Por isso, não existe modelo pronto nem teoria unificadora (crítica muitas vezes ouvida) no âmbito do decrescimento, mas uma multiplicidade de propostas que apontam no sentido de uma sociedade de “prosperidade sem crescimento” e de diminuição da pegada ecológica. Trata-se, ao mesmo, tempo de uma bandeira associada aos movimentos sociais e ambientais, e de um conceito emergente na academia (Martínez-Alier et al, 2010). Esse embasamento nos movimentos sociais é menos presente no caso do sustainable de-growth.

  • 24 Assim, Sir Nicholas Stern (2006), perfeitamente consciente dos perigos do aquecimento global, atri (...)
  • 25 Propostas não faltam, mas não se sabe como implementá-las, quais seriam as alianças políticas que (...)

17Vale a pena perguntar quais são as chances das diferentes escolas que se referem ao decrescimento substituírem a noção de desenvolvimento sustentável (Martínez-Alier et al. op. cit.). Primeiro, é preciso constatar que, apesar das enormes mobilizações internacionais que conseguiu provocar, o desenvolvimento sustentável não conseguiu frear a degradação ambiental: a biodiversidade continua minguando e as emissões de CO2 seguem em alta. Essa constatação é, aliás, compartilhada pelos defensores das soluções de mercado.24 Por isso apoiam o redd, as bolsas de CO2, os mecanismos de compensação ou a atribuição de um valor à biodiversidade (Unep-teeb, 2010). Segundo, a contínua degradação ambiental, junto com a crise econômica e social atual, vai exatamente no sentido das previsões dos decrescentistas. Isso dito, o decrescimento tem algumas desvantagens: não possui um corpus teórico estruturado, não existe uma macroeconomia do decrescimento, e não se sabe como fazer para passar de uma economia totalmente dependente do crescimento para uma economia estacionária ou decrescente sem provocar graves problemas sociais (ao menos num primeiro tempo).25 Seria muito difícil um governo, um partido ou instituições públicas assumirem um programa de decrescimento, já que todos instrumentalizaram o discurso hegemônico do crescimento para seus objetivos políticos. Em sociedades que foram levadas a acreditar na mitologia do “progresso”, e a associá-lo à acumulação material, a palavra “decrescimento” tem conotações negativas, regressivas; ao assumir uma postura de dissenso, o decrescimento nunca poderia agremiar tantas pessoas e instituições quanto a postura consensual do desenvolvimento sustentável. A crítica radical do sistema corre o risco de manter o decrescimento num papel de minoria critica, marginalizada, como sempre existiram. Enfim, é possível fazer críticas, superficiais, mas eficazes, a respeito das imensas necessidades de crescimento das camadas mais pobres (perdendo de vista que é o sistema que cria miséria e desigualdades).

18Existem também algumas vantagens: ao escolher claramente seu campo, o decrescimento facilita a junção entre a crítica social e a crítica ecológica, o que pode vir a ser um trunfo em caso de agravamento da crise; tanto nos países industrializados quanto nos emergentes aumenta o número de pessoas descrentes na capacidade do sistema em oferecer felicidade, ou que querem se livrar do estresse, da competição, da luta pelos bens materiais, e investem no desenvolvimento pessoal e nos laços sociais. A esses, o decrescimento oferece a perspectiva de uma ruptura. O fim da “guerra contra a natureza” (expressão do filósofo Michel Serres), a aceitação dos limites impostos pela biosfera, no lugar de fechar as perspectivas e restringir as escolhas (como seria o caso com a continuação do rumo atual) abre o horizonte para infinitas possibilidades. Muitas pessoas começam a perceber isso.

Justiça social e ambiental

  • 26 O país mais engajado na energia nuclear, a França, precisaria (se houver uma forte vontade polític (...)

19A primeira reação de muitas pessoas quando entram em contato com o pensamento decrescentista é levantar a questão da pobreza e das enormes necessidades de crescimento existentes (saneamento básico, moradias decentes, hospitais, escolas, infraestruturas etc.). Isso, com certeza, provocará um aumento da pegada ecológica, seja qual for o sistema económico adotado, que deverá ser compensado por uma diminuição em outros setores da economia. Contudo, a proposta é de sair do referencial económico vigente, não de fazer simplesmente uma melhor distribuição do produto nacional. Se formos pensar o “desenvolvimento” dos países mais pobres de acordo com o modelo ocidental, a situação global será insustentável. Por não estarem ainda presos aos macrossistemas técnicos e financeiros e seus pesados determinismos, eles têm uma oportunidade de passar mais facilmente e mais diretamente para o pós-desenvolvimento.26

  • 27 Sem modificação do sistema global, alguns aconselham um mecanismo de compra de direitos (como é o (...)

20O pensamento decrescentista, principalmente na sua versão francesa (italiana, espanhola, entre outras), propõe uma série de objetivos e medidas dificilmente compatíveis com o sistema económico atual. A primeira seria reencaixar as atividades econômicas dentro dos limites dos ecossistemas, o que significa que a variação do volume físico da economia dependerá de avaliações científicas e de acordos negociados levando em conta as mudanças tecnológicas e a recuperação dos ecossistemas. Porém, a proposta que liga essa medida de bom senso à questão da justiça é a da convergência. A ideia apareceu pela primeira vez aos olhos do público na ocasião da Conferência de Copenhague (mas não foi debatida). Tendo em vista o limite máximo de emissões globais de CO2 autorizadas para conter o aquecimento global em torno de 2 a 2,5° isto é, aproximadamente a metade das emissões atuais, digamos 2T/per capital ano, a justiça mais elementar exigiria que as emissões de cada habitante do planeta sejam equivalentes a 2T. Observamos hoje que as emissões dos diferentes países vão de 0,2 a quase 20 T/pc. Se formos analisar as emissões por estrato de renda da população, as diferenças são ainda maiores. As instituições internacionais deveriam fixar um prazo (2050 foi a proposta) para chegar à meta de 2T/hab./ano, os que mais emitem devendo fazer um esforço drástico para reduzir suas emissões, e os que menos emitem tendo assim uma certa folga, o que autorizaria o aumento das emissões, eventualmente incontornáveis, devidas à melhora do seu padrão de vida. Mas a convergência vai muito mais longe ainda, recomendando que o mesmo método seja aplicado para o consumo de recursos não renováveis (petróleo, minérios...).27 É uma aposta sobre a cooperação no lugar da competição. Seria, provavelmente, o único caminho para evitar os conflitos anunciados em torno de recursos cada vez mais caros e raros.

21Entre as medidas mais conhecidas temos a relocalização da economia, que visa evitar os gastos com transporte e a superexploração de certos ecossistemas por causa das vantagens comparativas; a renda máxima (proposta apoiada por certos partidos); uma reforma fiscal fundada na justiça social; a diminuição do tempo de trabalho e a reapropriação do tempo individual; a renda universal de existência; o incentivo à agricultura biológica familiar; o incentivo aos transportes coletivos de qualidade; a democratização das decisões em torno da adoção das tecnologias (decisão tomada em função da utilidade social, da ecoeficiência e da compatibilidade ecológica, e não da valorização do capital num quadro de competição); mecanismos de combate à especulação fundiária; o controle democrático do que Serge Latouche chama de “três pilares da sociedade consumista”: a publicidade, o crédito e a obsolescência programada; a criação de novos indicadores de desempenho baseados na redução da pegada ecológica e das desigualdades, no melhoramento da vida social etc. Trata-se de criar um “bem viver” de acordo com os valores de cada país e região. Essas medidas têm por objetivo a saída do produtivismo e da tirania da competitividade. Por isso, os decrescentistas são muito próximos de movimentos como transition towns, slow cities, slow food, slow Science etc. São alguns exemplos.

As atitudes contemporâneas diante da crise ecológica e social

22Embora cada vez mais difundidas, as ideias e soluções listadas acima são ainda marginais e consideradas utópicas (mesmo que os decrescentistas afirmem que a maior utopia consiste em acreditar que podemos continuar no caminho atual). Vale a pena analisar as diferentes posturas encontradas entre os responsáveis políticos, economistas, empresários e sociedade civil. Essas posturas correspondem a três grandes famílias:

23Postura n. 1, conservadora:

24Governos, firmas, grupos sociais e indivíduos acham que é possível continuar assim. Graças à inovação tecnológica e à fé no “progresso” encontraremos soluções para tudo. O capital construído substituirá o “capital” natural num ritmo adequado, sem limites (não há para eles um valor intrínseco da natureza ou de aspectos dela). Os mecanismos de mercado deveriam, desta forma, evitar sempre a escassez. Não devemos sacrificar as gerações atuais em nome das gerações futuras. É a postura assumida por antigos críticos das origens antrópicas do aquecimento global, como Lomborg ou Nordhaus, que reconheceram recentemente a gravidade da situação (infelizmente o lobby conservador só cita seus textos anteriores), mas fazem a aposta, bastante ousada, determinista e linear, de que as futuras gerações serão mais ricas que as de hoje e poderão enfrentar o problema. Por isso, aplicam taxas de desconto altas aos custos futuros, supervalorizando o presente e desvalorizando o futuro. Acham que reduzir as emissões acima de uma taxa de 1% ao ano seria insuportável para a economia (isto é, diminuiria as taxas de lucro e, portanto, a criação de riquezas). No entanto, essa taxa é totalmente insuficiente para manter o aquecimento abaixo de 2,5o. De acordo com os especialistas do IPCC, deveríamos voltar de uma concentração de CO2 de 390 ppm hoje para 350 a fim de evitar o pior. Uma redução de 1% nos coloca numa trajetória de 500 a 700 ppm. Essa postura nega a existência de limites.

25Postura n. 2, reformista:

26Reconhece a gravidade da situação e a necessidade de mudar muita coisa de forma rápida. Encontramos aqui o desenvolvimento sustentável e a economia verde. Há diferenças grandes entre essas duas abordagens, mas o que as reúne são as ferramentas:

  • 28 Esse desacoplamento acontece realmente em certos casos, mas é relativo e não absoluto, como seria (...)

27A ecoeficiência (Weizsacker et al, 2009), que consiste em “fazer mais com menos”. De acordo com as curvas de Kuznets, deve ocorrer um desacoplamento e divergência entre a curva de aumento do PIB e a de consumo de recursos.28

28A desmaterialização da economia: os aumentos de pib deveriam se concentrar nas atividades cognitivas, de comunicação, de serviços, que normalmente consomem menos energia e recursos (embora alguns metais raros sejam consumidos e que a informática seja uma grande consumidora de energia). Porém, Tim Jackson, no seu relatório ao governo inglês, observa que é pouco provável que a extensão dos serviços (principalmente aqueles que aumentam a qualidade da vida) possa sustentar um crescimento: os ganhos de produtividade são fracos e quando ocorrem deterioram a qualidade do serviço. Essa abordagem preconiza também a atribuição de direitos de propriedade e de um valor aos recursos para que possam entrar nos mecanismos e nas lógicas supostamente virtuosas do mercado.

29Os partidários dessa visão têm razão até certo ponto: a intensidade energética por ponto de pib diminuiu 33% desde 1970 e a intensidade material, 26% de 80 a 2007. Mas, como mostra André Cechin (2010), desde 1970 a população aumentou 50% e o PIB 120%. A exploração dos recursos aumentou 62%! Isso apesar do intenso trabalho de agências internacionais, convenções etc. E essa diminuição da intensidade não ocorre em todo lugar e em todas as fases do “desenvolvimento”. Considerando a situação da Ásia, observamos o seguinte: enquanto o consumo mundial de matéria per capita diminuía de 2,2 kg por unidade de PIB (em USD) em 1970 para 1,1 em 2005, esse consumo na Ásia passou de 2 para 3, 1, isto é, perdeu em eficiência.

30Por outro lado, os fluxos de matéria mostram que na maior parte das economias industrializadas não há diminuição, mas aumento do consumo absoluto. Quando a economia física “diminui” nos países industrializados é em termos relativos, os objetos que consomem matéria e energia são cada vez mais importados, da China em particular. Isso explica, em parte, a diminuição relativa no Norte e o aumento absoluto, e rápido, no Sul. Há transferência para os países do Sul de boa parte da produção que mais consome matéria e energia. Essa postura aceita os limites (necessidade de reencaixar a sociedade nos limites da natureza) mas, em geral, aposta mais na tecnologia do que na transformação social.

31Postura n. 3, alternativa ou “revolucionária”:

32A palavra “revolucionária” não se refere às antigas concepções de transformação da sociedade pela tomada do poder, mas indica que a mudança de rumo implica transformações profundas. Consciente de que a sociedade contemporânea é extremamente complexa, prega um processo de transição, mas com sentimento de urgência. Critica as posturas anteriores, mesmo reconhecendo a necessidade da ecoeficiência e da desmaterialização relativa. Faz duas críticas principais à postura n. 2: uma crítica mais técnica (as soluções tecnológicas, numa sociedade de crescimento, se confrontarão sempre com o paradoxo de Jevons e levarão no final a mais consumo) e uma crítica mais fundamental (o coração do problema está nos nossos valores, são eles que produzem as crises ecológicas e econômicas).

33Considera que, embora perigoso, o entrelaçamento de crises pode abrir espaços para uma bifurcação histórica, contrastando com o determinismo da estrutura económica contemporânea. Trata-se de se reapropriar do futuro de forma autónoma e democrática, conquistar a democracia económica e lutar contra todas as formas de heteronomia. Nessa família de pensamento encontramos as diferentes versões do decrescimento, da simplicidade voluntária, do ecossocialismo e outros. Obviamente, aceitam a existência de limites, mas pregam a justiça social e ambiental como condição para aceitar os limites. Não criticam a ciência ou a tecnologia em si, mas o fato de elas estarem a serviço de interesses privados, e não da utilidade social e do bem comum.

34Os Estados, em geral, salvo algumas exceções, estão adotando uma postura conservadora ou fracamente reformista por razões óbvias. Defendem a competitividade do país, o emprego e o recolhimento dos impostos. Estão envolvidos num tipo de dilema do prisioneiro, nenhum governo querendo assumir riscos ao tomar medidas custosas, sem ter certeza a respeito do que os outros irão fazer. Garantia de imobilidade. Existe o mesmo problema entre os cidadãos que, muitas vezes, apoiam posturas conservadoras por medo de perder o emprego. Isso constitui uma verdadeira armadilha da qual é muito difícil sair. Explica tanto o fracasso das cúpulas sobre o clima, quanto o recuo dos governos frente ao lobbying das grandes firmas. Por isso os decrescentistas apostam muito mais nos movimentos de cidadãos e na construção de outra economia a partir do nível local e regional do que na ação dos estados.

Informação e desinformação: ciência versus lobbies

  • 29 A análise desses fenômenos tornou-se uma disciplina científica, a agnotologia (expressão forjada p (...)

35Nunca antes as sociedades recorreram tanto ao conhecimento científico para justificar suas decisões. Porém, na era da informação e dos meios de comunicação, a desinformação se tornou um instrumento com grande potencial, que permite jogar dúvidas e alimentar controvérsias. No jogo midiático, dados científicos validados pelos pares, representando anos de trabalho metódico de centenas de cientistas, são tratados da mesma forma que simples opiniões, sem falar das ações de desinformação conscientemente construídas para proteger interesses financeiros.29 As medidas necessárias para evitar uma degradação ambiental perigosa são muitas vezes caras e podem diminuir consideravelmente a rentabilidade das empresas. A consequência lógica disso é que certas empresas, cujos interesses são ameaçados, tentem jogar dúvidas sobre as conclusões científicas, o que o funcionamento da mídia e sua influência considerável sobre a formação das opiniões permitem hoje.

36O ceticismo climático é essencialmente um fenômeno anglo-saxônico, mais especificamente norte-americano e, mais ainda, ligado à direita do partido republicano. É nos Estados Unidos que se encontram as maiores empresas mundiais da “economia marrom”, é lá que o funcionamento na base dos lobbies é, ao mesmo tempo, comum (e bem aceito) e capaz de mobilizar as maiores quantidades de dinheiro. Não é de estranhar que seja lá também que o ceticismo climático seja o mais forte: 50% dos cidadãos norte-americanos não acreditam na origem humana do aquecimento global (quando não negam simplesmente sua existência!). É um fenômeno excepcional entre os países industrializados. Estudos recentes começaram a revelar o funcionamento desses lobbies (Oreskes & Conway, 2010; Leray, 2011; Pottier, 2011): pagamento de cientistas de outras disciplinas, muitas vezes aposentados, para realizar relatórios pseudocientíficos (sem a realização de pesquisas), produção de material destinado à internet (blogs), pagamento de colunas em jornais etc. Oreskes e Conway (op. cit) analisam detalhadamente o funcionamento da desinformação programada no caso das chuvas ácidas, do buraco de ozônio, do tabaco e agora do clima. É sempre o mesmo procedimento: não financiar pesquisas, não se situar no plano da argumentação científica, mas tentar enfraquecer o discurso científico, jogar dúvidas, alimentar controvérsias, o que permite atrasar a adoção de medidas pelos poderes públicos. Com efeito, adiar certas medidas por 2 ou 3 anos pode representar um ganho de centenas de milhões de dólares. As matérias dos lobistas são aceitas pelos grandes jornais em pé de igualdade com as publicações científicas, tornando difícil a formação da opinião pública. O escândalo do Heartland Institute, think tank norte-americano próximo do Tea Party, que foi recentemente revelado graças ao vazamento de documentos, é somente a ponta do iceberg. O Heartland Institute promove o ceticismo climático há muitos anos. Chegou a pagar um cientista (não especialista do clima) que, antes, tinha se destacado na defesa do amianto e do tabaco, negando suas relações com o câncer, para escrever relatórios criticando os resultados do ipcc. É importante sublinhar que não se trata de um debate científico, a controvérsia só pode ser entendida se for abordada como uma questão política (Pottier, op. cit.) e financeira. O programa do Instituto incluía material para as escolas, colocando em dúvida o aquecimento global. No caso do amianto, das chuvas ácidas e do tabaco, está certo que, no final das contas, a verdade científica acabou ganhando, mas foram dezenas de anos perdidos (e que representavam vidas perdidas). No caso do clima, não dispomos desse tempo todo. Um produtor de cigarros, no final dos anos sessenta, dizia que, em face dos resultados científicos, sua única arma era disseminar a dúvida (citado por Pottier). O mesmo mecanismo é utilizado para o clima. Os lobbies recusam, na realidade, as medidas moralmente necessárias a partir do momento em que o diagnóstico e as modelizações prospectivas mostram um perigo. Como é difícil travar uma luta no plano moral, a única saída é negar a validade do diagnóstico (Pottier, op. cit.).

37É fácil entender por que os cidadãos preferem uma opinião tranquilizadora a um resultado científico que incomoda e gera angústia, é sempre difícil renunciar às suas crenças e hábitos, e muito mais fácil ser confortado nos mesmos. Por outro lado, o mito ocidental do progresso leva as pessoas a duvidar que esse “progresso” seja responsável e a acreditar que sempre encontraremos soluções (ver a geoengenharia). No caso dos Estados Unidos, no entanto, existem outros fatores que podemos chamar de culturais, que facilitam o ceticismo e a negação dos resultados científicos. Em particular uma rejeição profunda à intervenção do Estado na economia, às regulações, taxas e impostos, mas também à intromissão do Estado na vida privada, nas escolhas pessoais. O trabalho dos lobistas está sem a menor dúvida na origem da postura conservadora dos Estados Unidos nas negociações sobre o clima, com consequências globais muito graves.

  • 30 Diante do tratamento desigual recebido na imprensa, 40 cientistas norte-americanos (apoiados por 7 (...)

38Os lobistas norte-americanos têm influência muito além das suas fronteiras. Inspiram os céticos do clima em muitos países, incluindo o Brasil. As empresas que acionam os lobbies têm interesses financeiros imediatos, mas entre os financiadores (fundações, think tank etc.) existem, como vimos, outras motivações. Algumas soam exóticas, como a denúncia de um complô internacional e federal para impedir o desenvolvimento dos Estados Unidos (!) e substituí-los na liderança mundial. Encontra-se também uma argumentação anticientífica, muitas vezes de cunho religioso. São discursos semelhantes que podem ser observados em círculos nacionalistas e desenvolvimentistas de muitos países do Sul. Diante dessas poderosas forças, nada indica que o discurso científico possa se impor. Os decrescentistas parecem ter toda razão em abordar a crítica do modelo socioeconômico atual de múltiplas formas (éticas, culturais, sociais, filosóficas, psicológicas, económicas etc.). Não desprezam os resultados científicos, bem ao contrário, mas perceberam que não adianta debater com pessoas que não estão interessadas na realidade dos fatos, mas sim na sua negação por motivos extracientíficos (Oreskes e Conway, op. cit.). Com o sistema midiático de informação-desinformação atual, é pouco provável que os portadores de más notícias sejam bem acolhidos e possam convencer somente com argumentos científicos.30

Bibliographie

Referências bibliográficas

ayres, R. U. Turning point. An end to the growth paradigm. London: Earthscan, 1998.

bihouix, P.; guillebon, B. Quel futur pour les métaux? Raréfaction des métaux: un nouveau défi pour la société. Paris: edp Sciences, 2010.

cechin, A. A natureza como limite da economia: a contribuição de Nicholas Georgescu-Roegen. São Paulo: Edusp, 2010.

chertow, M. R. The ipat equation and its variants; changing views of technology and environmental impact. Journal of industrial ecology, v. 4, n. 4, p. 13-29, 2001.

crutzen, P. J.; stoermer, E. F. The anthropocen. Global Change Newsletter, 41, p. 17-18, 2000.

crutzen, P. J. Geology of mankind. Nature, v. 415/6867, p. 23, 2002.

czech, B.; daly, H. E. In my opinion: the steady State economy – what it is, entails and connotes. Wildlife Society Bulletin, 32 (2), p. 598-605, 2004.

daly, H. E. The economics of the steady State. American economic review, v. 64 (2), p. 15-21,1974.

ehrlich, P. R.; holdren, J. P. Impact of population growth. Science, 171, p. 1212-1217,1971.

escobar, A. Imagining a post-development era? Critical thought, development and social movements. Social Texts, n. 31-32, p. 20-56, 1992.

heinberg, R. The end of growth. Adapting to our new economic reality. Canada: New Society Publishers, 2011.

leray, F. Le négationnisme du réchauffement climatique en question? Ed. Golias, 2011.

martínez-alier, J. The environmentalism of the poor -a study of environmental conflicts and valuation. Cheltenham: Edward Elgar, 2002.

martínez-alier, J. et al. Sustainable de-growth: Mapping the context, criticisms and future prospects of an emergent paradigm. Ecological Economics, 69, p. 1741-1747, 2010.

nair, C. Consumptionomics – Asia’s role in reshaping capitalism and saving the planet. Oxford: Infinite Ideas, 2011.

oreskes, N.; conway, E. M. Merchants of doubts: how a handful of scientists obscured the truth on issues from tobacco smoke to global warming. New York: Bloomsbury Press, 2010.

partant, F. La fin du développement. Naissance dune alternative? Paris, Actes Sud, 1997.

pottier, A. Le climato-scepticisme-réflexion sur la confusion des genres. Futuribles, 380, p. 27-40, 2011.

proctor, R. N.; schiebinger, L. Agnotology: the making and unmaking of ignorance. Stanford: Stanford University Press, 2005.

stengers, I. Au temps des catastrophes. Paris: La Découverte, 2009.

stern, N. The Economics ofclimate change. Report to the British Government, 2006.

streeck, W. The crises of democratic capitalism. New Left Review (71), London, set./out. 2011.

united nations environment program – unep. The economics of ecosystems and biodiversity. New York: onu-Unep, 2010.

weizsacker, E. et al. Factor five – Transforming the global economy through 80% improvements in resource productivity. London: Earthscan, 2009.

Notes

4 Agradeço muito a Elimar Nascimento pela releitura do texto e correções.

5 A equação é a seguinte: I (Impacto ambiental) = P (população) x Affluence (consumo) x Tecnologia. De acordo com o país ou a época, um desses fatores pode dominar. Nas palavras do próprio Ehrlich, as políticas podem influenciar mais facilmente o consumo e a tecnologia do que a população, fator ligado a comportamentos culturais profundamente enraizados.

6 Vale lembrar os livros de Rachel Carlson (Silent Spring, 1962), que denunciava o uso dos pesticidas na agricultura, de Barry Commoner (The closing circle, 1971), o relatório do Massachusetts Institute of Technology The limits to growth (1972), Paul & Ann Ehrlich (Population, resources, environment: issues in human ecology, 1970) etc. No campo da economia, o trabalho de N. Georgescu-Roegen (The entropy law and the economia process, 1971) representa um marco fundador, bem como o do seu discípulo H. Daly (Toward a steady-state economy, publicado no livro de Hart and Socolow Patient Earth em 1971).

7 Ver Murray Bookchin, nos Estados Unidos (Our synthetic environnment, 1962), que criou a Social Ecology, André Gorz (Écologie et politique, 1975) e René Dumont (L'utopie ou la mort, 1973) na França etc. Um pouco mais tarde, resgatando certos escritos de K.Marx, onde encontram as sementes de uma critica ecológica do capitalismo, autores norte-americanos como James O’Connor, John Bellamy Foster e Joel Kovel fundam o movimento ecossocialista.

8 A restauração das taxas de lucro, a austeridade orçamentária e o desmantelamento das conquistas sociais tiveram um alto custo em termos de desigualdade social. Na Inglaterra, em 1937, o 1% mais rico da população consumia 12,6% da riqueza nacional; graças ao welfare State, baixou para 4,2% em 1976, mas hoje voltou praticamente à situação de 1937. Nos Estados Unidos, a desigualdade social voltou ao que era antes da crise de 1929, depois de ter diminuído constantemente até os anos setenta.

9 Certos países, como a Rússia, ameaçam boicotar a Europa. A tentativa da Europa de taxar o petróleo “sujo” canadense enfrenta também forte oposição.

10 Nessa nova configuração, a maior parte da classe operária vota doravante para os partidos de direita, assim como a maioria dos agricultores familiares.

11 A Agência Internacional da Energia (aie) calculou que as emissões totais passaram de 20,9 GT em 2009 para 30,6 em 2010. A limitação a 2° do aumento de T° neste século, de acordo com as recomendações do ipcc, já é considerada impossível. Acima disso o futuro é incerto. A T° média da Europa aumentou 1° nos últimos 20 anos, empurrando espécies animais (pássaros, insetos) 249 km para o Norte, em média. O nível do mar subiu 12 mm nos últimos 10 anos.

12 A pe incorpora as áreas de florestas e oceanos necessários para a absorção do CO2 (lembrando que a capacidade de absorção dos oceanos-cerca de 50% do CO2 emitido-já diminuiu e que as florestas estão desaparecendo rapidamente). Significa que o abandono rápido do uso de combustíveis fósseis poderia diminuir a pe em 30 a 50% (de acordo com diferentes autores), o que não resolveria o problema mas alargaria um pouco os prazos. Não devemos esquecer que a pe atual já é insustentável.

13 O Ecosystem Millenium Assessment mostra que 17 dos 24 serviços ambientais básicos estão degradados.

14 A fao considera que para atender a demanda por alimentos em 2050 precisaremos aumentar em 70% a produção alimentar.

15 A totalidade do petróleo nunca será explorada por dois motivos: por causa do preço e da acessibilidade, mas também porque os enormes aumentos de temperatura e o caos climático que provocaria tornaria o planeta inviável muito antes de chegar lá.

16 “... Nor will it be impossible for any region, nation or business to continue growing for a while. Some will. In the final analysis, however, this growth will have been achieved at the expense of other regions, nation or businesses. From now on, only relative growth is possible: the global economy is playing a zero-sum game, with an ever-shrinking pot to be divided among the winners” (Heinberg, 2011:2). Ver também Ayres (1998).

17 Foi essa constatação que levou o Secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon a dizer “estamos indo para o abismo, pisando no acelerador”.

18 Não foi somente a partir da observação dos dados climáticos registrados no gelo do Antártico que os cientistas se determinaram: a erosão provocada pelos desmatamentos e a agricultura modificou a estratigrafia e o regime dos rios; as extinções de fauna e flora de origem antrópica alcançaram ritmos jamais vistos no último século etc. O prêmio Nobel de química Paul Crutzen (2002) propôs o final do século xviii como início do antropoceno, em particular a data simbólica de 1784, que corresponde à invenção da máquina a vapor por Watt. Na realidade, o momento em que o teor de CO2 na atmosfera começa a aumentar rapidamente e pode ser claramente relacionado com a era industrial é posterior de algumas décadas. A generalização do uso do carvão nas maquinas destinadas à produção de bens só aconteceu com o início da revolução industrial, em torno de 1830. Mas sem dúvida a máquina a vapor foi decisiva no processo. A proposta de nova era geológica será examinada em agosto de 2012 no Congresso de Geologia de Brisbane (Austrália).

19 O autor estima que na próxima década, potencialmente, serão entre 2 e 3 bilhões de novos consumidores que vão entrar no mercado, principalmente na Ásia.

20 «Asia is perhaps now, given its stage of development and the harsh realities it faces, most suited to freeing capitalism from being the captive it has become offree market fundamentalists and ideologues» (op. cit. p.15). Vale notar que Chandran Nair não adota uma visão anticapitalista mas visa reformá-lo profundamente. É um dos poucos autores que ataca fortemente a ideologia do livre mercado e a sociedade de consumo... e ao mesmo tempo defende uma forma de capitalismo.

21 Nair mostra que o nível de consumo per capita da Ásia, sendo 20 vezes menor que o dos eua, chegar à metade do consumo americano representaria multiplicar o A da equação I = PxAxT por 10. Manter o impacto ambiental no mesmo nível “would require lowering the environmental impact per unit of spending by 90 percent. Frankly, this is inconceivable. As industry expands, and cars, home appliances and other electrical goods become ever more commonplace, the environmental impact of rising affluence will only increase-regardless of the growing efficiency with which goods are made and electricity generated. A’s rise will far offset T's fall” (op. cit. p. 51).

22 De acordo com o autor, os países “ricos” não percebem a urgência enfrentada pela Ásia, nem o tamanho dos danos já existentes. Por isso ainda acham possível fazer da questão ambiental uma questão tecnológica, agindo no nível do “T” da equação. A mudança eventual de rumo na Ásia poderia ajudá-los a reorientar sua cultura e economia. Nair defende assim uma interessante inversão do leadership mundial: o ocidente não terá condições de mudar a tempo sua estrutura econômica, mas poderá importar as profundas mudanças que a Ásia será obrigada a adotar na urgência.

23 Embora existam decrescentistas na China e na Índia, são ainda pouco organizados e pouco visíveis.

24 Assim, Sir Nicholas Stern (2006), perfeitamente consciente dos perigos do aquecimento global, atribui o fracasso em controlá-lo à insuficiência do mercado e recomenda ampliar seu domínio nas questões ambientais.

25 Propostas não faltam, mas não se sabe como implementá-las, quais seriam as alianças políticas que poderiam arcar com esse projeto.

26 O país mais engajado na energia nuclear, a França, precisaria (se houver uma forte vontade política) de 25 a 30 anos para sair do nuclear. O carro individual, o transporte rodoviário de cargas, a agricultura química, são também escolhas técnicas difíceis de reverter rapidamente.

27 Sem modificação do sistema global, alguns aconselham um mecanismo de compra de direitos (como é o caso atual para o mercado de CO2). Os decrescentistas propõem no lugar mecanismos de cooperação, transferência e empreendimentos compartilhados.

28 Esse desacoplamento acontece realmente em certos casos, mas é relativo e não absoluto, como seria necessário para diminuir a pe.

29 A análise desses fenômenos tornou-se uma disciplina científica, a agnotologia (expressão forjada pelo historiador da ciência de Stanford Robert Proctor em 1992). Ver: Proctor & Schiebinger (2005).

30 Diante do tratamento desigual recebido na imprensa, 40 cientistas norte-americanos (apoiados por 700 colegas) resolveram responder aos ataques nos jornais (no caso o Los Angeles Times de 8 de novembro de 2010) e defender o aquecimento global. Diziam não acreditar mais que a verdade científica possa se impor simplesmente porque é a realidade: “faz mais de 20 anos que sabemos a verdade e nada muda” (citado por F. Leray, 2011, p. 116). Talvez porque a verdadeira batalha se situa em outra cena.

Auteur

Geógrafo e sociólogo, Directeur de Recherche do ird (França). Foi pesquisador visitante no inpa, mpeg e ufrj, ex-presidente do iag (International Advisory Group-mma/PPG7/Banco Mundial). Coordenou, no ird, uma Unidade de Pesquisa dedicada à Amazônia. Último livro no Brasil (com Roberto Araujo Santos): Desenvolvimento sustentável e sociedades na Amazônia (mpeg, Belém, 2010). E-mail: philippe.lena@sfr.fr

© IRD Éditions, 2012

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search