Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

La spatialisation de la biodiversité

 | 
Jean-Louis Guillaumet
, 
Anne-Élisabeth Laques
, 
Philippe Léna
, 
et al.

Resumo

Texte intégral

A abordagem espacial da biodiversidade para a gestão sustentável dos territórios

1Afirmar que a questão da biodiversidade está no centro das preocupações na Amazônia, e que ela está ameaçada, não representa nenhuma novidade. Porém, manter, melhorar e até restaurar essa biodiversidade implica, ao mesmo tempo, políticas públicas ainda por definir bem como o desenvolvimento de ferramentas destinadas à análise e à gestão do espaço que sejam adequadas a esse propósito. Nesse vasto conjunto florestal diversificado, tanto ao nível abiótico quanto biótico, onde podem ser encontradas numerosas formas de exploração e uso dos recursos, tradicionais ou não, podemos distinguir três grandes formas de ocupação: A Amazônia dos rios, onde as populações desenvolvem sistemas agroflorestais tradicionais de baixo impacto; a Amazônia das estradas, onde avançam as frentes pioneiras de agricultores familiares, de fazendeiros e de madeireiros; a Amazônia das regiões, onde atores privados e públicos tentam organizar uma gestão mais racional do território, desenvolvendo alternativas técnicas, econômicas e sociopolíticas à exploração predatória dos recursos naturais. O Município de Benjamin Constant, no Alto Solimões, o assentamento de Benfica, no Pará, e o Município de Uruará, na área de colonização da Transamazônica, foram escolhidos por serem representativos dessas três situações.

2A abordagem apresentada aqui propõe uma integração de dados dispersos e heterogêneos em unidades paisagísticas, de maneira a mapear e visualizar as principais características das dinâmicas espaciais e temporais da biodiversidade, com o objetivo de relacioná-las com dinâmicas sociais e econômicas e com as políticas públicas.

3As paisagens apresentam uma continuidade espacial, que foi dividida em dois níveis complementares – o Tipo Paisagístico e o Componente Paisagístico – no intuito de servir de linguagem comum entre as disciplinas, os lugares, as imagens de satélite e as avaliações da biodiversidade. O primeiro nível diz respeito a um espaço diversificado mas homogêneo, tanto do ponto de vista fisionômico quanto do seu uso socioeconômico, ou ainda do seu funcionamento ecológico. O segundo corresponde à menor unidade espacial contínua identificada no campo e visível nas imagens de satélite. Ele caracteriza uma formação vegetal, um conjunto de diversas formações ou um estágio de reconstituição. A primeira etapa de identificação desses dois níveis pode começar, conforme os casos, pelos Tipos Paisagísticos (caso do Alto Solimões) ou pelos Componentes (caso de Benfica). A identificação dos primeiros passa pela observação direta em campo, complementada pelas imagens de satélite. Os Tipos não identificáveis nessas últimas são descartados. Esse primeiro recorte espacial permite a elaboração de mapas das unidades de gestão territorial, tais como o assentamento, nas quais incidem as políticas públicas. As análises da biodiversidade, por sua vez, são feitas ao nível dos Componentes. Poderiam ter usado os métodos clássicos usados para medir a riqueza e diversidade florística, mas os autores preferiram privilegiar outra abordagem. Tais como as escalas destinadas a avaliar a velocidade do vento, a força dos terremotos ou os riscos de avalanche, eles propoem uma “escala de complexidade” capaz de hierarquizar as mudanças de biodiversidade, a complexidade sendo quantificada a partir de indicadores simples e fáceis de usar : indicadores de diversidade, de continuidade do estrato arborescente, de estratificação, de artificialização... Outros indicadores podem ser acrescentados de acordo com as características do campo, em particular indicadores específicos destinados a expressar como as populações locais valorizam a biodiversidade do seu ambiente ; podem ser qualitativos quando baseados nas percepções das populações locais, ou quantitativos e remeter então aos métodos da etnobotânica quantitativa. Esses diferentes indicadores se aplicam mais especificamente à diversidade usada e nomeada, isto é, às categorias locais, aos valores de uso e à percepção.

4O valor da biodiversidade por Tipo Paisagístico leva em conta os valores de cada Componente, de acordo com o tamanho da área ocupada. Ao final, aplicar esse procedimento à totalidade dos Tipos Paisagísticos identificados na unidade de gestão territorial considerada permite atribuir um grau de diversidade ao conjunto paisagístico da área. Os mapas produzidos a partir do reconhecimento das paisagens nas imagens de satélite e da atribuição de um grau de biodiversidade, permitem comparar rapidamente regiões com meio ambiente, formas de exploração e ritmos de evolução bastante diferentes.

5A comparação entre mapas realizados em datas definidas permite acompanhar as dinâmicas de transformação : manutenção, diminuição ou, caso mais raro, aumento da biodiversidade. A partir dos mapas, torna-se fácil realizar gráficos de evolução da biodiversidade que levem em conta as superfícies afetadas pelas mudanças.

6As políticas públicas constituem um dos fatores que influenciam as transformações das relações entre as populações locais e o meio ambiente. Elas interferem praticamente com todos os outros fatores, que podem ser agrupados em várias categorias : potencialidades do meio e disponibilidade fundiária, herança cultural, crescimento demográfico, estratégias sociais e econômicas, organização social e níveis de integração dos atores à sociedade regional. Como é impossível levar em conta a totalidade das políticas públicas, critérios de escolha devem ser estabelecidos em função da disponibilidade de imagens satélites no período, privilegiando as que tiveram uma influência direta e observável sobre as unidades paisagísticas definidas anteriormente. Na prática, só serão levadas em conta as políticas públicas que afetaram os territórios estudados nos últimos 15 ou 30 anos.

7As políticas públicas podem ser de diferentes tipos : inclusão social, infraestruturas, desenvolvimento agrário (políticas fundiárias, comercialização, transformação dos produtos, crédito e extensão rural) ou de conservação ambiental. Também não se deve esquecer as ações privadas de desenvolvimento ou proteção.

8Os tipos de indicadores capazes de medir o impacto das políticas públicas sobre os sistemas de produção dizem respeito, principalmente, aos ritmos de transformação dos espaços naturais : ritmo anual de desmatamento e de formação de capital produtivo, taxa anual de formação de capoeiras e de reutilização de capoeiras antigas, entre outros. A utilização de outros indicadores, tais como o capital inicial, a valorização fundiária, o crédito rural, etc. permite ir mais fundo na análise e na interpretação das dinâmicas dos Componentes Paisagísticos.

9Os mapas de evolução do grau de biodiversidade mostram, no decorrer do tempo, duas situações bem diferentes : na Amazônia das estradas, na frente pioneira de Benfica, a evolução da paisagem durante os últimos 20 anos mostra uma diminuição brutal da biodiversidade, enquanto que na Amazônia dos rios, no Alto Solimões, as transformações da paisagem são pouco importantes e o grau de biodiversidade permanece elevado.

10As transformações ou a manutenção da biodiversidade estão estreitamente relacionadas com a existência ou não de grandes programas de cunho desenvolvimentista, que foram decisivos para a expansão dos sistemas de produção hoje encontrados em grande parte da Amazônia. Isso na medida em que privilegiaram as orientações agrícolas em detrimento de outras (sistemas agroflorestais, colheta...). Na Amazônia oriental, o projeto governamental tinha por objetivo a integração da região ao resto do país, através de medidas incitativas visando a colonização das terras e a criação de pastagens para a produção de carne bovina. No assentamento de Benfica, as origens e tradições agropecuárias dos migrantes são mais heterogêneas e, conseqüêntemente, as estratégias agrícolas mais variadas, mas o ponto comum é a generalização da produção bovina a médio prazo. Os migrantes que chegam com as frentes pioneiras desconhecem o ambiente local e tentam reproduzir os sistemas de produção que conhecem, levando, em geral, à destruição da floresta, substituída por agrosistemas cujos impactos sobre a biodiversidade inicial são importantes, embora diferenciados. Ao contrário, na parte oeste da bacia amazônica, o governo brasileiro nunca incentivou tanto a colonização agrária, principalmente por causa da distância em relação aos grandes centros urbanos e das dificuldades de acesso. Nesse meio ambiente mais preservado, as populações chamadas “tradicionais”, tais como as do Alto Solimões, recorrem a práticas agrícolas que consomem pouca floresta.

© IRD Éditions, 2009

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540