Version classiqueVersion mobile

Les deux visages du Sertão

 | 
Marianne Cohen
, 
Ghislaine Duqué

Resumo

Texte intégral

1Uma experiência de pesquisa interdisciplicar conjunta com universitários brasileiros, trata da fragilidade dos pequenos produtores frente à Sêca, em uma das regiôes mais aridas do Nordeste do Brasil: o Carirí da Paraiba. A Sêca é entendida não como fenômeno meramente climâtico, mas um fenômeno global, de consequências nos ecossistemas, na utilização dos recursos, na concentração fundiâria, na diferenciação social,... Esta definição do objeto convoca a interdisciplinariedade, rompendo o dualismo entre as pesquisas em ciências sociais com ênfase nos déterminantes sociais, econômicos et politicos da situaçâo dos pequenos produtores, e por outra via, as pesquisas naturalistas e/ou técnicas, as quais consideram a Sêca como fenόmeno natural e procuram soluçōes para superá-la. A hipόtese preliminar da pesquisa teve por pressuposto que as causas naturais e sociais da vulnerabilidade dos pequenos produtores renforçavam-se e interagiam em um conjunto e, portanto, a separação dos dois enfoques sό mostravam uma imagem parcial da realidade. Na época (1985-86), esta escolha correspondeu a um enfoque novo no campo cientifico do Brasil, ainda que jà empregado na França em uma experência interdiciplinar das ciências socias, técnicas e naturais em «regiōes frageis» (Programa PIREN do CNRS).

2O enfoque interdisciplinar é encarado retrospectivamente, mostrando as dificuldades do empreendimento, em parte pela confrontação das disciplinas (sociologia, antropologia, agronomia, biogeografia) e por outra pelas especificidades das pesquisas na França e no Brasil. Assim, a articulação interdisciplinar é mostrada como um processo metodológico de construção da problemática, de formulação de questôes transversais às disciplinas e de hipôteses comuns, que foram-se afinando ao longo da pesquisa, desenvolvida durante um periodo largo (doze anos!) e foi conduzida em varias escalas espaciais.

3A pesquisa iniciou-se com o reconhecimento ecológico e social régional, prosseguindo em um longo periodo de acompanhamento de dois grupos de pequenos produtores, cujas estratégias foram identificadas e contrastadas em relação às consequências ecolôgicas das suas atividades. O trabalho de campo, em escala regional, evidenciou o contexto de semi-aridez e suas consequências sobre os solos e a vegetação. Recuperou-se a historia agrâria da região, no contexto da Historia do Brasil, para se compreenderas mutaçôes atuais da agricultura régional. A análise das representaçōes sociais, em relação às Sêcas, permitiu outra visão das consequências ecolόgicas e sociais do Semi-Arido.

4Foram escolhidos três municipios desta região, e então definidas as unidades espaciais, em função das caracteristicas ecolόgicas (vegetação, solos, formas de erosao), o tipo de utilizaçâo do solo e os sistemas de produção. Os inventários botãnicos e a fotointerpretaçâo diacrônica mostraram os diferentes tipos de caatinga, a biodiversidade e o papel das condiçōes ambientais e das atividades humanas nesta diversidade e em sua evolução. No decorrer desta fase de reconhecimento régional, evidenciou-se uma oposiçao nitida entre um sistema agro-pecuârio tradicional, com consequências na degradação da caatinga, e um sistema «modernizado» de irrigação de hortifrutigranjeros, atuando na salinização dos solos e das aguas. Este dualismo explica o titulo desse livra: «As duas faces do Sertão».

5O aprofundamento da compreensão das interaçōes entre os sistemas ecolόgicos e os sistemas sociais ao longo do periodo da pesquisa foi possibilitado pela combinaçao de pesquisas sociolόgicas, observaçōes e medidas ecolόgicas junto aos dois grupos de pequenos produtores, representando estas «duas faces do Sertão»:

  • na aldeia de Ligeiro, caracterizado pelo sistema agro-pecuário tradicional,
  • no povoado de Ribeira, produtor de alho irrigado, exemplo das tentativas de modernizaçao da pequena produção nordestina.

6A primeira hipόtese imperiu a existência de interaçōes das duas estratégias, das consequēncias ecolόgicas, e das representaçōes sociais da natureza. Posto que as duas comunidades organizavam-se em uma associação de moradores, como desdobramento, a segunda hipόtese imperiu que esta modalidade de organização social configurava-se como reforço de «resistência» dos pequenos produtores em face à Sêca.

7Assim ojetivou-se establecer um diagnόstico sobre as dinámicas sociais e ecolόgicas e sua significação no longo prazo no que concerne à sustentabilidade dos recursos renovaveis e da biodiversidade, bém como à reprodução dos grupos sociais.

8A comunidade do Ligeiro reunia dez familias de pequenos produtores agropecuários, descendentes de um ancestral comum. A concentração fundiária e a consequente limitação do acesso à terra influenciaram as estratégias da comunidade, ainda que mantida no marco da atividade pecuária (simbolo de um status social) em associação à policultura. Isto derivou uma consequência na utilização intensiva das terras coletivas para a alimentação do rebanho e suprimento de lenha, acarretando à degradação da caatinga. Contudo, o territόrio ainda fornecia recursos naturais, os quais foram inventoriados, assim como as suas utilizaçōes pela comunidade. O acompanhamento dos recursos pastoris mostrou a vulnerabilidade da pecuària em face da irregularidade climâtica. As experimentaçōes, embora realizadas em curto periodo, evidenciaram as potencialidades de evoluçâo da caatinga em defesa, bem como o papel da regulação social do sobrepastoreio. Pois, nos anos ruins, os produtores melhores situados deslocam os seus bovinos para outras terras alugadas ou prόprias, permitindo limitar o sobrepastoreio e dessa forma manter-se a coesâo do grupo diante das pressōes externas, uma vez que os latifundiarios vizinhos aproveitam as sêcas para adquirir as terras dos produtores mas frageis. Acompanhamento similar foi realizado para as prâticas agricolas complementares à pecuária, no que tange à sua evolução em função do contexto climático e/ou socio-econόmico.

9Apesar do incentivo da EMATER à estrutura comunitária a ao reforço dos laços de solidariedade do grupo, a anâlise de longo prazo indica que apenas alguns filhos em cada geração mantêm-se na terra, a situação sendo ainda incerta para os jovens de hoje. As recentes interconexōes da comunidade corn vizinhos e lugarejos adjacentes permitem corn que o grupo seja identificado como interlocutor pelo poder local, propiciando a extensão dos laços de solidariedade para um coletivo social mais amplo.

10O grupo dos plantadores de alho de Ribeira representa um exemplo da estratégia de modernização e de intensificação agricola por meio da irrigação, cuja técnica é incentivada pelas politicas de desenvolvimento rural dos ultimos anos. A presença de um rio semiperene permitiu a opção desde o começo do século, o que tambem correspondeu a uma estratégia diante da falta de terra. Graças a sua «tradição», assim verbalizado por eles próprios, o grupo foi escolhido por organismos de desenvolvimento e de cooperaçâo internacional para a implementação de um programa de intensificação do cultivo do alho, no fim dos anos 70.

11Muito rápido, apareceram os problemas de salinização da água e do solo, cujas causas são complexas: super-exploração local dos recursos, sensibilidade de certos solos, diminuição dos recursos hidricos da bacia do rio Taperoá em razão da multiplicação de açudes. No longo prazo, a continuidade do cultivo acarretou o empobrecimento quimico de porçōes de terras estratégicas, localizadas prόximo ao rio, conforme evidenciado pelo acompanhamento da pesquisa.

12Tais problemas ecolόgicos agudizam-se pela baixa rentabilidade do cultivo, mantido apenas pela subremuneração do trabalho familiar. As crises recorrentes são reguladas pelas migraçōes urbanas, pela pluriatividade, e pela prόpria Associação Ribeirina dos Plantadores de alho (ARPA) a quai, apόs ter incentivado a intensificação da cultura, procura atualmente outras alternativas agricolas.

13A analise interdisciplinar de largo prazo em relação aos dois casos permitiu avaliar as consequências sociais e ecolόgicas das estratégias dos produtores, e particularmente rever as hipόteses iniciais que opunham um caso de manejo conservacionista dos recursos naturais (pecuária) a outro predatόrio (alho). Ao lado das diferências de estratégias, os dois grupos enfrentam um mesmo problema, cujas origens estão amoradas nas fortes desigualdades sociais da sociedade brasileira, e em particular da região Nordeste. As representaçōes sociais da natureza modulam-se na ambiguidade entre uma visâo de dominaçâo da Natureza, configurada no Brazil pela visão da infinitude dos recursos naturais, e de outra lado pela visâo do uso racional da natureza. Entretanto, cabe salientar que algumas formas de solidariedade comunitârias desapareceram com a orientaçâo comercial da agricultura. Esta fragmentaçâo das relaçôes sociais implicou consequências na exploração dos recursos naturais, cuja dimensão patrimonial foi um pouco esquecida. O estatuto fundiário dos recursos e o seu papel na sustentação da identidade dos grupos sociais são fatores decisivos neste processo. Algumas evoluçōes dos recursos se produzem, entretanto, em escalas espaciais fora do contrôle dos produtores, como os recursos hidricos.

14A organização comunitária ou associativista constitui-se em vantagem para a visibilidade social, mas nâo é isenta de ambiguidades no que concerne as alianças com o poder local e à emergência de «familias-liders» de discutivel legitimidade. A organização favorece o recibimento de algumas benfetorias (construção, compta ou obtenção de infrastruturas e insumos) que nenhum produtor poderia obter isoladamente, por falta de garantia fundiária. Igualmente, o acesso a programas de desenvolvimento é facilitado, mesmo que possa ser lamentado o fato de, geralmente, estarem limitados à estera exclusivamente técnica. Os interesses dos organismos de desenvolvimeto, em relação aos pequenos produtores, atem-se a «pacotes tecnolόgicos» de sustentabilidade economica, social e ecológica não comprobada. Além disso, estâo impregnados de visões preconcebidas quanto aos limites naturais da região, uma vez que a natureza é vista como um obstáculo ao desenvolvimento, e portanto a resolução naturalizada do problema da sêca passa pela politica de irrigação ou pela la canalização do único rio perene da região, o rio São Francisco.

15O acompanhamento das duas comunidades intégrantes da pesquisa demostrou que, além dos problemas identificados, existem reais potencialidades tanto ecológicas quanto humanas: os grupos sociais tem um saber sobre a natureza que Ihes permite manterem-se na terra, não em oposição ao progresso, como facilmente pensam os técnicos dos organismos de extensão rural.

© IRD Éditions, 2001

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search