Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

Annexes/Anexos

A cooperação franco-brasileira em matéria de intercâmbios na área da Educação

Ministério da Educação Nacional1

Texte intégral

  • 1 Diretoria de Assuntos Gerais, Internacionais e da Cooperaçoa.

1O Brasil, oitava potência econômica ocidental ocupa um lugar importante na área da ciência e da tecnologia.

2Nesse contexto, a cooperação franco-brasileira no setor da educação, da formação superior e da pesquisa, passa actualmente por um desenvolvimento significativo baseado em intercâmbios mutuamente enriquecedores.

3A cooperação inter-universitária manifesta intensa atividade. Vinte e quatro acordos existem hoje, nove dos quais com a Universidade de São Paulo. Estes acordos, que englobam vinte estabelecimentos franceses de ensino superior e de pesquisa, estão funcionando em boas condições. Relativamente recentes-de fato dois terços são posteriores a 1982-concernem essencialmente as ciências exatas e aplicadas, como é o caso de dezessete acordos.

4Programas específicos de cooperação foram implementados, como o de 1978 entre a CAPES-organismo do Ministério da Educação brasileiro responsável pelo planejamento das necessidades de docentes do ensino superior e de sua formação-e o COFECUB (Comitê francês de avaliação da cooperação universitária com o Brasil), organismo francês tutelado pelos Ministérios da Educação Nacional e das Relações Exteriores.

5O acordo CAPES/COFECUB trata essencialmente da formação de professores-pesquisadores brasileiros no âmbito de projetos de pesquisa conjunta. Os intercâmbios compreendem a recepção a bolsistas e pós-doutorandos, bem como visitas de professores-pesquisadores franceses. Quarenta e cinco projetos de cooperação estão atualmente em andamento em universidades espalhadas por todo o território brasileiro.

6Além dos professores-pesquisadores brasileiros em visita através dos acordos inter-universitários, os estabelecimentos franceses de ensino superior ligados ao Ministério da Educação Nacional recebem também professores associados que são integrados ao corpo docente durante um ou vários anos letivos universitários.

7Enfim, os estabelecimentos de ensino superior recebem cerca de 1 100 estudantes brasileiros, com dois terços distribuídos em ciências humanas e sociais e o terço restante, em ciências exatas e aplicadas e em ciências da vida. Esse número se estabilizou nos últimos anos.

8Mais de 60% desses estudantes estão matriculados no 3° ciclo. A França está em segundo lugar depois dos Estados Unidos entre os países de destino dos bolsistas da CAPES e do CNPQ (CNRS brasileiro).

9A França deu seu acordo de princípio para receber um contingente suplementar de bolsistas nos setores prioritários, atendendo assim às orientações da nova política do Brasil, que deseja aumentar sensivelmente o número de bolsistas formados no exterior em setores considerados estratégicos para seus objetivos de desenvolvimento.

10Os conhecimentos sobre o Brasil contemporâneo, já beneficiados pela existência de cursos e equipes de pesquisas que atuam em cadeia nos estabelecimentos franceses (principalmente na EHESS – Escola de Altos Estudos de Ciências Sociais, no IHEAL – Instituto de Altos Estudos da América Latina, e na MSH – Casa das Ciências do Homem) vão se ampliar graças à criação de um cargo a nível docente em História do Brasil, na Universidade de Paris-Sorbonne.

11Nos outros níveis do sistema educativo, a valorização da cultura lusofônica em geral e do lugar que o Brasil ocupa é reiterada por intercâmbios de professores de português e de francês, pela atualização do conteúdo dos programas de ensino, do material didático e dos documentos pedagógicos relativos ao Brasil.

12Assinale-se também que o número de alunos que aprendem a língua portuguesa aumenta dia a dia.

13No Brasil inclusive, dado seu número, os estabelecimentos de ensino franceses são a marca do esforço que a França empreende para incrementar sua presença cultural no país: a importante rede de Alianças Francesasa primeira da América Latinaconta com 37 000 alunos, os estabelecimentos de ensino escolar franceses, com 2 000 alunos, permitindo, assim, a aproximação e o enriquecimento mútuo das duas culturas.

14A riqueza do tecido de relações existentes e suas fortes potencialidades de desenvolvimento para os próximos anos levaram ambos os países a conceber, através de um acordo inter-governamental assinado em outubro de 1985, a idéia de uma operação original de envergadura, o Projeto França-Brasil.

15O projeto tem por objetivo dinamizar, por meio de iniciativas públicas ou privadas, as relações de toda sorte estabelecidas pelos dois países ao longo da história, bem como pôr em relevo a diversidade e a modernidade que caracterizam atualmente a cooperação franco-brasileira.

16É neste contexto que se dará a mesa redonda sobre o tema Imagens recíprocas do Brasil e da França.

17Esta manifestação de caráter científico inscreve-se numa ação mais ampla que visa a:

  • atualizar as imagens recíprocas dos dois países levando em conta as evoluções fundamentais;
  • definir um contexto apropriado para empreender projetos de cooperação mais equilibrados.

Notes de fin

1 Diretoria de Assuntos Gerais, Internacionais e da Cooperaçoa.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540