Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. L’image scientifique et technologique/A imagem científica e tecnolôgica

Discurso de encerramento

Celso Furtado

Texte intégral

1O Senhor Embaixador teve a gentileza de convidar-me para pronunciar um breve discurso antes do encerramento deste Colóquio. Inicialmente, gostaria de agradecer ao Senhor Monory, Ministro da Educação Nacional e a todos os que colaboraram no âmbito deste Ministério para a sua preparação, e de dizer que eu mesmo estava um pouco receoso com a idéia deste Colóquio quando me apresentaram o programa no Brasil. Perguntei-me o que poderia ser dito sobre as imagens recíprocas de nossos dois países, uma vez que no Brasil, temos, nos mesmos, uma imagem falsa de nosso país. O que os senhores apresentaram aqui e disseram sobre as mídias, sobre o papel das mídias na distorção da imagem que se tem do Brasil aqui na França, existe também no Brasil. Fala-se somente de catástrofes, de inundações e de violências. Na realidade, é a partir destes fatos que se organiza o fluxo de informações – supostamente de informações – apresentado todos os dias.

2Mas havia, uma outra razão; eu falo com toda a franqueza, porque estou aqui ao lado do Senhor Embaixador Richard, que conhece muito bem o Brasil.

3Nosso país sempre manifestou uma opinião favorável no que se refere à França, por razões complexas da História: com efeito, durante o período colonial o Brasil era um país muito isolado; era o país do barroco. Apôs a independência nacional, nos distanciamos rapidamente de Portugal e procuramos, em outro lugar, a fonte da verdade e da beleza: e foi em direção da França que nos voltamos.

4Ora, ocorre que a França é um país – é preciso dizê-lo sem rodeios – com uma longa tradição de dominação cultural. Creio que, se existe um país que possui uma história de dominação, que exerceu uma dominação cultural mundial, depois da Grécia, esse país é a França. É uma dominação particular, uma dominação cultural baseada na primazia da razão, na idéia de que se pode tudo explicar, que se deve tudo analisar partindo de um raciocmio claro, e que é necessário privilegiar a clareza, porque assim, se permanece sempre numa posição forte para julgar os outros. Quando se é cartesiano e quando se aceita a supremacia da razão para olhar o mundo, está-se numa situação muito difícil para perceber as fraquezas e, em particular, a complexidade das outras culturas. Porque a cultura existe ou não existe: não se pode analisá-la, não se pode separá-la completamente e apresentá-la em pequenas partes. Enfim, é preciso percebê-la e, para percebê-la é necessário, evidentemente, uma visão global. É preciso de certa forma, «embeber-se» nessa cultura para chegar à percepção chamada «empatia»: forma de amar o outro e de compreendê-lo, mesmo não sendo capaz de explica-lo.

5Ora, a França apesar de ter exercido uma tal influência sobre o Brasil, não ajudou muito a compreendê-lo. É raro que um francês supere a barreira da razão, ou seja da explicação racional em função de sua visão cartesiana da História. Dessa forma, os franceses influenciaram muito o Brasil, mas não ajudaram muito os brasileiros a compreendê-lo, sendo que o país necessitava também dessa ajuda.

6Destacam-se todavia, exceções notáveis: um francês, como Pierre Denis, que viveu durante cinqüenta anos no Brasil, ajudou-nos muito a compreendê-lo. Um homem como Pierre Verger, possibilitou-nos apreeender a dimensão africana do Brasil com seu livra Orisha, les dieux yoruba en Afrique et au nouveau Monde. Um homem como Pierre Monbeig – cuja viúva esteve ontem aqui – trouxe-nos uma verdadeira contribuição com seu belo livro Pionniers et planteurs du Brésil, assim como Tocqueville ajudou os americanos a compreenderem os Estados Unidos. Mas isso é raro, muito raro e depende dessa «empatia», dessa participação, dessa, diríamos nos, quase comunhão com a outra cultura. É nesse sentido que gostaria de aproximar os dois eixos que nos orientaram:

  • o das imagens recíprocas;

  • o da cooperação.

7É através da cooperação que se pode chegar realmente à imagem recíproca, a melhorar, a aperfeiçoar e a aprofundar a imagem que se tem do outro.

8A cooperação permite a presença, isto é, estar no país, vivê-lo e conhecê-lo em toda a sua complexidade, fenômeno que se pode apreender pela analogia, mas jamais pela análise.

9É aí que se encontra a grande dificuldade, e é com este pensamento e por esta razão, creio eu, que a França tem dedicado mais tempo ao Brasil. Antes da guerra tivemos a magnífica oportunidade de acolher homens como Braudel, que não permaneceu muito tempo entre nos, e jamais quis escrever sobre nosso país; homens como Lévi-Strauss, que se apegou a um certo Brasil e deu dele uma idéia, falsa, mas de todo modo uma idéia do Brasil, assim como outras personalidades francesas que viveram no Brasil, dentre elas, o já citado, Pierre Monbeig.

10Após a guerra, a França, num esforço de construção do continente europeu, voltou-se para si mesma e para a Europa, no sentido de afirmar-se como potência européia. Então afastou-se, de certa forma, de outros programas. Além disso, pretendia assumir a responsabilidade do mundo francófono e se fazer presente nas grandes Universidades que ajudou a criar nos países de língua francesa. Então a França afastou-se de nos. É por esta razão que tivemos, desde então, uma contribuição essencialmente esporádica de franceses que chegavam ao Brasil e aí permaneciam cerca de três ou quatro meses, escrevendo livros de vulgarização sobre o Brasil, e que nunca tiveram qualquer influência sobre o nosso país. Creio que apôs Bastide e outros de sua geração, não tivemos mais, na verdade, uma reflexão francesa sobre o Brasil.

11Ora, a reflexão do outro é essencial para todos os países, particularmente para aqueles em formação, que possuem tantos contrastes e complexidades, como é o caso do Brasil.

12O que observamos hoje em dia, é a reflexão dos americanistas, aliás uma contribuição importante. Outros homens chegam ao Brasil, aí permanecem, participam da vida brasileira e publicam monografias importantes sobre o pais, mas (...) não conseguem apreendê-lo na sua globalidade ni possuir uma visão global, essencial, como foi a de Tocqueville para compreender os Estados Unidos.

13Creio que a cooperação é fundamental. Mais importante ainda é a cooperação profunda como a que o professor Sachs, por exemplo, realiza no Brasil, como o é também a contribuição francesa para «pensar... o país», uma nação ainda em formação e de complexidade crescente, que possui sua identidade, mas que é certamente hoje um país onde se apresentam todos os problemas do mundo; é o país da pós-modernidade, o país arcaico, onde se encontram as indústrias as mais sofisticadas (...) certamente o país que (...) vive uma fase histórica de uma enorme complexidade e que necessita da reflexão e da ajuda de homens de pensamento, de sábios franceses que possam ajudar-nos a encontrar o caminho da construção nacional, o grande desafio do Brasil para o século XXI.

14Creio que este Colóquio vai certamente ajudar-nos, mais do que muito do até hoje foi realizado entre o Brasil e a França, porque a meu ver, foi quase um streap-tease; (...) vamos seguramente continuar esta reflexão no Brasil. Sugiro mesmo a cidade de Brasília, para afastarmo-nos de São Paulo, o grande centra universitário, e obter um distanciamento maior que proporcione a apreciação do Brasil no seu conjunto, a partir, evidentemente, de uma cidade que é hoje uma síntese de todas as dificuldades e de todos os problemas brasileiros. Gostaria muito que sábios e personalidades da cultura francesa se fixassem no Brasil por mais tempo a fim de ajudar-nos na reflexão que mencionei ainda há pouco.

15Muito obrigado, agradeço realmente pelo esforço dispendido e pela contribuição que nos trazem.

Auteur

Ministro de Estado da Cultura

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540