Desktop versionMobile version
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. L’image scientifique et technologique/A imagem científica e tecnolôgica

Discurso do Sr. Embaixador

Robert Richard

Full text

1Depois dos verdadeiros fogos de artifício que foram essas duas alocuções de alto gabarito, serei um tanto prosaico e sucinto, mesmo que isso me desvalorize perante esta assembléia posto que, todos hão de convir comigo, deveriamos pedir ao nosso convidado, o Ministro da Cultura, Sr. Celso Furtado, para fazer o encerramento.

2Este colóquio pôde realizar-se graças àqueles que vocês conhecem, e em primeiro lugar ao senhor ministro Monory, ao senhor Revel Mouroz e à senhora Solange Parvaux. Todos desejaram abri-lo ao maior número de disciplinas para não nos confinarmos numa apreciação meramente escolar, digamos assim, do nosso tema.

3Devo dizer que dentre todas as que acompanhei em minha carreira, raramente tive a oportunidade de assistir a mesas-redondas tão ricas e brilhantes. Naturalmente, por estarmos entre franceses e brasileiros, presenciamos algumas pequenas polémicas, algumas divergências, aliás tanto entre os próprios brasileiros quanto entre os franceses.

4Fez-se uma auto-crítica, o que é extremamente sadio: é uma prova de lucidez e, certamente, um dos aspectos positivos deste evento.

5Esta mesa-redonda, creio que podemos dizer, foi uma realização sem precedentes. Ao que me consta, nunca houve entre dois países, quaisquer que fossem eles, e em todo o caso nunca entre a França e um país parceiro, uma vontade de trocar, como o fizemos durante três dias, pontos de vistas e opiniões sobre nossas imagens recíprocas, e igualmente sobre nossa cooperação. E também, poucas vezes ouvi tantas sugestões; por isso digo sem mais tardar que este Colóquio mereceria ser o ponto de partida de um comitê responsavel por uma continuidade e que seria organizado com personalidades voluntárias, as quais poderiam encaminhar seus nomes ao sr. Revel Mouroz e à sra. Solange Parvaux. Entre outras sugestões, houve a de se criar uma fundação para facilitar os intercâmbios. E outras mais. Ora, em geral nos colóquios afirmam-se coisas da maior importância, coisas que são verdades, coisas que, aliás, vão se repetir de colóquio em colóquio; então, quem sabe, desta vez, fosse recomendável garantir uma continuidade. Em todo caso, no que me concerne, estou pronto a participar.

6Como dizíamos, este colóquio é uma iniciativa sem precedentes.

7Citou-se um país como a India, país com uma capacidade técnica e científica formidável, uma grande potência industrial que alguns podem comparar ao Brasil; porém, não concebo que possa haver entre a França e a India um intercâmbio tão rico como o que acaba de acontecer entre a França e o Brasil.

8Trata-se de uma inciativa que pode até mesmo servir de modelo. O Inspector Geral, Sr. Garrigue ficou tão encantado com as comunicações feitas sobre programas e manuais escolares que pediu a seus autores para expôr seus trabalhos a seus colegas do Ministério da Educação. É uma prova de que tivemos um colóquio de alto nível e particularmente estimulante.

9É preciso agradecer aqui ao ministro Celso Furtado que acompanhou nossos trabalhos e foi um dos atores eminentes deste colóquio. Ele anunciou-nos em seu discurso de abertura na presença do sr. Monory, que este colóquio será seguido, como estava previsto, de um outro colóquio no próximo ano ou no próximo inverno, pois um colóquio desta qualidade deve ser preparado com muita antecedência. Não sei se podemos fixar desde já a data do próximo colóquio mas é certo que os preparativos devem começar desde agora.

10As seis alocuções precedentes resumiram, de modo extraordinario, as principais comunicações destes três dias. Discutiu-se para saber se a imagem é deformada ou não. Eu lembraria simplesmente que não se pode roubar as esperanças dos sonhadores. Recordo-me de uma criança martinicana que dizia no filme que nos foi apresentado: «eu tenho uma idéia encantadora, idílica, do Brasil e então me dizem que se eu for para la, talvez fique conhecendo outros aspectos; então, por favor, eu prefiro não ir ao Brasil e guardar este sonho para mim». É preciso deixar espaço para o sonho. Mas também propiciar um melhor conhecimento. Não creio que possamos ser objetivos, porém o que importa é o olhar; como dizia André Gide, o importante é o olhar e não a coisa olhada, o que é particularmente verdadeiro no caso da França e do Brasil.

11É preciso um conhecimento mais equilibrado e completo em todos os níveis.

12Quanto às mídias, já habituadas a sofrerem críticas, é normal que as continuem recebendo no decorrer do colóquio. É certo que possuem um fator de constrangimento, que vivem no instantâneo. Quando há um acontecimento, a viagem do Papa, a morte de Tancredo Neves, então as mídias falam do Brasil.

13Talvez se pudesse pedir particularmente às redes de televisão, quando falassem do Brasil por ocasião de acontecimentos como esses, para convidar ao telejornal do dia seguinte universitários, ou algum outro especialista do país, que em dois ou três minutos comentaria o que é o Brasil, e como as mídias– empregou-se um barbarismo mas um barbarismo pode ser um elemento de metodologia-«decontextualizaram» os acontecimentos. É preciso «recontextualizá-los».

14O comitê para continuidade poderia talvez entrar em contato com os canais de televisão para que cada vez mais homens e mulhers que conhecem o Brasil sejam chamados a trazerem seus conhecimentos sobre o pais.

15A própria mesa-redonda, menciono de passagem, não pôde ter uma visão exaustiva do que era a imagem do Brasil na França, visto que a imprensa e os telejornais foram examinados mas não as revistas especializadas, por exemplo; e tenho em mente alguns títulos que de uns anos para cá têm dedicado números especiais de alta qualidade ao Brasil.

16O conhecimento que se tem do Brasil quase sempre é fragmentário e lacunar. Recordo a frase de Bernanos que diz: «pior do que a mentira é dizer só uma parte da verdade». Porque a mentira pode ser removida mais dia menos dia, enquanto é muito mais difícil, quando se disse uma meia-verdade, obter que a outra metade da verdade seja relatada. No piano econômico, por exemplo, desde que retornei à França, observo que se esquece de dizer inclusive coisas das mais elementares.

17Dizem que o Brasil é o pais mais endividado do mundo, o que é óbvio: quando se tem uma população de 140 milhões de habitantes, está-se mais endividado do que um pais de três milhões de habitantes. O que conta para se medir o endividamento de um pais é a relação com a população e com o Produto Nacional Bruto. Raramente os vejo mencionados. É preciso também dizer como foi utilizada a dívida. Quando o sr. Celso Furtado veio no mês de março, esta questão foi debatida. O Brasil é um dos países que usou relativamente bem a divida. Destinou-a à construção de uma infra-estrutura que é um elemento positivo para o futuro.

18Nunca vejo menção ao fato de o Brasil ser talvez um dos raros países do mundo, fora os países de há muito industrializados, cujos dois terços das exportações se constituem de produtos industriais. O que basta para illustrar e medir o grau de avanço em que se encontra sua indústria.

19Outro ponto, lembro-me que quando estava no Brasil, eu dizia aos franceses: «vejam, tudo o que está nas lojas brasileiras e tudo o que vocês vêem circulando nas ruas é fabricado no Brasil».

20Creio que são observações simples como estas que podem levar à compreensão do que é a capacidade industrial do Brasil.

21Também não se sabe na França o que é o «Brésil profond» e que há numerosos polos de desenvolvimento. Quando se fala do Brasil, pensa-se sempre nas mesmas cidades: Rio, São Paulo e Brasília. Mas o Brasil compreende um dezena de regiões dentre as quais muitas possuem uma certa autonomia e criam infra-estruturas próprias, o que faz com que uma crise no Brasil nunca seja sentida com a mesma intensidade em todo o país. Esquecemos-nos também de outra coisa. Talvez por ter ocupado um cargo na Itália eu seja mais sensível ao papel da economia subterrânea; economia subterrânea que é um amortecedor da crise, e talvez explique como, nesses momentos mais difíceis que o Brasil está atravessando, tem havido, mesmo assim, recursos contra o desemprego e o subemprego.

22Gostaríamos que se fizessem muitas outras considerações sobre o Brasil. Por exemplo, que o Brasil tem certamente seus problemas, mas que se tratou de uma «superposição» de problemas. Seu desenvolvimento económico moderno iniciou-se apenas entre 1930-1950, em comparação com a Europa atual que é o resultado de 250 anos de progressos, embora com reveses consideráveis, dificuldades e misérias, pois houve também uma miséria inestimável na Europa em meados do século XIX, da qual ninguém se lembra, só enxergando a miséria do mundo atual. Em 1950, o Brasil tinha uma demografia talvez superior à da Europa em 1850, porém estamos numa época em que a indústria não cria tantos empregos como no século XIX. É um exemplo, entre outros, das dificuldades que valeria a pena explicar nas mídias e principalmente na televisão.

23Não nos esqueçamos, enfim, da dimensão cultural. Mesmo num estudo sobre a economia do Brasil, parece-me indispensável explicar que é um dos países, ao lado de alguns raros no mundo, a França entre outros, em que a dimensão cultural é um componente essencial da idéia de nação. É o sentimento que se verifica em todo o Brasil, de se pertencer a uma nação, a uma cultura. Obviamente todos os estrangeiros notam que há uma língua única, mas é preciso dizer que os brasileiros partilham o sentimento de pertencer a uma cultura que é a cultura brasileira, com sua originalidade resultante da fusão de contribuições étnicas diferentes como mostrou magistralmente Gilberto Freyre. E o caso do Professor Celso Furtado não é a prova mesma de que o Brasil dá importância à cultura? Poucos países no mundo teriam tido a idéia de nomear um economista como Ministro da Cultura.

24Falou-se de cartesianismo, mas Roger Bastide talvez tenha dado a chave do modo necessário para se compreender o Brasil em sua riqueza e multiplicidade. Disse ele: «Não se deve utilizar conceitos cartesianos, mas conceitos líquidos e efervescentes» os quais permitiriam uma melhor apreciação da realidade brasileira.

25Haveria muitas outras coisas a se dizer e creio que já podemos deixar um encontro marcado para o Colóquio de 1989 que tratará da França no Brasil, dando prosseguimento a este Colóquio, no gual agradecemos uma vez mais a participação de todos os nossos colegas brasileiros.

26Considerando-se o interesse inteiramente excepcional deste Colóquio, parece urgente, e creio que um acordo com a CAPES já foi acertado, que as Atas do Colóquio sejam publicadas nas duas línguas, o mais rápido possivel, para que sejam imediatamente accessiveis a todos aqueles que não tiveram o privilégio de acompanhar o todo ou parte deste colóquio, e que certamente estarão interessados em tomar conhecimento de seu conteúdo, que é, repito, algo sem precedentes. E nada mais nos resta senão agradecer ao sr. Monory e ao Ministério da Educação Nacional por terem presidido a esta grande estréia.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Terms of use: http://www.openedition.org/6540