Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. L’image scientifique et technologique/A imagem científica e tecnolôgica

A imagem da francofonia no Brasil

Lilian Pestre de Almeida

Texte intégral

1Após um percurso panorâmico e ao cabo desses três dias de colóquio, durante os quais foram sucessivamente analisados: a imagem do Brasil na vida quotidiana francesa, a partir dos meios de informação (a imprensa e a televisão); a construção da imagem de um país americano, jovem e problemático no que diz respeito à herança de uma cultura européia prestigiosa, através dos meios de comunicação cultural (da literatura às histórias em quadrinhos, do texto escolar à canção, do cinema à tradução); a presença da França no imaginário e na produção brasileira; e finalmente os intercâmbios nos domínios da cooperação científica e da tecnologia, saímos desta confrontação que explora o passado e o presente, por meio da prospecção de um tempo futuro e da abertura de novos espaços, os das culturas francófonas.

2Uma primeira perspectiva em direção ao futuro corresponde ao que M.A. de Peretti chama de «inter-fertilização das imagens recíprocas entre o Brasil e a França». A palavra «inter-fertilização-que não é registrada pelos dicionários-é no entanto transparente: pertence à área semântica da vegetação, da fecundidade, do crescimento e do renascimento. Se fertilização é ato de fertilizar, inter-fertilização indica o ato de uma fertilização recíproca, no processo contínuo e enriquecedor em que dois países são ao mesmo tempo sujeito e objeto da fertilidade.

  • 1 Eduardo Lourenço. «A comunicação assimétrica», in Jornal de Letras. Lisboa, n° 45 et 46,1982.

3Minha intervenção, nesta última sessão de trabalho, traz meu testemunho enquanto professora de FLE (francês-língua estrangeira), sobre as mudanças previsíveis, ou já em gestação, provocadas pela modificação do diálogo, pela descoberta de outras vozes, e principalmente pelo surgimento, no nosso horizonte intelectual, de outros espaços que se expressam em francês fora do hexágono, modelo ideal em direção ao qual nossos olhos se voltaram por mais de dois séculos. O diálogo França/Brasil-que prossegue e desenvolve historicamente o diálogo França/Portugal, considerado por muito tempo como uma «comunicação assimétrica»1 (os lusitanistas aqui presentes reconhecerão a feliz expressão de Eduardo Lourenço)-é doravante um multílogo. Se a França ocupa o lugar de solista principal, a trama das vozes baixas se superpõe de um modo cada vez mais complexo e variado, chegando a uma verdadeira polifonia. À voz da França, juntam-se, aos poucos, as vozes que se elevam dos espaços americanos, em breve africanos. Nesse multílogo, seremos um dia capazes de distinguir outras vozes européias ou orientais.

4A partir dessas observações, é necessário expôr claramente as articulações de minha intervenção. Tentarei abordar sucessivamente algumas questões: a mutação da imagem da língua francesa, do ponto de vista dos estudos francófonos no Brasil; os novos aspectos da língua francesa, percebidos pela elite cultural brasileira, e finalmente a conquista de um outro tipo de «universal» que convém à nossas necessidades de cultura emergente, e na qual a língua francesa se torna um instrumente de conhecimento não só do mundo, mas sobretudo de si e do Outro. Para concluir, esboçarei as consequências (positivas) desta mudança de perspectiva no ensino, no aprendizado e na pesquisa.

5Partirei, portanto, não do geral abstrato (um panorama da francofonia), mas do concreto particular, ou seja dos diferentes trabalhos realizados, no Brasil, sobre as culturas francófonas. Desta forma, e voltando à imagem da polifonia, eu diria que, no Brasil, entre as vozes francófonas, são as vozes americanos as mais audíveis e, sem dúvida, as mais bem compreendidas.

A evolução da imagem da língua francesa

6Os estudos francófonos. conheceram, há quinze anos, um certo impulso no Brasil, em particular em alguns centros universitários: na Grande Rio, a Universidade Federal Fluminense; em São Paulo, a USP; em Porto Alegre, a UFRS, e em Belo Horizonte, a UFMG. Entretanto, uma única universidade instituiu todo um programa de especialização e de mestrado centrado exclusivamente sobre as literaturas e as culturas francófonas, a UFF em Niterói. O interesse pelas culturas francófonas está mudando, não propriamente a imagem da França no Brasil, mas a nossa visão da língua francesa.

7Um olhar sobre a produção crítica brasileira recente nos confirma que são principalmente as culturas francófonas da América (Quebec, Haiti, Antilhas Francesas) que suscitaram até agora a maior parte dos trabalhos (teses, dissertações, ensaios, artigos, traduções). Os autores mais analisados-Césaire, Anne Hébert, Jacques Godbout, Miron, Ferron, Damas, Edouard Glissant, Jacques Roumain, René Depestre, Simone Schwarz-Bart – são todos francófonos da América. No Brasil, os textos produzidos e publicados sobre os autores da África Negra são relativamente raros (mesmo considerando as publicações sobre Senghor) e aqueles relativos a escritores de língua francesa na África do Norte, praticamente inexistentes. Se, portanto, queremos compreender a evolução da imagem da língua francesa no Brasil, é necessário concentrar-se sobre as culturas francófonas da América.

  • 2 Gabriel Garran «Parloirs francophones», in Diagonales, n° 3, oct. 1987. Paris. Le Français dans le (...)

8É um dos paradoxos (fecundos) aquele de constatar que a emergência, no Brasil, das culturas francófonas, vem recolocar de modo inevitável e novo, a questão da língua francesa num contexto panamericano, e vem permitir a reflexão sobre o papel (possível) da França na emergência e na tomada de consciência deste continente. Mas esse papel – e aqui adianto uma das minhas conclusões – depende, por um lado, da visão múltipla e diversificada da língua francesa, expressão de diversos modos de viver e de pensar, e, por outro lado, do abandono de uma ficção empobrecedora e estéril, a do «francês universal académico» (a expressão é de Gabriel Garran, diretor do Théâtre International de langue française2) ou a do «francês internacional».

  • 3 Jean Maurice Morrisset. «La lumière qui brasille» (texto inédito de 1987).

9Para o compreender, basta lembrar que, do ponto de vista histórico, o Brasil teria constituido, de facto, senão de direito, «uma América “à la française” que o Canadá nunca chegaria a constituir»3 depois da conquista inglesa no século XVIII. De uma certa maneira-algumas pessoas do Québec o descobrem com surpresa-a França se teria interessado muito mais pelo Brasil do que pelo Québec, no decorrer do século XIX e do século presente. Desde a vinda dos cartógrafos franceses como Jean Massé, que nos deixaram mapas do litoral brasileiro (a baía da Guanabara em particular) e pianos de fortificações e de cidades com uma precisão e uma beleza sem igual em Portugal, no fim do século XVIII, até a vinda de Le Corbusier para a construção do Ministério da Educação Nacional no Rio de Janeiro, passando pela Missão Artística Francesa, os colégios religiosos, etc, a França se debruçou com simpatia e interesse sobre o nosso país. Nesse caso a relação França/América e a presença da língua francesa como língua americana (tanto quanto a português, o espanhol ou o inglês) não são exclusividades do Canadá, da Luisania ou das Antilhas ditas francesas.

  • 4 Lilian Pestre de Almeida. «La France et le français au miroir du Brésil», in Dialogues et cultures,(...)

10Assim o francês faz parte de uma certa herança brasileira: foi a língua de abertura ao mundo, a língua de fecundação, a língua da mediação, mas também a língua do delírio, e se quisermos, a língua do desejo (desejo de ser Outro, desejo de Além, desejo de escapar à própria mediocridade, talvez à Americanidade, para se fundir num universal generalizante capaz de sublimar as particularidades4). Se, numa reviravolta, a língua francesa se tornasse realmente uma forma de arraigar-se na América e de tomar consciência de si, isto seria um belo périplo de «détour-retour». E ainda melhor a língua que permitiu o desvio das dites descentradas é e não é a mesma que permite o retorno.

11De fato, se estudarmos as condições de produção em língua francesa na América-língua de cultura para as antigas elites latino-americanas, mas também língua da identidade no Québec, língua dominante numa diglossia integrativa (Antilhas Francesas, Haiti), língua relacionando a América com a África, ambas em vias de descolonizar-se culturalmente a partir de textos como o de Damas, de Césaire, de Fanon, de Depestre ou de Glissant, língua ainda na qual, hoje, se reescreve a oralidade tradicional, com conseqüências importantes do ponto de vista teórico e prático – pode-se destacar as etapas de uma mudança de civilização em que o francês se torna uma das vias/vozes da diferença.

12Em outras palavras: o francês que exprimia, outrora, o sonho unitário do Mesmo e encarnava para os latino-americanos um universal transcendente, torna-se aos poucos uma das línguas do Diverso que se abre a um outro tipo de universal, enraizado na carne do mundo. A mudança que se está esboçando para o francês, na América e na África, já se deu para o português no Brasil, o espanhol em Cuba, no México, na Argentina, o inglês nos Estados Unidos. Isso abre, para os professores brasileiros de FLE, perspectivas extremamente positivas.

Novos aspectos da língua francesa percebidos pelo público brasileiro

13O que tento descrever aqui não é, de algum modo, um fenômeno de massa. São, melhor dizendo, indícios de uma outra visão da língua francesa por parte de um público de escritores e universitários. Quais são seus principais aspectos?

Língua da identidade e da resistência

  • 5 Cf. «Regard périphérique sur la francophonie», in Études Littéraires, vol. 16, n° 2, août 1983. Qué (...)

14Um dos primeiros apectos é o de uma língua de resistência e de identidade relacionada antigamente com os trabalhos de uma terra difícil de se cultivar e com um inverno interminável, protegida durante dois séculos pela fé católica, expressando hoje, a partir de uma revolução tranqüila, a complexidade de um pais jovem que faz irrupção, a modernidade. Analisei, em outro lugar5 a repercussão que teve, no meio brasileiro dos professores de francês, a descoberta do Quebec graças ao estágio organizado pela Universidade Laval desde 1979.

« Marronnage» em francês

15A área francófona que sempre suscitou o maior número de estudos no Brasil é a área antilhesa. Isto pode ser explicado à primeira vista, quer pela similitude da cultura caribenha e brasileira, ambas nascidas do sistema das Plantações e da mestiçagem, quer pelo interesse compreensível por uma problemática negra. Acho, no entanto, que a multiplicidade de textos brasileiros sobre as Antilhas provém da preocupação que suscita o fenômeno do « marronnage» cultural, no qual se descobrem aspectos semelhantes a uma das tendências mais vivas da nossa cultura hoje, a antropofagia. Marron, nas Antilhas, como se sabe, não é a fruta do castanheiro. Dam já o dizia com humor no começo do poema intitulado «Foi de marron»:

Foi de marron
non de marrons qui se mangent
de marrons qui réchauffent les mains roides
au carrefour des hivers soudains revenus

(in Pigments. Névralgies. Présence Africaine, p. 100)

16Marron indica o escravo que foge da escravidão, que escapa do universo das Plantações para viver em liberdade nos montes ou nas florestas. Daí o verbo marronner e o substantivo marronnage. Distingamos brevemente «marronnage» e antropofagia brasileira. O primeiro conceito, reivindicado pelos críticos antilheses, participa também de uma poética de resistência, de uma prática de deslocamento para enfrentar os obstáculos que não se podem ultrapassar, e de uma astúcia de auto-defesa, todas relacionadas certamente com uma situação diglóssica e talvez com uma economia de subsistência (o caso de Haiti) ou um novo tipo de colônia de consumo.

17O segundo conceito, reivindicado pelos brasileiros na esteira de Oswald de Andrade, seria uma etapa do «marronnage» cultural: participa de uma poética agressiva, de uma prática insolente de ataque, de apropriação e de demistificação. Só se torna possível quando os colonizados, tendo devorado a língua dos colonizadores, dela se apropriam a tal ponto que, a seus olhos e a seus ouvidos, é sempre o antigo colono que tem sotaque e até mesmo uma estranha sintaxe.

18Evidentemente, esta distinção é apenas operatória e didáctica: é dificil fixar o momento em que se opera a passagem do marronnage à antropofagia. Isto depende do início de autonomia no circuito de produção, da presença ou ausência de um horizonte cultural denso preexistente à colonização, da possibilidade de acumulação e de sistematização de experiências de marronnage, etc. Na América Latina, Cuba, México, Brasil são obviamente culturas antropofágicas, as Antilhas e Haiti são, em níveis diferentes, países que praticam com maior ou menor êxito o marronnage cultural.

  • 6 Edouard Glissant. Le discours antillais. Seuil, 1981, p. 22.

19Notemos ainda que escrever em francês nas Antilhas constitui um desafio, pois cada poema ou cada relato em francês é escrito na língua-não-materna, na língua do Outro. Dirão que a situação é a mesma na África negra. Parece-me, no entanto, que existe aí uma diferença substancial: a língua materna nas Antilhas não é, na verdade, uma língua autenticamente oral como as línguas étnicas africanas, o crioulo trazendo em si «a marca secreta, impossível e irreparável da escrita», conforme Glissant6.

  • 7 Cf. «Ariettes retrouvées, contes recréés. Quelques aspects de la création littéraire chez Césaire d (...)

20Muitos críticos e escritores questionaram o sentido desta estratégia de passar pela língua do Outro. Percebe-se, logo, neste processo, os inconvenientes, mas a vantagem-excepto a nível, digamos, internacional-parece tênue, à primeira vista. Mas não é. Recuo crítico devido ao exílio ou à distância interior, deciframento de um imaginário, olhar distanciado em relação à propria cultura graças à passagem por uma língua de empréstimo, exploração dos possíveis da escrita, abolição das proibições sociais veiculadas pela língua materna, reconhecimento do multilingüismo caribenho: são os argumentos que se poderia invocar. Ainda existiria uma outra vantagem que tentei analisar em dois textos: o de conquistar, por intermédio da língua do Outro, um uso em via de desaparecimento na língua materna, o de um pacto secreto, alicerce da coletividade. E a chave desta astúcia consiste em reescrever a oralidade, procedimento que reencontramos em todas as literaturas americanas, inclusive na brasileira7.

Uma axiomática geográfica

  • 8 Um dos raros textos brasileiros citados por Edouard Glissant em Le Discours Antillais é, se não me (...)

21Cada vez, portanto, que leitores brasileiros estudam escritores antilheses ou do Québec, abordam a problemática geral das condições de criação em situação de dependência, e rejeitam os fundamentos de uma axiomática geográfica, isto é procedem à pesquisa e à organização sistemática dos axiomas de um continente com um conjunto de hipóteses e deduções. O caminho foi aberto por Edouard Glissant em Le Discours antillais (Seuil, 1981). Ele é, sem dúvida, um dos primeiros escritores a esclarecer as semelhanças do conjunto da produção ficcional americana, mas sua obra – capital – se dirigia principalmente aos povos da América Latina que escrevem em espanhol e em inglês. O Brasil ficava fora de órbita, ja que a língua portuguesa representava ainda um obstáculo8.

22A partir do momento em que críticos brasileiros se abrem para as culturas francófonas da América, a reflexão integra as quatro grandes línguas européias que, na América, são relativizadas e se modificam.

A língua francesa, instrumenta de conhecimento de si e do outro

23Para concluir, poder-se-ia dizer que um dos eixos principais dos estudos francófonos no Brasil se relaciona com a preocupação de explorar uma Franco-América, percurso que nos leva à tomada de consciência da própria América, inclusive do Brasil. Esta (re) descoberta se faz através do francês e sem a mediação da Europa. Quero ser clara: não se trata absolutamente de abandonar a França por meio do francês. Trata-se de multiplicar os laços com o mundo, de reestabelecer um certo equilíbrio do imaginário, de escapar ao «malinchismo» enquanto fascínio esterilizante, de assumir o ponto de vista a partir do qual se fala, e sobretudo de descobrir que o francês é uma das vias da relação no mundo difratado de hoje. Em outras palavras: explorar a fundo a modernidade, a riqueza e a diversidade de uma língua, instrumente de conhecimento do Outro e de si.

24Esse movimento em direção ao Diverso é muito positivo, tanto para a França, de antiga cultura, quanto para o Brasil, cultura nova e problemática. Para numerosos professores brasileiros de FLE, o interesse pelas literaturas e culturas francófonas é uma chave-mestra, porque quebra o sentimento de gueto e de mandarinato no qual tendiam a se fechar os professores de nossas Faculdades, e os faz abordar, através do francês, culturas emergentes e problemáticas, como a nossa, e entrar diretamente no mundo dos homens o dos povos, apreendidos na sua diferença e no seu enraizamento.

  • 9 Edouard Glissant, ibid., p. 197.

25Do ponto de vista francês, a abertura sobre as culturas francófonas permite à França melhor avaliar sua tradição quase milenária, (re) 1er seu passado e seu presente, (re) descobrir seu imaginário graças ao confronto, no interior da língua francesa, com o imaginário de outras culturas, «a se inclinar diante das opacidades»9 Organizar na França, sob o patrocínio do Ministério da Educação Nacional, um colóquio sobre «as imagens recíprocas do Brasil e da França», demonstra que o público francês reconhece, dentro daquilo que se poderia chamar lusofonia, o impulso em direção ao Diverso, que permitiu o reconhecimento das diferentes literaturas e culturas de língua portuguesa através do mundo. Façamos o mesmo no âmbito da língua francesa.

Notes

1 Eduardo Lourenço. «A comunicação assimétrica», in Jornal de Letras. Lisboa, n° 45 et 46,1982.

2 Gabriel Garran «Parloirs francophones», in Diagonales, n° 3, oct. 1987. Paris. Le Français dans le Monde, suplemento ao n° 212, p. 4-6.

3 Jean Maurice Morrisset. «La lumière qui brasille» (texto inédito de 1987).

4 Lilian Pestre de Almeida. «La France et le français au miroir du Brésil», in Dialogues et cultures, vol. 27, dec. 1985. Quebec, FIPF, p. 116-135.

5 Cf. «Regard périphérique sur la francophonie», in Études Littéraires, vol. 16, n° 2, août 1983. Québec, PUL, p. 253-273.

6 Edouard Glissant. Le discours antillais. Seuil, 1981, p. 22.

7 Cf. «Ariettes retrouvées, contes recréés. Quelques aspects de la création littéraire chez Césaire dans ses rapports avec l’oralité», in Etudes créoles, vol. VIII, n° 1 et 2. Paris, AUPELF, 1985, p. 103-126 et «La perspective comparative et les littératures francophones», in Elos, n° 6, février 87. Porto Alegre (Brasil), ABPUF, p. 37-52.

8 Um dos raros textos brasileiros citados por Edouard Glissant em Le Discours Antillais é, se não me engano, o do antropólogo D. Ribeiro.

9 Edouard Glissant, ibid., p. 197.

Auteur

Professora, Universidade Fluminense.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540