Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. L’image scientifique et technologique/A imagem científica e tecnolôgica

«Interfertilização» das imagens recíprocas entre a França e o Brasil

André De Peretti

Texte intégral

1Meu discurso será de gratidão ao Brasil e aos brasileiros. E, lembrando-me que um humorista disse: a França é um belo pais, mas infelizmente pertence aos franceses, eu replicarei dizendo: o Brasil é um magnífico pais e felizmente pertence aos brasileiros! Inicialmente, gostaria de dizer quanto o meu trabalho com professores brasileiros, ao longo de minhas successivas estadas, se revelou estimulante para mim e quanto eles me ajudaram a compreender, em particular, a mudança de escala que marca o devir do mundo moderno, graças à abertura, à amplitude das dimensões que o Brasil possui e que ostenta tão generosamente!

2Tal dimensão, aliada à justa proporção dos ricos relatos deste colóquio, convidar-me-iam a adequar às dimensões da «Foz do Iguaçu» meu propósito ou minhas evocações. Mas sei quanto o tempo é medido, e que só me resta evocar aquilo que Paul Claudel já denominava «o primeiro raio do sol sobre o pico do Corcovado»!

  • 1 Michel Serres, Les Cinq Sens, Paris, Grasset, 1986, p. 284.

3Esta manhã tive a alegria de acolher, desembarcando do avião procedente de Recife, meu neto brasileiro (ele terá em breve três anos) alegre e calmo, à imagem do aspecto dinâmico e aberto, mas também do aspecto tranquilo que apresenta o Brasil e que nos indica claramento o que devemos fazer para abordar o mundo novo que surge à nossa frente. Este mundo esta urdido de contrastes, de contradições, de reviravoltas bruscas, que teremos de suportar; mas não é tão facil para o espírito francês (além de suas «imagens») que dá preferência às realidades aparentemente moderadas e prioridade às linhas retas, às vias diretas, como nos advertiu Michel Serres, em seu belo livro sobre «os cinco sentidos». Ele fala precisamente dessas vias diretas que são as que liberam «mais cedo possível o viajante temeroso da floresta por onde se embrenha», as «que seguem a luz fulminante e sem peso, ou seja, a via cartesiana».1

  • 2 Christine Buci-Glucksmann, La folie du voir, Paris, Ed. Galilée, 1986, p. 79.

4Verificamos com preocupação que o mundo é cada vez menos «cartesiano» e que é preciso, doravante, nos acostumar ao choque das antinomias bruscas que é impossível evitar. Ora, a França tem um gosto acentuado pelo classicismo. É notório que até tenhamos conseguido encerrar o barroquismo do castelo de Versalhes numa estrutura arquitetônica, numa carapaça aparentemente clássica. Resta, no entanto, a Galeria dos Espelhos, com seus jogos de espelhos, concebidos dentro da fidelidade à estética barroca da qual Christine Buci Glucksmann, a propósito da «loucura de ver», nos diz que concebe o mundo como «um espelho de espelhos, um livro dos livros e um universo estético de formas-forças em equilíbrio-desequilíbrio permanente. A idéia da expressão é soberana».2

  • 3 Ilya Prigogine e Isabelle Stengers, La nouvelle alliance, Paris, Ed.

5É verdade que estamos num mundo em situação de equilíbrio-desequilíbrio. Não é por acaso que um químico célebre, penso em Ilya Prigogine, prêmio Nobel, que nos convidou a «re-encantar» o mundo e a concluir com ele «uma nova aliança», seja também o especialista das «estruturas dissipativas de energia», das estruturas que estão cada vez mais afastadas do estado de equilíbrio e para as quais reaparecem então as características da vida.3

6É este aspecto criador de vida, no seio de um conjunto de múltiplos contrastes dimamizados, que o Brasil evoca, a nos franceses, e que me foi transmitido por meio de uma atitude alegre, tanto dançante como tranqüila. Esta, com freqüência, me incitou a dizer a alguns colegas brasileiros que, se juntos contribuimos para descobrir muitos simbolismos, pelo menos, foram os brasileiros que inventaram, de forma original, mas para nos todos, o «sambalismo»!

7É um generoso convite-muito além de Zaratustra, o dançarino – o de viver o mundo ao ritmo da dança, com alguma flexibilidade, com essa intrepidez, senhor professor, que é tão tipicamente brasileira. Nosso país precisa se preservar da morosidade, das aparências ou das coerções que poderiam ser tristes. Mas eu mesmo não diria «tristes trópicos», apesar de toda a afeição que tenho pelo autor, eu afirmaria «alegres trópicos» e acrescentaria também «alegre França», em razão do que o Brasil nos traz e do mundo de amanhã a ser construído corajosamente através de nossos encontros e de nossas convivências recíprocas. Pois, parece-me que se estabelece, entre o «losango» de seu imenso território e o «hexágono» de nosso intenso pais encravado na Europa, a indicação vetorial de uma direção privilegiada capaz de reunir energias, e segundo a qual a mão que simboliza a Bretanha está aberta, a palma estendida para seu magnífico continente e em direção do seu entusiasmo!

  • 4 Edgar Morin, Un paradigme perdu: la nature humaine, Paris, Ed. du Seuil, 1974.

8Este feliz convite nos obriga a aprofundar um novo paradigma que corresponda melhor ao mundo e às suas mensagens, mais novo que o da «natureza humana» do qual Edgar Morin disse estar um pouco «perdido»4 Talvez pudesse advir de nossos esforços, para compreender e para indicar ou instruir, um paradigma da «fogosidade»! É necessário, com efeito, que tenhamos o desejo de abordar com dinamismo, e também com um instinto fogoso, o tempo e o mundo modernos que nos atordoam com suas contribuições estéticas incessantes, com o crescimento desvairado das interações e dos encontros... Não há lugar para nenhuma tristeza: só são verdadeiros os sentimentos fortes para enfrentar a multidão de «coisas» a serem criadas e que, através de nos e dos senhores, existirão!

9Amanhã, nossos povos poderão juntos lembrar-se da herança de Auguste Comte e juntos trabalhar na construção de um universo que seja igualmente de «ordem» e de «progresso», desenvolvendo as possibilidades de todas as tradições acumuladas. Os senhores, amigos brasileiros, nos propuseram um fantástico campo de tradições que justamente apaixonaram nossos antropólogos e que são igualmente contribuições fundamentais, tanto para uma reflexão humanista essencial quanto para uma compreensão generosa do Devir. Pois é verdade que este não será o produto de reduções loucas que impeliriam a conformismos obsessivos, mas se manifestará através do esplendor de todas as riquezas corajosamente acumuladas através dos séculos por homens de todas as cores e de todas as sensibilidades.

10Estamos destinados a uma profusão de aspirações e de estruturas, materiais ou culturais, conforme as características de uma época neobarroca. Os senhores nos trazem a longa experiência de uma familiaridade com as formas e com as realidades barrocas, com as pesquisas dissimétricas e românticas. Sem dúvida, nos assistimos, na França, à emergência do barroquismo: com Victor Hugo e, mais recentemente, com Paul Claudel (Não é por acaso que esta sendo representado atualmente, durante onze horas sem parar Le Soulier de Satin, pelo qual os jovens se apaixonam). Mas nosso temperamento permanence fundamentalmente clássico e, portanto, em desequilíbrio em relação às tendências da época.

11Estas nos oferecem um espaço de «supermercado» no qual se acumulam, em desordem, os produtos do mundo inteiro, como em imensas cornucópias de abundância, imagens simbólicas do barroco. A «cornucópia» nem sempre é estética, mas a «abundância» é significada. É preciso evocar a multiplicação das imagens e das sonoridades difundidas pela televisão e por todas as outras formas de comunicação. Quanto a mim, me alegraria se fosse apresentada em nossas telas de televisão, na França, a exuberância das novelas brasileiras, para melhor nos acostumar à fantasia e à tolerância face à multiplicidade das visões que invadem nossas vidas.

  • 5 Jorge Amado, Tenda dos Milagres, Sâo Paulo, Livraria Martins Editora S.A., 1971, p. 360.

12Eu relia com paixão o final de Tenda dos Milagres (mas não será o Brasil uma imensa tenda dos milagres?) na qual o velho Pedro Archanjo reconhece «a neta de Rosa», estudante de medicina, e a descreve «tão igual e tão diferente, quantos sangues se misturaram para fazê-la assim perfeita?»5 Destaca-se da realidade contemporânea instituindo uma interconexão generalizada, uma «interfertilização» e uma mestiçagem mundial de pensamentos, de produtos e de pessoas, uma riqueza patética que os brasileiros nos apresentam orgulhosamente e das quais temos necessidade para comungar com o mundo futuro.

  • 6 Jean Bernard et al., Les enjeux de la fin du siècle, Paris, Ed. D.D.B., 1986, p. 22.

13Relembro as palavras do professor Jean Bernard, em nome da pesquisa em Hematologia, garantindo que «cada homem é unico, insubstituível» que «entre os homens não há desigualdades, mas diferenças», e mais ainda, que «a mestiçagem é proveitosa».6

  • 7 Michel Serres, op. cit., p. 286.

14Ah! Necessitamos que os senhores nos ajudem a tolerar a revelação das contradições, o contato familiar das antinomias, que não é mais possível afastar ou mascarar, e que nos convidem a suportar a profusão das diferenças no seio de uma desordem imanente de onde nasce a ordem (conforme o que Edgar Morin, preocupado com o método, exigiu que compreendêssemos!). Seremos capazes de sair de nossas «linhas retas», de nossas categorizações mais ou menos absolutistas, para seguir os meandros de uma Odisséia contemporânea, Odisséia esta à qual Michel Serres nos convida e que, ao invés de nos conduzir a Itaca, pode perfeitamente nos levar à Bahia ou ao Rio de Janeiro, a São Luis do Maranhão ou a Porto Alegre! Em uma tal Odisséia se desenham «os caminhos que estão fora desta ordem, das vias de prodigalidade. A nau se aproxima de Penélope e da mesma maneira se afasta, encontra a boa rota mas dela freqüentemente se distancia. A curva bordejada de sua navegação ultrapassa a via normal. Assim descobre terras desconhecidas, assim inventa quando fracassa a astúcia».7

15Espero que possamos juntos «inventar», amigos brasileiros, com o que os senhores nos trazem, assim como com a generosidade de toda a Nação confrontada às dificuldades extremas e aos desafios imperiosos que também temos e teremos que enfrentar. Gostaria de expressar, mais uma vez, toda a minha gratidão.

Notes

1 Michel Serres, Les Cinq Sens, Paris, Grasset, 1986, p. 284.

2 Christine Buci-Glucksmann, La folie du voir, Paris, Ed. Galilée, 1986, p. 79.

3 Ilya Prigogine e Isabelle Stengers, La nouvelle alliance, Paris, Ed.

4 Edgar Morin, Un paradigme perdu: la nature humaine, Paris, Ed. du Seuil, 1974.

5 Jorge Amado, Tenda dos Milagres, Sâo Paulo, Livraria Martins Editora S.A., 1971, p. 360.

6 Jean Bernard et al., Les enjeux de la fin du siècle, Paris, Ed. D.D.B., 1986, p. 22.

7 Michel Serres, op. cit., p. 286.

Auteur

Professor, Administrador do Instituto Nacional de Pesquisa Pedagiguca.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540