Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. L’image scientifique et technologique/A imagem científica e tecnolôgica

Relatório de Síntese

André Klingebiel

Texte intégral

1Senhor presidente, senhoras e senhores,

2É arriscado o exercício a que devo me lançar agora: sintetizar, sem reflexão nem recuo, uma imagem concludente sobre cerca de vinte contribuições e declarações, que desde a manhã nos foram feitas com talento e paixão por atores abalizados e entusiastas da cooperação científica e técnica entre a França e o Brasil.

3Mais do que uma relação cronológica de tudo o que foi dito, e que eu não poderia resumir sem caricaturizar e trair o pensamento dos oradores, já ouvidos, transmitir-lhes-ei algumas impressões:

4COOPERAÇÃO é, sem dúvida, a palavra chave da mensagem dominante que recebemos através desta série de imagens, que não concernem o Brasil, mas as diversas instituições, os inumeráveis homens que, tanto no Brasil quanto na França, contribuem para a riqueza dos intercâmbios científicos entre nossos dois países.

5Esta bem claro que o tempo da assistência já terminou; que o da ajuda vai-se acabando; que todas as operações em curso apresentadas demonstram que os dois países se colocam voluntariamente como parceiros, baseando-se em assuntos e objetivos de pesquisa escolhidos de comum acordo, em programas realizados conjuntamente por equipes de ambos os países, com um componente «formação através da pesquisa» sempre presente, mesmo entre parceiros não-universitários (CNRSCNPQ; ORSTOM e CIRAD-EMBRAPA; industriais). Destas operações conjuntas e intercâmbios resulta uma progressão comum.

6Observação corolária, a da existência e do rápido desenvolvimento de Ciências e de tecnologias brasileiras encarnadas em sólidas competências e qualidades humanas. Daqui para frente não podemos mais trabalhar sobre o Brasil, mas com os brasileiros, que fabricam tudo de que necessitam e exportam 70% de seus produtos manufaturados.

7A dimensão histórica da cooperação científica foi bem colocada pela primeira série de comunicações (Srs. Martinière, Paty e Petit Jean e Sra. Dantes):

  • O papel científico de nossa cooperação na evolução desejável de nossa imagem científica junto ao grande público dos dois países e no contexto internacional;
  • A predominância da língua, das publicações e do pensamento científico franceses no Brasil, onde o positivismo francês foi a principal fonte de vocações filosóficas e científicas brasileiras até 1930.
  • A razão das causas reais do declínio desta influência da França. Além dos efeitos nefastos das duas guerras mundiais na Europa e do enfraquecimento econômico da França, ocorre a emergência das potências econômicas e científicas dos continentes americano e asiatíco.
  • Existe agora um acerto internacional aparentemente pouco favorável, uma redescoberta, quando não um ressurgimento das raízes profundamente francesas da inspiração científica e tecnológica (cultural) brasileira.

8O lugar do imaginário nacional na difusão das novas tecnologias em nossos dois países foi ilustrada numa abordagem comparativa com o modelo sueco pelos senhores Gras e Carvalho de Melo, e pela sra. Poirot-Delpech.

9O papel indispensável das transferências de tecnologia para alimentar o desenvolvimento científico e econômico e permitir a um pais em via de industrialização como o Brasil alcançar uma parceria produtiva foi demonstrado pelo professor Leite Lopes, que também pôs em relevo o quanto as cooperações resultantes destas transferências iniciais são afinal vantajosas para os dois países.

10As declarações dos atores atuais da cooperação científica e técnica concordam extraordinariamente sobre a necessidade de se escolherem os objetivos e as prioridades de ação em função dos interesses nacionais a longo e médio prazo, embora algumas colocações sobre objetivos a curto prazo nas ciências da saúde sejam totalmente exemplares. Todos estiveram de acordo sobre a necessidade de avaliar os resultados e garantir um acompanhamento dos programas e das pessoas que os implementam, e também sobre o interesse em se favorecer a constituição de redes solidárias entre as Universidades e organismos de pesquisa das diversas regiões do Brasil e da França para uma divulgação mais ampla dos conhecimentos transferidos, uma melhor utilização dos meios, e uma otimização das aplicações decorrentes das pesquisas conjuntas.

  • O lugar dos jovens na cooperação, por fim, foi abordado sob vários aspectos:
  • Depoimentos de estudantes estagiários franceses e brasileiros;
  • Bolsas colocadas à disposição do MAE (Ministère des Affaires Étrangères) para estudantes franceses que vão se aperfeiçoar no Brasil. Lamenta-se que o número de bolsas seja tão restrito10, dado o interesse que representam para o futuro das relações bilaterais.

11• Os resultados bastante positivos da atividade dos VSN postos à disposição de certos programas de cooperação nos quais encontram um terreno favorável ao desenvolvimento de suas capacidades inovadoras em coordenação com os parceiros brasileiros.

  • 1 A Associação dos bolsistas brasileiros na França, colaborou no início do trabalho de preparação do (...)

12• Além de um balanço da quantidade de teses e de estágios, infelizmente quase nada foi dito sobre os inúmeros estagiários e bolsistas brasileiros na França.1

13Cada vez mais numerosos são os que desenvolvem no Brasil uma pesquisa co-orientada por um responsável brasileiro e um responsável francês, realizando assim tanto um doutorado francês quanto um brasileiro.

14• É a participação desses jovens em nossas cooperações que merece prioritariamente nossa atenção. Serão futuramente atores ou promotores de nossas relações e pesquisas conjuntas. No mundo do conhecimento fundamental bem como no das aplicações tecnológicas e industriais, é a qualidade dos homens que tivermos formado que será a melhor garantia de progresso.

Notes de fin

1 A Associação dos bolsistas brasileiros na França, colaborou no início do trabalho de preparação do Colóquio, mas infelizmente não pôde apresentar uma comunicação no próprio Colôquio.

Auteur

Departamento de Geologia e Oceanografia. Universidade de Bordeaux

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540