Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. L’image scientifique et technologique/A imagem científica e tecnolôgica

Um exemplo de cooperação técnica

Daniel Georgen

Texte intégral

apresentação

1Daniel Georgen, engenheiro químico. Minha carreira dividida entre a França e o Brasil, onde trabalhei por nove anos e meio.

2Na qualidade de representante do setor das empresas, gostaria de testemunhar, aqui, a experiência vivida no campo da cooperação industrial pelo grupo multinacional Rhône-Poulenc e sua filial brasileira Rhodia S.A., fundada em 1919!

a cooperação industrial

3A cooperação industrial é, com efeito, também a expressão do interesse manifestado por ambas as partes, interligada à imagem que cada uma faz da outra. Entre Rhône-Poulenc e Rhodia, «as imagens recíprocas» sempre foram excelentes. Este interesse mútuo cresce cada vez mais, o que se traduz pela intensificação dos intercâmbios, resultando numa verdadeira simbiose.

4O que representa o Brasil para a empresa, na França?

5Rhône-Poulenc responde: um colaborador sólido num continente que oferece um mercado que esta longe da saturação! Creio sinceramente que a Rhodia pode afirmar que a França, através da Rhône-Poulenc oferece uma competência tecnológica que a coloca na categoria das melhores da química mundial e, atualmente, trazendo em suas áreas de ação a prática de técnicas avançadas high tech, garantia do futuro industrial.

áreas da cooperação industrial

6Além dos setores habituais de produção e de pesquisa industriais que, aliás, englobam também: engenharia, segurança, prevenção de acidentes, higiene do trabalho, administração, relações humanas, um setor especifico da Rhône-Poulenc merece ser particularmente assinalado, graças à presença do Instituto Mérieux no seio do Grupo: o setor relativo à proteção da saúde humana e animal, da luta contra as epidemias, as epizootias e as doenças endémicas tropicais. A vacinação massiva da população, em tempo recorde, por ocasião da última epidemia de meningite no estado de São Paulo, permitiu erradicá-la e evitar uma catástrofe nacional. Nesta ocasião, RHODIA, «a marca de confiança» já assim conhecida em todo o Brasil, conquistou a estima e o reconhecimento do governo – e, através dele, de todo o povo brasileiro – recebendo um Diploma de Honra ao Mérito.

evolução da cooperação industrial

7Naturalmente, a forma desta cooperação industrial evoluiu no passar das décadas.

8No início: simples transferência de tecnologia, criação de fábricas e, por conseguinte, geração de empregos, contribuição para o desenvolvimentos industrial do país. Formação de operários qualificados e de técnicos. Direção e organização francesa da RHODIA.

9Atualmente: verdadeira colaboração através do trabalho em comum de equipes pluridisciplinares mistas, franco-brasileiras, em programas de pesquisa aplicada, projetos de fabricação e de implementação de laboratórios. Formação de engenheiros e de administradores multinacionais, isto é, utilizáveis em todos os países do mundo onde esteja implantado o grupo Rhône-Poulenc. Intercâmbio de estagiários de todos os ramos de atividade – de todas as «profissões» – do grupo, intercâmbio especialmente de pesquisadores nos centras de pesquisas da RODHIA e da Rhône-Poulenc. Direção e organização brasileira da RHODIA, última fase do desenvolvimento planejado e bem sucedido desta cooperação.

se a história da rhodia fosse contada... !

10Não consigo resistir ao prazer de evocar, hoje, infelizmente com brevidade, esta história apaixonante. Se em 1987, como foi lembrado, comemora-se o vigésimo aniversário da cooperação científica França-Brasil, foi entretanto, em 1919 que começou a cooperação industrial da Rhône-Poulenc com o Brasil, quando os pioneiros da expansão Nicolas Grillet e Henri Sannejouand, sem que tivessem sido ensinados a «aprender a ousar», ousaram empreender, e fundaram a primeira filial geográfica do grupo: Rhodia. Atualmente, ela é sempre a primeira, não só por antiguidade, mas também por importância. Ela é também no Brasil, de certa forma, o cartão de visita de Rhône-Poulenc a até mesmo, da França, de uma França dinâmica e liberal.

11A história da fundação da Rhodia começa pela escolha do local para sua implantação, Santo André, no Estado de São Paulo (rede rodoviária, via férrea, rio), a escolha do terreno da futura indústria e seu desbravamento, a construção de uma olaria... para a fabricação do tubo de lança-perfume, desde então acessório indispensável nos bailes de carnaval, cujo propulsor era o cloreto de etilo; inicialmente importado e depois rapidamente fabricado no local, o que gerou a necessidade de se dispor de ácido clorídrico e de etanol. Pouco importa! Far-se-ia de álcool ecológico, isto é, de álcool proveniente da fermentação de cana de açúcar. Daí a compra de uma fazenda, imensa exploração agrícola e utilizada para cultural extensiva de cana; construção de uma destilaria. Paralelamente, fez-se a montagem de um laboratório para a fabricação de ácido clorídrico, um dos importantes ácidos minerais da indústria química. Pronto. Era o ínicio de uma extensão lógica e continua: importantes ácidos minerais, logo seguidos da fabricação do ácido sulfúrico (processado em câmara de chumbo!); etanol: a química do etanol se impunha-ácido acético, acetato de celulose. E assim por diante, até chegar-se à paleta atual, amplamente diversificada, dos produtos farmacêuticos, industriais, têxteis, que conhecemos... Uma epopéia!

conclusão

12Para concluir, gostaria simplesmente de ressaltar que após uma cooperação industrial França-Brasil – ou mais precisamente Rhône-Poulenc/Rhodia – atualmente com 68 anos de existência, o balanço é positivo para as duas partes contratantes. Esta cooperação encontra-se alicerçada no respeito e na amizade mútuos. Ela honra os pioneiros, os «bandeirantes», mas também seus sucessores que, contra ventos e marés, souberam mantê-la e continuam a seguir em frente.

Auteur

Engenheiro químico, Rhône-Poulenc.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540