Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. L’image scientifique et technologique/A imagem científica e tecnolôgica

A cooperação científica e tecnológica

Christian Vauge

Texte intégral

1Minha contribuição a este Colóquio sobre as imagens recíprocas entre a França e o Brasil consistirá em relembrar o início da cooperação institucional entre os dois países, nos campos da ciência e da tecnologia, de 1973 a 1976.

2Parece-me que a modesta dimensão deste depoimento pessoal estará bem de acordo com o tempo de que dispomos para ouvi-lo...

3Com efeito, tive o privilégio e a honra de ser o primeiro conselheiro científico nomeado junto à Embaixada da França no Brasil, em Brasília. Ocupei esse cargo por quase quatro anos, de 1973 a 1976.

4Minha missão tinha por objetivo, em poucas palavras: oferecer ao Brasil uma imagem mais exata da dimensão científica adquirida pela França, após quinze anos de esforços mantidos em todas as áreas da tecnologia avançada-energia nuclear, industria aeronáutica e espacial, informática e telecomunicações, entre outros resultados de uma pesquisa fundamental, extraordinariamente ativa e motivada pelos objetivos ambiciosos da epopéia gaullista.

5Se, em 1973, o exame das relações científicas franco-brasileiras tivesse sido realizado, não se conseguiria dissimular sua fragilidade, ao término de um lento, mas inexorável, desgaste. Para os pesquisadores brasileiros, já ia longe o tempo da referência obrigatória à tradição cientista francesa, expressiva ilustração das teses de Augusto Comte. Chegando à apoteose com a escola pasteuriana, tinha-se extinto com a epopéia aeronáutica, – de Santos Dumont até a «Aérospatiale», do correio aéreo – e os intercâmbios técnicos-militares da missão Gamelin. Os pesquisadores franceses, por sua vez, voltaram-se para seu próprio pais, que duas grandes guerras tinham exaurido. Justamente, logo apôs a Segunda Guerra Mundial, a única referência comum partilhada pelos cientistas brasileiros e franceses era a dos Estados Unidos, novo polo mundial de atracão cultural e tecnológica.

6Nesse período, a cooperação direta entre a França e o Brasil, ainda vigorosa no âmbito das ciências humanas, se cristalizara no que concerne às ciências exatas e médicas, em torno de algumas equipes – para não dizer de alguns homens – resistindo, em suas respectivas universidades, contra a lenta, poderosa e irracional corrente centrífuga. No piano institucional, alguns recursos vieram apoiar aquelas equipes, concedidos pelos serviços culturais e de cooperação dos dois países. Durante alguns anos, foram enfatizadas as relações científicas, técnicas e comerciais no campo nuclear, pelo estabelecimento no Rio de Janeiro, de um conselheiro francês ad hoc.

7A criação, em 1973, de um posto de conselheiro científico junto à Embaixada da França no Brasil – em Brasília – traduz, deste então, a vontade dos dois países de transcender sua imagem recíproca tradicional: para o Brasil, a de uma nova potência tecnológica, cuja vitalidade se exprime, simbolicamente, através da audácia arquitetônica de sua nova capital; para a França, a da renovação de um humanismo científico, comprovado na realidade pelos grandes programas tecnológicos em desenvolvimento.

8Os resultados concretos vieram de imediato confirmar que os dois países estavam interessados em explorar as facetas dessa nova imagem.

9Já em 1973, um acordo sobre Informática foi assinado em Brasília, prevendo o intercâmbio de professores e de especialistas a fim de acompanhar o programa de desenvolvimento industrial brasileiro.

10No mesmo ano, uma delegação brasileira visitou a base espacial de Kourou, na Guiana Francesa. Contatos regulares foram estabelecidos com o Centro Nacional de Estudos Espaciais e conduziram, em dezembro, à assinatura de um acordo prevendo, principalmente, a utilização do centro guianense para a realização de lançamentos brasileiros. Essa cooperação desenvolveu-se rapidamente, para chegar, dentre outros temas, à participação logística do Brasil nos lançamentos de ARIANE.

11As telecomunicações, bastante ligadas às atividades espaciais, foram objeto de um acordo de cooperação em maio de 1975, aproximando os dois países em torno de técnicas de redes de multiplexagem temporal, precursoras das grandes redes de circulação de dados relativos aos anos noventa.

12Na área médica, o Brasil e a França tinham mantido contato, através de alguns pesquisadores universitários. A dramática epidemia de meningite de 1974 deveria reatar as relações no piano fundamental e industrial. Graças à eficiência do Ministério brasileiro da Saúde e ao dinamismo da empresa Mérieux, a epidemia foi rapidamente controlada, apôs uma gigantesca campanha de vacinação. Este momento marcante das relações franco-brasileiras muito contribuiu para a renovação dos intercâmbios no campo da Medicina, especialmente em Imunologia Parasitária, Farmacologia e Administração Hospitalar.

13Quanto à pesquisa fundamental, os dois países chegaram rapidamente a um acordo, abrangendo várias áreas do conhecimento, assinado em outubro de 1975 entre o Conselho Nacional de Pesquisa (CNPq) e o Centro Nacional da Pesquisa Científica (CNRS). Doze anos depois, esse acordo atinge pleno êxito e dá provas do vivo interesse dos dois países por seus intercâmbios científicos.

14Por causa da primeira crise petrolífera, os anos 70 permaneceram sob o signo da energia. A renovação do acordo decenal de 1964 sobre Energia Nuclear, permitiu a expectativa, por um certo tempo, de uma grande cooperação científica e industrial nesta área. A opção brasileira pela Alemanha afastou essa esperança, apesar de terem sido concluídos acordos parciais com parceiros franceses no âmbito da pesquisa fundamental e temas periféricos. Naquele momento, tínhamos atingido um limite, tanto de época como de tema, no que se referia à capacidade dos dois países de assumirem sua nova imagem: a imagem da França como colaboradora industrial «de longo curso» estaria ainda muito tênue? Uma cooperação crescente em hidreletricidade demonstrou a fragilidade dessa hipótese e ajudou a seguir em frente.

15Mais de dez anos se passaram. As relações científicas e técnicas franco-brasileiras evoluíram rumo a uma colaboração equilibrada, traduzindo o progresso espetacular do «País que vai prá frente». Doravante, a França e o Brasil assumem plenamente seus status de potência tecnológica, após uma verdadeira revolução cultural na qual os dois países superaram sua fascinação caracteristicamente latina pelas ciências do verbo e do abstrato, conservando somente o humanismo para abordar os desafios do século XXI. Estou convencido de que a experiência comum e a qualidade das relações atuais permitem pensar que é no campo das ciências e da tecnologia que o Brasil e a França encontrarão o que há de melhor para seus intercâmbios futures.

Auteur

Adido científico junto à Embaixada da França no Brasil - 1973/1976.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540