Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. L’image scientifique et technologique/A imagem científica e tecnolôgica

Pesquisa e formação em ciência do solo: um exemplo de cooperação franco-brasileira

Alain Ruellan

Texte intégral

1No Brasil, como em muitos países do mundo, o solo é pouco conhecido por aqueles que o utilizam e nele vivem. Muitos dos malogros agrícolas, muitos do êxodos rurais, resultam, parcialmente, desse desconhecimento.

2De modo mais geral, constata-se que o conhecimento do solo, o reconhecimento de suas características, de sua «anatomia», de sua morfologia, não fazem parte da cultura popular: qualquer um sabe descrever uma planta, um animal, mas raros são os que sabem descrever, reconhecer um solo e muito poucos são os que sabem utilizá-lo em função do que ele é morfologicamente.

3Pesquisas científicas minuciosas, realizadas no decorrer dos últimos vinte anos, demonstram:

  • que a fertilidade de um solo é decorrente de suas características morfológicas: em particular de suas estruturas (forma e dimensão dos torrões, que os pedólogos chamam de agregados), de suas porosidades, das distribuições verticais e laterais de suas camadas (que os pedólogos chamam de horizontes);
  • que muitos dos aspectos da fertilidade, químico, físico, biológico, dos solos só podem ser seriamente descobertos, avaliados, através de uma observação detalhada de sua anatomia: as cores, as estruturas, as porosidades, assim como outras características, devem ser observadas com cuidado, em valas abertas para este fim; eles podem, e devem, ser interpretados em termos de fertilidade antes de toda retirada preliminar para a realização de análises de solo.

4A partir de 1972, desenvolvo um programa de ensino neste sentido, baseado nas pesquisas das quais participo desde 1960 (pesquisas desenvolvidas principalmente, no âmbito da ORSTOM, e posteriormente no âmbito do INRA e que permitiram elaborar uma nova forma de investigação para o estudo dos solos: a análise estrutural da cobertura pedológica):

  • progressivamente, elaborei este programa de ensino no âmbito da Escola Nacional Superior de Agronomia de Rennes, na França;
  • desde 1983, desenvolvo o mesmo programa junto a Universidade de São Paulo, no Brasil, no curso de pós-graduação organizado pelo Professor José Pereira de Queiroz (curso ministrado no âmbito do acordo CAPES-COFECUB);
  • desde 1985, e sobretudo a partir de 1987, desenvolvo um curso no Brasil, dirigido a engenheiros e técnicos agrícolas e a pequenos produtores agrícolas: no âmbito do projeto Tecnologias Alternativas da FASE, o qual foi organizado em 1987, em duas sessões com duração de 10 dias cada uma, a primeira ocorrendo en Ouricuri, Pernambuco e a outra, em Francisco Beltrão, no Paraná (realizadas no âmbito dos acordos FINEPGRET); alguns dos engenheiros e técnicos agrícolas que participaram destes cursos já começaram a repassá-los a outros grupos de agricultores.

5A experiência progressivamente adquirida, sempre apoiada no desenvolvimento de pesquisas científicas empreendidas em paralelo, permite tirar as seguintes conclusões:

  • a grande interesse de todos os usuários dos solos, não importando o tipo e o nível de sua formação, na abordagem morfológica do conhecimento e da utilização dos mesmos. Este interesse é bem mais forte no Brasil do que na França;
  • a grande riqueza de contatos e de intercâmbio, que se estabelecem, no decorrer da realização desses cursos, entre o pesquisador e o usuário. Estes contatos e intercâmbios são, se o pesquisador o desejar, particularmente fáceis no Brasil;
  • a resistência surpreendente de certos meios científicos, franceses e brasileiros, à inovação científica e à interpelação pelos seus usuários;
  • as enormes possibilidades que oferece o Brasil em matéria de inovações científicas e pedagógicas: existe no Brasil, ao mesmo tempo o espaço, a abertura de espírito e a inteligência dos meios de comunicação, que facilitam o desenvolvimento de experiências originais;
  • o interesse de associar, na cooperação franco-brasileira, instituições governamentais e não-governamentais: isso permite, em particular, estabelecer um melhor relacionamento entre os meios científicos e os usuários da pesquisa;
  • a necessidade de organizar uma verdadeira e completa série pedagógica no que concerne ao ensino dos aspectos morfológicos da Ciência do Solo a serviço da agricultura camponesa...

6Essa série pedagógica está em fase de elaboração no Brasil. Os principais documentos, elementos da mesma, são os seguintes:

7Terra para viver: um filme ESCOM de Eliseu Ewald, Sílvia Nicola e Alain Ruellan, segundo um roteiro de Alcione Araújo, realizado por Eliseu Ewald (filme de ficção, rodado em 35 mm, a cores, com duração de uma hora). O objetivo desse filme, elaborado com muito cuidado e com atores conhecidos, é sensibilizar os agricultores e os técnicos que os acompanham, quanto ao problema da necessidade de um bom conhecimento de seu solo para poder permanecer em sua terra. O filme (já rodado e em vias de montagem) estará pronto em meados de 1988 (financiamentos principais: Embrafilme, Fundação para o Progresso do Homem).

8Uma cartilha e uma montagem audiovisual, realizadas a partir das imagens e dos diálogos de Terra Viva; elas permitirão organizar, após a projeção do filme, debates e sessões de explicações para aqueles que o filme tenha já motivado. Estes documentos estarão prontos no início de 1988.

9Uma cartilha, com aproximadamente trinta páginas muito ilustradas, contendo o programa de ensino sobre a morfologia dos solos: esta cartilha terá por objetivo transmitir aos pequenos produtores agrícolas o que eles podem facilmente fazer para observar a morfologia de seus solos e interpretá-la em termos de fertilidade. Uma primeira redação desta cartilha foi elaborada por Paulo Borges de Oliveira (FASE); ela esta em fase de acabamento.

10Um documento mais elaborado, realizado a partir do curso ministrado, desde 1983, por Alain Ruellan na Universidade de São Paulo (Pós-Graduação do Departamento de Geografia) e na FASE em 1987 (Ouricuri e Francisco Beltrão). Um primeiro texto foi elaborado e difundido em agosto de 1987, devendo ser retomado para ilustração e impressão.

11A utilização desses diversos documentos está prevista para se desenvolver da seguinte maneira (debate em curso):

  1. Prosseguimento e multiplicação de cursos nas universidades: o objetivo é a formação de jovens engenheiros e técnicos agrícolas;
  2. Prosseguimento e multiplicação de cursos destinados aos técnicos e engenheiros que trabalham junto aos pequenos produtores agrícolas (utilização do documento D): trata-se de dar-lhes meios para orientar e formar agricultores. As instituições governamentais e não-governamentais deverão colaborar para o êxito destes cursos.
  3. Difusão, pelas instituições governamentais e não-governamentais, do filme Terra Viva: esta difusão deverá ser sempre realizada por pessoas que já tenham recebido a formação 1 e 2 e que sejam capazes de utilizar os documentos B.
  4. Formação in loco dos agricultores sensibilizados por Terra Viva: esta formação será ministrada por pessoas que tenham recebido a formação 1 e 2, apoiando-se no documento C.

12Se não faltarem recursos financeiros, o conjunto desta série, que já funciona parcialmente, deverá estar pronto para operar em fins de 1988.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540