Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. L’image scientifique et technologique/A imagem científica e tecnolôgica

Brasil ajudado? Brasil parceiro?

Guy Chassagne

Texte intégral

1Pretendo somente transmitir algumas impressões pessoais sobre a evolução dos intercâmbios entre nossas duas comunidades científicas, tecnológicas e industriais.

2Diferencio minhas impressões das imagens, que comportam sempre uma parte de sonho e, a priori, das maneiras de pensar, algumas vezes muito «conservadoras».

3Os cientistas, engenheiros, técnicos e industriais franceses vêem atualmente os brasileiros como parceiros. Esta visão varia conforme os setores de atividades e realmente não é tão fácil libertar-se de hábitos de assistência, tanto pelo lado brasileiro como pelo lado francês, assim como diferenciar este comportamento de uma ajuda temática, que foi um dos objetivos do tão proveitoso Acordo CAPES-COFECUB.

4No campo científico, no que concerne a pequisa fundamental, ou de base, os intercâmbios são fáceis; os acordos entre o CNPq e o CNRS são precisos, rigorosos, bem avaliados; os numerosos acordos interuniversitários, na sua grande maioria, apresentam bom desempenho, mas sua avaliação pode ainda ser mais desenvolvida para que nossos dois países obtenham melhor proveito.

5Alguns exemplos dessa evolução podem ilustrar minhas palavras:

6- em Filosofia, desenvolve-se uma verdadeira escola brasileira ao lado de escolas alemãs, anglo-saxônicas e francesas, resultado de uma ajuda sistemática à Universidade de São Paulo, onde a continuidade desejada tomou, aliás, uma forma mais adaptada, ou seja, a de intercâmbios científicos. Esta evolução – e isto é característico – fez-se um pouco dolorosamente e o que agora parece anedota, criou, na época, um ligeiro incidente: a substituição de um universitário francês – em regime de semi-ajuda, semi-assistência – por intercâmbios de pesquisadores, o que apesar de complicado, resultou proveitosa para ambas as partes.

7- em Ciências Matemáticas, principalmente no IMPA, do Rio de Janeiro, os intercâmbios e as ajudas pontuais se revestem de uma tal qualidade que, nestas ocasiões, se reúnem e cooperam entre si matemáticos brasileiros, franceses, chilenos, mexicanos, argentinos, etc. e até norte-americanos! É a melhor prova do sucesso dessa cooperação.

8- em Física, graças às iniciativas do CBPF do Rio de Janeiro, da USP e de seus campi (São Carlos, especialmente) e da Unicamp, ao lado de aspectos bastante teóricos, uma cooperação experimental em torno de grandes equipamentos (Lure em Orsay), pôde se desenvolver com abordagens e resultados teóricos notáveis; um produto bastante concreto dessa cooperação é a contribuição ao Projeto Nacional Brasileiro de Laboratório-Synchroton, que se desenvolve com rigor e determinação. A cooperação cumpriu bem seu papel de apoio aos físicos brasileiros de talento internacional, associando um trabalho experimental a aspectos teóricos, sobre os quais eles deveriam por um tempo se restringir, certamente com grande sucesso, dentro de uma tradição bem ilustrada por nosso amigo José Leite Lopes.

9Não voltarei a falar sobre o benefício mútuo do Acordo CAPESCOFECUB a não ser para lembrar uma das mais significativas evoluções no sentido de uma colaboração científica, a co-direção de teses preparadas pelos pesquisadores e a conscientização das preocupações científicas comuns.

10Nos campos da cooperação tecnológica, ou ligadas à engenharia, que recorrem sobremaneira à pesquisa aplicada, uma cooperação reforçada se desenvolve e interessa a setores variados, do espaço aos novos materiais, passando pela automação ou pela química de substâncias naturais. Essa cooperação tem implicações económicas evidentes; colocam-se por conseguinte problemas de interesses sócio-econômicos: propriedade industrial e intelectual, além de aspectos confidenciais, demonstrando que a parte brasileira se tornou ainda ai uma parceira, podendo apresentar, às vezes, interesses econômicos um pouco divergentes! É preciso evocar, também, a implementação de uma política aberta, mais rigorosa e equilibrada de transferência de tecnologia, implicando na transferência de procedimentos, de «know-how», de produtos, mas também de natureza não material, através da formação de recursos humanos.

11A criação do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) provocou pedidos precisos e planejados de cooperação tecnológica. O interesse vem aumentando por um novo tipo de cooperação técnica entre cientistas, tecnólogos e industriais em projetos que dependem da pesquisa para o seu desenvolvimento. Neste caso, seria ingênuo e pouco construtivo não se levar em conta o aspecto confidencial e de propriedade intelectual e industrial. Este, também, é um novo aspecto de nossa cooperação.

12Interessa-nos mutuamente distinguir, com exactidão, os intercâmbios científicos e as transferências de tecnologia, para que nossa cooperação não seja ambígua, e guarde este caráter de cordialidade tão precioso. Por outro lado, sob o estímulo de homens eminentes como Jacques Marcovitch (USP), Raymond Saint-Paul e Jean-Jacques Salomon (CNAM-PARIS), uma reflexão profunda e precisa se desenvolveu em torno do aspecto internacional da transferência de tecnologia e de suas diversas implicações. Uma nova prova de qualidade de nossa cooperação se manifesta: toda a comunidade latino-americana está associada a seus trabalhos!

13Desta forma, e fico feliz por nossos amigos brasileiros: o período relativo à assistência chegou ao fim, dando lugar, seja a uma ação de benefício mútuo, seja a intercâmbios, seja a uma colaboração co-participativa, dentre de um clima de respeito recíproco que nos é caro.

14Aliás, quando reflito nessa cooperação, não penso tanto nos projetos ou nas estruturas, mas nos homens que os animam e que por eles se responsabilizam. E esta é uma das características de nossa cooperação: simpatia e a amizade apagam as pequenas dificuldades de todo o trabalho em comum.

15A transparência, sem preconceitos, prevaleceu nas nossas relações: comunicar, informar-se mutuamente, trocar idéias é muito natural e eu jamais assisti ao encerramento de uma sessão de trabalho que não fosse impregnado de uma verdadeira cordialidade. Isto decorre, também, de uma grande proximidade na forma de pensar e abordar os problemas, aliás, com inconvenientes que isto pode gerar, seja a tendência ao burocratismo ou ao centralismo!

16Possuo, pessoalmente, uma grande esperança em uma nova tendência de cooperação, mais decentralizada, enriquecendo-se através de uma participação comum nos projetos exteriores, seja na África, na Europa... ou na América! O que, atualmente, parece possivel não só graças à expansão de nossa cooperação, mas também pelo voluntarismo dos autores responsáveis, de homens que se respeitam. Por que não observar as formulas que contribuem para o êxito da Comunidade Européia e pensar em novas formas de cooperação inspirando-se nos programas europeus, sejam eles universitários (Erasmus, Comett) ou científicos e técnicos (Esprit, Race, Brite, Eurêka, etc.)?

17Para concluir com um tom humanista e plenamente eficaz, devemos reforçar nossos intercâmbios de indivíduos, em todos os setores, através de projetos variados (bolsas de pesquisa para formação, estágios científicos e industriais, trabalhos a nível de pós-graduação, etc.). Um instrumento menos institucional e mais flexível parece-me necessário, o que inclusive já foi lembrado por outros eminentes participantes: uma Fundação Franco-Brasileira merece ser criada, que poderia receber fundos públicos e privados e dotar-se de um comitê paritário de prospecção e avaliação. Minha memória certamente já registrou apelos nesse sentido, como também promessas de participação e de contribuição muito positivas.

18Que nasça e que viva, pois, esta Fundação!

Auteur

Professor na Universidade das ciências e das Técnicas do Languedoc em Montpellier, encarregado da valorizaçao da Pesquisa e das Relaçôes com a Industria.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540