Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. L’image scientifique et technologique/A imagem científica e tecnolôgica

As imagens recíprocas através da cooperação científica Franco-Brasileira

Claire Giraud

Texte intégral

1A cooperação científica com o Brasil reveste-se de uma particular importância para o CNRS. A base de dados internacionais BADIN do CNRS (base experimental) recenseou, para o ano de 1987, até Outubro:

2152 cooperações;

396 estagiários brasileiros.

4Esses resultados colocam o Brasil em primeiro lugar entre os países da América Latina. Por outro lado, convém lembrar que o CNRS assinou, em 1975, um acordo com seu homólogo brasileiro, o CNPq. Tratava-se do primeiro acordo bilateral entre organismos de pesquisa.

5Esse acordo visava atingir um ou outro dos três objetivos seguintes:

  1. A formação, através da pesquisa, atendendo, geralmente, o pedido de uma instituição brasileira.
  2. A realização de trabalhos in loco, a serem efetuados pelos pesquisadores franceses que no Brasil encontram condições favoráveis para desenvolvê-los. Por exemplo, o fato da maior parte do Brasil se situar no hemisfério austral, toma-o interessante para os astrônomos. A evolução das lateritas de um lado a outro do Atlântico é um assunto que mobiliza a atenção de uma grande comunidade de geólogos. A parte tropical do pais interessa aos biólogos (doenças específicas). Enfim, os problemas sociológicos de toda ordem que as mudanças políticas provocam, o crescimento e o desenvolvimento das próprias populações, interessam aos especialistas das ciências humanas.
  3. O desenvolvimento de trabalhos realizados em conjunto por equipes francesas e brasileiras.

6Pode-se atualmente distinguir, através das cooperações internacionais do CNRS com o Brasil, três imagens que correspondem a três níveis: O primeiro diz respeito à formação a nível de doutorado.

7Com efeito, estas atividades são de iniciativa dos pesquisadores e geridas pelos laboratórios. Trata-se de ajudar um país a iniciar atividades numa nova disciplina ou sobre um novo tema. Numerosos estudantes brasileiros prosseguiram seus estudos e prepararam uma tese na França.

8Os temas preferidos foram e ainda são essencialmente:

9Ciências físicas para engenheiros, em particular, a informática;

10eletrônica;

11automação;

12química, em particular, a catálise;

13física da matéria condensada e física dos sólidos;

14geologia.

15A título de exemplo, lembrarei que o Laboratório de Automação e Análise de Sistemas de Toulouse acolheu entre 250 e 300 estagiários brasileiros, o que traduz a vitalidade dos intercâmbios no campo da informática, da eletrônica e da automação.

16Paralelamente à formação através da pesquisa, numerosos professores e professores-pesquisadores efetuaram missões que tinham, na época, um objetivo de ensino em novos campos, os quais não podiam ser dispensados pelo Brasil. Convém assinalar, também, a importância das estadias de longa duração: a presença de jovens franceses que prestavam seu servico militar no Brasil contribuiu para a criação de laboratórios no país.

17A formação a nível de doutorado continua até o momento atual.

18O segundo nível diz respeito a programas conjuntos de pesquisa. Logo apôs o retorno ao Brasil, os pesquisadores brasileiros quiseram dar prosseguimento à colaboração elaborando programas de pesquisa conjuntas. Falarei, aqui, das cooperações inscritas no âmbito do acordo CNRS-CNPq e que são administradas pela Direcção das Relações e da Cooperação Internacionais do CNRS.

19O acordo, assinado em 1975 entre o CNRS e o CNPq prevê, atualmente, o financiamento anual de aproximadamente trinta programas de pesquisa fundamental, selecionados em conjunto, apôs uma avaliação científica realizada por cada um dos organismos. Os programas comportam missões de curta duração em ambas as partes.

20Dentre outros, os temas preferidos são:

21Ciências matemáticas;

22Física atómica e molecular;

23Materiais;

24Informática;

25Catálise;

26Substâncias naturais;

27Astronomia;

28Geologia;

29Biologia genética;

30Sociologia;

31História das ciências.

32Por outro lado, uma primeira experiência de cooperação inter-regional foi realizada durante um colóquio franco-latino-americano de física, realizado em Buenos Aires, em 1986. Este colóquio reuniu físicos latino-americanos (brasileiros, argentinos, chilenos, mexicanos) e europeus (franceses e italianos).

33Enfim, parece ser pertinente afirmar que desde há vários anos verdadeiros programas de cooperação foram efetivados, o que se depreende da realização de seminários, de intercâmbios de pesquisadores e de publicações conjuntas. A este respeito, esta sendo procedida atualmente, em articulação com o CNPq, uma avaliação a posteriori dos programas conjuntos de pesquisa que receberam financiamento, depois de três anos, no âmbito do acordo CNRS/CNPq.

34Um primeiro levantamento revela que dentre 78 programas (renovação não incluída), 22 deles foram objeto de publicações conjuntas em revistas internacionais, o que demonstra a qualidade da pesquisa. Consequentemente, a noção de avaliação tornou-se um elemento essencial na negociação com a parte brasileira.

35Os Programas Internacionais de Cooperação Científica (PICS) representam o terceiro nível desta cooperação.

36Desde 1985, o CNRS implementou a política dos PICS. Estes programas são, de comum acordo, declarados prioritários na cooperação e por conseguinte recebem uma garantia de financiamento de pelo menos 3 anos, além de um tratamento privilegiado por parte de outras fontes de financiamento possíveis (pelo lado francês: departamentos científicos do CNRS e Ministério dos Negócios Estrangeiros). Uma participação financeira é igualmente solicitada à parte estrangeira. Assim, o CNRS encaminhou uma proposição de PICS ao CNPq, a partir de um programa de pesquisa comum em fase de desenvolvimento no âmbito do acordo CNRS/CNPq e que foi objeto, também, de publicações conjuntas. Trata-se de um programa que diz respeito à física atômica e molecular e à física dos lasers. A proposição encontra-se em estudo no CNPq.

37Por outro lado, um programa integrado em química foi elaborado a partir da implantação, no Brasil, do Programa Nacional de Apoio à Química (PRONAQ), em 1982. Uma operação catálise permitiu a formação a nível de doutorado na França; a realização de missões de curta duração, ao Brasil; a criação de laboratórios por jovens pesquisadores franceses por ocasião da prestação de seu serviço militar, durante a estadia de longa duração do coordenador francês no Brasil; enfim, a implementação de programas conjuntos de pesquisa em colaboração com polos tecnológicos.

38Concluindo: estes três níveis mostram, de forma evidente, que a cooperação somente será eficaz se considerar as especifidades do país e garantir uma continuidade no tempo. Os elementos que constituem estes três níveis formam um grande conjunto indissociável.

39É importante igualmente salientar que, em alguns setores ligados às pesquisas susceptíveis de aplicações tecnológicas, torna-se necessário considerar os aspectos económicos por desempenharem um papel determinante no desenvolvimento ulterior das relações, no qual a noção de co-participação se torna uma realidade.

Auteur

Chefe do Bureau Amériques – Direction des Relations et de la Coopération Internationales – CNRS.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540