Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. L’image scientifique et technologique/A imagem científica e tecnolôgica

Da imagem da tradição à imagem da modernidade. A função do acordo Capes-Cofecub na cooperação inter-universitária

Michel Royer

Texte intégral

1A imagem que temos hoje da realidade científica e universitária brasileira esta fortemente marcada pelo trabalho comum realizado desde há muito tempo.

2A colaboração inter-universitária franco-brasileira se insere na longa tradição de uma estreita relação cultural entre os dois países. A interpenetração dos trabalhos intelectuais dos universitários brasileiros e franceses foi parte integrante da evolução dos conceitos culturais modernos.

3No passado, a influência intelectual francesa foi muito grande no Brasil. Eminentes professores lá ensinaram. Numerosos universitários brasileiros vieram à França para dar continuidade à sua formação e sua pesquisa. Porém, depois da última guerra mundial, modificações profundas intervieram. É preciso salientar, especialmente, o impulso considerável das ciências econômicas, experimentais e tecnológicas.

4Surge assim uma nova imagem, aquela da modernidade.

5Há vinte anos, os governos dos dois países, apoiando-se na tradição das relações culturais, desejaram que os intercâmbios nos diversos campos das humanidades continuassem e se expandissem através de uma vasta cooperação científica e técnica.

6Nesta perspectiva as colaborações entre universidades foram fortalecidas. A progressão notável dos trabalhos conjugados levaram à assinatura de um acordo básico de cooperação inter-universitária, em 5 de outubro de 1978, atualizado em 1985, através de um ajuste complementar.

Um instrumento de transformação universitária: o acordo capes/cofecub

7Este acordo concretizou o desejo mútuo de colaboração. Ele se desenvolve sob a responsabilidade da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) do Ministério da Educação Brasileiro e do Comité Français d’Évaluation de la Coopération Universitaire avec le Brésil (COFECUB) subordinado aos Ministérios franceses dos Negócios Estrangeiros e da Educação Nacional.

As universidades brasileiras no concerto internacional

8A base do funcionamento do acordo repousa na elaboração de projetos de colaboração com duração de 5 anos, numa temática bem definida, entre as universidades brasileiras e as grandes écoles ou universidades francesas. São os estabelecimentos que se comprometem, reciprocamente, a realizar um trabalho conjunto. Além dos homens que praticamente executam o acordo, são as instituições que se responsabilizam pelo convênio.

9As propostas são numerosas. Assim, em 1987, a CAPES recebeu 63 ante-projetos e o COFECUB 11. Entretanto, somente 10 novos projetos foram definitivamente aceitos. Verificamos, desta forma, que apôs 1978, 95 projetos foram iniciados. Em 1988,49 estão em desenvolvimento.

10A variedade dos estabelecimentos envolvidos é grande. De tal forma que 24 universidades brasileiras e 45 estabelecimentos franceses são responsáveis por projetos. A rede de relações é ainda mais ampla, pois um mesmo acordo pode, freqüentemente, envolver diversas universidades ou escolas.

11A diversificação das áreas de conhecimento é evidente. Com efeito, os projetos se distribuem da seguinte forma: Letras e Ciências Humanas: 14, Ciências Econômicas: 12, Medicina-Farmácia-Química: 20, Biologia-Agronomia-Medicina Veterinária: 16, Ciências Matemáticas-Informática-Física-Eletrônica: 19.

12Quando foram estabelecidos os objetivos do acordo a premissa era o apoio ao desenvolvimento do Nordeste do Brasil. Entretanto, verificamos que cerca de 2/3 dos convênios que foram aprovados envolvem universidades de outras regiões do Brasil.

13Muito cedo, manifestou-se uma grande demanda por parte de universidades situadas fora do contexto nordestino. Aos poucos, os projetos dessas instituições foram aceitos. Em 1985, a CAPES precisou, explicitamente, que seu critério básico era o da qualidade, não importando a origem do projeto. Significaria isto o abandono do Nordeste? Não era o caso, pois, desde então, numerosas propostas oriundas desta região foram aceitas. Isto indica que, comparadas a outras universidades do país, as universidades nordestinas podem, desde já, serem cosideradas de muito bom nível em diversas áreas de conhecimento. Elas têm acesso às relações internacionais no mesmo piano de igualdade. O trabalho comum realizado durante 10 anos contribuiu para esta evolução tão positiva. Uma imagem do passado se apaga, uma nova aparece.

14A posição declarada da CAPES, desde 1985, resulta de um propósito de elevar o Brasil, doravante, à altura de seu peso econômico, aquele de oitava potência mundial. Nossas relações evoluíram. Passamos da assistência ao desenvolvimento à colaboração científica. Trata-se, pois, de colaborações entre equipes universitárias francesas e brasileiras qualificadas que o acordo CAPES-COFECUB reconhece.

Os universitários de alto nível

15O Brasil desejou que seus universitários fossem reconhecidos, por seu nível científico, tanto no interior como no exterior do país. Desta forma, apóia-se no mestrado que, além de ser uma formação que envolve numerosas áreas de conhecimento, permite aos estudantes adquirir uma iniciação à pesquisa, base de qualidade para o desenvolvimento posterior de trabalhos científicos. Uma deliberação levou-o a estimular a maior parte de seus universitários a cumprir um programa de doutorado, a fim de que, no futuro, todos os professores de formação superior atinjam este nível.

16O acordo foi um instrumente privilegiado desta decisão. Foi através deste acordo que 138 professores brasileiros vieram à França preparar seu doutorado. Quase o dobro destes realizaram estágios de estudos ou de trabalho em laboratórios franceses. Mais de 200 universitários franceses foram ao Brasil participar em pesquisas conjuntas, em seminários, ministrar cursos e proferir conferências.

17Todo projeto aprovado no âmbito do acordo deve, imperativamente, prever a formação a nível de doutorado no seu piano plurianual.

18A definição de um projeto inter-universitário consiste, essencialmente, na elaboração de um tema comum de pesquisa, tema explicitamente definido e que será abordado pelas duas equipes durante cinco anos. É assim que é concebida a organização de um grupo temático international, que trabalhará em osmose durante este período.

19Os temas abordados caracterizam-se pela sua diversidade: da filosofia à sociologia, da economia à administração, das ciências matemáticas às aplicações biológicas.

20Citemos como exemplo:

21Sociologia e Filosofia Política (UFRJ e o EHESS);

  • Meteorologia (Universidades Federais de Maceió, do Rio de Janeiro e de Clermond-Ferrand);
  • Geologia Costeira (Florianópolis e Bordeaux I);
  • Química Terapêutica (Recife, Grenoble I e Montpellier I);
  • Patologia Tropical (Fortaleza e Paris XII);
  • Controle de Produção de Medicamentos (Belo Horizonte e Paris XI);
  • Medicina Veterinária (Curitiba e E.N.V. de Alfort);
  • Agronomia (Paraíba e a E.N.S.A. de Rennes);
  • Ciências Matemáticas (São Paulo e Paris VII);
  • Eletrônica (Rio de Janeiro, Curitiba, Campina Grande, Campinas, Florianópolis e Toulouse);
  • Informática (Porto Alegre e Grenoble).

22A estruturação dos projetos, as avaliações regulares dos trabalhos desenvolvidos, tanto pela parte brasileira quanto pela parte francesa e a estreita colaboração entre os responsáveis pelos dois países são garantias do êxito e da qualidade.

As universidades, fatores de evolução econômica

23Após 10 anos, a experiência desta colaboração institucional coloca em evidência a qualidade dos universitários brasileiros. O trabalho que eles realizam com e junto aos laboratórios franceses é reconhecido. É a garantia da continuidade de uma cooperação de alto nível. Os intercâmbios individuais estão ultrapassados. As relações institucionais estão estabelecidas. A continuação da obra iniciada deve, doravante, realizar-se através de uma rede de temáticas nacionais. São as diferentes equipes especializadas dos dois países que devem trabalhar harmoniosamente sobre os temas de pesquisa já definidos a fim de voltar a progredir.

24Isto só poderá acontecer caso haja uma preocupação de encontrar um equilíbrio entre temas de pesquisa fondamental, que permitam às duas partes adquirirem em comun um potencial científico elevado, e desenvolverem projetos de aplicações tecnológicas com resultados mais imediatos.

25Neste últimos anos, incontestavelmente, conseguimos trabalhar em conjunto sobre os seguintes temas aplicados: da meteorologia ao tratamento de minerais, da utilização de microprocessadores à energia solar, da química farmacêutica à agro-indústria. Devemos continuar este esforço evitando, entretanto, limitarmo-nos à busca efêmera de novas técnicas, mas inserindo-as numa pesquisa fondamental de grande fôlego.

26A riqueza dos resultados obtidos enseja-nos a trabalhar, doravante, com dois outros tipos de parceiros: os industriais e as coletividades locais.

27São numerosos os resultados tecnológicos utilizáveis para a economia dos dois países. Industriais brasileiros ou franceses começam já a interessar-se pelos resultados obtidos através da pesquisa conjunta. Seminários sobre diversos temas, associando industriais e universitários, já se realizaram. Agora, é hora de organizar estas relações a fim de prosseguir os trabalhos científicos e de respeitar ao máximo os interesses das diferentes partes envolvidas.

28Tanto no Brasil quanto na França, como também, em diversos outros países, as «tecnópoles» se organizam assegurando um relacionamento estreito entre universidades e empresas. Os próximos anos verão o impulso de tais iniciativas. Será a ocasião de associar, ainda mais do que atualmente, as coletividades locais concernidas. A partir de agora, os estados brasileiros, as regiões francesas, bem como as cidades, estão interessados nos resultados obtidos dentro de certos projetos. O desenvolvimento de novos centras tecnológicos deveria permitir uma melhor associação entre os diferentes colaboradores.

Conclusão

29A cooperação inter-universitária entre o Brasil e a França foi, portanto, muito proveitosa. Através do acordo CAPES/COFECUB, os intercâmbios individuais encontram-se atualmente integrados às relações institucionais entre estabelecimentos. A partir da criação dos vínculos privilegiados entre os estabelecimentos do Nordeste do Brasil e os da França, observamos a instituição de relações internacionais onde a qualidade se tornou fator determinante. A definição de temas comuns permite o prosseguimento da formação dos homens através da pesquisa. O desenvolvimento do potencial intelectual científico encerra possibilidades de utilização económicas e industriais.

30Doravante, é através de uma política de colaboração que se continuará a obra começada, certamente com os universitários, e estabelecimentos dos dois países, mas também, no futuro, com os industriais e as coletividades locais. Esta perspectiva é ainda mais cativante pelo fato de concernir o desenvolvimento econômico do Brasil e da França, e contribuir para o progresso conjunto dos dois países.

31A imagem das universidades brasileiras vinculadas à economia do país se manifesta: imagem da modernidade.

Auteur

Presidente do COFECUB.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540