Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. L’image scientifique et technologique/A imagem científica e tecnolôgica

A visão recíproca através das cooperações científicas institucionais

Alain Perraud

Texte intégral

1Cabe-me a difícil tarefa de falar depois do professor Leite Lopes.

2Antes de entrar no assunto relativo aos participantes da manhã, gostaria de dizer que não sabemos mais exatamente o que é a cooperação (entre a França e o Brasil). Creio que é necessário colocar novamente o problema.

  • 1 ORSTOM é a antiga sigla que ainda hoje identifica o Institut français de recherche scientifique po (...)

3Para nos, que pertencemos ao ORSTOM e ao CIRAD1, ou seja organismos institucionais franceses que cooperam e trabalham fora da França, a cooperação deve ser institucional, o que também pode acontecer com o Brasil, que tem estruturas, um ministério-com todos os seus defeitos mas um ministério, o CNPQ, e também o equivalente de nosso INRA, que se chama EMBRAPA, etc. Nos dispomos de estruturas com as quais podemos trabalhar, de laboratórios, de universidades e alojamentos. Há também pesquisadores e há outras pessoas. Assim, antes de falar desta cooperação e de sempre querer ir trabalhar «sobre» e não «com», creio que nossa grande vantagem é poder: somos muito privilegiados, somos efetivos. Somos enviados para fora com o intuito de trabalhar por muito tempo, vivendo com as pessoas e é assim, creio eu, que podemos tornar conhecida (a cooperação) e talvez construí-la, mas de toda forma fazê-la sobreviver. Portanto, retomando as palavras de Guy Martinière, fazemos pesquisa «com» e não pesquisa «sobre».

4Estou aqui representando tanto o ORSTOM como o CIRAD que também é um agrupamento de instituições irmãs de pesquisa que trabalham fora da França. Represento, pois, a diretoria geral dessas duas instituições e falarei em nome de ambas, cujos representantes estão presentes nesta sala.

5Para nós esta pesquisa deve ser feita sobre projetos comuns e interesse recíproco. É executada por equipes mistas: trabalhamos com uma equipe brasileira-não vamos trabalhar sozinhos-e com um pesquisador ou grupo de pesquisadores franceses, que são efetivos, repito. Temos meios em comum: estes são constituídos, do lado francês, pelos pesquisadores a cargo de instituições francesas; e do lado brasileiro pelos meios de trabalho, fornecidos pela instituição que recebe. As coisas nem sempre são ideais, existem também meios suplementares, complementares. A universidade brasileira nem sempre conta com os meios necessários: isto depende de onde se esta no Brasil, se no Norte ou no Sul, algumas universidades são ricas, outras pobres. Portanto, o CNPQ-ou seja a instituição que reúne, auxilia e providencia os complementos-, e do lado francês, o CIRAD ou ORSTOM, entram de vez em quando com os complementos de orçamento, funcionamento ou equipamento. Os meios e resultados comuns, que publicamos juntos, tendo também una certa liberdade (sic): qualquer cientista, brasileiro ou francês, tem liberdade intelectual para publicar em seguida os resultados nas revistas científicas dos congressos. Para executá-los, para colocá-los em andamento, temos dois instrumentes, ou seja, dois grandes convénios gerais, um com o CNPQ, que centraliza nossa atuação em relação às universidades e institutos brasileiros; é principalmente o ORSTOM que colabora com o CNPQ.

6Temos 23 projetos com esta instituição, o que significa 35 pesquisadores efetivos, sem contar os jovens pesquisadores e os contratuais. O CIRAD tem uma participação menor. Existe outro convénio com a EMBRAPA (que é portanto uma espécie de INRA local e que retoma principalmente a cooperação do CIRAD, ou seja a cooperação de pesquisa aplicada em agronomia) com 15 pesquisadores do CIRAD e 7 do ORSTOM; existem também cooperações com a SUDENE e outras, o que dá um total de aproximadamente 60-65 pessoas. Evidentemente, é o resultado de hoje; nossa cooperação começou há cerca de quinze anos com operações pontuais, pessoais. É através dos contatos que criamos os laços; eu mesmo fui ao Brasil há treze anos como professor da Universidade de Salvador no Estado dá Bahia, onde era responsável por um curso de pós-graduação em Geociências. A proliferação dos pequenos acordos que fizemos, levou-nos em 1980-1981 à conclusão de que era preferível assinar grandes convénios que reunissem todas as operações. O que é interessante, em 1986-1987, é que os projetos amadureceram, que as coisas avançaram, que há muitos resultados e que surgiu a necessidade de avaliação, tanto por parte dos franceses como dos brasileiros, o ORSTOM e o CIRAD têm seu comité de avaliação próprio. Do lado brasileiro, também se estabeleceu uma avaliação feita, de início, por um dispositivo interno do CNPQ. Agora, depois da reunião realizada há cerca de um mês, chegamos a uma segunda etapa muito mais importante, ou seja, que no CNPQ, não existe mais simplesmente e cooperação internacional com os tecnocratas, mas existem também cientistas, existe particularmente uma Diretoria de Planejamento. Durante alguns meses, teremos um grupo de trabalho que tentará estabelecer um programa de nossas prioridades: por um lado as prioridades de pesquisa do ORSTOM, e por outro, as grandes prioridades do CNPQ. Para isso, obviamente, era preciso que o CNPQ vivesse e evoluísse; ficamos felizes porque, graças à influência do Professor Pavan, antigo presidente da Sociedade Brasileira para o Pregresso da Ciência, o CNPQ esta se transformando e fica mais interessado numa programação do que numa simples gestão dos produtos individuais, como o era antes. Conseguimos assim programar nossos negócios. O grupo de trabalho tem por objetivo evitar a dispersão, tentar reunir os projetos e aperfeiçoar a avaliação, bem como a divulgação dos resultados, o que é um grande problema, talvez o maior. Outro objetivo deste grupo de trabalho será identificar e definir novas linhas de pesquisa sobre propriedades e prioridades comuns. Falei muito sobre o CNPQ, Alain Brapa tem também as mesmas preocupações; estamos fazendo cada um sua auto-avaliação, para chegarmos às avaliações conjuntas de nossos projetos. Dessa forma, ficando no piano das idéais gerais, conseguimos sair do quadro bilateral; entramos em acordo este ano, de maneira inteiramente oficial, para pensarmos um piano trilateral, ou seja que a partir de nossos acordos ORSTOM-CNPQ ou ORSTOM-EMRAPA ou CIRAD (pois é a mesma coisa) vamos de mãos dadas nos voltar para os países africanos ou outros países de América Latina. No que toca à formação, falou-se do fraco contingente de jovens franceses que podiam ir para o Brasil. Estamos de acordo para quebrar esta espécie de tabu: ou seja, o envio até agora, segundo o desejo do Brasil, de pesquisadores experimentados «sénior»; os cabelos brancos levariam, ao que parece, muita «sabedoria» (sic). Não estou tão certo. Sempre nos esforçamos para que houvesse sempre a possibilidade de enviar jovens pesquisadores. O Brasil oferece um excelente quadro para formar esses jovens pesquisadores conosco e com as equipes brasileiras. O CNPQ bem como EMBRAPA estão plenamente de acordo para receber «jovens subvencionados VSN»-jovens pesquisadores-desde que, obviamente, não fiquem isolados e trabalhem com uma equipe onde haja naturalmente franceses e brasileiros. Por outro lado, é evidente que a formação é uma de nossas prioridades nestas viagens de curta duração. Insisti no fato de sermos permanentes, mas temos também as viagens de curta duração, de apoio, perfeitamente recíprocas: a cada ano, um fluxo de aproximadamente trinta pesquisadores, franceses e brasileiros, atravessa o Atlântico nos dois sentidos para informação, avaliação de projetos, visita de laboratórios, etc., mas também para trabalhar nas equipes, completar alguns pontos. Atualmente nos conhecemos bem, conseguimos elaborar viagens de apoio mais longas e partimos para uma política de viagens de longa duração: a dos que preparam tese, a de pessoas que passam muito tempo nos laboratórios franceses. Poderia citar-lhes muitos exemplos, mas indicarei em linhas gerais os principais setores em que trabalhamos: a Amazónia, por certo, onde temos programas de Ecologia geral, Botânica, Pedologia, Hidrologia, Hidrobiologia (medir o Amazonas é o sonho de todo hierólogo, bem como fazer o interminável inventário dos peixes da Amazónia); a Antropologia, com estudos da dinâmica das populações, seja para observar os caboclos ou o que acontece em resíduos de populações indígenas; tudo o que se refere à Geografia-esta Amazónia que está sendo devorada por todos os lados, e, portanto, as fronteiras agrícolas, as doenças, a febre amarela, etc. Como vocês vêem, há muito coisa para se fazer na Amazónia. O Nordeste também é muito importante para nos, em tudo o que comporta uma associação da Pedologia e da Hidrologia: saber administrar a água e estudar água, solo e plantas. Para o conjunto do território brasileiro (a partir da Universidade de São Paulo), estudam-se também as coberturas superficiais, seja em Agronomia via Pedologia, seja em Metalogenia, com o estudo dos múltiplos recursos de minérios existente no país, dos paleoclimas para compreender o que se passou e o que vai acontecer em seguida, ou para conhecer melhor o clima nordestino, a conservação e a degradação dos solos, os bancos de dados, etc... Tudo isso, em harmonia. Tudo isso, como repetiu o professor Leite Lopes, é a base. É necessário, mas apenas esboçamos todas as atividades que fazemos com o CIRAD e aludimos rápida e sucintamente a projetos longos, custosos (custosos para as duas partes), muito interessantes (como por exemplo, na Amazónia, o projeto «Dendê» que pode ser citado como exemplo de projeto de cooperação). Beneficiamos o Brasil com 40 anos de pesquisa sobre o projeto «Dendê».

7Oferecemos a Genética Moderna, mas em contrapartida recarregamos nossas baterias para recomeçar, durante não sei quantos anos, pesquisas novas a partir de todo o recurso genético das palmeiras da Amazónia; é incomensurável! Não se pode ter dois pesos e duas medidas para saber quem ganhou com este projeto. Creio que ambos! O programa do arroz é também muito interessante; o arroz fluvial, que é uma das preciosidades da pesquisa do CIRAD na África, é também uma pesquisa realizada há muito tempo também no Brasil, no Instituto Agronómico de Campinas. Colocamos meios e descobertas em comum com o Instituto da EMBRAPA em Goiânia; deram (faz quatro anos que trabalhamos juntos) e dão cada ano variedades novas, muito mais produtivas, muito mais adaptadas, que podem não só fazer a felicidade dos produtores brasileiros, mas também a dos produtores dos países africanos, do que creio já ter falado anteriormente. Encerro aqui, sobre esse futuro triangular, que é, a meu ver, muito importante em nossa colaboração bilateral.

8NB: Os responsáveis pela publicação dos anais desejaram que esta transcrição duma comunicação oral figurasse sem correções, e lamentam a desaparição trágica e prematura do autor.

Notes

1 ORSTOM é a antiga sigla que ainda hoje identifica o Institut français de recherche scientifique pour le développement en coopération; CIRAD-Centre de coopération en recherche Agronomique pour le développement. (Centra de Cooperação no domínio da pesquisa agronómica para o desenvolvimento).

Auteur

Delegado do ORSTOM no Brasil.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540