Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. L’image scientifique et technologique/A imagem científica e tecnolôgica

Tranferência de conhecimento, transferência de tecnologia e a cooperação França-Brasil

José Leite Lopes

Texte intégral

Introdução: as origens européias da América Latina

1Para bem compreender a importância da transferência de conhecimento e da transferência de tecnologia no desenvolvimento de um país como o Brasil-e de países da América Latina-é certamente interessante examinar, de maneira sucinta, a evolução desses países a partir dos séculos XVI e XVII, quer dizer, desde a origem da ciência moderna na Europa.

2Qual foi, efetivamente, o desenvolvimento da cultura e da ciência na América Latina?

  • 1 J. Soustelle, Les hautes cultures précolombiennes, Enciclopédia Universalis, vol. I, 1133-1142, Par (...)

3Todos nos sabemos que civilizações avançadas foram construídas por povos que habitavam o planalto central do México-cuja estrutura social, arquitetura, artes plásticas, observações astronómicas, sistemas cosmogónicos e teologias atingiram os níveis mais elevados. «Cinco milénios, ao menos, transcorreram entre a descoberta da agricultura [por esses povos] e a invasão espanhola que pôs fim à história autóctone. A mais antiga das grandes civilizações do México que se conhece foi, sem dúvida, nos seus primórdios, contemporânea da vigésima segunda dinastia do Egito, de Salomão e da Grécia homérica, enquanto a idade de ouro Maia se situa na época em que Maomé fundou o Islame, e a ascensão do Império Asteca começa no momento em que aparece Joana d’Arc. Férteis, com certeza, em acontecimentos dos quais ignoramos quase tudo, esses séculos submersos deixaram, felizmente, como testemunho, obras de arte que trazem a marca de sucessivas civilizações das quais elas são provenientes1»: os Olmecas e os Toltecas, as civilizações de Teotihuacan, de Xochicalco, de Monte Albam e de Tula, os Maias e os Astecas, entre outros.

4Na América do Sul, a região andina foi igualmente a sede de povos que desenvolveram ricas culturas, entre as quais os Chibchas, os Mochicas, a cultura de Nazca, o império Wari, o império Chimu e, por volta do século XV d.C., o império Inca. Nas terras baixas da América do Sul, a cultura Marajoara desenvolvida, no Brasil, entre os séculos VII e XIV d.C., na foz do rio Amazonas, distinguiu-se por uma agricultura intensa e por seus notáveis artesãos.

5Sucessivas guerras, entre os povos do planalto do México, conduziram sob o impulso de Itzcoal e de Moctezuma I à hegemonia do império Asteca sobre quase todo o território mexicano, do século XIV ao início do século XVI. O império compreendia, segundo Soustelle, povos de línguas nahuatl, otomi, huaxteca, totoneca, mixteca, zepoteca e maia. No entanto, essas guerras intestinas preservavam o património cultural dos povos dominados e finalmente, se enriqueciam graças às contribuições de suas próprias culturas.

6A invasão dos territórios da América pelos Espanhóis e pelos Portugueses no século XVI marca a interrupção – certamente trágica – da história das civilizações autóctones.

O século XVI e a Europa

7Pelo final do século XV, emergia a Europa Ocidental da Idade Média, submetida a transformações profundas que imprimiriam uma nova visão do mundo aos homens da Igreja, aos teólogos, aos intelectuais. A descoberta da Antigüidade pagã e cristã e de textos esquecidos fascinou esses homens e contribuiu para a ruptura com a herança medieval.

8A organização eclesiástica continha a essência da vida intelectual da Europa e dominava os colégios e as universidades; contudo, começava-se a questionar Aristóteles, e, as universidades na Itália, os grandes mestres da Sorbonne do começo do século XV, as imprensas que já existiam nas grandes cidades da Alemanha antes de 1470 viram a eclosâo de novos pensadores – os humanistas – que necessitaram recorrer aos príncipes – os únicos capazes de resistir às advertências e às interdições da Igreja.

  • 2 R. Mandron, Fron Humanism to science, 1480-1700, Penguin Books, 1985;

9Segundo o Cardeal le Bret, citado por Robert Mandron2 «o rei Francisco I, que merecia o título de Pai das Letras, superou todos os seus antecessores em magnificência. Verificando que a Universidade de Paris se tinha tornado muito pouco ativa e que o estudo da Literatura encontrava-se ali totalmente desprezado, como se ele estivesse mergulhado na barbárie, Francisco I fundou esse famoso colégio [o Collège de France] reunindo doze professores dos mais diversos campos das artes e das ciências»2

10Sob o reinado de Henrique VIII, na Inglaterra, John Fisher fundou o St. John’s College em Cambridge (1511), Richard Fox organizou o Corpus Christi College em Oxford (1511), e um Collège de Médecins foi criado por Henrique VIII a conselho de Tunstall. Erasmo de Roterdão, convidado por Guillaume Budé a instalar-se em Paris, preferiu viajar pela Europa, Roma, Paris, Inglaterra, Torino, Veneza e Basiléia e desafiou as autoridades e as instituições com seus estudos sobre a Antigüidade e seus esforços para reconstruir a Igreja, sonhando com um retomo a sua pureza original.

11Um espaço europeu de cultura e de pesquisa foi assim gradualmente formado. Homens como Theophastus Paracelso na Itália e na Suiça, Jean Lefévre d’Étaples em Paris, Hermann van der Becke em Estrasburgo, Erasmo e Copérnico, Guillaume Budé, John Colet, Giovanni Battista della Porta, entre outros tantos, foram os agentes de uma fermentação intelectual que devia conduzir, em última análise, à Reforma, aos movimentos de contestação das Igrejas, às guerras religiosas e, finalmente, ao espírito científico do século XVII.

12Na Europa, os progressos técnicos, já notáveis no que concerne a tecnologia arquitetônica das catedrais da Idade Média, deram lugar à Escola dos Navegadores de Sagres, em Portugal, de onde emanou a organização do descobrimento de novos continentes da América.

13No início do século XVI, após os primeiros contatos com as novas terras, espanhóis e portugueses instalaram-se na América Central e na América do Sul, ao passo que a colonização da América do Norte pelos ingleses e franceses ocorreu com um século de atraso.

O sistema colonial, suas interdições e a transferência da corte portuguesa para o Brasil

14A dominação dos povos da América pelos espanhóis e pelos portugueses foi, nestas regiões, seguida pelo estabelecimento de um sistema de exploração colonial que durou aproximadamente três séculos.

15O atraso do desenvolvimento da ciência e da tecnologia na América Latina é devido essencialmente às caracteristicas do sistema colonial.

16Inicialmente, é preciso levar em conta o fato de que, no início da colonização, o ensino em Portugal e na Espanha era controlado por ordens religiosas. Em Portugal, durante o reinado de D. João III, a Universidade de Coimbra era dirigida por jesuítas. Os rigores da Santa Inquisição se propagaram pela Península Ibérica, e a fermentação intelectual dos anos 1500 que, na França, na Inglaterra e na Alemanha, constituía um desafio à Igreja, estava essencialmente ausente de Portugal. O ensino científico experimental que, no início do século XVII, começava a se desenvolver na Europa, e que suscitou, em 1660, a criação da Académie des Sciences de Paris e da Royal Society de Londres, estava ausente nos reinos português e espanhol.

17Assim, no Brasil, os primeiros colégios foram fundados por jesuítas e o ensino – do latim e das letras – que lá era ministrado, dirigia-se aos filhos dos senhores da terra. Em 1554 os padres Nóbrega e Anchieta fundaram o Colégio Jesuíta de Piratininga (São Paulo), seguido de colégios similares em Pernambuco, Rio de Janeiro e Maranhão.

18A imprensa estava proibida-um decreto real emitido pelo rei de Portugal, em 6 de junho de 1747, ordenou a destruição da primeira oficina gráfica fundada, no Rio de Janeiro, pelo padre jesuíta Francisco de Faria.

19A atividade científica se limitou, até o fim do século XIX, aos trabalhos das missões de pesquisadores europeus enviados ao Brasil para estudar a flora, a fauna, as riquezas naturais de suas regiões.

20Em 1759, o Marquês de Pombal expulsou os jesuítas de Portugal e em 1768, decidiu realizar uma reforma na Universidade de Coimbra e criou um observatório, laboratórios científicos e o ensino das ciências matemáticas.

  • 3 J.P. Berthe, Amérique Espagnole, Enciclopédia Universalis, volume 1, 1045, Paris 1985.
  • 4 A Constituição dos Estados Unidos foi adotada vinte anos antes.

21Naquela universidade estudaram José Bonifácio de Andrade e Silva, mineralogista, Alexandre Rodrigues Ferreira, naturalista e o astrônomo Lacerda e Almeida, mas a grande mudança, que trouxe repercussões no desenvolvimento da ciência e da cultura, no Brasil, foi a instalação em 1808, no Rio de Janeiro, do rei D. João VI que fugia de Portugal invadido por Napoleão3. A abertura dos portos a embarcações outras que os navios portugueses facilitou a entrada no país de obras científicas e de grandes missões de pesquisa científica. Registra-se então, entre 1808 e 1821, a criação do Curso de Anatomia e Cirurgia na Bahia e no Rio de Janeiro, o Jardim Botânico no Rio de Janeiro, a Biblioteca Pública (1810) e a Academia Militar, que deram respectivamente origem à atual Biblioteca Nacional e à Escola Politécnica do Rio de Janeiro. O primeiro jornal brasileiro só foi publicado em 18084. O Laboratório de Quimica foi fundado em 1812 e seis anos mais tarde o Museu Real, futuro Museu Nacional, destinado, segundo o decreto real, a estimular e propagar estudos concernentes às ciências da natureza no «Reino do Brasil, que contém milhões de objetos dignos de observação e exame, capazes de serem empregados em benefício do comércio, da industria e das artes, e que desejo favorecer como fonte de riqueza». A interdição da imprensa (1747), e da instalação de usinas e fábricas no Brasil (1785), só foi revogada em 1808.

22Na época, a Inglaterra, que dominava a economia de Portugal, conseguiu, em 1810, firmar um tratado com o rei D. João VI segundo o qual os produtos importados da Inglaterra para o Brasil estavam submetidos a uma taxa alfandegária inferior à imposta aos produtos manufaturados provenientes de Portugal. O tratado de Methuem fez do Brasil, através de Portugal, uma colónia da Inglaterra. O sistema das missões estrangeiras que vinham estudar as riquezas naturais dos trópicos-como as de Auguste de Saint-Hilaire, von Martius e Varnhagem, Spix e Lund-permaneceu o mesmo até o último quartel do século XIX. O Observatório Nacional, sucessivamente dirigido por Emmanuel Liais, Louis Cruls e Henrique Morizé, foi fundado em 1827. A Escola Politécnica nasceu da Escola Central em 1874, e a Escola de Minas foi fundada em Ouro Preto, em 1876, sob a direção de Henri Gorceix, destinada à formação de engenheiros de minas e de geólogos. Um importante museu foi fundado em Belém, na Região Amazónica, no ano de 1885, por Emílio Goeldi, e o Instituto Agronómico foi criado em São Paulo, em 1890.

23Duas calamidades, a peste e a febre amarela, no Rio de Janeiro e em Santos, e uma praga do café, estiveram na origem, no início do século, do nascimento de dois institutos, berços da pesquisa científica no campo das Ciências Biológicas: o Instituto Oswaldo Cruz no Rio de Janeiro e o Instituto Biológico em São Paulo.

24Para o Governo, tratava-se de abrir os portos do Rio de Janeiro e de Santos aos imigrantes provenientes da Europa a fim de substituir os escravos libertos desde 1888, e proteger a exportação do café. Foi somente a partir de 1930, com a ruptura da predominância do sistema de exportação do café e o início da expansão do capitalismo industrial, que se esboçou uma política educacional e científica. Apôs a reunião das Faculdades de Medicina, de Direito e de Engenharia em Universidades, no Rio de Janeiro em 1920 e em Minas Gerais em 1927, nasceu a Universidade de São Paulo em 1934, com a criação de uma Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras. No Rio, em 1935, Anísio Teixeira organizou a Universidade do Distrito Federal, compreendendo a Faculdade de Ciências, a Escola de Educação, o Instituto de Belas Artes, a Faculdade de Filosofia e Letras e a Faculdade de Economia e Direito, dando lugar, em 1939, à Faculdade Nacional de Filosofia.

A transfêrencia de conhecimento para os Estados Unidos e para o Brasil – os anos 30

25A criação da Universidade de são Paulo em 1934, e da Universidade do Distrito Federal no Rio de Janeiro, em 1935, coincidiu com o início de uma emigração para os Estados Unidos de eminentes homens de cultura e pesquisadores científicos.

26É a época da grande transferência de conhecimentos científicos da Europa para os Estados Unidos – a maior transferência do século graças à propagação do nazismo e do fascismo, transferência de conhecimentos que deu frutos e trouxe consequências extraordinárias no campo da pesquisa científica e do desenvolvimento de tecnologias no mundo.

27Homens obrigados a sair da Europa-ameaçada por uma possível vitória do totalitarismo – tiveram a sorte de serem bem acolhidos nos Estados Unidos, cujas universidades e laboratórios de pesquisa tinham conhecido um desenvolvimento considerável, organizados fora do poder público e capazes de recrutar professores e pesquisadores baseando-se em sua atividade e produção científica.

28Entre esses homens, podem-se citar, por exemplo, Claude Chevalley, Jacques Hadamard, André Weil, Jean Dieudonné, os grandes matemáticos franceses, ao lado de Albert Einstein, Johann Von Neumann, Eugène P. Wigner, Leos Szillard, Edward Teller, Georges Placzeck, Enrico Fermi, Emílio Segre, Sérgio De Benedetti, Josef Jauch e tantos outros, inclusive jovens universitários que possuíam uma sólida formação, obtida nos colégios e universidades da Europa.

29Por que a diferença entre a colonização dos Estados Unidos e a das nações latino-americanas? Esta é uma questão que requer, evidentemente, diversas respostas, haja vista a complexidade do assunto.

30Gostaria, mesmo assim, de assinalar a importância, na Espanha e em Portugal, de um meio que a partir do século XV contrastava com a efervescência intelectual dos outros países da Europa Ocidental. Se os emigrantes-estes que partiram à procura de trabalho e de novos meios de vida – não eram intelectuais, nem génios, eu ousaria dizer que, paralelamente a esses, a ausência da contestação da Igreja e de fermentação intelectual, e a dominação das ordens religiosas na vida da Espanha e de Portugal constituíram outros fatores importantes que acentuaram a diferença de colonização.

31Segundo Jean-Pierre Berthe3 «A Igreja militante e conquistadora de almas cede lugar cada vez mais a uma Igreja estabelecida, dominada pelo clero secular, entorpecida pelas riquezas materiais e em geral mais preocupada com o esplendor exterior do culto do que com a conquista espiritual». Naqueles territórios chamados «as Índias», «a Igreja é a aliada dos senhores e a garantia da ordem colonial». Uma garantia que foi assegurada pelas universidades fundadas desde muito cedo, com certeza as mais antigas das Américas, como as de Lima e do México (1551-1553)-e que não contribuíram, como as dos Estados Unidos, mais recentes, para a eclosão da cultura e da ciência moderna. Foi somente no século XVIII, sob a influência das idéias nascidas na França, com a importação de livros e a presença de homens imbuídos de uma nova filosofia, que a Coroa da Espanha favoreceu a cultura e o conhecimento científico – abertura esta que, como já dissemos, viu-se obrigada a esperar a entrada do exército de Napoleão em Portugal, em 1808, para penetrar posteriormente no Brasil.

32Nos anos 30, a física nuclear começava a se desenvolver nos Estados Unidos, onde Ernest Lawrence e Stanley Livingstone inventaram o ciclotron. A estrutura das universidades americanas revelou-se adaptada ao desenvolvimento das atividades dos físicos chegados da Europa.

33Uma transferência de conhecimento produziu-se também no Brasil, nos anos 30, com a organização das Universidades de são Paulo e do Rio de Janeiro. Eminentes historiadores e sociólogos, vindos da França, chegaram a são Paulo, tais como F. Braudel, Roger Bastide, Claude Levy-Strauss e o geógrafo Pierre Monbeig. Da Itália vieram os matemáticos Luigi Fantappié e Giacomo Albanese, os físicos Gleb Wataghin e Guiseppe Occhialini. No Rio de Janeiro, chegaram o epistemologia René Poirier, o sociólogo Jacques Lambert, o psicólogo A. Ombredane, o crítico literário Fortunat Strowski e o especialista em Ciências Políticas, J. Gros. Da Itália, chegaram os matemáticos Gabriele Mammana e Achille Bassi, o físico Luigi Sobrero. Foi em 1934 que as pesquisas científicas começaram a se desenvolver com sucesso em são Paulo no campo dos Raios Cósmicos e da Física Teórica e, mais tarde, da Física Nuclear. No Rio de Janeiro, no mesmo ano, com a chegada do alemão Bernhard Gross, iniciou-se a pesquisa em Física dos Dielétricos e do Estado Sólido, sob a direção de Costa Ribeiro, P.S. Rocha e F.M. Oliveira Castro.

Os intercâmbios a partir do pós-guerra

34Nos anos 40-50, os matemáticos André Weil, J. Dieudonné e Jean Delsarte lançaram as bases de uma colaboração com a Universidade de são Paulo, e Laurent Schwartz e outros membros do grupo Bourbaki – ao qual pertenciam igualmente os Matemáticos precedentes-estabeleceram vínculos com a universidade, o Centra Brasileiro de Pesquisas Físicas-CBPF-e o Instituto de matemáticas Puras e Aplicadas do Rio.

35Quanto à Física, nos seus primeiros anos o CBPF recebeu a visita de Cécile Morette de Witt, física especializada em Teoria das Partículas.

A cooperação na física

36No campo da Física Experimental, os primeiros contatos de físicos brasileiros com seus colegas franceses se estabeleceram, a partir dos anos 40-50, graças à ação de Louis Leprince-Ringuet, professor do Collège de France e da École Polytechnique, e diretor de uma equipe de pesquisas em Raios Cósmicos, que suscitou a colaboração dos brasileiros Roberto Salmeron, César Lattes e e Ugo Camerini. O Centra de Estudos Nucleares fundado em Sarclay logo no pós-guerra, e o Centra de Pesquisas Nucleares de Grenoble contribuíram para uma cooperação cada vez mais estreita com físicos brasileiros no campo da Física Nuclear e das Partículas e da Física do Estado Sólido; físicos como João Alberto Meyer, José Israel Vargas ali trabalharam durante muitos anos. Durante quase vinte anos ocupei com muita honra e alegria o cargo de Professor Titular da Universidade Louis Pasteur de Estrasburgo e ali dirigi um grupo da Física Teórica de Altas Energias, no Centra de Pesquisas Nucleares. Um número crescente de pesquisadores brasileiros permaneceu algum tempo nas universidades e nos centras de pesquisa franceses e estabeleceu-se um intercâmbio equivalente de visitantes franceses no Brasil. Com Estrasburgo, criaram-se vínculos de colaboração entre a equipe de J.P. Adloff e J.M. Friedt e o grupo do Efeito Mossbauer dirigido por Jacques Danon no CBFP, colaboração que se intensificou no decorrer dos últimos anos. Na qualidade de professor visitante, G. Poupeau, pesquisador de Grenoble, desenvolveu pesquisas junto ao CBPF sobre a Geofísica Nuclear. Praticamente, todas as universidades brasileiras que possuem grupos ativos no campo da Física mantêm programas de colaboração com instituições francesas. Eu mencionaria a cooperação entre o grupo do Acelerador Linear da Universidade de são Paulo e a Divisão de Física Nuclear do Centro de Pesquisas Nucleares de Estrasburgo; os programas de colaboração entre a equipe de M.C. Cohen-Tannoudji, do Collège de France e a de Moysés Nussenzveig, da Universidade Católica do Rio.

37No CBPF, que dirijo desde minha volta de Estrasburgo, em 1985, pesquisadores do grupo de Física Teórica (A. Malbouisson, M. Novello, F.S. Aranha, J. Mignaco) desenvolvem programas em colaboração com as Universidades de Paris VI e de Paris Sud, com a Escola Politécnica e o Centro de Sarclay (Y. Choquet-Bruhat, Pascal Lederer, G. Cohen-Tannoudji, De Calan), e esperamos aprofundar esta cooperação no campo da Física Experimental de Altas Energias, campo que se implanta em nosso Laboratório (J. Tiomno e A. Santoro) em cooperação com a Escola Politécnica (R. Salmeron), com o Fermi National Laboratory, nos Estados Unidos e com o CERN.

38Lembraria ainda que, no passado, colaboradores franceses realizaram pesquisas no CBPF: mendono R. Lestrienne (Paris), G. Labrosse (Orsay), P. Gavillet (CERN), À. Tonato (Paris), A. Volte (Paris) e J. Danière (Lyon).

Conclusão

39Concluindo, gostaria de salientar a importância dos intercâmbios científicos entre a França e o Brasil. Os Acordos de Cooperação, como o que existe entre o CNRS e o CNPq, permitem a realização de uma parte desses intercâmbio – as bolsas concedidas aos estudantes brasileiros pelo Governo Francês, pela CAPES e o CNPq do Brasil, contribuem para a formação de jovens pesquisadores, tão necessários ao meu país.

40As transferências de tecnologia são os meios mais importantes para o desenvolvimento económico do Brasil, Porém, essas transferências não devem ter um papel passivo, simples instalação de fábricas com a formação técnica de trabalhadores, de engenheiros, de administradores. Elas devem ser acompanhadas ou precedidas de transferências de conhecimento científico. Precisamos, certamente, de tecnologias criadas noutros lugares, mas devemos adaptá-las ao pais que as recebe; a criação de novas tecnologias, in loco, é no entanto indispensável para o desenvolvimento não colonial do pais em questão, e por esta razão a ciência fundamental, a pesquisa, a efervescência intelectual de homens e de mulheres preparados para criar novos materiais e novos mecanismos, para interrogar a Natureza e para questionar a si mesmos, são elementos indispensáveis e as chaves do desenvolvimento.

41Poder-se-ia inventar novos instrumentes para aperfeiçoar a cooperação França-Brasil no campo das ciências?

42Respostas afirmativas a esta pergunta seriam benvindas.

Notes

1 J. Soustelle, Les hautes cultures précolombiennes, Enciclopédia Universalis, vol. I, 1133-1142, Paris (1985);

2 R. Mandron, Fron Humanism to science, 1480-1700, Penguin Books, 1985;

3 J.P. Berthe, Amérique Espagnole, Enciclopédia Universalis, volume 1, 1045, Paris 1985.

4 A Constituição dos Estados Unidos foi adotada vinte anos antes.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540