Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. L’image scientifique et technologique/A imagem científica e tecnolôgica

Imagens da técnica e representações coletivas: uma comparação França-Brasil (e Suécia)

Alain Gras, Sophie Poirot-Delpech et José-Manuel Carvalho de Melo

Texte intégral

1Estamos hoje duplamente do lado imaginário: por causa deste colóquio que tem por tema «As imagens recíprocas da França e do Brasil» e também por causa de nossa pesquisa sobre «as dimensões imaginárias» na difusão das tecnologias avançadas em culturas tão diferentes quanto as da França, da Suécia e do Brasil. A noção de imaginário, por sua própria natureza, possui delimitações difusas (a menos que se trate de imagens digitais, mas não vamos nos antecipar). Destacada pela antropologia, retomada pela antropologia histórica (como gostam de ser chamados hoje alguns dos nossos historiadores), essa noção é cada vez mais usada, associada aos conceitos de social ou de coletivo (até nos meios de comunicação, o que não contribui para torná-la mais precisa e rigorosa). Mas o imaginário é para e de todo mundo e continuamos a preferi-lo a outras noções mais conotadas e, afinal, muito pouco rigorosas, na medida em que ocupa um espaço mais amplo e profundo no campo das representações coletivas.

  • 1 Cf. A edição mais recente de Jean de Léry, Histoire d’un voyage fait en la terre du Brésil, (Introd (...)

2Colocaremos hoje a nossa pesquisa sob os auspícios de uma imagem, cena inaugural, para não dizer primitiva, dos encontros entre a França e o Brasil: o Rochedo de Villegaignon onde desembarcou, um dia de novembro de 1555, o teólogo protestante Jean de Léry. O projeto do Almirante de Villegaignon era o de criar no Brasil uma «França Antártica» protegida das perseguições religiosas. Na realidade, a experiência foi breve, e o rochedo, teatro de confrontos violentos entre católicos e representantes da reforma, sob um olhar de espanto dos índios tupis1.

3Este quadro nos interessa por várias razões. Primeiro, por colocar em cena atores bem conhecidos, para nos que trabalhamos na França, na Suécia e no Brasil: uma certa forma de catolicismo latino, uma ética protestante em via de se construir e os brasileiros da época, mesmo se, claro, esses atores se mesclaram e mudaram bastante tornando-se quase irreconhecíveis. Esperamos que a nossa experiência seja menos efêmera... Mas não devemos iludir-nos ou dissimular as dificuldades... o trabalho em conjunto é apaixonante, estimulante, mas freqüentemente difícil: não só nossas culturas se chocam na maneira diferente de apreender nossas pesquisas, mas também nossos ritmos e modos de trabalho diferem, divergem e às vezes até se anulam. A explosão do Rochedo de Villegaignon é um risco que corremos muitas vezes. Essas dificuldades estão acentuadas pelo fato de não haver um grupo «líder» e que cada equipe nacional trabalha com toda liberdade (liberdade que tem por correspondente a autonomia financeira, já que cada uma é financiada por seu próprio país).

4Os ajustes teóricos e metodológicos são muitas vezes longas maratonas, durante as quais «a imagem do outro» é uma coisa diferente da figura obsessiva do pensamento francês. Mas, nos compreendemos cada vez melhor que todas essas dificuldades fazem parte do trabalho, são passagens obrigatórias na «imersão cultural» indispensável a toda visão intercultural.

5A cena original do Rochedo de Villegaignon nos interessa também se considerarmos o texto de Léry sobre os índios e o Brasil como um mito fundador das relações (de viagem, científicas ou acadêmicas) entre a França e o Brasil e que, como tal, continua a atuar sobre elas. Recordamos a maneira como Lévi-Strauss, nostálgico diante da modernidade da Avenida Rio Branco, se tranqüiliza: «Mas, diz ele, tenho no bolso Jean de Léry, o breviário do etnólogo». Em Tristes Trópicos, escreve páginas comoventes e significativas sobre a continuidade entre a colonização e a etnologia, esta última pretendendo ser redentora daquela. Não seria esta uma relação fundadora, e qualquer francês que chega ao Brasil não estará com Tristes Trópicos no fundo do bolso e, mais escondido, o livro de Jean de Léry com seu olhar benevolente, claro, mas missionário... curioso, já colono e apesar de tudo convencido da superioridade da sua civilização (mesmo se esta esta em crise)?

6Conscientes deste traço, e para tentar modificar esta tendência, procuramos estabelecer um sistema de colaboração equilibrada, graças ao qual possam trocar-se olhares cruzados entre as diferentes culturas. É neste espírito que tentamos elaborar um quadro das representações das diferentes culturas nas áreas que interessam a nossa pesquisa (técnica avançada, ecosistema, etc... cf. o quadro supra p.884).

  • 2 Bastide, Roger «Le problème des mutations religieuses», in Cahiers internationaux de sociologie, ja (...)

7Os aspectos religiosos ou literários podem parecer muito afastados das tecnologias avançadas. No entanto, não o são. E para permanecer no universo mitológico das relações França-Brasil, lembremos esta observação de Roger Bastide: «Nas igrejas cristãs, e em particular na Igreja Católica, prefere-se, para estabelecer, sob as novidades, a continuidade de uma tradição, falar em emergência em vez de mutações. Como se todas as novidades trazidas pelas mutações estivessem já presentes no núcleo arcaico do sagrado, mas de forma latente, encoberta ou velada, cuja história só faria explicitar as virtualidades»2. Ao contrário, observamos que, no campo das tecnologias avançadas, toda nova técnica é sistematicamente qualificada de inovadora e portanto portadora de mutações (sociais, culturais, etc.) radicais, como para dissimular as continuidades e a solidariedade dessas novas tecnologias com a sociedade e as culturas. Só poderíamos explicar melhor a especificidade de nosso olhar fazendo esta aproximação: é justamente esse outro lado da moeda, este reverso da inovação técnica que nos interessa no estudo das tecnologias avançadas.

8Que a tecnologia seja um elemento da cultura, ninguém hoje o contesta. Em compensação, a sociologia preocupou-se ainda muito pouco com a maneira pela qual a técnica se desenvolve, criando seu próprio berço ecológico. Quando um artefato humano surge, ele se adapta numa espécie de coevolução com o sistema social, e é provável que este artefato seja descartado se não encontrar seu lugar enquanto elemento significante na cultura em questão. Pode-se, sem nenhuma duvida, ver nesse mecanismo de conflitos coadaptativos uma das razões do fracasso das políticas de transferências de tecnologia que não se preocupam com o sentido que toma a técnica na cultura receptora.

9Nossa pesquisa tem por objetivo delimitar o problema, comparando três países, de civilização muito diferente: a Suécia, a França e o Brasil, em dois setores, ou seja a informática aplicada à organização de escritórios e gestão de empresas que se pode considerar como uma técnica de massa, e a aeronáutica, que faz parte do «high-tech» e cujos atores são principalmente europeus, americanos e japoneses. No entanto, era preciso, antes de estudar a difusão das inovações neste setor, esboçar um quadro mais geral da maneira como as diversas culturas em questão reagem diante de alguns grandes problemas sócio-técnicos. E por isso esboçamos a grandes traços alguns aspectos do que se pode chamar o imaginário tecnológico desses países. Fundamentada na leitura de documentos e principalmente na imersão cultural, nossa abordagem, complementada por uma visão compreensiva no sentido de Max Weber, pode ser qualificada de antropológica.

10Aliás, a tendência atual, depois do desencanto das grandes teorias e metodologias quantitativas, é a de uma renovação da sociologia do ator, que pode ser captado em sua interioridade de varias maneiras. As histórias de vida, por exemplo, constituem uma boa ilustração dessa orientação que conquistou hoje seus direitos.

11De modo mais geral, interessamo-nos assim pelas «razões» dos indivíduos, ou seja as racionalizações que atravessam o social até mesmo em seus atores mais anónimos, mais do que pelas estratégias dos macro-atores que fingem ter boas razões ou a quem se atribui boas razões (ao contrário do estilo «é por causa das multinacionais» ou, na França, «é por causa do Irã»).

12Essas «razões» são entendidas, então, em sua «relação com os valores» específica de cada cultura, e se descobrem através da imagem que esta dá de si mesma. Isto explica o interesse de uma abordagem cruzada, pois o estrangeiro vê muitas vezes com maior clareza do que o autóctone esse imaginário social no qual se enraíza a racionalidade. Tomemos o caso da relação com a «natureza»: no quadro, observaremos que a atitude brasileira é essencialmente predatória, enquanto a francesa marca uma distância com uma vontade de controle, ou volta à «razão» (cartesiana), e a sueca, por sua vez, marca ao contrário um profundo respeito. As políticas tecnológicas seguem essas orientações «imaginárias». Por exemplo, na escolha das fontes energéticas ou de substitutos do petróleo, notar-se-à a predação que constitui a cultura extensiva da cana-de-açúcar do pro-alcool, o carácter altivo e cientificista do «todo nuclear» da EDF, o equilíbrio ecológico procurado pela geotérmica sueca.

  • 3 Philippe d’Iribarne «A la mode de chez nous-Culture nationale et gestion d’entreprise», a ser publi (...)
  • 4 Michio Morishima, Confucianisme et capitalisme, Flammarion, Paris, 1983.
  • 5 S. Buarque de Holanda, Raízes do Brasil, ed. José Olympio, Rio de Janeiro, 1a ed. 1935.

13O fato de partir de um paradigma global, uma visão do mundo no sentido de Weber, para atingir modos de funcionamento em nível mais concreto, é apenas um recurso heurístico, pois o procedimento se baseia, repetimos, na análise do comportamento dos atores e de suas racionalizações. Os paradoxos aparentes se esclarecem então sob um ângulo novo. Será publicado em breve um livro de Philippe d’Iribarne3, que compara o treinamento operário nos Estados Unidos, na Holanda e na França. Entre outras coisas, poder-se-á ver que o formalismo americano produz nas empresas situações que, no entender dos franceses, parecem resultar de um fardo burocrático muito pesado. Já há alguns anos, Michio Morishima publicava uma obra maravilhosa sobre o Japão, «Confucianisme et Capitalisme»4 no qual mostrava a perenidade das soluções adotadas pelos japoneses há dois mil anos, soluções que passam todas por uma deturpação inesperada do confuncianismo, que penetrou no Japão há quase quinze séculos. Deturpação que consiste em esquecer o primeiro valor da ética chinesa, a dádiva, o que muda completamente o sentido da segunda, a lealdade, que se torna fundamental mas perde seu sentido moral absoluto em prol de uma interpretação em termos de relação pessoal do tipo soberano-vassalo. Ora, acontece que o Brasil já teve um epígono de Max Weber na pessoa de Sérgio Buarque de Holanda. A sua obra «Raízes do Brasil»5, apesar do tom polémico que este trabalho tinha na época, permanece uma fonte inesgotável de imagens para compreender o Brasil, e, na verdade, para apreendê-lo por dentro. A respeito da ética do trabalho, por exemplo, Sérgio Buarque não foi o primeiro, nem o último, a insistir sobre a especificidade da colonização portuguesa, tanto em relação à espanhola como em relação à do Norte do continente americano. Mas, mais que os outros, ele coloca esse elemento como a peça de um quebracabeça que a sociologia deve reconstruir.

  • 6 Hanna Arendt, Condition de l’Homme Moderne, Gallimard, Paris, 1963.

14Lembramo-nos, por exemplo, da clareza de sua observação quando, destacando que os colonizadores de língua latina eram tão marginais e excluídos quanto os anabatistas germanos e cabeças redondas saxões, ele mostra que os primeiros se identificavam com os poderosos da metrópole e com os mais arcaicos destes os senhores feudais, enquanto os segundos rejeitavam em bloco os sistemas políticos e de pensamento do velho continente (até que ponto não se poderia ver, nesse estado fatual imaginário, a fonte profunda da extraordinária resistência dos latifundiários brasileiros diante de qualquer idéia de reforma agrária?). Foi assim que se constituiram dois gigantescos Estados, um fundado na ética do «arbeit als beruf» e da liberdade individual, o outro calcado num modelo vindo não do Renascimento, mas derivado diretamente da Antigüidade e fundado sobre o culto do «otium». Essa representação da relação com o trabalho deve ser então aproximada do modelo de Hanna Arendt, descrito em seu ensaio sobre a condição do homem moderno6. Ela lembra, com efeito, que na Europa, a Idade Média tinha preparado o homem do Renascimento graças ao prestígio adquirido pelo «homo faber», o artesão que se projetava na sua obra e que se distinguia radicalmente do operário antigo, simples «animal laborans». Assim no amanhecer da modernidade coexistem três tipos de relação ao trabalho, cada qual em posição central numa cultura: o «homo faber» na Europa que só desaparecerá realmente no século XIX, o «animal laborans» que não goza do produto de seu trabalho mas prossegue a obra de Deus, na concepção dos puritanos americanos – sabe-se o sucesso que vai obter essa visão das coisas-e o homem de lazer (isto é, do tempo não organizado) como ideal masculino no Sul da América.

15Essas categorias são evidentemente «ideal típicas» e não correspondem nem à realidade passada no seu conjunto, nem à situação atual, mas constituem uma base cultural sobre a qual se edificaram nações que, apesar de suas diferenças, acolheram todas a modernidade. E esses fatores sócio-culturais continuam atuantes hoje, mesmo se mudaram de sentido. Assim, retomando o mesmo exemplo, a França como o Brasil fazem parte hoje dos países em que o trabalho é um valor fundamental, mas atrás das necessidades trazidas pela modernidade e sua técnica, vislumbram-se críticas, resistências, deturpações que se originam numa cultura clandestina ainda viva. As bases teóricas do nosso trabalho estão portanto assentados. Para prosseguir, convidamos o leitor a estudar atentamente o quadro abaixo, pois uma apresentação sinóptica freqüentemente diz muito mais que um discurso.

Técnicas avançadas

França

Grande importância: permanecer pelo menos simbolicamente entre os primeiros na competição internacional
Relacionadas com a idéia de prestigio nacional: preferência pelos grandes projetos de alta densidade de inovação tecnológica (arquétipo: modelo Concorde)
Consenso ligado à vontade de independência e à tradição cultural de criatividade tecnológica. A aeronáutica como setor privilegiado.

Brasil

Consenso sobre o desenvolvimento pela tecnologia, contando com a tecnologia avançada e pesada. Valor simbólico de independência nacional. Relacionadas com a necessidade de desenvolvimento concebido como um processo tecnológico «Temos os recursos, basta adquirirmos o saber fazer (Know How)»

Suécia

Consenso sobre a necessidade de prosseguir o desenvolvimento tecnológico e sobre o seu papel na potência do país (através da exportação em particular).
Convicção de possuir a competência, até mesmo a excelência tecnológica.

França

Discurso técnico como disfarce.
Aceitação ingênua da noção de domínio do perigo tecnológico

Brasil

Agressão constante à natureza, como se fosse a marca do civilizado em relação ao selvagem (índio «ecologista» mas retrógrado)
De preferência «big is beautiful» e prestígio em termos de potência, de quantidade.

Suécia

Respeito pela natureza, até a comunhão, estas características constituem o civilizado
De preferência «small is beautiful»

– Desenvolvimento, progresso

França

Progresso fator de bem-estar mas também de prestígio
O Estado como ator privilegiado e motor ideológico tanto quanto económico
Fé no Estado como detentor do saber
Sem contestação nas escolhas tecnológicas mas desconfiança latente e cepticismo sobre o futuro

Brasil

Necessidade histórica, a técnica é o meio visto como privilégio
Três fases simbolicamente presentes:
1. comprar e experimentar as técnicas
2. usar e desenvolver
3. conceber e fabricar sozinho
O Brasil como país-piloto do Terceiro Mundo. Desconfiança para com a capacidade do Estado em comprir os objetivos do progresso

Suécia

Concebido como uma moral, uma obrigação quase religiosa (tradição luteriana «inner-directed») relacionada com o sentimento de identidade nacional por natureza
Progresso como fator regulador
Desenvolvimento concebido como hemostático
O Estado, potência tutelar como ator privilegiado

Imagens de técnicas específicas

Informática

França

Facilmente aceita
Amplamente difundida sem uma verdadeira resistência
Intelectualizada, mascarada (relatório Nora-Minc)

Brasil

Pouco ameaçadora para o social
Prova da competência nacional
(relacionada com um outro setor privilegiado: a aeronáutica, como na França)

Suécia

Concebida como controlável
Não perigosa, favorece os intercâmbios, a comunicação, a eficácia do Estado

B. Energia nuclear

França

Contente de si
Segurança altiva dos responsáveis
Meio de afirmação da competência tecnológica e do «Know How» de alto gabarito
Relacionada com a idéia de independência nacional Sem resistência
Negação do perigo: «controla-se»

Brasil

Perigosa pela dependência técnologica que ela induz, mas sem perigos ecológicos
Sem valorização em termos de potência ou de nacionalismo

Suécia

Perigosa porque ameaçando a ordem natural a longo prazo e o humano a curto prazo
Mas demonstração suplementar da competência ao mesmo tempo que do domínio social da tecnologia (referendo)
Sem relação patente com a bomba

Energias de substituição ao petróleo (outras que nucleares)

França

Pouco interessada na questão
Pouca consideração por essas técnicas, vistas como rústicas ou rudimentares
Mito contraditório da energia solar
e da riqueza dos oceanos

Brasil

Símbolo da independência nacional no respeito da tradição (culturas industriais extensivas e predatórias)
Ligadas à noção de imensidão do património ecológico

Suécia

Necessárias para afastar o nuclear no respeito às tradições (não predatórias, de onde a valorização da geotermia, da eoliana, etc...)

Conclusão

  • 7 Ver também o nosso relato «Os fatores socio-culturais e as dimensões imaginárias na difusão das tec (...)

16Essas representações fornecem um quadro mental. Elas constituem um suporte subjetivo às escolhas tecnológicas que podem frear, reorientar ou mesmo levar ao fracasso as diversas políticas (exemplo do nuclear no Brasil e na Suécia7). Em todos os casos, as técnicas se transformam na sua aplicação, e não correspondem, em seu uso, às concepções que tiveram os responsáveis e os engenheiros; o social se reapropria delas, de certa forma para transformá-las, traduzi-las e lhes dar um novo sentido. O lugar da tecnologia no desenvolvimento não remete somente a discussões de ordem técnica; implica, ao contrário, um amplo debate que deve incluir os fatores que poderíamos considerar, em um estilo arcaizante, como pertencentes ao «Espírito dos Povos».

Notes

1 Cf. A edição mais recente de Jean de Léry, Histoire d’un voyage fait en la terre du Brésil, (Introdução de Sophie Delpech, co-autora do presente texto), Ed. Plasma, Paris, 1980.

2 Bastide, Roger «Le problème des mutations religieuses», in Cahiers internationaux de sociologie, janv.-juin 1969, p. 9.

3 Philippe d’Iribarne «A la mode de chez nous-Culture nationale et gestion d’entreprise», a ser publicado no Seuil, Paris.

4 Michio Morishima, Confucianisme et capitalisme, Flammarion, Paris, 1983.

5 S. Buarque de Holanda, Raízes do Brasil, ed. José Olympio, Rio de Janeiro, 1a ed. 1935.

6 Hanna Arendt, Condition de l’Homme Moderne, Gallimard, Paris, 1963.

7 Ver também o nosso relato «Os fatores socio-culturais e as dimensões imaginárias na difusão das tecnologias avançadas», PIRTTEM/CNRS, Paris, 1987.
A. Gras e S. Poirot-Delpech «Au doigt et à l’œil –
L’imaginaire des techniques de pointe», a ser publicado na: L’Harmattan, Paris.

Auteurs

Centre de Sociologie des Arts (EHESS/CNRS)/Centre d’Études Comparatives des Techniques, des Connaissances et des Pratiques (CETCOPRA-Université de Paris I, Panthéon-Sorbonne).

Centre de Sociologie des Arts (EHESS/CNRS)/Centre d’Études Comparatives des Techniques, des Connaissances et des Pratiques (CETCOPRA-Université de Paris I, Panthéon-Sorbonne).

COPPE-Universidade Federal do Rio de Janeiro.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540