Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. L’image scientifique et technologique/A imagem científica e tecnolôgica

Bolsistas franceses para o Brasil: balanço e perspectivas

Serge François et Denis Seigneur

Texte intégral

1O envio de estudantes e de jovens pesquisadores franceses para o Brasil passou por formas diversas antes de se estabilizar.

2Podem-se identificar duas fases bem distintas.

3A primeira, até o final de 1970, compreende os intercâmbios ditos «tradicionais», ou seja, propostos por cada país (Itamaraty pelo Brasil, Ministério dos Negócios Estrangeiros pela França) no âmbito dos protocolos bilaterais de intercâmbios culturais e de cooperação científica e técnica.

4A seleção dos candidatos franceses (4 a 5 bolsistas por ano) relativamente confidencial (essencialmente originários de Departamentos de Português das Universidades francesas) era muito «generalista», como é o caso da grande maioria dos acordos bilaterais, nos quais a noção de contigente domina sobre a de «projetos». Da mesma forma, as condições de concessão eram igualmente mínimas:

  • nível de graduação em Português ou em outra disciplina (em curso ou já concluída);
  • conhecimento da língua portuguesa;
  • aceitação por um estabelecimento brasileiro de ensino superior. Por conseguinte, elas levavam, na maioria dos casos, à escolha de candidatos de qualidade, porém dispersa e com poucas possibilidades de ser bem sucedida.

5Posteriormente, em decorrência da escassez de recursos financeiros, o Itamaraty, súbita e unilateralmente, cessou a concessão de bolsas a franceses, situação mal acolhida, como se pode imaginar, pela parte francesa que, apesar de inúmeras diligências, tanto oficiais como oficiosas, não obteve êxito junto às autoridades brasileiras para que a decisão fosse retificada.

6Por esta razão, e considerando a crescente importância do Brasil tanto no plano dos intercâmbios econômicos internacionais quanto à pesquisa em determinadas áreas científicas avançadas, o Ministério dos Negócios Estrangeiros, desde março de 1982, resolveu recriar um programa de bolsas destinado a estudantes e a jovens pesquisadores franceses, que possuíssem no mínimo um D.E.A. (Diploma de Estudos Aprofundados) ou um diploma equivalente e que, com vistas a uma especialização ou a uma formação complementar, desejassem permanecer, por um período de 6 meses a 1 ano, em um laboratório ou em um estabelecimento brasileiro de ensino superior especializado. Todavia, pesquisas «in situ», sem vinculação com o meio universitário brasileiro poderiam ser igualmente previstas.

7Em qualquer dos casos, o postulante deveria elaborar um projeto de pesquisa preciso e detalhado, demonstrar conhecimento suficiente de português e de inglês e fornecer apreciações por parte de seu Diretor de Tese francês e de outros professores sobre a qualidade científica do projeto, assim como sobre a capacidade do candidato para bem desenvolvê-lo. Uma carta de aceitação de um ou de vários centros superiores brasileiros constituiriam, igualmente, um elemento indispensável para a organização do dossiê.

8Uma comissão nacional de seleção, integrada por especialistas das disciplinas a serem examinadas, se reuniria, então, no Ministério dos Negócios Estrangeiros, a fim de selecionar uma dezena de candidatos entre os que apresentassem os melhores projetos.

9Foi realizada uma pesquisa junto aos meios profissionais atinentes para a seleção dos campos a serem escolhidos. A pesquisa determinou a escolha das seguintes disciplinas:

  • Agronomia;
  • Agroalimentação;
  • Biologia;
  • Energias renováveis;
  • Energias Novas;
  • Medicina;
  • Medicina Veterinária;
  • Química Farmacêutica;
  • Problemas relativos ao desenvolvimento econômico do Nordeste;
  • Transportes e Urbanismo.

10Porém, de acordo com a concepção do Ministério, essa lista não deveria ser limitativa e poderia ser remanejada de acordo com as necessidades.

11Enfim, o nível universitário mínimo para concorrer a este programa foi fixado desde o início como sendo o de pós-graduação, com o objetivo de descartar todos os projetos muito generalistas, ou ainda os estudantes desejosos, por diversas razões, de adquirir um diploma brasileiro cujo reconhecimento no plano internacional é ainda incerto.

12Paralelamente a essa definição individual, o Departamento de Formação de Franceses no Estrangeiro empenhou-se para que os acordos CAPES-COFECUB (que vêm a cada ano identificando um certo número de projetos de mútuo interesse), servissem de contextos logísticos para acolher bolsistas franceses.

Balanço

13Globalmente positivo, pois este programa parece responder inteiramente ao meio universitário e científico identificado acima.

Perspectiva

141) Fortalecimento dos vínculos que unem este programa às ações desenvolvidas pelo CAPES-COFECUB, tendo em vista que este organismo se tem concentrado, até o presente, muito mais nos problemas de acolhida de estudantes e jovens pesquisadores brasileiros na França. Este relacionamento, necessário, não deve contudo, fechar a porta aos pedidos «não-integrados», uma vez que a diversidade das áreas de interesse relativas ao Brasil ultrapassam muito o âmbito estrito dos acordos oficiais. A esse respeito, faz-se necessária uma maior flexibilidade na análise dos projetos e é sob esse enfoque que trabalha, uma vez por ano, o júri nacional de seleção.

152) Seria conveniente, na perspectiva do próximo encontro da Comissão Mista Franco-Brasileira de Cooperação Científica e Técnica, interrogar novamente nossos interlocutores brasileiros sobre as possibilidades que eles teriam de se associar financeiramente para a continuação deste programa, já que todos os trâmites empreendidos até o momento, tanto pelo Departamento como pelo Posto Diplomático, não obtiveram êxito. A esse respeito, convém lembrar que, na grande maioria dos intercâmbios oficiais de estudantes ou de pesquisadores formalizados a nível governamental, as bolsas são concedidas pelo país que acolhe e não pelo país que envia os bolsistas.

Quadro de repartição de bolsas de 1982 a 1987

Quadro de repartição de bolsas de 1982 a 1987

Table des illustrations

Titre Quadro de repartição de bolsas de 1982 a 1987
URL http://books.openedition.org/iheal/docannexe/image/5279/img-1.jpg
Fichier image/, 107k

Auteurs

Chefe do serviço da Formação dos Franceses no estrangero-Ministério das Relaçôes Exteriores.

Chargé de mission no Ministério das Relações Exteriores.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540