Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. L’image scientifique et technologique/A imagem científica e tecnolôgica

Dimensão cultural, influências ideológicas e imagens cientificas na história das relações cientificas Franco-Brasileiras, 1850/1940

Patrick Petitjean

Texte intégral

1As relações científicas entre o Brasil e a França ocupam um lugar de destaque, pelo menos até a Segunda Guerra Mundial, se comparadas aos laços existentes entre o Brasil e outros países europeus. Tal importância não era, a priori, um dado imediato: o Brasil tinha relações econômicas e políticas privilegiadas com Portugal e a Inglaterra, depois com os Estados Unidos, no período entre as duas guerras. Essas relações científicas e universitárias demoraram mais a se constituir, inclusive, do que com outros países da América Latina, apesar da existência de cientistas importantes, mas isolados, no século XIX.

  • 1 Ver os registros de alunos da «École des Ponts et Chaussées», da «École Centrale des Arts et Manuf (...)

2Por outro lado, o Brasil quase nunca ocupou um lugar relevante nas preocupações do Estado francês, que tinha outras prioridades: suas colônias, mas também a Europa Central ou os Balcãs, países que, na virada do século XX, forneceram os maiores contingentes de estudantes estrangeiros, na França1. Parece também que a França levou muito tempo para se preocupar em desenvolver instituições científicas e universitárias no estrangeiro, ou em ter uma política científica nas suas colônias.

3As relações científicas franco-brasileiras tiveram dois momentos particularmente intensos:

4Os anos 1875/1890, com os convites feitos a Gorceix, Couty, Guignet, Liais, entre outros; com as missões científicas brasileiras na Europa; e com os laços de Pedro II com vários cientistas franceses, entre os quais Pasteur, Quatrefages, J.B. Dumas, etc.

5Os anos 1923/1940, com a institucionalização dos intercâmbios: já em 1907, tinha sido criado um «Groupement des Universités et Grandes Écoles de France pour les Relations avec l’Amérique Latine» (Associação das Universidades e Grandes Escolas da França para as relações com a América Latina*). Havia filiais no Rio de Janeiro, e principalmente em São Paulo, onde a União Escolar Franco-Paulista promovia os intercâmbios com estudantes e universitários. A guerra interromperá essas atividades. Em 1922, foi fundado, no Rio de Janeiro, um Institut Franco-Brésilien de Haute-Culture (Instituto Franco-Brasileiro de Alta Cultura), que organizou, em duplo sentido, temporadas de algumas dezenas de cientistas franceses e brasileiros até a Segunda Guerra Mundial.

As relaçôes científicas no seu contexto

6No entanto, apesar desses momentos excepcionais, essas relações científicas foram marcadas por profundas discontinuidades, e até mesmo parecem aleatórias. Continuam muito fragmentadas e dispersas; podem saltar de uma área para outra, de uma época para outra; às vezes, tomam atalhos importantes, apoiando-se sobre afinidades nos pianos ideológicos, políticos, religiosos, etc.

  • 2 Reinboldt. A Química no Brasil, in F. De Azevedo, As ciências no Brasil, ed. Melhoramentos, Rio, 1 (...)

7As origens familiares do fisiologista Miguel Ozório de Almeida, que foi, entre 1920 e 1950, o principal fomentador brasileiro do Institut, ilustram esses saltos e desvios. Seu pai, Gabriel Ozório de Almeida, fora aluno-engenheiro na Escola Politécnica do Rio, no início dos anos 1870. Era a época em que a escola tinha sido rebatizada, e os seus programas transformados segundo o modelo francês, após uma viagem de Pedro II à Europa, na qual visitara numerosas instituições científicas e encontrara cientistas. Tentou implantar laboratórios científicos no Brasil para o ensino, mas também para que os professores pudessem desenvolver esses trabalhos pessoais de pesquisa. Se Gorceix, fundador de Escola de Minas de Ouro Preto, é o mais conhecido dentre os cientistas franceses convidados por Pedro II, houve também Ernest Guignet, politécnico, químico, autor de trabalhos sobre o vidro, que se tornaria diretor da Manufacture des Gobelins. Ernest Guignet criou o primeiro laboratório de química industrial brasileiro, na Escola Politécnica do Rio de Janeiro. Gabriel Ozório de Almeida trabalhou neste laboratório, tendo feito, inclusive, uma comunicação à Academia de Ciências de Paris2 em colaboração com Guignet. Esta comunicação foi transmitida pelo próprio Pedro II, membro associado desta academia. Ele, aliás, transmitiria também outros trabalhos de Guignet, de Liais, etc.

  • 3 Ataulfo de Paiva, Palavras sobre Miguel Ozorio de Almeida, in Revista da Academia Brasileira das L (...)

8Gabriel Ozório de Almeida, grande burguês conservador mas liberal, teve, a posteriori, contatos regulares, e debates políticos com... Jean Jaurès3.

  • 4 Miguel Ozório de Almeida, A nossa estação de alta cultura, O Globo, Junho 1929.
  • 5 Dossiê pessoal de Paul Rivet na Academia Brasileira de Ciências.
  • 6 Miguel Ozório de Almeida, Ambiente de guerra na Europa, Atlântica Editora, Rio, 1942.

9Havia, portanto, um ambiente ao mesmo tempo francófilo, científico e liberal: contribuiu, com certeza, para orientar três filhos da mesma família que, em graus diversos, preencheram um papel importante no desenvolvimento científico do Brasil e nas relações com a França. Álvaro passou dois anos no Institut Pasteur em Paris no começo do século XX; com Miguel, introduziu a fisiologia moderna no Brasil. Branca publicou vários trabalhos de biologia, e encarregou-se do Institut desde o final dos anos 30. Miguel, enfim, hauriu na sua formação, uma certa idéia da «ciência pura e desinteressada», da «ciência para a ciência»; isto o levou a participar da fundação da Academia Brasileira de Ciências, a lutar contra uma concepção demasiado utilitarista da ciência, inclusive contra alguns de seus amigos franceses ou brasileiros do Institut4. O mesmo estado de espírito, em nome da separação entre ciência e política, provocou sua demissão da Academia Brasileira das Ciências, em 1937, por ter tentado opôr-se à exclusão de Paul Rivet5. Participou, enfim, de um círculo de cientistas progressistas franceses, ao lado de Laugier, Piéron, Rivet, etc.6

10Outros acasos ou séries de acontecimentos, que marcaram as relações científicas franco-brasileiras, poderiam ser analisados: por exemplo, a rede que leva de Pedro II a Georges Dumas, passando por Mistral e os Félibriges. Ou ainda, a que parte dos primeiros viajantes franceses no Brasil (a imagem do índio brasileiro: o «homem natural», «o bom selvagem ») se opõe radicalmente à dos monstros da literatura geográfica da época: esta imagem foi muito utilizada pelos filósofos do século XVIII, precursores da Revolução Francesa; esta, por sua vez, seria um componente essencial da imagem da França no Brasil; e, outro acaso que levaria Affonso Arinos de Mello Franco a fazer, em 1939 na Sorbonne, uma série de conferências por conta do Institut, sobre o tema: «o índio brasileiro e a Revolução Francesa».

11Esta complexidade traduz, acima de tudo, a imersão das relações científicas no seu contexto histórico, social e cultural, político e científico. Todas as dimensões presentes nem sempre são facilmente identificáveis, e com freqüência interferem. Varias redes causais diferentes podem convergir para a existência de uma atividade científica conjunta, para sua persistência, sucesso ou fracasso. Mas, numa fase em que o tecido científico brasileiro não esta ainda totalmente constituído, em que comunidade e tradições científicas estão nascendo, em que, enfim, a vontade institucional francesa é ainda muito frágil nesta área, é bem difícil hierarquizar redes causais, colocar ordem por trás das aparências do acaso.

Francês, língua científica

12É possível, no entanto, evidenciar uma série de traços comuns e de continuidades durante o período 1850/1940. É possível também relacioná-los em parte com imagens cruzadas entre o Brasil e a França, ou ainda com o papel de certas individualidades.

O papel do francês

  • 7 Xavier Polanco. Mathématiques et mathématiciens, comunicação no simpósio sobre o papel da ciência (...)

13A primeira dessas continuidades é o lugar ocupado pela língua francesa como língua científica no Brasil: língua para formação, mas também língua para comunicação, dos brasileiros com os franceses, e, num nível mais amplo, para garantir a integração dos cientistas brasileiros na comunidade científica internacional. Pode-se medir o lugar do francês nas áreas científicas estudando as antigas bibliotecas. Assim, uma estatística preliminar foi feita a partir de um inventário da biblioteca da Escola Politécnica de São Paulo, o qual data dos anos 1910, relativo a 3350 obras: 71 % são em francês (algumas sendo traduções do alemão), 13% em português, 8% em inglês,... O catálogo da Faculdade de Direito de São Paulo dá, para a parte científica, indicações equivalentes. Um estudo bibliométrico muito mais completo foi feito em um catálogo antigo (1925) da biblioteca da Escola Politécnica do Rio de Janeiro7.

Língua e vontade hegemônica

  • 8 Revue de l’Amérique Latine n° 4, avril 1922, p. 372.

14Pode-se 1er na revista do Groupement em 1922 as seguintes observações sobre o livro científico, em um artigo que faz eco a um relato de Georges Dumas8: «... a língua francesa deve permanecer o veículo de todo o pensamento europeu: a língua e o espírito francês são o filtro das ideias deste continente» (a América Latina). « É portanto o francês que deve transmitir todas as ondas espirituais. Tudo o que as nações da Europa, inclusive os alemães, dão à cultura humana, e pelo que contêm de universal esses esforços, é justo e útil que seja apresentado sob o rótulo francês a nossos amigos da América. E portanto a necessidade de oferecer todas as grandes obras européias traduzidas em francês, que nos foi exposta pelo professor Georges Dumas. Em particular para os obras da ciência alemã – e varias delas não podem ser desprezadas – a tradução francesa será ao mesmo tempo uma explicação e uma garantia... ».

Língua e imagem

  • 9 Miguel Ozório de Almeida, recepçâo do embaixador d’Ormesson na Academia Brasileira de Letras, in R (...)
  • 10 Alocuçâo de Epitácio Pessoa o 24/05/1919 na Sorbonne, in Revue internationale de l’enseignement, n (...)
  • 11 Miguel Ozório de Almeida, A mentalidade ciêntífica no Brasil, in Homens... (voir note 14), p. 205.

15A importância do francês como língua científica do Brasil remete, evidentemente, tanto à influência cultural geral, como ao uso do francês ainda àquela época pela comunidade científica internacional. Mas remete também a uma certa representação do pensamento científico francês: mormente ao seu caráter «universal» (e é o único país ao qual o Brasil concede essa imagem), herança da Revolução Francesa9. Tal é a marca do «gênio francês», que combina «elegância, clareza, lógica»10. É também um «espírito de fineza»11 «capaz de cantar a verdade das coisas». E, obviamente, opõe-se à natureza «prática» do espírito anglo-saxão.

Declínio do francês como língua científica

  • 12 Vital Brasil, L'ophidisme, São Paulo 1914.
  • 13 Georges Raeders, Dom Pedro II e os sábios franceses, Atlântica Editora, Rio, 1944 (referido no pre (...)

16Além dessas representações oficiais, deformadas e estereotipadas, existe a realidade das evoluções científicas e do desenvolvimento das influências alemãs e americanas no Brasil. E embora o francês permanecesse como a língua globalmente dominante para a ciência até os anos 1930, resistiu principalmente em obras gerais de formação, confrontado às outras línguas que não o português. Mas a situação do francês se degradou consideravelmente desde o começo do século XX, no que diz respeito aos conhecimentos mais especializados ou a trabalhos científicos mais recentes, e a certas disciplinas. Assim Vital Brasil, do Instituto Butantã em São Paulo, publicou sua primeira obra científica importante em francês, porém a maior parte de suas referências eram já feitas em outras línguas12. Oswaldo Cruz mandou ensinar o alemão aos seus pesquisadores. (além do francês que já conheciam). E Amoroso Costa observou, em 1925, que as obras matemáticas mais recentes da Escola Politécnica do Rio de Janeiro datavam do final do Império13.

Miguel Ozório de Almeida

  • 14 Miguel Ozório de Almeida, Homens e coisas de ciência, Editora Monteiro Lobato, São Paulo, 1925. A (...)
  • 15 Miguel Ozório de Almeida, A Alta Cultura e sua organização, in A vulgarização..., p. 137.
  • 16 Miguel Ozório de Almeida, A Ciência pela ciência, in Homens..., p 127.

17Além da língua em si, é referindo-se às obras (e às idéias) de Pasteur, de Poincaré, e de outros, sobre o papel da ciência, que o núcleo de matemáticos, físicos e biologistas, fundadores da Academia Brasileira das Ciências, lutou pelo reconhecimento da «ciência pura», indepedentemente das aplicações eventuais. Miguel Ozório de Almeida publicou, principalmente entre as duas Guerras, numerosas críticas de obras gerais escritas por científicos franceses, críticas em que retomou os temas que lhe são caros sobre a ciência, o trabalho científico e suas implicações sociais. Apoiou-se assim sobre obras de Charles Richet, Urbain, Boutroux, Paul Janet, Brunschwicq, Alexis Carrel,... Escreveu análises ou homenagens sobre Descartes, Pasteur, Painlevé, Gley, Richet14. Suas concepções foram sintetizadas numa conferência que pronunciou em 1925 na Associação Brasileira de Educação, intitulada: «A Alta Cultura e sua Organização»15, ou em artigo da mesma época cujo título era, em si, um programa: «A ciência pela ciência»16.

  • 17 Miguel Ozório de Almeida, Impressões sobre o nosso ensino superior in «Homens... », p. 199: «A vid (...)

18Isto o levou, por outro lado, a perceber muito cedo as contradições geradas pela formação dos pesquisadores brasileiros no exterior, e as dificuldades de sua readaptação às condições da atividade científica no Brasil17.

O brasil, terra de missão

Em torno da Exposição Universal de 1889

19Uma segunda continuidade se manifesta na persistência, nos meios científicos franceses, de uma imagem tradicional do Brasil, como «terra cheia de promessas» a descobrir e a explorar, tendo como saídas, o desenvolvimento da influência política e comercial. Esta imagem não é nada original, e não distingue os cientistas do resto da sociedade francesa. Vem de longe, e em particular da revalorização dos relatos dos primeiros viajantes franceses iniciada por Ferdinand Denis. Isto contribuiu, na metade do século XIX, para a formação de primeiros grupos de pressão, a favor do Brasil, que foram particularmente ativos em torno da Exposição de 1889. Foi um momento em que as premissas do desenvolvimento econômico do Brasil foram colocadas em primeiro piano, com a ajuda, por exemplo, dos cientistas convidados por Pedro II. Certos participantes brasileiros desta exposição se reencontraram aliás no Groupement, 20 anos depois, como Affonso Celso.

Paul Le Cointe

  • 18 Paul Le Cointe, dossier aux Archives, carton F17-2983A.

20Esta imagem se reencontra também em Paul Le Cointe, personagem importante, dada sua prolongada atividade científica no Brasil. Preparador do Instituto de Química Industrial de Nancy, solicitou em 1891 uma missão para explorar a Amazônia18 na zona fronteiriça com a Guiana. Seu objetivo era estudar os recursos naturais da região, para preparar a instalação de colonos franceses, como formulou claramente em seu pedido18

21Esta missão lhe foi primeiro concedida, e logo depois recusada, apôs sua chegada em Manaus, em virtude das contestações de fronteiras entre o Brasil e a França. Mesmo assim, levou adiante as explorações projetadas, a partir das quais redigiu vários artigos científicos, e se tornou diretor do Museu Comercial do Para, em Belém.

  • 19 Paul Le Cointe, L’Amazonie brésilienne, ed. Augustin Challamel, Paris, 1922.

22Em 1922, publicou um livro sobre a Amazônia, seus recursos, seus habitantes19, estruturado como uma defesa para valorização desta região por parte dos franceses: «A Amazônia constitui uma fonte inesgotável e fácil para a exploração de matérias-primas mais procuradas pela indústria moderna» e assim incitar as autoridades francesas a se preocupar com ela.

  • 20 Paul Le Cointe, in Revue française du Brésil, n°27, janvier 1936.

23Le Cointe criou, anos depois, o Instituto de Química Aplicada de Belém20; nos anos 1930, tornou-se Cônsul da França em Belém, prosseguindo, sem muitos resultados ao que parece, sua luta para a implantação de empresas francesas na Amazônia.

24Sem maiores repercussões também, Gorceix fizera varias conferências na França, por ocasião de viagens, na época em que era o diretor da Escola das Minas de Ouro Preto, ou depois de sua volta definitiva de 1891: as minas brasileiras de Minais de Gerais não interessavam muito aos industriais franceses.

Os presidentes do «Groupement»

  • 21 Paul Appell, in Revue internationale de l'enseignement, n°60, p. 200.

25Mas esta imagem do Brasil era também a veiculada pelos cientistas franceses que, sem terem ido ao Brasil, patrocinaram o lançamento do Groupement em 1907. Seu presidente, em 1910, Paul Appell, recebeu o Marechal Fonseca, na Sorbonne, nesses termos21: «Vosso pais é quase tão vasto quanto a Europa. Utilizando os fatores externos necessários, tornar-se-á um dos mais potentes do mundo. Pode pretender, com seu sentido artístico acentuado, a um florescimento industrial e comercial igual ao dos Estados Unidos do Norte. O Brasil possui todos os climas e todas as zonas, as riquezas mineiras e a fecundidade do solo; vossos rios largos e profundos como mares caem dos altos planaltos desenvolvendo uma energia que pode fornecer mais de 800 milhões de cavalos-vapores, capaz de mover trens e fábricas. Para desenvolver tais recursos, precisam de engenheiros e cientistas. O Groupement não cuida do aspecto econômico, mas pode indiretamente favorecer as relações de negócio entre vosso país e a França, ajudando o Brasil a formar e a aperfeiçoar os cientistas e os engenheiros».

  • 22 Lucien Poincaré, in Revue internationale de l’enseignement, n° 73, p. 241.

26Lucien Poincaré, o presidente do Groupement em 1919, recebeu Epitácio Pessoa nos seguintes termos22: «O Brasil teve sempre, para nos franceses, um interesse particular, com as suas imensidões, seus climas variados, suas frias montanhas, seus planaltos quentes, sua vegetação luxuriante, seus diamantes, seu ouro, seus pássaros de plumas coloridas. Representa na nossa imaginação, um país de sonho e de poesia, para o qual nosso pensamento se deixa transportar nas horas melancólicas».

27Alguns anos depois, Georges Dumas proferia um discurso similar, para justificar as ações do Groupement e do Instituto, dos quais era o principal participante francês.

Lutas de influência

  • 23 Lettre de Georges Dumas du 6/9/1935 à Marx, archives du Service des Oeuvres du Ministre des Affair (...)

28Os cientistas pouco se distinguem das outras elites intelectuais ou políticas da época, quanto à sua adesão ideológica à expansão européia, à sua missão civilizadora e benevolente. Talvez tenham mantido este discurso até por mais tempo que outros. À véspera da Segunda Guerra Mundial, num momento em que a rivalidade franco-alemã tomava outro sentido, em razão da subida do nazismo, Georges Dumas não hesitou em escrever às autoridades francesas, falando dos cientistas judeus ou progressistas em fuga da Alemanha nazista, os quais se pensava empregar na Universidade do Rio de Janeiro: «o Ministre tinha em mãos uma lista de 50 a 60 alemãos, todos expulsos de Alemanha. Prometeu-me não empregar nenhum deles: disse-lhe que os melhores dentre os expulsos tinham sido contratados na Europa, e que os demais eram de menor importância. É indispensável realizarmos esta organização universitária no Brasil sem a colaboração de estrangeiros, pois todos os cargos de influência poderão ser úteis em caso de guerra e, durante a paz, deixarão no Brasil uma marca indelével de nossa presença23» (NDR: «estrangeiros», isto é, nem franceses nem brasileiros...)

29A posição tomada pelos cientistas não era, certamente, neutra: falavam enquanto responsáveis de instituições oficiais, encarregadas dos intercâmbios franco-brasileiros, ou procuravam justificar seus projectos no Brasil junto às autoridades tutelares. Com certeza também, um professor que fosse nos anos 20/30 ao Brasil para fazer conferências durante dois meses, a convite do Instituto, não tinha o mesmo discurso que Georges Dumas, que organizava essas viagens para o Ministério das Relações Exteriores. Não se colocava os mesmos problemas. Mas todos esses discursos esclarecem a política praticada naquela época, e evidenciam as convergências que podiam existir entre uma certa representação tradicional do Brasil e os interesses estratégicos dos meios dirigentes franceses.

O Ensino técnico superior

30Com tal convergência, surpreende menos, então, o fato de encontrar uma terceira continuidade nos intercâmbios franco-brasileiros no decorrer deste período: a primazia das «ciências aplicadas», medicina, química ou física industriais.

A sociedade do Ensino Superior e o «Groupement»

31Esta continuidade baseia-se em parte na existência, na França, de um grupo social, os reformadores universitários leigos, que constituíram no início da Terceira República uma associação, a Sociedade do Ensino Superior (S.E.S), para promover reformas do sistema universitário: desenvolvimento da pesquisa, criação de universidades mais coerentes do que a simples federação de faculdades, criação de institutos técnicos superiores. Pasteur foi um dos seus fundadores. Aqueles que criaram o Groupement eram igualmente membros ou dirigentes. Entre os que escreveram na revista da SES no começo do século XX, apareciam muitos membros das futuras missões universitárias do Rio de Janeiro e de São Paulo, ou conferencistas do Instituto.

32O Groupement e a SES tinham em comum entre seus participantes cientistas como Le Chatelier e Appell (Sorbonne), Pelletan (Escola das Minas), Guillet (Escola Central)... É preciso assinalar que Le Chatelier foi um dos principais propagandistas do taylorismo na França (e igualmente adversário das teses de Einstein...), publicou numerosos relatos sobre a formação dos engenheiros nas universidades, e teve também uma importante influência no Brasil.

  • 24 Les voyages de José Domingos Freire, Teixeira Martins et du Visconde de Saboia ont donné lieu à de (...)

33Esses reformadores se opunham às tendências tradicionalistas da universidade francesa. Com o Groupement, procuravam opôr-se a esta «imagem» no exterior. Paul Appell prosseguia o discurso de 191024 denunciando «este preconceito segundo o qual nosso ensino superior seria mais téorico do que prático», e desenvolvia todo um raciocínio a favor dos institutos técnicos recentemente criados nas universidades francesas.

Convergências franco-brasileiras

34Na área das aplicações da ciência, existia uma perfeita adequação entre os pedidos expressos pelos brasileiros e este grupo de universitários franceses. Com efeito, os pedidos brasileiros eram muito antigos, desde Pedro II, e haviam encontrado um interlocutor limitado na França: Daubrée levou dois anos para encontrar Gorceix. Na época, tratava-se de iniciativas individuais, de cientistas como Daubrée e Pasteur que aceitavam substituir-se a Pedro II no recrutamento de voluntários franceses para o Brasil. No século XX, com a fundação do Groupement e do Instituto, isto se tornou uma política coletiva e oficial. Aliás, os pedidos brasileiros fundamentavam-se em pesquisas detalhadas e comparativas entre os diferentes sistemas vigentes na Europa. Missões científicas foram mandadas aos principais laboratórios, e o próprio Pedro II visitara alguns deles, em varias ocasiões, quando viajou pela Europa. Em 1877, por exemplo, José Domingos Freire denunciava a falta de meios dos laboratórios franceses de química, comparados com os seus homólogos alemães, no exato momento em que Pasteur lançava um idêntico grito de alerta.

Modelos Franceses

  • 25 Victor de Silva Freire, Alguns dados recentes sobre ensino technico, in Annuario da Escola Polytec (...)

35No âmbito de sua reflexão sobre o ensino superior técnico na França, a SES realizara várias pesquisas, principalmente em outros países. Algumas tinham sido diretamente utilizadas nos debates brasileiros sobre o mesmo problema. O relato de Pelletan sobre o modelo alemão e o de Guillet sobre o modelo americano foram amplamente discutidos por Victor de Silva Freire em 190725. Este último, então professor na Escola Politécnica de São Paulo, era um antigo aluno da École des Ponts et Chaussées» de Paris, fundador e depois administrador, até os anos 50, do Liceu Franco-Brasileiro de São Paulo. Retomou certas conclusões de Pelletan: a crítica ao carácter excessivamente abstrato e geral do modelo francês para o ensino superior técnico (na França, estuda-se dez vezes mais matemática que na Alemanha). Recusava deste modo a longuíssima preparação às escolas de engenharia na França. Pronunciou-se a favor da implantação do modelo alemão no Brasil. Na ocasião, ele indicara, aliás, dois pontos em comum entre os sistemas brasileiro e francês: a onipresença das aulas ex-cátedra em detrimento dos trabalhos práticos, e a finalidade deste ensino, a saber, não a de formar engenheiros operacionais, mas prepará-los para fazerem concursos e ocupar altos cargos na administração pública. Para ele, o sistema alemão não apresentava as mesmas falhas...

  • 26 Luis Castanhede de Almeida, Os cursos de engenharia no Brasil e o regimen universitario, in « Revi (...)

36Os modelos franceses foram portanto muito criticados no Brasil, mas, felizmente, havia sempre outros universitários franceses que, partidários de reformas na França, podiam ser chamados para facilitar as reformas no Brasil: combatia-se o modelo francês em nome de Guillet, Le Chatelier ou Appell. Em 1917, um relatório da SES destacaria o fracasso das tentativas de reformas do sistema francês, e a superioridade persistente do sistema alemão em matéria de ensino técnico superior. Em 1926, o relatôrio serve de referência a um professor da Escola Politécnica do Rio, Luis Castanhede de Almeida, para propor uma reforma de seu establecimento26. Ele assinalava aliás que todas as reformas efetuadas anteriormente na França foram reproduzidas no Brasil, e que se deveria dar prosseguimento ao relatório. Justificava assim a insuficiência crónica do ensino superior técnico na França e no Brasil pelas origens latinas comuns...

O Instituto Técnico Franco-Paulista

37Um ano antes, em 1925, as autoridades do Estado de São Paulo criaram o Instituto Técnico Franco-Paulista que, ao contrário do Instituto do Rio, se colocava diretamente no campo da ciência aplicada. Seu objetivo era «difundir os progressos da cultura técnica francesa».

38Durante vários anos, cientistas franceses foram chamados a São Paulo, escolhidos por Georges Dumas dentro dos limites impostos pelos paulistas: Higiene, Eletrotécnica, Psicologia Aplicada, etc.

Riquezas e complexidades do contexto

  • 27 Claude Lévi-Strauss, Tristes Tropiques, Paris, Plon, 1955.

39Dentre os múltiplos fatores que têm um papel nos intercâmbios científicos franco-brasileiros, até hoje tem se destacado principalmente, a dimensão cultural e ideológica, em particular as «imagens». Dever-se-ia aprofundar a análise (mas isto ultrapassaria as preocupações deste colóquio) dos setores sociais que, no Brasil ou na França, motivaram esses intercâmbios. Esta dimensão transparece um pouco no que foi dito acima, mas se trata de uma perspectiva totalmente diferente dos mesmos fatos, complementar da abordagem escolhida para a presente comunicação. No entanto, pode-se notar o perfeito entendimento, observado por Lévi-Strauss27, entre Georges Dumas e o «grão fino» brasileiro da época, um meio dirigente mais preocupado com o fetichismo das últimas descobertas científicas francesas, e com a participação de conferencistas prestigiosos, do que com o desenvolvimento dos fundamentos científicos de seu país. Deste ponto de vista, aliás, a evolução de Georges Dumas é significativa: conferencista científico em 1908, 1911, 1922, 1925, limita-se em seguida a ser um representante «intelectual» do Ministério das Relações Exteriores.

Especificidades do trabalho científico, Marie Curie, Auguste Chevalier

40As dimensões científicas estão imersas num conjunto mais amplo em que a dimensão cultural tem um papel fundamental, em particular na fase inicial do desenvolvimento científico. Mas isto não deve fazer-nos desprezar a autonomia que pode adquirir um trabalho científico (inclusive em colaboração), ou desprezar a lógica fundamentada no seu conteúdo científico, mesmo neste estado embrionário. Se o estabelecimento de relações científicas pode ser determinado por um contexto, por setores sociais e interesses estratégicos bem constituídos, o trabalho efetuado adquire um interesse em si mesmo, uma dinâmica própria; e as consequências podem escapar às condições originais.

  • 28 Simon Schwartzmann, Formação da communidade científica no Brasil, Editora nacional, Rio, 1979.

41Por exemplo, razões diplomáticas (o prestígio da França) certamente motivaram Georges Dumas a convidar Marie Curie, em 1926, para o Instituto no Rio de Janeiro. Os brasileiros, provavelmente, não tinham as mesmas motivações: Einstein já tinha ido em 1925, e a Academia das Ciências estava lutando pelo reconhecimento das atividades científicas. O Instituto ainda mantinha laços estreitos com a Academia, com Miguel Ozório de Almeida, Amoroso Costa, Henrique Morize, Carlos Chagas, etc.28. Marie Curie tinha, sem dúvida, ainda outras razões. E as conseqüências de sua viagem parecem ter tido efeitos numa outra área: uma contribuição ao desenvolvimento das pesquisas sobre o câncer no Brasil.

42Do mesmo modo, foi uma convergência de interesses franco-brasileiros que levou a Escola Politécnica Franco-Paulista, sob a égide do Instituto Técnico Franco-Paulista, a convidar o professor Auguste Chevalier para conferências e pesquisas sobre a identificação das matérias da madeira. Auguste Chevalier era professor no Museu de História Natural de Paris, especialista em madeiras tropicais, antigo fundador do Instituto Científico de Saigon, uma das primeiras instituições científicas coloniais francesas. Tinha permanecido vários anos na África, e se encarregava da associação «Ciências-Colônias»: um cientista «colonial» como a França pouco conheceu. Mas o trabalho efetuado durante sua temporada em São Paulo podia ser usado em sentidos diferentes por vários setores da sociedade brasileira, e tinha um interesse em si.

43Os mesmos problemas já haviam se colocado com a vinda, em 1901/1904, de uma missão francesa no Rio (com Marchoux e Simon) para estudar a febre amarela.

Fatores catalisadores

44Uma outra questão complexa levantada pela especificidade dos intercâmbios científicos no seu contexto, é a dos fatores determinantes: por que, em tal área, em tal momento, se estabelece e persiste uma colaboração, em um amplo painel de outras potencialidades, às vezes existentes há muitos anos? Com esta pergunta, e sem que esta seja um meio de resolvê-la totalmente, descobrimos o papel representado, nestas relações, por uma série de «catalisadores», em particular as «imagens», as aproximações ideológicas, ou por certas personalidades que se destacam no palco em virtude de sua posição-chave.

Ciência e latinidade

45A referência à latinidade é uma dessas aproximações ideológicas, evidente na área cultural, mas cujo papel exato no que concerne as relações ditas «científicas» deve ser questionado. O Groupement fez da latinidade uma das razões de sua criação e, desde sua origem, uma referência fundamental. E isto, apesar do Groupement ter sido criado principalmente por físicos, matemáticos, responsáveis por Escolas de Engenharia, de professores do «Collège de France».

46Pode parecer estranho que Paul Appell, matemático da Alsácia, fizesse a apologia da latinidade enquanto que presidente do Groupement. Tratava-se em aparência, de uma referência institucional, reveladora de uma estratégia de intervenção francesa na América Latina. Este núcleo científico fundador foi progressivamente substituído por participantes mais próximos dos meios literários, com exeção de G. Dumas. Porém até o início dos anos 30, houve ainda muitos cientistas «exatos» entre aqueles que o Instituto mandou chamar para dar conferências no Brasil.

A revista do «Groupement», entre latinidade e fascismo

47Em contrapartida, a revista do Groupement pouco refletiu esta dimensão científica. Foi, ao contrario, organizada em torno dos aspectos políticos e culturais da latinidade. Contudo, se por detrás de uma referência comum à latinidade, os redatores podiam ventilar aspirações contraditórias, isto não impediu que, nos anos 1920, o conteúdo da revista do Groupement sofresse a influência preponderante dos militantes da Action Française, admiradores de Mussolini. Maurras assinou nesta, um artigo programático em 1922 sobre «as forças latinas». A revista desapareceu em 1932. Até o fim, o diretor foi Charles Lesca, um rico franco-argentino, que participou em 1910 da delegação de estudantes, mandada pelo Groupement a São Paulo, e que, apôs o fechamento da revista, tornou-se em 1936 proprietário e redator do jornal fascista Je suis partout. Ele, «grande amigo do Brasil», condecorado com a Ordem de Cruzeiro, é quem foi chamado para ajudar o governo brasileiro para justificar a exclusão de Paul Rivet da Academia Brasileira de Ciências. Durante a guerra, fez propaganda pro-nazista com Brasillach; foi condenado à morte na libertação e refugiou-se na Argentina.

O Brasil, pais latino?

  • 29 Aloysio de Castro, Paroles françaises au Brésil, ed. Briguiet, Rio, 1950 (30 ans de discours de ré (...)

48Do lado brasileiro, esta referência à latinidade esteve também presente, porém menos abertamente política do que na revista do Groupement. Falava-se do Brasil como «irmã mais nova latina» da Itália e da França. Este tema estava bastante presente nos discursos dos participantes brasileiros do Instituto, em particular quando eram membros da Academia de Letras, médicos, escritores, políticos... O próprio Miguel Ozório de Almeida, não escapou disso29. É preciso também nos interrogarmos sobre a significação da referência latina no Brasil: como aliás no caso da França, qualificar o Brasil de país latino é propriamente restritivo. Mas é uma visão difundida nas elites brasileiras «brancas» no começo deste século.

49Esta referência latina recobria, pois, projetos políticos e sociais diversificados: fora bastante útil para justificar a existência do «Groupement», e era indispensável para motivar seus participantes. Mas era sem dúvida considerada como mais formai e secundária por boa parte dos conferencistas participantes do intercâmbio do Instituto.

Positivismo

  • 30 Georges Weisz, The emergence of modem universities in France, 1863-1914, Princeton University Pres (...)

50O mais importante para os cientistas era sem dúvida a referência ao positivismo, concebido como elemento de um contexto cultural global, e não como adesão aos detalhes da doutrina de Comte. Refletia principalmente uma certa concepção do papel da ciência e uma ideologia subjacente nos meios científicos franceses do começo do século. A ciência era considerada como a única que pudesse fornecer valores morais e políticos aptos a substituir a religião. Estes conceitos «leigos» estavam muito presentes na SES, que se referia a eles para atribuir às universidades um papel importante na renovação nacional empreendida pela Terceira República30.

  • 31 Carneiro Leão, Une fête de l’amitié, discours au Jockey-Club, in imp. Jornal do commercio, Rio, 19 (...)

51Do lado brasileiro, foi com frases como «é aos cientistas que devemos confiar o nosso destino», e «a ciência deve guiar o esforço humano a caminho de verdades inalteráveis», que foram recebidos no Rio, em 1925, os quatro conferencistas do Instituto31, ou seja Georges Dumas, Emile Marchoux, Paul Janet e Henri Germain-Martin. Que esta conferência tenha sido, nos anos 1920, um acontecimento mais para os brasileiros que para os cientistas franceses convidados ao Brasil, não deve levar-nos a subestimar sua pregnância. Aliás, poder-se-ia explicar o papel desempenhado por Georges Dumas durante mais de trinta anos nas relações científicas franco-brasileiras, sem situá-lo na confluência, justamente, da latinidade e do positivismo? Provençal, admirador de Mistral, seus primeiros trabalhos científicos tratavam da psicologia de Comte e de Saint-Simon...

Para uma fundação franco-brasileira de pesquisas

52Coexistência de vários níveis de fatores, apoio sobre «imagens» (mesmo se estereotipadas e superficiais), convergências de interesses, multiplicidade das áreas concernidas: esta riqueza e complexidade contribuíram sem dúvida para o desenvolvimento dos intercâmbios científicos franco-brasileiros, para o sucesso do Groupement e do Instituto. Para simplificar ao máximo, poder-se-ia dizer que a vontade francesa de influência política no Brasil, ajudou consideravelmente Miguel Ozôrio de Almeida a lutar pela «ciência pura», mesmo se a distância entre os objetivos de uns e de outros eram perceptíveis.

  • 32 Miguel Ozorio de Almeida, A collaboração científica entre a Franco e o Brasil, In Ensaios..., p. 2 (...)

53Mas nos anos 1930, o Instituto ficou progressivamente sufocado entre, de um lado, os franceses e brasileiros que insistiam na ciência dita «aplicada», e, de outro lado, os franceses e os brasileiros que se satisfaziam com conferências prestigiosas de cultura geral, para a boa sociedade «culta», cada vez mais afastada da ciência tal como se praticava. Isto levara Miguel Ozôrio de Almeida a pedir em 1929, aliás sem êxito, uma mudança de orientação do Instituto4. Em 193732, pedia para logo a criação de um fundo comum de pesquisas (uma fundação franco-brasileira), para financiar temporadas recíprocas de pesquisadores e o desenvolvimento de programas comuns. Miguel Ozôrio de Almeida justificava essencialmente esta postura em razão dos problemas específicos que ele mesmo encontrara em seus trabalhos, e nas suas relações com Lapicque, Gley e Piéron. Mas os membros franceses do Instituto e do Groupement se satisfaziam muito bem com a situação existente, e este pedido ficou sem resposta.

54Formulados há 50 anos, os problemas do financiamento e da organização de pesquisas conjuntas franco-brasileiras, assim como a questão do conteúdo dessas pesquisas (a proporção de pesquisas de fundo e de pesquisas finalizadas, para empregar terminologia atual), parecem conservar uma certa atualidade: esta pesquisa, sobre a história das relações científicas franco-brasileiras, permite estudar suas origens.

Notes

1 Ver os registros de alunos da «École des Ponts et Chaussées», da «École Centrale des Arts et Manufactures» ou da «Faculté des Sciences de Paris». Ver também os relatos de atividades do «Office National des Universités» nos «Archives Nationales».

2 Reinboldt. A Química no Brasil, in F. De Azevedo, As ciências no Brasil, ed. Melhoramentos, Rio, 1945.

3 Ataulfo de Paiva, Palavras sobre Miguel Ozorio de Almeida, in Revista da Academia Brasileira das Letras,.

4 Miguel Ozório de Almeida, A nossa estação de alta cultura, O Globo, Junho 1929.

5 Dossiê pessoal de Paul Rivet na Academia Brasileira de Ciências.

6 Miguel Ozório de Almeida, Ambiente de guerra na Europa, Atlântica Editora, Rio, 1942.

7 Xavier Polanco. Mathématiques et mathématiciens, comunicação no simpósio sobre o papel da ciência na história das relações cientificas entre a França e o Brasil, São Paulo, Setembro de 1987.

8 Revue de l’Amérique Latine n° 4, avril 1922, p. 372.

9 Miguel Ozório de Almeida, recepçâo do embaixador d’Ormesson na Academia Brasileira de Letras, in Revue Française du Brésil, n° 55, junho de 1938.

10 Alocuçâo de Epitácio Pessoa o 24/05/1919 na Sorbonne, in Revue internationale de l’enseignement, n° 73, 1919, p. 245.

11 Miguel Ozório de Almeida, A mentalidade ciêntífica no Brasil, in Homens... (voir note 14), p. 205.

12 Vital Brasil, L'ophidisme, São Paulo 1914.

13 Georges Raeders, Dom Pedro II e os sábios franceses, Atlântica Editora, Rio, 1944 (referido no prefácio de Tristão de Athayde).

14 Miguel Ozório de Almeida, Homens e coisas de ciência, Editora Monteiro Lobato, São Paulo, 1925. A Vulgarização do Saber, Ariel Editora, Rio, 1931. Ensaios, críticas eperfis, Briguiet Editora, Rio, 1938.

15 Miguel Ozório de Almeida, A Alta Cultura e sua organização, in A vulgarização..., p. 137.

16 Miguel Ozório de Almeida, A Ciência pela ciência, in Homens..., p 127.

17 Miguel Ozório de Almeida, Impressões sobre o nosso ensino superior in «Homens... », p. 199: «A vida cientifica na Europa, se dá uma cultura intelectual, não constitui a melhor preparação para a vida científica no Brasil. Nossa desorganização e nossas dificuldades desanimam aqueles que conheceram outros meios, e que se acostumaram a um trabalho produtivo. A readaptação ao nosso meio é muito dificíl. A solução deste problema poderia assim vir da criação de uma Faculdade da Ciências que reuniria alguns dos nossos cientistas, além de alguns homens de ciências vindos de fora. Podem objetar que aqueles dificilmente se acostumariam ao nosso contexto, por terem sido formados de modo bem diverso. No entanto, não é o que se pode observar. O brasileira, formado na Europa, tem o olhar voltado nesssa direção. Quer transpor para cá o que viu là, e que constitui um ideal para ele. Na impossibilidade de fazê-lo, de modo geral, desanima-se e cruza os braços. Não teve tempo suficiente para assimilar as coisas vistas e poder adaptá-las sem tocar no seu sentido profundo, e de modo a poder provocar o seu desenvolvimento num contexto diferente. É esta possibilidade que, mais facilmente, se pode encontrar num estrangeiro «esclarecido». Quando chega aqui, espera encontrar dificuldades ainda maiores que as que encontra na realidade. Chega, esperando o pior, e disposto a aceitar tudo. Isto explica por que os estrangeiros são menos pessimistas do que nós. Em pequeno número, através uma ação direta, formam discípulos... »

18 Paul Le Cointe, dossier aux Archives, carton F17-2983A.

19 Paul Le Cointe, L’Amazonie brésilienne, ed. Augustin Challamel, Paris, 1922.

20 Paul Le Cointe, in Revue française du Brésil, n°27, janvier 1936.

21 Paul Appell, in Revue internationale de l'enseignement, n°60, p. 200.

22 Lucien Poincaré, in Revue internationale de l’enseignement, n° 73, p. 241.

23 Lettre de Georges Dumas du 6/9/1935 à Marx, archives du Service des Oeuvres du Ministre des Affaires Etrangères, carton 443.

24 Les voyages de José Domingos Freire, Teixeira Martins et du Visconde de Saboia ont donné lieu à des rapports. Celui de Domingos Freire est à l’Institut Géographique-Historique de Rio.

25 Victor de Silva Freire, Alguns dados recentes sobre ensino technico, in Annuario da Escola Polytechnica, São Paulo, 1907.

26 Luis Castanhede de Almeida, Os cursos de engenharia no Brasil e o regimen universitario, in « Revista da Universidade do Rio de Janeiro », 1926, I, 1.

27 Claude Lévi-Strauss, Tristes Tropiques, Paris, Plon, 1955.

28 Simon Schwartzmann, Formação da communidade científica no Brasil, Editora nacional, Rio, 1979.

29 Aloysio de Castro, Paroles françaises au Brésil, ed. Briguiet, Rio, 1950 (30 ans de discours de réception de personnalités françaises à l’Académie des Lettres et à l’Académie de Médecine).

30 Georges Weisz, The emergence of modem universities in France, 1863-1914, Princeton University Press, 1983.

31 Carneiro Leão, Une fête de l’amitié, discours au Jockey-Club, in imp. Jornal do commercio, Rio, 1926.

32 Miguel Ozorio de Almeida, A collaboração científica entre a Franco e o Brasil, In Ensaios..., p. 204.

Auteur

Equipe REHSEIS do CNRS, Paris, e Centro de Pesquisas Nucleares - Estrasburgo.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540