Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. L’image scientifique et technologique/A imagem científica e tecnolôgica

Exemplo de influência científica e cultural: as vias específicas da física matemática

Michel Paty

Texte intégral

  • 1 L. Boltzmann, «Reise eines deutschen Professors ins Eldorado», in L.B., Populäre Schriften, Barth, (...)
  • 2 Cf. p. ex. J. Ben-David, «The rise and decline of France as a scientific center». Minerva, n.8, 19 (...)

1Ludwig Boltzmann, o célebre físico austríaco escrevia em 1905, em seu livro Viagem de um professor alemão em Eldorado1, que nos congressos científicos realizados na América (do Norte, no caso), «entre os foreigners (os não-ingleses) os franceses eram sempre os melhores em todos os lugares», e lamentava o absenteísmo de seus colegas da Academia de Berlin exclamando: «Nos, os alemães, não temos nenhuma razão para não igualá-los». Esta observação testemunha a concorrência científica das grandes nações européias da época, no que diz respeito a sua influência no estrangeiro-especialmente nos países novos-bem como no que concerne à reputação e à qualidade da ciência francesa desta época, contrariamente às afirmações de certos historiadores das ciências que a consideram como decadente2. Ela nos incita, por isso, a não simplificar demais as situações, esquematizandoas, como seria mais fácil fazê-lo, por exemplo, evocando os bloqueios causados pela influência positivista em matéria de ciências teóricas, ou evocando a situação complexa na qual se encontrava a física teórica na França, no início do século XX, momento este em que surgiram duas novas direções que vão alterá-la radicalmente: a da relatividade e a da física quântica. Evidentemente, seria esquemático e erróneo afirmar que as ciências matemáticas ou a física teórica moderna não foram, de imediato, desenvolvidas no Brasil porque os cientistas deste pais receberam uma influência francesa preponderante, e que as ciências, na França, tinham sofrido um atraso em relação a outros centras de desenvolvimento como a Alemanha e, de forma mais genérica, a Europa do Norte.

2Basta fazer um balanço, nesta época, das contribuições de cientistas franceses nestes campos, para constatar que elas são importantes e do melhor nível. Mas isto não impede de considerar as especificidades que lhes são próprias, privilegiando certos campos de conhecimento ou certos tipos de problemas, que permanecem relativamente à parte de certas orientações, como os fundamentos e a axiomatização das ciências matemáticas ou as novas direções privilegiadas da física teórica.

3No caso do Brasil, onde sabemos que a influência cultural da França é, em geral, preponderante, é interessante conhecer que forma assume a influência científica em particular, que é igualmente dominante, especialmente quanto ao conteúdo do próprio saber: que traços ela deixa ali, que característica própria ela determina numa tradição científica em vias de constituição. Gostaria de indicá-los, a título de exemplo, no que concerne à física teórica e matemática (permanecendo assim no campo evocado por Boltzmann). Sobre a antiga influência francesa nesta área, basta lembrar, com Fernando de Azevedo, a penetração da matemática francesa no Brasil, desde 1800, antes mesmo da chegada de D. João VI, através de obras e mesmo das primeiras traduções, por exemplo de Lagrange. Sabe-se que, nesta época, as ciências matemáticas e a física teórica ainda não estavam realmente separadas.

  • 3 M. Paty, «Invention et réception d’une nouvelle théorie et tradition scientifique: le cas de la re (...)

4Contudo, deixarei de lado a tradição matemática propriamente dita para me concentrar na física teórica e matemática. O estatuto desta é, na verdade, muito complexo. É precisamente no início do século XIX que ocorre uma separação entre as duas, física matemática de um lado, física teórica do outro, ambas até então confundidas dentro da mecânica racional. Não posso fazer aqui uma análise detalhada do que elas são, uma e outra – aliás, uma estrita demarcação nem sempre é possível – ; para mostrá-lo será suficiente evocar os nomes de Lagrange, Laplace, Fourier, para a física matemática e de Fresnel e Ampère para a física teórica. Se a primeira instituiu uma tradição rica e duradoura na França, especialmente no campo da astronomia matemática, culminando na virada do século com a obra de Henri Poincaré, a segunda não gerou, para seus iniciadores, herdeiros diretos em seu país: a física teórica propriamente dita, no sentido moderno do termo começa, ao contrário, a desenvolver-se na Europa do Norte a partir da metade do século XIX, sobre as próprias pegadas de Fresnel e Ampére. Será necessário esperar, na França, os anos 20 deste século, para que ela se desenvolva de forma sistemática, por ocasião da adoção das teorias da relatividade e da física quântica. Antes dessa data, a física estava profundamente marcada por uma separação entre a física matemática de um lado, e a física experimental de outro, sem a intermediária entre as duas que seria a física teórica. Existem, na verdade, algumas exceções, mas elas seriam todas recenseadas quando citamos, para a física, Pierre Curie, Henri Poincaré (que apesar de ser físico-matemático, realizou um trabalho realmente teórico, como podemos demonstrá-lo, analisando suas contribuições à relatividade3), Paul Langevin, e, para a química-física, Pierre Duhem e Henry Le Chatelier. Por outro lado, mesmo que a física teórica comece a se impor na França a partir dos anos 20, ela levará algum tempo para se instalar nas estruturas universitárias: foi à margem dessas estruturas que ela surgiu, essencialmente a partir do ensino e da influência de Paul Langevin e de seus discípulos do Collège de France.

5No Brasil, encontramos uma situação um pouco semelhante, guardadas todas as proporções, pois trata-se de uma comunidade científica emergente, e com uma certa defasagem. É possível analisá-la através dos cientistas da época que se interessavam pela física teórica (ou matemática, veremos a seguir), por exemplo, estudando o lugar desta disciplina entre os trabalhos da recente Academia Brasileira de Ciências. A esse respeito, é sintomático que a teoria da relatividade, que foi a reveladora da nova ordem da física, ocasionou, ao mesmo tempo, o combate decisivo de matemáticos e físicos-matemáticos adeptos das concepções modernas contra a influência positivista e sua concepção estática das ciências matemáticas e das ciências teóricas. Mas o contexto positivista não basta para justificar a tonalidade própria desta física matemática ou teórica que começa a aparecer no Brasil, de modo significativo, em torno dos anos 20. Sem entretanto minimizar a importância dos fatores filosóficos ou ideológicos, é necessário evocar outros, intrínsecos do próprio campo científico, que se denominam estilo científico, metodologia, abordagem disciplinar, e que caracterizam as vias científicas de abordagem de uma ciência. Ora, estes fatores têm, para nosso assunto, o interesse de serem particularmente sensíveis às correntes de influências, essa sensibilidade marcando-se por efeitos bem localizáveis no conteúdo das próprias obras, sejam elas trabalhos de pesquisa ou de contribuições pedagógicas. Os estilos científicos, as vias especificas da compreensão e da pesquisa são indicadores precisos da influência de correntes de pensamento: influência, e não simples copia, pois é preciso levar em conta, no lugar receptor, as condições específicas que levam, em particular, certos deslocamentos e defasagens.

6No Brasil, a influência direta se manifesta, no que concerne à física, na física matemática propriamente dita: a tradição é antiga, sendo o nome mais significativo o do matemático Joaquim Gomes de Souza (1829-1963), autor de uma tese de astronomia (campo privilegiado da física matemática), o qual mantinha relações regulares com a Academia de Ciências de Paris. Com Oto de Alencar Silva (1874-1912), que pertenceu por algum tempo à corrente positivista, dominante entre os matemáticos, e reagiu depois contra o fechamento deste sistema, vemos esboçar-se um interesse pela física propriamente dita: ele publica, em 1906, uma coleção de notas e de artigos sobre a física e a eletrotécnica. Quanto à parte da física experimental, esta permaneceu modesta. Henrique Morizé e seus alunos aso dela bons representantes: a influência francesa é aí igualmente constatada. Mas a ausência de infra-estrutura para o desenvolvimento da física experimental no Brasil constituiu uma limitação fácil de ser compreendida. De tal forma que o aspecto experimental da física é mais representado nas aplicações diretamente técnicas às quais formam as escolas de engenheiros.

7Poucos antes do período que nos interessa, os cientistas brasileiros formados em física encontravam-se, portanto, essencialmente em contato com uma física matemática (por intermédio de obras de matemáticos, de Lagrange e Monge a Poincaré, e de cursos elaborados a partir deles) e com uma física muito aplicada, específica, na verdade, da engenharia; este perfil misto, que lhe outorga sua formação, e que eles eventualmente desenvolverão em sua carreira, é exclusivo da física teórica e mesmo da física experimental. As condições locais – seria inútil detalhá-las aqui, e que se resumem no fato de não existirem universidades, mas somente escolas de engenheiros – bastam para explicar a diferença com relação à tradição que é tomada como modelo.

8O perfil de Manoel Amoroso Costa (1885-1928), um dos cientistas importantes deste período, é característico. Formado pela Escola Politécnica do Rio de Janeiro (onde, tendo como professor Oto de Alencar, que excerceu sobre ele uma profunda influência, leu os matemáticos e os filósofos franceses, dos quais recebeu igual influência), ele possui uma sólida competência técnica: nos o vemos trabalhar durante muitos anos na inspeção federal das estradas e no estudo de novas redes de vias férreas. Ao mesmo tempo, como resultado de seu interesse pela física-matemática, ele defendeu em 1913 uma tese de livre-docência sobre as estrelas duplas, o que posteriormente lhe permitiu ser nomeado professor junto à Escola Politécnica, onde ele formou especialmente Teodoro Ramos e Lélio Gama, cujo papel, no período que nos interessa, será preponderante.

  • 4 Por outro lado, Amoroso Costa résidirá muitas vezes na França, freqüentando cursos e ministrando p (...)

9A influência científica dos matemáticos e dos físicos-matemáticos franceses é atestada pelos trabalhos de Amoroso Costa, pelo tema de sua tese, retomado de Poincaré (que propos uma hipótese sobre a formação das estrelas nas suas «Leçons sur les hypothèses cosmogoniques») e pelas suas referências. Esta influência é também visível em outros cientistas, tanto nos programas de curso, como nos livros das bibliotecas (no caso da influência de Poincaré, por exemplo, pelas suas obras sobre mecânica celeste e de probabilidades4). Após Poincaré, a escola francesa de Painlevé, Darboux, Borel, Picard exerce igualmente uma influência preponderante até o início dos anos 20: são lidos, traduzidos, servem de inspiração. Na física é, pois, a via da física matemática francesa que faz escola na geração dos cientistas brasileiros que inauguram a física teórica no seu país. Esta influência da física matemática, constata-se também a contrario, até meados dos anos 20, pela ausência de referência aos físicos teóricos franceses propriamente ditos, que são por exemplo Pierre Curie ou Paul Langevin (quanto aos estrangeiros, eles são conhecidos, no que é essencial, através das traduções em francês).

  • 5 Sociedade Brasileira de Ciências, Atas das Sessões do Setor de Ciências Matemáticas, 1916. Arquivo (...)
  • 6 R.V. Caffarelli. «Einstein e o Brasil». Ciência e Cultura. (31): 1435-1455, dez. 1979.
  • 7 Arquivos Einstein.

10Os debates sobre a teoria da relatividade são muito instrutivos a esse respeito. Eles começam em 1919, ano da expedição destinada a verificar a hipótese da relatividade geral sobre a curvatura dos raios luminosos que passam próximos do sol, organizada sob a iniciativa de Eddington em Sobral, no nordeste brasileiro, e na qual participaram Morizé e Lélio Gama. Aos sete de junho do mesmo ano, Roberto Marinho apresentou um trabalho sobre o princípio de relatividade5, que foi aprovado para publicação sob a sugestão de Amoroso Costa. A relatividade ocupará muitas sessões da Academia, especialmente em 1922, com a conferência de Emile Borel e, em 1925, por ocasião da breve visita de Einstein ao Brasil, vindo de Buenos Aires6. Se o resultado dos debates revela-se importante, porque assegura, como conseqüência, a derrota dos positivistas na Academia (identificados como oponentes à relatividade, e conduzidos por Licínio Cardoso), o conteúdo desses debates é, na realidade, um pouco decepcionante (o próprio Einstein assinalará, aliás, esta decepção em seu diário intímo mantido durante sua viagem na América do Sul7: ele não encontrou um verdadeiro interlocutor; aquele que poderia tê-lo sido, Amoroso Costa, viajava então pela Europa). Tal aconteceu porque a geração de físicos relativistas é muito jovem e o número daqueles que compreendem verdadeiramente a nova teoria física é restrito. Com Amoroso Costa, que faz figura de líder do grupo, vêm Roberto Marinho, Teodoro Ramos, Sodré de Gama, Lélio Gama, e alguns outros, que em torno desses anos dão suas primeiras contribuições científicas.

  • 8 M. Amoroso Costa. As idéias fundamentais da matemática e outros ensaios. São Paulo, Ed. EDUSP, Col (...)

11Entre eles foi Amoroso Costa que, em 1922, escreveu um pequeno livro expondo as idéias essencias da teoria de relatividade8. É interessante analisar a maneira como a teoria é apresentada, sem esquecer de compará-la a outras obras de volume semelhante e publicadas em torno desta época: (as conferências de Einstein, em Princeton, em 1921, uma pequena obra de Paul Langevin, também publicada em 1921, uma outra de Emile Picard, no mesmo ano), ou ainda lembrar as diversas maneiras de argumentar sobre os conceitos da teoria, sua formulação matemática, sua relação com a experiência, tal como, por exemplo, elas se confrontaram na Academia de Ciências de Paris, entre 1920 e 1922.

  • 9 M. Paty. «The scientific reception of relativity in France». In: Th. Glick (ed), The comparative r (...)

12Rapidamente, notamos que os argumentos dos opositores à relatividade, os de Licínio Cardoso, por exemplo, são muito semelhantes àqueles de seus homólogos franceses (a fidelidade aos conceitos fundamentais da mecânica clássica toma as mesmas formas nas considerações deste professor de mecânica e nas de Auguste Lecornu, titular da cadeira de mecânica, na Sorbonne). Entre os partidários das idéias relativistas, observam-se diferenças entre os físicos-matemáticos (alias, freqüentemente céticos, nos debates na França, tal como Emile Picard, antes que eles fossem convencidos, como Painlevé, pelo próprio Einstein) e os físicos teóricos: Borel sendo um exemplo dos primeiros, Langevin dos segundos. Uns e outros oferecem uma leitura diferente da teoria (edifício antes de tudo matemático para uns, teoria física para outros; os primeiros enfatizando o formalismo matemático, os segundos insistindo sobre o sentido físico dos conceitos: ver, em particular, as diferentes interpretações dadas ao elemento invariante ds2 das linhas do universo9). Mesmo sendo um partidário convicto da teoria, Amoroso Costa a apresenta sobretudo segundo os cânones da física matemática, insistindo sobre o enunciado do formalismo, desenvolvendo, depois, as idéias segundo as vias dedutivas, mais do que segundo os cânones privilegiados, por exemplo, por um Langevin, o qual insiste sobretudo no sentido físico dos conceitos empregados. O aspecto conceitual propriamente dito intervém sobretudo, em Amoroso Costa, na apresentação histórica, que é, de certa forma, sua maneira de conciliar as duas exigências.

13Por esse caráter, o texto de Amoroso Costa apresenta uma originalidade na literatura – muito abundante – sobre o tema, na época. Ao mesmo tempo, ele é o testemunho de uma influência e de sua defazagem contextual. Essa influência é a da via francesa da física matemática, na forma de compreender e de apresentar a teoria-uma teoria que é aceita sem hesitações, nem reservas, seguindo mais Borel do que Picard ou Painlevé. Como nota de originalidade, assinalamos a menção às contribuições de Poincaré no que concerne a relatividade do tempo e do espaço-geralmente esquecidas em 1922, nos textos publicados na Europa, onde prima mais a lembrança de uma oposição do grande matemático à teoria de Einstein-; essa menção marca ainda, à sua maneira, a filiação.

  • 10 Em uma situação periférica à capital do Brasil e, pois, dentro de um contexto provalvelmente um po (...)
  • 11 Langevin veio só uma vez ao Brasil, quando de seu regresso de Buenos Aires, em 1928, aí permanecen (...)

14Existe, nas referências dos textos desta época, nos de Amoroso Costa e de outros partidários da relatividade, uma ausência surpreendente: a de Langevin, apesar deste ter sido na França aquele que ensinou a teoria da relatividade tanto aos físicos como aos matemáticos. Mas as vias de transmissão, no Brasil, foram decididamente as dos matemáticos considerados como fontes primeiras-além de algumas obras, mais raras, obtidas através de canais diferentes, como a tradução em francês dos textos de Einstein, em 1921, ou de uma tradução espanhola, em 1922, do livro do filósofo Moritz Schlick sobre o espaço e o tempo (livro muito apreciado por Einstein), obras nas quais se inspirou Amoroso Costa. De uma maneira geral, Langevin parece ser pouquíssimo conhecido no Brasil até a metade dos anos 2010 e não parece ter tido uma influência direta sobre a primeira geração dos físicos-teóricos que mencionamos11: o que bem confirma que a via brasileira da física teórica emergente é a da física-matemática à la française, a qual constituiu, na própria França, o principal canal de acesso a uma física teórica que enfrentava problemas para encontrar seu lugar entre as ciências matemáticas, puras e aplicadas, e a física experimental.

15Foi essencialmente pelo canal universitário e pelos livros, que os cientistas brasileiros tiveram acesso a esta via: e não é surprendente que a tendência «teórica», representada por Langevin, tenha ficado fora desses canais (ele ensinava no Collège de France e publicava em revistas, menos difundidas que os livros de ensino), não tendo influência direta, pelo menos até um certo período. Mas esta corrente iria revelar-se de uma importância decisiva para o desenvolvimento da física teórica na França. Esta constatação nos remete, quanto à avaliação das influências e das defazagens, à importância das vias institucionais, da documentação impressa e dos intercâmbios.

Notes

1 L. Boltzmann, «Reise eines deutschen Professors ins Eldorado», in L.B., Populäre Schriften, Barth, Leipzig, 1905. Trad. francesa de Ulrike Bockskopf e Didier Aviat, Voyage d’un Professeur allemand en Eldorado et autres écrits populaires, Actes Sud, Arles, 1987.

2 Cf. p. ex. J. Ben-David, «The rise and decline of France as a scientific center». Minerva, n.8, 1970, 160 sq.

3 M. Paty, «Invention et réception d’une nouvelle théorie et tradition scientifique: le cas de la relativité restreinte et des savants français Poincaré et Langevin». Revista Brasileira de História da Ciência. (2): 6-20, jul./dez. 1985.

4 Por outro lado, Amoroso Costa résidirá muitas vezes na França, freqüentando cursos e ministrando palestras na Sorbonne.

5 Sociedade Brasileira de Ciências, Atas das Sessões do Setor de Ciências Matemáticas, 1916. Arquivos da Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro.

6 R.V. Caffarelli. «Einstein e o Brasil». Ciência e Cultura. (31): 1435-1455, dez. 1979.

7 Arquivos Einstein.

8 M. Amoroso Costa. As idéias fundamentais da matemática e outros ensaios. São Paulo, Ed. EDUSP, Col. Convívio, 1981.

9 M. Paty. «The scientific reception of relativity in France». In: Th. Glick (ed), The comparative reception of relativity. Reidel, Dordrecht, 1987. p. 113-167.

10 Em uma situação periférica à capital do Brasil e, pois, dentro de um contexto provalvelmente um pouco diferente, Langevin é mencionado numa conferência do jovem professor de física, Luiz Freire, em Recife, em 1924. Cf. Luiz Freire, As teorias de Einstein, conferência realizada. no Gabinete Português de Leitura, no dia 30 de abril de 1924, cm Recife. (manuscrito amavelmente cedido por Ivone de Albuquerque Freire e Amélia Hamburguer).

11 Langevin veio só uma vez ao Brasil, quando de seu regresso de Buenos Aires, em 1928, aí permanecendo apenas poucos dias e realizando duas conferências na Associação Brasileira de Educação.

Auteur

Équipe REHSEIS (Recherches Épistémologiques et Historiques sur les Sciences Exactes et les Institutions Scientifiques) – ER 318 du CNRS-Paris.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540