Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. L’image scientifique et technologique/A imagem científica e tecnolôgica

A presença francesa e a formação de tradições em Ciências Exatas e Naturais no Brasil

Maria Amélia M. Dantes

Texte intégral

1Procurando, no passado, a forma como se transformou o relacionamento dos homens de ciência brasileiros com a ciência francesa, devemos considerar, de início, dois níveis.

  • 1 Esta preponderância dos livros franceses foi constada por X. Polanco, Mathématiques et Mathématici (...)

2De um lado, a relação com o mundo cultural francês, berço da civilização, que acompanhou os intelectuais brasileiros até os anos de entre-guerras. Nesse período, o Brasil manteve um intenso intercâmbio cultural com a França; a língua francesa, foi, até então, a segunda língua da maior parte dos intelectuais brasileiros. Em francês, chegava ao Brasil, não apenas a cultura francesa, como tambem, a de outros países, e em particular, a ciência. Sobretudo no ensino, secundário e superior, os manuais de autores franceses continuaram sendo largamente utilizados, até a segunda grande guerra1.

3No entanto, o que nos interessa aqui, é o papel desempenhado pela tradição científica francesa no processo pelo qual a atividade científica se diferenciou no Brasil, tornando-se uma atividade institucionalizada. Neste texto, vamos considerar alguns momentos significatives da história das Ciências no Brasil. Inicialmente, em meados do século XIX, o papel do Positivismo e das teorias evolucionistas, na difusão de um cientificismo no país; ainda no século XIX, a presença de cientistas franceses e sua atuação na formação de algumas das primeiras tradições científicas brasileiras; um terceiro momento, de grande interesse para a história das ciências no Brasil, é o da criação dos institutos de ciências biomédicas, criados segundo o Instituto Pasteur de Paris; por fim, já no período entre-guerras, a criação das primeiras universidades brasileiras, os primeiros centros de «ciência desinteressada» no país.

Positivismo e cientificismo na segunda metade do século xix

4Podemos dizer que a ciência começou a ser institucionalizada no Brasil, com a criação em 1810, logo após a chegada de D. João VI, das primeiras escolas profissionais de engenharia militar e de medicina, segundo o modelo das escolas francesas do período revolucionário. Nestes anos, foi criado, também, na cidade do Rio de Janeiro, um Museu de História Natural, que permaneceria até a segunda metade do século XIX, como o mais prestigioso centro brasileiro de estudos em Ciências Naturais.

  • 2 F. Azevedo, A Cultura Brasileira, 4° ed., Brasilia, Ed. Univ. Brasilia, 1963) 1° ed. de 1944), p. (...)

5No entanto, a existência de uma base institucional, não diminui a força da «desproporção entre o progresso literário e o desenvolvimento científico» no Brasil, como escreve Fernando de Azevedo, em seu livro A Cultura Brasileira2.

  • 3 V., Por ex., Roque Spencer M. Barros, A Ilustração Brasileira e a Idéia de Universidade, 2° ed., S (...)

6Foi durante o Segundo Império (1840 a 1889), sobretudo em sua parte final, com uma maior estabilidade política interna, o enriquecimento advindo da produção cafeeira e o maior contato do país com os valores materiais e culturais das sociedades industrializadas, que se observou uma certa valorização dos estudos científicos no Brasil. Eram anos favoráveis à acolhida por parte das dites brasileiras, das teorias filosóficas evolucionistas, em voga na Europa. Entre estas doutrinas, foi o Positivismo de Augusto Comte que se difundiu mais rapidamente e mais profundamente entre os intelectuais brasileiros. Esta larga aceitação parece ter se devido sobretudo à sua contribuição a un projeto político de integração do país à «cultura ocidental mais avançada3».

7Para o estudo das relações científicas entre Brasil e França, a difusão do Positivismo é de interesse, não apenas pela sua contribuição a uma valorização dos estudos científicos, presente, por ex., nas políticas educacionais do final do século, como, também, pelo acesso que trouxe, a algumas áreas da tradição científica francesa. A imagem da ciência francesa veiculada pelos textos positivistas, não era atualizada, porém, acabou contribuindo para o desenvolvimento de uma produção brasileira em Filosofia, e em algumas disciplinas científicas.

  • 4 A primeira tese de inspiração positivista foi a tese de Fisiologia «Piano e Método de um curso de (...)

8As idéias positivistas, trazidas por jovens brasileiros da Europa, começaram a ser introduzidas no Brasil, por volta de 1850, alastrando-se rapidamente entre os profissionais das escolas de engenharia militar e de medicina. Chegando ao Brasil como representantes da moderna ciência positiva4, as obras de Comte atraiam os jovens profissionais brasileiros por sua abrangência e por seu rigor lógico.

  • 5 V. H. Rheinboldt, «A Química no Brasil» In F. Azevedo, As Ciências no Brasil, 2° vol, S. Paulo, Ed (...)

9Assistimos, então, ao início de uma produção de teses acadêmicas de inspiração positivista, que se estende até o final do século XIX, nas diversas áreas científicas: matemática, física, química, medicina. A análise destes textos, revela-nos que foi sobretudo enquanto produção erudita e retórica, que as ciências «positivas» foram introduzidas no Brasil. O valor dessas teses é inconstante, no entanto, algumas espantam pela erudição. Seguindo a própria estrutura das obras de Comte, em geral fazem uso da História das Ciências e são caracterizadas por um rigor de método (ao menos em relação aos princípios da filosofia positivista). No entanto, em geral, estavam defasadas das aquisições científicas mais recentes. As excepções ficaram por conta dos positivistas heterodoxos, como Alvaro Joaquim de Oliveira que, em seus livros, difundia as novas teorias da Química Orgânica5.

  • 6 Ainda no século XIX, em Pemambuco, filósofos formados na tradição positivista, como Tobias Barreto (...)

10Foi, assim, pela obra de positivistas, que teve início no Brasil, uma produção de estudos científicos, sobretudo nas diversas áreas das matemáticas e da medicina. O ensino das matemáticas nas escolas profissionais brasileiras continuou sendo marcado pela concepção positivista até as primeiras décadas do presente século. Foram, ainda, matemáticos formados nesta tradição, como Oto de Alencar que, por volta 1900, iniciaram um movimento de crítica às obras científicas de Comte6. É dificil compreender sua obra fora da tradição iniciada pelo Positivismo.

A presença de cientistas franceses na formação de alguns centros de pesquisa científica no brasil

11Até aqui, tratamos de uma valorização dos estudos científicos que, parte integrante da cultura européia, se difundiu no Brasil. O estudo do desenvolvimento de centros de pesquisa científica brasileiros no final do século XIX, nos mostra, no entanto, que foi determinante para a formação de alguns destes centros, a presença de pesquisadores estrangeiros.

12No Século XIX, a presença temporária de cientistas estrangeiros no Brasil, foi intensa. Basta lembrarmos dos naturalistas-viajantes de varias nacionalidades, que exploraram o território brasileiro e que, em suas obras, descreviam o meio físico, a fauna e a flora, e a sociedade locais. Em alguns casos, esses viajantes faziam parte de expedições apoiadas pelos governos de seus países. Mas, tambem, eram comuns viagens isoladas, de indivíduos aventureiros, em busca dos mistérios do mundo tropical.

  • 7 O Museu Imperial do Rio de Janeiro não conseguiu formar até meados do século XIX, um acervo que fo (...)

13No entanto, em geral, a atividade destes naturalistas-viajantes constituiu-se em um prolongamento da ciência européia. Como resultado destas viagens, ampliou-se o conhecimento das diversas regiões do globo, enriqueceram-se os museus europeus, porem, pouco dinamizou-se a atividade de pesquisa no Brasil7. É verdade, que ai entra um outro elemento: o interêsse das elites locais na implantação da atividade científica.

14Como vimos, na segunda metade do secúlo XIX, difundiu-se uma ideologia cientificista no Brasil, fortalecida pelas demandas de uma sociedade que se modernizava. Após 1870, o governo imperial tomou uma série de medidas para a atualização do ensino profissional e para melhorar o desempenho das instituições científicas exisentes. Para tal, foram enviadas missões oficiais à Europa e foram contratados professores e cientistas estrangeiros. Dentre estes, alguns permaneceram por um tempo mais longo no país, contribuindo de forma mais efetiva para a implantação de centros de pesquisa para e a formação de tradições científicas.

  • 8 V. L. Pyenson, Cultural Imperialism and Exact Sciences: German Expansion Overseas 1900-1930, N. Yo (...)

15Certamente, não podemos identificar D. Pedro II com o Estado brasileiro, porém, algumas das mais importantes medidas do governo imperial relativas à ciência, foram por ele influenciadas. Aficcionado das ciências, amigo particular de cientistas franceses e membro correspondente da Academia de Ciências de Paris, o Imperador teve uma atuação decisiva na contratação de pesquisadores franceses para as instituições brasileiras. Sua atuação parece ter sido o fator determinante para que, durante o período imperial, não tenha existido no país uma presença científica alemã significativa, como aconteceu em outros países da América Latina8.

  • 9 A mais completa referência sobre esta instituição é o livro de J. Murilo de Carvalho, A Escola de (...)

16Assim, devido à sua atuação, foi contratado o geólogo francês Henri Gorceix, para a organização e direção da primeira escola de engenheiros de minas do país, a Escola de Minas de Ouro Preto, criada em 18769. Gorceix, que tinha uma boa reputação entre os geólogos franceses e era dotado de espírito aventureiro, chegou ao Brasil em 1874 e procurou implementar, na escola, um ensino mais prático e que introduzisse os alunos nos métodos da pesquisa científica.

17Muito ligado ao imperador, Gorceix contou com o seu apoio nos períodos difíceis da criação da Escola de Minas, quando sofreu a oposição dos professores das escolas de engenharia mais antigas. Com o final do período imperial, teve seu trabalho truncado, não conseguindo realizar seu piano inicial do mapeamento geológico da província de Minas Gerais. No entanto, a Escola de Minas de Ouro Preto, por sua atuação, marcou época pela excelência de seu ensino e acabou formando as primeiras gerações de geólogos brasileiros.

18A atuação de D. Pedro II tambem esteve ligada à presença do astrônomo francês Emmanuel Liais que teve um papel importante na introdução dos estudos astronômicos no Brasil.

  • 10 Na verdade, Liais colocou como uma das condições para que aceitasse o cargo de direção, o desligam (...)

19Na cidade do Rio de Janeiro havia um observatório desde 1827 que, no entanto, só tornou-se independante da escola de engenharia, constituindo-se como um centro de pesquisa, a partir da contratação de Liais para o cargo de direção, em 187010.

20Astrônomo de carreira, discípulo de Le Verrier e Faye no Observatório de Paris, Liais já havia estado no Brasil em missão científica para observação de uma eclipse solar, em 1858, quando fez explorações na costa de Pernambuco e nos rios das Velhas e São Francisco. Era, assim, já um estudioso da geografia brasileira e da astronomia do hemisfério sul, quando assumiu a direção do Observatório do Rio de Janeiro.

  • 11 Neste congresso ficou patente o alinhamento dos astrônomos brasileiros com os franceses: os dois p (...)
  • 12 V., Por ex., Ronaldo R. F. Mourão, «A Astronomia no Brasil» In M. G. Ferri e S. Motoyama (eds), Hi (...)

21Durante a sua gestão, instalou um instrumental mínimo para a realização de pesquisas de nível internacional, formou jovens pesquisadores e colocou a instituição em contato com observatórios de outros países. Sua permanência foi curta (de 1870 a 1881), porem, seu trabalho foi continuado pelo engenheiro belga Louis Cruls, seu discípulo, que permaneceu na instituição até 1908. Nestes anos a instituição brasileira começou a fazer parte da comunidade de astronomia internacional, trocando suas publicações com as de outros observatórios e participando de reuniões, como a de 1884 em Washington, para a determinação do meridiano de referência e da hora mundial11; ou a de Paris, em 1887, quando foi elaborado um programa internacional de levantamento do mapa do céu por fotografia. Neste anos, o Observatório do Rio de Janeiro já tinha um corpo de astrônomos, reduzido, mas em condições de realizar pesquisas de nível internacional. No entanto, nem sempre recebeu apoio financeiro do governo brasileiro. Apesar das dificuldades, participou com sucesso do programa internacional de observação da passagem de Vênus pelo disco solar, em 1882; porém, mesmo com instrumental doado por D. Pedro II, não conseguiu realizar o mapeamento do céu brasileiro por fotografia, o que foi feito pelo Observatório de La Plata, na Argentina12.

22Contribuiu para a continuidade da tradição iniciada por Liais, o reconhecimento da função social de um observatório nas sociedades modernas (desde sua criação, o Observatório do Rio de Janeiro prestava serviços, como a determinação da hora local, a elaboração das efemérides). A situação era mais complexa para áreas de pesquisa não aplicada, como a Fisiologia, que, tambem, em seus primórdios no Brasil, contou com a presença de um pesquisador francês, o biólogo Louis Couty.

23Contratado como professor de Biologia Agrícola da Escola Politécnica do Rio de Janeiro, Couty, aluno de Vulpian e de Brown-Séquard, foi convidado por D. Pedro II para dirigir o Laboratório de Fisiologia a ser instalado no Museu de História Natural do Rio de Janeiro.

  • 13 V. José R. Valle, «Alguns aspectos da evolução da Fisiologia no Brasil» IN M. G. Ferri e S. Motoya (...)

24A aréa de Fisiologia era, durante o século XIX, uma área de prestígio da ciência francesa, sobretudo pelos trabalhos realizados por Claude Bernard. Entrando em contato com a obra deste cientista durante sua viagem à Europa em 1872, D. Pedro II concebeu o piano de criação deste primeiro centra de estudos fisiológicos brasileiro13. Com as poucas verbas de que dispunha, nos três anos que dirigiu o laboratório, Couty e seu auxiliar, o médico João Batista Lacerda, realizaram pesquisas pioneiras, utilizando exemplares da flora e da fauna brasileiras. Após a morte de Couty em 1884, o laboratório continuou atuando sob a direção de Batista Lacerda, porém, não chegou a formar uma tradição de pesquisas em Fisiologia. O meio médico brasileiro era, então, bastante refractário à nova concepção da Medicina Experimental criando barreiras, assim, à implantação das estudos fisiológicos no país.

Um exemplo de transplantação de modelos institucionais: a criação dos institutos de ciências biomédicas no brasil

25A transplantação de modelos institucionais tem sido um dos canais de relação científica.

  • 14 Os cientistas das primeiras décadas do presente século consideravam tradicional e ultrapassado o t (...)

26Vamos aqui considerar um exemplo de transplantação de um modelo de instituição científica para o Brasil: o das instituições de pesquisas microbiológicas, dos últimos anos do século XIX e início do século XX. Estas instituições são consideradas um marco na História das Ciências no Brasil, por terem introduzido no país uma nova concepção de ciência, a ciência de laboratório14.

27Como, e por que, estas instituições foram então implantadas no Brasil?

28Inicialmente, isso se deveu ao prestígio que a Microbiologia adquiriu na Europa, No mundo científico, esta disciplina, bem como a Fisiologia, trazia a promessa de uma Medicina mais científica, pelo uso sistemático da experimentação. Os primeiros sucessos, como o do contrôle da hidrofobia pela vacina, empreendido inicialmente por Pasteur em 1885, tambem contribuíram para que pesquisadores do mundo todo se voltassem para a «caça aos micróbios».

  • 15 O próprio Instituto Pasteur se dedicava ao estudo das doenças tropicais. Da mesma época eram os in (...)

29Tratando, assim, diretamente, com o estudo da etiologia e combate às doenças, a Microbiologia foi integrada e revolucionou os programas governamentais de saúde pública. Interessava, particularmente, aos governos imperiais, pela possibilidade de contrôle das doenças tropicais, que vinham dificultando o processo de colonização15.

  • 16 Até o final do século XIX, a ideologia do sistema colonial difundiu uma crença na insalubridade da (...)

30Aos governantes brasileiros, tambem interessava o contrôle das doenças infecciosas existentes no país, uma vez que sua persistência denegria a imagem do país no exterior e tornava-se um empecilho à política de atração de trabalhadores europeus para as lavouras16. Foi esse interesse governamental que favoreceu a introdução dos estudos microbiológicos no Brasil, já que, como vimos, no final do século XIX, a classe médica brasileira era refratária às áreas da Medicina experimental.

31A primeira iniciativa partiu de D. Pedro II que, em 1883, convidou, sem sucesso, Pasteur a desenvolver estudos sobre a febre amarela, no Brasil. Como parte deste movimento, foi criado no Rio de Janeiro um Instituto Pasteur, que se limitava, no entanto, à produção de soros anti-rábicos.

32Foi, assim, com os governos republicanos, que foram implantados programas de saúde pública, apoiados nas modernas teorias microbianas. O modelo completo, com instituições de pesquisa e de produção de medicamentos, de contrôle da higiene e de fiscalização dos alimentos, já estava contido no projeto de criação do Serviço Sanitário de São Paulo, centro da produção cafeeira brasileira, elaborado em 1892. Foi contratado para a direção do Instituto Bacteriológico o pesquisador francês Felix Le Dantec, que pouco permaneceu no Brasil. Foi, assim, um médico brasileiro formado na Europa, Adolfo Lutz, microbiologista extremado, que deu início aos trabalhos da instituição sobre as doenças infecciosas existentes no país.

  • 17 Sobre o Instituto de Manguinhos, v. Nancy Stepan, Beginnings of Brazilian Science, N. York, Scienc (...)

33No entanto, o mais importante instituto brasileiro de estudos microbiológicos, o Instituto de Manguinhos, só foi criado em 1900, na cidade do Rio de Janeiro. Inicialmente um centro de produção de soros e vacinas para o combate à epidemia de peste bubônica, sob a direção de Oswaldo Cruz, médico brasileiro que havia se especializado no Instituto Pasteur de Paris, esta instituição tornou-se um instituto de Medicina Experimental17.

  • 18 Nestes anos, estava no Brasil uma missão do Instituto Pasteur de Paris, com os pesquisadores March (...)

34O processo de reconhecimento de suas atividades, no entanto, foi longo. Nos primeiros anos, durante as campanhas de combate ao mosquito transmissor da febre amarela, em 1903,18 e da vacinação obrigatória contra a varíola, e em 1904, houve uma grande resistência da população e da classe médica, aos métodos da medicina preventiva. Foi somente após 1907, quando foi premiado com a medalha de ouro do Congresso Internacional de Higiene, em Berlim, que o Instituto de Manguinhos passou a ser a mais prestigiosa instituição científica brasileira.

35O prestígio dizia respeito não apenas à própria instituição, como também, ao modelo de pesquisa científica por ela desenvolvido. Ainda em 1927, era criado nos mesmos moldes, em São Paulo, um Instituto Biológico para o estudo e combate a doenças que infestavam as plantações de café.

A presenca de cientistas estrangeiros nas primeiras universidades brasileiras

36As primeiras universidades brasileiras, e com elas, o ensino da ciência «desinteressada» e a formação de pesquisadores, foram instaladas nos anos trinta: a Universidade de São Paulo, em 1934; e a Universidade do Distrito Federal, em 1935, Foi essencial para a implantação destas universidades, ainda, a presença de pesquisadores estrangeiros, que tiveram um papel determinante no desenvolvimento de modernas tradições de pesquisa, tanto em ciências humanas, como em ciências exatas e naturais.

37A criação destas universidades constituiu o acme de um movimento que se prolongou pelos anos vinte, em defesa de uma modernização do sistema educacional brasileiro e, especificamente, da introdução de cursos superiores de ciência pura no país. Nestes anos, como vimos, as instituições científicas brasileiras de prestígio eram os institutos de ciências biomédicas, considerados, no entanto, como centros de ciência aplicada.

  • 19 J. Jerônimo Alves, pós-graduando na USP, vem desenvolvendo tese de doutoramento sobre o tema «Hist (...)

38Segundo estudos recentes19, esta campanha pela ciência pura e pela implantação da universidade no Brasil, seguia de perto idéias, então, bastante difundidas na comunidade científica francesa, o que revela a permanência, entre as elites brasileiras nos anos do período entre-guerras, de uma forte relação com a cultura francesa. Eram francófilos, não apenas muitos dos membros da Academia Brasileira de Ciências e da Associação Brasileira de Educação (instituições líderes do movimento pela universidade), como, tambem, os próprios fundadores da Universidade de São Paulo: os jornalistas Júlio de Mesquita Filho e Paulo Duarte, e o empresário e político Armando de Salles Oliveira.

  • 20 V., por ex., G. Martinière, Aspects de la coopération franco-Brésilienne – Transplantation Culture (...)

39Nos primeiros anos do presente século, contribuiu para o permanência dos laços culturais entre os dois países, a busca, por parte dos dirigentes franceses, de um fortalecimento dos laços de amizade da França com os demais países «latinos» da América do Sul, entre os quais o Brasil. Consubstanciado, por ex., na criação do Groupement des Universités et Grandes Écoles de France pour les Relations avec l’Amérique Latine, criado em 1908, que manteve uma programação regular, conjuntamente com os correspondentes brasileiros, de conferências de intelectuais franceses no Brasil e de intelectuais brasileiros na França20.

40Porem, fatores diversos fizeram com que, nas primeiras universidades brasileiras, acabassem não sendo escolhidos professores franceses para as áreas de Ciências Exatas e Naturais. Segundo o depoimento de Júlio de Mesquita Filho, preocupações políticas influenciaram a escolha dos professores:

  • 21 Cit, por S. Schwartzmann, Formação da Comunidade Científica no Brasil, 1979, S. Paulo, Comp. Ed. N (...)

41«Conservávamos para a França, líder da liberal-democracia, aquelas (cadeiras) de que dependia diretamente a formação espiritual dos futuros alunos: filosofia, sociologia, economia política, política, geografia humana, letras clássicas e lingua e literatura francesas. »21

  • 22 Somente no período pós-guerra, a U.S.P. começou a receber cientistas franceses, como o matemático (...)

42Para as áreas de Ciências Exatas e Naturais, foram contratados professores de outros países22.

43A situação instável da Alemanha favoreceu a contratação de pesquisadores das áreas de Química e História Natural. Na Universidade de São Paulo, Rheinboldt e Hauptmann direcionaram as pesquisas em Química para áreas mais acadêmicas da Físico-Química e da Química Orgãnica. Breslau e Rawitscher, professores de Zoologia e Botânica, acabaram introduzindo, não apenas, as linhas de pesquisa, como a organização dos centras universitários alemães de História Natural. Wataghin, em Física, desenvolveu com seus alunos, pesquisas em Física Atômica, em áreas em que havia trabalhado em seus estágios na Italía, Inglaterra e, posteriormente, nos Estados Unidos.

44Nestes anos em que estavam sendo criadas as universidades brasileiras, com a ascenção do nazismo, os Estados Unidos, acolhendo um grande número de cientistas europeus foragidos, tornaram-se um dos mais importantes centras mundiais de ciências. As primeiras gerações de brasileiros formados nas universidades viveram este processo: durante os anos de guerra, toda uma geração de cientistas brasileiros, com o apoio financeiro da Fundação Rockfeller, especializou-se nos Estados Unidos.

45O fortalecimento dos laços políticos, econômicos e culturais entre o Brasil e os Estados Unidos, contribuiu ainda mais para que o papel de referencial cultural e científico, anteriormente desempenhado pela França, passasse a ser relacionado à potencia norte-americana. Esta passagem se acentuou no período pós-guerra, com o abandono progressive do francês como lingua científica.

46Neste breve estudo sobre a presença científica francesa no processo de implantação da atividade científica no Brasil, foram ilustrados alguns dos canais mais importantes da relação científica entre os dois países: a difusão de ideologias, a transplantação de modelos institucionais e a presença de cientistas franceses no Brasil. Nos casos estudados, fica claro que a afinidade cultural e política entre os dois países esta na base da preponderância da tradição científica francesa no Brasil, sobre, por exemplo, a tradição científica alemã do final do século XIX e início do século XX. O que acabou determinando algumas das características desta primeira fase de implantação da atividade científica no Brasil.

Notes

1 Esta preponderância dos livros franceses foi constada por X. Polanco, Mathématiques et Mathématiciens –Étude bibliométrique du «Catálogo Systemático da Biblioteca da Escola Polytechnica do Rio de Janeiro», estudo inédito, contribuição ao Simpósio sobre a História do papel da ciência nas relações entre Brasil e França, realizado em S. Paulo, de 15/18 de setembro de 1987;

2 F. Azevedo, A Cultura Brasileira, 4° ed., Brasilia, Ed. Univ. Brasilia, 1963) 1° ed. de 1944), p. 368;

3 V., Por ex., Roque Spencer M. Barros, A Ilustração Brasileira e a Idéia de Universidade, 2° ed., S. Paulo, EDUSP/Convívio, 1986 (1° ed. 1959). Segundo este autor, a receptividade, sobretudo, à teoria comtiana dos três estados, se deveu à sua correspondência à realidade brasileira;

4 A primeira tese de inspiração positivista foi a tese de Fisiologia «Piano e Método de um curso de Fisiologia», defendida por Justiniano da Silva Gomes na Faculdade de Medicina da Bahia, em 1844. Na pg. 25, o autor escreve: «Conforme o método positivo, hoje empregado em todos os ramos das ciências, deve procurar-se analisar completamente os fenômenos tanto intrinsicamente, como extrinsicamente, sem atendar à causa que os produzem.»

5 V. H. Rheinboldt, «A Química no Brasil» In F. Azevedo, As Ciências no Brasil, 2° vol, S. Paulo, Ed. Melhoramentos, P. 56;

6 Ainda no século XIX, em Pemambuco, filósofos formados na tradição positivista, como Tobias Barreto, haviam iniciado uma crítica às concepções filosóficas de Comte, apoiando-se na obra de filósofos alemães;

7 O Museu Imperial do Rio de Janeiro não conseguiu formar até meados do século XIX, um acervo que fosse representativo da riqueza da natureza brasileira;

8 V. L. Pyenson, Cultural Imperialism and Exact Sciences: German Expansion Overseas 1900-1930, N. York, Peter Lang, 1985;

9 A mais completa referência sobre esta instituição é o livro de J. Murilo de Carvalho, A Escola de Minas de Ouro Preto-o peso da glória, S. Paulo, Comp. Ed. Nacional, 1978;

10 Na verdade, Liais colocou como uma das condições para que aceitasse o cargo de direção, o desligamento da Escola Politécnica.

11 Neste congresso ficou patente o alinhamento dos astrônomos brasileiros com os franceses: os dois países foram os únicos a votarem contra a escolha do meridiano de Greenwich, como meridiano de referência;

12 V., Por ex., Ronaldo R. F. Mourão, «A Astronomia no Brasil» In M. G. Ferri e S. Motoyama (eds), História das Ciências no Brasil, S. Paulo, EPU/EDUSP, 1980, 2° vol., pp. 409/441;

13 V. José R. Valle, «Alguns aspectos da evolução da Fisiologia no Brasil» IN M. G. Ferri e S. Motoyama (eds), OP. Cit., 1° vol., pp. 151/173;

14 Os cientistas das primeiras décadas do presente século consideravam tradicional e ultrapassado o tipo de ciência desenvolvido nos museus de História Natural. V., por ex., M. O. de Almeida, «A mentalidade científica no Brasil», conferência pronunciada no Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, 26/8/1920;

15 O próprio Instituto Pasteur se dedicava ao estudo das doenças tropicais. Da mesma época eram os institutos de medicina tropical de Londres (1899), Liverpool (1899), Hamburgo (1900) e Bruxelas (1906);

16 Até o final do século XIX, a ideologia do sistema colonial difundiu uma crença na insalubridade das regiões tropicais. A Microbiologia, separando a etiologia das doenças das condições climáticas, veio de encontro, assim, ao processo de auto-valorização das antigas colônias;

17 Sobre o Instituto de Manguinhos, v. Nancy Stepan, Beginnings of Brazilian Science, N. York, Science Hist. Publ., 1976;

18 Nestes anos, estava no Brasil uma missão do Instituto Pasteur de Paris, com os pesquisadores Marchoux, Simond e Salimberi, que desenvolveu pesquisas sobre o processo de transmissão da febre amarela;

19 J. Jerônimo Alves, pós-graduando na USP, vem desenvolvendo tese de doutoramento sobre o tema «Histórica da Física no Brasil, de 1920 a 1950». Uma outra referência, é o livra de D. Pestre, Physique et Physiciens en France, 1918-1940, Paris, Ed. Archives Contemporaines, 1984;

20 V., por ex., G. Martinière, Aspects de la coopération franco-Brésilienne – Transplantation Culturelle et Stratégie de la Modernité, 1982, Paris, Pres. Univ. Grenoble, Maison Sc, Homme;

21 Cit, por S. Schwartzmann, Formação da Comunidade Científica no Brasil, 1979, S. Paulo, Comp. Ed. Nacional, p. 200;

22 Somente no período pós-guerra, a U.S.P. começou a receber cientistas franceses, como o matemático Andre Weil, da Escola Bourbaki, de grande influência na produção matemática brasileira.

Auteur

Departemento de História, Faculdade de Filosofia, Letras eo Ciencias Humanas, Universidade de São Paulo. Brasil.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540