Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. L’image scientifique et technologique/A imagem científica e tecnolôgica

Abordagens da história das relações científicas entre o Brasil e a França: fases de influências, estilos científicos, aspectos culturais e institucionais

Maria Amélia Dantes, Michel Paty et Patrick Petitjean

Texte intégral

1Este conjunto de contribuições compreende:

2• Introdução

3• A presença francesa e a formação de tradições em Ciências Exatas e Naturais no Brasil,
Maria Amélia Dantes.

4• Exemplo da influência científica e cultural: as vias específicas da física matemática,
Michel Paty.

5• Dimensão cultural, influências ideológicas e imagens científicas franco-brasileiras, 1850-1940
Patrick Petitjean.

Introdução

6O conjunto das três comunicações que seguem constitui uma comunicação a três vozes, relatando alguns aspectos de uma pesquisa em desenvolvimento, objeto de uma colaboração franco-brasileira. A própria natureza do tema desta pesquisa, tratando do papel da ciência na história das relações entre o Brasil e a França, impunha que ela fosse objeto de uma colaboração entre os historiadores dos dois países. Poder-se-ia ver neste trabalho, que é de certa forma uma cooperação sobre a cooperação, como que um efeito de espelhos refletindo-se infinitamente, onde a imagem recebida da ciência de um país é refletida, absorvida ou refratada, enviando uma outra imagem que não é mais, portanto, a imagem de si mesma, mas de uma interação entre essa ciência e um contexto, entre circunstâncias e atores, diferentes de seu lugar de origem. Todavia, não é somente de imagens como reflexos que se trata aqui, mas de realidades bem tangíveis, tais como as condições e as características de uma tradição científica – a tradição brasileira, de sua gestação ao seu nascimento e ao seu desenvolvimento – na sua relação com uma outra, mais antiga, mas igualmente sujeita à variações, e caracterizada por aspectos específicos e contingentes – a tradição científica francesa.

  • 1 Ver M. Paty e P. Petitjean «Sur l’influence scientifique française au Brésil aux XIXe et XXe siècl (...)
  • 2 Simpósio «A história do papel da ciência nas relações Brasil e França», Universidade de São Paulo, (...)

7O tema da história das relações científicas entre o Brasil e a França, tal como o abordamos aqui, faz parte de uma colaboração iniciada há três anos no âmbito de um acordo CNRS/CNPq com apoio da DCTS do Ministério dos Negócios Estrangeiros francês e também da FAPESP brasileira, sobre a epistemologia e a história das ciências1. Uma primeira etapa do trabalho de pesquisa foi marcada pela realização de um Simpósio sobre o assunto, ocorrido em setembro último, durante três dias, na Universidade de São Paulo2. Essa reunião, concebida mais como um seminário de trabalho do que como uma conferência, deu lugar à apresentação de contribuições de pesquisa (uma dúzia, sobre diversos aspectos), assim como a intercâmbios metodológicos e temátcos entre especialidades de diferentes disciplinas (História, Sociologia etc.), coroados por uma sessão de testemunhos de autores onde elementos inéditos foram revelados. Tais elementos referiam-se, particularmente, à constituição e aos primeiros passos da Universidade de São Paulo, à influência do «bourbakisme» no Brasil e a uma magnífica apresentação feita por Carlos Chagas Filho sobre a colaboração entre a França e o Brasil nas áreas das ciências biológicas e médicas, desde o início do século até os últimos dias da Segunda Guerra Mundial. Essa reunião marcou o início de uma segunda etapa de nossa colaboração, orientada para uma pesquisa mais sistemática e aberta a outros pesquisadores e instituções, principalmente no Brasil. A longo prazo, é nossa intenção realizar trabalhos comparativos sobre situações históricas diversificadas, com outros países co-participantes (europeus, americanos, asiáticos, do Próximo Oriente, da África), a idéia a sendo a de questionar, por esse meio, certas raízes da dependência científica e técnica no âmbito de um programa de estudos sobre «Ciência e Impérios» (entende-se por Impérios o que se liga às grandes potências coloniais, sobretudo do século XVIII ao século XX).

8No que diz respeito ao caso Brasil-França, o tema já é, em si mesmo, bastante rico, dos sábios-viajantes do século XVIII às fundações de Escolas e de Institutos no século XIX, até aos intercâmbios atuais. Assim, foi preciso, no que concerne as comunicações desta mesa redonda, de limitarmo-nos a alguns aspectos, que julgamos significativos e que representam três modalidades distintas do assunto que nos interessa, tanto pelos temas evocados quanto pelos tipos de análises realizadas, diferentes mas complementares. É evidente que estas communicações não apresentam um quadro geral do tema estudado; preferimos trazer ao conhecimento dos participantes deste encontro sobre as «imagens recíprocas» alguns aspectos inéditos, circunscritos e relativamente precisos.

Notes

1 Ver M. Paty e P. Petitjean «Sur l’influence scientifique française au Brésil aux XIXe et XXe siècles», Cahiers des Amériques Latines, Nlle série, 4, Hiver 1985, 31-48.

2 Simpósio «A história do papel da ciência nas relações Brasil e França», Universidade de São Paulo, 15-18 de setembro de 1987.

Auteurs

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540