Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. L’image scientifique et technologique/A imagem científica e tecnolôgica

As imagens científicas, técnicas e industriais: um desafio da cooperação franco-brasileira

Guy Martinière

Texte intégral

Para uma análise científicia das relações culturais internacionais

1Na vasta área das relações culturais internacionais, o campo das relações científicas e técnicas, o que se costuma chamar hoje de cooperação científica e técnica, merece ser identificado com precisão. Certamente, constitui apenas um dos aspectos, freqüentemente considerado como menor, desses intercâmbios intelectuais em que costumamos nos comprazer, de tal modo o mundo das idéias encontrou e ainda encontra, nas artes e na literatura, um espelho natural de expressão. Com certeza, pode-se até considerar que, sem a fecundação inerente aos intercâmbios intelectuais, o meio das artes e das letras seria incapaz de expressar a vitalidade do mundo das idéias. No entanto, se o objeto dos intercambios culturais se presta a uma prática inesgotável, constituindo em si a matéria-prima de numerosos discursos, é preciso reconhecer que a análise científica das relações culturais internacionais ainda esta engatinhando. A fortiori, a análise cientifíca das relações culturais científicas e técnicas internacionais.

2No entanto, os especialistas das relações internacionais começam a defrontar-se com o desafio da ciência e da cultura. Sabe-se, hoje em dia, que a área cultural é ao mesmo tempo uma área de produção, de difusão e de consumo de objetos simbólicos criados por uma sociedade, que contribui a modelar as mentalidades, a orientar os sentimentos. Como tal, é um agente das relações internacionais cujas ações podem ser descritas. Mas esta área é também um terreno de confrontos em que grupos diversificados e forças antagónicas se entrecruzam, e cuja ação opera seja de modo explícito (por exemplo nos acordos de cooperação), seja, a maior parte do tempo, de modo contornado ou oculto; então a área cultural é também um lugar-chave no meio das relações de força da comunicação, em vista da penetração que tem junto às opiniões publicas.

3Então, entre a análise do «fazer» e a do «fazer saber», esboçam-se todas as ambigüidades da noção de informação e de imagem, em que a dimensão científica da cultura tomou o lugar que se sabe, na França, no Brasil e em outros países, a tal ponto que os poderes públicos e os órgãos internacionais até lhe reconheceram um papel no cruzamento da educação, da ciência e da cultura.

  • 1 GUILLEN (Pierre), Preâmbulo, p. 129 do No 46 da revista Relations Internationales, dedicado ao tem (...)

4Não sejamos portanto «angélicos»: a cooperação científica e técnica não é um campo etéreo; nem tampouco um campo fechado de combates em que todos os golpes são possíveis mesmo se, como o escrevia recentemente Pierre Guillen1: «por causa da importância do que esta em jogo – vindo à luz uma nova civilização sob o domínio das inovações científicas e técnicas, arriscando provocar reclassificação e agravar as disparidades entre os povos e as áreas culturais –, a concorrência não estaria ganhando da cooperação, nas relações científicas internacionais?».

5Portanto, não é por acaso – nem por puro conforto intelectual – que os membros do comitê de organização deste colóquio decidiram dedicar um dia e meio (e, em particular, o último dia, aquele dedicado às conclusões gerais) à análise das imagens científicas e técnicas deste colóquio. O lugar das imagens científicas, no caso particular, das imagens recíprocas entre o Brasil e a França, esta simbolicamente calcado sobre uma nova imagem do Brasil, a de sua emergência: isto permite articular imagens científicas e técnicas, através das ciências humanas e sociais, às imagens culturais. Mas abre também un caminho às imagens tecnológicas transmitidas pelos atores econômicos, área em que se destaca o mundo das empresas. Ora, justamente, é neste campo, o das técnicas e do domínio das inovações, através de sua dimensão recorrente – científica – e sua dimensão decorrente – industrial e comercial – que se encontra um elemento-chave das relações atuais entre o Brasil e a França: cooperação e/ou concorrência? Tentaremos, portanto, articular a nossa análise das relações científicas e técnicas com os interesses econômicos do setor industrial, setor que os especialistas das relações internacionais costumam geralmente evocar. A maneira pela qual responderemos a esta pergunta poderá ajudar a abrir a porta de uma nova fase da cooperação entre os dois países; ou então poderá deixar as coisas como estão, isto é, prosseguirem conforme os hábitos adquiridos. Mas será que não foi para desestabilizar os hábitos que o Projeto França-Brasil foi concebido?

As imagens científicas, técnicas e industriais nas pesquisas de opinião e os debates políticos

Uma medida do impacto da influência francesa

  • 2 L’Express do 27 de janeiro ao 2 de fevereiro de 1984: «Será que a França é ainda uma grande potênc (...)

6Uma pesquisa publicada pelo semanário francês de grande tiragem L’Express, no número datado de 27 de janeiro a 3 de fevereiro de 1984, dá-nos uma idéia do impacto da imagem cultural, tecnológica, industrial da França no Brasil. Claro, esta pesquisa internacional encomendada por L’Express e France-Inter, uma estação de rádio do Estado, realizada pelo Instituto Gallup, não estava destinada a avaliar somente a imagem científica, tecnológica e industrial de nosso país, e o Brasil não era o único país pesquisado2. O tema geral da pesquisa era centrado na pergunta: «Será que a França ainda é uma grande potência?». Colocada a 9 de dezembro de 1983, ou seja cerca de três anos depois da chegada da «esquerda» ao poder, esta pergunta estava relacionada com debates de uma atualidade política fértil em desdobramentos que as recentes polêmicas jornalísticas sobre o «declínio», nos últimos meses do ano de 1987, reativaram, numa outra perspectiva da historía da Presidência de F. Mitterrand.

7No entanto, os elementos de resposta provenientes do Brasil merecem consideração. À pergunta colocada: «Será que a França é uma grande potência, uma potência média ou uma pequena?», o Brasil afirmou que a França era de fato uma «grande potência» (com 28% de respostas favoráves), posicionando-se em segundo lugar, logo depois da estimação dos japoneses (30%), e antes da dos espanhóis (27%), enquanto a França era vista como uma «pequena potência» pelos Estados Unidos (27%) e pela Grã-Bretanha (26%). Mesmo se 57% dos Brasileiros entrevistados viam na França uma «potência média», esta última percentagem constituia a estimação mais baixa entre as sete outras nações solicitadas. Um tal resultado deixava portanto aparecer uma das mais fortes taxas de simpatia francófila por parte dos nossos amigos brasileiros. O que, a priori, não surpreende muito. Mas, além disso, esta impressão devia-se ao fato de que a França chegava em 1° lugar, junto aos brasileiros, em matéria de tecnologia, de indústrias avançadas e de armamentos, e em segundo lugar em matéria de produção industrial de exportações e de presença cultural, junto aos outros países entrevistados. Enfim, – e esta observação tinha com certeza incidências sobre a própria evolução da situação política no Brasil em 1984, à pergunta colocada: «Desde a chegada da esquerda ao poder em 1981, será que a influência da França aumentou, diminuiu ou permaneceu estacionária?», 36% dos Brasileiros respondiam positivamente, o que colocava o Brasil à frente dos países que tinham uma visão «positiva» e «simpática» da vida política francesa.

8No entanto, a tendência geral refletida por esta pesquisa não tinha ambigüidade: apesar desta manifestação de grande simpatia, que transparece nitidamente, em particular nas áreas tecnológicas, industriais e culturais, a visão de conjunto dada pela pesquisa é pessimista e traduz a posição da França numa curva descendente. Este declínio, aliás, é confirmado pelo fato da França apenas se colocar em terceiro lugar, junto aos nossos amigos brasileiros, entre os países europeus considerados como os mais importantes da Europa, depois da Grã-Bretanha e da República Federal da Alemanha. Será interessante observar se tais características serão ou não confirmadas pelas pesquisas que serão apresentadas no Brasil, quando da realização do segundo tempo deste colóquio sobre as imagens recíprocas, a ser organizado no Brasil en 1989.

Dilemas e desafios da imagologia do Brasil

9O número impressionante de comunicações apresentadas aqui dará principalmente uma idéia das imagens que o Brasil difunde na França e da maneira como é percebido. Nosso propósito não consiste em apresentar os resultados de uma pesquisa exaustiva mas em desenhar alguns perfis impressionistas que talvez se revelem hipóteses de trabalho não conformistas. Não é muito arriscado afirmar que, fora um círculo muito estreito de especialistas, as imagens científicas e técnicas do Brasil na França não são muito bem recebidas. Até no campo das ciências humanas em que, porém, a criatividade brasileira foi comprovada, em particular na sociologia e na economia, a imagem global do Brasil não é muito «positiva». Ignacy Sachs mostrou claramente o quanto, apesar de se defender, na França, uma tese universitária por semana sobre o Brasil, a comunicação se estabelecia dificilmente. Talvez tal percepção deva-se também ao fato que os resultados dos trabalhos dos pesquisadores em ciências sociais dão imagens muito «críticas» dos problemas brasileiros, em particular dos problemas de desenvolvimento?

10Em todo caso, a visão «negativa» do país aparece preponderante, dissimulando ainda mais as «qualidades» científicas que a pesquisa em ciências sociais traz em si. Este efeito perverso não teria, então, tendência a ocultar os «progressos» de uma pesquisa científica condenada a pôr em destaque as «dificuldades» e os «dramas» do subdesenvolvimento, até mesmo, no melhor dos casos, as «especificidades» da situação brasileira, da «brasilidade», frente às «normas» das sociedades desenvolvidas? Ai está um dos desafios que a política brasileira de «irradiação cultural» terá de reabilitar. E não será fácil promover a correção desta imagem, pois quem ousaria afirmar que o Brasil não deve enfrentar os «problemas do desenvolvimento»?

11De fato, é preciso reconhecer que as problemáticas dominantes das ciências sociais nos anos 1960-1970, articuladas com os dilemas da dupla «desenvolvimento/sub-desenvolvimento», fizeram do Brasil um dos exemplos típicos deste mau-desenvolvimento que os economistas e sociólogos descreveram com aguda racionalidade científica a fim de mostrar a necessidade de «estruturar» o país de outro modo: será que o impasse Norte-Sul não resultava de uma crise de sociedade cujos efeitos perversos necessitavam uma nova ordem econômica internacional, na qual as empresas multinacionais não assegurariam mais o funcionamento primário da divisão fundamental do trabalho? O Brasil, «país-chave do Terceiro Mundo», conforme a expressão de Edouard Bailby, era portanto apreendido através dos dramas do quadrilátero da fome e do polígono da seca; o Nordeste aparecia como a «realidade» trágica dum sub-continente para o qual a palavra «crescimento» era sinônimo de crescimento das distâncias sociais, crescimento do desenvolvimento desigual. A «Terra dos Constrastes» de Roger Bastide significava primeiro a exacerbação dos contrastes diante dos países desenvolvidos da Europa e dos Estados Unidos. As imagens «negras» do Brasil eram portanto ainda mais realçadas para que a sociologia aparecesse como a arte última de salvar o Brasil. E o efeito da «ditadura», do «regime militar», só fazia ampliar a crítica dos intelectuais, no interior como fora do país, afim de reforçar a esperança democrática e a busca de um novo Brasil.

  • 3 Citado no Le Monde do 15 de janeiro de 1974. Sobre este aspecto, ver a obra de Jacques Chonchol e (...)

12Desde então, não nos surpreende que estes mesmos locais do Senado no Palais do Luxembourg tenham acolhido a 12 e 13 de janeiro de 1974 um Colóquio europeu sobre o Brasil, organizado pelos partidos políticos franceses que assinaram o Programa Comum de Governo, ou seja o Partido Comunista, o Partido Socialista e o Movimento dos Radicais de esquerda, assim como por diversas organizações sindicais, entre as quais a Federação da Educação Nacional e outras organizações como a de juristas? O jornal Le Monde, na edição do 15 de janeiro de 1974, citava então longamente trechos das alocuções de François Mitterrand e de Robert Fabre, sob o título: «Os Partidos de esquerda denunciam os objetivos expansionistas do Brasil», Le Monde acrescentava:» O colóquio presidido por M. François Mitterrand, estudou as implicações do «expansionismo brasileiro» em todas as áreas econômicas, políticas, militares e estratégicas... M. Mitterrand estimou que o Brasil aparecia como a «força crescente num continente em total desordem, onde as forças da polícia suplantam as forças políticas. O Brasil, segundo o Presidente, concluía Le Monde, é o policial da América Latina, mas se voltarmos às origens, encontraremos o imperialismo norte-americano que acha no Brasil um trampolim potente dotado de uma grande capacidade de expansão»3.

13No entanto, as imagens do Brasil, tais como os debates políticos as projetavam na opinião pública na França, não eram limitadas a essa visão «crítica» das realidades. A essas imagens «negras» juntavam-se imagens «cor de rosa», idílicas, articuladas sobre o tema da promoção do «milagre brasileiro» e destinadas a seduzir os atores econômicos internacionais a fim de chamar investimentos «estrangeiros».

  • 4 Citado de Le MOCI, Moniteur du commerce international, do 15 de outubro de 1973.
  • 5 Citado do Le Monde do 27 de outubro de 1973.

14Desde alguns anos, e principalmente desde 1971, data da exposição industrial francesa em São Paulo, inaugurada por Valéry Giscard d’Estaing, então Ministro da Economia e das Finanças, chegado «simbolicamente» no «Concorde», a política governamental brasileira de crescimento econômico, jamais sendo manchete de jornal, provocava na França e na Europa uma certa curiosidade entre os responsáveis do mundo econômico. Estes últimos pareciam sensíveis às alusões aos extraordinários «progressos» cumpridos por este país em via de se tornar uma «nação industrial», o que aparecia como um «milagre». Podemos citar, por exemplo, um número especial do Moniteur du Commerce international, revista especializada do Centre Français du Commerce Extérieur, datado de 15 de Outubro de 1973, que apresentava essa manchete: «Brésil, enrichissez-vous». O editorial da mesma revista acrescentava: «Levando em conta a famosa frase de Guizot («Enriqueçam»), o senhor Delfim Netto declarou que «para ser rico, é necessário unir-se». Esta citação foi extraída de uma apresentação à imprensa para a próxima exposição Brasil Export 73, a ser realizada em Bruxelas do 7 ao 15 de novembro próximo. Caracterizando bastante bem o espírito da política econômica brasileira atual, revela ao mesmo tempo o objetivo fundamental da exposição: convidar os europeus a virem enriquecer no Brasil a fim de que o Brasil possa continuar enriquecendo. As empresas francesas, concluía o autor do editorial, mostraram há algum tempo que eram sensíveis a este convite»4. Quanto à campanha publicitária destinada stricto sensu a cobrir o acontecimento de Brasil Export 73, era centrada no tema: «as pessoas que vocês gostariam de encontrar no Brasil estão em Bruxelas», e orientada por esta frase de impacto: «O Brasil não produz somente café»5.

15A partir daí, esta excepcional campanha do Brasil na Europa procurava eliminar todas as imagens econômicas e políticas «negativas» e «criticas», em particular as imagens sociais contrastadas, para transmitir essencialmente as imagens do progresso técnico e industrial de uma nação que esta superando os dilemas do desenvolvimento/sub-desenvolvimento graças às virtudes de uma excepcional fecundidade da realidade brasileira: o dinheiro, o lucro. A promoção das imagens positivas só poderia ser percebida como provocação por parte das dites universitárias e científicas francesas, que cumpriam então um esforço importante par acolher, em condições freqüentemente difíceis, um número importante de pesquisadores brilhantes e intelectuais brasileiros obrigados ao exílio. Resultou disto um profundo divórcio entre, por um lado, o mundo científico francês e brasileiro, acostumado com uma cooperação intelectual nascida do espírito das missões de formação universitária, das quais a mais conhecida foi a missão francesa na Universidade do Estado de São Paulo a partir de 1934, e, por outro lado, o mundo econômico. Disto resultou também o uso quase exclusivamente técnico de uma cooperação oficial, que se efetivou com o acordo de cooperação técnica e científica de 1967, em detrimento de uma cooperação científica que insistia sobre o caráter «fundamental» das pesquisas e se destacava de suas aplicações tecnológicas.

16Mas, no fundo, esta incompreensão não era considerada como tão grave pelos responsáveis econômicos da época, na medida em que a política dos grandes contratos «faraônicos» era definida em termos de grandes trabalhos clés en main e em que a política de implantação de unidades de produção das empresas era pensada em termos de tecnologias transferidas et deslocadas, usando indústrias com mão de obra barata, indústrias poluentes, etc... Ou seja, naquele momento, a cooperação científica e técnica identificava-se sobretudo com a formação de técnicos e de engenheiros brasileiros, necessária para o funcionamento das unidades de produção implantadas sob o controle de técnicos superiores aceitando de se expatriar na perspectiva de um dinheiro-rei. Vivíamos a idade de ouro da cooperação «versão» Agência para a Cooperação Técnico-Industrial e Econômica (ACTIM) que via o Centro Francês de Informação Industrial Econômico (CEFI) de São Paulo ter um papel de braço secular.

Confrontos e interesses da cooperação científica e técnica

A cooperação científica entre a formação das elites universitárias e os imperativos econômicos de assistência técnica

17Tal era portanto a primeira aplicação do Acordo de cooperação técnica e científica assinado entre a França e o Brasil em 1967. Naquele momento, o Brasil do «milagre» fazia um esforço particular para assumir a formação profissional dos técnicos e engenheiros em centros técnicos especializados, à margem das universidades e dos órgãos de pesquisa acostumados a dar prioridade às pesquisas fundamentais.

18O resultado prioritário era a criação ou o desenvolvimento de centros de pesquisas técnicas, criados por ministérios especializados ou empresas de Estado, empenhados em se iniciar ou em dominar o processo de inovação dos países industrializados, a fim de melhor adaptar as suas atividades aos setores industriais considerados como estratégicos. O desenvolvimento do Centra Técnico Aeroespacial (CTA), do Centra de Pesquisa em telecomunicações criado pela Telebrás, do CENPES criado pela Petrobás, o desenvolvimento da Empresa Brasileira de Pesquisa Agrícola (EMBRAPA), do Secretariado Especial à Informática (SEI), do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), etc. se afirmaram no momento em que o papel de agências de financiamento, tais como a FINEP (Financiamento de Estudos e Projetos) ou o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Técnico (FNDCT), era claramente definido no quadro do primeiro Piano Trienal de desenvolvimento científico e tecnológico em 1973. Apenas algumas universidades brasileiras puderam então aproveitar as oportunidades de uma tal «tecnicização» da pesquisa, como por exemplo a Coordenação dos Programas de Doutorado em Engenharia (COPPE) da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

19De fato, a cooperação científica e universitária não podia permanecer por muito tempo à margem desta cooperação técnica já que, além disso, as necessidades gerais do Brasil, no campo da formação, iam crescendo. Por isso, diferentes acordos complementares de cooperação, desta vez de predomínio científico, não demoraram a ser fechados. Dariam à comunidade científica dos dois países meios financeiros novos e regulares. Entre 1975 e 1981, várias disposições complementares do acordo técnico e científico de 1967 foram concluídos, a começar pela disposição complementar assinada em 1975 entre o Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Técnologico (CNPq), antigo Conselho Nacional de Pesquisas. A nível universitário, isto traduziu-se, em 1978, pelo acordo de cooperação inter-universitário colocado sob a dupla responsabilidade do Comité Français d’Évaluation de la Coopération Universitaire avec le Brésil (COFECUB) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de nível superior (CAPES). A primeira aplicação deste acordo inter-universitário foi elaborada na perspectiva de uma formação universitária de tipo «assistência às regiões menos desenvolvidas do Brasil». Esta formação foi portanto, e em prioridade, posta em funcionamento nas regiões do Nordeste. Clara, deixava de lado os resultados obtidos por ocasião da constituição de redes de pesquisadores e professores de alto gabarito, principalmente nas universidades brasileiras do Centra e do Sul, que desde 1964 se tinham oposto aos responsáveis políticos. Mas contribuia para reintroduzir uma parte da comunidade científica então dominada por preocupações de transferências técnicas imediatas. Desde então, novos atores apareceriam no complexo de cooperação. E estes novos atores descobririam, às vezes até com surpresa, a intensidade dos laços tecidos pelas redes de pesquisadores antes de 1964.

20Neste sentido, esta aplicação institucional da cooperação científica e universitária marcava o triunfo de uma política de formação fundamentada na transferência de conhecimentos, cujo período missionário tinha inaugurado a experimentação em território brasileiro entre as duas guerras mundiais, no momento da criação das universidades no Brasil. Michel Paty, José Leite Lopes e alguns outros podem testemunhar o sucesso desta formação de pesquisadores missionários que, até a metade do século XX, usaram o «laboratório» brasileiro como quadro de formação e de pesquisa, conseguindo novos conhecimentos e contribuindo para formar as primeiras gerações de universitários brasileiros. Essas gerações estavam preocupadas em «abrasileirar» «suas» ciências, quer se tratasse das ciências humanas e sociais, quer das ciências da natureza e da vida. Quando a comunidade científica e universitária francesa atravessou a grave crise de adaptação dos anos 1960-1970, que transformou um ensino até então exclusivamente fundado sobre o elogio da cultura desinteressada num ensino levando em conta os valores da tecnicidade, enquanto a irrupção maciça do «savoir-faire» tinha ultrapassado o quadro estrito da formação das escolas de engenheiros, para pôr em questão as tradições universitárias, vimos que a orientação técnico-industrial provocou numerosas rupturas no diálogo franco-brasileiro, instaurado entre comunidades científicas traumatizadas pelo choque político de 1964. Mas a reintrodução da dimensão científica na cooperação, a partir de 1975-1980, provocou rapidamente uma revisão desta orientação, ultrapassando o âmbito demasiado estreito da cooperação concebida exclusivamente sob o aspecto de transferências de conhecimentos. Esta mudança se produziu num momento em que, no Brasil «pós-milagre» – conforme a expressão de Celso Furtado – o peso da comunidade científica, simbolizado pela atuação da Sociedade Brasileira pelo Progresso da Ciência (SBPC), incidiu consideravelmente sobre a democratização do país e a evolução da sociedade civil.

Os novos horizontes científicos, técnicos e industriais da pesquisa em cooperação

21Na mesma época, nos principais países desenvolvidos, a importância de uma orientação científico-técnica da terceira revolução industrial aparecia como o elemento decisivo de uma nova problemática. Sabe-se como, na França, no começo dos anos 1980, um novo diálogo se instaurou entre a ciência e a técnica. Em consequência, uma nova forma de relações de cooperação entre a França e o Brasil não podia deixar de se esboçar. Neste novo modelo de cooperação, a transferência de conhecimentos cede, pouco a pouco, o lugar a uma estratégia de pesquisas conjuntas, a chamada pesquisa em cooperação. Esta estratégia dá uma outra dimensão à política de formação geral graças à identificação de objetivos que respondem a necessidades consideradas como prioritárias pelos dois parceiros. Por outro lado, esta pesquisa em cooperação leva deliberadamente em conta a problemática do desenvolvimento industrial das aplicações técnicas de uma pesquisa científica conjunta que em si ultrapassou a fase missionária e reintroduziu o potencial das rêdes de alto nível implantado pelos pesquisadores antes de 1964. Neste sentido, traz um «a mais» científico na cooperação de assistência universitária nascida do primeiro acordo CAPES-COFECUB, em 1978, ao mesmo tempo no quadro regional nordestino, e ultrapassando-o graças à introdução das universidades do Centro e do Sul. Neste sentido também, induz as dimensões de pesquisa técnica na programação dos trabalhos de pesquisa de alto nível, com parte da elite da comunidade científica brasileira que desde então se avoluma e não se limita mais a brilhantes individualidades. Esta estratégia de pesquisas conjuntas se elabora diante de nos, segundo dois esquemas, entre membros da comunidade européia, mas também entre países industrializados e países recém industrializados como o Brasil. Mostra o quanto a fase de transferências tecnológicas clés en main, na base de contratos comerciais, prezada no mundo das empresas, tornou-se obsoleta.

22O impacto desta estratégia de pesquisa em cooperação está portanto modificando o sistema das relações industriais franco-brasileiras num momento em que o Brasil, apreendido nos mercados como um novo concorrente, em razão do impacto de sua estratégia de exportação, define seus próprios objetivos de gap tecnológico, de domínio da inovação. De fato, no começo dos anos 80, os efeitos das políticas de grandes contratos se esgotaram. Os meios industriais dos países desenvolvidos hesitam em considerar o Brasil como um desses lugares tradicionais de acolhimento, privilegiados e favorecidos pelos meios financeiros preocupados com o processo de reembolso da dívida. Depois de uma fase de entusiasmo de que se beneficiou o Brasil do «milagre» nos anos 1970, a imprensa financeira especializada não apresenta mais este país como um terreno oportuno de investimento. Fascinados pela sedução asiática, inclusive pelo dinamismo concorrencial dos «novos dragões», esta imprensa não perdoa ao Brasil de aparecer como um novo concorrente nos mercados terceiros. Irrita-se em ver transformarem-se os objetivos de assistência e de transferências técnicas dos anos 1970 num perfil de concorrente estimulado pelo valor das capacidades tecnológicas de adaptação aos produtos transferidos clés en main. Irrita-se com a implantação de «reservas de mercado» relativas aos produtos de tecnologias avançadas nascidas da terceira revolução industrial, em que a nova articulação entre ciência e tecnologia representa o desafio industrial fundamental. A partir daí, se não tivermos cuidado, os novos objetivos desta pesquisa em cooperação correm o risco de se defrontar com incompreensões, já que os meios industriais não detêm o monopólio de tais incompreensões.

A promoção de novas imagens: uma política coordenada de comunicação

23Experiências novas são tentadas, claro, como pode testemunhá-lo a reunião do Simpósio Franco-Brasileiro sobre as tecnologias avançadas que se desenrolou em São Paulo entre 30 de março e 3 de abril de 1987. Organizado conjuntamente pelo Comitê francês de manifestações econômicas no estrangeiro (CFME), o Centro Francês de Comércio Exterior e a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), este simpósio procurava identificar «os novos horizontes» da cooperação técnica e industrial, levando em conta a nova dinâmica da cooperação.

24Outros exemplos mostram que este novo estado de espírito tende a se ampliar. Assim, certas empresas de origem francesa cujas filiais tiveram um papel na estratégia de adaptação das tecnologias transferidas conforme a dinâmica de uma industrialização substitutiva de importação da economia brasileira, preocupam-se em integrar melhor o novo potencial brasileiro de pesquisa – desenvolvimento (P/D) na sua própria estratégia de expansão, tanto no mercado interior brasileiro quanto nos mercados de exportação do Brasil. Neste sentido, um interesse novo é dado aos projetos de pesquisa em cooperação com objetivos indentificados, que procuram promover a nova cooperação científica e técnica entre os dois países.

25Mas a verdadeira questão das relações industriais franco-brasileiras atuais consiste em provocar uma nova onda de interesse recíproco capaz de trazer empresas brasileiras e francesas de pequeno ou médio porte, com qualidades reconhecidas de inovação tecnológica, a entrar no jogo da cooperação. Na medida em que a formula atual das zonas de inovação ou dos parques tecnológicos e científicos permitiu concretizar in loco, inclusive no terreno financeiro, o domínio da produção industrial, a relação estabelecida recentemente entre ciência e indústria, entre comunidade científica, criadores de empresas e engenheiros, cria uma oportunidade nova de cooperação que deve se esboçar nos vinte próximos anos. No entanto, para se efetivar, esta estratégia relacional nova não deve apenas implicar os responsáveis nacionais, mas também os responsáveis regionais, pois são eles que exercem hoje grande parte da orientação nas escolhas de cooperação destas zonas de inovação ou desses parques tecnológicos. Convencer esses novos atores, também solicitados a cumprir tarefas diversificadas, supõe a implantação de uma nova política de sensibilização e de comunicação que se traduza pela emergência de novas imagens destinadas a apreender melhor as realidades brasileiras e francesas capazes de favorecer esta evolução.

26Pode-se considerar que tal é, em parte, o interesse deste acordo diplomático de um tipo novo chamado «Projeto França-Brasil», que foi assinado pelos ministérios das Relações Exteriores dos dois países em outubro.

Notes

1 GUILLEN (Pierre), Preâmbulo, p. 129 do No 46 da revista Relations Internationales, dedicado ao tema: «Ciência, técnicas e relações internacionais», verão de 1986, pp. 127-294.

2 L’Express do 27 de janeiro ao 2 de fevereiro de 1984: «Será que a França é ainda uma grande potência», pp 12-19. A pesquisa de Gallup internacional foi realizada o 9 de dezembro de 1983 com base em amostras nacionais representativas, fora o Brasil onde a pesquisa foi centrada exclusivamente em São Paulo.

3 Citado no Le Monde do 15 de janeiro de 1974. Sobre este aspecto, ver a obra de Jacques Chonchol e Guy Martinière: L’Amérique Latine et le latino-américanisme en France, pp. 207 sq. Paris, L’Harmattan, 1985, 332 p., col. Travaux et mémoires de l’Institut des Hautes Études de l’Amérique Latine, no 37 (prefácio de Antoine Blanca).

4 Citado de Le MOCI, Moniteur du commerce international, do 15 de outubro de 1973.

5 Citado do Le Monde do 27 de outubro de 1973.

Auteur

Historiador. Université des Sciences Sociales de Grenoble, antigo comissario geral adjunto do Projeto França-Brasil.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540