Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. L’image scientifique et technologique/A imagem científica e tecnolôgica

Relatório de sítese

Ignacy Sachs

Texte intégral

1A segunda parte da tarde de sexta-feira foi dedicada às ciências sociais. Ouvimos 3 comunicações, completadas por três intervenções de membros da mesa redonda.

2Peço desculpas por seguir a ordem cronológica. Começo, então, pela minha própria comunicação que tentou situar o lugar das ciências sociais brasileiras em Paris, a partir de dois levantamentos. O primeiro, feito pelo GRECO 26, das teses defendidas em ciências sociais e humanas sobre o Brasil entre 1980 e 1984: 5 anos, mais de 200 teses – resultados que mostram um vivo intercâmbio entre a França e o Brasil, contribuição importante de jovens pesquisadores brasileiros na França.

3Quanto aos autores brasileiros traduzidos na França, o número se eleva a 300 títulos, levantamento realizado por um período de aproximadamente 20 anos, o que não é muito em termos quantitativos. Entre esses títulos, alguns são muito importantes para o desenvolvimento (sic) na França, mas em termos quantitativos, o resultado é fraco.

4Podemos fazer três sugestões a partir do que se observou: – pensar na realização de um anuário de teses brasileiras; – como dispomos hoje de um serviço de micro-fichas das teses, e como a Universidade de Brasília já empreendeu esforços consideráveis «repatriando» para a capital brasileira todas as teses sobre a América Latina defendidas em Universidades americanas, poder-se-ia tentar uma operação semelhante no que concerne as teses sobre o Brasil defendidas na França;-tentar recuperar o atraso em relação à produção brasileira no campo das ciências sociais, iniciando uma colecção de antologias temáticas e esperando-se que tal coleção possa vir a ser feita baseando-se num princípio de reciprocidade. Ou seja que haveria também uma coleção de antologias temáticas dos trabalhos de pesquisadores franceses na área de ciências sociais publicados em português no Brasil.

5A segunda comunicação, de Marion Aubrée, tratou da imagem e influência do Brasil nos antropólogos franceses.

6Marion Aubree mostrou-nos a importância do Brasil como campo de pesquisa para a antropologia francesa, distinguindo as duas correntes afiliadas a Lévi-Strauss e a Roger Bastide; uns partem em busca de um polo de alteridade e estudam as sociedades primitivas, outros engajam-se na antropologia urbana, particularmente nas metrópoles tentaculares, e se prendem aos problemas de identidade cultural a partir de um problema central que é o dos cultos afro-brasileiros, em torno dos quais a pesquisa se concentrou enormemente.

7Marion Aubrée tratou principalmente de antropólogos franceses, como Pierre Verger, que tentam compreender esses cultos afro-brasileiros do interior dos mesmos. (Infelizmente, um resumo de alguns minutos não pode devolver aqui a riqueza desta comunicação que poderá ser lida nos Anais do Colóquio).

8O mesmo ocorre com a comunicação de Maria Isaura Pereira de Queiroz, que se situava na perspectiva das influências. Mostrou-nos que, enquanto havia uma influência cultural francesa difusa, uma maneira francesa de ser que penetrava a própria casa-grande dos plantadores, por intermédio das costureiras francesas e de escravas que aprendiam costura francesa com essas costureiras, paradoxalmente, as influências francesas nas ciências sociais do Brasil no século XIX eram relativamente limitadas, principalmente por ser Sílvio Romero um anti-positivista. Em compensação, alguém como Nina Rodrigues, que viveu muitos anos na França, teve um papel muito importante, ao participar do estudo da psicologia dos povos.

9O que é importante, o que sobressai dessa comunicação é que a cultura científica brasileira em ciências sociais é uma cultura que Maria Isaura de Queiroz modestamente chamou de «eclética», e da qual eu pessoalmente diria que é uma cultura que realiza sínteses bem-sucedidas a partir de múltiplas influências, inclusive as francesas.

10Dois pontos originais da apresentação em apreço consistiram em mostrar como Roger Bastide, cuja importância para toda uma geração de cientistas sociais brasileiros dispensa comprovação, acabou não fazendo muito para divulgar as idéias francesas, já que ele mesmo foi «devorado» pelo Brasil. Vê-se aqui o caráter «antropofágico» da cultura brasileira.

11O segundo ponto é que os últimos vinte anos, ao contrário, foram vinte anos de forte influência francesa, sob o regime autoritário da França, lugar para onde convergem vários pesquisadores brasileiros e, por essa razão, a influência da nossa pesquisa tem sido cada vez maior. Esta foi a terceira comunicação.

12Essas comunicações foram completadas pelas intervenções do Professor Mauro, que mostrou a importância do Brasil para os historiadores franceses, em particular para toda a corrente de história geográfica e para todo o sentido do espaço. O Professor Mauro exprimiu também o desejo de ver criada uma infra-estrutura permanente que permitisse receber os pesquisadores franceses no Brasil, a exemplo do que já se faz atualmente em vários países. Maria Isaura Pereira de Queiroz, intercedendo a favor da intensificação do intercâmbio, fez também uma sugestão importante, ou seja que seria interessante que nossos alunos em fase de preparação de tese recebessem, no Brasil, orientação de um professor brasileiro para sua pesquisa. Isto abre, certamente, a possibilidade de um novo tipo de articulação entre duas universidades, já que a recíproca também seria verdadeira. Em vez de um mestrando ou doutorando preparar toda sua tese aqui, uma parte do currículo se faria sob a orientação de um professor francês, mas sua tese seria defendida no Brasil.

13Milton Santos também defendeu o aumento de intercâmbio e uma maior flexibilidade e reciprocidade no modo de trabalhar. Sugeriu que se dessem encontros periódicos entre geógrafos brasileiros e geógrafos franceses, a fim de poderem comunicar uns aos outros seus resultados, o que os geógrafos brasileiros já vêm realizando com colegas de outros países.

14A última participação da mesa redonda foi a de Jacques Lautman, que assinalou a abertura do CNRS aos intercâmbios internacionais e, ao mesmo tempo, disse-nos que certos recursos foram sub-empregados, muitas vezes por falta de projetos de qualidade, afirmação que acabou provocando algumas vivas manifestações por parte da assistência.

Auteur

Director de Estudos, EHESS.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540