Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. L’image scientifique et technologique/A imagem científica e tecnolôgica

A cooperação em geografia

Milton Santos

Texte intégral

1Sugiro duas etapas na cooperação entre a França e o Brasil. Inicia-se com a vinda de Carvalho à França, geógrafo cujo nome é pouco conhecido entre nos mas que publicou a maior parte de seus artigos na França e não no Brasil. Continua com a presença de Francis Ruellan no Rio de Janeiro e com a chegada ao Brasil, na Universidade de São Paulo, de Pierre Monbeig, um dos principais formadores dos geógrafos franceses que criou uma escola, fundou as raízes de uma grande parte do que no Brasil se faz ainda hoje. Monbeig interessava-se mais pelas questões de geografia humana; Ruellan pelas questões de geografia física. Poderíamos acrescentar a esses dois nomes, sem dúvida os mais importantes da influência francesa no Brasil numa mesma época, o de Pierre Desfontaines.

2Depois começa uma fase que eu chamaria de transição, mas extremamente importante, marcada pela presença no Brasil de Jean Tricart, de Michel Rochefort, que ficou pouco tempo no Brasil mas que escreveu um livro sobre o pais, também publicado na França em sucessivas edições atualizadas, um belo livro sobre o Brasil. Pierre George contribuiu muito, embora nunca tenha lecionado numa cadeira brasileira. Jean Dresch, mas também Jacqueline Beaujeu-Garnier, Bernard Kayser, Jean Roche, etc.

3Depois disso, vem uma fase de influência mais difusa. É a razão pela qual, no interesse dos que desejam poder continuar e até reforçar a cooperação franco-brasileira, penso que é melhor falarmos mais do futuro do que do passado. Gostaria de reutilizar palavras proferidas ontem por M. Moniot «a verdadeira questão é a das nossas intenções», para acrescentar uma outra frase: «a imagem se constrói também na prática». Penso poder me pronunciar a respeito, e creio ter autoridade para falar, pois há mais de dois anos que trabalho na França com franceses e, no Brasil, com franceses também, e sem ter por isso falsa modéstia, pois não é bom mostrar-se modesto em tais circunstâncias. A imagem constrói-se também na prática, e deve ser aperfeiçoada a cada dia. As formas que assume devem ser revistas periodicamente para sua atualização, em função do caminho percorrido por uns e outros, segundo as disciplinas e os progressos realizados em cada país, os quais, a partir desses dados concretos, estabelecerão as bases de uma cooperação que seja verdadeiramente aceita, não só em discursos, mas também no trabalho do dia-a-dia e no coração dos pesquisadores.

4A perspectiva de termos, no Brasil, no ano próximo, uma reunião semelhante a esta, nos faz pensar que é preciso passar logo aos fatos, ou seja, que não devemos nos reunir no Brasil ano que vem sem termos um projeto de trabalho em comum, sem termos definido um projeto conjunto, um projeto viável que leve em consideração as possibilidades concretas do Brasil e da França. Nas ciências exatas, nas ciências naturais e biológicas, um verdadeiro trabalho de cooperação é já possível.

5Nas ciências humanas, tenho minhas dúvidas se esta cooperação esta realmente sendo feita, exceto em casos muito particulares. Trabalhamos juntos, mas não é sempre (diria mesmo raramente) um trabalho em cooperação, o que é de lamentar para os dois parceiros. Sei que é mais difícil fazê-lo, mas sei que é possível porque temos exemplos disso. Citarei aqui, de passagem, o exemplo da equipe conjunta do Instituto de Altos Estudos da América Latina (IHEAL) e seu laboratório associado que faz um trabalho em comum com pesquisadores brasileiros, ou seja sobre problemas escolhidos em comum e trabalhados conjuntamente. Por outro lado, cito o esforço feito na Casa das Ciências do Homem (Maison des Sciences de l’Homme) com a organização de intercâmbios a cada ano. (...) A meu ver, tais iniciativas deveriam se multiplicar. Os instrumentes de cooperação não são muito numerosos, nem flexíveis, seria preciso multiplicá-los e dotá-los da plasticidade necessária de modo a poder incorporar instituições e pessoas cujo perfil não corresponde exatamente aos instrumentes disponíveis atualmente.

6Penso ser necessário estabelecer também uma avaliação que não seja unicamente uma mecânica das operações, mas também dos resultados propriamente científicos. Para isso, ousaria sugerir encontros bilaterais periódicos em Ciências Sociais.

7Em geografia, devo dizer que vou embora daqui agora com muito despeito pois há muito tempo que tais encontros se realizam com colegas da Europa do Leste – Hungria, Polônia, etc. Outros vão começar este ano com o Japão, que está no entanto longe da França. Mas ainda não se pensou em organizar encontros sistemáticos anuais entre geógrafos franceses e brasileiros para que uns e outros apresentem os respectivos trabalhos. Contudo tenho a impressão de que se trabalha no Brasil em geografia do mesmo modo que na França.

8No caso brasileiro, penso que a situação merece ser mais detalhada. Não posso fazê-lo, mas gostaria de lembrar que este tipo de atividade já se iniciou com outros países, por exemplo com colegas americanos, assim como com canadenses e espanhóis. Esta maneira de trabalhar já existe. Presta-se atenção às pesquisas feitas nos países parceiros e muitas vezes tira-se partido do trabalho feito em comum, e proclama-se. Estes encontros teriam o interesse suplementar de ampliar o número de participantes dos intercâmbios além dos parceiros habituais. Sendo um «cliente permanente» ou seja um habitué da França, penso que, se se organizassem no Brasil encontros de geógrafos brasileiros e franceses, muitos geógrafos brasileiros que não têm, como eu, a oportunidade de virem aqui uma ou duas vezes por ano (às vezes, convidado por colegas franceses, geralmente geógrafos) poderiam beneficiar do conhecimento do que fazem os geógrafos franceses e seria também frutuoso para a difusão de livros e artigos. Tais encontros poderiam inclusive ser seguidos, acompanhados, prolongados por estadias no país; seria, digamos assim, uma espécie de economia de rentabilidade par aumentar a cooperação. Tudo isto constitui um projeto, um programa que eu gostaria de ver realizado antes da reunião do próximo ano. Espero que não se torne impossível. Penso que seria interessante multiplicar as fontes, valorizar as diferentes operações e os atores da cooperação, e evitar a sub-utilização de certos colegas brasileiros (digo francamente) que se queixam duma sub-utilização por parte dos colegas franceses. Não lhes faltam nem gentilezas, nem jantares, nem passagens para percorrer a França, mas a questão não é nem turística, nem gastronômica, mas sim científica. A cada viagem, gostariamos de ter encontrado colegas com quem discutir, simplesmente discutir. Isso quer dizer que é preciso aperfeiçoar as questões de reciprocidade.

9No que toca aos professores, mas também aos estudantes, creio que a política de publicação conjunta dos resultados das pesquisas conjuntas se impõe. Apoio a proposta do professor Ignacy Sachs. Digo-lhe apenas que as suas estatísticas são incompletas, pois em algumas disciplinas não foram contemplados os trabalhos dos franceses. Isto é: um Brasileiro que trabalha em França, que escreve em francês, que publica em francês, não participa da história da sua disciplina em França.

10Falo de repertório e não da importância que se ganha depois, apesar de decisões oficiais. Isto a que estou aludindo, muitos presentes na sala conhecem muito bem... quero falar do repertório das atividades francesas. Se trabalharmos um ano, um semestre, e se publicarmos em inglês, participaremos de uma bibliografia anglo-saxônica. Falo deste assunto porque, já que a França divulga o repertório das atividades francesas, ela deve ater-se a isto; em outras palavras quero falar da minha preocupaçção em garantir a continuidade desta cooperação, em encontrar maneiras que satisfaçam os dois parceiros. Ora, no domínio científico, só se pode ficar satisfeito com o reconhecimento do próprio trabalho. Peço desculpas pela franqueza com que falo. Os que me conhecem sabem que sempre fui assim. Como já passei dos cinquenta anos, já não tenho problema de reconhecimento e posso falar francamente.

11Penso que uma política mais aberta poderia ser estabelecida. E se eu insisto é porque isto já se pratica na França, embora não de maneira generalizada. Basta ver as práticas adotadas no Instituto dos Altos Estudos da América Latina, cujo trabalho em comum é verifícavel. Pois o trabalho em comum que não for verifícavel, não faz parte da história da disciplina. Eu penso também no caso da Maison des Sciences de l’Homme. Falo, portanto, de coisas concretas que já se praticam na França e que deveriam ser generalizadas.

12Peço desculpa por ter falado demais, ou por ter adotado um tom que não é o tom geralmente usado nos Colóquios realizados em locais tão severos como este; mas faço questão duma cooperação franco-brasileira, o que justifica a minha sinceridade.

Auteur

Universidade de São Paulo

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540