Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. L’image scientifique et technologique/A imagem científica e tecnolôgica

A contribuição do Brasil ao estudo das ciências sociais e humanas

Frédéric Mauro

Texte intégral

1Costumamos lembrar o que os europeus e os franceses, em particular, trouxeram como contribuição ao desenvolvimento das Ciências Sociais e Humanas no Brasil. Porém, jamais será ressaltada suficientemente a contribuição que o Brasil legou à França nesse campo. Com efeito, não deve causar surpresa o fato de que os mais prestigiados líderes da renovação daquelas disciplinas na França integraram a missão francesa que, em 1934, criou a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo, já ilustre por sua Faculdade de Direito. Sabe-se bem que a frente pioneira de Pierre Monbeig, o estruturalismo de Lévi-Strauss e a sociologia psiquiátrica de Roger Bastide são conceitos elaborados no Brasil e graças à experiência brasileira de seus autores. Gostaria de dizer aqui que até mesmo a História se beneficiou com isso. A História, dirão vocês, a Ciência do passado num país novo que ainda não tem passado? Não se iludam. Aluno de Fernand Braudel, logo após a guerra, posso testemunhar que o que ele nos trazia do Brasil era, sem dúvida, o que havia de mais rico nos seus ensinamentos: um outro sentido do tempo e de sua relatividade, um sentido novo e agudo do espaço, uma consciência profunda da diversidade das culturas, de sua interpenetração e às vezes, do seu paralelismo. Atendendo a um pedido de Braudel publiquei um relatório dos trabalhos de G. Debien sobre as Antilhas no número dos Annales ESC de 1948. Este número obteve tanto sucesso que possibilitou, em seguida, a edição de um Cahier des Annales. Braudel acrescentou a esse relatório um post-scriptum comparando o pequeno mundo antilhano ao descrito por Gilberto Freyre em Casa Grande e Senzala. Foi essa nota que, possivelmente, encorajou a Editora Gallimard a fazer com que Roger Bastide traduzisse essa obra-prima do antropólogo brasileiro. Uma História com enfoque simultaneamente geográfico e económico, antropológico e cultural, ligado às estruturas que se movimentam com lentidão, em suma, uma «História à Brasileira»; não era este, justamente, o programa dos Annales?

2Isso não significa que o contrario não tenha ocorrido, e que a influência da ciência histórica francesa não tenha sido profunda no Brasil.

3Poderia ter sido mais forte se, na época, dispuséssemos realmente de uma estrutura permanente e eficaz para acolher os nossos pesquisadores, como a que existe no México, através do IFAL e do CEMCA; no Peru, através do IFEA, e em Madri, com a casa Velazquez. Contudo, nem em Lisboa, nem no Brasil existe estrutura equivalente. Em São Paulo, onde a Faculdade de Filosiofia foi criada pelos franceses, como já vimos anteriormente, existe somente um Centro de Documentação Científica e Técnica do CNRS, instalado no edifício da Aliança Francesa, à entrada do Campus. Disseram-me que atualmente há um interesse desse Centro também pelas Ciências Humanas. No Rio de Janeiro, em certa época, quisemos criar uma célula permanente no seio do CEPEDOC, junto à Fundação Getúlio Vargas-célebre por seus arquivos pessoais, seus arquivos orais e sua hemeroteca. O CNRS pouco favoreceu nosso empreendimento. É o mínimo que se pode dizer. Os colegas da Comissão de História, encerrados em sua hexagonalidade, não perceberam sua importância. Daí, originou-se um desequilíbrio, apesar de nossos esforços e alguns sucessos entre vários especialistas franceses do Peru (um verdadeiro brain trust para certos Presidentes peruanos) ou mesmo do México e entre os da América Latina oriental, Rio da Prata ou Brasil. Se pensarmos que o Brasil é um investimento rentável para a França, é necessário mudar de política!

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540