Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. L’image scientifique et technologique/A imagem científica e tecnolôgica

Desenvolvimento das ciências sociais no Brasil: aparecimento, formação sistemática, expansão

Maria Isaura Pereira de Queiroz

Texte intégral

  • 1 A fundaçâo do Instituto no Rio de Janeiro demonstra o interesse existente por esses assuntos, que (...)

1A apelação de Ciências Sociais será aqui tomada em sentido restrito, significando somente Sociologia, Antropologia, Ciência Política. Pressupõe-se, com esta distinção, que História e Geografia, de aparecimento mais antigo no rol das Ciências Sociais em sentido amplos teriam também tido no Brasil, em consequência, um desenvolvimento diverso; no entanto, trata-se de uma questão cuja ocorrência precisaria ainda ser verificada através de pesquisa. É de se notar que, em 1838, foi fundado no Rio de Janeiro um Instituto Histórico, Geográfico e Etnográfico, que, a partir de 1839, teve a sua revista trimestral, em que estudiosos nacionais e estrangeiros publicaram ensaios, pequenas monografias, artigos.1

  • 2 Baldus, Herbert- Bibliografía Crítica da Etnologia Brasileiro-S. Paulo, Museu Paulista/Comissâo do (...)

2O primeiro texto etnográfico que nele figura, parece ter sido o de José Machado de Oliveira, em 1842; descrevia a celebração da Paixão de Cristo, na Semana Santa, numa aldeia indien guarani de S. Paulo, cuja vida tribal, embora atingida pelo processo de aculturação, ainda se mantinha de maneira razoável. Fazia o autor o sincretismo entre a religião católica e práticas do culto aborígene, embora não lhe desse, é claro, esta apelação; mas os fatos ali estavam, eram indiscutíveis, e a pequena monografia mereceu, mais de um século depois, os elogios do antropólogo Herbert Baldus em sua excelente Bibliografia critica da etnologia brasileira2, colocando-o à altura do que de melhor se fazia na época.

3Durante praticamente um século, as Ciências Sociais se desenvolveram no Brasil, cultivadas por autodidatas. Nota-se primeiramente um período em que os trabalhos apresentados se referiam todos eles à população india: na maioria dos casos tratava-se de dados colhidos pelo próprio autor através da observação direta. A Revista do Instituto Histórico, Geográphico e Ethnográphico se encontra recheada de descrições de aldeias, mas também de estudos linguísticos, de artigos de Antropologia Física em que avultavam as medidas cranianas. Refere Herbert Baldus que estas primeiras pesquisas e seus resultados se teriam desenvolvido a partir da influência de estudiosos de origem germânica, que durante o séc. XIX percorreram o Brasil em todos os sentidos.

  • 3 Maria Leopoldina era filha do imperador da Austria, Francisco I e de sua segunda esposa, a imperat (...)
  • 4 Note-se que a Missâo Francesa, que D. Joâo VI convidara a vir ao Brasil em 1816, era notadamente a (...)
  • 5 Ver a respeito Pereira de Queiroz, Maria Isaura, «Brésil, XIXe siècle: les précurseurs des Science (...)

4Com efeito, a primeira missão científica veio ao Brasil em 1816, a convite do então príncipe regente D. João (future rei D. João VI), e provinha da Bavaria. Em seguida, o casamento do príncipe herdeiro D. Pedro (mais tarde primeiro imperador brasileiro, o famoso D. Pedro I) com a princesa austríaca Maria Leopoldina de Habsburgo, reforçou provavelmente a influência germânica no país.3 Esta princesa apreciava muito as ciências, principalmente a botânica, e alguns cientistas vieram em sua companhia.4 Porém dois outros fatores específicos à sociedade da época também podem ter fomentado o interesse pelos aborígenes: a tendência então a considerar o Índio como o símbolo da identidade brasileira e o interesse prático em aproveitar essa mão de obra ociosa mergulhada no recesso das florestas.5

  • 6 O melhor estudo sobre as influências sofridas por Sylvio Romero é o de Mello e Souza, Antônio Când (...)
  • 7 Raymundo Nina Rodrigues morreu em Paris em 1906. Publicara nesta cidade, em 1900, sua obra L’animi (...)
  • 8 Cunha, Euclydes da- Os sertões-S. Paulo, 1902.

5Durante a década de 70, outros problemas chamaram a atenção dos estudiosos; diziam respeito à conservação de determinados complexos culturais que marcavam profundamente certos setores da população. Tratava-se dos descendentes de africanos, por um lado, e por outro lado da persistência de costumes arcaicos provenientes de Portugal. Três grandes nomes se destacaram então cuja contribuição continua sendo das mais respeitáveis. Sylvio Romero se destaca em primeira linha como o iniciador das preocupações por esses problemas6; grande admirador de Spencer, combatia o positivismo que então influenciava fortemente académicos de Direito e militares, engajados já numa propaganda republicana que desejavam fosse «cientificamente» justificada. Raymundo Nina Rodrigues foi um estudioso de populações urbanas principalmente; dele foi a descoberta do sincretismo existente nos cultos afro-brasileiros que pululavam em certas cidades, notadamente em Salvador, onde residia. Nina Rodrigues, médico psiquiatra, dizia-se discípulo de Charcot e muitos de seus trabalhos foram publicados primeiramente em francês em Paris, onde fazia frequentes estadas.7 Euclydes da Cunha, por sua vez, teve seu interesse atraído pelas lutas dos romeiros de António Conselheiro em Canudos e pela constatação da continuidade de modos de pensar e de agir que provinham de um Portugal medieval e se conservavam intactos nos sertões brasileiros8; a admiração que Euclides da Cunha manifestava por autores ingleses parece ter exercido importante ação sobre ele.

  • 9 Romero, Sylvio- Estudos sobre a poesia popular no Brasil-Petrópolis (R.J.), Ed. Vozes, 2e ed, 1963

6Estes três autores têm em comum uma grande preocupação com o diagnóstico de uma «identidade brasileira», e todos eles mostram seu ceticismo mesclado de um certo desaponto quanto às possibilidades dela vir a existir um dia. A esse respeito, o título de um dos capítulos dos estudos sobre a poesia popular no Brasil de Sylvio Romero, é sugestivo: «Falta de um caráter étnico original; falta de coesão; disparidade de elementos; o presente e o future».9 Trata-se, como se vê, de verdadeiro resumo das convicções dos autores. A disparidade de elementos de que se compunha a população brasileira, variada de seus traços culturais que, julgavam, não permitia se amalgamassem formando algo coerente, tudo isto resultava na falta de um caráter original, tanto étnico quanto cultural, e criava verdadeiro impassse que comprometia no presente e no futuro a caracterização do pais. Não há dúvida que a abolição da escravatura e os problemas colocados pela integração dos antigos escravos na população contribuíam para que o pessimismo destes autores aflorasse. E é interessante notar que a dissemelhança de suas formações (direito, medicina, engenharia) e a disparidade das correntes de pensamento sofridas não parecem ter produzido consequências que os levassem a se diferenciar em sua maneira de encarar e avaliar os problemas.

  • 10 Mello e Souza, Antônio Cândido-«Informaçâo sobre a Sociologia em S. Paulo»-S. Paulo, O Estado de S (...)

7Nesse mesmo período, existe ainda um autor que permanece em geral ignorado, porém que é interessante destacar porque se distancia completamente dos demais. Trata-se de Paulo Egídio de Oliveira Carvalho, professor da Faculdade de Direito de S. Paulo, profundo admirador de Durkheim, organizou na Faculdade cursos para divulgar suas teorias e tentou até mesmo fundar un Instituto de Sociologia, sem êxito porém. Não deixou de efetuar críticas ao mestre, referentes a aspectos que julgava questionáveis; principalmente quanto às definições do normal e do patológico, as quais repugnavam à sua consciência de advogado.10

  • 11 A esse respeito, manifesta-se neste ensaio opinião contrâria à de Roberto Schwartz, Ao vencedor, a (...)
  • 12 Nina Rodrigues partia do real para discutir as teorias de seus colegas estrangeiros. Em Antropolog (...)

8É interessante verificar que todos estes cultores das Ciências Sociais não se limitam a aceitar influências de autores estrangeiros copiando suas posições. A adopção de uma teoria ou de uma noção passa pelo crivo da realidade que estão estudando, isto é, dos diversos problemas da civilização encontrados nos campos e nas cidades nacionais11. A adopção ou a rejeição estão governadas pelos dados que colheram ou pela sua experiência de vida. Nina Rodrigues, por exemplo, leva à discussão com seus colegas europeus o variado material que levantou na Bahia. Podia assim confrontar as suas ideías com os seus interlocutores – Tarde, Le Bon, Sighele, Rossi, entre outros – na maioria teóricos, e em conformidade com estas discussões, confirmava certas noções, emendava outras. Note-se que a pesquisa de campo estava em seus primórdios, na Europa, e que somente muito mais tarde se instalaria plenamente no que diz respeito à Antropologia. Desse ponto de vista, Nina Rodrigues se configura como um pioneiro também em relação à Europa.12 Finalmente, convém não esquecer que nessa época foi formulada a primeira grande teoria explicativa do Brasil enquanto sociedade e civilização; trata-se da célebre distinção efetuada por Euclydes da Cunha entre um Brasil progressista do litoral e um Brasil arcaico do interior, teoria que encontrou enorme aceitação, e que ainda hoje exerce sua influência. Esta teoria partia do conhecimento da realidade do país e que nada devia a influências externas.

9Durante todo o início do sec. XX, pesquisodores das Ciências Sociais continuaram a surgir, porém não tiveram sobre os «homens de letras» a influência desempenhada pelos autores já citados. No entanto, a reviravolta das artes ocorrida na década de 20, em S. Paulo, teve profundas repercussões nos trabalhos subseqüentes em Ciências Sociais. Mário de Andrade, pesquisador onisciente e infatigável, não pode ser deixado de lado. Rotulado enroneamente como folclorista pelos seus trabalhos de pesquisa, foi, na verdade, um verdadeiro cientista social, cuja contribuição metodológica esta ainda necessitando de um estudo aprofundado. Ele cristalizou numa obra de ficção o que se tornaria a única definição aceitável de brasilianidade: Macunaíma, ao mesmo tempo índio, negro e branco, representava a afirmação de que o homem e a cultura brasileira eram uma mescla de elementos de três fontes, todas elas consideradas agora como do mesmo nível e da mesma importância. Coube em seguida a um escritor e ensaísta e não a um cientista social, fornecer a teoria explicativa do amálgama que vinha se observando no país desde os primórdios da colonização. Trata-se de Oswald de Andrade, que na interpretação da «antropofagia» esclarece de que opera forma-se a mistura dos elementos para compor uma outra civilização modificando-os e devorando-os.

  • 13 As Escolas Normais Primârias correspondem à segunda fase do ensino secundârio no Brasil, isto é, a (...)

10Paralelamente a essas transformações no âmbito dos conhecimentos, vinha à tona, na mesma época, uma profunda preocupação com a reformulação do ensino em geral, e do ensino superior em particular. Um grupo de educadores de variada origem regional (S. Paulo, Bahia, Minas Gerais) e de formação também variada, empenhou-se sobremaneira nestas reivindicações e iniciativas. Lourenço Filho, Anísio Teixeira, Fernando de Azevedo, empenharam-se em trazer novas técnicas, novas disciplinas e nova organização a um, sistema de ensino que demonstrava sua inadequação às exigências dos novos tempos. Uma de suas iniciativas foi a introdução da Sociologia no ensino secundário; realmente, durante os anos 20, passou ela a figurar no currículo do Colégio Pedro II, considerado o ginásio modelo para todo o país; tal iniciativa foi logo seguida pela Escola Normal Primária do Recife e pelo Instituto de Educação Caetano de Campos, de S. Paulo. Argumentava-se que a grande mescla étnica e cultural do país exigia um conhecimento desta ciência, principalmente quando se tratava da formação de professores primários, que deviam dar instrução a crianças de civilizações muito diversas.13

11Na linha dessas novas perspectivas, na década de 30, destacaram-se três autores cujo impacto sobre seus contemporâneos e também sobre a juventude estudantil (até mesmo sobre a ginasiana) foi das mais importantes. Somente um deles, Gilberto Freyre, foi um cientista social no sentido aqui definido, pois era antropólogo. Os demais, Caio Prado Jr. e Sérgio Buarque de Holanda, foram historiadores, porém uma visão dos problemas nacionais que demonstrava a influência e a marca profunda das Ciências Sociais; contribuíram para compor um elo na corrente do pensamento brasileiro em Ciências Sociais e não podem, portanto, deixar de ser mencionados.

  • 14 Prado jr., Caio- Evolução política do Brasil e outros estudos-S. Paulo, Ed. Brasiliense, nova ediç (...)
  • 15 Buarque de Holanda, Sérgio- Raízes do Brasil, Rio de Janeiro, Livr. José Olympio Ed., 3a ed., 1956 (...)

12Em 1934, Caio Prado Jr. publicou a primeira obra brasileira em Ciências Sociais de interpretação marxista. Na introdução, afirmava estar seguindo uma via inédita – a interpretação materialista – na anàlise da história brasileira que não havia, até então colocado em evidência senão os episódios e os heróis lígados às classes dirigentes.14 Em 1936, Sérgio Buarque de Holanda publicava seu livro Raízes do Brasil, calorosamente recebido como um «clássico nato», onde a explicação das peculiaridades da sociedade e do homem brasileiro se reportava diretamente aos fatores socio-econômicos. Sua tendência à caracterologia mostrava uma influência nítida de Hegel e Max Weber, e a este último devia também sua tendência à utilização de conceitos polares, nas análises efetuadas.15

13Com Casa Grande e Senzala, em 1936, Gilberto Freyre introduzia no Brasil uma análise absolutamente nova em que a existência de camadas sociais hierarquizadas passa a constituir a referência fundamental para a compreensâo dos fenômenos culturais. Foi ele também o primeiro estudioso das Ciências Sociais no pais que teve formação específica, pois fez seus estudos em uma universidade americana, onde defendeu uma tese que constituiu o núcleo central do livro acima referido.

  • 16 Freyre, Gilberto-Três obras suas formam um conjunto importante, nos trabalhos deste autor: Casa gr (...)

14Sua maneira de considerar a cultura brasileira lhe deu posição ímpar entre os autores nacionais anteriores e contemporâneos: enaltecia a qualidade «mestiça» própria dessa cultura, como fizera o grupo da Semana de Arte Moderna, mostrando suas vantagens, que para ele sobrepujavam os aspectos negativos. Oriunda da mescla de traços de origem européia, africana e indigena, que se foi instalando no pais através dos séculos e que permeava todas as camadas sociais, constituía entre elas uma ligação das mais fortes; estabelecia-se assim a coesão entre indivíduos colocados em diversos níveis socio-econômicos e de poder, contribuindo para solidificar uma estrutura que, dadas as disparidades de posições sociais, assim como de qualificações étnicas, poderia estar fadada a toda a sorte de conflitos e rupturas. A construção de um sentimento de brasilidade assim como a solidariedade interna, que permitiam a existência de uma nação como o Brasil, um país tão vasto, apoiavam-se na existência de uma civilização que não era mais, nem européia, nem africana, nem indigena, mas que, proveniente de todas elas, assegurava entre os diversos setores sociais um relacionamento tanto quanto possível pacífico16.

  • 17 Entre os livras adotados nestes cursos destacam-se os de Fernando de Azevedo, Princípios de sociol (...)

15Os autores da década de 30 apresentaram, como seus antecessores de fins do séc. XIX, formações e de influências variadas, e em suas obras se entrecruzam referências de origem diversificada. Caio Prado Jr. é o introdutor da perspectiva marxista no país; pensadores e historiadores alemães marcaram a obra de Sérgio Buarque de Hollanda; as correntes americanas de Antropologia e Sociologia ficaram impressas no trabalho de Gilberto Feyre. Porém, sob outro ângulo, os cientistas sociais franceses e predominantemente Durkheim, fizeram-se presentes nessa época, por seus ensaios e teorias, elemento de base, na formação dos professores primários que se diplomavam a cada ano, muitos dos quais prestavam em seguida o exame vestibular para ingressar em cursos superiores.17 Todavia, estes alunos também sofriam a influência dos autores brasileiros, os quais figuravam nas bibliografias de seus cursos, constituindo muitas vezes leitura obrigatória.

16Justamente nestes anos 30 uma grande mudança operou-se também no recrutamento dos futuros cientistas sociais brasileiros, com a fundação de duas instituições em São Paulo que passaram a assegurar o ensino sistemático de suas disciplinas: a Escola Livre de Sociologia e Política, fundada em 1933, e o Curso de Ciências Sociais, integrado dá Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de S. Paulo.

  • 18 Um dos fundadores e maiores animadores desta Escola foi o economista Roberto Símonsen, banqueiro e (...)

17A Escola Livre de Sociologia e Política, estabelecimento privado, resultou da iniciativa de banqueiros, de industriais, de grandes comerciantes, e de profissionais liberais, que consideravam imprescindível uma formação mais ampla para dirigentes de empresas e altos funcionários estatais, que lhes assegurasse um desempenho mais eficiente em suas funções; assim, o termo «Política» não correspondia ali à Ciência Política propriamente e sim à Economia Política, que no início desta Escola era o eixo em torno do qual gravitavam as demais disciplinas.18 Foi ela dotada de certo número de professores estrangeiros, que se estabeceram em S. Paulo durante algum tempo: o italiano Antônio Piccarollo para as Ciências Políticas; o inglês Radcliffe-Brown para a Antropologia; o inglês Horace Davies e o americano Samuel Lowrie para a Sociologia, entre outros. Já em 1933, Horace Davies e Samuel Lowrie iniciavam pesquisas quantitativas sobre o nível de vida e as características dos operários da cidade de S. Paulo, imprimindo a seus trabalhos uma orientação voltada para as possibilidades de utilização prática. Esta orientação foi mantida pelos professores que os sucederam, devendo-se lembrar os nomes dos alemães Herbert Baldus e Emílio Willems, e principalmente o americano Donald Pierson que ali ensinou por longos anos.

18Também o curso de Ciências Sociais, inserido no interior da USP, contou desde o início com a colaboração de professores estrangeiros. No entanto, embora de um modo geral a organização da Universidade de S. Paulo coincidisse, em seus propósitos mais amplos, com os objetivos dos fundadores da Escola de Sociologia e Política, uma outra função estava destinada principalmente à Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras: a formação de professores para os cursos secundário e superior. Terminava assim uma fase do ensino nacional, em que os postos educacionais de altos nívei eram preenchidos por autodidatas nas varias matérias, logo, sem uma verdadeira formação especializada. Inaugurava-se uma nova era em que os professores de Química seriam formados em Química (e não mais em Farmácia), os de Biologia em Biologia (e não mais em Medicina), os de Ciências Sociais em suas disciplinas específicas (e não mais em Direito).

  • 19 Além dos professores citados, também veio para S. Paulo e ali permaneceu durante toda sua carreira (...)
  • 20 A presença de professores alemâes nas instituições de Ciências Sociais em São Paulo talvez expliqu (...)

19O curso de Ciências Sociais da Universidade de S. Paulo teve algumas de suas cátedras preenchidas por professores pertencentes à Missão Francesa, enviada para colaborar no deslanche da nova Faculdade. Vieram primeiramente, para as Ciências Sociais, Claude Levi-Strauss e Paul Arbousse-Bastide; o primeiro permaneceu somente dois anos, e foi então substituído, no início do ano letivo de 1937, por Roger Bastide.19 Completaram o quadro os professores Fernando de Azevedo e Emílio Willems.20 Como os dois Bastide permaneceram no país por muito tempo, a estes quatro mestres coube a formação das primeiras turmas. Nelas, por conseguinte, foi forte a influência francesa, exercida também por Fernando de Azevedo, grande admirador de Durkheim; influência algo contrabalançada pela presença de Emílio Willems, alemão de origem e de formação e, além disso, muito ligado à Antropologia Socio-cultural Americana.

20Entre os dois cursos, o da Escola de Sociologia e Política e o de Ciências Sociais da USP, as relações que se estabeleceram foram de intercâmbio e de cooperação, tanto da parte dos professores quanto da parte dos estudantes, devido, por exemplo à presença de Emílio Willems em ambos. Muitos estudantes cursaram as duas ao mesmo tempo. Outros, terminada sua licenciatura na USP, acorriam à Escola de Sociologia e Política para ali fazerem um mestrado (Florestam Fernandes entre eles), pois esse curso não existia na USP, na qual a pós-graduação se iniciava com o doutorado.

  • 21 Os estudantes paulistas de Ciências Sociais foram mais favorecidos do que seus colegas de outras E (...)

21A fundação desses cursos em S. Paulo encontra paralelo no Rio de Janeiro, onde foram criados cursos semelhantes mais ou menos na mesma época, na Universidade do Brasil, transformada depois em Universidade Federal de Rio de Janeiro. Jacques Lambert, da Universidade de Lyon, ali ensinou Sociologia e também Ciência Política durante vários anos; sua ação foi marcante para o desenvolvimento das Ciências Sociais, iniciando a prática da pesquisa, como faziam seus colegas em S. Paulo. No entanto, foi em S. Paulo que as Ciências Sociais se desenvolveram mais depressa, tendo como resultado o aparecimento de um conjunto de jovens assistentes e ao mesmo tempo pesquisadores cuja reputação logo se firmou.21

  • 22 A observaçâo é de Djacir Menezes, O Brasil no pensamento brasileiro, Rio de Janeiro, MEC/INEP, 195 (...)

22Pode-se dizer que a instalação dos cursos de Ciências Sociais em S. Paulo abre ali um capítulo novo na produção intelectual desta área do conhecimento. A diferença entre os antigos cientistas sociais e os recém egressos da USP era indiscutível: os primeiros sem formação específica compunham um conjunto de ensaistas, cujas pesquisas tinham por base principalmente material de cunho histórico; os últimos, embora muitos deles utilizassem a documentação histórica tinham uma formação em que a pesquisa de campo, incluindo como elemento primordial a observação direta, entrava em primeira linha. Além disso, quase se poderia dizer que os primeiros haviam chegado às Ciências Sociais casualmente, a partir de uma preparação noutros ramos que podiam ser afins ou não: direito, medicina, engenharia, etc.22 Tratava-se de autodidatas em Ciências Sociais, aos quais sucediam agora os especialistas. Mas embora se tratasse de especialistas, estes não constituíam ainda o que se poderia chamar de profissionais, pois sua formação era antes de mais nada humanística, apresentando certos componentes que a distinguem: o interesse pelo progresso humano; a consciência de que para tal a ciência deve se voltar primeiramente para os aspectos fundamentais e será base de um conhecimento que se pretende eficiente para futuros pianos de ação; a idéia de que a expansão do ensino era primordial, devendo acesso a todos os seus níveis ser assegurado a todos os cidadãos, sem distinção de sexo ou classe, pois a instrução constituía um elemento da maior importância para a aproximação entre os homens e o desaparecimento dos conflitos.

23Relativamente a estas perspectivas, o grupo de professores reunidos no curso de Ciências Sociais foi bastante homogéneo, embora viessem de horizontes e países muito diferentes. Todos eles também se empenhavam em uma formação em que a pesquisa de campo estivesse presente, e procuraram, dentro dos parcos recursos oferecidos pela USP que esse treinamento fosse realizado. No que diz respeito às experiências de pesquisa, sem dúvida a contribuição de Roger Bastide foi fundamental, pois pode-se dizer que abarcou um enorme leque de temas metodológicos e de conhecimentos técnicos. Seu pendor era mais para as sínteses, a partir de uma utilização crítica de variadas técnicas de coleta de dados, sínteses consubstanciadas em artigos e em ensaios, nos quais, a partir de aproximações entre trabalhos diversos, levantava inferências e apontava novos caminhos não ainda visualizados. Além disso, a análise minuciosa do material empírico também mereceu sempre de sua parte um trabalho atento e construtivo; esse material provinha da observação direta ou de uma documentação cuidadosamente examinada. Além disso, num momento em que as técnicas quantitativas começavam a se impôr no Brasil, ele sabia reuni-las às qualitativas; em estudos que são modelos de metodologia, mostrava como ambas associavam-se na prática, as qualitativas permitindo o levantamento de problemas a serem investigados, as quantitativas permitindo verificar qual o grau de intensidade em que surgiam os fenómenos.

  • 23 Assim escrevia ele: «Precisamos insistir sobre a importância da obra de Nina Rodrigues, pois foi a (...)

24Um outro aspecto de sua maneira de agir fez com que sua contribuição se integrasse com facilidade no contexto brasileiro: o conhecimento que desde logo procurou adquirir em relação ao que já existia no país, em termos de Ciências Sociais, a fim de poder começar seus trabalhos a partir de algo que fosse reconhecidamente válido nesse domínio, evitando repisar o que já havia sido descoberto e estudado antes dele. Dessa forma, os trabalhos de Sylvio Romero, de Euclydes da Cunha, de Manuel Querino e de Arthur Ramos constituíram uma base para os de Bastide. Raymundo Nina Rodrigues, principalmente, foi o autor que maior contribuição lhe ofereceu, como reconhece em vários escritos, mostrando sempre a importância fundamental deste estudioso brasileiro para a Sociologia e a Antropologia Social em geral.23

25O ecletismo de Bastide também constituiu uma de suas marcas dominantes, o que o impedia de restringir-se ao âmbito da Sociologia francesa ou européia; ele contrecia bem os sociólogos alemães, por exemplo, entre os quais destacava Max Weber, e igualmente os antropólogos ingleses e americanos. Embora a Sociologia fosse inegavelmente sua perspectiva preferencial, não deixava de recorrer a outras desde que visse sua utilidade em determinado momento da pesquisa ou do curso. A História, a Geografia Humana, a Psicologia Sociala, e Psicanálise a foram objeto de incursões de sua parte ou de busca de apoio para suas interpretações, e suas teorias. Incansável leitor, sua erudição era fabulosa; dotado de invejável curiosidade intelectual, os problemas mais variados o atraíam; possuidor de aguda sensibilidade artística, aberto a todas as formas de afetividade, considerava, a partir da religiosa, arte e religião como duas maneiras de se chegar a conhecimentos tão válidos quanto os adquiridos por meio do raciocínio sistemático e científico.

  • 24 Roger Bastide desenvolveu relaçôes de grande amizade com os componentes da Semana de Arte Moderna, (...)

26Uma personalidade tão rica em facetas e em matizes não podia deixar de influenciar a fundo os estudantes que seguiam seus cursos, e que ele conquistava também com sua simplicidade de maneiras e sua calorosa simpatia. Dada sua metodologia, voltada para o acervo de conhecimentos já existente em Ciências Sociais, confirmava a solidez da formação recebida pelos estudantes no colégio universitário e nas escolas normais, porque, também para ele, as obras de Caio Prado Jr., de Sérgio Buarque de Holanda e de Gilberto Freyre que se juntavam às de outros predecessores, principalmente às dos escritores da Semana de Arte Moderna que tanto influenciavam os jovens do país, naquele momento, haviam constituído portas de entrada para a compreensão do Brasil.24

  • 25 Durante os anos 50 e 60 (e embora esta ültima década fosse dominada pelos governos militares que p (...)

27Não seria exagero considerar Roger Bastide como um elo entre as gerações anteriores de estudiosos brasileiros e as gerações seguintes mais próximas, isto é, as que o tiveram como professor e que as ligam com os pesquisadores posteriores.25 Dada sua erudição sociológica e filosófica, reforçava a presença francesa nas Ciências Sociais, porém também divulgava a contribuição de autores de proveniência diversa. Não se pode dizer que tenha sido o único responsável pela mudança de rumo, no Brasil, dos trabalhos de Ciências Sociais, porém sem dúvida alguma acentuou nitidamente essa mudança. Dentre os alunos que muito sofreram sua influência, destacam-se nomes que por sua vez tiveram importante ação formadora sobre novas gerações de alunos.

  • 26 Bastide, Roger e Fernandes, Florestan- Negros e brancos em são Paulo, S. Paulo, Cia. Editora Nacio (...)

28Florestan Fernandes foi dentre eles o que se orientou para uma produção científica amplamente diversificada, segundo os temas que abordou, tendo como uma constante a escolha de coletividades que poderiam ser classificadas na posição inferior da hierarquia socio-econômica nacional. Ao estudar os jogos infantis, o fez num bairro pobre da cidade de S. Paulo, povoado de imigrantes; seus trabalhos sobre os negros, a partir de memorável pesquisa direta, subvencionada pela UNESCO e dirigida pelo próprio Roger Bastide, considera-os em sua condição de camada inferior e desvalorizada na sociedade paulistana26; finalmente, ao se voltar para o problema das universidades, o faz tendo sempre em mira a desigualdade de chances que uma estrutura socio-econômica potente impõe aos jovens de parcos recursos que desejam ingressar no curso superior. Dir-se-ia um paladino dos pobres e dos oprimidos. E ao estudar a sociedade burguesa brasileira, é também de baixo para cima que a encara.

  • 27 A contribuiçâo de Florestan Fernandes às Ciências Sociais brasileiras é muito vasta: estudos sobre (...)

29Assistente de Fernando de Azevedo a princípio, e assistente e colaborador de Roger Bastide em seguida, poder-se-ia pensar que a influência da Sociologia Francesa fosse predominante em Florestan Fernandes. Tal não ocorreu, embora sejam encontrados traços dos mestres franceses em seus trabalhos. Os primeiros textos trazem ainda forte marca do funcionalismo inglês, com preocupações de bem analisar a organização das coletividades e da dinâmica que as anima.27

  • 28 Os parceiros do rio Bonito é muitas vezes apontado como a contribuiçâo fundamental de Antônio Când (...)

30Através da análise de um caso preciso, o dos PARCEIROS DO RIO BONITO, António Cândido de Mello e Souza diagnosticou os passos da decadência rural paulista que condenava os pequenos produtores mais ou menos independentes a se transformarem em migrantes ou em mão de obra agrária; o que parecia um simples estudo de caso constituía, na verdade, um trabalho em que a História entrava em primeira linha para poder compreender porque o presente constituia un abaixamento do nível de vida dessas coletividades e para permitir em seguida estender essas observações para todo o Estado paulista assim como para todo o país, numa demonstração de que uma transformação fundamental, se encontrava em processo, que acabaria em pouco tempo com uma categoria social rural. Essa transformação prendia-se finalmente à passagem do Brasil, de sociedade predominantemente agrária para uma sociedade industrializada. Nesse verdadeiro modelo de estudo sociológico, pela sua metodologia, pela variedade de técnicas utilizadas, pela finura das comparações que permitem o levantamento de inferências, António Cândido desenvolveu ao máximo os ensinamentos que Roger Bastide viera prodigalizando no correr do tempo.28

  • 29 Em A mitologia heróica das tribos indígenas no Brasil, Rio de Janeiro, Ministério de Educaçâo e Cu (...)

31Enquanto Florestan Fernandes e António Cândido se distinguem pela variedade de suas contribuições, dois outros cientistas sociais inauguravam a via da especialização relativa a determinados setores do real nacional. O antropólogo Egon Schaden dirigiu suas vistas para os aborígenes iniciando seus trabalhos com uma bela abordagem da mitologia de tribos diversas, que apresentavam em comum a crença no herói civilizador; mostrou como esta crença se ligava às estruturas tribais, explicando-as e ao tempo servindo-lhes de sustentáculo num verdadeiro estudo de mentalidades. Mais tarde, os diversos graus de aculturação de tribos Guarani atraíram sua atenção; lançando mão da pesquisa de campo, da observação direta, da observação participante, iniciou no setor de Antropolgia da USP estudos relativos aos indígenas, no presente.29

  • 30 Nâo teve Lourival Gomes Machado uma produçâo muito ampla, pois foi levado a abandonar suas pesquis (...)

32Lourival Gomes Machado, por sua vez, inaugurou os estudos de estética sociológica, seguindo também na esteira de Roger Bastide, que ministrara cursos de Sociologia da Arte e que constantemente escrevia artigos a respeito, publicados em jornais e revistas. Professor de Ciência Politica, Lourival Gomes Machado dedicou duas teses ao domínio em que lecionava. Todavia, seu principal interesse e a influência mais forte que exerceu foi no campo das artes plásticas. Excelente crítico, dotado de um profundo conhecimento das artes nacionais principalmente quanto ao periodo barroco, seu campo de ação extrapolou o âmbito da Universidade de S. Paulo, atingindo a comunidade artística de seu Estado e do país.30

  • 31 Diplomaram-se tambéms mais ou menos na mesma época jovens licenciadas que exerceram com brilho sua (...)
  • 32 Desde seus primeiros textos, a orientação que procede da parte para a totalidade, jâ se encontra p (...)

33O exame destes quatro exemplos não esgota o quadro dos formados em Ciências Sociais na USP, em seus primeiros anos; se estes foram os escolhidos, foi porque, nomeados de imediato jovens assistentes, muito cedo exerceram atividades profissionais que os levaram a um contato mais estreito com os estudantes, a uma produção intelectual mais continua e mais ampla.31 Nessa mesma época, um nome destacou-se também cuja projeção igualou-se à dos já citados, mas cujas atividades e ação foram mais amplas ainda no pais. Trata-se de Darcy Ribeiro. Formado na Escola de Sociologia e Política de S. Paulo, instalou-se em seguida no Rio de Janeiro, trabalhando no Museu Nacional; suas pesquisas voltaram-se primeiramente para a população indígena. Todavia, ao contrário da maior parte dos pesquisadores que até então se interessavam por tais coletividades, não as considerou como unidades a serem analisadas individualmente, como pequenos universos fechados, como vinha sendo efetuado no pais desde o sec. XIX; não perdeu de vista a sociedade global brasileira em que se inseriam as tribos no momento do estudo. Darcy Ribeiro também ultrapassava assim a orientação norte-americana da Escola em que se formara e que encarava ainda as tribos como comunidades fechadas sobre si mesmas; isto é, ultrapassava as limitações das correntes teóricas cujos ensinamentos recebera durante seu curso. Não permaneceu porém muito tempo como pesquisador: a ação educacional e em seguida a ação política levaram-no a ocupar funções muito diversas daquelas para as quais havia sido formado.32

34O quadro que se esboçamos aqui corresponde a um momento das Ciências Sociais no Brasil em que as preocupações ainda estavam bastante orientadas pelo património de pesquisas já existente no pais e pela influência dos diversos professores, nacionais e estrangeiros, que ministravam seus cursos nas instituições em funcionamento. A cidade de S. Paulo, com duas escolas contando coma colaboração de vários mestres estrangeiros, alcançava melhor desempenho nesses setores no quadro da nação e passou a gozar de um prestígio crescente. A Universidade de S. Paulo, principalmente, se destacava mais e mais pelo nível de sua produção e pela atividade de seus docentes. A variedade de origem e de formação dos professores estrangeiros e nacionais contribuiu sem dúvida para o caráter eclético que se nota nesta primeira fornada de pesquisadores nacionais; desse ponto de vista, também constituem eles, de certa maneira uma continuação de seus antecessores.

35No entanto, uma grande modificação se operava na proposição dos problemas. Não era mais «o homem brasileiro» que lhes interessava, era a «sociedade brasileira». Não procuravam definir os traços característicos da brasilidade, ou os contornos de uma «identidade nacional». Eram as estruturas socio-econômicas e os processos que as animavam que procuravam diagnosticar e que, julgavam, imporiam sua marca ao «homem brasileiro». Também se ligavam os estudiosos a seus antecessores por estarem atraídos pela análise de documentos, pela pesquisa voltada para o passado para a compreensão do presente, através da reconstituição do passado, e muitas vezes o ensaio foi sua forma preferencial de expressão, muito embora exercendo todos eles, em algum momento de sua carreira, pesquisas de campo, com a utilização, algumas vezes, da observação participante.

36Outros rumos porém foram se delineando durante os anos 50, ligados às novas turmas de licenciados que buscam permanecer na carreira universitária ou na de pesquisador, apesar da parcimónia de postos a serem preenchidos. O desenvolvimento do Estado e da cidade de S. Paulo nesse perfodo foi poderosa alavanca, impulsionando as estruturas universitárias para novas aberturas e as pesquisas em Ciências Sociais para uma expansão cada vez maior. O mercado de trabalho, foi se ampliando para esses especialistas, embora vagarosamente; a especialização afirma-se como uma tendência vitoriosa,-especialização que tanto dizia respeito aos procedimentos e técnicas, quanto aos problemas a serem abordados, e ainda quanto às teorias que constituiam as bases dos trabalhos.

37Essa grande diversificação será a característica marcante do período seguinte, que se abre por volta dos anos 60 e que se notabiliza pela profissionalização do cientista social brasileiro. Realmente, dessa década em diante começam a surgir associações reunindo pesquisadores e docentes para a definição de uma ação política conjunta, para a luta por um mercado de trabalho específico, para a defesa de seus direitos e a instalação do estatuto do antropólogo, do cientista político, e do sociologo. Concomitantemente, na U.S.P., os trabalhos vão tendendo a ser cada vez mais especializados e a se concentrarem em torno de problemas da atualidade,-os desequilíbrios do presente impõem-se fortemente ao interesse e ao estudo dos pesquisadores. Como é a sociedade brasileira aqui e agora com o fito de melhorá-la, eis o objetivo principal.

38Três momentos distinguem-se, pois, no desenvolvimento das Ciências Sociais no Brasil, a partir do séc. XIX, e os passos traçados segundo o que foi ocorrendo em S. Paulo, ponto mais «quente» para o movimento observado, podem sem dúvida ser aplicados a todos os pontos do país em que estes estudos existem, com pequenas variantes, é claro, devido a circunstâncias locais. Noutras palavras, diferindo os momentos em que se deram, o esquema parece ter sido sempre o mesmo: a era dos ensaístas; o perfodo dos especialistas; a entrada no mundo dos profissionais. Relativamente às influências de mestres e teorias estrangeiras, cumpre ressaltar que a variedade de orientações, e o ecletismo parecem ter sido dominantes por toda a parte desde a primeira fase, com altos e baixos conforme as circunstâncias. É curioso notar que em S. Paulo, ao mesmo tempo da permanência da Missão Francesa, a coexistência de influências de personalidades e teorias de outra proveniência foi tão intensa quanto a ação dos mestres franceses.

39Também deve-se notar que a presença do marxismo, explicita ou larvada, apareceu muito cedo e determinou uma definição do «sociólogo» em relação ao «antropólogo social e cultural» cada vez mais clara no pais, com profundas repercussões nos trabalhos dos cientistas políticos. Enquanto o «sociólogo» foi desde logo colocando seus problemas em termos de hierarquias e de estruturas de poder, os «antropólogos»-principalmente os que seguiam o caminho de uma Antropologia Cultural próxima à da americana, ou então de uma Antropologia Social marcada pelo estruturalismo-, eram atraídos por problemas de aculturação de populações indígenas ou de imigrantes, ou pela busca de esquemas de funcionamento de pequenas comunidades e sociedades a parte que era subjacente a questão de caracterizar «o homem» enquanto tal e não as sociedades com suas dialéticas variadas.

40Ao que tudo indica, somente nos anos 70 delineou-se mais nítidamente uma influência marxista em alguns trabalhos de antropólogos, somando-se às demais perspectivas. No entanto, deve-se observar que os antropólogos voltados para o estudo das tribos existentes, enveredaram sobretudo para uma ação política em defesa destas, fosse qual fosse a orientação metodológica que seguissem; havia assim em alguns deles uma contradição entre a linha seguida em seus trabalhos e as atividades em prol dos índios, procurando influenciar os governantes a esse respeito.

41Isto não quer dizer que, em Sociologia, os estudos fossem efetuados todos eles numa vertente marxista. Mas é verdade que entre dois extremos, o da plena ortodoxia e o dos laivos de influência, marxista, havia grande quantidade de graus intermediários e a maioria era «marxisante», e assim permanecem atualmente. Tais influências se revelam na tendência a remeter para fatores econômicos e para a História a explicação última das questões, passando por uma análise em que as estruturas de poder são cuidadosamente desvendadas na dialética interna desenvolvida entre as variadas camadas sociais. Há também trabalhos que seguem orientações diversas, porém em pequena quantidade.

42Dir-se-á que os estudiosos brasileiros não fazem mais do que seguirem o pendor geral no mundo ocidental de hoje, cujos estudiosos mais ou menos seguem este rumo. Cumpre não esquecer porém a enorme influência muito precoce de Caio Prado Jr. sobre os estudiosos brasileiros, exercida nessa linha desde os anos 30, à qual se somou a de Roger Bastide, marxista dos menos ortodoxos, pois se orientava segundo as teorias de Georges Gurvitch, e finalmente a repercussão dos trabalhos de Florestan Fernandes, que muito cedo desenvolveu sua própria maneira de interpretar o genial filósofo alemão. Esses três pesquisadores não marcaram somente a USP, seus estudos se difundiram por todo o país e inspiraram inúmeros outros trabalhos.

43Mais uma vez nota-se a presença de variados focos de influência sobre os cientistas sociais nacionais, que não se circunscreve apenos a uma ou outra corrente nacional ou estrangeira. Desde o início das pesquisas em Ciências Sociais, a pluralidade de inspirações foi marcante. Note-se também a importância dos trabalhos no país realizados desde seu início no séc. XIX a ponto de um cientista do valor de um Roger Bastide colocar suas indagações como uma continuação do que fora feito anteriormente e do que estava sendo executado no país (quando se refere, por exemplo, à sua dívida para com Arthur Ramos, seu contemporâneo). Como se verifica, pelo desenrolar deste trabalho, o cientista francês tornou-se um elo na corrente da produção brasileira em Ciências Sociais, agindo como um animador importante, porém não o único, para a formação de especialistas na fase intermediária entre o ensaísta e o profissional.

  • 33 Avalia-se este crescimento pelo grande aumento de publicações especializadas. Unicamente em Sociol (...)
  • 34 José Reginaldo Prandi ficou impressionado com o crescimento da procura pelos cursos de Ciências So (...)
  • 35 Sem dúvida este desenvolvimento flagrante segue de perto a expansâo numérica das classes médias no (...)

44O desenvolvimento das Ciências Sociais no período atual tem sido espetacular, tanto pela variedade quanto pelo nível dos trabalhos, e pelo interesse despertado numa população cada vez mais consciente da amplidão de seus dolorosos problemas33. Ele se expressa na quantidade de estudantes acorrendo aos cursos ou solicitando que sejam estes incluídos em suas instituições de ensino, e principalmente pela velocidade com que, a partir dos anos 60, se multiplicaram as universidades no país34. Torna-se difícil dar um quadro atual do que existe, pois faltam pesquisas suficientes a respeito, que, efetuadas nos diversos pontos-chave, ofereçam os dados indispensáveis para uma síntese que diga respeito ao país35.

45Note-se ainda que a verdadeira situação de calamidade nacional que vem se acentuando desde meados dos anos 70 e alargando o fosso entre a abastança de alguns e a miséria da maioria, influenciou as pesquisas no sentido da análise e interpretação de questões parciais: estuda-se a fundo um fragmento do conjunto socio-econômico e cultural do país, porém o contexto da sociedade global, que devia formar o indispensável pano de fundo para uma compreensão mais ampla, só aparece como um esquema bastante sumário, e até mesmo por meio de simples alusões. As conclusões tornam-se então pontuais, sendo difîcil atingir, por meio delas, um nível um pouco mais elevado de abstracção. No entanto, esta forma de abordagem dos problemas parece mais adequada para o encaminhamento de uma ação tão imediata quanto possível.

***

46As pesquisas em Ciências Sociais festejarão brevemente seus 150 anos no Brasil; durante este largo período em que se acumularam os mais diversos trabalhos, uma característica permaneceu constante entre os variados autores que cultivaram este setor do conhecimento: o homem brasileiro, a sociedade nacional, o Brasil, eis os problemas fundamentais a serem esclarecidos. Enquanto na Europa a «humanidade», o «homem» e suas características básicas, a natureza das sociedades e sua origem, constituiram os focos de interesse para o aparecimento das Ciências Sociais e o desenvolvimento de seus trabalhos e teorias, no Brasil a curiosidade não se voltou e não se volta para estes problemas transcendentais. Os cultores das Ciências Sociais nacionais permanecem perplexos diante da esfinge constituía pelo Brasil e seus habitantes, e impõem esta preocupação aos estudiosos estrangeiros que buscam desenvolver seus trabalhos: também através das Ciências Sociais se faz sentir a «antropofagia» e o Brasil os devora...

Notes

1 A fundaçâo do Instituto no Rio de Janeiro demonstra o interesse existente por esses assuntos, que despertou bastante cedo no pais; o exemplo do Rio de Janeiro nâo tardou a ser seguido por fundaçôes semelhantes nas outras capitais, também com publicação de revistas. A Revista do Instituto Histórico e Geogrdfico Brasileiro existe até hoje, porém perdeu sua finalidade inicial, Etnogrâfica, em época e condiçôes ainda nâo esclarecidas.

2 Baldus, Herbert- Bibliografía Crítica da Etnologia Brasileiro-S. Paulo, Museu Paulista/Comissâo do IV Centenârio, 1954, p. 12-13; Melatti, Julio Cezar-A antropologia no Brasil: um roteiro-Brasilia, Fundaçâo Universidade de Brasilia, Série Antropologia no 8,1983, p. 10-12.

3 Maria Leopoldina era filha do imperador da Austria, Francisco I e de sua segunda esposa, a imperatriz Maria Tereza. Seu casamento ocorreu em 1817.

4 Note-se que a Missâo Francesa, que D. Joâo VI convidara a vir ao Brasil em 1816, era notadamente artística; a ela se devem iniciativas importantes, entre as quais a Academia de Belas Artes.

5 Ver a respeito Pereira de Queiroz, Maria Isaura, «Brésil, XIXe siècle: les précurseurs des Sciences Sociales»-in Culture, science et développement (mélanges en l’honneur de Charles Morazé)-Toulouse, Privat Ed., 1979.

6 O melhor estudo sobre as influências sofridas por Sylvio Romero é o de Mello e Souza, Antônio Cândido, O método crítico de Sylvio Romero, S. Paulo, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, Teoria Literâria no 1,2a ed., 1963.

7 Raymundo Nina Rodrigues morreu em Paris em 1906. Publicara nesta cidade, em 1900, sua obra L’animisme fétichiste des nègres de Bahia, mais tarde traduzida e publi

8 Cunha, Euclydes da- Os sertões-S. Paulo, 1902.

9 Romero, Sylvio- Estudos sobre a poesia popular no Brasil-Petrópolis (R.J.), Ed. Vozes, 2e ed, 1963.

10 Mello e Souza, Antônio Cândido-«Informaçâo sobre a Sociologia em S. Paulo»-S. Paulo, O Estado de S. Paulo, Edição do IV Centenârio, 25 de janeiro de 1954.

11 A esse respeito, manifesta-se neste ensaio opinião contrâria à de Roberto Schwartz, Ao vencedor, as batatas, S. Paulo, Duas Cidades, 1977; id., «As idéias fora do lugar», S. Paulo, Estudos cebrap, no 3, 1973. Também com opiniâo contrâria à de Schwartz, ver Renato Ortiz, Cultura brasileira e identidade nacional, Sâo Paulo, Ed. Brasiliense, 1985.

12 Nina Rodrigues partia do real para discutir as teorias de seus colegas estrangeiros. Em Antropologia, esta maneira de proceder parece ter começado na França na primeira década do séc. XX: é o que afirma James Clifford em Maurice Leenhardt, Paris, J. Michel Place, 1987. Nina Rodrigues muitas vezes mostrou que os fatores sociais, ignorados pelos psicólogos e psiquiatras europeus, eram da mais alta importâneia na explicaçâo de fenômenos falsamente rotulados entâo de «loucura coletiva». Ver a «Introduçâo» de Arthur Ramos ao livro póstumo de Nina Rodrigues As coletividades anormais, Rio de Janeiro, Civilizaçâo Brasileira, 1939.

13 As Escolas Normais Primârias correspondem à segunda fase do ensino secundârio no Brasil, isto é, ao chamado «colégial». Assim, jâ em fins da década de 20, a Sociologia Geral e a Sociologia Educacional eram introduzidas no final do curso secundârio. Em 1931, finalmente, elas eram tornadas gerais no país, com a Reforma do Ensino do ministro da educaçâo Francisco Campos. A influência das teorias durkheimianas esteve presente constantemente, nessas inovações.

14 Prado jr., Caio- Evolução política do Brasil e outros estudos-S. Paulo, Ed. Brasiliense, nova ediçâo, 1953. Do mesmo autor, ver: História Econômica do Brasil, S. Paulo, Ed. Brasiliense, 3a ed., 1953, e Formação do Brasil contemporâneo (colônia), S. Paulo, Ed. Brasiliense, 4a. ed., 1953, que exerceram forte influência sobre a juventude da época e os estudantes das gerações posteriores.

15 Buarque de Holanda, Sérgio- Raízes do Brasil, Rio de Janeiro, Livr. José Olympio Ed., 3a ed., 1956. Sâo também importantes pela mesma razâo: Caminhos e fronteiras, Rio de Janeiro, Livr. José Olympio Ed., 1a ed. ilustrada, 1957; e Visão do paraiso, Rio de Janeiro, Livr. José Olympio Ed., 1959. Uma das melhores anâlises da obra de Sérgio Buarque de Holanda é encontrada no livro de Antônio Cândido, Teresina, etc., S. Paulo, Ed. Paz e Terra, 1980, capítulo «Raízes do Brasil», pg. 135.

16 Freyre, Gilberto-Três obras suas formam um conjunto importante, nos trabalhos deste autor: Casa grande e Senzala, Rio de Janeiro, Maia & Schmidt Ltda., 1936; Sobrados e mucambos, Rio de Janeiro, Livr. José Olympio Ed, 3 vols., 1951; Ordem e progresso, Rio de Janeiro, Livr. José Olympio Ed; 2 vols., 1959. O primeiro deles constitui sem dúvida o mais conhecido; foi objeto de traduções em vârias línguas, destacando-se a traduçâo francesa de Roger Bastide, Maîtres e esclaves, Paris, Presses Universitaires de France, 1953.

17 Entre os livras adotados nestes cursos destacam-se os de Fernando de Azevedo, Princípios de sociologia, S. Paulo, Ed. Melhoramentos, 7a ed., 1956; e Sociologia educacional, S. Paulo, Ed. Melhoramentos, 5e ed., 1958, largamente difundidos pelo país e profundamente embebidos nos temas e na influência durkheimiana.

18 Um dos fundadores e maiores animadores desta Escola foi o economista Roberto Símonsen, banqueiro e autor de uma História econômica do Brasil, 1937, que merece servitada. Note-se que, praticamente os mesmos organizadores da Escola, nessa mesma época estruturaram o Idort, Instituto de Organização Racional do Trabalho, destinado a incrementar a racionalização de todas as formas de atividades principalmente a industrial, em S. Paulo. As falhas e ineficiências detectadas por estes altos expoentes do Estado durante a Revolução de 1932 foram poderoso incentivo para se procurar alcançar melhores rendimentos em todas as atividades produtivas, através de uma sistematizaçâo das mesmas e de uma instruçâo mais aprimorada do elemento humano.

19 Além dos professores citados, também veio para S. Paulo e ali permaneceu durante toda sua carreira o Prof. Paul Hugon, de Economia Política; porém sua influência sobre os estudantes de Ciências Sociais foi muito pequena. Com a fundação da Faculdade de Economia e Administração, em 1947, o Prof. Paul Hugon passou para a nova instituição. Os professores Paul Arbousse-Bastide e Roger Bastide, muito amigos, não eram parentes,

20 A presença de professores alemâes nas instituições de Ciências Sociais em São Paulo talvez explique a influência acentuada de autores como Max Weber e Karl Mannheim, que foi muito marcante desde as primeiras turmas. Os livros de Max Weber, por exemplo Economia y sociedad, em 4 volumes, circulavam na tradução espanhola do Fondo de Cultura de México, editada em 1944. Karl Mannheim também jâ havia sido traduzido em espanhol; em 1950, foi publicada a traduçâo brasileira de Ideologia e utopia, feita por Emilio Willems, publicada pela Editora Globo, de Porto Alegre.

21 Os estudantes paulistas de Ciências Sociais foram mais favorecidos do que seus colegas de outras Estados pela presença de uma quantidade maior de professores estrangeiros, maior mesmo do que os que foram ensinar no Rio de Janeiro, que no entanto era ainda a capital do país. Além de Jacques Lambert no Rio de Janeiro, cite-se Charles Wagley, antropólogo americano, que trouxe uma contribuiçâo muito vâlida à Bahia e ao Parâ, durante os anos 50. É preciso lembrar o livro de Jacques Lambert, que exerceu também certa influência nos estudos brasileiros: le Brésil: structure sociale et institutions politiques-Paris, Armand Colin, 1953; tradução brasileira em 1959- Os Dois Brasis, Rio de Janeiro, INEP/MEC.

22 A observaçâo é de Djacir Menezes, O Brasil no pensamento brasileiro, Rio de Janeiro, MEC/INEP, 1957.

23 Assim escrevia ele: «Precisamos insistir sobre a importância da obra de Nina Rodrigues, pois foi a partir dela que se desenvolveram as pesquisas subseqüentes», tanto mais que jâ havia feito, em fins do séc. XIX uma descoberta fundamental, «a do sincretismo religioso entre os deuses africanos e os santos católicos. Foi ele o primeiro a descobri-la e foi ele também que chamou a atençâo dos pesquisadores sobre as formas modernas da aculturaçâo». Ver Bastide, Les religions africaines au Brésil, Paris, Presses Universitaires de France, 1960, p. 28-29.

24 Roger Bastide desenvolveu relaçôes de grande amizade com os componentes da Semana de Arte Moderna, principalmente Mârio de Andrade, Flâvio de Carvalho, Paulo Duarte e Sérgio Milliet, em cujas obras encontrava outras tantas informações e perspectivas sobre a sociedade brasileira. Seu estudo aprofundado da literatura nacional, sobretudo os

25 Durante os anos 50 e 60 (e embora esta ültima década fosse dominada pelos governos militares que perduraram até a década de 80), as Ciências Sociais conheceram uma expansão extraordinâria, com alargamento de perspectivas, multiplicação de temas e de problemas, diversificação e modernização de técnicas de pesquisa, etc. Esta expansâo se prolonga pelas décadas de 70 e 80.

26 Bastide, Roger e Fernandes, Florestan- Negros e brancos em são Paulo, S. Paulo, Cia. Editora Nacional, 1959.

27 A contribuiçâo de Florestan Fernandes às Ciências Sociais brasileiras é muito vasta: estudos sobre relaçôes raciais no Brasil; introduçâo do ponto de vista sociológico nos estudos folclóricos; anâlise das transformaçôes da estrutura social nacional; ensaios sobre problemas universitârios e sobre as orientaçôes políticas nacionais, etc. A princípio revelando influências da Antropologia Social inglesa, como se depreende do conteúdo de suas duas primeiras teses e se expressa inclusive nos títulos, seus trabalhos foram cada vez mais marcados por uma abordagem marxista, em cujas interpretaçôes se encontram forte influência de Max Weber. Um de seus primeiros, trabalhos foi a traduçâo de uma obra de Marx, Contribuiçâo à crítica da economia política, seguida do «Post-fâcio», para o qual Florestan Fernandes, em sua introduçâo, chamava especialmente a atençâo, mostrando a grande importância desse texto para a Sociologia,-texto encontrado por Kautsky e publicado pela primeira vez em 1903. Para captar melhor as diferenças entre as primeiras obras de Florestan Fernandes e as seguintes, comparar por exemplo A organização social dos tupinambás, ou entâo A funçâo social da guerra na sociedade tupinambá, que foram publicadas na década de 50, e A revoluçâo burguesa no Brasil, editada no Rio de Janeiro, Zahar, 1975.

28 Os parceiros do rio Bonito é muitas vezes apontado como a contribuiçâo fundamental de Antônio Cândido à Sociologia. Tendo em seguida abandonado este ramo do conhecimento para se dedicar à Teoría Literâria, sua obra sociológica seria pequena. No entanto, todos os seus trabalhos ligados à literatura trazem indelével o selo da Sociologia, constituindo exemplares de uma «história das mentalidades», «avant la lettre». Veja-se a esse respeito a obra prima que é a Formaçâo da literatura brasileira (momentos decisivos), publicada pela Livraria Martins Ed. em 1959. Em seus dois volumes, encontra-se novamente a preocupaçâo com o problema: «o que é a sociedade brasileira? o que é o homem brasileira?» que se procura responder agora através da produção intelectual, porém interpretada esta no contexto sócio-histórico em que ela aparece. Busca em sua obra,-e consegue realizá-lo-um ponto de equilíbrio entre, de um lado, os procedimentos históricos e sociológicos, e de outro lado os métodos propriamente literârios de anâlise.

29 Em A mitologia heróica das tribos indígenas no Brasil, Rio de Janeiro, Ministério de Educaçâo e Cultura, 1959, também Egon Schaden inovava: ia no sentido de uma «histôria das mentalidades». Note-se que sua tese de doutoramento (depois publicada sob o titulo acima) foi defendida em fins dos anos 40, sendo objeto de uma ediçâo da Faculdade de Filosofia da USP. Deste ponto de vista, Egon Schaden tambem foi um precursor.

30 Nâo teve Lourival Gomes Machado uma produçâo muito ampla, pois foi levado a abandonar suas pesquisas para ocupar, por muito tempo, o lugar de Diretor de Arte da

31 Diplomaram-se tambéms mais ou menos na mesma época jovens licenciadas que exerceram com brilho suas atividades, e cuja produção é de grande relevo. Ver por exemplo Gilda Rocha Mello e Souza, cuja tese de doutorado somente agora teve edição comercial e que constitui um trabalho ímpar de Sociologia Estética: O espírito das roupas, S. Paulo, Companhia das Letras, 1987. Ou então um trabalho pioneiro e até agora ünico: Lucila Hermann, Guarantinguetá, 120 anos da evolução de uma cidade.

32 Desde seus primeiros textos, a orientação que procede da parte para a totalidade, jâ se encontra presente: ver por exemplo «Culturas e Línguas Indígenas no Brasil», Rio de Janeiro, in Educação e ciências sociais, vol. 2, no 6,1957. Esta abordagem se amplia como se pode constatar em outro trabalho- Frontières indigènes de la civilisation, Paris, Union Générale d’Éditions, Col. 10/18, 1979. Poucos sociólogos ou antropólogos apresentarão uma carreira tão movimentada quanto a de Darcy Ribeiro que, a partir de 1960, abandonou seus trabalhos de pesquisador para ingressar na carreira política em que se encontra ainda hoje, aliada à carreira de escritor.

33 Avalia-se este crescimento pelo grande aumento de publicações especializadas. Unicamente em Sociologia, de 1939 à 1959, isto é, durante os 29 anos que compõem o período aqui estudado, depois da fundaçâo da Universidade de S. Paulo, 459 obras tinham sido publicadas. De 1960 a 1982, isto é, 12 anos que coincidem com o perfodo de repressão militar, apesar de todo o peso da censura, o número de publicaçoês subiu para 1.012. A produçâo de Antropologia e Ciência Politica talvez seja menor, porém a comparação com o que se passou em dois perfodos quanto à expansâo da Sociologia é muito significativa do grande aumento de interesse por estes ramos do conhecimento. Bianchi, Ana Maria- Evoluão temâtica da sociologia brasileira (Relatório final de pesquisa)-S. Paulo, FINEP/FIPE, 1985.

34 José Reginaldo Prandi ficou impressionado com o crescimento da procura pelos cursos de Ciências Sociais nos anos 70, enquanto o mercado de trabalho não mostrava igual desenvolvimento, ou desenvolvimento proporcional: em 4 anos, os estudantes em nível de licenciatura haviam passado de 7.721 para 10.606 em S. Paulo. Analisando o que ocorria na U.S.P., verificou que 20% destes estudantes estavam cursando ao mesmo tempo outras faculdades na própria U.S.P. ou fora dela: Direito, Economia, Engenharia, Medicina, etc., e encaravam as Ciências Sociais como um complemento indispensâvel à sua formaçâo. A existência do curso notumo no Departamento de Ciências Sociais lhes facilitava a associação de duas formaçôes, tanto mais que o noturno, mais longo, é efetuado com menos matérias de cada vez. Prandi, José Reginaldo, Os futuros cientistas sociais-S. Paulo, Departamento de Ciências Sociais/U.S.P., 1980.

35 Sem dúvida este desenvolvimento flagrante segue de perto a expansâo numérica das classes médias no pais e sua subdivisâo em uma multiplicidade de sub-níveis,-classes médias que reivindicam uma formaçâo ao mesmo mais especializada e mais humanística. A associaçâo destes dois contrârios seria interessantíssima de se estudar em todo o desenvolvimento do ensino no Brasil. Nas Ciências Sociais da U.S.P. ela teve como consegüência o fenômeno diagnosticado por José Reginaldo Prandi. Por outro lado, os anos 60-80 foram marcados no Brasil, e principalmente em S. Paulo, pela multiplicaçâo das universidades públicas e privadas, assim como pela expansâo dos cursos de Ciências Sociais. Somente no Estado de S. Paulo, existem quatro universidades püblicas, sete universidades privadas e mais de trezentas instituiçôes de ensino superior que nâo se encontram ligadas a nenhuma universidade. Às três universidades estaduais-USP, UNICAMP, UNESP,-junta-se a Universidade Federal de S. Carlos. Um outro aspecto do crescimento das Ciências Sociais cada no Brasil, que constitui um dos grandes clássicos nacionais sobre as religiôes afro-brasileiras. Colaborou em vârias revistas francesas e italianas da época: Annales Médico-Psychologiques, de Paris; Archives d’Anthropologie Criminelle, de Lyon; Archivio de Psichiatria, Scienze Penali ed Antropologia Criminale, de Turim. Foi um dos fundadores do Institut de Psychologie des Peuples. poetas, constituiu também um meio de compreendê-la dentro de um outro ângulo de visão. A respeito da utilização da poesia, ver, «A propósito da poesia como método sociológico», resposta a Sergio Milliet, poeta, que negava a possibilidade dessa utilizaçâo, «in» Perdra de Queiroz, Maria Isaura, Roger Bastide-Uma Coletânea de Textos-S. Paulo, Ed. Âtica, 1983, p. 81. Esse texto foi publicado primeiramente no jornal Diaro de S. Paulo, 8-Fevereiro-1946. Unesco, posto que ocupou atè sera morte. São dignos de nota, no entanto, Retrato da arte moderna no Brasil, S. Paulo, Departamento de Cultura, 1947; e principalmente Barroco Mineiro, S. Paulo, Perspectiva/EDUSP, 1969. se expressa na multiplicaçâo dos congressos, colóquios e reuniões científicas que têm lugar durante o ano. No primeiro semestre, em fevereiro, realiza-se a reunião da Associaçâo Brasileira de Antropologia, com suas 11 mesas redondas e seus 24 grupos de trabalho; em seguida, em maio, o Encontro Nacional do Centro de Estudos Rurais e Urbanos, reunindo representantes de instituiçôes variadas para discussâo de pesquisas em curso, que na sua XIVa reuniâo, no ano passado, contou com a representação de 42 instituiçôes de todo o pais. No mês de julho, as instituiçôes de pesquisa participant do grande congresso científico nacional da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, que comemora este ano sua 40 Reuniâo. No mês de agosto, a Associaçâo dos Sociôlogos do Estado de S. Paulo reúne seus associados na USP. Finalmente, em outubro, tem lugar a grande reuniâo geral de Ciências Sociais do pals, com seus 36 grupos de trabalho. Dificilmente se encontrarâ um pals, atualmente, que manifeste tâo grande interesse pelas Ciências Sociais quanto o Brasil.

Auteur

Centra de Estudos rurais e urbanos. Departamento de Sociologia. FFLCH USP. Universidade de São Paulo.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540