Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. L’image scientifique et technologique/A imagem científica e tecnolôgica

A influência na França da pesquisa Brasileira em ciências sociais

Ignacy Sachs

Texte intégral

1Começarei analisando uma situação um tanto paradoxal, para em seguida formular algumas sugestões que possam trazer soluções para o futuro.

2Tenho nas mãos um catálogo, um repertório de teses em Ciências Sociais e Humanas sobre o Brasil, defendidas nas universidades francesas, catálogo estabelecido pelo GRECO 26, sob a responsabilidade de Hélène Rivière d’Arc entre 1980 e 1984.

3Há mais de 200 teses defendidas sobre o Brasil.

4Quando a listagem saiu do computador, surpreendeu-nos favoravelmente. Isso dá quase uma tese por semana (se não contarmos as férias).

5Há muitas áreas representadas; muitas universidades também, não só parisienses, como também universidades da província, uma problemática diversificada com uma certa predominância de temas econômicos, mas também com uma grande participação de teses de lingüística, de literatura e de história das artes. Uma situação portanto, totalmente favorável.

6Diria, no entanto, que faltam talvez as comparativos, para os quais as universidades francesas poderiam ser muito úteis aos pesquisadores brasileiros.

7Temos portanto uma presença maciça de jovens pesquisadores brasileiros: trazem uma contribuição importante para os nossos trabalhos de pesquisa. Universidades francesas participam da formação dos pesquisadores brasileiros. Evidentemente, essas teses são de qualidade desigual, como acontece em todo lugar. Algumas são excelentes, outras de nível inferior. Devo dizer que me surpreendeu um pouco ver uma revista brasileira atribuir ao Reitor da Universidade de São Paulo uma declaração algo intempestiva a respeito de todas as teses de 3° ciclo defendidas na França e em todas as universidades de Paris e de província. Espero que se trate simplesmente de um malentendido jornalístico.

8Existe portanto uma situação favorável, mas que contrasta com a ausência de publicações uma vez as teses acabadas. Claro que são acessíveis graça a um fichário central, e já começamos a alimentar um serviço de microfilmes e microfichas das teses. Estão portanto, acessíveis.

9A meu ver são pouco utilizadas; em todo caso, não dão ensejo, no momento, a muitas publicações. Algumas foram publicadas como livros, outras como artigos; mas o número dessas publicações permanece fraco em relação ao volume das pesquisas feitas – falo das publicações na França.

10Sei que algumas dessas teses foram depois publicadas no Brasil como livros. E uma pesquisa sobre isso seria oportuna. Talvez se possa realizar, mas não é um ponto central. A observação de que existem muitas pesquisas efetuadas e poucas publicações me leva à segunda parte de minha exposição, que é menos otimista. Tentamos preparar um repertório bibliográfico dos autores brasileiros em Ciências Sociais e Humanas publicados em francês entre 1965 e 1987. Tenho a primeira versão deste trabalho que foi feito por Laure Emperaire e que recenseava 299 publicações em 22 anos (artigos ou livros), a partir dos fichários consultados na Fondation Nationale des Sciences Politiques, no IHEAL, na Maison des Sciences de l’Homme. O que representa de 7000 à 8000 referências sobre o Brasil.

11Utilizamos igualmente o Catálogo dos autores brasileiros traduzidos na França entre 1824 e 1987. É um catálogo preparado por Estela dos Santos Abreu, que ainda não foi publicado mas foi preparado pelo Bureau du Livre no consulado francês no Rio. Uma obra extremamente importante. Pode existir erros nesta bibliografia, mas ela serve de ordem de grandeza.

12A importância se mede pelo número de publicações, 300 em mais de 20 anos, entre as quais 225 artigos e 75 títulos de livros.

13Penso que é pouco em termos quantitativos. E é muito disperso do ponto de vista do lugar de publicação: 29 editores, 88 periódicos. Ao mesmo tempo, é muito disperso também a nível de autores e de temas de obras.

14Em contrapartida, há uma certa concentração, já que 7 autores, dentre os quais felizmente alguns estão aqui presentes: a Professora Queiroz e o Ministro Celso Furtado, felizmente presentes nesta mesaredonda, e poderia acrescentar F.E. Cardoso, Luciano Martins e Paulo Freire, representam um quarto do conjunto das publicações recenseadas. Isto os honra e nos permitiu aproveitar sua presença em Paris e seus trabalhos; e penso que alguns tiveram uma grande importância para a pesquisa sobre o desenvolvimento na França. O fato é que existem pouquíssimas publicações se pensarmos na vitalidade das Ciências Sociais no Brasil. E esta constatação, junto com a primeira, me leva a fazer 3 sugestões.

15A primeira é que seria útil, não para o passado mas para o futuro, pensar na publicação de um catálogo das teses sobre o Brasil defendidas na França, que poderia por exemplo incluir alguns artigos mais extensos a partir de trechos das melhores teses, e resumos que sejam mais do que simples recensão bibliográfica das outras teses, de modo a constituir um instrumento de trabalho.

16Já que estamos no momento efetuando o microfichamento das teses, talvez se pudesse imaginar transferir essas fichas para uma biblioteca brasileira.

17Quando de sua última visita em Paris, o Reitor da Universidade de Brasília nos disse que vinha assinar um acordo importante para transferir para a Biblioteca da Universidade de Brasília, o conjunto das teses sobre a América Latina defendidas nas universidades norte-americanas. E um trabalho gigantesco que se tornou possível graça ao apoio de uma fundação particular, a Xerox. Isto permitiu evidentemente se valer da Lei do Mecenato, proposta pelo Senhor Ministro C. Furtado. E houve também uma participação do governo brasileiro. É portanto uma operação muito importante já que, no futuro, a Biblioteca de Brasília vai se tornar a principal fonte de informação sobre tudo que se faz sobre a América Latina nos Estados-Unidos. Isto é muito importante.

18Pergunto-me se, num nível mais modesto, não se poderia fazer um esforço similar com as microfichas das teses sobre o Brasil defendidas nas universidades francesas. Deve-se refletir sobre as modalidades: se devemos englobar as teses defendidas antes de 1985 ou nos contentarmos em estabelecer um dispositivo que trabalhará a partir de hoje.

19Enfim, a terceira proposta se orienta num sentido inverso. Pessoalmente, acho (e não é de hoje que venho dizendo) que temos um atraso a recuperar a nível das traduções de trabalhos de nossos colegas brasileiros em Ciências Sociais, e a minha proposta seria de tentar organizar uma coleção de antologias temáticas. Isto é, definir um certo número de temas e incentivar, em colaboração com colegas brasileiros, a participação dos principais protagonistas do debate brasileiro sobre o tema proposto.

20Sejamos realistas, não se pode caminhar muito depressa, mas penso que 1 a 2 volumes por ano poderiam ser realizados e isto poderia constituir, na França, ao fim de 5 anos, uma biblioteca sobre as Ciências Socias no Brasil.

21Se esta proposta pudesse se realizar em condições de reciprocidade, seria para nós a oportunidade de apresentar melhor, em particular para o uso dos estudantes das universidades brasileiras, a contribuição das Ciências Sociais francesas em torno de alguns temas escolhidos de comum acordo entre o CNRS e o CNPQ, ou qualquer outro mecanismo de colaboração bilateral.

Auteur

Diretor de Estudos, EHESS.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540