Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

A. L’image culturelle/Imagem cultural

Relatório de síntese

Michèle Mattelart

Texte intégral

1A primeira mesa-redonda da seção intitulada «A emergência do Brasil: uma nova imagem» dedicou-se à imagem cultural.

2Tratou das vicissitudes do olhar sobre o outro, dos intercâmbios a partir, se assim podemos chamar, de quatro territórios: um primeiro sendo o da tradução de obras brasileiras na França (o primeiro mas que abordarei no final deste relatório) e outros três, marcados tanto pela mediação da arte e da técnica audio-visual como das políticas de representação da imagem: televisão, cinema e artes plásticas.

3Sobre televisão, cinema e artes plásticas foram dadas três contribuições, as de Philippe Henriot, Sylvie Pierre e Roberto Pontual.

4No debate sobre a imagem do Brasil através das traduções participaram Clélia Pisa, Georges Boisvert, Anne-Marie Quint, Jacqueline Penjon, Anne-Marie Métailié, Lígia Fonseca Ferreira e Georges Meudal.

5Primeiramente, se desejarem, farei um apanhado das diferentes situações.

6As diferentes observações feitas na maioria desses diferentes setores são pouco animadoras. Com efeito, pelo menos no campo das artes plásticas, verifica-se uma degradação. Depois da curiosidade, parece ter vingado a indiferença, quando não o desconhecimento por parte da França em relação ao Brasil. Faço minhas as conclusões de Roberto Pontual: «a imagem do Brasil no setor das Artes Plásticas não existe mais, não tem mais do que se constituir; é preferível, disse ele, o mal-entendido como o do franciscano Thevet em meados do século XVI ou o de Debret no século XIX, ao silêncio dos olhos fechados».

7Pode-se esperar que a exposição Modernidade-Art Brésilien du XXe siècle, a ser inaugurada proximamente no Museu de Arte Moderna da cidade de Paris, contribua para romper esse silêncio.

8Quanto ao cinema, apesar do papel de algumas figuras-chaves da história do cinema na França e com exceção dos anos 60, quando floresce na Europa e particularmente na Itália e na França uma linha de pensamento terceiro-mundista que acolherá entusiasticamente as primeiras manifestações do Cinema Novo, vão-se acumular mal-entendidos e preconceitos principalmente em certos meios da crítica cinematográfica parisiense. Mal-entendidos e preconceitos que persistem e, aliados aos obstáculos estruturais como os criados pela política de programação dos circuitos comerciais, fazem com que, por exemplo, um dos filmes mais representativos da recentíssima produção brasileira não tenha saído em cartaz, nem tenha sido visto pelo público francês.

9A imagem do estrangeiro passa melhor quando apresentada numa super-produção e por um diretor cujo nome seja amplamente conhecido pelo grande público, sendo também reforçada por uma intensa publicidade em varias mídias. Obviamente, um filme como O último imperador de Bertolucci passará mais facilmente do que Cabra marcado para morrer (Un homme à abattre), de Eduardo Coutinho, apesar de ter sido agraciado com o prêmio de melhor filme nos festivais do Rio e de Havana.

10A retrospectiva do cinema brasileiro realizado no Beaubourg este ano representa, certamente, uma iniciativa sem precedente, mas em geral nossa relação com o cinema brasileiro se resume num privilégio de iniciados, na medida em que se confina ao gueto dos cinemas de arte e experimentais.

11A comunicação de Sylvie Pierre sobre cinema foi encerrada com votos de que se favoreça o lugar do cinema brasileiro na televisão francesa. Não posso deixar de associar-me a esses votos, mas para mim é também uma oportunidade de assinalar aqui um paradoxo: com efeito, embora presenciemos uma explosão da imagem televisiva e a multiplicação dos canais de retransmissão, isso esta longe de significar a existência de espaços reservados à cultura do outro, à imagem do outro. Creio que esta batalha merece ser levada adiante.

12Em compensação e precisamente por causa desta multiplicação das necessidades de imagens, por causa da multiplicação principalmente das necessidades de programação televisiva, o Brasil surge agora como ator no mercado internacional dos programas de televisão. A exemplo de vários países europeus, porém com uma atitude mais tímida do que muitos deles, a televisão francesa abriu-se às produções brasileiras. Público e televisões mornas, como se notou, em franco contraste com o impacto catártico que esta produção tem no Brasil, seu país de origem, e em outros diversos países. Esta é uma oportunidade para medirmos as distâncias, quando não as contradições entre dois sistemas de televisão inscritos em formações e contextos culturais nacionais diferentes, oportunidade também de nos fazermos uma pergunta crucial hoje em dia: por que algumas televisões, e refiro-me à televisão brasileira, são mais populares do que outras? Esta pergunta é particularmente obsessiva quando parte de uma sociedade como a nossa, que viveu por muito tempo com um sistema de serviço público protegido por uma idéia de «alta» cultura e com um mercado audio-visual cativo; pergunta obsessiva num momento em que a dispersão das televisões tradicionais multiplica a necessidade de imagens e de programas. O confronto com a televisão brasileira parece pôr novamente em jogo, conforme transpareceu nos debates, além da modernidade tecnológica e industrial, as representações das relações entre culturas situadas historicamente num e noutro polo da clivagem geopolítica Norte-Sul. Nesta nova fase das relações culturais intermediadas por indústrias, o estereótipo não continuaria a rivalizar com a intuição profunda, para de novo dar vida ao velho dilema afetividade-razão, Natureza-Cultura?

13Passarei agora aos debates sobre as traduções, sobre a imagem do Brasil presente nas traduções de obras brasileiras. Um levantamento exaustivo das traduções dos livros brasileiros na França, revela uma forte expansão no período situado entre 1966 e 1987. Este levantamento permite por outro lado assinalar a transformação completa por que passa a imagem do Brasil no fim da Segunda Guerra, principalmente pela seguinte razão: enquanto no primeiro período as traduções eram propostas por pessoas pertencentes ao establishment, na segunda vai-se produzir a diversificação das fontes e o leque de traduções de obras brasileiras ampliar-se-á consideravelmente. Apesar disso e da atual expansão, o que se traduziu na França não oferece um retrato fiel do que é a literatura brasileira hoje. Esta deformação é tanto mais deplorável na área da poesia.

14Registre-se um fato que não é de menor interesse: enquanto, na época do boom latino-americano o Brasil ficou excluído, os editores passaram a se voltar para a literatura brasileira à medida que esse boom perdia importância. Aumento de interesse sem dúvida ligado a um maior espaço que o Brasil ocupa hoje nas mídias francesas. Note-se que as traduções nunca ultrapassam 1 500 exemplares, e já se disse que não haveria best-sellers. Devo, porém, acrescentar que se acendeu uma polêmica sobre o assunto no auditório, onde alguém perguntou se as traduções de um autor como Jorge Amado não poderiam ser consideradas best-sellers.

15Do debate surgiram duas propostas, uma parte mais programática, se preferirem:

16A primeira proposta seria de lançar um política de auxílio ao editor, que favorecesse consideravelmente a publicação de obras brasileiras traduzidas, reduzindo-lhe o custo das traduções, pois este é um obstáculo que sempre se apresenta contra estas últimas.

17A segunda seria de montar uma política de informação para as bibliotecas, onde a presença de livros brasileiros, aliás classificados com livros portugueses, deixa muito a desejar, segundo uma pesquisa realizada nas bibliotecas parisienses.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540